SlideShare uma empresa Scribd logo
Retorno à Vida
Corporal:
Planejamento
Reencarnatório
Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita
Tomo I – Módulo VI – Roteiro 3
Todos os Espíritos tendem para a perfeição e
Deus lhes faculta os meios de alcançá-la,
proporcionando-lhes as provações da vida
corporal. Sua justiça, porém, lhes concede
realizar, em novas existências, o que não
puderam fazer ou concluir numa primeira
prova.
O Livro dos Espíritos, q.171
Compreendemos assim, que não há improvisação nos procedimentos que
antecedem as experiências reencarnatórias.
Existe, na verdade, uma planificação
fundamentada na lógica e na moralidade, tendo
em vista o progresso espiritual da criatura
humana.
A escolha das provas no planejamento
reencarnatório merece cuidados especiais
por parte dos Espíritos planejadores.
Quando é definido o momento da
reencarnação?
Quais são as condições que determinam que é
chegada a hora do retorno à vida corporal?
Podemos selecionar as provas ou experiências
que vivenciaremos no plano físico?
Que critérios são utilizados, por exemplo, para a
escolha dos nossos pais e demais familiares, ou
da cidade e país em que renasceremos?
Como são definidas questões relativas ao
casamento, aos filhos, à profissão?
O homem, que tem consciência da sua inferioridade, haure
consoladora esperança na doutrina da reencarnação. Se crê
na justiça de Deus, não pode contar que venha a achar-se,
para sempre, em pé de igualdade com os que mais fizeram
do que ele. Sustém-no, porém, e lhe reanima a coragem a
ideia de que aquela inferioridade não o deserda eternamente
do supremo bem e que, mediante novos esforços, dado lhe
será conquistá-lo. Quem é que, ao cabo da sua carreira, não
deplora haver tão tarde ganho uma experiência de que já
não mais pode tirar proveito? Entretanto, essa experiência
tardia não fica perdida; o Espírito a utilizará em nova
existência.
O Livro dos Espíritos, q. 171
A reencarnação, porém, não
dispensa planejamento, mesmo
em se tratando das
reencarnações mais simples. Este
planejamento pode ser elaborado
pelo próprio Espírito que deseja
ou necessita reencarnar, desde
que ele tenha condições morais e
intelectuais para tanto.
O planejamento, pode, no entanto, ser delegado a um Espírito esclarecido, caso o
reencarnante não ofereça, no momento, condições para planejar a própria
reencarnação, ou opinar sobre a mesma. Neste assunto, como em outros, sabemos
que não existe livre-arbítrio absoluto, mesmo em se tratando de Espíritos
verdadeiramente superiores.
Nada ocorre sem a permissão de Deus, porquanto foi Deus quem
estabeleceu todas as leis que regem o Universo. [...] Dando ao Espírito a
liberdade de escolher, Deus lhe deixa a inteira responsabilidade de seus atos
e das consequências que estes tiverem.
O Espírito mais adiantado em
moralidade e em conhecimento [...]
escolhe o gênero de provas por que há
de passar e nisso consiste o seu livre-
arbítrio. Nada lhe estorva o futuro;
abertos se lhe acham, assim, o caminho
do bem, como o do mal. Se vier a
sucumbir, restar-lhe-á a consolação de
que nem tudo se lhe acabou e que a
bondade divina lhe concede a liberdade
de recomeçar o que foi malfeito.
É importante destacar que o planejamento
reencarnatório prevê, em geral, apenas os
principais acontecimentos que poderão ocorrer
no mundo físico.
O Livro dos Espíritos, q. 259
Independentemente de um Espírito ter
elaborado ou participado efetivamente do próprio
planejamento reencarnatório, não há garantias
de que esse planejamento será cumprido, total
ou parcialmente.
Sabemos [...] haver Espíritos que desde o começo tomam um caminho que
o exime de muitas provas. Aquele, porém, que se deixa arrastar para o mau
caminho, corre todos os perigos que o inçam. Pode um Espírito, por
exemplo, pedir a riqueza e ser-lhe esta concedida. Então, conforme o seu
caráter, poderá tornar-se avaro ou pródigo, egoísta ou generoso, ou ainda
lançar-se a todos os gozos da sensualidade.
Percebe-se, pois, que a questão do planejamento reencarnatório está ligada às
consequências do uso do livre-arbítrio, situação que sempre reflete o nosso nível
de evolução moral e intelectual.
É por esta razão que os Espíritos dedicados a esse gênero de tarefa consideram todas as
ações que executamos, antes e depois da desencarnação, definindo critérios norteadores
do planejamento reencarnatório que nos cabe.
Os Espíritos no início do processo evolutivo, ou portadores de marcante perturbação
espiritual, ou ainda que demonstram persistente estado de rebeldia perante a Lei de Deus,
estão temporariamente impedidos de opinar no próprio planejamento reencarnatório. Nesta
situação, a experiência reencarnatória é tutelada por um Espírito esclarecido, apresentando
características de compulsoriedade.
O momento preciso para iniciar um planejamento
reencarnatório é infinitamente variável de Espírito
para Espírito. Depende do grau de entendimento de
cada um. Sabe-se, por exemplo, que o Espírito leva
mais tempo para fazer a escolha das suas provas
quando acredita na eternidade das penas após a
desencarnação.
Em suma, podemos afirmar que os planejamentos
reencarnatórios são muito diversificados, porque
diversas são as necessidades humanas.
A história de Stella
1. Onde, na história, encontramos evidências de um
planejamento reencarnatório?
2. Que ideias o texto oferece para justificar as evidências
indicadas na resposta anterior?
3. Que trecho da história indica que, efetivamente,
não há improvisação nos procedimentos que
antecedem as experiências reencarnatórias?
4. Seria correto afirmar que todos os personagens
citados na história conceberam, por livre iniciativa,
o próprio planejamento reencarnatório? Por quê?
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Denise Aguiar
 
Progressão e escala espírita
Progressão e escala espíritaProgressão e escala espírita
Progressão e escala espírita
Izabel Cristina Fonseca
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 
Palestra 8 obsessão espiritual
Palestra 8 obsessão espiritualPalestra 8 obsessão espiritual
Palestra 8 obsessão espiritual
Jose Ferreira Almeida
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do pai
Gianete Rocha
 
Da encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritosDa encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritos
Marcos Antônio Alves
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
Marcos Bueno Sander
 
O Passe
O PasseO Passe
O Passe
paikachambi
 
2.9.2 Possessos - Convulsionários
2.9.2   Possessos - Convulsionários2.9.2   Possessos - Convulsionários
2.9.2 Possessos - Convulsionários
Marta Gomes
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
paikachambi
 
Retorno à Vida Corporal
Retorno à Vida CorporalRetorno à Vida Corporal
Retorno à Vida Corporal
contatodoutrina2013
 
Palestra Espírita - O espiritismo como educação
Palestra Espírita - O espiritismo como educaçãoPalestra Espírita - O espiritismo como educação
Palestra Espírita - O espiritismo como educação
Divulgador do Espiritismo
 
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consolador
grupodepaisceb
 
Preparação reencarnatória no mundo espiritual palestra
Preparação reencarnatória no mundo espiritual palestraPreparação reencarnatória no mundo espiritual palestra
Preparação reencarnatória no mundo espiritual palestra
Euzebio Raimundo da Silva
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
Fluido Cósmico ou Universal
Fluido Cósmico ou UniversalFluido Cósmico ou Universal
Fluido Cósmico ou Universal
Rivaldo Guedes Corrêa. Jr
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Elysio Laroide Lugarinho
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
Roseli Lemes
 

Mais procurados (20)

Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
Progressão e escala espírita
Progressão e escala espíritaProgressão e escala espírita
Progressão e escala espírita
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 
Palestra 8 obsessão espiritual
Palestra 8 obsessão espiritualPalestra 8 obsessão espiritual
Palestra 8 obsessão espiritual
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do pai
 
Da encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritosDa encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritos
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
 
O Passe
O PasseO Passe
O Passe
 
2.9.2 Possessos - Convulsionários
2.9.2   Possessos - Convulsionários2.9.2   Possessos - Convulsionários
2.9.2 Possessos - Convulsionários
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
 
Retorno à Vida Corporal
Retorno à Vida CorporalRetorno à Vida Corporal
Retorno à Vida Corporal
 
Palestra Espírita - O espiritismo como educação
Palestra Espírita - O espiritismo como educaçãoPalestra Espírita - O espiritismo como educação
Palestra Espírita - O espiritismo como educação
 
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consolador
 
Preparação reencarnatória no mundo espiritual palestra
Preparação reencarnatória no mundo espiritual palestraPreparação reencarnatória no mundo espiritual palestra
Preparação reencarnatória no mundo espiritual palestra
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
Fluido Cósmico ou Universal
Fluido Cósmico ou UniversalFluido Cósmico ou Universal
Fluido Cósmico ou Universal
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
 

Semelhante a Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx

7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
Sergio Lima Dias Junior
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Capitulo IV   Pluralidade das existenciasCapitulo IV   Pluralidade das existencias
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Marta Gomes
 
Reencarnação instrumento pedagógico
Reencarnação instrumento pedagógicoReencarnação instrumento pedagógico
Reencarnação instrumento pedagógico
Helio Cruz
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
sndteixeira
 
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida CorporalCapitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
Marta Gomes
 
Resenha de estudos espiritas 06
Resenha de estudos espiritas 06Resenha de estudos espiritas 06
Resenha de estudos espiritas 06
MRS
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
sndteixeira
 
Palestra reencarnação e laços de família
Palestra reencarnação e laços de famíliaPalestra reencarnação e laços de família
Palestra reencarnação e laços de família
Anderson Santos
 
Qual é a vantagem em ser espírita
Qual é a vantagem em ser espíritaQual é a vantagem em ser espírita
Qual é a vantagem em ser espírita
Helio Cruz
 
Reencarnacao como processo_educativo-samara_n
Reencarnacao como processo_educativo-samara_nReencarnacao como processo_educativo-samara_n
Reencarnacao como processo_educativo-samara_n
carlos freire
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
paikachambi
 
Aula - Reencarnação como Processo Educativo - Rosana De Rosa
Aula - Reencarnação como Processo Educativo - Rosana De Rosa Aula - Reencarnação como Processo Educativo - Rosana De Rosa
Aula - Reencarnação como Processo Educativo - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Ceuinferno 011 1a. parte capítulo vii - as penas futuras segundo o espiritismo
Ceuinferno 011 1a. parte capítulo vii - as penas futuras segundo o espiritismoCeuinferno 011 1a. parte capítulo vii - as penas futuras segundo o espiritismo
Ceuinferno 011 1a. parte capítulo vii - as penas futuras segundo o espiritismo
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Reencarnação agosto17
Reencarnação agosto17Reencarnação agosto17
Reencarnação agosto17
PABLO SOBRINHO
 
Reencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidadeReencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidade
Victor Passos
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Jean Dias
 
Universalismo crstico apostila - 009 - 2011 - lar
Universalismo crstico   apostila - 009 - 2011 - larUniversalismo crstico   apostila - 009 - 2011 - lar
Universalismo crstico apostila - 009 - 2011 - lar
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
Deborah Oliver
 
2.7.1 Preludios do retorno
2.7.1   Preludios do retorno2.7.1   Preludios do retorno
2.7.1 Preludios do retorno
Marta Gomes
 

Semelhante a Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx (20)

7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Capitulo IV   Pluralidade das existenciasCapitulo IV   Pluralidade das existencias
Capitulo IV Pluralidade das existencias
 
Reencarnação instrumento pedagógico
Reencarnação instrumento pedagógicoReencarnação instrumento pedagógico
Reencarnação instrumento pedagógico
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
 
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida CorporalCapitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
 
Resenha de estudos espiritas 06
Resenha de estudos espiritas 06Resenha de estudos espiritas 06
Resenha de estudos espiritas 06
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
 
Palestra reencarnação e laços de família
Palestra reencarnação e laços de famíliaPalestra reencarnação e laços de família
Palestra reencarnação e laços de família
 
Qual é a vantagem em ser espírita
Qual é a vantagem em ser espíritaQual é a vantagem em ser espírita
Qual é a vantagem em ser espírita
 
Reencarnacao como processo_educativo-samara_n
Reencarnacao como processo_educativo-samara_nReencarnacao como processo_educativo-samara_n
Reencarnacao como processo_educativo-samara_n
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
Aula - Reencarnação como Processo Educativo - Rosana De Rosa
Aula - Reencarnação como Processo Educativo - Rosana De Rosa Aula - Reencarnação como Processo Educativo - Rosana De Rosa
Aula - Reencarnação como Processo Educativo - Rosana De Rosa
 
Ceuinferno 011 1a. parte capítulo vii - as penas futuras segundo o espiritismo
Ceuinferno 011 1a. parte capítulo vii - as penas futuras segundo o espiritismoCeuinferno 011 1a. parte capítulo vii - as penas futuras segundo o espiritismo
Ceuinferno 011 1a. parte capítulo vii - as penas futuras segundo o espiritismo
 
Reencarnação agosto17
Reencarnação agosto17Reencarnação agosto17
Reencarnação agosto17
 
Reencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidadeReencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidade
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
 
Universalismo crstico apostila - 009 - 2011 - lar
Universalismo crstico   apostila - 009 - 2011 - larUniversalismo crstico   apostila - 009 - 2011 - lar
Universalismo crstico apostila - 009 - 2011 - lar
 
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
 
2.7.1 Preludios do retorno
2.7.1   Preludios do retorno2.7.1   Preludios do retorno
2.7.1 Preludios do retorno
 

Último

A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 

Último (12)

A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 

Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx

  • 1. Retorno à Vida Corporal: Planejamento Reencarnatório Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita Tomo I – Módulo VI – Roteiro 3
  • 2. Todos os Espíritos tendem para a perfeição e Deus lhes faculta os meios de alcançá-la, proporcionando-lhes as provações da vida corporal. Sua justiça, porém, lhes concede realizar, em novas existências, o que não puderam fazer ou concluir numa primeira prova. O Livro dos Espíritos, q.171 Compreendemos assim, que não há improvisação nos procedimentos que antecedem as experiências reencarnatórias.
  • 3. Existe, na verdade, uma planificação fundamentada na lógica e na moralidade, tendo em vista o progresso espiritual da criatura humana. A escolha das provas no planejamento reencarnatório merece cuidados especiais por parte dos Espíritos planejadores.
  • 4. Quando é definido o momento da reencarnação? Quais são as condições que determinam que é chegada a hora do retorno à vida corporal? Podemos selecionar as provas ou experiências que vivenciaremos no plano físico? Que critérios são utilizados, por exemplo, para a escolha dos nossos pais e demais familiares, ou da cidade e país em que renasceremos? Como são definidas questões relativas ao casamento, aos filhos, à profissão?
  • 5. O homem, que tem consciência da sua inferioridade, haure consoladora esperança na doutrina da reencarnação. Se crê na justiça de Deus, não pode contar que venha a achar-se, para sempre, em pé de igualdade com os que mais fizeram do que ele. Sustém-no, porém, e lhe reanima a coragem a ideia de que aquela inferioridade não o deserda eternamente do supremo bem e que, mediante novos esforços, dado lhe será conquistá-lo. Quem é que, ao cabo da sua carreira, não deplora haver tão tarde ganho uma experiência de que já não mais pode tirar proveito? Entretanto, essa experiência tardia não fica perdida; o Espírito a utilizará em nova existência. O Livro dos Espíritos, q. 171
  • 6. A reencarnação, porém, não dispensa planejamento, mesmo em se tratando das reencarnações mais simples. Este planejamento pode ser elaborado pelo próprio Espírito que deseja ou necessita reencarnar, desde que ele tenha condições morais e intelectuais para tanto.
  • 7. O planejamento, pode, no entanto, ser delegado a um Espírito esclarecido, caso o reencarnante não ofereça, no momento, condições para planejar a própria reencarnação, ou opinar sobre a mesma. Neste assunto, como em outros, sabemos que não existe livre-arbítrio absoluto, mesmo em se tratando de Espíritos verdadeiramente superiores.
  • 8. Nada ocorre sem a permissão de Deus, porquanto foi Deus quem estabeleceu todas as leis que regem o Universo. [...] Dando ao Espírito a liberdade de escolher, Deus lhe deixa a inteira responsabilidade de seus atos e das consequências que estes tiverem.
  • 9. O Espírito mais adiantado em moralidade e em conhecimento [...] escolhe o gênero de provas por que há de passar e nisso consiste o seu livre- arbítrio. Nada lhe estorva o futuro; abertos se lhe acham, assim, o caminho do bem, como o do mal. Se vier a sucumbir, restar-lhe-á a consolação de que nem tudo se lhe acabou e que a bondade divina lhe concede a liberdade de recomeçar o que foi malfeito.
  • 10. É importante destacar que o planejamento reencarnatório prevê, em geral, apenas os principais acontecimentos que poderão ocorrer no mundo físico. O Livro dos Espíritos, q. 259
  • 11. Independentemente de um Espírito ter elaborado ou participado efetivamente do próprio planejamento reencarnatório, não há garantias de que esse planejamento será cumprido, total ou parcialmente. Sabemos [...] haver Espíritos que desde o começo tomam um caminho que o exime de muitas provas. Aquele, porém, que se deixa arrastar para o mau caminho, corre todos os perigos que o inçam. Pode um Espírito, por exemplo, pedir a riqueza e ser-lhe esta concedida. Então, conforme o seu caráter, poderá tornar-se avaro ou pródigo, egoísta ou generoso, ou ainda lançar-se a todos os gozos da sensualidade.
  • 12. Percebe-se, pois, que a questão do planejamento reencarnatório está ligada às consequências do uso do livre-arbítrio, situação que sempre reflete o nosso nível de evolução moral e intelectual. É por esta razão que os Espíritos dedicados a esse gênero de tarefa consideram todas as ações que executamos, antes e depois da desencarnação, definindo critérios norteadores do planejamento reencarnatório que nos cabe.
  • 13. Os Espíritos no início do processo evolutivo, ou portadores de marcante perturbação espiritual, ou ainda que demonstram persistente estado de rebeldia perante a Lei de Deus, estão temporariamente impedidos de opinar no próprio planejamento reencarnatório. Nesta situação, a experiência reencarnatória é tutelada por um Espírito esclarecido, apresentando características de compulsoriedade.
  • 14. O momento preciso para iniciar um planejamento reencarnatório é infinitamente variável de Espírito para Espírito. Depende do grau de entendimento de cada um. Sabe-se, por exemplo, que o Espírito leva mais tempo para fazer a escolha das suas provas quando acredita na eternidade das penas após a desencarnação. Em suma, podemos afirmar que os planejamentos reencarnatórios são muito diversificados, porque diversas são as necessidades humanas.
  • 15. A história de Stella
  • 16. 1. Onde, na história, encontramos evidências de um planejamento reencarnatório? 2. Que ideias o texto oferece para justificar as evidências indicadas na resposta anterior? 3. Que trecho da história indica que, efetivamente, não há improvisação nos procedimentos que antecedem as experiências reencarnatórias? 4. Seria correto afirmar que todos os personagens citados na história conceberam, por livre iniciativa, o próprio planejamento reencarnatório? Por quê?