SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Acidentes do Litoral Português
Um Olhar Por Portugal 
Portugal localiza-se no extremo sudoeste da Europa, 
voltado para o oceano Atlântico. 
Apresenta uma costa extensa com cerca de 850 km: 650 
Km na direção norte-sul e 200 Km na direção este-oeste. 
Caracteriza-se por ser sinuosa, apresentando vários 
acidentes de costa, bem como os dois tipo de costa mais 
comuns: praia e arriba.
A costa pode apresentar várias formas
Baía - reentrância do mar no continente. A de pequena 
dimensão é uma enseada e a de maior dimensão é um golfo. 
Cordões litorais – acumulações de areia que resultam da 
deposição de sedimentos transportados pelos rios e pelas 
correntes marítimas, geralmente paralelas à linha de costa. 
Cabo - saliência do litoral que penetra no mar. 
Restinga – banco de areia ligado à costa 
Cabedelo – depósitos de areias na foz de um rio que separa 
as águas fluviais das marítimas 
Duna – monte de areia proveniente da ação modeladora do 
vento.
Arco – passagem por um pequeno cabo. 
Farilhão – coluna rochosa que resulta do abatimento de um arco. 
Gruta – fenda na base das arribas. 
Tômbolo – forma litoral que resulta da ligação de uma ilha ao 
continente através de um cordão de sedimentos marinhos. 
Estuário - Foz de um rio que desagua no mar através de um único 
braço. 
Delta - Foz de um rio que desagua no mar através de vários braços. 
Sapal - terreno alagado temporariamente inundado pelas águas de um 
rio e que, quando localizados junto à foz, variam com a subida e a descida 
das marés.
Os principais cabos são: Cabo Mondego, 
Cabo Carvoeiro, Cabo da Roca, Cabo Raso, 
Cabo Espichel, Cabo de Sines, Cabo de São 
Vicente e Cabo de Santa Maria. 
Os principais estuários são o dos rios Tejo e 
Sado. 
As principais rias são as de Aveiro ou “haff-delta 
de Aveiro”, a ria Formosa ou “lido” de 
Faro. 
Como exemplo de tômbolo, temos o de 
Peniche. 
A baía mais conhecida é a de São Martinho 
do Porto, também conhecida por “concha” 
de São Martinho.
Farilhão Arco 
Ponta da Piedade, Lagos
Dunas Praia do Guincho, Sintra
Praia do Cabedelo, Vila Nova de Gaia
Cabo da Roca, Sintra
Baía de Cascais
Gruta, Ponta da Piedade
Delta Rio Nilo
Delta do Rio Nilo
Sapal, Rio Tejo
Sapal, Rio Tejo
Estuário Rio Guadiana
Principais Acidentes da Costa Portuguesa: 
Ria de Aveiro (ou Haff-delta de Aveiro) 
Tômbolo de Peniche 
Ria Formosa (ou Ria de Faro) 
Concha de São Martinho 
Estuários do Tejo e do Sado
Ria de Aveiro (Haff-delta) 
Formação lagunar pouco 
profunda , que resultou da 
regressão do mar, da 
acumulação de sedimentos 
transportados pelo rio Vouga 
e da deposição de areias 
transportadas pelas correntes 
marítimas, que formaram um 
cordão arenoso de norte para 
sul com cerca de 1Km de 
largura.
Tômbolo de Peniche 
Resultou da 
acumulação de 
sedimentos arenosos 
transportados pelas 
correntes marítimas 
que acabou por ligar 
a pequena ilha de 
Peniche ao 
continente, por um 
cordão litoral.
Ria Formosa ou Lido de Faro 
Zona lagunar, constituída 
por ilhotas arenosas, 
rodeada por extensos 
cordões de areia, 
envolvidos por canais 
que ligam ao mar e que 
permitem a passagem 
das embarcações.
Concha de São Martinho 
Em tempos, localizava-se aqui 
um grande golfe que foi 
reduzindo devido a uma 
intensa sedimentação. 
Atualmente é uma baía de 
águas calmas e pouco 
profundas, de formato 
semicircular, em comunicação 
com o mar por uma passagem 
estreita (cerca de 250 metros) 
entre duas arribas.
Estuários do Tejo e do Sado 
Estuário - Foz de um rio 
que desagua no mar 
através de um único 
braço e onde os efeitos 
das marés e das 
correntes se fazem 
sentir.
Alguns Acidentes da Costa Portuguesa
Ocupação do Litoral 
O litoral é muito atrativo para a fixação da população – o clima é 
mais ameno e nele se localizam as principais atividades 
económicas e as vias de comunicação. As cidades do litoral são 
densamente povoadas.
A construção de esporões e molhes e também de 
paredões visam proteger a linha de costa do avanço 
do mar.
O litoral é também uma área bastante frágil e de difícil 
recuperação quando as suas potencialidades se 
encontram ameaçadas. O recuo da linha de costa 
provocado não só pela ação do ser humano mas também 
pelos fenómenos naturais é o principal problema que 
preocupa as populações costeiras.
Praia Maria Luísa, Albufeira 
As construções de edifícios em áreas de arribas e 
dunas e a existência de pouca vegetação nas 
mesmas acentuam ainda mais a ação dos agentes 
erosivos. São cada vez mais frequentes as notícias 
de derrocadas de falésias e inundações de áreas 
litorais, causando grandes prejuízos materiais e 
humanos, por vezes.
Azenhas do Mar, Colares, Sintra
Quarteira
Calçadão, Quarteira
Calçadão, Quarteira
Costa da Caparica, inverno, 2013
Praia do Vale do Lobo, Quarteira
Praia D. Ana, Lagos
Sesimbra
Praia de S. Pedro de Moel
É necessária uma política de ordenamento do território 
(POT) que implemente medidas de proteção e de 
recuperação da orla costeira, tais como preservar e 
recuperar as dunas, proibir a construção em áreas 
protegidas e implementar cada vez mais medidas 
preventivas. 
Praia da Aguda, Vila Nova de Gaia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoSara Guerra
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Miguel Sargento
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualIdalina Leite
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoralTiago Lobao
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Ilda Bicacro
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesrmmpr
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaIlda Bicacro
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloRaffaella Ergün
 
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoA posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoVictor Veiga
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatóriaIlda Bicacro
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulosClaudiaSacres
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoDavide Ferreira
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...Joana Pinto
 
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.Mariana Costa
 

Mais procurados (20)

As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
Geografia[1]
Geografia[1]Geografia[1]
Geografia[1]
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoral
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidades
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoA posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- Alentejo
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
 
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
 
A Pesca
A PescaA Pesca
A Pesca
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
 

Semelhante a Acidentes litoral

As potencialidades do litoral(5774)
As potencialidades do litoral(5774)As potencialidades do litoral(5774)
As potencialidades do litoral(5774)martinha1700
 
Ap carina e joanas
Ap carina e joanasAp carina e joanas
Ap carina e joanasjpeuromat
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralmariasilva3851
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralmariasilva3851
 
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)Idalina Leite
 
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º GeografiaDinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º GeografiaVictor Veiga
 
Aspectosdacosta maria teresa
Aspectosdacosta maria teresaAspectosdacosta maria teresa
Aspectosdacosta maria teresaIsildaMourato
 
Formas de relevo no literal de portugal
Formas de relevo no literal de portugalFormas de relevo no literal de portugal
Formas de relevo no literal de portugalMariana Saraiva
 
O relevo litoral
O relevo litoralO relevo litoral
O relevo litoralclaudiamf11
 
Rios portugueses da nascente à foz_2
Rios portugueses da nascente à foz_2Rios portugueses da nascente à foz_2
Rios portugueses da nascente à foz_2Idalina Leite
 
Aspectos do litoral_1
Aspectos do litoral_1Aspectos do litoral_1
Aspectos do litoral_1Idalina Leite
 
B1 - Relevo- litoral.pptx
B1 - Relevo- litoral.pptxB1 - Relevo- litoral.pptx
B1 - Relevo- litoral.pptxSusana Azevedo
 
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
SituacoesmeteorologicastipicasdeportugalSituacoesmeteorologicastipicasdeportugal
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugaljeldomingues
 

Semelhante a Acidentes litoral (20)

As potencialidades do litoral(5774)
As potencialidades do litoral(5774)As potencialidades do litoral(5774)
As potencialidades do litoral(5774)
 
Ap carina e joanas
Ap carina e joanasAp carina e joanas
Ap carina e joanas
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoral
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoral
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
 
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º GeografiaDinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
 
Aspectosdacosta maria teresa
Aspectosdacosta maria teresaAspectosdacosta maria teresa
Aspectosdacosta maria teresa
 
Aspectos litoral_2
Aspectos litoral_2Aspectos litoral_2
Aspectos litoral_2
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
 
Formas de relevo no literal de portugal
Formas de relevo no literal de portugalFormas de relevo no literal de portugal
Formas de relevo no literal de portugal
 
Dinamica litoral
Dinamica litoralDinamica litoral
Dinamica litoral
 
O relevo litoral
O relevo litoralO relevo litoral
O relevo litoral
 
Rios portugueses da nascente à foz_2
Rios portugueses da nascente à foz_2Rios portugueses da nascente à foz_2
Rios portugueses da nascente à foz_2
 
Aspectos do litoral_1
Aspectos do litoral_1Aspectos do litoral_1
Aspectos do litoral_1
 
Aspectos da costa
Aspectos da costaAspectos da costa
Aspectos da costa
 
Aspectos Da Costa
Aspectos Da CostaAspectos Da Costa
Aspectos Da Costa
 
Aspectos Da Costa
Aspectos Da CostaAspectos Da Costa
Aspectos Da Costa
 
B1 - Relevo- litoral.pptx
B1 - Relevo- litoral.pptxB1 - Relevo- litoral.pptx
B1 - Relevo- litoral.pptx
 
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
SituacoesmeteorologicastipicasdeportugalSituacoesmeteorologicastipicasdeportugal
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
 

Último

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdflbgsouza
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasdiegosouzalira10
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.FLAVIA LEZAN
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalDouglasVasconcelosMa
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 

Último (20)

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

Acidentes litoral

  • 1. Acidentes do Litoral Português
  • 2.
  • 3. Um Olhar Por Portugal Portugal localiza-se no extremo sudoeste da Europa, voltado para o oceano Atlântico. Apresenta uma costa extensa com cerca de 850 km: 650 Km na direção norte-sul e 200 Km na direção este-oeste. Caracteriza-se por ser sinuosa, apresentando vários acidentes de costa, bem como os dois tipo de costa mais comuns: praia e arriba.
  • 4. A costa pode apresentar várias formas
  • 5. Baía - reentrância do mar no continente. A de pequena dimensão é uma enseada e a de maior dimensão é um golfo. Cordões litorais – acumulações de areia que resultam da deposição de sedimentos transportados pelos rios e pelas correntes marítimas, geralmente paralelas à linha de costa. Cabo - saliência do litoral que penetra no mar. Restinga – banco de areia ligado à costa Cabedelo – depósitos de areias na foz de um rio que separa as águas fluviais das marítimas Duna – monte de areia proveniente da ação modeladora do vento.
  • 6. Arco – passagem por um pequeno cabo. Farilhão – coluna rochosa que resulta do abatimento de um arco. Gruta – fenda na base das arribas. Tômbolo – forma litoral que resulta da ligação de uma ilha ao continente através de um cordão de sedimentos marinhos. Estuário - Foz de um rio que desagua no mar através de um único braço. Delta - Foz de um rio que desagua no mar através de vários braços. Sapal - terreno alagado temporariamente inundado pelas águas de um rio e que, quando localizados junto à foz, variam com a subida e a descida das marés.
  • 7. Os principais cabos são: Cabo Mondego, Cabo Carvoeiro, Cabo da Roca, Cabo Raso, Cabo Espichel, Cabo de Sines, Cabo de São Vicente e Cabo de Santa Maria. Os principais estuários são o dos rios Tejo e Sado. As principais rias são as de Aveiro ou “haff-delta de Aveiro”, a ria Formosa ou “lido” de Faro. Como exemplo de tômbolo, temos o de Peniche. A baía mais conhecida é a de São Martinho do Porto, também conhecida por “concha” de São Martinho.
  • 8. Farilhão Arco Ponta da Piedade, Lagos
  • 9. Dunas Praia do Guincho, Sintra
  • 10. Praia do Cabedelo, Vila Nova de Gaia
  • 11. Cabo da Roca, Sintra
  • 13. Gruta, Ponta da Piedade
  • 15. Delta do Rio Nilo
  • 19. Principais Acidentes da Costa Portuguesa: Ria de Aveiro (ou Haff-delta de Aveiro) Tômbolo de Peniche Ria Formosa (ou Ria de Faro) Concha de São Martinho Estuários do Tejo e do Sado
  • 20. Ria de Aveiro (Haff-delta) Formação lagunar pouco profunda , que resultou da regressão do mar, da acumulação de sedimentos transportados pelo rio Vouga e da deposição de areias transportadas pelas correntes marítimas, que formaram um cordão arenoso de norte para sul com cerca de 1Km de largura.
  • 21. Tômbolo de Peniche Resultou da acumulação de sedimentos arenosos transportados pelas correntes marítimas que acabou por ligar a pequena ilha de Peniche ao continente, por um cordão litoral.
  • 22. Ria Formosa ou Lido de Faro Zona lagunar, constituída por ilhotas arenosas, rodeada por extensos cordões de areia, envolvidos por canais que ligam ao mar e que permitem a passagem das embarcações.
  • 23. Concha de São Martinho Em tempos, localizava-se aqui um grande golfe que foi reduzindo devido a uma intensa sedimentação. Atualmente é uma baía de águas calmas e pouco profundas, de formato semicircular, em comunicação com o mar por uma passagem estreita (cerca de 250 metros) entre duas arribas.
  • 24. Estuários do Tejo e do Sado Estuário - Foz de um rio que desagua no mar através de um único braço e onde os efeitos das marés e das correntes se fazem sentir.
  • 25. Alguns Acidentes da Costa Portuguesa
  • 26. Ocupação do Litoral O litoral é muito atrativo para a fixação da população – o clima é mais ameno e nele se localizam as principais atividades económicas e as vias de comunicação. As cidades do litoral são densamente povoadas.
  • 27. A construção de esporões e molhes e também de paredões visam proteger a linha de costa do avanço do mar.
  • 28. O litoral é também uma área bastante frágil e de difícil recuperação quando as suas potencialidades se encontram ameaçadas. O recuo da linha de costa provocado não só pela ação do ser humano mas também pelos fenómenos naturais é o principal problema que preocupa as populações costeiras.
  • 29. Praia Maria Luísa, Albufeira As construções de edifícios em áreas de arribas e dunas e a existência de pouca vegetação nas mesmas acentuam ainda mais a ação dos agentes erosivos. São cada vez mais frequentes as notícias de derrocadas de falésias e inundações de áreas litorais, causando grandes prejuízos materiais e humanos, por vezes.
  • 30. Azenhas do Mar, Colares, Sintra
  • 34. Costa da Caparica, inverno, 2013
  • 35. Praia do Vale do Lobo, Quarteira
  • 36.
  • 37. Praia D. Ana, Lagos
  • 39. Praia de S. Pedro de Moel
  • 40. É necessária uma política de ordenamento do território (POT) que implemente medidas de proteção e de recuperação da orla costeira, tais como preservar e recuperar as dunas, proibir a construção em áreas protegidas e implementar cada vez mais medidas preventivas. Praia da Aguda, Vila Nova de Gaia