SlideShare uma empresa Scribd logo
SAIR
SAIR
SAIR
Uma prescrição (também conhecida informalmente como receita
médica) é a indicação de medicamentos que um paciente ou animal
deve tomar. É indicado pelos médicos, Cirurgiões-dentistas,
médicos veterinários ou Enfermeiros e compete
aos farmacêuticosobrigatoriamente a manipulação e dispensação,
onde efetuarão neste ato a fiscalização da prescrição e orientação ao
paciente.
SAIR
Uma prescrição (também conhecida informalmente como receita
médica) é a indicação de medicamentos que um paciente ou animal
deve tomar. É indicado pelos médicos, Cirurgiões-dentistas,
médicos veterinários ou Enfermeiros e compete
aos farmacêuticosobrigatoriamente a manipulação e dispensação,
onde efetuarão neste ato a fiscalização da prescrição e orientação ao
paciente.
No Brasil, prescrever medicamentos só é permitido aos:
Médicos, Cirurgiões dentistas (somente para uso odontológico – Lei 5081/66)
Médicos veterinários (somente para uso veterinário – Lei 5517/68)
Enfermeiros (medicamentos estabelecidos em programas de saúde pública e em
rotina aprovada pela instituição de saúde - Lei 7498/86).
Farmacêuticos: Medicamentos fitoterápicos não tarjados. rdc 546/2011.
Nutricionistas (somente fitoterápicos, isentos de prescrição médica e relacionados
à prática do nutricionista - RE 402/2007 do Conselho Federal de Nutricionistas)
SAIR
SAIR
Os medicamentos de tarja preta no Brasil são controlados através de
sistema eletrônico, a partir de janeiro de 2008. O mecanismo impede
o reaproveitamento de receitas e possíveis rasuras. Antigamente
estes medicamentos eram anotados manualmente em livros que
eram posteriormente recolhidos pela ANVISA.
SAIR
Os medicamentos de tarja preta no Brasil são controlados através de
sistema eletrônico, a partir de janeiro de 2008. O mecanismo impede
o reaproveitamento de receitas e possíveis rasuras. Antigamente
estes medicamentos eram anotados manualmente em livros que
eram posteriormente recolhidos pela ANVISA.
Tarja preta
A coloração preta indica nos medicamentos, a indicação de risco médico e deve
ser vendido somente com receita e retenção desta.
SAIR
Os medicamentos de tarja preta no Brasil são controlados através de
sistema eletrônico, a partir de janeiro de 2008. O mecanismo impede
o reaproveitamento de receitas e possíveis rasuras. Antigamente
estes medicamentos eram anotados manualmente em livros que
eram posteriormente recolhidos pela ANVISA.
Tarja preta
A coloração preta indica nos medicamentos, a indicação de risco médico e deve
ser vendido somente com receita e retenção desta.
Tarja vermelha
A tarja vermelha indica ausência de perigo à saúde do paciente em relação a risco
de morte, porém estes contém efeitos colaterais, a receita deve ser apresentada
no ato da compra e em alguns casos deve ficar retida no estabelecimento.
SAIR
Os medicamentos de tarja preta no Brasil são controlados através de
sistema eletrônico, a partir de janeiro de 2008. O mecanismo impede
o reaproveitamento de receitas e possíveis rasuras. Antigamente
estes medicamentos eram anotados manualmente em livros que
eram posteriormente recolhidos pela ANVISA.
Tarja preta
A coloração preta indica nos medicamentos, a indicação de risco médico e deve
ser vendido somente com receita e retenção desta.
Tarja vermelha
A tarja vermelha indica ausência de perigo à saúde do paciente em relação a risco
de morte, porém estes contém efeitos colaterais, a receita deve ser apresentada
no ato da compra e em alguns casos deve ficar retida no estabelecimento.
Sem tarja
Não é necessário apresentação de receitas.
SAIR
SAIR
Notificação de receita
A notificação de receita, no Brasil, é uma prescrição medicamentosa
escrita padronizada, que acompanha a receita e a autoriza. São
utilizadas cores para indicar o grupo medicamentoso de risco. Assim,
utiliza-se entorpecentes (cor amarela), psicotrópicos (cor azul)
eretinóides de uso sistêmico e imunossupressores (cor branca).
SAIR
Notificação de receita
A notificação de receita, no Brasil, é uma prescrição medicamentosa
escrita padronizada, que acompanha a receita e a autoriza. São
utilizadas cores para indicar o grupo medicamentoso de risco. Assim,
utiliza-se entorpecentes (cor amarela), psicotrópicos (cor azul)
eretinóides de uso sistêmico e imunossupressores (cor branca).
Grupos de produtos controlados
Grupo Exemplos
A1 Entorpecentes : analgésicos, opióides e não opióides, analgésicos gerais
A2 Entorpecentes : analgésicos, opióides e não opióides
A3 Psicotrópicos : estimulantes do sistema nervoso central
B1
Psicotrópicos : antiepiléticos, indutores do sono, ansiolíticos, antidepressivos,
tranquilizantes
SAIR
B2 Psicotrópicos : anorexígenos
C1
Controle
Especial : antidepressivos, antiparksonianos, anticonvulsivantes,
antiepiléticos, neurolépticos e anestésicos
C2 Retinóides : tratamento de acne cística severa
C3
Talidomida : reação leprótica (aquele medicamento que as gravidas
usavam contra enjoo e causava má formação do feto, fato que foi
muito discutido há algumas décadas)
C4 Antiretrovirais : infecções originadas do HIV
C5 Anabolizantes
D1 Precursores de Entorpecentes / Psicotrópicos
D2 Precursores de Síntese de Entorpecentes
E Plantas
F Produtos de uso proscrito no país
SAIR
Itens a serem observados a cada prescrição
Medicamentos Entorpecentes Psicotrópicos
Retinoide
sistêmico
Anticonvulsivan
tes,
antidepressivos
, antipsicóticos
Antibióticos
Listas
Listas A1, A2 e
A3
B1 e B2 C2
C1/C5 - Receita
de Controle
especial em 2
vias
Receituário
privativo do
prescritor ou do
estabeleciment
o de saúde,
contendo,
obrigatoriament
e, as
informações
exigidas pela
norma. Lista da
Anvisa (ver).
SAIR
Abrangência
Em todo
território
nacional
Na unidade
federativa
onde for
concedida a
numeração
Na unidade
federativa
onde for
concedida a
numeração.
Consentimento
pós-informação
assinado pelo
usuário
Dispensação
em todo o
território
nacional
Cor da
notificação
Amarela Azul Branca -
SAIR
Qte. max. por
receita
5 ampolas 5 ampolas
5 ampolas no
caso de
medicamento
injetável. 30 dias
para as demais
formas
farmacêuticas.
Não há uma
delimitação da
quantidade de
caixas, unidades
posológicas e
tempo de uso. A
quantidade a ser
dispensada pela
farmácia ou
drogaria deve
estar de acordo
com a prescrição
feita pelo
profissional
habilitado.4
Qte. por período
de tratamento
30 dias; acima
acompanha
justificativa
60 dias (30 dias
para B2)
30 dias
5 ampolas e
tratamento de
60 dias para
demais formas
farmacêuticas.
Tratamento por
6 meses para
anticonvulsivant
e ou
antiparkinsonian
o
SAIR
Quem imprime o
talão de
notificação
Autoridade
sanitária
O profissional
retira a
numeração junto
da autoridade
sanitária, escolhe
a gráfica para
imprimir o talão
às suas expensas.
O profissional
retira a
numeração junto
da autoridade
sanitária, escolhe
a gráfica para
imprimir o talão
às suas expensas.
SAIR
Receita de controle especial ou comum
Medicamentos Controle Especial Anabolizantes Anti-retrovirais Adendo das listas
Listas C1 C5 C4 A1, A2 e B1
Abrangência
Todo o território
nacional
Todo o território
nacional
Todo o território
nacional
Todo o território
nacional
Cor A critério A critério A critério A critério
Qte. max por
receita
5 ampolas; 3
medicamentos
5 ampolas
5 substâncias 5
medicamentos
1 medicamento
Qte. período de
tratamentos
60 dias 60 dias 60 dias
A1 e A2 30 dias e
B1 60 dias
SAIR
Guarda
De acordo com a Portaria 344/98 do Brasil todas as substâncias
incluidas na portaria devem ficar guardadas sob chave e
responsabilidade do farmacêutico.
SAIR
Guarda
De acordo com a Portaria 344/98 do Brasil todas as substâncias
incluidas na portaria devem ficar guardadas sob chave e
responsabilidade do farmacêutico.
Legibilidade
A prescrição médica ilegível é um problema que pode acarretar prejuízos aos
pacientes.
O Conselho Federal de Medicina do Brasil (CRM) publicou a Resolução nº
1.601/2000 que, em seu artigo 39, determina que as receitas médicas sejam
escritas por extenso e de forma legível.5 Além disso, tem-se ainda o Código de
Ética Médica, que em seu terceiro capítulo trata da responsabilidade profissional,
proibindo o médico de receitar ou atestar de forma secreta ou ilegível. Não são
raros os médicos multados por receitarem de forma ilegível.
SAIR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
Elizeu Ferro
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
VivianeGomes694450
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Atendente de Farmácia - rdc 44
Atendente de Farmácia - rdc 44Atendente de Farmácia - rdc 44
Atendente de Farmácia - rdc 44
Luis Antonio Cezar Junior
 
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentosAtendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Luis Antonio Cezar Junior
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
Glaudstone Agra
 
Introducao a farmacologia
Introducao a farmacologiaIntroducao a farmacologia
Introducao a farmacologia
Regia Taline
 
Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344
Luis Antonio Cezar Junior
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
Sheilla Sandes
 
Noções de legislação farmacêutica
Noções de legislação farmacêuticaNoções de legislação farmacêutica
Noções de legislação farmacêutica
Leonardo Souza
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
Maria Silene Silva
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Renato Santos
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
Leonardo Souza
 
Atendente de Farmacia
Atendente de FarmaciaAtendente de Farmacia
Atendente de Farmacia
Sheilla Sandes
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Luis Antonio Cezar Junior
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Patrícia Lopes
 
Dispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepssDispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepss
Julia Martins Ulhoa
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
Elizeu Ferro
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Anderson Santana
 

Mais procurados (20)

09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Atendente de Farmácia - rdc 44
Atendente de Farmácia - rdc 44Atendente de Farmácia - rdc 44
Atendente de Farmácia - rdc 44
 
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentosAtendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Introducao a farmacologia
Introducao a farmacologiaIntroducao a farmacologia
Introducao a farmacologia
 
Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
Noções de legislação farmacêutica
Noções de legislação farmacêuticaNoções de legislação farmacêutica
Noções de legislação farmacêutica
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
Atendente de Farmacia
Atendente de FarmaciaAtendente de Farmacia
Atendente de Farmacia
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
 
Dispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepssDispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepss
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 

Semelhante a 07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)

medicamentos.pdf
medicamentos.pdfmedicamentos.pdf
medicamentos.pdf
ssuser7a01aa
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIACONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
EloiVasconcelos2
 
Apresentacao_SNGPC_2012.pdf
Apresentacao_SNGPC_2012.pdfApresentacao_SNGPC_2012.pdf
Apresentacao_SNGPC_2012.pdf
FranciscoFlorencio6
 
enfermagem em far.pptx
enfermagem em far.pptxenfermagem em far.pptx
enfermagem em far.pptx
tuttitutti1
 
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
Antonio Adailton de Morais
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPSFarmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
Tiago Sampaio
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
Cassyano Correr
 
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdfCurso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
farmaefarma
 
Farmacia
FarmaciaFarmacia
Farmacia
Vilmar Barbosa
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Marcelo Polacow Bisson
 
Aula 1. Principios gerais de farmacologia.pdf
Aula 1. Principios gerais de farmacologia.pdfAula 1. Principios gerais de farmacologia.pdf
Aula 1. Principios gerais de farmacologia.pdf
LucimaraRabel
 
Fitoterapia no idoso
Fitoterapia no idosoFitoterapia no idoso
Fitoterapia no idoso
Leandro Medeiros
 
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdfINTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
Raquel Souza
 
Polifarmacia
PolifarmaciaPolifarmacia
Polifarmacia
natalineller
 
Cartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicaçãoCartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicação
Letícia Spina Tapia
 
Cartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentos
Cartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentosCartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentos
Cartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentos
Lucas Stolfo Maculan
 
Anvisa o que devemos saber sobre medicamentos
Anvisa o que devemos saber sobre medicamentosAnvisa o que devemos saber sobre medicamentos
Anvisa o que devemos saber sobre medicamentos
manoelramosdeoliveir1
 
Identificação do medicamento
Identificação do medicamentoIdentificação do medicamento
Identificação do medicamento
Lucas Stolfo Maculan
 

Semelhante a 07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos) (20)

medicamentos.pdf
medicamentos.pdfmedicamentos.pdf
medicamentos.pdf
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
 
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIACONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMÁCIA - INTRUDUÇÃO À FARMÁCIA
 
Apresentacao_SNGPC_2012.pdf
Apresentacao_SNGPC_2012.pdfApresentacao_SNGPC_2012.pdf
Apresentacao_SNGPC_2012.pdf
 
enfermagem em far.pptx
enfermagem em far.pptxenfermagem em far.pptx
enfermagem em far.pptx
 
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPSFarmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
 
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdfCurso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
 
Farmacia
FarmaciaFarmacia
Farmacia
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
Aula 1. Principios gerais de farmacologia.pdf
Aula 1. Principios gerais de farmacologia.pdfAula 1. Principios gerais de farmacologia.pdf
Aula 1. Principios gerais de farmacologia.pdf
 
Fitoterapia no idoso
Fitoterapia no idosoFitoterapia no idoso
Fitoterapia no idoso
 
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdfINTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
 
Polifarmacia
PolifarmaciaPolifarmacia
Polifarmacia
 
Cartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicaçãoCartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicação
 
Cartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentos
Cartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentosCartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentos
Cartilha+o+que+devemos+saber+sobre+medicamentos
 
Anvisa o que devemos saber sobre medicamentos
Anvisa o que devemos saber sobre medicamentosAnvisa o que devemos saber sobre medicamentos
Anvisa o que devemos saber sobre medicamentos
 
Identificação do medicamento
Identificação do medicamentoIdentificação do medicamento
Identificação do medicamento
 

Mais de Elizeu Ferro

13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
Elizeu Ferro
 
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
Elizeu Ferro
 
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
Elizeu Ferro
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
Elizeu Ferro
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
Elizeu Ferro
 
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
Elizeu Ferro
 
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
Elizeu Ferro
 
18 administração (marketing pessoal)
18   administração (marketing pessoal)18   administração (marketing pessoal)
18 administração (marketing pessoal)
Elizeu Ferro
 
17 administração (relaçãos interpessoais)
17   administração (relaçãos interpessoais)17   administração (relaçãos interpessoais)
17 administração (relaçãos interpessoais)
Elizeu Ferro
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)
Elizeu Ferro
 
14 administração (r.h)
14   administração (r.h)14   administração (r.h)
14 administração (r.h)
Elizeu Ferro
 
13 administração (controle de marketing)
13   administração (controle de marketing)13   administração (controle de marketing)
13 administração (controle de marketing)
Elizeu Ferro
 
12 administração (estratégia de marketing)
12   administração (estratégia de marketing)12   administração (estratégia de marketing)
12 administração (estratégia de marketing)
Elizeu Ferro
 
11 administração (planejamento de vendas)
11   administração (planejamento de vendas)11   administração (planejamento de vendas)
11 administração (planejamento de vendas)
Elizeu Ferro
 
10 administração (negociação)
10   administração (negociação)10   administração (negociação)
10 administração (negociação)
Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 3)
09   administração (gestão de documentos parte 3)09   administração (gestão de documentos parte 3)
09 administração (gestão de documentos parte 3)
Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 2)
09   administração (gestão de documentos parte 2)09   administração (gestão de documentos parte 2)
09 administração (gestão de documentos parte 2)
Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 1)
09   administração (gestão de documentos parte 1)09   administração (gestão de documentos parte 1)
09 administração (gestão de documentos parte 1)
Elizeu Ferro
 
08 administração (documento fiscal parte 2)
08   administração (documento fiscal parte 2)08   administração (documento fiscal parte 2)
08 administração (documento fiscal parte 2)
Elizeu Ferro
 
08 administração (documento fiscal parte 1)
08   administração (documento fiscal parte 1)08   administração (documento fiscal parte 1)
08 administração (documento fiscal parte 1)
Elizeu Ferro
 

Mais de Elizeu Ferro (20)

13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
 
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
 
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
 
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
 
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
 
18 administração (marketing pessoal)
18   administração (marketing pessoal)18   administração (marketing pessoal)
18 administração (marketing pessoal)
 
17 administração (relaçãos interpessoais)
17   administração (relaçãos interpessoais)17   administração (relaçãos interpessoais)
17 administração (relaçãos interpessoais)
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)
 
14 administração (r.h)
14   administração (r.h)14   administração (r.h)
14 administração (r.h)
 
13 administração (controle de marketing)
13   administração (controle de marketing)13   administração (controle de marketing)
13 administração (controle de marketing)
 
12 administração (estratégia de marketing)
12   administração (estratégia de marketing)12   administração (estratégia de marketing)
12 administração (estratégia de marketing)
 
11 administração (planejamento de vendas)
11   administração (planejamento de vendas)11   administração (planejamento de vendas)
11 administração (planejamento de vendas)
 
10 administração (negociação)
10   administração (negociação)10   administração (negociação)
10 administração (negociação)
 
09 administração (gestão de documentos parte 3)
09   administração (gestão de documentos parte 3)09   administração (gestão de documentos parte 3)
09 administração (gestão de documentos parte 3)
 
09 administração (gestão de documentos parte 2)
09   administração (gestão de documentos parte 2)09   administração (gestão de documentos parte 2)
09 administração (gestão de documentos parte 2)
 
09 administração (gestão de documentos parte 1)
09   administração (gestão de documentos parte 1)09   administração (gestão de documentos parte 1)
09 administração (gestão de documentos parte 1)
 
08 administração (documento fiscal parte 2)
08   administração (documento fiscal parte 2)08   administração (documento fiscal parte 2)
08 administração (documento fiscal parte 2)
 
08 administração (documento fiscal parte 1)
08   administração (documento fiscal parte 1)08   administração (documento fiscal parte 1)
08 administração (documento fiscal parte 1)
 

Último

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)

  • 3. SAIR Uma prescrição (também conhecida informalmente como receita médica) é a indicação de medicamentos que um paciente ou animal deve tomar. É indicado pelos médicos, Cirurgiões-dentistas, médicos veterinários ou Enfermeiros e compete aos farmacêuticosobrigatoriamente a manipulação e dispensação, onde efetuarão neste ato a fiscalização da prescrição e orientação ao paciente.
  • 4. SAIR Uma prescrição (também conhecida informalmente como receita médica) é a indicação de medicamentos que um paciente ou animal deve tomar. É indicado pelos médicos, Cirurgiões-dentistas, médicos veterinários ou Enfermeiros e compete aos farmacêuticosobrigatoriamente a manipulação e dispensação, onde efetuarão neste ato a fiscalização da prescrição e orientação ao paciente. No Brasil, prescrever medicamentos só é permitido aos: Médicos, Cirurgiões dentistas (somente para uso odontológico – Lei 5081/66) Médicos veterinários (somente para uso veterinário – Lei 5517/68) Enfermeiros (medicamentos estabelecidos em programas de saúde pública e em rotina aprovada pela instituição de saúde - Lei 7498/86). Farmacêuticos: Medicamentos fitoterápicos não tarjados. rdc 546/2011. Nutricionistas (somente fitoterápicos, isentos de prescrição médica e relacionados à prática do nutricionista - RE 402/2007 do Conselho Federal de Nutricionistas)
  • 6. SAIR Os medicamentos de tarja preta no Brasil são controlados através de sistema eletrônico, a partir de janeiro de 2008. O mecanismo impede o reaproveitamento de receitas e possíveis rasuras. Antigamente estes medicamentos eram anotados manualmente em livros que eram posteriormente recolhidos pela ANVISA.
  • 7. SAIR Os medicamentos de tarja preta no Brasil são controlados através de sistema eletrônico, a partir de janeiro de 2008. O mecanismo impede o reaproveitamento de receitas e possíveis rasuras. Antigamente estes medicamentos eram anotados manualmente em livros que eram posteriormente recolhidos pela ANVISA. Tarja preta A coloração preta indica nos medicamentos, a indicação de risco médico e deve ser vendido somente com receita e retenção desta.
  • 8. SAIR Os medicamentos de tarja preta no Brasil são controlados através de sistema eletrônico, a partir de janeiro de 2008. O mecanismo impede o reaproveitamento de receitas e possíveis rasuras. Antigamente estes medicamentos eram anotados manualmente em livros que eram posteriormente recolhidos pela ANVISA. Tarja preta A coloração preta indica nos medicamentos, a indicação de risco médico e deve ser vendido somente com receita e retenção desta. Tarja vermelha A tarja vermelha indica ausência de perigo à saúde do paciente em relação a risco de morte, porém estes contém efeitos colaterais, a receita deve ser apresentada no ato da compra e em alguns casos deve ficar retida no estabelecimento.
  • 9. SAIR Os medicamentos de tarja preta no Brasil são controlados através de sistema eletrônico, a partir de janeiro de 2008. O mecanismo impede o reaproveitamento de receitas e possíveis rasuras. Antigamente estes medicamentos eram anotados manualmente em livros que eram posteriormente recolhidos pela ANVISA. Tarja preta A coloração preta indica nos medicamentos, a indicação de risco médico e deve ser vendido somente com receita e retenção desta. Tarja vermelha A tarja vermelha indica ausência de perigo à saúde do paciente em relação a risco de morte, porém estes contém efeitos colaterais, a receita deve ser apresentada no ato da compra e em alguns casos deve ficar retida no estabelecimento. Sem tarja Não é necessário apresentação de receitas.
  • 10. SAIR
  • 11. SAIR Notificação de receita A notificação de receita, no Brasil, é uma prescrição medicamentosa escrita padronizada, que acompanha a receita e a autoriza. São utilizadas cores para indicar o grupo medicamentoso de risco. Assim, utiliza-se entorpecentes (cor amarela), psicotrópicos (cor azul) eretinóides de uso sistêmico e imunossupressores (cor branca).
  • 12. SAIR Notificação de receita A notificação de receita, no Brasil, é uma prescrição medicamentosa escrita padronizada, que acompanha a receita e a autoriza. São utilizadas cores para indicar o grupo medicamentoso de risco. Assim, utiliza-se entorpecentes (cor amarela), psicotrópicos (cor azul) eretinóides de uso sistêmico e imunossupressores (cor branca). Grupos de produtos controlados Grupo Exemplos A1 Entorpecentes : analgésicos, opióides e não opióides, analgésicos gerais A2 Entorpecentes : analgésicos, opióides e não opióides A3 Psicotrópicos : estimulantes do sistema nervoso central B1 Psicotrópicos : antiepiléticos, indutores do sono, ansiolíticos, antidepressivos, tranquilizantes
  • 13. SAIR B2 Psicotrópicos : anorexígenos C1 Controle Especial : antidepressivos, antiparksonianos, anticonvulsivantes, antiepiléticos, neurolépticos e anestésicos C2 Retinóides : tratamento de acne cística severa C3 Talidomida : reação leprótica (aquele medicamento que as gravidas usavam contra enjoo e causava má formação do feto, fato que foi muito discutido há algumas décadas) C4 Antiretrovirais : infecções originadas do HIV C5 Anabolizantes D1 Precursores de Entorpecentes / Psicotrópicos D2 Precursores de Síntese de Entorpecentes E Plantas F Produtos de uso proscrito no país
  • 14. SAIR Itens a serem observados a cada prescrição Medicamentos Entorpecentes Psicotrópicos Retinoide sistêmico Anticonvulsivan tes, antidepressivos , antipsicóticos Antibióticos Listas Listas A1, A2 e A3 B1 e B2 C2 C1/C5 - Receita de Controle especial em 2 vias Receituário privativo do prescritor ou do estabeleciment o de saúde, contendo, obrigatoriament e, as informações exigidas pela norma. Lista da Anvisa (ver).
  • 15. SAIR Abrangência Em todo território nacional Na unidade federativa onde for concedida a numeração Na unidade federativa onde for concedida a numeração. Consentimento pós-informação assinado pelo usuário Dispensação em todo o território nacional Cor da notificação Amarela Azul Branca -
  • 16. SAIR Qte. max. por receita 5 ampolas 5 ampolas 5 ampolas no caso de medicamento injetável. 30 dias para as demais formas farmacêuticas. Não há uma delimitação da quantidade de caixas, unidades posológicas e tempo de uso. A quantidade a ser dispensada pela farmácia ou drogaria deve estar de acordo com a prescrição feita pelo profissional habilitado.4 Qte. por período de tratamento 30 dias; acima acompanha justificativa 60 dias (30 dias para B2) 30 dias 5 ampolas e tratamento de 60 dias para demais formas farmacêuticas. Tratamento por 6 meses para anticonvulsivant e ou antiparkinsonian o
  • 17. SAIR Quem imprime o talão de notificação Autoridade sanitária O profissional retira a numeração junto da autoridade sanitária, escolhe a gráfica para imprimir o talão às suas expensas. O profissional retira a numeração junto da autoridade sanitária, escolhe a gráfica para imprimir o talão às suas expensas.
  • 18. SAIR Receita de controle especial ou comum Medicamentos Controle Especial Anabolizantes Anti-retrovirais Adendo das listas Listas C1 C5 C4 A1, A2 e B1 Abrangência Todo o território nacional Todo o território nacional Todo o território nacional Todo o território nacional Cor A critério A critério A critério A critério Qte. max por receita 5 ampolas; 3 medicamentos 5 ampolas 5 substâncias 5 medicamentos 1 medicamento Qte. período de tratamentos 60 dias 60 dias 60 dias A1 e A2 30 dias e B1 60 dias
  • 19. SAIR Guarda De acordo com a Portaria 344/98 do Brasil todas as substâncias incluidas na portaria devem ficar guardadas sob chave e responsabilidade do farmacêutico.
  • 20. SAIR Guarda De acordo com a Portaria 344/98 do Brasil todas as substâncias incluidas na portaria devem ficar guardadas sob chave e responsabilidade do farmacêutico. Legibilidade A prescrição médica ilegível é um problema que pode acarretar prejuízos aos pacientes. O Conselho Federal de Medicina do Brasil (CRM) publicou a Resolução nº 1.601/2000 que, em seu artigo 39, determina que as receitas médicas sejam escritas por extenso e de forma legível.5 Além disso, tem-se ainda o Código de Ética Médica, que em seu terceiro capítulo trata da responsabilidade profissional, proibindo o médico de receitar ou atestar de forma secreta ou ilegível. Não são raros os médicos multados por receitarem de forma ilegível.
  • 21. SAIR