SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
SAIR
SAIR
Medicamento
SAIR
Medicamento
Medicamento é produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou
elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de
diagnóstico.
SAIR
Medicamento
Medicamento é produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou
elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de
diagnóstico.
Definição
Ao conceito de Medicamento têm sido atribuídas diferente definições consoante o
contexto em que é utilizado, levando por vezes a uma sobreposição de significado
com o termo fármaco
SAIR
Medicamento
Medicamento é produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou
elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de
diagnóstico.
Definição
Ao conceito de Medicamento têm sido atribuídas diferente definições consoante o
contexto em que é utilizado, levando por vezes a uma sobreposição de significado
com o termo fármaco
Contudo, uma definição clara é dada pela legislação portuguesa, que define
medicamento como "toda a substância ou associação de substâncias apresentada
como possuindo propriedades curativas ou preventivas de doenças em seres
humanos ou dos seus sintomas ou que possa ser utilizada ou administrada no ser
humano com vista a estabelecer um diagnóstico médico ou, exercendo uma acção
farmacológica, imunológica ou metabólica, a restaurar, corrigir ou modificar
funções fisiológicas
SAIR
Medicamento
Já a Farmacopéia brasileira dá a seguinte definição: "produto
farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado com finalidade
profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. É uma forma
farmacêutica terminada que contém o fármaco, geralmente em
associação com adjuvantes farmacotécnicos." (Resolução RDC,
nº84/02).
SAIR
Medicamento
Já a Farmacopéia brasileira dá a seguinte definição: "produto
farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado com finalidade
profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. É uma forma
farmacêutica terminada que contém o fármaco, geralmente em
associação com adjuvantes farmacotécnicos." (Resolução RDC,
nº84/02).
A definição legal brasileira pode ser vista na Lei n° 5991, de 17 de dezembro de
1973, conforme transcrita a seguir: Art. 4º - Para efeitos desta Lei, são adotados os
seguintes conceitos: (...) II - Medicamento - produto farmacêutico, tecnicamente
obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de
diagnóstico;
SAIR
Novos medicamentos
SAIR
Novos medicamentos
A colocação de um novo medicamento no mercado de consumo pode
ser desmembrada em quatro estágios diferentes.
SAIR
Novos medicamentos
A colocação de um novo medicamento no mercado de consumo pode
ser desmembrada em quatro estágios diferentes.
• Pesquisa e desenvolvimento de novos fármacos: pode ser
considerada a etapa mais complexa, do ponto de vista da
complexidade tecnológica, incluindo uma série de testes
necessários para identificar a potencialidade de ação terapêutica
da substância, estudo de suas propriedades, verificação de
toxicidade aguda e crônica, potencial teratogênico e a
determinação de sua dose ativa. Posteriormente, o fármaco passa
por testes farmacológicos e estudos farmacotécnicos e, finalmente,
ensaios clínicos.
SAIR
Novos medicamentos
A colocação de um novo medicamento no mercado de consumo pode
ser desmembrada em quatro estágios diferentes.
• Pesquisa e desenvolvimento de novos fármacos: pode ser
considerada a etapa mais complexa, do ponto de vista da
complexidade tecnológica, incluindo uma série de testes
necessários para identificar a potencialidade de ação terapêutica
da substância, estudo de suas propriedades, verificação de
toxicidade aguda e crônica, potencial teratogênico e a
determinação de sua dose ativa. Posteriormente, o fármaco passa
por testes farmacológicos e estudos farmacotécnicos e, finalmente,
ensaios clínicos.
• Produção industrial dos fármacos: consiste em estudos para a obtenção de
processos de produção em escala industrial. Nesta etapa, passa-se da bancada
laboratorial para a utilização de planta-piloto até se conseguir elevar os níveis
de produção para a escala industrial.
SAIR
Novos medicamentos
• Produção de especialidades farmacêuticas: consiste na elaboração
de produtos nas suas diversas formas farmacêuticas (comprimidos,
comprimidos revestidos, cápsulas, suspensões, injeções, soluções
parenterais, supositórios etc.). Trata-se de atividade tipicamente de
transformação.
SAIR
Novos medicamentos
• Produção de especialidades farmacêuticas: consiste na elaboração
de produtos nas suas diversas formas farmacêuticas (comprimidos,
comprimidos revestidos, cápsulas, suspensões, injeções, soluções
parenterais, supositórios etc.). Trata-se de atividade tipicamente de
transformação.
• Marketing e comercialização: pelas características especiais que adquire a
propaganda das especialidades farmacêuticas e por necessitar de recursos de
linguagem técnica diferenciados, é considerado um importante estágio
tecnológico. Também não pode deixar de ser reconhecido como importante
fator de competição da indústria farmacêutica.
SAIR
Novos medicamentos
• Produção de especialidades farmacêuticas: consiste na elaboração
de produtos nas suas diversas formas farmacêuticas (comprimidos,
comprimidos revestidos, cápsulas, suspensões, injeções, soluções
parenterais, supositórios etc.). Trata-se de atividade tipicamente de
transformação.
• Marketing e comercialização: pelas características especiais que adquire a
propaganda das especialidades farmacêuticas e por necessitar de recursos de
linguagem técnica diferenciados, é considerado um importante estágio
tecnológico. Também não pode deixar de ser reconhecido como importante
fator de competição da indústria farmacêutica.
Nos países desenvolvidos, estão presentes todos os estágios do processo
produtivo. A situação nos países em desenvolvimento é diferenciada, pois as
empresas operam apenas nas últimas etapas do processo, como a indústria
farmacêutica brasileira, que registra desempenho apenas nos 3º e 4º estágios.
SAIR
Medicamento genérico
SAIR
Medicamento genérico
Um medicamento genérico é um produto farmacêutico desenvolvido e
fabricado a partir de uma substância activa, forma
farmacêutica e dosagem idênticas a de um medicamento considerado
de referência já existente no mercado farmacêutico. Tem o mesmo
efeito terapêutico, dosagem e a mesma indicação que o medicamento
considerado de referência para aquele princípio ativo. A
compatibilidade entre dosagens é comprovada por rígidos testes
laboratoriais e clínicos para obter o registro de genérico. Ver artigo
principal: Medicamento genérico.
SAIR
Uso indiscriminado dos Medicamentos
SAIR
Uso indiscriminado dos Medicamentos
O uso indiscriminado de remédios, sintoma típico da hipocondria,
uma compulsividade no pensamento e das preocupações sobre o
próprio estado de saúde, pode acarretar uma série de problemas de
saúde e também ambientais. De acordo com uma reportagem
publicada na revista CartaCapital (Edição 333), cerca de um terço a
90% de todas as doses administradas de alguns remédios, como
os antibióticos, são excretados na urina, citando ainda que
pesquisadores ligados ao governo suíço iniciaram um estudo
sistemático de poluentes em águas de várias regiões daquele país no
ano de 2005.
SAIR
Uso indiscriminado dos Medicamentos
O uso indiscriminado de remédios, sintoma típico da hipocondria,
uma compulsividade no pensamento e das preocupações sobre o
próprio estado de saúde, pode acarretar uma série de problemas de
saúde e também ambientais. De acordo com uma reportagem
publicada na revista CartaCapital (Edição 333), cerca de um terço a
90% de todas as doses administradas de alguns remédios, como
os antibióticos, são excretados na urina, citando ainda que
pesquisadores ligados ao governo suíço iniciaram um estudo
sistemático de poluentes em águas de várias regiões daquele país no
ano de 2005.
Enquanto esses cientista procuravam porpesticidas, acabaram detectarando por
acaso na água de um lago traços de um remédio utilizado para diminuir
o colesterol, oclofibrato. Passaram a investigar então, surpresos, as águas dos rios e
dos lagos na região rural da Suíça, além da águas de grandes centros urbanos.
SAIR
Uso indiscriminado dos Medicamentos
O resultado da pesquisa foi de que havia altas concentrações
de clofibrato na maior parte das amostras. Outros pesquisadores,
desta vez da Alemanha, encontraram traços desse mesmo
medicamento na água de torneira dos moradores de Berlim. Ainda na
mesma referida reportagem, na Dinamarca as autoridades de
saneamento teriam notado que 70% a 80% das drogas administradas
nas fazendas de peixes acabam automaticamente no meio ambiente.
SAIR
Uso indiscriminado dos Medicamentos
O resultado da pesquisa foi de que havia altas concentrações
de clofibrato na maior parte das amostras. Outros pesquisadores,
desta vez da Alemanha, encontraram traços desse mesmo
medicamento na água de torneira dos moradores de Berlim. Ainda na
mesma referida reportagem, na Dinamarca as autoridades de
saneamento teriam notado que 70% a 80% das drogas administradas
nas fazendas de peixes acabam automaticamente no meio ambiente.
Ao redor dessas fazendas, pesquisadores como L. Wollenberger e B. Halling-
Sorensen, da Real Faculdade de Farmácia da Dinamarca, têm isolado bactérias
resistentes a antibióticos. Como solução, algumas medidas seriam fundamentais:
• mudanças nos sistemas de monitoramento desses produtos no meio
ambiente,
• melhor depuração de substâncias nocivas nas estações de tratamento,
• conscientização da população contra o descarte de remédios não utilizados ou
vencidos em lixo comum ou diretamente no meio ambiente.
SAIR
Uso indiscriminado dos Medicamentos
Atualmente a doença é vista como um estado de sofrimento
experimentado e que deve ser eliminado, utilizando-se para isto bens,
havendo a crença na solução de seus problemas através do consumo
de medicamentos, esquecendo-se das verdadeiras causas do adoecer.
SAIR
FIM da Aula

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...
Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...
Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...TCC_FARMACIA_FEF
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentosClaudio Luis Venturini
 
Balconista de farmacia_sp__32296 (1)
Balconista de farmacia_sp__32296 (1)Balconista de farmacia_sp__32296 (1)
Balconista de farmacia_sp__32296 (1)Beth Vitoria
 
Dispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepssDispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepssJulia Martins Ulhoa
 
Curso de Balconista de farmacia
Curso de Balconista de farmaciaCurso de Balconista de farmacia
Curso de Balconista de farmaciaCanal Maktub
 
História da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no BrasilHistória da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no BrasilSafia Naser
 
Cartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicaçãoCartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicaçãoLetícia Spina Tapia
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasLuis Antonio Cezar Junior
 
Legislação farmaceutica
Legislação farmaceuticaLegislação farmaceutica
Legislação farmaceuticaSafia Naser
 
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmáciaAtendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmáciaLuis Antonio Cezar Junior
 
Farmacotécnica hospitalar
Farmacotécnica hospitalarFarmacotécnica hospitalar
Farmacotécnica hospitalarSandra Oliveira
 
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologiaAtenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologiafarmwaine
 
Boas práticas em farmácia
Boas práticas em farmáciaBoas práticas em farmácia
Boas práticas em farmáciaRenata Medeiros
 

Mais procurados (20)

Bpmf Slide Share
Bpmf Slide ShareBpmf Slide Share
Bpmf Slide Share
 
Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...
Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...
Conhecimento a cerca de produtos manipulados no bairro cdhu albino mininel na...
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Atendente de Farmácia - rdc 44
Atendente de Farmácia - rdc 44Atendente de Farmácia - rdc 44
Atendente de Farmácia - rdc 44
 
Atendente de Farmácia - idosos
Atendente de Farmácia -  idososAtendente de Farmácia -  idosos
Atendente de Farmácia - idosos
 
Balconista de farmacia_sp__32296 (1)
Balconista de farmacia_sp__32296 (1)Balconista de farmacia_sp__32296 (1)
Balconista de farmacia_sp__32296 (1)
 
Dispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepssDispensação de medicamentos cepss
Dispensação de medicamentos cepss
 
Farmacia
FarmaciaFarmacia
Farmacia
 
Curso de Balconista de farmacia
Curso de Balconista de farmaciaCurso de Balconista de farmacia
Curso de Balconista de farmacia
 
Medicamento um direito essencial
Medicamento um direito essencialMedicamento um direito essencial
Medicamento um direito essencial
 
História da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no BrasilHistória da Farmácia no Brasil
História da Farmácia no Brasil
 
Cartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicaçãoCartilha: o que devemos saber sobre medicação
Cartilha: o que devemos saber sobre medicação
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
 
67 rdc anexo
67 rdc anexo67 rdc anexo
67 rdc anexo
 
Legislação farmaceutica
Legislação farmaceuticaLegislação farmaceutica
Legislação farmaceutica
 
Visa - O Que Devemos Saber Sobre Medicamentos
Visa -  O Que Devemos Saber Sobre MedicamentosVisa -  O Que Devemos Saber Sobre Medicamentos
Visa - O Que Devemos Saber Sobre Medicamentos
 
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmáciaAtendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
 
Farmacotécnica hospitalar
Farmacotécnica hospitalarFarmacotécnica hospitalar
Farmacotécnica hospitalar
 
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologiaAtenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
 
Boas práticas em farmácia
Boas práticas em farmáciaBoas práticas em farmácia
Boas práticas em farmácia
 

Destaque

12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)Elizeu Ferro
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)Elizeu Ferro
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSLeonardo Souza
 
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticasAtendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticasLuis Antonio Cezar Junior
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosLuis Antonio Cezar Junior
 
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)Elizeu Ferro
 

Destaque (10)

12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
 
Atendente de Farmácia - Antibioticos
Atendente de Farmácia - AntibioticosAtendente de Farmácia - Antibioticos
Atendente de Farmácia - Antibioticos
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticasAtendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
 
Atendente de Farmacia
Atendente de FarmaciaAtendente de Farmacia
Atendente de Farmacia
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
1ª aula atendente de farmácia
1ª aula atendente de farmácia1ª aula atendente de farmácia
1ª aula atendente de farmácia
 
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
 

Semelhante a Novos medicamentos: estágios de pesquisa e desenvolvimento

apresentaodourados10102007-090912180506-phpapp02.ppt
apresentaodourados10102007-090912180506-phpapp02.pptapresentaodourados10102007-090912180506-phpapp02.ppt
apresentaodourados10102007-090912180506-phpapp02.pptTatiane Fernandes
 
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007Adriana Quevedo
 
Aula 1 Introdução A IF (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF  (1).pdfAula 1 Introdução A IF  (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF (1).pdfRoseSchneider9
 
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografiasC1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografiassedis-suporte
 
Estabilidade farmaceutica: do farmaco ao medicamento
Estabilidade farmaceutica: do farmaco ao medicamentoEstabilidade farmaceutica: do farmaco ao medicamento
Estabilidade farmaceutica: do farmaco ao medicamentoAnderson Wilbur Lopes Andrade
 
Aspectos legislacao fitoterapicos
Aspectos legislacao fitoterapicosAspectos legislacao fitoterapicos
Aspectos legislacao fitoterapicosNayara Dávilla
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara motaClara Mota Brum
 
APOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdf
APOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdfAPOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdf
APOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdfcris464417
 
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicosCurso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicosNemésio Carlos Silva
 
Administração de-medicamentos
Administração de-medicamentosAdministração de-medicamentos
Administração de-medicamentosMadja Figueiredo
 
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagem
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagemAdministração-de-medicamentos.pptx enffermagem
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagemLuanMiguelCosta
 
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricosRDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricosVanessa Rodrigues
 
Workshop Avaliação Quantitativa em Bioequivalência e Biossimilaridade
Workshop Avaliação Quantitativa em Bioequivalência e BiossimilaridadeWorkshop Avaliação Quantitativa em Bioequivalência e Biossimilaridade
Workshop Avaliação Quantitativa em Bioequivalência e BiossimilaridadePharmaCongress
 
O contexto atual das invenções farmacêuticas
O contexto atual das invenções farmacêuticasO contexto atual das invenções farmacêuticas
O contexto atual das invenções farmacêuticasEngº. João Marcelino
 

Semelhante a Novos medicamentos: estágios de pesquisa e desenvolvimento (20)

apresentaodourados10102007-090912180506-phpapp02.ppt
apresentaodourados10102007-090912180506-phpapp02.pptapresentaodourados10102007-090912180506-phpapp02.ppt
apresentaodourados10102007-090912180506-phpapp02.ppt
 
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
Controle de Qualidade de Medicamentos 2007
 
Prof Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 sp
Prof Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 spProf Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 sp
Prof Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 sp
 
Aula 1 Introdução A IF (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF  (1).pdfAula 1 Introdução A IF  (1).pdf
Aula 1 Introdução A IF (1).pdf
 
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografiasC1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
 
Estabilidade farmaceutica: do farmaco ao medicamento
Estabilidade farmaceutica: do farmaco ao medicamentoEstabilidade farmaceutica: do farmaco ao medicamento
Estabilidade farmaceutica: do farmaco ao medicamento
 
Aspectos legislacao fitoterapicos
Aspectos legislacao fitoterapicosAspectos legislacao fitoterapicos
Aspectos legislacao fitoterapicos
 
Glosário
GlosárioGlosário
Glosário
 
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
Aula 01   farmacologia prof. clara motaAula 01   farmacologia prof. clara mota
Aula 01 farmacologia prof. clara mota
 
APOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdf
APOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdfAPOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdf
APOSTILA-ATENDENTE-DE-FARMÁCIA.pdf
 
medicamentos.pdf
medicamentos.pdfmedicamentos.pdf
medicamentos.pdf
 
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicosCurso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
 
Administração de-medicamentos
Administração de-medicamentosAdministração de-medicamentos
Administração de-medicamentos
 
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagem
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagemAdministração-de-medicamentos.pptx enffermagem
Administração-de-medicamentos.pptx enffermagem
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricosRDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Workshop Avaliação Quantitativa em Bioequivalência e Biossimilaridade
Workshop Avaliação Quantitativa em Bioequivalência e BiossimilaridadeWorkshop Avaliação Quantitativa em Bioequivalência e Biossimilaridade
Workshop Avaliação Quantitativa em Bioequivalência e Biossimilaridade
 
O contexto atual das invenções farmacêuticas
O contexto atual das invenções farmacêuticasO contexto atual das invenções farmacêuticas
O contexto atual das invenções farmacêuticas
 
Medicamentos Genéricos no Brasil
Medicamentos  Genéricos no BrasilMedicamentos  Genéricos no Brasil
Medicamentos Genéricos no Brasil
 

Mais de Elizeu Ferro

04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)Elizeu Ferro
 
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)Elizeu Ferro
 
02 atendente de farmácia (farmacologia)
02   atendente de farmácia (farmacologia)02   atendente de farmácia (farmacologia)
02 atendente de farmácia (farmacologia)Elizeu Ferro
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)Elizeu Ferro
 
18 administração (marketing pessoal)
18   administração (marketing pessoal)18   administração (marketing pessoal)
18 administração (marketing pessoal)Elizeu Ferro
 
17 administração (relaçãos interpessoais)
17   administração (relaçãos interpessoais)17   administração (relaçãos interpessoais)
17 administração (relaçãos interpessoais)Elizeu Ferro
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)Elizeu Ferro
 
14 administração (r.h)
14   administração (r.h)14   administração (r.h)
14 administração (r.h)Elizeu Ferro
 
13 administração (controle de marketing)
13   administração (controle de marketing)13   administração (controle de marketing)
13 administração (controle de marketing)Elizeu Ferro
 
12 administração (estratégia de marketing)
12   administração (estratégia de marketing)12   administração (estratégia de marketing)
12 administração (estratégia de marketing)Elizeu Ferro
 
11 administração (planejamento de vendas)
11   administração (planejamento de vendas)11   administração (planejamento de vendas)
11 administração (planejamento de vendas)Elizeu Ferro
 
10 administração (negociação)
10   administração (negociação)10   administração (negociação)
10 administração (negociação)Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 3)
09   administração (gestão de documentos parte 3)09   administração (gestão de documentos parte 3)
09 administração (gestão de documentos parte 3)Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 2)
09   administração (gestão de documentos parte 2)09   administração (gestão de documentos parte 2)
09 administração (gestão de documentos parte 2)Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 1)
09   administração (gestão de documentos parte 1)09   administração (gestão de documentos parte 1)
09 administração (gestão de documentos parte 1)Elizeu Ferro
 
08 administração (documento fiscal parte 2)
08   administração (documento fiscal parte 2)08   administração (documento fiscal parte 2)
08 administração (documento fiscal parte 2)Elizeu Ferro
 
08 administração (documento fiscal parte 1)
08   administração (documento fiscal parte 1)08   administração (documento fiscal parte 1)
08 administração (documento fiscal parte 1)Elizeu Ferro
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)Elizeu Ferro
 
07 administração (controle de produção parte 1)
07   administração (controle de produção parte 1)07   administração (controle de produção parte 1)
07 administração (controle de produção parte 1)Elizeu Ferro
 
06 administração (planejamento da produção)
06   administração (planejamento da produção)06   administração (planejamento da produção)
06 administração (planejamento da produção)Elizeu Ferro
 

Mais de Elizeu Ferro (20)

04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
 
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
 
02 atendente de farmácia (farmacologia)
02   atendente de farmácia (farmacologia)02   atendente de farmácia (farmacologia)
02 atendente de farmácia (farmacologia)
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
 
18 administração (marketing pessoal)
18   administração (marketing pessoal)18   administração (marketing pessoal)
18 administração (marketing pessoal)
 
17 administração (relaçãos interpessoais)
17   administração (relaçãos interpessoais)17   administração (relaçãos interpessoais)
17 administração (relaçãos interpessoais)
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)
 
14 administração (r.h)
14   administração (r.h)14   administração (r.h)
14 administração (r.h)
 
13 administração (controle de marketing)
13   administração (controle de marketing)13   administração (controle de marketing)
13 administração (controle de marketing)
 
12 administração (estratégia de marketing)
12   administração (estratégia de marketing)12   administração (estratégia de marketing)
12 administração (estratégia de marketing)
 
11 administração (planejamento de vendas)
11   administração (planejamento de vendas)11   administração (planejamento de vendas)
11 administração (planejamento de vendas)
 
10 administração (negociação)
10   administração (negociação)10   administração (negociação)
10 administração (negociação)
 
09 administração (gestão de documentos parte 3)
09   administração (gestão de documentos parte 3)09   administração (gestão de documentos parte 3)
09 administração (gestão de documentos parte 3)
 
09 administração (gestão de documentos parte 2)
09   administração (gestão de documentos parte 2)09   administração (gestão de documentos parte 2)
09 administração (gestão de documentos parte 2)
 
09 administração (gestão de documentos parte 1)
09   administração (gestão de documentos parte 1)09   administração (gestão de documentos parte 1)
09 administração (gestão de documentos parte 1)
 
08 administração (documento fiscal parte 2)
08   administração (documento fiscal parte 2)08   administração (documento fiscal parte 2)
08 administração (documento fiscal parte 2)
 
08 administração (documento fiscal parte 1)
08   administração (documento fiscal parte 1)08   administração (documento fiscal parte 1)
08 administração (documento fiscal parte 1)
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)
 
07 administração (controle de produção parte 1)
07   administração (controle de produção parte 1)07   administração (controle de produção parte 1)
07 administração (controle de produção parte 1)
 
06 administração (planejamento da produção)
06   administração (planejamento da produção)06   administração (planejamento da produção)
06 administração (planejamento da produção)
 

Último

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 

Último (20)

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 

Novos medicamentos: estágios de pesquisa e desenvolvimento

  • 3. SAIR Medicamento Medicamento é produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico.
  • 4. SAIR Medicamento Medicamento é produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. Definição Ao conceito de Medicamento têm sido atribuídas diferente definições consoante o contexto em que é utilizado, levando por vezes a uma sobreposição de significado com o termo fármaco
  • 5. SAIR Medicamento Medicamento é produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. Definição Ao conceito de Medicamento têm sido atribuídas diferente definições consoante o contexto em que é utilizado, levando por vezes a uma sobreposição de significado com o termo fármaco Contudo, uma definição clara é dada pela legislação portuguesa, que define medicamento como "toda a substância ou associação de substâncias apresentada como possuindo propriedades curativas ou preventivas de doenças em seres humanos ou dos seus sintomas ou que possa ser utilizada ou administrada no ser humano com vista a estabelecer um diagnóstico médico ou, exercendo uma acção farmacológica, imunológica ou metabólica, a restaurar, corrigir ou modificar funções fisiológicas
  • 6. SAIR Medicamento Já a Farmacopéia brasileira dá a seguinte definição: "produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. É uma forma farmacêutica terminada que contém o fármaco, geralmente em associação com adjuvantes farmacotécnicos." (Resolução RDC, nº84/02).
  • 7. SAIR Medicamento Já a Farmacopéia brasileira dá a seguinte definição: "produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. É uma forma farmacêutica terminada que contém o fármaco, geralmente em associação com adjuvantes farmacotécnicos." (Resolução RDC, nº84/02). A definição legal brasileira pode ser vista na Lei n° 5991, de 17 de dezembro de 1973, conforme transcrita a seguir: Art. 4º - Para efeitos desta Lei, são adotados os seguintes conceitos: (...) II - Medicamento - produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico;
  • 9. SAIR Novos medicamentos A colocação de um novo medicamento no mercado de consumo pode ser desmembrada em quatro estágios diferentes.
  • 10. SAIR Novos medicamentos A colocação de um novo medicamento no mercado de consumo pode ser desmembrada em quatro estágios diferentes. • Pesquisa e desenvolvimento de novos fármacos: pode ser considerada a etapa mais complexa, do ponto de vista da complexidade tecnológica, incluindo uma série de testes necessários para identificar a potencialidade de ação terapêutica da substância, estudo de suas propriedades, verificação de toxicidade aguda e crônica, potencial teratogênico e a determinação de sua dose ativa. Posteriormente, o fármaco passa por testes farmacológicos e estudos farmacotécnicos e, finalmente, ensaios clínicos.
  • 11. SAIR Novos medicamentos A colocação de um novo medicamento no mercado de consumo pode ser desmembrada em quatro estágios diferentes. • Pesquisa e desenvolvimento de novos fármacos: pode ser considerada a etapa mais complexa, do ponto de vista da complexidade tecnológica, incluindo uma série de testes necessários para identificar a potencialidade de ação terapêutica da substância, estudo de suas propriedades, verificação de toxicidade aguda e crônica, potencial teratogênico e a determinação de sua dose ativa. Posteriormente, o fármaco passa por testes farmacológicos e estudos farmacotécnicos e, finalmente, ensaios clínicos. • Produção industrial dos fármacos: consiste em estudos para a obtenção de processos de produção em escala industrial. Nesta etapa, passa-se da bancada laboratorial para a utilização de planta-piloto até se conseguir elevar os níveis de produção para a escala industrial.
  • 12. SAIR Novos medicamentos • Produção de especialidades farmacêuticas: consiste na elaboração de produtos nas suas diversas formas farmacêuticas (comprimidos, comprimidos revestidos, cápsulas, suspensões, injeções, soluções parenterais, supositórios etc.). Trata-se de atividade tipicamente de transformação.
  • 13. SAIR Novos medicamentos • Produção de especialidades farmacêuticas: consiste na elaboração de produtos nas suas diversas formas farmacêuticas (comprimidos, comprimidos revestidos, cápsulas, suspensões, injeções, soluções parenterais, supositórios etc.). Trata-se de atividade tipicamente de transformação. • Marketing e comercialização: pelas características especiais que adquire a propaganda das especialidades farmacêuticas e por necessitar de recursos de linguagem técnica diferenciados, é considerado um importante estágio tecnológico. Também não pode deixar de ser reconhecido como importante fator de competição da indústria farmacêutica.
  • 14. SAIR Novos medicamentos • Produção de especialidades farmacêuticas: consiste na elaboração de produtos nas suas diversas formas farmacêuticas (comprimidos, comprimidos revestidos, cápsulas, suspensões, injeções, soluções parenterais, supositórios etc.). Trata-se de atividade tipicamente de transformação. • Marketing e comercialização: pelas características especiais que adquire a propaganda das especialidades farmacêuticas e por necessitar de recursos de linguagem técnica diferenciados, é considerado um importante estágio tecnológico. Também não pode deixar de ser reconhecido como importante fator de competição da indústria farmacêutica. Nos países desenvolvidos, estão presentes todos os estágios do processo produtivo. A situação nos países em desenvolvimento é diferenciada, pois as empresas operam apenas nas últimas etapas do processo, como a indústria farmacêutica brasileira, que registra desempenho apenas nos 3º e 4º estágios.
  • 16. SAIR Medicamento genérico Um medicamento genérico é um produto farmacêutico desenvolvido e fabricado a partir de uma substância activa, forma farmacêutica e dosagem idênticas a de um medicamento considerado de referência já existente no mercado farmacêutico. Tem o mesmo efeito terapêutico, dosagem e a mesma indicação que o medicamento considerado de referência para aquele princípio ativo. A compatibilidade entre dosagens é comprovada por rígidos testes laboratoriais e clínicos para obter o registro de genérico. Ver artigo principal: Medicamento genérico.
  • 18. SAIR Uso indiscriminado dos Medicamentos O uso indiscriminado de remédios, sintoma típico da hipocondria, uma compulsividade no pensamento e das preocupações sobre o próprio estado de saúde, pode acarretar uma série de problemas de saúde e também ambientais. De acordo com uma reportagem publicada na revista CartaCapital (Edição 333), cerca de um terço a 90% de todas as doses administradas de alguns remédios, como os antibióticos, são excretados na urina, citando ainda que pesquisadores ligados ao governo suíço iniciaram um estudo sistemático de poluentes em águas de várias regiões daquele país no ano de 2005.
  • 19. SAIR Uso indiscriminado dos Medicamentos O uso indiscriminado de remédios, sintoma típico da hipocondria, uma compulsividade no pensamento e das preocupações sobre o próprio estado de saúde, pode acarretar uma série de problemas de saúde e também ambientais. De acordo com uma reportagem publicada na revista CartaCapital (Edição 333), cerca de um terço a 90% de todas as doses administradas de alguns remédios, como os antibióticos, são excretados na urina, citando ainda que pesquisadores ligados ao governo suíço iniciaram um estudo sistemático de poluentes em águas de várias regiões daquele país no ano de 2005. Enquanto esses cientista procuravam porpesticidas, acabaram detectarando por acaso na água de um lago traços de um remédio utilizado para diminuir o colesterol, oclofibrato. Passaram a investigar então, surpresos, as águas dos rios e dos lagos na região rural da Suíça, além da águas de grandes centros urbanos.
  • 20. SAIR Uso indiscriminado dos Medicamentos O resultado da pesquisa foi de que havia altas concentrações de clofibrato na maior parte das amostras. Outros pesquisadores, desta vez da Alemanha, encontraram traços desse mesmo medicamento na água de torneira dos moradores de Berlim. Ainda na mesma referida reportagem, na Dinamarca as autoridades de saneamento teriam notado que 70% a 80% das drogas administradas nas fazendas de peixes acabam automaticamente no meio ambiente.
  • 21. SAIR Uso indiscriminado dos Medicamentos O resultado da pesquisa foi de que havia altas concentrações de clofibrato na maior parte das amostras. Outros pesquisadores, desta vez da Alemanha, encontraram traços desse mesmo medicamento na água de torneira dos moradores de Berlim. Ainda na mesma referida reportagem, na Dinamarca as autoridades de saneamento teriam notado que 70% a 80% das drogas administradas nas fazendas de peixes acabam automaticamente no meio ambiente. Ao redor dessas fazendas, pesquisadores como L. Wollenberger e B. Halling- Sorensen, da Real Faculdade de Farmácia da Dinamarca, têm isolado bactérias resistentes a antibióticos. Como solução, algumas medidas seriam fundamentais: • mudanças nos sistemas de monitoramento desses produtos no meio ambiente, • melhor depuração de substâncias nocivas nas estações de tratamento, • conscientização da população contra o descarte de remédios não utilizados ou vencidos em lixo comum ou diretamente no meio ambiente.
  • 22. SAIR Uso indiscriminado dos Medicamentos Atualmente a doença é vista como um estado de sofrimento experimentado e que deve ser eliminado, utilizando-se para isto bens, havendo a crença na solução de seus problemas através do consumo de medicamentos, esquecendo-se das verdadeiras causas do adoecer.