Dor lombar e dor irradiada para a perna

4.985 visualizações

Publicada em

2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • @Karolline Uek Resultado de ressonancia não quer dizer nada.Os Diagnósticos em medicina são feitos por História Clínica,exame físico e posteriormente exames.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • por favor preciso de ajuda!!! meu laudo da ressonancia magnetica deu isso aki : -acentuação da lordose lombrar fisiologica em decubito,osteofitose marginal nos corpos vertebrais,redução do sinal dos discos interbvertebrais lombares nas sequencias ponderdas em t2 indicando a desidratação discal,protusão intervertebral t12 l1 que oblitera a gordura epidural anterior determinando leve/moderada compressão sobre a face ventral do saco dural. vou ao medico e todos dizem que eu não tenho nada uns dizem q tenho hernia mas ngm me ajuda dizem que não é nada grave eu nao aguento mais de dor minhas pernas estão morrendo e eu tenho apenas 21 anos estou com mt medo e nem sei ao menos o que tenho se alguém souber o q é realmente me ajudem!!! eu vou acabar perdendo o movimento das pernas e eu ja fiz o exame de eletroneuromiografia e n deu nada o que eu faço?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.985
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
326
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dor lombar e dor irradiada para a perna

  1. 1. Dor lombar e dor irradiada para a perna Alambert,PA 2014
  2. 2. Quadro clínico • M.P.S, 49ª,torneiro mecânico,masc,procedente de São Vicente refere dor lombar há 2 semanas,contínua e em choque elétrico,a qual se irradia para a extremidade inferior direita até a face lateral do pé.Ás vezes fraqueza leve e/ou dormência na extremidade inferior citada.
  3. 3. Quadro clínico • A dor surgiu de forma aguda. Piora com a inclinação do tronco para a frente. As dores elétricas costumam ser intermitentes, piorando em decorrência de determinados movimentos.
  4. 4. SEMIOLOGIA EXAME FÍSICO DA COLUNA LOMBO-SACRA
  5. 5. Exame físico coluna lombar • 1-Inspeção • 2-Palpação • 3-Mobilidade A)Flexão / Extensão B)Flexão (ou inclinação) lateral (D/E) C)Rotação (D/E) D)Distância mão-chão
  6. 6. Inspeção da coluna lombar
  7. 7. Palpação da coluna lombar
  8. 8. MOBILIDADE Flexão / Extensão Flexão lombar Amplitude articular: 0°-95° Extensão lombar Amplitude articular: 0°-35°
  9. 9. MOBILIDADE Flexão (ou inclinação) lateral (D/E) Ocorre no plano frontal. Amplitude articular: 0°-40°
  10. 10. MOBILIDADE ROTAÇÃO Ocorre no plano transversal. Amplitude articular: 0°-35°
  11. 11. Teste de Laségue (pesquisa de ciática)
  12. 12. EXAME NEUROLÓGICO
  13. 13. Exame neurológico L4 1-MOTRICIDADE: m. tibial anterior (inversão do pé) 2-REFLEXO: patelar 3-SENSIBILIDADE: dermátomo de L4 (face medial perna e pé)
  14. 14. Exame neurológico L4
  15. 15. Exame neurológico S1 1-MOTRICIDADE: mms. fibulares longo e curto (eversão do pé) 2-REFLEXO: aquileu 3-SENSIBILIDADE: dermátomo de S1 (face lateral do pé)
  16. 16. Exame neurológico S1
  17. 17. CASO CLÍNICO EXAME FÍSICO
  18. 18. EXAME FÍSICO • Manobra de Lasegue positiva em 45º • Reflexo Aquileu ausente á direita • Paciente não consegue caminhar na ponta dos pés • Diminuição da sensibilidade na face lateral do pé direito
  19. 19. Qual é sua Hipótese diagnóstica? Que exames solicitar?
  20. 20. respostas • Lombociatalgia direita por provável hérnia discal segmento L5-S1. • Radiografia de coluna lombo-sacra • Ressonancia Nuclear Magnética de Coluna Lombo-Sacra
  21. 21. Rx de coluna lombo-sacra Imagem mostrando o sinal do vácuo entre L5 e S1 sugerindo discopatia
  22. 22. RNM de coluna lombo-sacra Volumosa hérnia discal em L5-S1
  23. 23. Tratamento • Fisioterapia:Estabilização lombar,aumento da flexibilidade e força dos isquiotibiais e dos flexores do quadril,melhora da biomecânica postural. • Aines • Analgésicos • Relaxantes musculares
  24. 24. Tratamento • Medicamentos estabilizadores do humor como gabapentina e pregabalina podem ser úteis. • Esteróides? • Infiltração epidural de esteróides • Microdiscectomia percutânes/nucleoplastia • Discectomia/discectomia com fusão
  25. 25. Lombociatalgia Apresentação de tema
  26. 26. Lombalgia: dor região póstero inferior do tronco entre último arco costal e a prega glútea. Lombociatalgia: dor lombar com irradiação pelo território de inervação do ciático.
  27. 27. Epidemiologia: 80% das pessoas terão pelo menos 1 episódio durante a vida. Homem = Mulher 30 e 50 anos. 50% do gasto total com a patologias ligadas ao trabalho. o50% melhoram após uma semana. o90% após 8 semanas. o5% incapacidade maior ou igual a 3 meses
  28. 28. Classificação AGUDA SUB-AGUDA CRÕNICA < 2 A 4 SEMANAS ATÉ 12 SEMANAS > 12 SEMANAS
  29. 29. Classificação etiológica Lombalgia Mecânica Lombalgia Lombalgia Não mecânica Referida Provocada por anormalidade funcional ou anatômica, sem evidencia clínica de doença neoplásica ou inflamatória Provocada por doença neoplásica ou inflamatória ou infecciosa Provocada por doença visceral
  30. 30. Diagnóstico • • • • • Anamnese/antecedentes clínicos Exame físico Exames radiológicos Exames por imagem Exames laboratoriais
  31. 31. SINAIS DE ALERTA • FEBRE • DOR À PALPAÇÃO DAS VÉRTEBRAS • ACHADO NEUROLÓGICO PERSISTENTE POR MAIS DE 30 DIAS • PERDA DE PESO INEXPLICADA • ACHADO NEUROLÓGICO POSITIVO
  32. 32. SINAIS DE ALERTA • HISTÓRICO DE Ca • USO PROLONGADO DE ESTERÓIDES • TRAUMA SIGNIFICATIVO • DORES ARTICULARES • IMUNOSSUPRESSÃO
  33. 33. Sinais de alerta ( red flags) Febre ,consupção: infecção ,tumor Dor aguda intensa: aneurisma aorda , fratura, ruptura discal, trauma. Aumento da dor ao repouso: espondilite. Rigidez matinal > 1 hora: Doença inflamatória. Dor óssea noturna: tumor. Anestesia em sela ,perda do controle esfincteriano: Sd. da cauda equina.
  34. 34. Exames de imagem (rotina): (rotina) só caso sinais de alerta. Sem melhoras em quatro a seis semanas. 1-Rx Simples. 2-CT. 3-RNM. 4Hemograma / vhs (infecção)
  35. 35. Tratamento: 1-Alteração hábitos de vida: trabalho excessivo, obesidade, tabagismo, sedentarismo, ansiedade. 2-Analgesicos 3-AINH 4-Relaxamentos Musculares 5-Corticosteroides 6-Opioides 7-Repouso curto 8-Cinesioterapia (Alongamento fortalecimento muscular) 9-Infiltração Corticoide 10-1 a 2 % Cirurgia

×