Dor em quadril, joelho, tornozelo e

12.517 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.517
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
824
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dor em quadril, joelho, tornozelo e

  1. 1. Alambert, PA
  2. 2.  R.G.L.,72ª,obesa,sexo feminino refere que há 6 meses apresenta dor na virilha direita que se irradia para a coxa anterior até o joelho homolateral, inicialmente, agravada pelos atos de caminhar e subir degraus .No último mês a dor está presente em repouso e à noite.
  3. 3. 1-Inspeção2-Palpação3-Mobilidade
  4. 4. Sempre procurar evidências de encurtamento de uma daspernasA)Postura escolióticaB)Flexão da perna maior-Uma deformidade em abdução é compensada pela flexãodo joelho ipsilateral,e uma deformidade em adução,pelaflexão do joelho contra-lateral-Uma deformidade em flexão é compensada por umalordose exagerada
  5. 5. A B CA-Encurtamento de uma perna B-Deformidade em adução da perna direita C-Deformidade em flexão dos quadris
  6. 6. O comprimento verdadeiro é medido da crista ilíaca antero-superior ao maléolo medial,Nestes casos pensar em patologia na ou em torno da articulação do ladoMenor.O comprimento aparente é medido da cicatriz umbilical ao maléolo medial.Uma diferença aqui,sem alteração no comprimento verdadeiro ,indica um desviolateral da pelve, mais frequentemente devido a uma deformidade em adução doquadril .
  7. 7. Quando a paciente fica sobre a perna esquerda normal,a pelve inclina-se para aEsquerda (a).Quando ela fica sobre a perna direita (onde existe doença), a pelvenão se inclina para a direita (b) Paciente em decúbito dorsal, primeiro determin se as cristas ilíacas podem ser Posicionadas no mesmo plano horizontal em ângulos retos em relação a coluna
  8. 8. A deformidade fixa em flexão do quadril direito pode ser obscurecida por uma lordoselombar compensatória (a).Quando a lordose é superada flexionando o quadril esquerdo,a perna direita é erguida(b).
  9. 9. Palpar as regiões anatômicas das bursas do quadril
  10. 10.  Osteoartrite (artrose de quadril) Distensão da virilha (dor na coxa interna,esforço físico) Ruptura Labral (corredores e dançarinos) Compressão do nervo cutâneo femoral lateral (meralgia parestésicas) (parestesias em face lateral e anterior da coxa) Neuropatia do Nervo Obturatório (dor na região medial da coxa,com um pouco de dormência associada) Bursite trocantérica Bursite ileopectínea
  11. 11.  Fisioterapia fortalecimento da musculatura de suporte do quadril,bem como para a melhora da estabilidade interna,abordando todas as limitações de flexibilidade Anti-inflamatórios Analgésicos Sulfato de Glicosamina e Condroitina Infiltrações Prótese total de quadril
  12. 12. INSPEÇÃOPALPAÇÃOMOBILIDADE
  13. 13. Derrame joelho direito
  14. 14. Palpação do polo inferior da patela
  15. 15. A sensibilidade em um pontoespecífico acima da pata de ganso,a cerca de 5 cm abaixo da linhaarticular ântero-medial.
  16. 16.  Bursite da pata de ganso Tendinite Patelar (joelho do saltador) Sindrome da banda iliotibial Artrose de joelho Ruptura meniscal Lesão ligamentar Síndrome patelofemoral Bursite pré –patelar Osteocondrite dissecante Doença de Osgood-Schlatter
  17. 17.  1- Gelo 2-Analgésicos tópicos 3-FisioterapiaCorreção dos desequilibrios musculares 4-Infiltração intrabursal de esteróide e anestésico.
  18. 18. FEBRECALAFRIOSARTICULAÇÃO QUENTE E EDEMACIADASINTOMAS NEUROLÓGICOS PROGRESSIVOSPERDA DO PULSO
  19. 19. C.H.S.SA,. 42 anos,masculino,há 6 meses apresentasintomas vagos de dor difusa no tornozelomedial.Parestesias ,incluindo queimação,formigamentoe /ou dormência,costumam ocorrer acima do tornozelomedial,e se irradiam para o arco do pé.Em geral ,relatapiora dos sintomas com corrida e outras atividades eapresenta melhora com o repouso.Às vezes apresenta dornoturna.Nas últimas 3 semanas,a dor e as parestesias temirradiado proximalmente para a perna ínfero-distal
  20. 20. InspeçãoPalpaçãoMobilidade
  21. 21. Reprodução dos sintomas com apercussão sobre o túnel do tarso(Teste de Tinel).
  22. 22. 1-SÍNDROME DO TÚNEL DO TARSO2-ENTORSE DE TORNOZELO3-TENDINITE DE AQUILES (SÍNDROME DE HAGLUND)BURSITE RETROCALCÂNEA4-OSTEOARTRITE 9ARTROSE)5-FASCITE PLANTAR6-IMPACTO ANTERIOR DO TORNOZELO
  23. 23. O túnel tarsal está localizado atrás do maléolo medial.Por ele passam onervo tibial posterior,a artéria tibial posterior e os tendões do tibialposterior:flexor longo dos dedos e flexor longo do hálux.
  24. 24. A Síndrome do Túnel do Tarso ocorre devido a compressão do nervotibial posterior dentro do túnel tarsal,podendo ocorrer como resultadode causas biomecânicas,cisto,lesão óssea, trauma ou devido razões idiopáticas.
  25. 25. Rx de TornozeloRNMUSEletroneuromiografia (ENM)
  26. 26. 1-ÓRTESE em casos deHiperpronação2-Infiltração de esteróide e anestésicono túnel (com orientaçãoultrasonográfica)3-Descompressão cirúrgica
  27. 27. FEBRECALAFRIOSARTICULAÇÃO QUENTE E EDEMACIADASINTOMAS NEUROLÓGICOS PROGRESSIVOSPERDA DO PULSO
  28. 28. Z.A.S., 53ª,feminina, refere dor sobre aface plantar do antepé,sobre as 2º e 3ºscabeças metatarsais do pé direito há 3semanas.A dor evoluiu de forma gradual.Acarga e a deambulação são particularmentedolorosas.
  29. 29. Um calo pode ser observado sobre ascabeças metatarsais.Dor a palpação da faceplantar das cabeças metatarsais e no coximde gordura.
  30. 30. Rx do pé (pa+p)
  31. 31. PROTETOR METATARSALÓRTESEGELOREALINHAMENTO CIRÚRGICO DOSDEDOS DO PÉ

×