SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Administração
Prof. Adm. Antonio Marcos Montai Messias
e-mail: antoniomarcos@outlook.com
Teoria Geral da Administração II
4º Termo do 2º Semestre de 2015
www.faculdadesgammon.edu.br
2
Sumário
4.3. O Modelo japonês de administração/ Sistema Toyota de
Produção
4.3.1. Sistema Toyota de Produção
4.3.2. Círculos da qualidade
4.3.3. Fatores culturais na administração japonesa
4.3.4. O sucesso do modelo japonês
3
O modelo japonês de administração
A escola americana da qualidade, da qual Deming foi uma das figuras marcantes,
criou raízes fortes no Japão e influenciou a filosofia de administração japonesa.
Na transição para o século XXI, o modelo japonês tomou-se um modelo universal,
e um dos principais pilares que sustentam a competitividade na economia global.
4
O Sistema Toyota
de Produção é a
semente do modelo
japonês de
administração.
Sistema Toyota de
Produção
Modelo Japonês de
Administração
Deming
Ford
Taylor e outros da
Administração
Científica
Shewhart
Cultura Japonesa
orientada para o trabalho
de grupo e a economia de
recursos
Origens do modelo japonês de
administração
5
Sistema Toyota de Produção
Criado por Eiji Toyada¹ e Taiichi Ohno² (Toyota), o Sistema Toyota de
Produção tem como dois princípios mais importantes a:
a) eliminação de desperdícios (Produtividade):
Deu origem à produção enxuta (lean production).
Consiste em fabricar com o máximo de economia de recursos.
a) fabricação com qualidade (Qualidade):
Tem por objetivo primordial produzir sem defeitos (na verdade, também
uma forma de eliminar desperdícios).
¹Toyada: http://www.geocities.jp/kazooou6/corolla/eiji-toyoda.jpg
² Ohno: http://totalqualitymanagement.files.wordpress.com/2008/11/taiichi-ohno.jpg
Eiji Toyada¹ Taiichi Ohno²
6
Para o bom funcionamento dos dois princípios, o Sistema Toyota
depende do comprometimento e envolvimento dos funcionários.
A Administração Participativa, que promove a participação dos
funcionários no processo decisório, tornou-se o terceiro elemento.
Sistema Toyota de Produção
Esses elementos levaram a Toyota, de empresainsignificante à posição de terceira montadora do mundo.
Elementosdo Sistema
Toyota deProdução
7
Desperdícios e agregação de valor
Ineficiências
Inevitáveis
Desperdícios
Atividades que criam valor
para o produto ou serviço
• Espera.
• Transporte.
• Deslocamentos.
• Perdas inevitáveis.
• Fabricação de quantidade maior que o necessário.
• Refugos.
• Tempo perdido em consertar erros.
• Estoque.
Realização de operações e atividades de transformação
estritamente ligadas ao produto ou serviço.
Produto ou serviço prestado sem desperdícios tem o máximo de valor agregado ao cliente.
Reduz os custos de produção, sem que o valor do produto aumente para o cliente.
8
Eliminação de desperdícios
Just in Time
Racionalização da Força de
Trabalho Produção Flexível
Eliminação de Desperdícios
Três estratégias para eliminar desperdícios.
O Sistema Toyota aplica três ideias principais para eliminar desperdícios:
9
Eliminação de desperdícios
(Racionalização da força de trabalho)
Para racionalizar a utilização da mão de obra, a Toyota agrupou os
operários em equipes, com um líder ao invés de um supervisor.
O líder trabalhava junto com a equipe e a coordenava.
Esta ideia está na raiz de conceitos de grande importância na moderna
administração: manufatura celular, auto gestão e trabalho de equipe.
Fonte: http://www.geocities.ws/robo02ctig/img_manufatura.gif
10
Eliminação de desperdícios
(Just in time)
O método Just in time (no momento certo ou na hora certa) procura
reduzir ao mínimo o tempo de fabricação e o volume de estoques.
Estabelece um fluxo contínuo de materiais sincronizado com o processo
produtivo.
Utiliza o cartão Kanban, o sinalizador da movimentação de materiais.
Fonte: http://1.bp.blogspot.com/_RG0zeFhnhzk/TPT70vZ8nLI/AAAAAAAAAE8/EzvCqmWSctE/s1600/just_in_time.jpg
11
Eliminação de desperdícios
(Produção flexível)
A produção flexível consiste em fabricar produtos, em geral em pequenos
lotes, de acordo com as encomendas dos clientes.
Fonte: http://www.zamplex.com/zpnovo/wp/wp-content/uploads/2010/07/prod-fordista.jpg
12
Fabricação com qualidade
Tem por objetivo primordial identificar e corrigir defeitos e eliminar suas
causas.
É também uma forma de eliminar desperdícios, porque, quanto menor a
quantidade de refugos e retrabalho, mais eficiente é o sistema produtivo.
Fazer certo da primeira
vez
Utilizar Círculos da
qualidade
Fabricação com Qualidade
Corrigir causas
fundamentais dos
erros
13
Fabricação com qualidade
(Fazer certo da primeira vez)
Ideia de Deming, esta filosofia torna o trabalhador responsável pela
qualidade de seu trabalho.
A Toyota utiliza este princípio desde os anos 50.
Apenas nos anos 90 a indústria ocidental conseguiu eliminar os inspetores
de qualidade.
14
Fabricação com qualidade
(Corrigir causas fundamentais dos erros)
Nesse método, o trabalhador tinha o poder de parar a linha de
produção sempre que encontrasse um problema.
Depois, analisar sistematicamente cada erro até chegar à causa
fundamental (Os “cinco por quês” ou 5 whys).
Os problemas caíram, a ponto de a proporção de veículos fabricados na
Toyota em relação à produção prevista aproximar-se de 100 por cento.
15
Os “cinco por quês” ou 5 whys.
Técnica do 5W2H
Perguntas Problemas Soluções
O quê / What é o problema? vai ser feito? Qual a ação?
Por quê / Why ocorre ? foi definida esta solução?
Quando / When
(desde quando)ele
ocorre?
será feito?
Onde / Where ele se encontra? será implantada?
Quem / Who está envolvido? será o responsável?
Como / How surgiu o problema? vai ser implementada?
Quanto Custa / How Much ter este problema? esta solução?
Fonte: www.brasilacademico.com/maxpt/links_goto.asp?id=722
Fabricação com qualidade
(Corrigir causas fundamentais dos erros)
16
Fabricação com qualidade
(Círculos da qualidade)
Estudo e proposta de solução de problemas que afetam a qualidade e a
eficiência.
A ideia dos círculos da qualidade ou círculos de controle da qualidade (CCQ) foi
desenvolvida por Kaoru Ishikawa e aplicada na Toyota.
O CCQ é um grupo de voluntários de um mesmo setor que se reúnem
regularmente para estudar e propor a solução de problemas que estejam
comprometendo a qualidade e a eficiência dos produtos.
17
Metodologia dos Círculos da
Qualidade
Essa metodologia consiste em:
1) Identificar os problemas na qualidade que causam prejuízos;
2) Identificar os problemas prioritários;
3) Propor soluções e formas de implementá-las, para corrigir os
problemas.
Duas técnicas fazem parte da metodologia: Princípio de Pareto e
Diagrama da Espinha de Peixe (Ou Diagrama de Ishikawa).
18
Metodologia dos Círculos da
Qualidade
Princípio de Pareto¹: Técnica que permite à empresa selecionar
prioridades quando há um grande número de problemas.
¹ Proposto pelo economista Italiano Vilfredo Pareto (1848-1923) , originalmente aplicava-se à análise da distribuição de renda: a
menor parte da população tem a maior parte da riqueza.
19
Metodologia dos Círculos da
Qualidade
a) Exemplo de aplicação do Princípio de Pareto – as informações
das causas e efeitos são dispostas em tabelas, com a participação de
cada causa no total de efeitos:
20
Metodologia dos Círculos da
Qualidade
b) Exemplo de aplicação do Princípio de Pareto – depois as
informações são apresentadas no gráfico de Pareto, que é dividido em
classes:
21
Metodologia dos Círculos da
Qualidade
Diagrama da Espinha de Peixe: criado por Kaoru Ishikawa é também
conhecido como Diagrama de Ishikawa, Diagrama de Causa e Efeito,
Diagrama 4 M ou Diagrama 6 M.
Visa organizar o raciocínio e a discussão sobre as causas de um problema
prioritário de qualidade identificado pela análise de Pareto.
Analisam causas relacionadas à(ao):
- Material: matéria prima, ferramentas, etc.
- Método: metodologia de processo;
- Mão de obra: pessoal;
- Máquina: maquinário e equipamentos;
- Medida: medidas tomadas anteriormente (excesso reuniões, etc.)
- Meio ambiente: interno (leiaute) ou externo (poluição).
Diagrama
4 M ou 6 M
22
Metodologia dos Círculos da
Qualidade
O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta prática, muito utilizada para
realizar análise de causa em avaliação de não conformidades,
conforme exemplo abaixo:
23
Fatores culturais na administração
japonesa
Combate ao desperdício
País pequeno
Poucos recursos naturais
Espírito de economia e eficiência
Trabalho de grupo
A necessidade de cooperar e o sistema feudal
A Era Meiji (até o final do século XIX)
Processo decisório baseado no consenso
Fonte:
http://static.hsw.com.br/gif/informacoes-
japao-2.gif
24
O sucesso do modelo japonês
25
CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro:
Campus, 2011.
FERREIRA, A. A.; REIS, A. C. F.; PEREIRA, M. I. Gestão Empresarial: de Taylor
aos nossos dias. São Paulo: Pioneira, 2001.
MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração: Da Revolução Urbana à
Revolução Digital. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
Bibliografia básica
26
AKTOUF, O. Administração entre a tradição e a renovação. São Paulo: Atlas,
1996.
ARAUJO, L. C. G. de. Organização, Sistemas e Métodos e as modernas
ferramentas de gestão organizacional. São Paulo: Atlas, 2000.
BERNARDES, C. Teoria Geral da Administração: a análise integrada das
organizações. São Paulo: Atlas, 1993.
BERNHOEFT, R. Como criar, manter e sair de uma sociedade familiar. São
Paulo: Senac, 1996.
DRUCKER, P. F. Introdução à administração. São Paulo Pioneira, 1998.
OLIVEIRA, D. de P. R. de. Teoria Geral da Administração: uma abordagem
prática. São Paulo: Atlas, 2008.
ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. Tradução Cid Knipel
Moreira. São Paulo: Saraiva, 2000.
Bibliografia complementar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Modelo japonês de administração
O Modelo japonês de administraçãoO Modelo japonês de administração
O Modelo japonês de administração
Antonio Marcos Montai Messias
 
Yalın Araçlar (5S, Kaizen ve SMED)
Yalın Araçlar (5S, Kaizen ve SMED)Yalın Araçlar (5S, Kaizen ve SMED)
Yalın Araçlar (5S, Kaizen ve SMED)
TalhaPahloullarndan
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
alanaagnes
 
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
Valor Agregado Consulting
 
Manutenção produtiva total (tpm) final
Manutenção produtiva total (tpm)   finalManutenção produtiva total (tpm)   final
Manutenção produtiva total (tpm) final
Sylvielly Sousa
 
Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in time
trainertek
 
Palestra - Planejamento programação e controle da produção
Palestra - Planejamento programação e controle da produçãoPalestra - Planejamento programação e controle da produção
Palestra - Planejamento programação e controle da produção
Michelle Raimundo dos Santos
 
Aula Lean
Aula LeanAula Lean
Trabalho de 6 sigmas administração da produção 2
Trabalho de 6 sigmas   administração da produção 2Trabalho de 6 sigmas   administração da produção 2
Trabalho de 6 sigmas administração da produção 2
Cleverson Carlos Vasconcelos de Souza
 
Kaizen para Tecnologia da Informação
Kaizen para Tecnologia da InformaçãoKaizen para Tecnologia da Informação
Kaizen para Tecnologia da Informação
andreandrade17
 
Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1
daniellopesfranco
 
Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
Alexandre Bonifacio Silva
 
Modelo kaizen
Modelo kaizenModelo kaizen
Modelo kaizen
Maurício Dorneles
 
Balanceamento de linhas
Balanceamento de linhasBalanceamento de linhas
Balanceamento de linhas
marcioemorais
 
Desvendando Lean Manufacturing
Desvendando Lean ManufacturingDesvendando Lean Manufacturing
Desvendando Lean Manufacturing
Danilo Pereira
 
Melhoria continua de processos
Melhoria continua de processosMelhoria continua de processos
Melhoria continua de processos
CLT Valuebased Services
 
Gestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção LeanGestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção Lean
Miguel Oliveira
 
Yalin Üretim
Yalin ÜretimYalin Üretim
Yalin Üretim
NimetBalc
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Mayra de Souza
 
Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2
daniellopesfranco
 

Mais procurados (20)

O Modelo japonês de administração
O Modelo japonês de administraçãoO Modelo japonês de administração
O Modelo japonês de administração
 
Yalın Araçlar (5S, Kaizen ve SMED)
Yalın Araçlar (5S, Kaizen ve SMED)Yalın Araçlar (5S, Kaizen ve SMED)
Yalın Araçlar (5S, Kaizen ve SMED)
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
 
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
 
Manutenção produtiva total (tpm) final
Manutenção produtiva total (tpm)   finalManutenção produtiva total (tpm)   final
Manutenção produtiva total (tpm) final
 
Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in time
 
Palestra - Planejamento programação e controle da produção
Palestra - Planejamento programação e controle da produçãoPalestra - Planejamento programação e controle da produção
Palestra - Planejamento programação e controle da produção
 
Aula Lean
Aula LeanAula Lean
Aula Lean
 
Trabalho de 6 sigmas administração da produção 2
Trabalho de 6 sigmas   administração da produção 2Trabalho de 6 sigmas   administração da produção 2
Trabalho de 6 sigmas administração da produção 2
 
Kaizen para Tecnologia da Informação
Kaizen para Tecnologia da InformaçãoKaizen para Tecnologia da Informação
Kaizen para Tecnologia da Informação
 
Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1
 
Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
 
Modelo kaizen
Modelo kaizenModelo kaizen
Modelo kaizen
 
Balanceamento de linhas
Balanceamento de linhasBalanceamento de linhas
Balanceamento de linhas
 
Desvendando Lean Manufacturing
Desvendando Lean ManufacturingDesvendando Lean Manufacturing
Desvendando Lean Manufacturing
 
Melhoria continua de processos
Melhoria continua de processosMelhoria continua de processos
Melhoria continua de processos
 
Gestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção LeanGestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção Lean
 
Yalin Üretim
Yalin ÜretimYalin Üretim
Yalin Üretim
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2
 

Destaque

Modelo Japonês de Administração
Modelo Japonês de AdministraçãoModelo Japonês de Administração
Modelo Japonês de Administração
Sabrina Machado
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
P30
 
Medalha fields
Medalha         fieldsMedalha         fields
Medalha fields
gkgmarques
 
Escola japonesa
Escola japonesaEscola japonesa
Escola japonesa
Fernanda Silva
 
Gestão de compras e Compras no serviço público
Gestão de compras e Compras no serviço públicoGestão de compras e Compras no serviço público
Gestão de compras e Compras no serviço público
Antonio Marcos Montai Messias
 
Compras Publicas
Compras PublicasCompras Publicas
Compras Publicas
igovbrasil
 
FormuláRio Projeto
FormuláRio ProjetoFormuláRio Projeto
FormuláRio Projeto
Antonio Marcos Montai Messias
 
Administração da qualidade
Administração da qualidadeAdministração da qualidade
Administração da qualidade
Antonio Marcos Montai Messias
 
Administração da qualidade
Administração da qualidadeAdministração da qualidade
Administração da qualidade
Antonio Marcos Montai Messias
 
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de ProjetosGestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Antonio Marcos Montai Messias
 
Concentração e Centralização das atividades Financeiras, Compras e Contrataçõ...
Concentração e Centralização das atividades Financeiras, Compras e Contrataçõ...Concentração e Centralização das atividades Financeiras, Compras e Contrataçõ...
Concentração e Centralização das atividades Financeiras, Compras e Contrataçõ...
NeoPublica Soluções Inovadoras em Gestão
 
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de ProjetosGestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Antonio Marcos Montai Messias
 
Compras no Serviço Público
Compras no Serviço PúblicoCompras no Serviço Público
Compras no Serviço Público
Antonio Marcos Montai Messias
 
Administracão estratégica e as estrategias organizacionais
Administracão estratégica e as estrategias  organizacionaisAdministracão estratégica e as estrategias  organizacionais
Administracão estratégica e as estrategias organizacionais
Antonio Marcos Montai Messias
 
Os desafios do setor público para construir um modelo de gestão de compras e ...
Os desafios do setor público para construir um modelo de gestão de compras e ...Os desafios do setor público para construir um modelo de gestão de compras e ...
Os desafios do setor público para construir um modelo de gestão de compras e ...
Fundação de Economia e Estatística
 
Almoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagemAlmoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagem
Antonio Marcos Montai Messias
 
Conceitos e evolução de Gestão de Projetos
Conceitos e evolução de Gestão de ProjetosConceitos e evolução de Gestão de Projetos
Conceitos e evolução de Gestão de Projetos
Antonio Marcos Montai Messias
 
FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009
FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009
FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009
Antonio Marcos Montai Messias
 
Modelo Mapa Comparativo Precos
Modelo Mapa Comparativo PrecosModelo Mapa Comparativo Precos
Modelo Mapa Comparativo Precos
Antonio Marcos Montai Messias
 
Gestao do Conhecimento e Inovacao no Setor Publico
Gestao do Conhecimento e Inovacao no Setor PublicoGestao do Conhecimento e Inovacao no Setor Publico
Gestao do Conhecimento e Inovacao no Setor Publico
igovbrasil
 

Destaque (20)

Modelo Japonês de Administração
Modelo Japonês de AdministraçãoModelo Japonês de Administração
Modelo Japonês de Administração
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
 
Medalha fields
Medalha         fieldsMedalha         fields
Medalha fields
 
Escola japonesa
Escola japonesaEscola japonesa
Escola japonesa
 
Gestão de compras e Compras no serviço público
Gestão de compras e Compras no serviço públicoGestão de compras e Compras no serviço público
Gestão de compras e Compras no serviço público
 
Compras Publicas
Compras PublicasCompras Publicas
Compras Publicas
 
FormuláRio Projeto
FormuláRio ProjetoFormuláRio Projeto
FormuláRio Projeto
 
Administração da qualidade
Administração da qualidadeAdministração da qualidade
Administração da qualidade
 
Administração da qualidade
Administração da qualidadeAdministração da qualidade
Administração da qualidade
 
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de ProjetosGestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
 
Concentração e Centralização das atividades Financeiras, Compras e Contrataçõ...
Concentração e Centralização das atividades Financeiras, Compras e Contrataçõ...Concentração e Centralização das atividades Financeiras, Compras e Contrataçõ...
Concentração e Centralização das atividades Financeiras, Compras e Contrataçõ...
 
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de ProjetosGestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
 
Compras no Serviço Público
Compras no Serviço PúblicoCompras no Serviço Público
Compras no Serviço Público
 
Administracão estratégica e as estrategias organizacionais
Administracão estratégica e as estrategias  organizacionaisAdministracão estratégica e as estrategias  organizacionais
Administracão estratégica e as estrategias organizacionais
 
Os desafios do setor público para construir um modelo de gestão de compras e ...
Os desafios do setor público para construir um modelo de gestão de compras e ...Os desafios do setor público para construir um modelo de gestão de compras e ...
Os desafios do setor público para construir um modelo de gestão de compras e ...
 
Almoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagemAlmoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagem
 
Conceitos e evolução de Gestão de Projetos
Conceitos e evolução de Gestão de ProjetosConceitos e evolução de Gestão de Projetos
Conceitos e evolução de Gestão de Projetos
 
FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009
FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009
FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009
 
Modelo Mapa Comparativo Precos
Modelo Mapa Comparativo PrecosModelo Mapa Comparativo Precos
Modelo Mapa Comparativo Precos
 
Gestao do Conhecimento e Inovacao no Setor Publico
Gestao do Conhecimento e Inovacao no Setor PublicoGestao do Conhecimento e Inovacao no Setor Publico
Gestao do Conhecimento e Inovacao no Setor Publico
 

Semelhante a O modelo japonês de administração

Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I
Cristiano Ferreira Cesarino
 
Cultura Lean Agile Weekend
Cultura Lean Agile WeekendCultura Lean Agile Weekend
Cultura Lean Agile Weekend
Luiz C. Parzianello
 
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Webaula 51 Entendendo o Lean IT
Webaula 51   Entendendo o Lean ITWebaula 51   Entendendo o Lean IT
Webaula 51 Entendendo o Lean IT
Projetos e TI
 
Wcm 001
Wcm 001Wcm 001
Wcm 001
fabioavela
 
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCMOriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Jose Donizetti Moraes
 
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TILEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
Elke Couto Morgado
 
O Pensamento A3
O Pensamento A3O Pensamento A3
O Pensamento A3
Emilio Mesa Junior
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Carlos Sousa
 
APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
Maxime Parisot
 
Lean Thinking
Lean ThinkingLean Thinking
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras - V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
Fredjoger Mendes
 
Modelo Japonês.pptx
Modelo Japonês.pptxModelo Japonês.pptx
Modelo Japonês.pptx
MarcusEuricoPereiraF
 
00_e-book-tpm-engeman.pdf
00_e-book-tpm-engeman.pdf00_e-book-tpm-engeman.pdf
00_e-book-tpm-engeman.pdf
AlvanirBarros1
 
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas OrganizaçõesOs Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Gerisval Pessoa
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
Jose Donizetti Moraes
 
TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...
TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...
TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...
Robson Peixoto
 
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria ContínuaO Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
Gerisval Pessoa
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)
Elizeu Ferro
 
Aplicação da filosofia lean na área da manutenção
Aplicação da filosofia lean na área da manutençãoAplicação da filosofia lean na área da manutenção
Aplicação da filosofia lean na área da manutenção
claudio oliveira
 

Semelhante a O modelo japonês de administração (20)

Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I
 
Cultura Lean Agile Weekend
Cultura Lean Agile WeekendCultura Lean Agile Weekend
Cultura Lean Agile Weekend
 
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
 
Webaula 51 Entendendo o Lean IT
Webaula 51   Entendendo o Lean ITWebaula 51   Entendendo o Lean IT
Webaula 51 Entendendo o Lean IT
 
Wcm 001
Wcm 001Wcm 001
Wcm 001
 
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCMOriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
 
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TILEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
 
O Pensamento A3
O Pensamento A3O Pensamento A3
O Pensamento A3
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
 
Lean Thinking
Lean ThinkingLean Thinking
Lean Thinking
 
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras - V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
V Lean Day Unicamp - Notas de Palestras -
 
Modelo Japonês.pptx
Modelo Japonês.pptxModelo Japonês.pptx
Modelo Japonês.pptx
 
00_e-book-tpm-engeman.pdf
00_e-book-tpm-engeman.pdf00_e-book-tpm-engeman.pdf
00_e-book-tpm-engeman.pdf
 
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas OrganizaçõesOs Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
 
TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...
TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...
TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...
 
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria ContínuaO Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)
 
Aplicação da filosofia lean na área da manutenção
Aplicação da filosofia lean na área da manutençãoAplicação da filosofia lean na área da manutenção
Aplicação da filosofia lean na área da manutenção
 

Mais de Antonio Marcos Montai Messias

Roteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
Roteiro de estudo de caso simulação do processo de comprasRoteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
Roteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
Antonio Marcos Montai Messias
 
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contrataçãoGestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
Antonio Marcos Montai Messias
 
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
Antonio Marcos Montai Messias
 
Modelo Planilha Qualificacao Tecnica
Modelo Planilha Qualificacao TecnicaModelo Planilha Qualificacao Tecnica
Modelo Planilha Qualificacao Tecnica
Antonio Marcos Montai Messias
 
Modelo Quadro Comparativo Resultados Concorrencia
Modelo Quadro Comparativo Resultados ConcorrenciaModelo Quadro Comparativo Resultados Concorrencia
Modelo Quadro Comparativo Resultados Concorrencia
Antonio Marcos Montai Messias
 
Modelo Coleta Precos
Modelo Coleta PrecosModelo Coleta Precos
Modelo Coleta Precos
Antonio Marcos Montai Messias
 
Modelo Ficha Ocorrencia Cadastral
Modelo Ficha Ocorrencia CadastralModelo Ficha Ocorrencia Cadastral
Modelo Ficha Ocorrencia Cadastral
Antonio Marcos Montai Messias
 
Modelo Autorizacao Fornecimento
Modelo Autorizacao FornecimentoModelo Autorizacao Fornecimento
Modelo Autorizacao Fornecimento
Antonio Marcos Montai Messias
 
Conceitos e Evolução da Administração de Projetos
Conceitos e Evolução da Administração de ProjetosConceitos e Evolução da Administração de Projetos
Conceitos e Evolução da Administração de Projetos
Antonio Marcos Montai Messias
 
Elaboração e Avaliação de Proposta e Plano de Projeto
Elaboração e Avaliação de Proposta e Plano de ProjetoElaboração e Avaliação de Proposta e Plano de Projeto
Elaboração e Avaliação de Proposta e Plano de Projeto
Antonio Marcos Montai Messias
 
Gestão de Prazos e Custos do Projeto
Gestão de Prazos e Custos do ProjetoGestão de Prazos e Custos do Projeto
Gestão de Prazos e Custos do Projeto
Antonio Marcos Montai Messias
 
Gestão do Escopo do Projeto
Gestão do Escopo do ProjetoGestão do Escopo do Projeto
Gestão do Escopo do Projeto
Antonio Marcos Montai Messias
 
A Administração Participativa e a aplicação nas organizações
A Administração Participativa e a aplicação nas organizaçõesA Administração Participativa e a aplicação nas organizações
A Administração Participativa e a aplicação nas organizações
Antonio Marcos Montai Messias
 
A Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade Total
A Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade TotalA Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade Total
A Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade Total
Antonio Marcos Montai Messias
 
A Administração Estratégica e as estratégias organizacionais
A Administração Estratégica e as estratégias organizacionaisA Administração Estratégica e as estratégias organizacionais
A Administração Estratégica e as estratégias organizacionais
Antonio Marcos Montai Messias
 
A Administração na Era Digital e os novos paradigmas da gestão organizacional
A Administração na Era Digital e os novos paradigmas da gestão organizacionalA Administração na Era Digital e os novos paradigmas da gestão organizacional
A Administração na Era Digital e os novos paradigmas da gestão organizacional
Antonio Marcos Montai Messias
 

Mais de Antonio Marcos Montai Messias (16)

Roteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
Roteiro de estudo de caso simulação do processo de comprasRoteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
Roteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
 
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contrataçãoGestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
 
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
 
Modelo Planilha Qualificacao Tecnica
Modelo Planilha Qualificacao TecnicaModelo Planilha Qualificacao Tecnica
Modelo Planilha Qualificacao Tecnica
 
Modelo Quadro Comparativo Resultados Concorrencia
Modelo Quadro Comparativo Resultados ConcorrenciaModelo Quadro Comparativo Resultados Concorrencia
Modelo Quadro Comparativo Resultados Concorrencia
 
Modelo Coleta Precos
Modelo Coleta PrecosModelo Coleta Precos
Modelo Coleta Precos
 
Modelo Ficha Ocorrencia Cadastral
Modelo Ficha Ocorrencia CadastralModelo Ficha Ocorrencia Cadastral
Modelo Ficha Ocorrencia Cadastral
 
Modelo Autorizacao Fornecimento
Modelo Autorizacao FornecimentoModelo Autorizacao Fornecimento
Modelo Autorizacao Fornecimento
 
Conceitos e Evolução da Administração de Projetos
Conceitos e Evolução da Administração de ProjetosConceitos e Evolução da Administração de Projetos
Conceitos e Evolução da Administração de Projetos
 
Elaboração e Avaliação de Proposta e Plano de Projeto
Elaboração e Avaliação de Proposta e Plano de ProjetoElaboração e Avaliação de Proposta e Plano de Projeto
Elaboração e Avaliação de Proposta e Plano de Projeto
 
Gestão de Prazos e Custos do Projeto
Gestão de Prazos e Custos do ProjetoGestão de Prazos e Custos do Projeto
Gestão de Prazos e Custos do Projeto
 
Gestão do Escopo do Projeto
Gestão do Escopo do ProjetoGestão do Escopo do Projeto
Gestão do Escopo do Projeto
 
A Administração Participativa e a aplicação nas organizações
A Administração Participativa e a aplicação nas organizaçõesA Administração Participativa e a aplicação nas organizações
A Administração Participativa e a aplicação nas organizações
 
A Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade Total
A Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade TotalA Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade Total
A Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade Total
 
A Administração Estratégica e as estratégias organizacionais
A Administração Estratégica e as estratégias organizacionaisA Administração Estratégica e as estratégias organizacionais
A Administração Estratégica e as estratégias organizacionais
 
A Administração na Era Digital e os novos paradigmas da gestão organizacional
A Administração na Era Digital e os novos paradigmas da gestão organizacionalA Administração na Era Digital e os novos paradigmas da gestão organizacional
A Administração na Era Digital e os novos paradigmas da gestão organizacional
 

Último

Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 

Último (20)

Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 

O modelo japonês de administração

  • 1. 1 Administração Prof. Adm. Antonio Marcos Montai Messias e-mail: antoniomarcos@outlook.com Teoria Geral da Administração II 4º Termo do 2º Semestre de 2015 www.faculdadesgammon.edu.br
  • 2. 2 Sumário 4.3. O Modelo japonês de administração/ Sistema Toyota de Produção 4.3.1. Sistema Toyota de Produção 4.3.2. Círculos da qualidade 4.3.3. Fatores culturais na administração japonesa 4.3.4. O sucesso do modelo japonês
  • 3. 3 O modelo japonês de administração A escola americana da qualidade, da qual Deming foi uma das figuras marcantes, criou raízes fortes no Japão e influenciou a filosofia de administração japonesa. Na transição para o século XXI, o modelo japonês tomou-se um modelo universal, e um dos principais pilares que sustentam a competitividade na economia global.
  • 4. 4 O Sistema Toyota de Produção é a semente do modelo japonês de administração. Sistema Toyota de Produção Modelo Japonês de Administração Deming Ford Taylor e outros da Administração Científica Shewhart Cultura Japonesa orientada para o trabalho de grupo e a economia de recursos Origens do modelo japonês de administração
  • 5. 5 Sistema Toyota de Produção Criado por Eiji Toyada¹ e Taiichi Ohno² (Toyota), o Sistema Toyota de Produção tem como dois princípios mais importantes a: a) eliminação de desperdícios (Produtividade): Deu origem à produção enxuta (lean production). Consiste em fabricar com o máximo de economia de recursos. a) fabricação com qualidade (Qualidade): Tem por objetivo primordial produzir sem defeitos (na verdade, também uma forma de eliminar desperdícios). ¹Toyada: http://www.geocities.jp/kazooou6/corolla/eiji-toyoda.jpg ² Ohno: http://totalqualitymanagement.files.wordpress.com/2008/11/taiichi-ohno.jpg Eiji Toyada¹ Taiichi Ohno²
  • 6. 6 Para o bom funcionamento dos dois princípios, o Sistema Toyota depende do comprometimento e envolvimento dos funcionários. A Administração Participativa, que promove a participação dos funcionários no processo decisório, tornou-se o terceiro elemento. Sistema Toyota de Produção Esses elementos levaram a Toyota, de empresainsignificante à posição de terceira montadora do mundo. Elementosdo Sistema Toyota deProdução
  • 7. 7 Desperdícios e agregação de valor Ineficiências Inevitáveis Desperdícios Atividades que criam valor para o produto ou serviço • Espera. • Transporte. • Deslocamentos. • Perdas inevitáveis. • Fabricação de quantidade maior que o necessário. • Refugos. • Tempo perdido em consertar erros. • Estoque. Realização de operações e atividades de transformação estritamente ligadas ao produto ou serviço. Produto ou serviço prestado sem desperdícios tem o máximo de valor agregado ao cliente. Reduz os custos de produção, sem que o valor do produto aumente para o cliente.
  • 8. 8 Eliminação de desperdícios Just in Time Racionalização da Força de Trabalho Produção Flexível Eliminação de Desperdícios Três estratégias para eliminar desperdícios. O Sistema Toyota aplica três ideias principais para eliminar desperdícios:
  • 9. 9 Eliminação de desperdícios (Racionalização da força de trabalho) Para racionalizar a utilização da mão de obra, a Toyota agrupou os operários em equipes, com um líder ao invés de um supervisor. O líder trabalhava junto com a equipe e a coordenava. Esta ideia está na raiz de conceitos de grande importância na moderna administração: manufatura celular, auto gestão e trabalho de equipe. Fonte: http://www.geocities.ws/robo02ctig/img_manufatura.gif
  • 10. 10 Eliminação de desperdícios (Just in time) O método Just in time (no momento certo ou na hora certa) procura reduzir ao mínimo o tempo de fabricação e o volume de estoques. Estabelece um fluxo contínuo de materiais sincronizado com o processo produtivo. Utiliza o cartão Kanban, o sinalizador da movimentação de materiais. Fonte: http://1.bp.blogspot.com/_RG0zeFhnhzk/TPT70vZ8nLI/AAAAAAAAAE8/EzvCqmWSctE/s1600/just_in_time.jpg
  • 11. 11 Eliminação de desperdícios (Produção flexível) A produção flexível consiste em fabricar produtos, em geral em pequenos lotes, de acordo com as encomendas dos clientes. Fonte: http://www.zamplex.com/zpnovo/wp/wp-content/uploads/2010/07/prod-fordista.jpg
  • 12. 12 Fabricação com qualidade Tem por objetivo primordial identificar e corrigir defeitos e eliminar suas causas. É também uma forma de eliminar desperdícios, porque, quanto menor a quantidade de refugos e retrabalho, mais eficiente é o sistema produtivo. Fazer certo da primeira vez Utilizar Círculos da qualidade Fabricação com Qualidade Corrigir causas fundamentais dos erros
  • 13. 13 Fabricação com qualidade (Fazer certo da primeira vez) Ideia de Deming, esta filosofia torna o trabalhador responsável pela qualidade de seu trabalho. A Toyota utiliza este princípio desde os anos 50. Apenas nos anos 90 a indústria ocidental conseguiu eliminar os inspetores de qualidade.
  • 14. 14 Fabricação com qualidade (Corrigir causas fundamentais dos erros) Nesse método, o trabalhador tinha o poder de parar a linha de produção sempre que encontrasse um problema. Depois, analisar sistematicamente cada erro até chegar à causa fundamental (Os “cinco por quês” ou 5 whys). Os problemas caíram, a ponto de a proporção de veículos fabricados na Toyota em relação à produção prevista aproximar-se de 100 por cento.
  • 15. 15 Os “cinco por quês” ou 5 whys. Técnica do 5W2H Perguntas Problemas Soluções O quê / What é o problema? vai ser feito? Qual a ação? Por quê / Why ocorre ? foi definida esta solução? Quando / When (desde quando)ele ocorre? será feito? Onde / Where ele se encontra? será implantada? Quem / Who está envolvido? será o responsável? Como / How surgiu o problema? vai ser implementada? Quanto Custa / How Much ter este problema? esta solução? Fonte: www.brasilacademico.com/maxpt/links_goto.asp?id=722 Fabricação com qualidade (Corrigir causas fundamentais dos erros)
  • 16. 16 Fabricação com qualidade (Círculos da qualidade) Estudo e proposta de solução de problemas que afetam a qualidade e a eficiência. A ideia dos círculos da qualidade ou círculos de controle da qualidade (CCQ) foi desenvolvida por Kaoru Ishikawa e aplicada na Toyota. O CCQ é um grupo de voluntários de um mesmo setor que se reúnem regularmente para estudar e propor a solução de problemas que estejam comprometendo a qualidade e a eficiência dos produtos.
  • 17. 17 Metodologia dos Círculos da Qualidade Essa metodologia consiste em: 1) Identificar os problemas na qualidade que causam prejuízos; 2) Identificar os problemas prioritários; 3) Propor soluções e formas de implementá-las, para corrigir os problemas. Duas técnicas fazem parte da metodologia: Princípio de Pareto e Diagrama da Espinha de Peixe (Ou Diagrama de Ishikawa).
  • 18. 18 Metodologia dos Círculos da Qualidade Princípio de Pareto¹: Técnica que permite à empresa selecionar prioridades quando há um grande número de problemas. ¹ Proposto pelo economista Italiano Vilfredo Pareto (1848-1923) , originalmente aplicava-se à análise da distribuição de renda: a menor parte da população tem a maior parte da riqueza.
  • 19. 19 Metodologia dos Círculos da Qualidade a) Exemplo de aplicação do Princípio de Pareto – as informações das causas e efeitos são dispostas em tabelas, com a participação de cada causa no total de efeitos:
  • 20. 20 Metodologia dos Círculos da Qualidade b) Exemplo de aplicação do Princípio de Pareto – depois as informações são apresentadas no gráfico de Pareto, que é dividido em classes:
  • 21. 21 Metodologia dos Círculos da Qualidade Diagrama da Espinha de Peixe: criado por Kaoru Ishikawa é também conhecido como Diagrama de Ishikawa, Diagrama de Causa e Efeito, Diagrama 4 M ou Diagrama 6 M. Visa organizar o raciocínio e a discussão sobre as causas de um problema prioritário de qualidade identificado pela análise de Pareto. Analisam causas relacionadas à(ao): - Material: matéria prima, ferramentas, etc. - Método: metodologia de processo; - Mão de obra: pessoal; - Máquina: maquinário e equipamentos; - Medida: medidas tomadas anteriormente (excesso reuniões, etc.) - Meio ambiente: interno (leiaute) ou externo (poluição). Diagrama 4 M ou 6 M
  • 22. 22 Metodologia dos Círculos da Qualidade O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta prática, muito utilizada para realizar análise de causa em avaliação de não conformidades, conforme exemplo abaixo:
  • 23. 23 Fatores culturais na administração japonesa Combate ao desperdício País pequeno Poucos recursos naturais Espírito de economia e eficiência Trabalho de grupo A necessidade de cooperar e o sistema feudal A Era Meiji (até o final do século XIX) Processo decisório baseado no consenso Fonte: http://static.hsw.com.br/gif/informacoes- japao-2.gif
  • 24. 24 O sucesso do modelo japonês
  • 25. 25 CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro: Campus, 2011. FERREIRA, A. A.; REIS, A. C. F.; PEREIRA, M. I. Gestão Empresarial: de Taylor aos nossos dias. São Paulo: Pioneira, 2001. MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração: Da Revolução Urbana à Revolução Digital. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010. Bibliografia básica
  • 26. 26 AKTOUF, O. Administração entre a tradição e a renovação. São Paulo: Atlas, 1996. ARAUJO, L. C. G. de. Organização, Sistemas e Métodos e as modernas ferramentas de gestão organizacional. São Paulo: Atlas, 2000. BERNARDES, C. Teoria Geral da Administração: a análise integrada das organizações. São Paulo: Atlas, 1993. BERNHOEFT, R. Como criar, manter e sair de uma sociedade familiar. São Paulo: Senac, 1996. DRUCKER, P. F. Introdução à administração. São Paulo Pioneira, 1998. OLIVEIRA, D. de P. R. de. Teoria Geral da Administração: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas, 2008. ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. Tradução Cid Knipel Moreira. São Paulo: Saraiva, 2000. Bibliografia complementar