SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
1 
Administração 
Prof. Adm. Antonio Marcos Montai Messias 
e-mail: antoniomarcos@outlook.com 
Teoria Geral da Administração II 
4º Termo do 2º Semestre de 2014 
www.funge.com.br
2 
Sumário 
4.3. O Modelo japonês de administração/ Sistema Toyota de 
Produção 
4.3.1. Sistema Toyota de Produção 
4.3.2. Círculos da qualidade 
4.3.3. Fatores culturais na administração japonesa 
4.3.4. O sucesso do modelo japonês
3 
O modelo japonês de administração 
A escola americana da qualidade, da qual Deming foi uma das figuras marcantes, 
criou raízes fortes no Japão e influenciou a filosofia de administração japonesa. 
Na transição para o século XXI, o modelo japonês tomou-se um modelo universal, 
e um dos principais pilares que sustentam a competitividade na economia global.
4 
Origens do modelo japonês de 
O Sistema Toyota de 
Produção é a semente 
do modelo japonês de 
administração. 
administração 
Sistema Toyota de 
Produção 
Modelo Japonês de 
Administração 
Shewhart 
Deming 
Ford 
Taylor e outros da 
Administração 
Científica 
Cultura Japonesa 
orientada para o trabalho 
de grupo e a economia de 
recursos
5 
Sistema Toyota de Produção 
Criado por Eiji Toyada¹ e Taiichi Ohno² (Toyota), o Sistema Toyota de 
Produção tem como dois princípios mais importantes a: 
a) eliminação de desperdícios (Produtividade): 
Deu origem à produção enxuta (lean production). 
Consiste em fabricar com o máximo de economia de recursos. 
a) fabricação com qualidade (Qualidade): 
Tem por objetivo primordial produzir sem defeitos (na verdade, também 
uma forma de eliminar desperdícios). 
¹Toyada: http://www.geocities.jp/kazooou6/corolla/eiji-toyoda.jpg 
² Ohno: http://totalqualitymanagement.files.wordpress.com/2008/11/taiichi-ohno.jpg 
Eiji Toyada¹ Taiichi Ohno²
6 
Sistema Toyota de Produção 
Para o bom funcionamento dos dois princípios, o Sistema Toyota 
depende do comprometimento e envolvimento dos funcionários. 
A Administração Participativa, que promove a participação dos 
funcionários no processo decisório, tornou-se o terceiro elemento. 
Elementos do Sistema 
Toyota de Produção 
Esses elementos levaram a Toyota de empresa insignificante à posição de terceira montadora do mundo.
7 
Desperdícios e agregação de valor 
Ineficiências 
Inevitáveis 
Desperdícios 
Atividades que criam valor 
para o produto ou serviço 
• Espera. 
• Transporte. 
• Deslocamentos. 
• Perdas inevitáveis. 
• Fabricação de quantidade maior que o necessário. 
• Refugos. 
• Tempo perdido em consertar erros. 
• Estoque. 
Realização de operações e atividades de transformação 
estritamente ligadas ao produto ou serviço. 
Produto ou serviço prestado sem desperdícios tem o máximo de valor agregado ao cliente. 
Reduz os custos de produção, sem que o valor do produto aumente para o cliente.
8 
Eliminação de desperdícios 
O Sistema Toyota aplica três ideias principais para eliminar desperdícios: 
Just in Time 
Racionalização da Força de 
Trabalho 
Produção Flexível 
Eliminação de Desperdícios 
Três estratégias para eliminar desperdícios.
9 
Eliminação de desperdícios 
(Racionalização da força de trabalho) 
Para racionalizar a utilização da mão de obra, a Toyota agrupou os 
operários em equipes, com um líder ao invés de um supervisor. 
O líder trabalhava junto com a equipe e a coordenava. 
Esta ideia está na raiz de conceitos de grande importância na moderna 
administração: manufatura celular, auto gestão e trabalho de equipe. 
Fonte: http://www.geocities.ws/robo02ctig/img_manufatura.gif
10 
Eliminação de desperdícios 
(Just in time) 
O método Just in time (no momento certo ou na hora certa) procura 
reduzir ao mínimo o tempo de fabricação e o volume de estoques. 
Estabelece um fluxo contínuo de materiais sincronizado com o processo 
produtivo. 
Utiliza o cartão Kanban, o sinalizador da movimentação de materiais. 
Fonte: http://1.bp.blogspot.com/_RG0zeFhnhzk/TPT70vZ8nLI/AAAAAAAAAE8/EzvCqmWSctE/s1600/just_in_time.jpg
11 
Eliminação de desperdícios 
(Produção flexível) 
A produção flexível consiste em fabricar produtos, em geral em pequenos 
lotes, de acordo com as encomendas dos clientes. 
Fonte: http://www.zamplex.com/zpnovo/wp/wp-content/uploads/2010/07/prod-fordista.jpg
12 
Fabricação com qualidade 
Tem por objetivo primordial identificar e corrigir defeitos e eliminar suas 
causas, 
Fazer certo da primeira 
vez 
Utilizar Círculos da 
qualidade 
Fabricação com Qualidade 
Corrigir causas 
fundamentais dos 
erros 
É também uma forma de eliminar desperdícios, porque, quanto menor a quantidade 
de refugos e retrabalho, mais eficiente é o sistema produtivo.
13 
Fabricação com qualidade 
(Fazer certo da primeira vez) 
Ideia de Deming, esta filosofia torna o trabalhador responsável pela 
qualidade de seu trabalho. 
A Toyota utiliza este princípio desde os anos 50. 
Apenas nos anos 90 a indústria ocidental conseguiu eliminar os inspetores 
de qualidade.
14 
Fabricação com qualidade 
(Corrigir causas fundamentais dos erros) 
Nesse método, o trabalhador tinha o poder de parar a linha de 
produção sempre que encontrasse um problema. 
Depois, de analisar sistematicamente cada erro até chegar à causa 
fundamental (Os “cinco por quês” ou 5 whys). 
Os problemas caíram, a ponto de a proporção de veículos fabricados na 
Toyota em relação à produção prevista aproximar-se de 100 por cento.
15 
Fabricação com qualidade 
(Corrigir causas fundamentais dos erros) 
Os “cinco por quês” ou 5 whys. 
Técnica do 5W2H 
Perguntas Problemas Soluções 
O quê / What é o problema? vai ser feito? Qual a ação? 
Por quê / Why ocorre ? foi definida esta solução? 
Quando / When 
(desde quando) ele 
ocorre? 
será feito? 
Onde / Where ele se encontra? será implantada? 
Quem / Who está envolvido? será o responsável? 
Como / How surgiu o problema? vai ser implementada? 
Quanto Custa / How Much ter este problema? esta solução? 
Fonte: www.brasilacademico.com/maxpt/links_goto.asp?id=722
16 
Fabricação com qualidade 
(Círculos da qualidade) 
Estudo e proposta de solução de problemas que afetam a qualidade e 
a eficiência. 
A ideia dos círculos qualidade ou círculos de controle da qualidade (CCQ) 
foi desenvolvida por Kaoru Ishikawa e aplicada na Toyota. 
O CCQ é um grupo de voluntários de um mesmo setor que se reúnem 
regularmente para estudar e propor a solução de problemas que estejam 
comprometendo a qualidade e a eficiência dos produtos.
17 
Metodologia dos Círculos da 
Qualidade 
Essa metodologia consiste em: 
1) Identificar os problemas na qualidade que causam prejuízos; 
2) Identificar os problemas prioritários; 
3) Propor soluções e formas de implementá-las, para corrigir os 
problemas. 
Duas técnicas fazem parte da metodologia: Princípio de Pareto e 
Diagrama da Espinha de Peixe (Ou Diagrama de Ishikawa).
18 
Metodologia dos Círculos da 
Qualidade 
Princípio de Pareto¹: Técnica que permite à empresa selecionar 
prioridades quando há um grande número de problemas. 
¹ Proposto pelo economista Italiano Vilfredo Pareto (1848-1923) , originalmente aplica-se à análise da distribuição de renda: a 
menor parte da população tem a maior parte da riqueza.
19 
Metodologia dos Círculos da 
Qualidade 
a) Exemplo de aplicação do Princípio de Pareto – as informações 
das causas e efeitos são dispostas em tabelas, com a participação de 
cada causa no total de efeitos:
20 
Metodologia dos Círculos da 
Qualidade 
b) Exemplo de aplicação do Princípio de Pareto – depois as 
informações são apresentadas no gráfico de Pareto, que é dividido em 
classes:
21 
Metodologia dos Círculos da 
Qualidade 
Diagrama da Espinha de Peixe: criado por Kaoru Ishikawa é também 
conhecido como Diagrama de Ishikawa, Diagrama de Causa e Efeito, 
Diagrama 4 M ou Diagrama 6 M. 
Visa organizar o raciocínio e a discussão sobre as causas de um problema 
prioritário de qualidade identificado pela análise de Pareto. 
Analisam causas relacionadas à(ao): 
- Material: matéria prima, ferramentas, etc. 
- Método: metodologia de processo; 
- Mão de obra: pessoal; 
- Máquina: maquinário e equipamentos; 
- Medida: medidas tomadas anteriormente (excesso reuniões, etc.) 
- Meio ambiente: interno (leiaute) ou externo (poluição). 
Diagrama 
4 M ou 6 M
22 
Metodologia dos Círculos da 
Qualidade 
O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta prática, muito utilizada para 
realizar análise de causa em avaliação de não conformidades, 
conforme exemplo abaixo:
23 
Fatores culturais na administração 
japonesa 
Combate ao desperdício 
País pequeno 
Poucos recursos naturais 
Espírito de economia e eficiência 
Trabalho de grupo 
A necessidade de cooperar e o sistema feudal 
A Era Meiji (até o final do século XIX) 
Processo decisório baseado no consenso 
Fonte: 
http://static.hsw.com.br/gif/informacoes-japao- 
2.gif
24 
O sucesso do modelo japonês
25 
Bibliografia básica 
CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro: 
Campus, 2011. 
FERREIRA, A. A.; REIS, A. C. F.; PEREIRA, M. I. Gestão Empresarial: de Taylor 
aos nossos dias. São Paulo: Pioneira, 2001. 
MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração: Da Revolução Urbana à 
Revolução Digital. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
26 
Bibliografia complementar 
AKTOUF, O. Administração entre a tradição e a renovação. São Paulo: Atlas, 
1996. 
ARAUJO, L. C. G. de. Organização, Sistemas e Métodos e as modernas 
ferramentas de gestão organizacional. São Paulo: Atlas, 2000. 
BERNARDES, C. Teoria Geral da Administração: a análise integrada das 
organizações. São Paulo: Atlas, 1993. 
BERNHOEFT, R. Como criar, manter e sair de uma sociedade familiar. São 
Paulo: Senac, 1996. 
DRUCKER, P. F. Introdução à administração. São Paulo Pioneira, 1998. 
OLIVEIRA, D. de P. R. de. Teoria Geral da Administração: uma abordagem 
prática. São Paulo: Atlas, 2008. 
ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. Tradução Cid Knipel 
Moreira. São Paulo: Saraiva, 2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Iilupajero
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competênciaelimarmelo
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoProf. Leonardo Rocha
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria ClássicaDebora Miceli
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylorProf. Leonardo Rocha
 
Gestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & ProdutividadeGestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & ProdutividadeMarcos Magnanti
 
Aula Gestão de Pessoas
Aula Gestão de PessoasAula Gestão de Pessoas
Aula Gestão de PessoasJakson Silva
 
Legislao trabalhista aula 3 .:. www.tc58n.wordpress.com
Legislao trabalhista   aula 3 .:. www.tc58n.wordpress.comLegislao trabalhista   aula 3 .:. www.tc58n.wordpress.com
Legislao trabalhista aula 3 .:. www.tc58n.wordpress.comClaudio Parra
 
Diversidade nas organizações
Diversidade nas organizaçõesDiversidade nas organizações
Diversidade nas organizaçõesPsicologia_2015
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layoutRaylson Rabelo
 

Mais procurados (20)

Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Ii
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica
 
Tipos de Planejamento
Tipos de PlanejamentoTipos de Planejamento
Tipos de Planejamento
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
 
Gestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & ProdutividadeGestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & Produtividade
 
Aula Gestão de Pessoas
Aula Gestão de PessoasAula Gestão de Pessoas
Aula Gestão de Pessoas
 
Aula 1 planejamento estratégico
Aula 1   planejamento estratégicoAula 1   planejamento estratégico
Aula 1 planejamento estratégico
 
Legislao trabalhista aula 3 .:. www.tc58n.wordpress.com
Legislao trabalhista   aula 3 .:. www.tc58n.wordpress.comLegislao trabalhista   aula 3 .:. www.tc58n.wordpress.com
Legislao trabalhista aula 3 .:. www.tc58n.wordpress.com
 
O Modelo japonês de administração
O Modelo japonês de administraçãoO Modelo japonês de administração
O Modelo japonês de administração
 
Teoria clássica da administração 2012_01
Teoria clássica da administração 2012_01Teoria clássica da administração 2012_01
Teoria clássica da administração 2012_01
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Linha Histórica da Administração
Linha Histórica da AdministraçãoLinha Histórica da Administração
Linha Histórica da Administração
 
Diversidade nas organizações
Diversidade nas organizaçõesDiversidade nas organizações
Diversidade nas organizações
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
 
Aula 1 - Gestão de Pessoal
Aula 1   - Gestão de PessoalAula 1   - Gestão de Pessoal
Aula 1 - Gestão de Pessoal
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
 

Semelhante a O modelo japonês de administração

Desvendando Lean Manufacturing
Desvendando Lean ManufacturingDesvendando Lean Manufacturing
Desvendando Lean ManufacturingDanilo Pereira
 
Webaula 51 Entendendo o Lean IT
Webaula 51   Entendendo o Lean ITWebaula 51   Entendendo o Lean IT
Webaula 51 Entendendo o Lean ITProjetos e TI
 
Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Cristiano Ferreira Cesarino
 
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TILEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TIElke Couto Morgado
 
Lean Software Development
Lean Software DevelopmentLean Software Development
Lean Software DevelopmentRodrigo Branas
 
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCMOriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCMJose Donizetti Moraes
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)Elizeu Ferro
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesaP30
 
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientesArtigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientesWagner Tironi Pinto
 

Semelhante a O modelo japonês de administração (20)

Desvendando Lean Manufacturing
Desvendando Lean ManufacturingDesvendando Lean Manufacturing
Desvendando Lean Manufacturing
 
Wcm 001
Wcm 001Wcm 001
Wcm 001
 
Webaula 51 Entendendo o Lean IT
Webaula 51   Entendendo o Lean ITWebaula 51   Entendendo o Lean IT
Webaula 51 Entendendo o Lean IT
 
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
 
Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I
 
Cultura Lean Agile Weekend
Cultura Lean Agile WeekendCultura Lean Agile Weekend
Cultura Lean Agile Weekend
 
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TILEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
LEAN IT - Como eliminar desperdício em TI
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Lean Software Development
Lean Software DevelopmentLean Software Development
Lean Software Development
 
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCMOriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)
 
Aplicando kaizen
Aplicando kaizenAplicando kaizen
Aplicando kaizen
 
APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
 
O Pensamento A3
O Pensamento A3O Pensamento A3
O Pensamento A3
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
 
Lean Thinking
Lean ThinkingLean Thinking
Lean Thinking
 
Mizusumashi
MizusumashiMizusumashi
Mizusumashi
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
 
Novas tecnologias
Novas tecnologiasNovas tecnologias
Novas tecnologias
 
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientesArtigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
 

Mais de Antonio Marcos Montai Messias

Roteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
Roteiro de estudo de caso simulação do processo de comprasRoteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
Roteiro de estudo de caso simulação do processo de comprasAntonio Marcos Montai Messias
 
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contrataçãoGestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contrataçãoAntonio Marcos Montai Messias
 
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015Antonio Marcos Montai Messias
 
Administracão estratégica e as estrategias organizacionais
Administracão estratégica e as estrategias  organizacionaisAdministracão estratégica e as estrategias  organizacionais
Administracão estratégica e as estrategias organizacionaisAntonio Marcos Montai Messias
 
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de ProjetosGestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de ProjetosAntonio Marcos Montai Messias
 
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de ProjetosGestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de ProjetosAntonio Marcos Montai Messias
 

Mais de Antonio Marcos Montai Messias (20)

Roteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
Roteiro de estudo de caso simulação do processo de comprasRoteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
Roteiro de estudo de caso simulação do processo de compras
 
Compras no Serviço Público
Compras no Serviço PúblicoCompras no Serviço Público
Compras no Serviço Público
 
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contrataçãoGestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
Gestão de compras - fornecedores, concorrência e contratação
 
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética  11.08.2015
Gestão de compras - atribuições, organização, modalidade, ética 11.08.2015
 
Almoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagemAlmoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagem
 
Administracão estratégica e as estrategias organizacionais
Administracão estratégica e as estrategias  organizacionaisAdministracão estratégica e as estrategias  organizacionais
Administracão estratégica e as estrategias organizacionais
 
Administração da qualidade
Administração da qualidadeAdministração da qualidade
Administração da qualidade
 
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de ProjetosGestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
 
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de ProjetosGestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
 
Conceitos e evolução de Gestão de Projetos
Conceitos e evolução de Gestão de ProjetosConceitos e evolução de Gestão de Projetos
Conceitos e evolução de Gestão de Projetos
 
Administração da qualidade
Administração da qualidadeAdministração da qualidade
Administração da qualidade
 
FormuláRio Projeto
FormuláRio ProjetoFormuláRio Projeto
FormuláRio Projeto
 
Modelo Planilha Qualificacao Tecnica
Modelo Planilha Qualificacao TecnicaModelo Planilha Qualificacao Tecnica
Modelo Planilha Qualificacao Tecnica
 
Modelo Quadro Comparativo Resultados Concorrencia
Modelo Quadro Comparativo Resultados ConcorrenciaModelo Quadro Comparativo Resultados Concorrencia
Modelo Quadro Comparativo Resultados Concorrencia
 
Modelo Mapa Comparativo Precos
Modelo Mapa Comparativo PrecosModelo Mapa Comparativo Precos
Modelo Mapa Comparativo Precos
 
Modelo Coleta Precos
Modelo Coleta PrecosModelo Coleta Precos
Modelo Coleta Precos
 
Modelo Ficha Ocorrencia Cadastral
Modelo Ficha Ocorrencia CadastralModelo Ficha Ocorrencia Cadastral
Modelo Ficha Ocorrencia Cadastral
 
Modelo Autorizacao Fornecimento
Modelo Autorizacao FornecimentoModelo Autorizacao Fornecimento
Modelo Autorizacao Fornecimento
 
FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009
FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009
FormuláRio De Plano De Projeto 11.11.2009
 
Gestão de compras e Compras no serviço público
Gestão de compras e Compras no serviço públicoGestão de compras e Compras no serviço público
Gestão de compras e Compras no serviço público
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

O modelo japonês de administração

  • 1. 1 Administração Prof. Adm. Antonio Marcos Montai Messias e-mail: antoniomarcos@outlook.com Teoria Geral da Administração II 4º Termo do 2º Semestre de 2014 www.funge.com.br
  • 2. 2 Sumário 4.3. O Modelo japonês de administração/ Sistema Toyota de Produção 4.3.1. Sistema Toyota de Produção 4.3.2. Círculos da qualidade 4.3.3. Fatores culturais na administração japonesa 4.3.4. O sucesso do modelo japonês
  • 3. 3 O modelo japonês de administração A escola americana da qualidade, da qual Deming foi uma das figuras marcantes, criou raízes fortes no Japão e influenciou a filosofia de administração japonesa. Na transição para o século XXI, o modelo japonês tomou-se um modelo universal, e um dos principais pilares que sustentam a competitividade na economia global.
  • 4. 4 Origens do modelo japonês de O Sistema Toyota de Produção é a semente do modelo japonês de administração. administração Sistema Toyota de Produção Modelo Japonês de Administração Shewhart Deming Ford Taylor e outros da Administração Científica Cultura Japonesa orientada para o trabalho de grupo e a economia de recursos
  • 5. 5 Sistema Toyota de Produção Criado por Eiji Toyada¹ e Taiichi Ohno² (Toyota), o Sistema Toyota de Produção tem como dois princípios mais importantes a: a) eliminação de desperdícios (Produtividade): Deu origem à produção enxuta (lean production). Consiste em fabricar com o máximo de economia de recursos. a) fabricação com qualidade (Qualidade): Tem por objetivo primordial produzir sem defeitos (na verdade, também uma forma de eliminar desperdícios). ¹Toyada: http://www.geocities.jp/kazooou6/corolla/eiji-toyoda.jpg ² Ohno: http://totalqualitymanagement.files.wordpress.com/2008/11/taiichi-ohno.jpg Eiji Toyada¹ Taiichi Ohno²
  • 6. 6 Sistema Toyota de Produção Para o bom funcionamento dos dois princípios, o Sistema Toyota depende do comprometimento e envolvimento dos funcionários. A Administração Participativa, que promove a participação dos funcionários no processo decisório, tornou-se o terceiro elemento. Elementos do Sistema Toyota de Produção Esses elementos levaram a Toyota de empresa insignificante à posição de terceira montadora do mundo.
  • 7. 7 Desperdícios e agregação de valor Ineficiências Inevitáveis Desperdícios Atividades que criam valor para o produto ou serviço • Espera. • Transporte. • Deslocamentos. • Perdas inevitáveis. • Fabricação de quantidade maior que o necessário. • Refugos. • Tempo perdido em consertar erros. • Estoque. Realização de operações e atividades de transformação estritamente ligadas ao produto ou serviço. Produto ou serviço prestado sem desperdícios tem o máximo de valor agregado ao cliente. Reduz os custos de produção, sem que o valor do produto aumente para o cliente.
  • 8. 8 Eliminação de desperdícios O Sistema Toyota aplica três ideias principais para eliminar desperdícios: Just in Time Racionalização da Força de Trabalho Produção Flexível Eliminação de Desperdícios Três estratégias para eliminar desperdícios.
  • 9. 9 Eliminação de desperdícios (Racionalização da força de trabalho) Para racionalizar a utilização da mão de obra, a Toyota agrupou os operários em equipes, com um líder ao invés de um supervisor. O líder trabalhava junto com a equipe e a coordenava. Esta ideia está na raiz de conceitos de grande importância na moderna administração: manufatura celular, auto gestão e trabalho de equipe. Fonte: http://www.geocities.ws/robo02ctig/img_manufatura.gif
  • 10. 10 Eliminação de desperdícios (Just in time) O método Just in time (no momento certo ou na hora certa) procura reduzir ao mínimo o tempo de fabricação e o volume de estoques. Estabelece um fluxo contínuo de materiais sincronizado com o processo produtivo. Utiliza o cartão Kanban, o sinalizador da movimentação de materiais. Fonte: http://1.bp.blogspot.com/_RG0zeFhnhzk/TPT70vZ8nLI/AAAAAAAAAE8/EzvCqmWSctE/s1600/just_in_time.jpg
  • 11. 11 Eliminação de desperdícios (Produção flexível) A produção flexível consiste em fabricar produtos, em geral em pequenos lotes, de acordo com as encomendas dos clientes. Fonte: http://www.zamplex.com/zpnovo/wp/wp-content/uploads/2010/07/prod-fordista.jpg
  • 12. 12 Fabricação com qualidade Tem por objetivo primordial identificar e corrigir defeitos e eliminar suas causas, Fazer certo da primeira vez Utilizar Círculos da qualidade Fabricação com Qualidade Corrigir causas fundamentais dos erros É também uma forma de eliminar desperdícios, porque, quanto menor a quantidade de refugos e retrabalho, mais eficiente é o sistema produtivo.
  • 13. 13 Fabricação com qualidade (Fazer certo da primeira vez) Ideia de Deming, esta filosofia torna o trabalhador responsável pela qualidade de seu trabalho. A Toyota utiliza este princípio desde os anos 50. Apenas nos anos 90 a indústria ocidental conseguiu eliminar os inspetores de qualidade.
  • 14. 14 Fabricação com qualidade (Corrigir causas fundamentais dos erros) Nesse método, o trabalhador tinha o poder de parar a linha de produção sempre que encontrasse um problema. Depois, de analisar sistematicamente cada erro até chegar à causa fundamental (Os “cinco por quês” ou 5 whys). Os problemas caíram, a ponto de a proporção de veículos fabricados na Toyota em relação à produção prevista aproximar-se de 100 por cento.
  • 15. 15 Fabricação com qualidade (Corrigir causas fundamentais dos erros) Os “cinco por quês” ou 5 whys. Técnica do 5W2H Perguntas Problemas Soluções O quê / What é o problema? vai ser feito? Qual a ação? Por quê / Why ocorre ? foi definida esta solução? Quando / When (desde quando) ele ocorre? será feito? Onde / Where ele se encontra? será implantada? Quem / Who está envolvido? será o responsável? Como / How surgiu o problema? vai ser implementada? Quanto Custa / How Much ter este problema? esta solução? Fonte: www.brasilacademico.com/maxpt/links_goto.asp?id=722
  • 16. 16 Fabricação com qualidade (Círculos da qualidade) Estudo e proposta de solução de problemas que afetam a qualidade e a eficiência. A ideia dos círculos qualidade ou círculos de controle da qualidade (CCQ) foi desenvolvida por Kaoru Ishikawa e aplicada na Toyota. O CCQ é um grupo de voluntários de um mesmo setor que se reúnem regularmente para estudar e propor a solução de problemas que estejam comprometendo a qualidade e a eficiência dos produtos.
  • 17. 17 Metodologia dos Círculos da Qualidade Essa metodologia consiste em: 1) Identificar os problemas na qualidade que causam prejuízos; 2) Identificar os problemas prioritários; 3) Propor soluções e formas de implementá-las, para corrigir os problemas. Duas técnicas fazem parte da metodologia: Princípio de Pareto e Diagrama da Espinha de Peixe (Ou Diagrama de Ishikawa).
  • 18. 18 Metodologia dos Círculos da Qualidade Princípio de Pareto¹: Técnica que permite à empresa selecionar prioridades quando há um grande número de problemas. ¹ Proposto pelo economista Italiano Vilfredo Pareto (1848-1923) , originalmente aplica-se à análise da distribuição de renda: a menor parte da população tem a maior parte da riqueza.
  • 19. 19 Metodologia dos Círculos da Qualidade a) Exemplo de aplicação do Princípio de Pareto – as informações das causas e efeitos são dispostas em tabelas, com a participação de cada causa no total de efeitos:
  • 20. 20 Metodologia dos Círculos da Qualidade b) Exemplo de aplicação do Princípio de Pareto – depois as informações são apresentadas no gráfico de Pareto, que é dividido em classes:
  • 21. 21 Metodologia dos Círculos da Qualidade Diagrama da Espinha de Peixe: criado por Kaoru Ishikawa é também conhecido como Diagrama de Ishikawa, Diagrama de Causa e Efeito, Diagrama 4 M ou Diagrama 6 M. Visa organizar o raciocínio e a discussão sobre as causas de um problema prioritário de qualidade identificado pela análise de Pareto. Analisam causas relacionadas à(ao): - Material: matéria prima, ferramentas, etc. - Método: metodologia de processo; - Mão de obra: pessoal; - Máquina: maquinário e equipamentos; - Medida: medidas tomadas anteriormente (excesso reuniões, etc.) - Meio ambiente: interno (leiaute) ou externo (poluição). Diagrama 4 M ou 6 M
  • 22. 22 Metodologia dos Círculos da Qualidade O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta prática, muito utilizada para realizar análise de causa em avaliação de não conformidades, conforme exemplo abaixo:
  • 23. 23 Fatores culturais na administração japonesa Combate ao desperdício País pequeno Poucos recursos naturais Espírito de economia e eficiência Trabalho de grupo A necessidade de cooperar e o sistema feudal A Era Meiji (até o final do século XIX) Processo decisório baseado no consenso Fonte: http://static.hsw.com.br/gif/informacoes-japao- 2.gif
  • 24. 24 O sucesso do modelo japonês
  • 25. 25 Bibliografia básica CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro: Campus, 2011. FERREIRA, A. A.; REIS, A. C. F.; PEREIRA, M. I. Gestão Empresarial: de Taylor aos nossos dias. São Paulo: Pioneira, 2001. MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração: Da Revolução Urbana à Revolução Digital. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
  • 26. 26 Bibliografia complementar AKTOUF, O. Administração entre a tradição e a renovação. São Paulo: Atlas, 1996. ARAUJO, L. C. G. de. Organização, Sistemas e Métodos e as modernas ferramentas de gestão organizacional. São Paulo: Atlas, 2000. BERNARDES, C. Teoria Geral da Administração: a análise integrada das organizações. São Paulo: Atlas, 1993. BERNHOEFT, R. Como criar, manter e sair de uma sociedade familiar. São Paulo: Senac, 1996. DRUCKER, P. F. Introdução à administração. São Paulo Pioneira, 1998. OLIVEIRA, D. de P. R. de. Teoria Geral da Administração: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas, 2008. ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. Tradução Cid Knipel Moreira. São Paulo: Saraiva, 2000.