SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
Baixar para ler offline
NÃO CONFORMIDADE,
AÇÃO CORRETIVA
E PREVENTIVA
Ao implementar um Sistema de Gestão, as organizações
precisam estabelecer políticas e objetivos, definir processos,
criar métodos de monitoramento, acompanhamento e
verificação dos processos, atuando corretivamente em falhas
que porventura apareçam e preventivamente para evitar a
ocorrência de desvios.
Isto é o que chamamos de MELHORIA CONTÍNUA!
SISTEMAS DE GESTÃO - CONCEITOS GERAIS
O CICLO PDCA
AGIR
EXECUTAR AS AÇÕES
DE MELHORIA
PLANEJAR
Estabelecer os objetivos
e processos necessários
para gerar resultados
CHECAR
Monitorar e medir os
processos e produtos
FAZER
Implementar
processos
Mas... Qual é a importância de
identificar as falhas existentes na
empresa e agir corretivamente ou
preventivamente?
VÍDEO
O QUE É
QUALIDADE?
FERRARI FUSCA
Lembre-se: Cada projeto é diferente do outro,
cada cliente é diferente do outro e cada ponto
de vista é diferente do outro, e é aqui que a
qualidade começa a ser definida em seus
requerimentos, ou requisitos.
NBR ISO 9001:2008
A NBR ISO 9001 é a versão brasileira da norma
internacional ISO 9001 que estabelece requisitos
para o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) de
uma organização, sendo a versão 2008 a 4ª edição
da norma. (1987, 1994, 2000 e 2008).
PRINCIPAIS OBJETIVOS DA ISO 9001:2008
• Atender aos requisitos do cliente com o objetivo de
AUMENTAR a sua satisfação.
• Obter uma visão geral da organização utilizando a
abordagem de processo.
• Assegurar a MELHORIA CONTÍNUA do processo.
• MEDIR A AVALIAR os resultados do desempenho e
eficácia do processo.
ENTÃO, QUER DIZER QUE UMA
EMPRESA CERTIFICADA ISO
9001 NUNCA ERRA?
NÃO!
A empresa que possui ISO 9001 é aquela que possui
CONTROLES contínuos dos seus processos, que ANALISA E
ENTENDE os requisitos dos clientes, que possui métodos
específicos para SEGREGAR PRODUTOS que não atendem
às especificações, que fornece tratamento diferenciado
para a opinião dos clientes, que obtém RESULTADOS DE
DESEMPENHO de todos seus processos e que através do
gerenciamento de todas essas informações promove uma
cultura de MELHORIA CONSTANTE.
RESUMINDO...
São empresas capazes de entender e atender seus
clientes com qualidade, que reconhecem seus
erros e sabem lidar com eles de forma sistêmica.
LIDANDO COM ERROS DE FORMA SISTÊMICA
1 2 3
4 5 6
PROBLEMA
“A melhoria contínua expressa a busca permanente por
melhoramento e está relacionada à capacidade de
resolução de problemas por meio de pequenos passos, alta
frequência e ciclos curtos de mudança.
Melhoria Contínua começa com um problema ou, mais
precisamente, com o reconhecimento de que existe algum
tipo de problema...” ²
E QUAIS SÃO AS TÉCNICAS PARA
RECONHECER OS PROBLEMAS DA
ORGANIZAÇÃO?
MEDIÇÃO
ANÁLISE
MELHORIA
MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA
Medições são importantes para TOMAR DECISÕES
COM BASE EM FATOS E DADOS. Para atender a
esses requisitos a organização terá de assegurar
que as medições são eficazes para garantir o
desempenho da organização e a satisfação de seus
clientes.
MONITORAMENTO E MEDIÇÃO
Fontes para a abertura de
Não Conformidades
Satisfação do Cliente
Auditoria Interna
Monitoramento e medição de processos
Monitoramento e medição de produtos
SATISFAÇÃO DO CLIENTE
O monitoramento e medição da satisfação dos
clientes são baseados na análise crítica de
informações de clientes. O conhecimento da
percepção e atitude dos clientes em relação aos
negócios da organização tende a melhorar a
oportunidade da direção de tomar decisões mais
acertadas.
Algumas metodologias utilizadas como fonte de
entrada de dados são:
• Pesquisas de satisfação
• Dados de clientes na entrega dos produtos
• Pesquisa de opinião com os usuários
• Análise de perda de negócio
• Elogios
• Reclamações
• Reinvindicações de garantia
AUDITORIAS INTERNAS
“Auditoria é um processo sistemático, documentado e
independente, para obter EVIDÊNCIA e avaliá-la
objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios
de auditoria são atendidos.”²
As auditorias devem ser realizadas em intervalos planejados,
levando em consideração a situação e a importância dos
processos e áreas auditadas, bem como resultados de
auditorias anteriores.
MONITORAMENTO E MEDIÇÃO DE PROCESSOS
A organização deve identificar métodos de medição para
avaliar o desempenho do processo e utilizar os resultados
encontrados na melhoria dos processos.
As medições devem ser utilizadas para gerencias operações
diárias, como:
MONITORAMENTO E MEDIÇÃO DE PROCESSOS
• Capacidade
• Tempo de reação
• Tempo de ciclo ou escoamento
• Rendimento
• Utilização de tecnologia
• Redução do desperdício
• Redução e alocação de custos
MONITORAMENTO E MEDIÇÃO DE PROCESSOS
A organização deve estabelecer e especificar os requisitos
de medição (incluindo critérios de aceitação) para seus
produtos. É conveniente que a medição do produto seja
planejada e executada para verificar se os requisitos das
partes interessadas foram atendidos para melhorar os
processos de realização.
Na seleção dos métodos de medição, para assegurar que os
produtos estão em conformidade com os requisitos, convém
que a organização considere:
MONITORAMENTO E MEDIÇÃO DE PROCESSOS
• Os tipos de características do produto ou serviço
• Inspeções ou ensaios exigidos para verificar as
características do produto
• Inspeções finais para atividades de verificação e validação
• Registro dos resultados de medição
• Registros de liberação e aceitação do produto
• Certificados de conformidade
PRONTO!
Agora já temos as fontes de identificação de
problemas ou potenciais desvios, então
precisamos saber como atuar na correção ou
prevenção desses fatos.
CONTROLE DE PRODUTO NÃO CONFORME
Um PRODUTO NÃO CONFORME é o resultado insatisfatório de
um processo, que acabou por gerar um produto com
determinada não conformidade, ou seja, não atendeu a um
requisito estabelecido.
PARA QUE É
EXIGIDO?
Evitar o uso ou entrega não intencional
de produtos e serviços não conformes
O QUE
FAZER?
1. IDENTIFICAR 2. SEGREGAR
3. EMITIR RNC 4. DISPOSIÇÕES
5. AÇÕES CORRETIVAS
A organização deve estabelecer critérios para a disposição
de cada tipo de produto não conforme.
Segundo a NBR ISO 9000:2005, as disposições mais comuns
são:
CORREÇÃO: ação para eliminar uma não conformidade
identificada, podendo ou não ser realizada em conjunto com
uma ação corretiva. A correção pode ser uma
reclassificação, um retrabalho ou um reparo.
REFUGO: ação sobre um produto não conforme para impedir
sua utilização prevista originalmente.
CONCESSÃO: permissão para usar ou liberar um produto que
não atende a requisitos especificados.
PERMISSÃO DE DESVIO: permissão, geralmente dada por
alguma função interna da organização com autoridade para
tal, para desviar-se dos requisitos originalmente
especificados de um produto antes de sua realização, como
se fosse uma aprovação condicional.
IMPORTANTE!
Toda vez que um produto não conforme for
corrigido, a organização deve providenciar sua
inspeção, como forma de demonstrar sua
conformidade aos requisitos especificados, para
só então libera-lo para o próximo processo.
MELHORIA, AÇÕES CORRETIVAS
E AÇÕES PREVENTIVAS
AÇÃO CORRETIVA é um método para a eliminação de uma
não conformidade constatada, atuando na CAUSA RAIZ do
problema para evitar a sua repetição.
AÇÃO PREVENTIVA é um método para a prevenção da
ocorrência de uma não conformidade.
AÇÃO CORRETIVA
Identificação da não conformidade
Identificar a causa raiz da não conformidade detectada
Definir o plano de ação (diagrama 5w2h)
Realizar as ações para eliminar a não conformidade
Follow-up (acompanhamento) das ações a serem implementadas
Análise de Eficácia das ações implementadas
Produto NC e/ou Correção
AÇÃO IMEDIATA
Ação imediata é aquela que tomamos para
amenizar as consequências do problema.
A AÇÃO IMEDIATA pode ser a AÇÃO CORRETIVA?
ANÁLISE DE CAUSA RAIZ
A causa raiz de uma não conformidade é um estudo
que tem por objetivo descobrir se existe uma causa
ou um conjunto de fatores que desencadearam a
não conformidade.
As metodologias utilizadas para essa atividade são:
5 POR QUÊS
Desenvolvido por Sakichi Toyoda (fundador da Toyota), é
baseado na realização de 5 perguntas sobre o por quê
daquele problema, sempre questionando a causa anterior
com o objetivo identificar a “causa-raiz” de um problema.
PROBLEMA
CAUSA 1
CAUSA 2
CAUSA 3
CAUSA 4 CAUSA RAIZ
POR QUE?
POR QUE?
POR QUE?
POR QUE?
POR QUE?
Exemplo:
PROBLEMA: A MÁQUINA PAROU
Pergunta 1:
Por que a máquina parou?
Porque o fusível queimou devido a uma sobrecarga.
Pergunta 2:
Por que houve uma sobrecarga?
Porque o fusível queimou devido a uma sobrecarga.
Pergunta 3:
Por que a lubrificação foi inadequada?
Porque a bomba de lubrificação não estava funcionando
direito.
Pergunta 4:
Por que a bomba de lubrificação não estava funcionando
direito?
Porque o eixo da bomba estava gasto.
Pergunta 5:
Por que ele estava gasto?
Porque não foi realizada a manutenção e entrou sujeira.
Ao repetir “Por quê” cinco vezes foi possível identificar a
verdadeira causa.
ELIMINAÇÃO DA CAUSA:
Colocar um filtro na bomba de lubrificação
Se não tivessem feito essa série de perguntas, poderiam ter
optado por uma contramedida intermediária: a troca de
fusível (o que seria uma ação de contenção apenas e não a
solução da real causa).
DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO
O diagrama de causa e efeito ou espinha de peixe é um
método de localizar a causa original de um problema. Cada
"espinha" desse diagrama representa uma causa que
contribui para o problema.
DIRETRIZES MÁQUINAS MÃO DE OBRA
INSTALAÇÕES MATERIAIS MÉTODO
EFEITO
O diagrama de Causa e Efeito é a representação gráfica das
causas de um fenômeno. É um instrumento muito usado para
estudar:
Os fatores que determinam resultados que desejamos obter
(processo, desempenho, oportunidade);
As causas de problemas que precisamos evitar (defeitos,
falhas, variabilidade).
BRAINSTORMING (CHUVA DE IDEIAS)
A técnica de Brainstorming propõe que um grupo de pessoas
se reúnam e utilizem das diferenças em seus pensamentos e
idéias para que possam chegar a um denominador comum
eficaz e com qualidade, gerando assim idéias inovadoras que
levem o projeto adiante.
Algumas regras importantes:
- Criar um ambiente propício para a discussão de ideias;
- Foco na Qualidade de Ideias;
- Agrupar as idéias que tenham o mesmo caminho;
- Deixar a imaginação fluir e não considerar ideias como
absurdas.
PLANO DE AÇÃO – 5W2H
Após a identificação da causa raiz do problema, é preciso
realizar uma análise para verificar quais são as ações
necessárias para a eliminação do problema evitando a sua
repetição e registrar em documento específico.
What Why Where When Who How How Much
ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES EXECUTADAS
Durante a implementação das ações planejadas é necessário
que todas as etapas e os resultados de cada ação sejam
registradas.
Se alguma ação não estiver dentro do prazo estipulado, o
Plano de Ação deve ser revisado e uma nova data
estabelecida.
EFICÁCIA DA AÇÃO CORRETIVA
Após a implementação da ação, realize uma análise com a
área responsável pela não-conformidade, para verificar se a
ação tomada foi eficaz. Os resultados devem ser
documentados.
Se a ação for considerada eficaz a Análise Corretiva deve ser
finalizada. Caso a ação não tenha sido eficaz, uma nova ação
corretiva será aberta e todos as etapas devem ser seguidas
novamente.
CONTROLE DAS SOLICITAÇÕES DE AÇÕES CORRETIVAS
Todas as Solicitações de Ações Corretivas abertas devem ser
registradas no formulário Controle de Ação Corretiva para
controle da implementação e verificação da eficácia das
ações corretivas.
AÇÃO CORRETIVA
Identificação da não conformidade
Identificar a causa raiz da não conformidade detectada
Definir o plano de ação (diagrama 5w2h)
Realizar as ações para eliminar a não conformidade
Follow-up (acompanhamento) das ações a serem implementadas
Análise de Eficácia das ações implementadas
Produto NC e/ou Correção
AÇÃO PREVENTIVA
Identificação da não conformidade POTENCIAL
Identificar a causa raiz da não conformidade potencial detectada
Definir o plano de ação (diagrama 5w2h)
Realizar as ações para EVITAR a não conformidade potencial
Follow-up (acompanhamento) das ações a serem implementadas
Análise de Eficácia das ações implementadas
EXEMPLO DE NÃO CONFORMIDADES POTENCIAIS
Risco de acidente com pedestres no estacionamento por
falta de padronização de estacionar os veículos.
O acidente nunca aconteceu, mas poderá acontecer.
Resultado de indicador com tendência a sair fora da meta
estipulada
A meta não deixou de ser atingida, mas está próxima de
deixar caso uma ação não seja realizada
EXERCÍCIO
CONHEÇATEMPLUM
CONSULTORIAONLINE
IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO
E QUALIDADE COM RAPIDEZ E BAIXO CUSTO.
TAMBÉM PARAA PEQUENA EMPRESA.
PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO
EXTREMAMENTE RÁPIDO
DÚVIDAS RESOLVIDAS NA HORA
ATÉ 70 % MAIS BARATO QUE
A CONSULTORIA TRADICIONAL
CERTIFICAÇÃO GARANTIDA
EM CONTRATO
TEMPLUM.COM.BR
ENTRE EM CONTATO CONOSCO
0800 770 3044

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Amanda Fraga
 
Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001
Greice Marques
 
Aula 1 sistema de gestão integrada
Aula 1 sistema de gestão integradaAula 1 sistema de gestão integrada
Aula 1 sistema de gestão integrada
frank encarnacão
 

Mais procurados (20)

Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001
 
Ações Preventivas e Corretivas
Ações Preventivas e Corretivas Ações Preventivas e Corretivas
Ações Preventivas e Corretivas
 
Selecção e Qualificação de Fornecedores - Métodos de Qualificação e Avaliação
Selecção e Qualificação de Fornecedores - Métodos de Qualificação e AvaliaçãoSelecção e Qualificação de Fornecedores - Métodos de Qualificação e Avaliação
Selecção e Qualificação de Fornecedores - Métodos de Qualificação e Avaliação
 
Auditoria da qualidade
Auditoria da qualidadeAuditoria da qualidade
Auditoria da qualidade
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
 
PDCA - OPERAÇÃO
PDCA - OPERAÇÃOPDCA - OPERAÇÃO
PDCA - OPERAÇÃO
 
Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001
 
Ciclo pdca
Ciclo pdcaCiclo pdca
Ciclo pdca
 
Sistemas de gestao integrados
Sistemas de gestao integradosSistemas de gestao integrados
Sistemas de gestao integrados
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Semana da qualidade
Semana da qualidadeSemana da qualidade
Semana da qualidade
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Apresentação 5 s
Apresentação 5 sApresentação 5 s
Apresentação 5 s
 
Aula 1 sistema de gestão integrada
Aula 1 sistema de gestão integradaAula 1 sistema de gestão integrada
Aula 1 sistema de gestão integrada
 
Check list para auditoria interna
Check list para auditoria internaCheck list para auditoria interna
Check list para auditoria interna
 
Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
 

Semelhante a Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva

Conseguimos o certificado. e agora, o que fazer
Conseguimos o certificado. e agora, o que fazerConseguimos o certificado. e agora, o que fazer
Conseguimos o certificado. e agora, o que fazer
Mectrol HIWIN do Brasil
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Fregonezi
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
guestb3227e
 
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
A N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I GA N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I G
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
Fregonezi
 

Semelhante a Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva (20)

Aula 04 auditoria e monitoramento
Aula 04 auditoria e monitoramentoAula 04 auditoria e monitoramento
Aula 04 auditoria e monitoramento
 
Conseguimos o certificado. e agora, o que fazer
Conseguimos o certificado. e agora, o que fazerConseguimos o certificado. e agora, o que fazer
Conseguimos o certificado. e agora, o que fazer
 
Palestra - Como a qualidade contribui pra o seu negócio
Palestra - Como a qualidade contribui pra o seu negócioPalestra - Como a qualidade contribui pra o seu negócio
Palestra - Como a qualidade contribui pra o seu negócio
 
ISO 9001 - Certificar ou não certificar
ISO 9001 - Certificar ou não certificarISO 9001 - Certificar ou não certificar
ISO 9001 - Certificar ou não certificar
 
Melhoria Continua - ISO 9001
Melhoria Continua - ISO 9001Melhoria Continua - ISO 9001
Melhoria Continua - ISO 9001
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 
Apostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidadeApostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidade
 
Aula 4 -Qualidade do Processo.pptx
Aula 4 -Qualidade do Processo.pptxAula 4 -Qualidade do Processo.pptx
Aula 4 -Qualidade do Processo.pptx
 
Gurus da qualidade
Gurus da qualidadeGurus da qualidade
Gurus da qualidade
 
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
 
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidadeManual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
 
Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...
Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...
Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...
 
Gurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da QualidadeGurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da Qualidade
 
Curso qual. parte 1
Curso qual. parte 1Curso qual. parte 1
Curso qual. parte 1
 
Conquistar a satisfação e a fidelidade do seu cliente
Conquistar a satisfação e a fidelidade do seu clienteConquistar a satisfação e a fidelidade do seu cliente
Conquistar a satisfação e a fidelidade do seu cliente
 
Apostila 3
Apostila 3Apostila 3
Apostila 3
 
Para que serve a ISO 9000
Para que serve a ISO 9000Para que serve a ISO 9000
Para que serve a ISO 9000
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
 
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
A N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I GA N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I G
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
 

Mais de Templum Consultoria Online

Mais de Templum Consultoria Online (20)

Indicadores de desempenho
Indicadores de desempenhoIndicadores de desempenho
Indicadores de desempenho
 
Levantamento de Perigos e Riscos Ocupacionais
Levantamento de Perigos e Riscos OcupacionaisLevantamento de Perigos e Riscos Ocupacionais
Levantamento de Perigos e Riscos Ocupacionais
 
Conceitos e Aplicações do GERIC
Conceitos e Aplicações do GERICConceitos e Aplicações do GERIC
Conceitos e Aplicações do GERIC
 
Como obter vantagens estratégicas com auditorias internas
Como obter vantagens estratégicas com auditorias internasComo obter vantagens estratégicas com auditorias internas
Como obter vantagens estratégicas com auditorias internas
 
Gestão de Fornecedores
Gestão de FornecedoresGestão de Fornecedores
Gestão de Fornecedores
 
ISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviços
ISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviçosISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviços
ISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviços
 
Validação e sanitização em indústria de alimentos
Validação e sanitização em indústria de alimentosValidação e sanitização em indústria de alimentos
Validação e sanitização em indústria de alimentos
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
 
Métodos para medir a satisfação do cliente
Métodos para medir a satisfação do clienteMétodos para medir a satisfação do cliente
Métodos para medir a satisfação do cliente
 
Como ganhar mais dinheiro na construção civil
Como ganhar mais dinheiro na construção civilComo ganhar mais dinheiro na construção civil
Como ganhar mais dinheiro na construção civil
 
Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais
Levantamento de Aspectos e Impactos AmbientaisLevantamento de Aspectos e Impactos Ambientais
Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais
 
Formação de Auditor Interno PBQP-H
Formação de Auditor Interno PBQP-HFormação de Auditor Interno PBQP-H
Formação de Auditor Interno PBQP-H
 
Entendimento do PBQP-H
Entendimento do PBQP-HEntendimento do PBQP-H
Entendimento do PBQP-H
 
Inovação em consultoria para certificação ISO
Inovação em consultoria para certificação ISOInovação em consultoria para certificação ISO
Inovação em consultoria para certificação ISO
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
 
Formação de Auditor Interno ISO 9001
Formação de Auditor Interno ISO 9001Formação de Auditor Interno ISO 9001
Formação de Auditor Interno ISO 9001
 
Conscientização da Alta Direcao
Conscientização da Alta DirecaoConscientização da Alta Direcao
Conscientização da Alta Direcao
 
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e TreinamentoDescrição de Cargos, Competência e Treinamento
Descrição de Cargos, Competência e Treinamento
 
Entendimento da norma ISO 9001
Entendimento da norma ISO 9001Entendimento da norma ISO 9001
Entendimento da norma ISO 9001
 
Conceitos e Aplicações da ISO 22000
Conceitos e Aplicações da ISO 22000Conceitos e Aplicações da ISO 22000
Conceitos e Aplicações da ISO 22000
 

Último

Último (7)

Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
 
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
 

Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva

  • 2. Ao implementar um Sistema de Gestão, as organizações precisam estabelecer políticas e objetivos, definir processos, criar métodos de monitoramento, acompanhamento e verificação dos processos, atuando corretivamente em falhas que porventura apareçam e preventivamente para evitar a ocorrência de desvios. Isto é o que chamamos de MELHORIA CONTÍNUA! SISTEMAS DE GESTÃO - CONCEITOS GERAIS
  • 3. O CICLO PDCA AGIR EXECUTAR AS AÇÕES DE MELHORIA PLANEJAR Estabelecer os objetivos e processos necessários para gerar resultados CHECAR Monitorar e medir os processos e produtos FAZER Implementar processos
  • 4. Mas... Qual é a importância de identificar as falhas existentes na empresa e agir corretivamente ou preventivamente?
  • 8. Lembre-se: Cada projeto é diferente do outro, cada cliente é diferente do outro e cada ponto de vista é diferente do outro, e é aqui que a qualidade começa a ser definida em seus requerimentos, ou requisitos.
  • 9. NBR ISO 9001:2008 A NBR ISO 9001 é a versão brasileira da norma internacional ISO 9001 que estabelece requisitos para o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) de uma organização, sendo a versão 2008 a 4ª edição da norma. (1987, 1994, 2000 e 2008).
  • 10. PRINCIPAIS OBJETIVOS DA ISO 9001:2008 • Atender aos requisitos do cliente com o objetivo de AUMENTAR a sua satisfação. • Obter uma visão geral da organização utilizando a abordagem de processo. • Assegurar a MELHORIA CONTÍNUA do processo. • MEDIR A AVALIAR os resultados do desempenho e eficácia do processo.
  • 11. ENTÃO, QUER DIZER QUE UMA EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001 NUNCA ERRA? NÃO!
  • 12. A empresa que possui ISO 9001 é aquela que possui CONTROLES contínuos dos seus processos, que ANALISA E ENTENDE os requisitos dos clientes, que possui métodos específicos para SEGREGAR PRODUTOS que não atendem às especificações, que fornece tratamento diferenciado para a opinião dos clientes, que obtém RESULTADOS DE DESEMPENHO de todos seus processos e que através do gerenciamento de todas essas informações promove uma cultura de MELHORIA CONSTANTE.
  • 13. RESUMINDO... São empresas capazes de entender e atender seus clientes com qualidade, que reconhecem seus erros e sabem lidar com eles de forma sistêmica.
  • 14. LIDANDO COM ERROS DE FORMA SISTÊMICA 1 2 3 4 5 6
  • 16. “A melhoria contínua expressa a busca permanente por melhoramento e está relacionada à capacidade de resolução de problemas por meio de pequenos passos, alta frequência e ciclos curtos de mudança. Melhoria Contínua começa com um problema ou, mais precisamente, com o reconhecimento de que existe algum tipo de problema...” ²
  • 17. E QUAIS SÃO AS TÉCNICAS PARA RECONHECER OS PROBLEMAS DA ORGANIZAÇÃO?
  • 19. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA Medições são importantes para TOMAR DECISÕES COM BASE EM FATOS E DADOS. Para atender a esses requisitos a organização terá de assegurar que as medições são eficazes para garantir o desempenho da organização e a satisfação de seus clientes.
  • 20. MONITORAMENTO E MEDIÇÃO Fontes para a abertura de Não Conformidades Satisfação do Cliente Auditoria Interna Monitoramento e medição de processos Monitoramento e medição de produtos
  • 21. SATISFAÇÃO DO CLIENTE O monitoramento e medição da satisfação dos clientes são baseados na análise crítica de informações de clientes. O conhecimento da percepção e atitude dos clientes em relação aos negócios da organização tende a melhorar a oportunidade da direção de tomar decisões mais acertadas.
  • 22. Algumas metodologias utilizadas como fonte de entrada de dados são: • Pesquisas de satisfação • Dados de clientes na entrega dos produtos • Pesquisa de opinião com os usuários • Análise de perda de negócio • Elogios • Reclamações • Reinvindicações de garantia
  • 23. AUDITORIAS INTERNAS “Auditoria é um processo sistemático, documentado e independente, para obter EVIDÊNCIA e avaliá-la objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria são atendidos.”² As auditorias devem ser realizadas em intervalos planejados, levando em consideração a situação e a importância dos processos e áreas auditadas, bem como resultados de auditorias anteriores.
  • 24. MONITORAMENTO E MEDIÇÃO DE PROCESSOS A organização deve identificar métodos de medição para avaliar o desempenho do processo e utilizar os resultados encontrados na melhoria dos processos. As medições devem ser utilizadas para gerencias operações diárias, como:
  • 25. MONITORAMENTO E MEDIÇÃO DE PROCESSOS • Capacidade • Tempo de reação • Tempo de ciclo ou escoamento • Rendimento • Utilização de tecnologia • Redução do desperdício • Redução e alocação de custos
  • 26. MONITORAMENTO E MEDIÇÃO DE PROCESSOS A organização deve estabelecer e especificar os requisitos de medição (incluindo critérios de aceitação) para seus produtos. É conveniente que a medição do produto seja planejada e executada para verificar se os requisitos das partes interessadas foram atendidos para melhorar os processos de realização. Na seleção dos métodos de medição, para assegurar que os produtos estão em conformidade com os requisitos, convém que a organização considere:
  • 27. MONITORAMENTO E MEDIÇÃO DE PROCESSOS • Os tipos de características do produto ou serviço • Inspeções ou ensaios exigidos para verificar as características do produto • Inspeções finais para atividades de verificação e validação • Registro dos resultados de medição • Registros de liberação e aceitação do produto • Certificados de conformidade
  • 28. PRONTO! Agora já temos as fontes de identificação de problemas ou potenciais desvios, então precisamos saber como atuar na correção ou prevenção desses fatos.
  • 29. CONTROLE DE PRODUTO NÃO CONFORME Um PRODUTO NÃO CONFORME é o resultado insatisfatório de um processo, que acabou por gerar um produto com determinada não conformidade, ou seja, não atendeu a um requisito estabelecido. PARA QUE É EXIGIDO?
  • 30. Evitar o uso ou entrega não intencional de produtos e serviços não conformes O QUE FAZER?
  • 31. 1. IDENTIFICAR 2. SEGREGAR 3. EMITIR RNC 4. DISPOSIÇÕES 5. AÇÕES CORRETIVAS
  • 32. A organização deve estabelecer critérios para a disposição de cada tipo de produto não conforme. Segundo a NBR ISO 9000:2005, as disposições mais comuns são:
  • 33. CORREÇÃO: ação para eliminar uma não conformidade identificada, podendo ou não ser realizada em conjunto com uma ação corretiva. A correção pode ser uma reclassificação, um retrabalho ou um reparo. REFUGO: ação sobre um produto não conforme para impedir sua utilização prevista originalmente.
  • 34. CONCESSÃO: permissão para usar ou liberar um produto que não atende a requisitos especificados. PERMISSÃO DE DESVIO: permissão, geralmente dada por alguma função interna da organização com autoridade para tal, para desviar-se dos requisitos originalmente especificados de um produto antes de sua realização, como se fosse uma aprovação condicional.
  • 35. IMPORTANTE! Toda vez que um produto não conforme for corrigido, a organização deve providenciar sua inspeção, como forma de demonstrar sua conformidade aos requisitos especificados, para só então libera-lo para o próximo processo.
  • 36. MELHORIA, AÇÕES CORRETIVAS E AÇÕES PREVENTIVAS
  • 37. AÇÃO CORRETIVA é um método para a eliminação de uma não conformidade constatada, atuando na CAUSA RAIZ do problema para evitar a sua repetição. AÇÃO PREVENTIVA é um método para a prevenção da ocorrência de uma não conformidade.
  • 38. AÇÃO CORRETIVA Identificação da não conformidade Identificar a causa raiz da não conformidade detectada Definir o plano de ação (diagrama 5w2h) Realizar as ações para eliminar a não conformidade Follow-up (acompanhamento) das ações a serem implementadas Análise de Eficácia das ações implementadas Produto NC e/ou Correção
  • 39. AÇÃO IMEDIATA Ação imediata é aquela que tomamos para amenizar as consequências do problema. A AÇÃO IMEDIATA pode ser a AÇÃO CORRETIVA?
  • 40. ANÁLISE DE CAUSA RAIZ A causa raiz de uma não conformidade é um estudo que tem por objetivo descobrir se existe uma causa ou um conjunto de fatores que desencadearam a não conformidade. As metodologias utilizadas para essa atividade são:
  • 41. 5 POR QUÊS Desenvolvido por Sakichi Toyoda (fundador da Toyota), é baseado na realização de 5 perguntas sobre o por quê daquele problema, sempre questionando a causa anterior com o objetivo identificar a “causa-raiz” de um problema. PROBLEMA CAUSA 1 CAUSA 2 CAUSA 3 CAUSA 4 CAUSA RAIZ POR QUE? POR QUE? POR QUE? POR QUE? POR QUE?
  • 42. Exemplo: PROBLEMA: A MÁQUINA PAROU Pergunta 1: Por que a máquina parou? Porque o fusível queimou devido a uma sobrecarga.
  • 43. Pergunta 2: Por que houve uma sobrecarga? Porque o fusível queimou devido a uma sobrecarga. Pergunta 3: Por que a lubrificação foi inadequada? Porque a bomba de lubrificação não estava funcionando direito.
  • 44. Pergunta 4: Por que a bomba de lubrificação não estava funcionando direito? Porque o eixo da bomba estava gasto. Pergunta 5: Por que ele estava gasto? Porque não foi realizada a manutenção e entrou sujeira.
  • 45. Ao repetir “Por quê” cinco vezes foi possível identificar a verdadeira causa. ELIMINAÇÃO DA CAUSA: Colocar um filtro na bomba de lubrificação Se não tivessem feito essa série de perguntas, poderiam ter optado por uma contramedida intermediária: a troca de fusível (o que seria uma ação de contenção apenas e não a solução da real causa).
  • 46. DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO O diagrama de causa e efeito ou espinha de peixe é um método de localizar a causa original de um problema. Cada "espinha" desse diagrama representa uma causa que contribui para o problema. DIRETRIZES MÁQUINAS MÃO DE OBRA INSTALAÇÕES MATERIAIS MÉTODO EFEITO
  • 47. O diagrama de Causa e Efeito é a representação gráfica das causas de um fenômeno. É um instrumento muito usado para estudar: Os fatores que determinam resultados que desejamos obter (processo, desempenho, oportunidade); As causas de problemas que precisamos evitar (defeitos, falhas, variabilidade).
  • 48. BRAINSTORMING (CHUVA DE IDEIAS) A técnica de Brainstorming propõe que um grupo de pessoas se reúnam e utilizem das diferenças em seus pensamentos e idéias para que possam chegar a um denominador comum eficaz e com qualidade, gerando assim idéias inovadoras que levem o projeto adiante.
  • 49. Algumas regras importantes: - Criar um ambiente propício para a discussão de ideias; - Foco na Qualidade de Ideias; - Agrupar as idéias que tenham o mesmo caminho; - Deixar a imaginação fluir e não considerar ideias como absurdas.
  • 50. PLANO DE AÇÃO – 5W2H Após a identificação da causa raiz do problema, é preciso realizar uma análise para verificar quais são as ações necessárias para a eliminação do problema evitando a sua repetição e registrar em documento específico. What Why Where When Who How How Much
  • 51. ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES EXECUTADAS Durante a implementação das ações planejadas é necessário que todas as etapas e os resultados de cada ação sejam registradas. Se alguma ação não estiver dentro do prazo estipulado, o Plano de Ação deve ser revisado e uma nova data estabelecida.
  • 52. EFICÁCIA DA AÇÃO CORRETIVA Após a implementação da ação, realize uma análise com a área responsável pela não-conformidade, para verificar se a ação tomada foi eficaz. Os resultados devem ser documentados. Se a ação for considerada eficaz a Análise Corretiva deve ser finalizada. Caso a ação não tenha sido eficaz, uma nova ação corretiva será aberta e todos as etapas devem ser seguidas novamente.
  • 53. CONTROLE DAS SOLICITAÇÕES DE AÇÕES CORRETIVAS Todas as Solicitações de Ações Corretivas abertas devem ser registradas no formulário Controle de Ação Corretiva para controle da implementação e verificação da eficácia das ações corretivas.
  • 54. AÇÃO CORRETIVA Identificação da não conformidade Identificar a causa raiz da não conformidade detectada Definir o plano de ação (diagrama 5w2h) Realizar as ações para eliminar a não conformidade Follow-up (acompanhamento) das ações a serem implementadas Análise de Eficácia das ações implementadas Produto NC e/ou Correção
  • 55. AÇÃO PREVENTIVA Identificação da não conformidade POTENCIAL Identificar a causa raiz da não conformidade potencial detectada Definir o plano de ação (diagrama 5w2h) Realizar as ações para EVITAR a não conformidade potencial Follow-up (acompanhamento) das ações a serem implementadas Análise de Eficácia das ações implementadas
  • 56. EXEMPLO DE NÃO CONFORMIDADES POTENCIAIS Risco de acidente com pedestres no estacionamento por falta de padronização de estacionar os veículos. O acidente nunca aconteceu, mas poderá acontecer. Resultado de indicador com tendência a sair fora da meta estipulada A meta não deixou de ser atingida, mas está próxima de deixar caso uma ação não seja realizada
  • 59. IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO E QUALIDADE COM RAPIDEZ E BAIXO CUSTO. TAMBÉM PARAA PEQUENA EMPRESA.
  • 60. PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO EXTREMAMENTE RÁPIDO DÚVIDAS RESOLVIDAS NA HORA ATÉ 70 % MAIS BARATO QUE A CONSULTORIA TRADICIONAL CERTIFICAÇÃO GARANTIDA EM CONTRATO
  • 61. TEMPLUM.COM.BR ENTRE EM CONTATO CONOSCO 0800 770 3044