Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 113-114

919 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
919
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
679
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 113-114

  1. 1. [Exemplo de resposta ao ponto 1(«Oralidade»), na p. 296:]Com efeito, também no poema «Numbairro moderno» o sujeito poético parecerepartir-se por cidade e campo, mas quase«subconscientemente», como refere DavidMourão-Ferreira. Nestas vinte quintilhas, derelativa deambulação na cidade, a presençado campo é indireta — transplantada, nagiga da vendedeira — ou até duplamenteintermediada, se considerarmos que, a
  2. 2. partir dos vegetais, o poeta cria persona-gens e partes de corpo identificáveis com aenergia que só o campo pode dar. «Não háum rato do campo», que exaltasse as vanta-gens da vida campestre, mas não será de-masiado forçado dizermos que há um ratoda cidade que sonha com o campo.
  3. 3. relento = humidade da noite; orvalhomoroso = vagarosonegrejar = parecer negroengelhar = enrugar; encarquilhartanger = tocar; espicaçarbarroca [ó] = barranco; cova resultanteda erosão causada pelas chuvas; montede barrolajão = grande lajelaje = pedra lisa
  4. 4. 1-5Há muita luz, apesar do frio, enquanto oscalceteiros trabalham.6-10O frio e o sol convidam ao trabalho. Nochão molhado, vê-se a cidade refletida.11-15Passam peixeiras enérgicas, aapregoarem. Veem-se barracas pobres equintalórios.
  5. 5. 16-20Nada de sons naturais, ouve-se apenas obarulho, do ferro e da pedra, do trabalhodos calceteiros.
  6. 6. 21-25Está bom tempo e os trabalhadores,curvados, mostram energia e força.
  7. 7. 26-30O poeta sente frio, observa o transportedas pedras e vê a cidade a pulsar devida.
  8. 8. 31-35Também as cores e os reflexos devidosàs poças de água impressionam o «eu».
  9. 9. 36-40Toda esta ambiência estimula a acuidadesensorial do sujeito poético.
  10. 10. 41-45Entretanto, os trabalhadoresprosseguem as suas tarefas,desinteressados do seu observador.
  11. 11. 46-50E este vai admirando a força, quaseanimal, daqueles operários.
  12. 12. 51-55Apercebe, agora, de pormenores dasvestes dos populares.
  13. 13. 56-60Por contraste, avista, num casaco depeles, uma figura fina e que terádespertado há pouco.
  14. 14. 61-65Reconhece nessa mulher a atriz a cujosespetáculos tem assistido e que irá paraos ensaios.
  15. 15. 66-70Foca-se de novo nos trabalhadores, cujaforça boçal o embevece.
  16. 16. 71-75Fica admirado com a atriz, talvez por asentir contrastante com a paisagemsuburbana.
  17. 17. 1. Com a utilização do adjetivo«terrosos», no verso 4,c. o narrador intensifica a ligação dasfiguras que caracteriza com o meio emque trabalham.
  18. 18. 2. Com a anteposição do adjetivo«Disseminadas» (v. 12) ao nome quecaracteriza,a. o sujeito poético destaca, naapresentação das figuras, a impressãopor elas causada.
  19. 19. 3. Com o recurso às exclamações nasestrofes 10 e 11,e. o eu-narrador expressa a sua admiraçãopelos referentes do seu discurso.
  20. 20. 4. Com a introdução do advérbio«bruscamente» (v. 56),b. o sujeito da enunciação assinala apresença inesperada de uma nova figurano espaço que descreve.
  21. 21. 5. Com a utilização do conector «Mas»,no início da última estrofe,d. o sujeito poético estabelece umaoposição entre a figura que descreve eas observadas anteriormente.
  22. 22. Zé Tolas, assististe à tragédiaque se verificou aqui, hoje de manhã?SubordinanteSubordinada adjetiva relativa restritiva
  23. 23. A paragem acabou de fugire foi naquela direção.CoordenadaCoordenada copulativa
  24. 24. A paragem de autocarro estava ali,fugiu agora mesmo,foi naquela direçãoCoordenadaCoordenadaCoordenada 
  25. 25. Achoque a vi ali.SubordinanteSubordinada substantiva completiva
  26. 26. Tens o direitoa permanecer calada.SubordinanteSubordinada substantiva completiva nãofinita (infinitiva)
  27. 27. Enquanto fores suspeitanão abrigarás utentes dos transportespúblicos.Subordinada adverbial temporalSubordinante
  28. 28. Vamos festejar,que nós merecemos.SubordinanteSubordinada adverbial causal
  29. 29. Ficavas muito aborrecidose eu te dissesseque andava a dormir com a tua mulher?SubordinanteSubordinada adverbial condicionalSubordinanteSubordinada substantiva completiva
  30. 30. Senhores detetives, tenho em meu poderum envelope repleto de informaçãoque o comprova.SubordinanteSubordinada adjetiva relativa restritiva
  31. 31. Não será melhorinterrogarem a testemunhaque ainda ali está?SubordinanteSubordinada substantiva completiva não finitainfinitivaSubordinanteSubordinada adjetiva relativa restritiva
  32. 32. TPC — Prepara leitura em voz altade «Num bairro moderno» (pp. 293-294).Se ainda não o fizeste hoje, traz o co-mentário pedido na aula 111-112 (emfolha entregue então).

×