Poesia Trovadoresca - Resumo

G
Gijasilvelitz 2Frequentou: Escolas Secundárias
UNIDADE 1
Poesia trovadoresca
Mapa da Península
Ibérica em 1096.
A poesia trovadoresca galego-portuguesa desenvolveu-se na área geográfica
correspondente aos reinos de Leão e Castela (inclusive a região da Galiza)
e ao reino de Portugal (c. 1196-1354).
1143 —
Independência
de Portugal
Música e dança, iluminura
de Tacuina Sanitatis (século XIV).
• Cerca de 1680 composições em verso produzidas entre os séculos XII e XIV.
• Composições musicadas e cantadas em saraus nas cortes dos grandes
senhores feudais.
Iluminura de Cantigas de Santa Maria
de Afonso X, o Sábio — Códice
do Escorial (1221-1284).
• Cerca de 1680 composições em verso produzidas entre os séculos XII e XIV.
• Composições musicadas e cantadas em saraus nas cortes dos grandes
senhores feudais.
Página do Cancioneiro
da Ajuda.
• Escritas por trovadores (origem nobre) e jograis (origem popular).
• Coligidas em três cancioneiros (coletâneas) de fins do século XIII e do
século XIV.
• Cerca de 1680 composições em verso produzidas entre os séculos XII e XIV.
• Composições musicadas e cantadas em saraus nas cortes dos grandes
senhores feudais.
Página do Cancioneiro
da Biblioteca Nacional.
Página do Cancioneiro
da Vaticana.
• Escritas por trovadores (origem nobre) e jograis (origem popular).
• Coligidas em três cancioneiros (coletâneas) de fins do século XIII e do
século XIV.
• Cerca de 1680 composições em verso produzidas entre os séculos XII e XIV.
• Composições musicadas e cantadas em saraus nas cortes dos grandes
senhores feudais.
• Escritas em galego-português (designação que costuma ser dada à língua
novilatina falada na faixa ocidental da Península Ibérica até meados do
século XIV, sobretudo quando se pretende referir a língua literária da poesia
trovadoresca).
Mapa dos dialetos hispânicos no século XIII.
Galego-português
Clero — uma classe dominante
A hierarquizada Igreja medieval,
representada num manuscrito francês
(A Fortaleza da Fé, c. séc. XVIII).
1. Sociedade e cultura medieval
A hierarquia medieval
Produção cultural
Classes privilegiadas:
Nobreza e clero
Povo e servos (afastamento)

Povo e servos

Classes privilegiadas:
Nobreza e clero
Distrações medievais
Reconquista Cortes
senhoriais
Ação
pastoral
Torneios Saraus
com dança
e canto
Banquetes
Romarias Procissões
• Torneios.
2. A cultura das cortes feudais:
senhores, trovadores e jograis
• Saraus com dança e canto.
• Banquetes.
Vencedores de um torneio
recebem o prémio das mãos das damas.
Menestréis tocam numa noite musical
(Codex Manesse).
Um banquete medieval.
Predomínio da oralidade
Saraus com dança e canto Composições escritas
em verso
=
cantigas
Autor/executor
• Trovador
• Jogral
• Segrel
• Menestrel
Protetor e mecenas:
Nobre
• Afonso X, de Leão e Castela
• D. Dinis
• D. Pedro, conde de Barcelos
• Galegos, portugueses, castelhanos e aragoneses.
Autor/executor
• Trovador
• Jogral
• Segrel
• Menestrel
• Oferecem os seus serviços aos senhores.
• Viajam de corte em corte.
• Recebem uma remuneração.
• Animam as festas da corte.
• Dinamizavam os saraus.
Trovador
Jogral
Segrel
Menestrel
Compõe a letra
e a música das cantigas
Nobre
Canta e executa
as cantigas dos trovadores
Popular
Canta e executa as cantigas dos
trovadores; compõe e executa
as suas próprias cantigas
Popular
Canta e executa
as cantigas dos trovadores
Músico ou cantor
Início:
Final do século XII
(1196? — Joam Soares
de Pavia, trovador)
3. Os limites temporais da poesia
trovadoresca galego-portuguesa
Fim:
Meados do século XIV
(1354 — morte de
D. Pedro, conde
de Barcelos,
mecenas e trovador)
4. Os géneros da poesia
trovadoresca galego-portuguesa
• 4 manuscritos do século XIII
• Corte de Afonso X
(1252-1284)
• 420 cantigas
• Com notação musical
• Louvor à Virgem Maria
• 3 cancioneiros
• c. 1680 cantigas
• 3 géneros diferentes:
— Cantigas de amigo
— Cantigas de amor
— Cantigas de escárnio
e maldizer
Lírica profana Lírica religiosa
• Sofrimento de amor
• Enganos/mentiras à mãe
• Encontro com o amigo
• Tristeza pela ausência do amigo
• Saudades do amigo
• Alegria pelo regresso do amigo
• Confidências à Natureza
• Confidências à mãe
• Confidências às amigas
• Ansiedade causada pelo amor
• Ciúmes/infidelidade
• Confiança no amigo
Temas
Sujeito poético:
Eu feminino — a amiga
Cantigas de amigo
Temas
Sujeito poético:
Eu feminino — a amiga
Cantigas de amigo
Cantigas de romaria
Bailias
Albas
Barcarolas ou marinhas
Pastorelas
Classificação temática
Cantigas de refrão
Cantigas de mestria
(sem refrão)
Cantigas paralelísticas
ou de leixa-pren
Classificação formal
Monólogo
Diálogo
Narração
Estrutura versificatória
das cantigas paralelísticas Vaiamos, irmana, vaiamos dormir,
nas ribas do lago, u eu andar vi
a las aves, meu amigo.
verso A
verso B
refrão
estrofe 1
estrofe 2
estrofe 3
estrofe 4
estrofe 5
estrofe 6
1.º par
2.º par
3.º par
verso A’ (variante de A)
verso B ’ (variante de B)
refrão
verso B
verso C
refrão
verso B’
verso C’ (variante de C)
refrão
verso C
verso D
refrão
verso C’
verso D’ (variante de D)
refrão
Vaiamos, irmana, vaiamos folgar
nas ribas do lago, u eu vi andar
a las aves, meu amigo.
Enas ribas do lago, u eu andar vi,
seu arco na mãao as aves ferir,
a las aves, meu amigo.
Enas ribas do lago, u eu vi andar,
seu arco na mano a las aves tirar,
a las aves, meu amigo.
Seu arco na mano as aves ferir,
e las que cantavam leixa-las guarir,
a las aves, meu amigo.
Seu arco na mano a las aves tirar,
e las que cantavam nom nas quer matar,
a las aves, meu amigo.
Fernando Esquio
• Esquema de composição rígido e repetitivo
• Variação subtil de motivos
• Descrição do quotidiano rural e do ambiente campestre:
— ida à fonte — ida à ermida — ida ao baile
• Vocabulário simples, corrente e familiar
• Simbolismos:
— as flores — a «fontana» — os cervos — a água — as aves
— a noite — o vento — os cabelos
• Polissemia
• Utilização de arcaísmos
• Geografia vaga (casa, fonte, rio, mar ou praia)
• Toponímia precisa (Vigo, Guarda ou San Simón)
Linguagem e recursos:
A «senhor» /
a «dona»:
mulher amada
Sujeito poético:
Eu masculino
Cantigas de amor
«Trovar à maneira
provençal»
• Convenção literária do Ocidente cristão
• Influência da poesia provençal, produzida em França,
utilizando a língua provençal (langue d’oc)
• Origem nas novelas de cavalaria e na cansó provençal
• Dama imaginada pelo trovador como um suserano
a quem se submete
• Amor espiritual por uma «senhor» idealizada
Amor cortês
Edmund Blair Leighton,
Os Elogios (1901).
Não revelar
a identidade
da «senhor»
Dominar
os seus
sentimentos
em público
Pedir a
autorização da
«senhor» quando
se ausentava
Serviço do «amador»
Iluminura medieval —
Codex Manesse
(1305-1340).
Não revelar
a identidade
da «senhor»
Dominar
os seus
sentimentos
em público
Pedir a
autorização da
«senhor» quando
se ausentava
Serviço do «amador»
Iluminura medieval —
Codex Manesse
(1305-1340).
Não revelar
a identidade
da «senhor»
Dominar
os seus
sentimentos
em público
Pedir a
autorização da
«senhor» quando
se ausentava
Serviço do «amador»
Iluminura medieval —
Codex Manesse
(1305-1340).
Não revelar
a identidade
da «senhor»
Dominar
os seus
sentimentos
em público
Pedir a
autorização da
«senhor» quando
se ausentava
Serviço do «amador»
Cantigas de refrão
Cantigas de mestria
(sem refrão)
Classificação formal
• Análise do sentimento amoroso
• Amor impossível de se realizar
• A vassalagem amorosa
• A mesura (timidez, reserva,
autodomínio do amador)
• A «coita de amor» (sofrimento)
• A morte de amor
• O amor como ascese
• O louvor hiperbólico da «senhor»
• A idealização da «senhor»
Temas
• Estética repetitiva e circular
• Repetição de vocábulos
• Utilização de sinónimos e antónimos
• Retórica discursiva (conjunções causais e consecutivas)
• Orações complexas
• Utilização de vocábulos de origem provençal («sém», «prez»)
• Simbolismos relacionados com a «coita de amor»
• Utilização de expressões cultas e fórmulas codificadas e relacionadas com
a expressão do amor cortês
Linguagem e recursos:
Em síntese:
• Eu lírico feminino
• Objeto amado: o amigo
• Ânsia pela presença
do objeto amado
• Humanização da figura
feminina, que expõe
os seus sentimentos
• Cenário campestre,
ambiente rural
Cantigas de amigo
• Eu lírico masculino
• Objeto amado: a «senhor»
• «Senhor» distante,
que não se aproxima
do eu poético
• Idealização da figura
feminina
• Cenário da corte,
ambiente palaciano
Cantigas de amor
Um bobo da corte e um palhaço
num manuscrito do século XIII.
• Influência do sirventês provençal, de intenção moral
• Temática ampla e variada
• Relato dos costumes da sociedade da época
Género satírico
Cantigas de escárnio
e maldizer
• Sátira moral e religiosa
— o desconcerto do mundo
• Sátira política e militar
— a traição dos fidalgos na guerra de Granada
— a guerra civil portuguesa (D. Sancho II e D. Afonso III)
• Sátira social e de costumes
— a decadência da nobreza
— os conflitos entre jogral e trovador
— críticas à avareza
• Sátira literária
— paródia de cantigas de amor
— ridicularização do amor cortês
— crítica ao fingimento poético
Temas
• Linguagem expressiva e variada
• Ironia
• Jogos de palavras
• Polissemia
• Equívocos
Linguagem e recursos:
Cantigas de refrão
Cantigas de mestria
(sem refrão)
Classificação formal
5. Os três cancioneiros da lírica profana
• Início do século XIV
• 310 cantigas, quase todas de amor
• Iluminuras
Cancioneiro
da Ajuda
• 1647 cantigas
• Tratado poético Arte de Trovar
Cancioneiro
da Biblioteca Nacional
• 1200 cantigas
Cancioneiro
da Vaticana
• Colocci-Brancuti
• Cópias do século XVI
Bibliografia
CASTRO, Ivo (1991) – Curso de História da Língua Portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta.
CORREIA, Natália (1987) – Cantares dos Trovadores Galego-Portugueses, 2.ª ed.. Lisboa: Editorial Estampa.
GONÇALVES, Elsa; RAMOS, Maria Ana (1985) – A Lírica Galego-Portuguesa (Textos Escolhidos), 2.ª ed.
Lisboa: Editorial Comunicação.
FERREIRA, Maria Ema Tarracha (1988) – Poesia e Prosa Medievais, 2.ª ed. Lisboa: Editora Ulisseia.
LOPES, Graça Videira [ed.] (2002) – Cantigas de Escárnio e Maldizer dos Trovadores e Jograis Galego-
-Portugueses. Lisboa: Editorial Estampa.
______________________ (1988) – A Sátira nos Cancioneiros Medievais Galego-Portugueses, 2.ª ed.
Lisboa: Editorial Estampa.
MATTOSO, José (1985) – «A Cultura Medieval Portuguesa (séculos XI a XIV)», in O essencial sobre
a cultura medieval portuguesa (séculos XI a XIV). Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda.
NUNES, Patrícia et alii (2008) – Enciclopédia do Estudante, vol. 10. Carnaxide: Santillana-Constância,
pp. 48-55.
DOBARRO PAZ, Xosé María; et alii – Materiais Literatura Galego-Portuguesa Medieval. Corunha: Via Láctea.
SARAIVA, António José; LOPES, Óscar (1992) – História da Literatura Portuguesa, 16.ª ed. Porto: Porto
Editora.
TAVANI, Giuseppe (1988) – «Problemas da poesia lírica galego-portuguesa», in Ensaios Portugueses:
Filologia e Linguística. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
1 de 36

Recomendados

Análise de Os Lusíadas por
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
591.3K visualizações103 slides
As cantigas de amigo por
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigoHelena Coutinho
308.1K visualizações22 slides
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica por
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
376.2K visualizações2 slides
Valor modal das frases por
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
55.4K visualizações6 slides
Crónica de D. João I de Fernão Lopes por
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
199.9K visualizações26 slides
Cantigas de amigo por
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigoPaula Oliveira Cruz
37.5K visualizações22 slides

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cantigas de amor por
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amorHelena Coutinho
205.7K visualizações12 slides
Cap v repreensões particular por
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
207K visualizações47 slides
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta por
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
461K visualizações13 slides
Cantigas de escárnio e maldizer por
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerHelena Coutinho
198.6K visualizações19 slides
Ficha de gramática12º por
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12ºquintaldasletras
10.6K visualizações7 slides
Deíticos por
DeíticosDeíticos
DeíticosPaula Angelo
55.5K visualizações2 slides

Mais procurados(20)

Cantigas de amor por Helena Coutinho
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho205.7K visualizações
Cap v repreensões particular por Helena Coutinho
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho207K visualizações
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta por Dina Baptista
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista461K visualizações
Cantigas de escárnio e maldizer por Helena Coutinho
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
Helena Coutinho198.6K visualizações
Ficha de gramática12º por quintaldasletras
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
quintaldasletras10.6K visualizações
Deíticos por Paula Angelo
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo55.5K visualizações
Os Maias - personagens por António Fernandes
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
António Fernandes96.6K visualizações
Gil vicente, farsa de inês pereira por David Caçador
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador166.9K visualizações
Recursos expressivos por becastanheiradepera
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera48.4K visualizações
Coesão textual por gracacruz
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
gracacruz168.4K visualizações
Estrutura mensagem por ameliapadrao
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao75K visualizações
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo por Dina Baptista
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista170.8K visualizações
Cantigas de amigo - resumo por Gijasilvelitz 2
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
Gijasilvelitz 223.3K visualizações
Os Maias de Eça de Queirós - personagens por Lurdes Augusto
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Lurdes Augusto83.1K visualizações
Recursos expressivos por Ana Arminda Moreira
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Ana Arminda Moreira361.3K visualizações
Lírica camoniana por Sara Afonso
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso90.5K visualizações
Aquela cativa Poema e Análise por Bruno Jardim
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
Bruno Jardim70.3K visualizações
Sermão de santo antónio aos peixes por vermar2010
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010742.3K visualizações
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira por Alexandra Madail
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail126.6K visualizações

Destaque

Lírica Trovadoresca por
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaPaula Oliveira Cruz
42.6K visualizações7 slides
Literatura trovadoresca por
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Lurdes Augusto
75.7K visualizações71 slides
Poesia Trovadoresca por
Poesia TrovadorescaPoesia Trovadoresca
Poesia TrovadorescaMaria Pereira
10.3K visualizações9 slides
Poesia trovadoresca por
Poesia trovadorescaPoesia trovadoresca
Poesia trovadorescaMaria Pereira
5K visualizações21 slides
Cantigas de amigos por
Cantigas de amigosCantigas de amigos
Cantigas de amigosrodrigo christo
5.3K visualizações20 slides
Processo De FormaçãO Das Palavras por
Processo De FormaçãO Das PalavrasProcesso De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das Palavrasguest75cb1b
112.1K visualizações20 slides

Destaque(10)

Lírica Trovadoresca por Paula Oliveira Cruz
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
Paula Oliveira Cruz42.6K visualizações
Literatura trovadoresca por Lurdes Augusto
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto75.7K visualizações
Poesia Trovadoresca por Maria Pereira
Poesia TrovadorescaPoesia Trovadoresca
Poesia Trovadoresca
Maria Pereira10.3K visualizações
Poesia trovadoresca por Maria Pereira
Poesia trovadorescaPoesia trovadoresca
Poesia trovadoresca
Maria Pereira5K visualizações
Cantigas de amigos por rodrigo christo
Cantigas de amigosCantigas de amigos
Cantigas de amigos
rodrigo christo5.3K visualizações
Processo De FormaçãO Das Palavras por guest75cb1b
Processo De FormaçãO Das PalavrasProcesso De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das Palavras
guest75cb1b112.1K visualizações
Cantigas de amor duas análises por Helena Coutinho
Cantigas de amor duas análisesCantigas de amor duas análises
Cantigas de amor duas análises
Helena Coutinho57.8K visualizações
Frei luís de sousa por Paula Oliveira Cruz
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Paula Oliveira Cruz212.1K visualizações
10º testes leya por Graça Gomes
10º testes leya10º testes leya
10º testes leya
Graça Gomes61.1K visualizações

Similar a Poesia Trovadoresca - Resumo

Aula 01 introdução e trovadorismo por
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismoJonatas Carlos
428 visualizações9 slides
Trovadorismo por
TrovadorismoTrovadorismo
TrovadorismoRaquel Dos Santos
1.9K visualizações12 slides
Trovadorismo por
TrovadorismoTrovadorismo
TrovadorismoPéricles Penuel
2.6K visualizações8 slides
Trovadorismo (Aula I) por
Trovadorismo (Aula I)Trovadorismo (Aula I)
Trovadorismo (Aula I)Raquel Dos Santos
1.8K visualizações13 slides
Aula 3_Trovadorismo.pptx por
Aula 3_Trovadorismo.pptxAula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptxPrfª Flávia
2 visualizações18 slides
Trovadorismo e humanismo por
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismorosangelajoao
27.9K visualizações40 slides

Similar a Poesia Trovadoresca - Resumo(20)

Aula 01 introdução e trovadorismo por Jonatas Carlos
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismo
Jonatas Carlos428 visualizações
Trovadorismo por Raquel Dos Santos
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Raquel Dos Santos1.9K visualizações
Trovadorismo por Péricles Penuel
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Péricles Penuel2.6K visualizações
Trovadorismo (Aula I) por Raquel Dos Santos
Trovadorismo (Aula I)Trovadorismo (Aula I)
Trovadorismo (Aula I)
Raquel Dos Santos1.8K visualizações
Aula 3_Trovadorismo.pptx por Prfª Flávia
Aula 3_Trovadorismo.pptxAula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptx
Prfª Flávia2 visualizações
Trovadorismo e humanismo por rosangelajoao
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
rosangelajoao27.9K visualizações
Trovadorismo por Fernando Ribeiro
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Fernando Ribeiro5.5K visualizações
[Trovadorismo E Humanismo por José Ricardo Lima
[Trovadorismo E Humanismo[Trovadorismo E Humanismo
[Trovadorismo E Humanismo
José Ricardo Lima9.4K visualizações
Trovadorismo - professora Vivian Trombini por VIVIAN TROMBINI
Trovadorismo - professora Vivian TrombiniTrovadorismo - professora Vivian Trombini
Trovadorismo - professora Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI4.5K visualizações
Trovadorismo classicismo por Lidiane Rodrigues
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
Lidiane Rodrigues5.1K visualizações
Trovadorismo (2) por Diego Prezia
Trovadorismo (2)Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)
Diego Prezia2.3K visualizações
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora por Douglas Maga
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Douglas Maga11.5K visualizações
Literatura portuguesa por cassab96
Literatura portuguesaLiteratura portuguesa
Literatura portuguesa
cassab961.5K visualizações
literatura_trovadorismo.ppt por GustavoRochaDesign
literatura_trovadorismo.pptliteratura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.ppt
GustavoRochaDesign15 visualizações

Mais de Gijasilvelitz 2

Cantigas de escárnio e maldizer - resumo por
Cantigas de escárnio e maldizer - resumoCantigas de escárnio e maldizer - resumo
Cantigas de escárnio e maldizer - resumoGijasilvelitz 2
10K visualizações12 slides
Cantigas de amor -resumo por
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoGijasilvelitz 2
11.1K visualizações16 slides
Inês quite e desforrada - Gil Vicente por
Inês quite e desforrada - Gil VicenteInês quite e desforrada - Gil Vicente
Inês quite e desforrada - Gil VicenteGijasilvelitz 2
2.3K visualizações4 slides
Inês malmaridada - Gil Vicente por
Inês malmaridada - Gil VicenteInês malmaridada - Gil Vicente
Inês malmaridada - Gil VicenteGijasilvelitz 2
2.6K visualizações6 slides
Inês fantasiosa - Gil Vicente por
Inês fantasiosa - Gil VicenteInês fantasiosa - Gil Vicente
Inês fantasiosa - Gil VicenteGijasilvelitz 2
2.9K visualizações6 slides
A Amada em Luís de Camões 10º ano por
A Amada em Luís de Camões 10º anoA Amada em Luís de Camões 10º ano
A Amada em Luís de Camões 10º anoGijasilvelitz 2
14.6K visualizações5 slides

Mais de Gijasilvelitz 2(16)

Cantigas de escárnio e maldizer - resumo por Gijasilvelitz 2
Cantigas de escárnio e maldizer - resumoCantigas de escárnio e maldizer - resumo
Cantigas de escárnio e maldizer - resumo
Gijasilvelitz 210K visualizações
Cantigas de amor -resumo por Gijasilvelitz 2
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
Gijasilvelitz 211.1K visualizações
Inês quite e desforrada - Gil Vicente por Gijasilvelitz 2
Inês quite e desforrada - Gil VicenteInês quite e desforrada - Gil Vicente
Inês quite e desforrada - Gil Vicente
Gijasilvelitz 22.3K visualizações
Inês malmaridada - Gil Vicente por Gijasilvelitz 2
Inês malmaridada - Gil VicenteInês malmaridada - Gil Vicente
Inês malmaridada - Gil Vicente
Gijasilvelitz 22.6K visualizações
Inês fantasiosa - Gil Vicente por Gijasilvelitz 2
Inês fantasiosa - Gil VicenteInês fantasiosa - Gil Vicente
Inês fantasiosa - Gil Vicente
Gijasilvelitz 22.9K visualizações
A Amada em Luís de Camões 10º ano por Gijasilvelitz 2
A Amada em Luís de Camões 10º anoA Amada em Luís de Camões 10º ano
A Amada em Luís de Camões 10º ano
Gijasilvelitz 214.6K visualizações
Infertilidade Masculina por Gijasilvelitz 2
Infertilidade MasculinaInfertilidade Masculina
Infertilidade Masculina
Gijasilvelitz 2770 visualizações
Lírica Camoniana por Gijasilvelitz 2
Lírica CamonianaLírica Camoniana
Lírica Camoniana
Gijasilvelitz 23.8K visualizações
Poesia Trovadoresca - Contextualização por Gijasilvelitz 2
Poesia Trovadoresca - ContextualizaçãoPoesia Trovadoresca - Contextualização
Poesia Trovadoresca - Contextualização
Gijasilvelitz 25.1K visualizações
Os Lusíadas de Luís de Camões por Gijasilvelitz 2
Os Lusíadas de Luís de CamõesOs Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de Camões
Gijasilvelitz 216.5K visualizações
Auto da Feira de Gil Vicente por Gijasilvelitz 2
Auto da Feira de Gil VicenteAuto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil Vicente
Gijasilvelitz 231K visualizações
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015 por Gijasilvelitz 2
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Gijasilvelitz 212.6K visualizações
A gramática com o novo acordo ortográfico - Porto Editora por Gijasilvelitz 2
A gramática com o novo acordo ortográfico - Porto EditoraA gramática com o novo acordo ortográfico - Porto Editora
A gramática com o novo acordo ortográfico - Porto Editora
Gijasilvelitz 21.4K visualizações
Agricultura Biológica por Gijasilvelitz 2
Agricultura BiológicaAgricultura Biológica
Agricultura Biológica
Gijasilvelitz 2774 visualizações
Eu nos contextos - Modelo Ecológico do Desenvolvimento por Gijasilvelitz 2
Eu nos contextos - Modelo Ecológico do DesenvolvimentoEu nos contextos - Modelo Ecológico do Desenvolvimento
Eu nos contextos - Modelo Ecológico do Desenvolvimento
Gijasilvelitz 28.5K visualizações
Situação Energética Mundial por Gijasilvelitz 2
Situação Energética MundialSituação Energética Mundial
Situação Energética Mundial
Gijasilvelitz 22.9K visualizações

Último

Para garantir a utilização efetiva de RSU, tecnologias de processamento de lo... por
Para garantir a utilização efetiva de RSU, tecnologias de processamento de lo...Para garantir a utilização efetiva de RSU, tecnologias de processamento de lo...
Para garantir a utilização efetiva de RSU, tecnologias de processamento de lo...Prime Assessoria Acadêmica
14 visualizações5 slides
Comunicação e Relações Interpessoais.ppt por
Comunicação e Relações Interpessoais.pptComunicação e Relações Interpessoais.ppt
Comunicação e Relações Interpessoais.pptIvoPereira42
121 visualizações23 slides
4) Quais sanções poderão ser aplicadas a depender do caso concreto? Sua respo... por
4) Quais sanções poderão ser aplicadas a depender do caso concreto? Sua respo...4) Quais sanções poderão ser aplicadas a depender do caso concreto? Sua respo...
4) Quais sanções poderão ser aplicadas a depender do caso concreto? Sua respo...azulassessoriaacadem3
14 visualizações2 slides
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf por
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdfVítor Santos
90 visualizações28 slides
Tecnologia Hanak Anacona Ayala.docx por
Tecnologia Hanak Anacona Ayala.docxTecnologia Hanak Anacona Ayala.docx
Tecnologia Hanak Anacona Ayala.docxHanaAnaconaAyala
13 visualizações1 slide
a) ELABORE quadros de Punnet que representam o sistema ABO, MN e fator Rh par... por
a) ELABORE quadros de Punnet que representam o sistema ABO, MN e fator Rh par...a) ELABORE quadros de Punnet que representam o sistema ABO, MN e fator Rh par...
a) ELABORE quadros de Punnet que representam o sistema ABO, MN e fator Rh par...Prime Assessoria Acadêmica
104 visualizações2 slides

Último(20)

Para garantir a utilização efetiva de RSU, tecnologias de processamento de lo... por Prime Assessoria Acadêmica
Para garantir a utilização efetiva de RSU, tecnologias de processamento de lo...Para garantir a utilização efetiva de RSU, tecnologias de processamento de lo...
Para garantir a utilização efetiva de RSU, tecnologias de processamento de lo...
Prime Assessoria Acadêmica14 visualizações
Comunicação e Relações Interpessoais.ppt por IvoPereira42
Comunicação e Relações Interpessoais.pptComunicação e Relações Interpessoais.ppt
Comunicação e Relações Interpessoais.ppt
IvoPereira42121 visualizações
4) Quais sanções poderão ser aplicadas a depender do caso concreto? Sua respo... por azulassessoriaacadem3
4) Quais sanções poderão ser aplicadas a depender do caso concreto? Sua respo...4) Quais sanções poderão ser aplicadas a depender do caso concreto? Sua respo...
4) Quais sanções poderão ser aplicadas a depender do caso concreto? Sua respo...
azulassessoriaacadem314 visualizações
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf por Vítor Santos
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos90 visualizações
Tecnologia Hanak Anacona Ayala.docx por HanaAnaconaAyala
Tecnologia Hanak Anacona Ayala.docxTecnologia Hanak Anacona Ayala.docx
Tecnologia Hanak Anacona Ayala.docx
HanaAnaconaAyala13 visualizações
a) ELABORE quadros de Punnet que representam o sistema ABO, MN e fator Rh par... por Prime Assessoria Acadêmica
a) ELABORE quadros de Punnet que representam o sistema ABO, MN e fator Rh par...a) ELABORE quadros de Punnet que representam o sistema ABO, MN e fator Rh par...
a) ELABORE quadros de Punnet que representam o sistema ABO, MN e fator Rh par...
Prime Assessoria Acadêmica104 visualizações
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par... por IntegrareAcademy2
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
IntegrareAcademy222 visualizações
Para essa atividade, identifique e descreva detalhadamente três técnicas ampl... por azulassessoriaacadem3
Para essa atividade, identifique e descreva detalhadamente três técnicas ampl...Para essa atividade, identifique e descreva detalhadamente três técnicas ampl...
Para essa atividade, identifique e descreva detalhadamente três técnicas ampl...
azulassessoriaacadem397 visualizações
Com base no trecho acima, é possível verificar as características do Ativo e ... por IntegrareAcademy2
Com base no trecho acima, é possível verificar as características do Ativo e ...Com base no trecho acima, é possível verificar as características do Ativo e ...
Com base no trecho acima, é possível verificar as características do Ativo e ...
IntegrareAcademy237 visualizações
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par... por azulassessoriaacadem3
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
azulassessoriaacadem319 visualizações
O Disney+ é uma plataforma de streaming de vídeo lançada pela renomada. por IntegrareAcademy2
O Disney+ é uma plataforma de streaming de vídeo lançada pela renomada.O Disney+ é uma plataforma de streaming de vídeo lançada pela renomada.
O Disney+ é uma plataforma de streaming de vídeo lançada pela renomada.
IntegrareAcademy211 visualizações
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for... por IntegrareAcademy2
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...
IntegrareAcademy299 visualizações
c) Quais os envolvidos no projeto (profissionais, voluntários, alunos, entre ... por HelpEducacional
c) Quais os envolvidos no projeto (profissionais, voluntários, alunos, entre ...c) Quais os envolvidos no projeto (profissionais, voluntários, alunos, entre ...
c) Quais os envolvidos no projeto (profissionais, voluntários, alunos, entre ...
HelpEducacional11 visualizações
A fermentação é uma das técnicas de conservação de alimentos mais antigas exi... por Prime Assessoria Acadêmica
A fermentação é uma das técnicas de conservação de alimentos mais antigas exi...A fermentação é uma das técnicas de conservação de alimentos mais antigas exi...
A fermentação é uma das técnicas de conservação de alimentos mais antigas exi...
Prime Assessoria Acadêmica9 visualizações
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx por profesfrancleite
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptxSEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
profesfrancleite50 visualizações
Tutorial_scopus.pdf por gabrieladoroteu093
Tutorial_scopus.pdfTutorial_scopus.pdf
Tutorial_scopus.pdf
gabrieladoroteu09312 visualizações
ATIVIDADE 1 - EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA - 54/2023 por AaAssessoriadll
ATIVIDADE 1 - EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA - 54/2023ATIVIDADE 1 - EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA - 54/2023
ATIVIDADE 1 - EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA - 54/2023
AaAssessoriadll35 visualizações
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf por Vítor Santos
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos84 visualizações

Poesia Trovadoresca - Resumo

  • 2. Mapa da Península Ibérica em 1096. A poesia trovadoresca galego-portuguesa desenvolveu-se na área geográfica correspondente aos reinos de Leão e Castela (inclusive a região da Galiza) e ao reino de Portugal (c. 1196-1354). 1143 — Independência de Portugal
  • 3. Música e dança, iluminura de Tacuina Sanitatis (século XIV). • Cerca de 1680 composições em verso produzidas entre os séculos XII e XIV. • Composições musicadas e cantadas em saraus nas cortes dos grandes senhores feudais.
  • 4. Iluminura de Cantigas de Santa Maria de Afonso X, o Sábio — Códice do Escorial (1221-1284). • Cerca de 1680 composições em verso produzidas entre os séculos XII e XIV. • Composições musicadas e cantadas em saraus nas cortes dos grandes senhores feudais.
  • 5. Página do Cancioneiro da Ajuda. • Escritas por trovadores (origem nobre) e jograis (origem popular). • Coligidas em três cancioneiros (coletâneas) de fins do século XIII e do século XIV. • Cerca de 1680 composições em verso produzidas entre os séculos XII e XIV. • Composições musicadas e cantadas em saraus nas cortes dos grandes senhores feudais. Página do Cancioneiro da Biblioteca Nacional. Página do Cancioneiro da Vaticana.
  • 6. • Escritas por trovadores (origem nobre) e jograis (origem popular). • Coligidas em três cancioneiros (coletâneas) de fins do século XIII e do século XIV. • Cerca de 1680 composições em verso produzidas entre os séculos XII e XIV. • Composições musicadas e cantadas em saraus nas cortes dos grandes senhores feudais. • Escritas em galego-português (designação que costuma ser dada à língua novilatina falada na faixa ocidental da Península Ibérica até meados do século XIV, sobretudo quando se pretende referir a língua literária da poesia trovadoresca).
  • 7. Mapa dos dialetos hispânicos no século XIII. Galego-português
  • 8. Clero — uma classe dominante A hierarquizada Igreja medieval, representada num manuscrito francês (A Fortaleza da Fé, c. séc. XVIII). 1. Sociedade e cultura medieval
  • 10. Produção cultural Classes privilegiadas: Nobreza e clero Povo e servos (afastamento)  Povo e servos  Classes privilegiadas: Nobreza e clero Distrações medievais Reconquista Cortes senhoriais Ação pastoral Torneios Saraus com dança e canto Banquetes Romarias Procissões
  • 11. • Torneios. 2. A cultura das cortes feudais: senhores, trovadores e jograis • Saraus com dança e canto. • Banquetes. Vencedores de um torneio recebem o prémio das mãos das damas.
  • 12. Menestréis tocam numa noite musical (Codex Manesse).
  • 14. Predomínio da oralidade Saraus com dança e canto Composições escritas em verso = cantigas Autor/executor • Trovador • Jogral • Segrel • Menestrel Protetor e mecenas: Nobre • Afonso X, de Leão e Castela • D. Dinis • D. Pedro, conde de Barcelos
  • 15. • Galegos, portugueses, castelhanos e aragoneses. Autor/executor • Trovador • Jogral • Segrel • Menestrel • Oferecem os seus serviços aos senhores. • Viajam de corte em corte. • Recebem uma remuneração. • Animam as festas da corte. • Dinamizavam os saraus.
  • 16. Trovador Jogral Segrel Menestrel Compõe a letra e a música das cantigas Nobre Canta e executa as cantigas dos trovadores Popular Canta e executa as cantigas dos trovadores; compõe e executa as suas próprias cantigas Popular Canta e executa as cantigas dos trovadores Músico ou cantor
  • 17. Início: Final do século XII (1196? — Joam Soares de Pavia, trovador) 3. Os limites temporais da poesia trovadoresca galego-portuguesa Fim: Meados do século XIV (1354 — morte de D. Pedro, conde de Barcelos, mecenas e trovador)
  • 18. 4. Os géneros da poesia trovadoresca galego-portuguesa • 4 manuscritos do século XIII • Corte de Afonso X (1252-1284) • 420 cantigas • Com notação musical • Louvor à Virgem Maria • 3 cancioneiros • c. 1680 cantigas • 3 géneros diferentes: — Cantigas de amigo — Cantigas de amor — Cantigas de escárnio e maldizer Lírica profana Lírica religiosa
  • 19. • Sofrimento de amor • Enganos/mentiras à mãe • Encontro com o amigo • Tristeza pela ausência do amigo • Saudades do amigo • Alegria pelo regresso do amigo • Confidências à Natureza • Confidências à mãe • Confidências às amigas • Ansiedade causada pelo amor • Ciúmes/infidelidade • Confiança no amigo Temas Sujeito poético: Eu feminino — a amiga Cantigas de amigo
  • 20. Temas Sujeito poético: Eu feminino — a amiga Cantigas de amigo
  • 21. Cantigas de romaria Bailias Albas Barcarolas ou marinhas Pastorelas Classificação temática Cantigas de refrão Cantigas de mestria (sem refrão) Cantigas paralelísticas ou de leixa-pren Classificação formal Monólogo Diálogo Narração
  • 22. Estrutura versificatória das cantigas paralelísticas Vaiamos, irmana, vaiamos dormir, nas ribas do lago, u eu andar vi a las aves, meu amigo. verso A verso B refrão estrofe 1 estrofe 2 estrofe 3 estrofe 4 estrofe 5 estrofe 6 1.º par 2.º par 3.º par verso A’ (variante de A) verso B ’ (variante de B) refrão verso B verso C refrão verso B’ verso C’ (variante de C) refrão verso C verso D refrão verso C’ verso D’ (variante de D) refrão Vaiamos, irmana, vaiamos folgar nas ribas do lago, u eu vi andar a las aves, meu amigo. Enas ribas do lago, u eu andar vi, seu arco na mãao as aves ferir, a las aves, meu amigo. Enas ribas do lago, u eu vi andar, seu arco na mano a las aves tirar, a las aves, meu amigo. Seu arco na mano as aves ferir, e las que cantavam leixa-las guarir, a las aves, meu amigo. Seu arco na mano a las aves tirar, e las que cantavam nom nas quer matar, a las aves, meu amigo. Fernando Esquio
  • 23. • Esquema de composição rígido e repetitivo • Variação subtil de motivos • Descrição do quotidiano rural e do ambiente campestre: — ida à fonte — ida à ermida — ida ao baile • Vocabulário simples, corrente e familiar • Simbolismos: — as flores — a «fontana» — os cervos — a água — as aves — a noite — o vento — os cabelos • Polissemia • Utilização de arcaísmos • Geografia vaga (casa, fonte, rio, mar ou praia) • Toponímia precisa (Vigo, Guarda ou San Simón) Linguagem e recursos:
  • 24. A «senhor» / a «dona»: mulher amada Sujeito poético: Eu masculino Cantigas de amor «Trovar à maneira provençal» • Convenção literária do Ocidente cristão • Influência da poesia provençal, produzida em França, utilizando a língua provençal (langue d’oc) • Origem nas novelas de cavalaria e na cansó provençal • Dama imaginada pelo trovador como um suserano a quem se submete • Amor espiritual por uma «senhor» idealizada Amor cortês
  • 25. Edmund Blair Leighton, Os Elogios (1901). Não revelar a identidade da «senhor» Dominar os seus sentimentos em público Pedir a autorização da «senhor» quando se ausentava Serviço do «amador»
  • 26. Iluminura medieval — Codex Manesse (1305-1340). Não revelar a identidade da «senhor» Dominar os seus sentimentos em público Pedir a autorização da «senhor» quando se ausentava Serviço do «amador»
  • 27. Iluminura medieval — Codex Manesse (1305-1340). Não revelar a identidade da «senhor» Dominar os seus sentimentos em público Pedir a autorização da «senhor» quando se ausentava Serviço do «amador»
  • 28. Iluminura medieval — Codex Manesse (1305-1340). Não revelar a identidade da «senhor» Dominar os seus sentimentos em público Pedir a autorização da «senhor» quando se ausentava Serviço do «amador»
  • 29. Cantigas de refrão Cantigas de mestria (sem refrão) Classificação formal • Análise do sentimento amoroso • Amor impossível de se realizar • A vassalagem amorosa • A mesura (timidez, reserva, autodomínio do amador) • A «coita de amor» (sofrimento) • A morte de amor • O amor como ascese • O louvor hiperbólico da «senhor» • A idealização da «senhor» Temas
  • 30. • Estética repetitiva e circular • Repetição de vocábulos • Utilização de sinónimos e antónimos • Retórica discursiva (conjunções causais e consecutivas) • Orações complexas • Utilização de vocábulos de origem provençal («sém», «prez») • Simbolismos relacionados com a «coita de amor» • Utilização de expressões cultas e fórmulas codificadas e relacionadas com a expressão do amor cortês Linguagem e recursos:
  • 31. Em síntese: • Eu lírico feminino • Objeto amado: o amigo • Ânsia pela presença do objeto amado • Humanização da figura feminina, que expõe os seus sentimentos • Cenário campestre, ambiente rural Cantigas de amigo • Eu lírico masculino • Objeto amado: a «senhor» • «Senhor» distante, que não se aproxima do eu poético • Idealização da figura feminina • Cenário da corte, ambiente palaciano Cantigas de amor
  • 32. Um bobo da corte e um palhaço num manuscrito do século XIII. • Influência do sirventês provençal, de intenção moral • Temática ampla e variada • Relato dos costumes da sociedade da época Género satírico Cantigas de escárnio e maldizer
  • 33. • Sátira moral e religiosa — o desconcerto do mundo • Sátira política e militar — a traição dos fidalgos na guerra de Granada — a guerra civil portuguesa (D. Sancho II e D. Afonso III) • Sátira social e de costumes — a decadência da nobreza — os conflitos entre jogral e trovador — críticas à avareza • Sátira literária — paródia de cantigas de amor — ridicularização do amor cortês — crítica ao fingimento poético Temas
  • 34. • Linguagem expressiva e variada • Ironia • Jogos de palavras • Polissemia • Equívocos Linguagem e recursos: Cantigas de refrão Cantigas de mestria (sem refrão) Classificação formal
  • 35. 5. Os três cancioneiros da lírica profana • Início do século XIV • 310 cantigas, quase todas de amor • Iluminuras Cancioneiro da Ajuda • 1647 cantigas • Tratado poético Arte de Trovar Cancioneiro da Biblioteca Nacional • 1200 cantigas Cancioneiro da Vaticana • Colocci-Brancuti • Cópias do século XVI
  • 36. Bibliografia CASTRO, Ivo (1991) – Curso de História da Língua Portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta. CORREIA, Natália (1987) – Cantares dos Trovadores Galego-Portugueses, 2.ª ed.. Lisboa: Editorial Estampa. GONÇALVES, Elsa; RAMOS, Maria Ana (1985) – A Lírica Galego-Portuguesa (Textos Escolhidos), 2.ª ed. Lisboa: Editorial Comunicação. FERREIRA, Maria Ema Tarracha (1988) – Poesia e Prosa Medievais, 2.ª ed. Lisboa: Editora Ulisseia. LOPES, Graça Videira [ed.] (2002) – Cantigas de Escárnio e Maldizer dos Trovadores e Jograis Galego- -Portugueses. Lisboa: Editorial Estampa. ______________________ (1988) – A Sátira nos Cancioneiros Medievais Galego-Portugueses, 2.ª ed. Lisboa: Editorial Estampa. MATTOSO, José (1985) – «A Cultura Medieval Portuguesa (séculos XI a XIV)», in O essencial sobre a cultura medieval portuguesa (séculos XI a XIV). Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda. NUNES, Patrícia et alii (2008) – Enciclopédia do Estudante, vol. 10. Carnaxide: Santillana-Constância, pp. 48-55. DOBARRO PAZ, Xosé María; et alii – Materiais Literatura Galego-Portuguesa Medieval. Corunha: Via Láctea. SARAIVA, António José; LOPES, Óscar (1992) – História da Literatura Portuguesa, 16.ª ed. Porto: Porto Editora. TAVANI, Giuseppe (1988) – «Problemas da poesia lírica galego-portuguesa», in Ensaios Portugueses: Filologia e Linguística. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.