SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Escola Secundaria D. Sancho I




                                Trabalho realizado por:
                                  Miguel Martins nº 21
                                   Nuno Almeida nº 22

                                         Maio de 2012
• Análise externa:
     - 11 quadras
     - predominam as rimas intercaladas
     - predomina a métrica de 12 sílabas
• Análise interna:
       - Tempo
       - Espaço
       - Estados de alma do Poeta
•   “Ao anoitecer.” / “Sombras.” / “Ao cair das badaladas.” /
    “Fim da tarde.” / “Hora de jantar”
• Em Lisboa:
• “As ruas de Lisboa.” / “Tejo” / “As casas são como viveiros,
  nelas se amontoam as pessoas.”
• “Há tal soturnidade, há tal melancolia.” / “Despertam-me um
  desejo absurdo de sofrer” / “E o fim da tarde inspira-me; e
  incomoda.”
1)

b)   O sujeito poético vagueia por Lisboa, ao crepúsculo, descrevendo os
     elementos físicos e humanos do ambiente urbano e apresentando os efeitos
     salutares da cidade sobre a sua pessoa.

c)   O sujeito poético deambula pela cidade, ao cair da tarde, dando a conhecer
     as suas reações psicológicas aos diversos estímulos sensoriais provocados pelo
     ambiente que o circunda e as figuras humanas com que se cruza.

d)   O sujeito poético observa e descreve de forma estática o ambiente da
     cidade, ao entardecer, evidenciando as suas características disfóricas e dando
     a conhecer de modo objetivo as figuras humanas que o povoam.
• 2) 2.1) “Soturnidade”/”melancolia”/”cor monótona e
  londrina”
      2.2) “E o fim da tarde inspira-me, e incomoda”. Os
  verbos “inspirar” e “incomodar”, parecem opor-se
  dada a carga habitualmente positiva do primeiro e
  negativo do segundo. Contudo, no contexto em que
  surgem, podem ser entendidos como complementares,
  dado que é o facto de se sentir incomodado com o
  meio envolvente que motiva o sujeito poético a registar
  as suas emoções e a servir-se da escrita como forma
  de denúncia e de criticas sociais.
• 3) 3.1) A evasão do espaço é determinada
  pela visão daquele que se preparam para
  viajar de comboio. A evasão no tempo prende-
  se com a constatação, por parte do narrador,
  de que no cais, só existem “butes”, o que lhe
  recorda, por antítase, o tempo grandioso dos
  heróis, de “Camões”, e dos “naus”.
• 3.2) As fugas imaginativas permitem ao narrador
  escapar, por instantes, do seu momento presente,
  em que circula pela cidade opressora e
  melancólica. Assim, através da sua fantasia,
  “viaja” até países e cidades conotadas com o
  progresso artístico e até outros tempos os da
  expressão ultramarina e das “soberbas naus”
  conotadas com a grandeza pátria e a que o
  sujeito poético reconhece, triste mas também
  criticamente, que não tornará a assistir (“singram
  soberbas naus que eu não verei jamais”).
• 4)
  a. F
  b. F
  c. F
  d. V
  e. F
  f. V
  g. V

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoalenaeira
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisDina Baptista
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de CamposAna Isabel
 
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxSíntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxLaraCosta708069
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa HeterónimosESVieira do Minho
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemInesa M
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesAntónio Fernandes
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeMariaVerde1995
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Camposguest3fc89a1
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxSíntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 

Semelhante a Análise de poemas de Fernando Pessoa

Semelhante a Análise de poemas de Fernando Pessoa (20)

Alguma poesia
Alguma poesiaAlguma poesia
Alguma poesia
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Romantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - ProsaRomantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - Prosa
 
Cidades Mortas - 3ª A - 2011
Cidades Mortas - 3ª A - 2011Cidades Mortas - 3ª A - 2011
Cidades Mortas - 3ª A - 2011
 
Prova de literatura enem.
Prova de literatura   enem.Prova de literatura   enem.
Prova de literatura enem.
 
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOSPEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
 
semana de arte moderna.pptx
semana de arte moderna.pptxsemana de arte moderna.pptx
semana de arte moderna.pptx
 
Ficha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário VerdeFicha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário Verde
 
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto
 
Enem literatura
Enem  literaturaEnem  literatura
Enem literatura
 
Autologia ccf 2012 para leitura
Autologia ccf 2012 para leituraAutologia ccf 2012 para leitura
Autologia ccf 2012 para leitura
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
 
Pre modernismo (1)(1)
Pre modernismo (1)(1)Pre modernismo (1)(1)
Pre modernismo (1)(1)
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
Pré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercíciosPré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercícios
 
Prosa e poema de 30
Prosa e poema de 30 Prosa e poema de 30
Prosa e poema de 30
 
Avaliação 1ª opção literatura
Avaliação 1ª opção literaturaAvaliação 1ª opção literatura
Avaliação 1ª opção literatura
 

Mais de 1103sancho

Cesã¡rio+.. (1)
Cesã¡rio+.. (1)Cesã¡rio+.. (1)
Cesã¡rio+.. (1)1103sancho
 
Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)1103sancho
 
Escolas literarias
Escolas literariasEscolas literarias
Escolas literarias1103sancho
 
Ana Rita Gonçalves Oliveira
Ana Rita Gonçalves OliveiraAna Rita Gonçalves Oliveira
Ana Rita Gonçalves Oliveira1103sancho
 
Trabalho duarte
Trabalho duarteTrabalho duarte
Trabalho duarte1103sancho
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental1103sancho
 
Impressionismo e sensacionalismo
Impressionismo e sensacionalismoImpressionismo e sensacionalismo
Impressionismo e sensacionalismo1103sancho
 
Imagem cesário verde
Imagem   cesário verdeImagem   cesário verde
Imagem cesário verde1103sancho
 
Editorial portugues
Editorial  portuguesEditorial  portugues
Editorial portugues1103sancho
 
Crónica literária
Crónica literáriaCrónica literária
Crónica literária1103sancho
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde1103sancho
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo1103sancho
 
O parnasianismo
O parnasianismoO parnasianismo
O parnasianismo1103sancho
 

Mais de 1103sancho (15)

Cesã¡rio+.. (1)
Cesã¡rio+.. (1)Cesã¡rio+.. (1)
Cesã¡rio+.. (1)
 
Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)
 
Escolas literarias
Escolas literariasEscolas literarias
Escolas literarias
 
Ana Rita Gonçalves Oliveira
Ana Rita Gonçalves OliveiraAna Rita Gonçalves Oliveira
Ana Rita Gonçalves Oliveira
 
Trabalho duarte
Trabalho duarteTrabalho duarte
Trabalho duarte
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental
 
Impressionismo e sensacionalismo
Impressionismo e sensacionalismoImpressionismo e sensacionalismo
Impressionismo e sensacionalismo
 
Imagem cesário verde
Imagem   cesário verdeImagem   cesário verde
Imagem cesário verde
 
Editorial portugues
Editorial  portuguesEditorial  portugues
Editorial portugues
 
Crónica literária
Crónica literáriaCrónica literária
Crónica literária
 
Cesário+v..
Cesário+v..Cesário+v..
Cesário+v..
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo
 
O parnasianismo
O parnasianismoO parnasianismo
O parnasianismo
 
BRUNA DANTAS
BRUNA DANTASBRUNA DANTAS
BRUNA DANTAS
 

Análise de poemas de Fernando Pessoa

  • 1. Escola Secundaria D. Sancho I Trabalho realizado por: Miguel Martins nº 21 Nuno Almeida nº 22 Maio de 2012
  • 2.
  • 3. • Análise externa: - 11 quadras - predominam as rimas intercaladas - predomina a métrica de 12 sílabas
  • 4. • Análise interna: - Tempo - Espaço - Estados de alma do Poeta
  • 5. “Ao anoitecer.” / “Sombras.” / “Ao cair das badaladas.” / “Fim da tarde.” / “Hora de jantar”
  • 6. • Em Lisboa: • “As ruas de Lisboa.” / “Tejo” / “As casas são como viveiros, nelas se amontoam as pessoas.”
  • 7. • “Há tal soturnidade, há tal melancolia.” / “Despertam-me um desejo absurdo de sofrer” / “E o fim da tarde inspira-me; e incomoda.”
  • 8. 1) b) O sujeito poético vagueia por Lisboa, ao crepúsculo, descrevendo os elementos físicos e humanos do ambiente urbano e apresentando os efeitos salutares da cidade sobre a sua pessoa. c) O sujeito poético deambula pela cidade, ao cair da tarde, dando a conhecer as suas reações psicológicas aos diversos estímulos sensoriais provocados pelo ambiente que o circunda e as figuras humanas com que se cruza. d) O sujeito poético observa e descreve de forma estática o ambiente da cidade, ao entardecer, evidenciando as suas características disfóricas e dando a conhecer de modo objetivo as figuras humanas que o povoam.
  • 9. • 2) 2.1) “Soturnidade”/”melancolia”/”cor monótona e londrina” 2.2) “E o fim da tarde inspira-me, e incomoda”. Os verbos “inspirar” e “incomodar”, parecem opor-se dada a carga habitualmente positiva do primeiro e negativo do segundo. Contudo, no contexto em que surgem, podem ser entendidos como complementares, dado que é o facto de se sentir incomodado com o meio envolvente que motiva o sujeito poético a registar as suas emoções e a servir-se da escrita como forma de denúncia e de criticas sociais.
  • 10. • 3) 3.1) A evasão do espaço é determinada pela visão daquele que se preparam para viajar de comboio. A evasão no tempo prende- se com a constatação, por parte do narrador, de que no cais, só existem “butes”, o que lhe recorda, por antítase, o tempo grandioso dos heróis, de “Camões”, e dos “naus”.
  • 11. • 3.2) As fugas imaginativas permitem ao narrador escapar, por instantes, do seu momento presente, em que circula pela cidade opressora e melancólica. Assim, através da sua fantasia, “viaja” até países e cidades conotadas com o progresso artístico e até outros tempos os da expressão ultramarina e das “soberbas naus” conotadas com a grandeza pátria e a que o sujeito poético reconhece, triste mas também criticamente, que não tornará a assistir (“singram soberbas naus que eu não verei jamais”).
  • 12. • 4) a. F b. F c. F d. V e. F f. V g. V