SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
"Toda alma esteja sujeita às autoridades
superiores; porque não há autoridade
que não venha de Deus; e as autoridades
que há foram ordenadas por Deus. “
Diante da sociedade, o crente tem
deveres civis, morais e espirituais.
1- Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores;
porque não há autoridade que não venha de Deus; e as
autoridades que há foram ordenadas por Deus.
2- Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação
de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a
condenação.
3- Porque os magistrados não são terror para as boas obras,
mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade?
Faze o bem e terás louvor dela.
4- Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se
fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque
é ministro de Deus e vingador para castigar o que faz o mal.
5- Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não
somente pelo castigo, mas também pela consciência.
6- Por esta razão também pagais tributos, porque são
ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo.
7- Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo,
tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a
quem honra, honra.
8- A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com
que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos
outros cumpriu a lei.
Na lição de hoje estudaremos o capítulo 13 da Epístola
aos Romanos. Paulo trata neste capítulo a respeito da
relação dos crentes com as autoridades.
Viver pela fé na justiça de Deus implica obedecer às leis,
as autoridades governamentais, pagar impostos e seguir
as regras e normas estabelecidas, demonstrando então
que somos uma nova criatura. A submissão do crente às
autoridades revela seu amor e sua obediência às leis de
Deus.
0 apóstolo Paulo parte do princípio de que toda autoridade é
constituída por Deus. [...] "Não há potestade que não venha de
Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus" O
termo potestade dá uma conotação de que a referência seja a
seres espirituais. Todavia, o termo exousia (autoridade), que
ocorre 102 vezes e no Novo Testamento grego, quatro vezes
neste capítulo, possui o sentido, nesse contexto, de governantes
civis.
A referência, portanto, diz
respeito às autoridades civis,
quer locais, quer nacionais. 0
princípio da autoridade
constituída, ou delegada, vem
de Deus, e por isso o crente tem
o dever de se submeter a ela.
Esse princípio é fartamente
documentado no Antigo
Testamento, onde é mostrado
que nenhum governante exerce
autoridade fora do domínio de
Deus
A natureza espiritual de um
governo civil está no princípio
da autoridade a ele delegada.
0 propósito da sujeição do
crente à autoridade
constituída, segundo Paulo, é
especificado em Romanos
13.3,4. A razão dada é a
promoção do bem e a punição
do mal por parte da
autoridade. Em outras
palavras, a manutenção da
ordem.
Sem obediência a autoridade corre-se o risco de se cair
numa anarquia. É por isso que o apóstolo diz que o
governo é ministro de Deus para a promoção do bem
comum, bem como para frear o mal.
A palavra ministro, no grego, é diáconos, vocábulo que
mostra o princípio divino por trás do governo humano.
São ministros a serviço de Deus, mesmo que sejam
governantes pagãos, como, por exemplo, os imperadores
Ciro e Nabucodonosor (Is 45.1; Dn 4.17).
Paulo mostra que a sujeição
por parte dos cristãos às
autoridades deve-se
primeiramente por razões de
obediência. Nesse caso o
crente deve submeter-se ao
poder coercitivo da lei,
pagando impostos e tributos.
É interessante notar que
Paulo fala de dois tipos de
tributos nesse capítulo,
phorose telos.
O primeiro termo é uma referência aos impostos diretos
enquanto a segunda aos indiretos. Paulo aconselhou os
crentes a cumprirem seus deveres pagando seus impostos
(Mt 22.21). Mas havia uma razão a mais para a submissão à
autoridade - a consciência do crente. 0 crente não deveria se
sujeitar a autoridade simplesmente por medo da lei, mas por
uma questão de consciência
diante de Deus.
O princípio bíblico em relação às
autoridades é que o cristão as
respeite e as honre (Rm 13.7). A
desobediência civil só se justifica
no caso de conflito entre a lei
humana e a divina (At 5.29). No
caso de governos que decretam
leis injustas e estados totalitários
que privam o exercício da fé, o
cristão, em razão da sua
consciência para com Deus, deve
moldar-se pela Palavra de Deus,
para isso, estando disposto a
assumir todas as consequências
de seus atos.
O apóstolo reconhece os
deveres do cristão em relação
ao Estado, e aconselhou a não
ficarem em débito com
ninguém: "A ninguém devais
coisa alguma [...]" (Rm 13.8). Em
palavras atuais, significa que o
crente deve ter o "nome limpo
na praça". Por outro lado, Paulo
reconhece outra natureza de
dívida, esta não negativa, mas
positiva para o crente.
Não podemos dever nada a ninguém,
exceto "o amor com que vos ameis uns aos outros;
porque quem ama aos outros cumpriu a lei" (Rm 13.8).
Orígenes, um dos pais da igreja antiga, dizia que “a
dívida de amar é permanente e nunca a saldamos; por
isso devemos pagá-la diariamente, e sem dúvida,
continuaremos devendo". Amar o semelhante é uma
obrigação moral que temos para com a raça humana.
Paulo havia falado muito sobre a
Lei nos capítulos anteriores, e aqui
novamente ele volta a citá-la: [...]
"quem ama aos outros cumpriu a
lei" (Rm 13.8). A lei dada a Moisés
no Sinai foi escrita em duas tábuas
(Êx 34.1). Os quatro primeiros
mandamentos enfatizam o
relacionamento vertical, isto é,
entre Deus e os homens: Não ter
deuses estranhos; não fazer
imagens; não profanar o nome de
Deus e guardar o sábado.
Por outro lado, os outros seis mandamentos são
horizontais, isto é, enfocam o relacionamento entre as
pessoas: Honrar os pais; não matar; não adulterar; não
furtar; não dar falso testemunho e não cobiçar.
O interesse do apóstolo pelas relações interpessoais fica
claro quando ele cita, em Romanos 13, esses
mandamentos: "Com efeito: Não adulterarás, não
matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não
cobiçarás [...]" (Rm 13.9).
Paulo reforça o seu
argumento sobre a lei do amor citando Levítico 19.18.
Ele conclui dizendo que "o cumprimento da lei é o amor"
(Rm 13.10). 0 mandamento do amor sintetiza todos os
outros preceitos que promovem as relações (Rm 13.9).
Encabeçando a lista dos
deveres de natureza espiritual,
Paulo apresenta um de
natureza escatológica: ”E isto
digo, conhecendo o tempo,
que é já hora de despertarmos
do sono [...]" (Rm 13.11). A
palavra tempo, aqui, traduz o
termo grego kairós, que
significa tempo oportuno. Para
o apóstolo, a vinda de Jesus
era uma realidade sempre
presente na vida do crente.
Nos
dois últimos versículos de
Romanos 13, observamos que há
a necessidade de uma
consciência que seja soteriológica
e pneumatológica (Rm 13.11). A
referência direta ao Salvador está
na palavra salvação e a referência
indireta ao Espírito Santo está na
frase: [,..]“E não tenhais cuidado
da carne em suas
concupiscências" (Rm 13.14).
É o Espírito quem produz o fruto na vida do crente de
forma que este possa vencer as concupiscências da carne
(Gl 5.19-22). Cabe ao cristão andar no Espírito para não
satisfazer os desejos da carne.
Nesta lição, vimos as
responsabilidades que o cristão
deve assumir, tanto no convívio
social como espiritual. Como ser
social, temos deveres para com o
Estado. Devemos respeitar a ordem
estabelecida. Todavia, como ser
moral e espiritual temos deveres
para com o outro. Não somos
apenas cidadão do céu (Fl 3.20),
somos também cidadãos da Terra.
Devemos investir nos
relacionamentos horizontais,
mantendo sempre em mente que o
salvo em Cristo não é uma ilha.
Precisamos uns dos outros.
1- Quem constitui as autoridades?
Deus. As autoridades são ministros a serviço de Deus, mesmo
que sejam governantes pagãos, como, por exemplo, os
imperadores Ciro e Nabucodonosor.
2- Qual a razão do crente se submeter às autoridades?
Paulo mostra que a sujeição por parte dos cristãos às
autoridades deve-se primeiramente por razões de obediência.
3- O que pode acontecer quando a sociedade deixa de
obedecer às autoridades?
Caos e desordem.
4- Qual o princípio bíblico em relação às
autoridades?
O princípio bíblico em relação às autoridades é que o
cristão as respeite e as honre (Rm 13.7).
5- O que significa "a ninguém devais coisa alguma"
(Rm 13.8)?
Em palavras atuais, significa que o crente deve ter o
"nome limpo na praça". Por outro lado, Paulo reconhece
outra natureza de dívida, esta não negativa, mas positiva
para o crente. A dívida do amor. Não podemos dever
nada a ninguém, exceto "o amor com que vos ameis uns
aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei"
(Rm 13.8)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Licao 12 1o trim 2016 o jovem e o estado
Licao 12 1o trim 2016   o jovem e o estadoLicao 12 1o trim 2016   o jovem e o estado
Licao 12 1o trim 2016 o jovem e o estadoDannilo Stelio
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa GraçaAndrew Guimarães
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 06
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 06Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 06
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 06Joel Silva
 
Lição 6 - A Lei, a Carne e o Espírito
Lição 6 - A Lei, a Carne e o EspíritoLição 6 - A Lei, a Carne e o Espírito
Lição 6 - A Lei, a Carne e o EspíritoAndrew Guimarães
 
lição 5 A Maravilhosa graça
lição 5 A Maravilhosa graçalição 5 A Maravilhosa graça
lição 5 A Maravilhosa graçaEv.Antonio Vieira
 
LBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
LBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãLBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
LBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãNatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA Lourinaldo Serafim
 
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espíritoLba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espíritoNatalino das Neves Neves
 
A Lei, A Carne e o Espírito - Lição 06 - 2º Trimestre de 2016
A Lei, A Carne e o Espírito - Lição 06 - 2º Trimestre de 2016A Lei, A Carne e o Espírito - Lição 06 - 2º Trimestre de 2016
A Lei, A Carne e o Espírito - Lição 06 - 2º Trimestre de 2016Pr. Andre Luiz
 
O Cristão e as Autoridades Cívis
O Cristão e as Autoridades CívisO Cristão e as Autoridades Cívis
O Cristão e as Autoridades CívisHelder Mequima
 
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 6 A lei ,carne e o Espírito.
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 6 A lei ,carne e o Espírito.Ebd Lições bíblicas 2016 aula 6 A lei ,carne e o Espírito.
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 6 A lei ,carne e o Espírito.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 lição 7 A vida segundo o Espírito.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 lição 7 A vida segundo o Espírito.Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 lição 7 A vida segundo o Espírito.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 lição 7 A vida segundo o Espírito.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Deveres Civis, Morais e Espirituais do Cristão
Deveres Civis, Morais e Espirituais do CristãoDeveres Civis, Morais e Espirituais do Cristão
Deveres Civis, Morais e Espirituais do CristãoLelo Junior
 

Mais procurados (20)

Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa GraçaLição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
 
Licao 12 1o trim 2016 o jovem e o estado
Licao 12 1o trim 2016   o jovem e o estadoLicao 12 1o trim 2016   o jovem e o estado
Licao 12 1o trim 2016 o jovem e o estado
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 06
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 06Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 06
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 06
 
Lição 6 - A Lei, a Carne e o Espírito
Lição 6 - A Lei, a Carne e o EspíritoLição 6 - A Lei, a Carne e o Espírito
Lição 6 - A Lei, a Carne e o Espírito
 
lição 5 A Maravilhosa graça
lição 5 A Maravilhosa graçalição 5 A Maravilhosa graça
lição 5 A Maravilhosa graça
 
Crentes no Tribunal?
Crentes no Tribunal?Crentes no Tribunal?
Crentes no Tribunal?
 
20151111.Estudo PGs 28
20151111.Estudo PGs 2820151111.Estudo PGs 28
20151111.Estudo PGs 28
 
LBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
LBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãLBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
LBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
 
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
LIÇÃO 05 - A MARAVILHOSA GRAÇA
 
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espíritoLba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
 
A Lei, A Carne e o Espírito - Lição 06 - 2º Trimestre de 2016
A Lei, A Carne e o Espírito - Lição 06 - 2º Trimestre de 2016A Lei, A Carne e o Espírito - Lição 06 - 2º Trimestre de 2016
A Lei, A Carne e o Espírito - Lição 06 - 2º Trimestre de 2016
 
O Cristão e as Autoridades Cívis
O Cristão e as Autoridades CívisO Cristão e as Autoridades Cívis
O Cristão e as Autoridades Cívis
 
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 6 A lei ,carne e o Espírito.
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 6 A lei ,carne e o Espírito.Ebd Lições bíblicas 2016 aula 6 A lei ,carne e o Espírito.
Ebd Lições bíblicas 2016 aula 6 A lei ,carne e o Espírito.
 
A Santa lei de Deus
A Santa lei de DeusA Santa lei de Deus
A Santa lei de Deus
 
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 lição 7 A vida segundo o Espírito.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 lição 7 A vida segundo o Espírito.Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 lição 7 A vida segundo o Espírito.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 lição 7 A vida segundo o Espírito.
 
Lei
LeiLei
Lei
 
Deveres Civis, Morais e Espirituais do Cristão
Deveres Civis, Morais e Espirituais do CristãoDeveres Civis, Morais e Espirituais do Cristão
Deveres Civis, Morais e Espirituais do Cristão
 
ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02
 
6 liberdade da lei
6 liberdade da lei6 liberdade da lei
6 liberdade da lei
 

Destaque

O poder da evangelizao na familia
O poder da evangelizao na familiaO poder da evangelizao na familia
O poder da evangelizao na familiaantonio vieira
 
Lição 13 a igreja e a lei de Deus
Lição 13 a igreja e a lei de DeusLição 13 a igreja e a lei de Deus
Lição 13 a igreja e a lei de Deusantonio vieira
 
LIÇÃO 1- O EVANGELIO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 1- O EVANGELIO SEGUNDO LUCASLIÇÃO 1- O EVANGELIO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 1- O EVANGELIO SEGUNDO LUCASantonio vieira
 
Lição 5 - A maravilhosa graça
Lição 5 - A maravilhosa graçaLição 5 - A maravilhosa graça
Lição 5 - A maravilhosa graçaAilton da Silva
 
licao 3 A infancia de jesus
licao 3  A infancia de jesus licao 3  A infancia de jesus
licao 3 A infancia de jesus antonio vieira
 
LIÇÃO 1- O EVANGELIO DE LUCAS
LIÇÃO 1- O EVANGELIO DE LUCASLIÇÃO 1- O EVANGELIO DE LUCAS
LIÇÃO 1- O EVANGELIO DE LUCASantonio vieira
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4  A tentação de Jesuslição 4  A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesusantonio vieira
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesuslição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesusantonio vieira
 
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de criseLição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de criseAilton da Silva
 
Lição 6 - Paciênca: evitando as dissensões
Lição 6 - Paciênca: evitando as dissensõesLição 6 - Paciênca: evitando as dissensões
Lição 6 - Paciênca: evitando as dissensõesAilton da Silva
 
Lição 5 - Paz de Deus: antídoto contras as inimizades
Lição 5 - Paz de Deus: antídoto contras as inimizadesLição 5 - Paz de Deus: antídoto contras as inimizades
Lição 5 - Paz de Deus: antídoto contras as inimizadesAilton da Silva
 
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADALIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADALourinaldo Serafim
 
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejasaula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejasantonio vieira
 
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasLição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasAilton da Silva
 
Vivendo de Forma Moderada.
Vivendo de Forma Moderada.Vivendo de Forma Moderada.
Vivendo de Forma Moderada.Márcio Martins
 
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominicalAula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominicalantonio vieira
 

Destaque (20)

O poder da evangelizao na familia
O poder da evangelizao na familiaO poder da evangelizao na familia
O poder da evangelizao na familia
 
Lição 13 a igreja e a lei de Deus
Lição 13 a igreja e a lei de DeusLição 13 a igreja e a lei de Deus
Lição 13 a igreja e a lei de Deus
 
LIÇÃO 1- O EVANGELIO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 1- O EVANGELIO SEGUNDO LUCASLIÇÃO 1- O EVANGELIO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 1- O EVANGELIO SEGUNDO LUCAS
 
Lição 5 - A maravilhosa graça
Lição 5 - A maravilhosa graçaLição 5 - A maravilhosa graça
Lição 5 - A maravilhosa graça
 
não cobiçaras
não cobiçarasnão cobiçaras
não cobiçaras
 
licao 3 A infancia de jesus
licao 3  A infancia de jesus licao 3  A infancia de jesus
licao 3 A infancia de jesus
 
LIÇÃO 1- O EVANGELIO DE LUCAS
LIÇÃO 1- O EVANGELIO DE LUCASLIÇÃO 1- O EVANGELIO DE LUCAS
LIÇÃO 1- O EVANGELIO DE LUCAS
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4  A tentação de Jesuslição 4  A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesus
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesuslição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesus
 
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de criseLição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
 
Lição 6 - Paciênca: evitando as dissensões
Lição 6 - Paciênca: evitando as dissensõesLição 6 - Paciênca: evitando as dissensões
Lição 6 - Paciênca: evitando as dissensões
 
Lição 5 - Paz de Deus: antídoto contras as inimizades
Lição 5 - Paz de Deus: antídoto contras as inimizadesLição 5 - Paz de Deus: antídoto contras as inimizades
Lição 5 - Paz de Deus: antídoto contras as inimizades
 
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADALIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
 
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejasaula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
 
LBA Lição 11 - Vivendo de forma moderda
LBA Lição 11 - Vivendo de forma moderdaLBA Lição 11 - Vivendo de forma moderda
LBA Lição 11 - Vivendo de forma moderda
 
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasLição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
 
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADALIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
 
Vivendo de Forma Moderada.
Vivendo de Forma Moderada.Vivendo de Forma Moderada.
Vivendo de Forma Moderada.
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
 
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominicalAula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
 

Semelhante a Lição 10 deveres civis morais e espirituais

2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 10.pptxJoel Silva
 
Deveres Civis, Morais e Espirituais
Deveres Civis, Morais e EspirituaisDeveres Civis, Morais e Espirituais
Deveres Civis, Morais e EspirituaisMárcio Martins
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10Joel Silva
 
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãLição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãErberson Pinheiro
 
Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituaisLição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituaisAilton da Silva
 
Principios de autoridade
Principios de autoridadePrincipios de autoridade
Principios de autoridadePaulo Roberto
 
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os SuperioresLição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os SuperioresÉder Tomé
 
O cristão e a política (Revista Evangélica)
O cristão e a política (Revista Evangélica)O cristão e a política (Revista Evangélica)
O cristão e a política (Revista Evangélica)Carlos Silva
 
LBA LIÇÃO 12 - ÉTICA CRISTÃ E POLÍTICA
LBA LIÇÃO 12 - ÉTICA CRISTÃ E POLÍTICALBA LIÇÃO 12 - ÉTICA CRISTÃ E POLÍTICA
LBA LIÇÃO 12 - ÉTICA CRISTÃ E POLÍTICANatalino das Neves Neves
 
Submissão cristã
Submissão cristãSubmissão cristã
Submissão cristãSilvio Dutra
 
12 o cristao como cidadao
12 o cristao como cidadao12 o cristao como cidadao
12 o cristao como cidadaoMarçal Santos
 
Lição 12 - Ética Cristã e Política
Lição 12 - Ética Cristã e PolíticaLição 12 - Ética Cristã e Política
Lição 12 - Ética Cristã e PolíticaHamilton Souza
 
Vivendo pela fé_1112015_GGR
Vivendo pela fé_1112015_GGRVivendo pela fé_1112015_GGR
Vivendo pela fé_1112015_GGRGerson G. Ramos
 
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de CristoPolítica e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de CristoFrancelia Carvalho Oliveira
 
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICALição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICAErberson Pinheiro
 
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na SociedadeLição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na SociedadeÉder Tomé
 

Semelhante a Lição 10 deveres civis morais e espirituais (20)

2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx
 
Deveres Civis, Morais e Espirituais
Deveres Civis, Morais e EspirituaisDeveres Civis, Morais e Espirituais
Deveres Civis, Morais e Espirituais
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10
 
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãLição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
 
Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituaisLição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
 
Principios de autoridade
Principios de autoridadePrincipios de autoridade
Principios de autoridade
 
Lição 12 - O jovem e o estado
Lição 12 - O jovem e o estadoLição 12 - O jovem e o estado
Lição 12 - O jovem e o estado
 
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os SuperioresLição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
 
3 romanos.pptx
3 romanos.pptx3 romanos.pptx
3 romanos.pptx
 
O cristão e a política (Revista Evangélica)
O cristão e a política (Revista Evangélica)O cristão e a política (Revista Evangélica)
O cristão e a política (Revista Evangélica)
 
LBA LIÇÃO 12 - ÉTICA CRISTÃ E POLÍTICA
LBA LIÇÃO 12 - ÉTICA CRISTÃ E POLÍTICALBA LIÇÃO 12 - ÉTICA CRISTÃ E POLÍTICA
LBA LIÇÃO 12 - ÉTICA CRISTÃ E POLÍTICA
 
Submissão cristã
Submissão cristãSubmissão cristã
Submissão cristã
 
12 o cristao como cidadao
12 o cristao como cidadao12 o cristao como cidadao
12 o cristao como cidadao
 
Lição 12 - Ética Cristã e Política
Lição 12 - Ética Cristã e PolíticaLição 12 - Ética Cristã e Política
Lição 12 - Ética Cristã e Política
 
Submissão espiritual
Submissão espiritualSubmissão espiritual
Submissão espiritual
 
Submissão
SubmissãoSubmissão
Submissão
 
Vivendo pela fé_1112015_GGR
Vivendo pela fé_1112015_GGRVivendo pela fé_1112015_GGR
Vivendo pela fé_1112015_GGR
 
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de CristoPolítica e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
 
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICALição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA
 
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na SociedadeLição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
 

Mais de antonio vieira

Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?antonio vieira
 
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo antonio vieira
 
Lição 4, salvação o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
Lição 4, salvação   o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...Lição 4, salvação   o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
Lição 4, salvação o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...antonio vieira
 
Lição 3 a salvação e o advento do salvador
Lição 3   a salvação e o advento do salvador Lição 3   a salvação e o advento do salvador
Lição 3 a salvação e o advento do salvador antonio vieira
 
Lição 12 quem ama cumpre plenamente a lei
Lição 12  quem ama cumpre plenamente a lei Lição 12  quem ama cumpre plenamente a lei
Lição 12 quem ama cumpre plenamente a lei antonio vieira
 
Lição 08° a bondade que confere a vida
Lição 08°   a bondade que confere a vida Lição 08°   a bondade que confere a vida
Lição 08° a bondade que confere a vida antonio vieira
 
Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
 Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tanguaantonio vieira
 
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASLiçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASantonio vieira
 
Lição 5 as consequências das escolhas precipitadas
Lição 5   as consequências das escolhas precipitadasLição 5   as consequências das escolhas precipitadas
Lição 5 as consequências das escolhas precipitadasantonio vieira
 
Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício
Lição 4   A  provisão de Deus no monte do sacrifícioLição 4   A  provisão de Deus no monte do sacrifício
Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifícioantonio vieira
 
liçao 3 Abraão, a esperança do pai da fé
 liçao 3  Abraão, a esperança do pai da fé liçao 3  Abraão, a esperança do pai da fé
liçao 3 Abraão, a esperança do pai da féantonio vieira
 
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS antonio vieira
 
Liçaqo 13 A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
Liçaqo 13  A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA Liçaqo 13  A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
Liçaqo 13 A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA antonio vieira
 
lição 2- O nascimento de jesus
lição 2- O nascimento de jesus lição 2- O nascimento de jesus
lição 2- O nascimento de jesus antonio vieira
 

Mais de antonio vieira (15)

Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
 
Adao e eva
Adao e eva Adao e eva
Adao e eva
 
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
 
Lição 4, salvação o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
Lição 4, salvação   o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...Lição 4, salvação   o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
Lição 4, salvação o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
 
Lição 3 a salvação e o advento do salvador
Lição 3   a salvação e o advento do salvador Lição 3   a salvação e o advento do salvador
Lição 3 a salvação e o advento do salvador
 
Lição 12 quem ama cumpre plenamente a lei
Lição 12  quem ama cumpre plenamente a lei Lição 12  quem ama cumpre plenamente a lei
Lição 12 quem ama cumpre plenamente a lei
 
Lição 08° a bondade que confere a vida
Lição 08°   a bondade que confere a vida Lição 08°   a bondade que confere a vida
Lição 08° a bondade que confere a vida
 
Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
 Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
 
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASLiçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
 
Lição 5 as consequências das escolhas precipitadas
Lição 5   as consequências das escolhas precipitadasLição 5   as consequências das escolhas precipitadas
Lição 5 as consequências das escolhas precipitadas
 
Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício
Lição 4   A  provisão de Deus no monte do sacrifícioLição 4   A  provisão de Deus no monte do sacrifício
Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício
 
liçao 3 Abraão, a esperança do pai da fé
 liçao 3  Abraão, a esperança do pai da fé liçao 3  Abraão, a esperança do pai da fé
liçao 3 Abraão, a esperança do pai da fé
 
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
 
Liçaqo 13 A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
Liçaqo 13  A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA Liçaqo 13  A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
Liçaqo 13 A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
 
lição 2- O nascimento de jesus
lição 2- O nascimento de jesus lição 2- O nascimento de jesus
lição 2- O nascimento de jesus
 

Último

Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfLehonanSouza
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 

Último (9)

Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 

Lição 10 deveres civis morais e espirituais

  • 1.
  • 2. "Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. “
  • 3. Diante da sociedade, o crente tem deveres civis, morais e espirituais.
  • 4. 1- Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. 2- Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. 3- Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela.
  • 5. 4- Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus e vingador para castigar o que faz o mal. 5- Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência. 6- Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo. 7- Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra. 8- A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.
  • 6. Na lição de hoje estudaremos o capítulo 13 da Epístola aos Romanos. Paulo trata neste capítulo a respeito da relação dos crentes com as autoridades. Viver pela fé na justiça de Deus implica obedecer às leis, as autoridades governamentais, pagar impostos e seguir as regras e normas estabelecidas, demonstrando então que somos uma nova criatura. A submissão do crente às autoridades revela seu amor e sua obediência às leis de Deus.
  • 7. 0 apóstolo Paulo parte do princípio de que toda autoridade é constituída por Deus. [...] "Não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus" O termo potestade dá uma conotação de que a referência seja a seres espirituais. Todavia, o termo exousia (autoridade), que ocorre 102 vezes e no Novo Testamento grego, quatro vezes neste capítulo, possui o sentido, nesse contexto, de governantes civis.
  • 8. A referência, portanto, diz respeito às autoridades civis, quer locais, quer nacionais. 0 princípio da autoridade constituída, ou delegada, vem de Deus, e por isso o crente tem o dever de se submeter a ela. Esse princípio é fartamente documentado no Antigo Testamento, onde é mostrado que nenhum governante exerce autoridade fora do domínio de Deus
  • 9. A natureza espiritual de um governo civil está no princípio da autoridade a ele delegada. 0 propósito da sujeição do crente à autoridade constituída, segundo Paulo, é especificado em Romanos 13.3,4. A razão dada é a promoção do bem e a punição do mal por parte da autoridade. Em outras palavras, a manutenção da ordem.
  • 10. Sem obediência a autoridade corre-se o risco de se cair numa anarquia. É por isso que o apóstolo diz que o governo é ministro de Deus para a promoção do bem comum, bem como para frear o mal.
  • 11. A palavra ministro, no grego, é diáconos, vocábulo que mostra o princípio divino por trás do governo humano. São ministros a serviço de Deus, mesmo que sejam governantes pagãos, como, por exemplo, os imperadores Ciro e Nabucodonosor (Is 45.1; Dn 4.17).
  • 12. Paulo mostra que a sujeição por parte dos cristãos às autoridades deve-se primeiramente por razões de obediência. Nesse caso o crente deve submeter-se ao poder coercitivo da lei, pagando impostos e tributos. É interessante notar que Paulo fala de dois tipos de tributos nesse capítulo, phorose telos.
  • 13. O primeiro termo é uma referência aos impostos diretos enquanto a segunda aos indiretos. Paulo aconselhou os crentes a cumprirem seus deveres pagando seus impostos (Mt 22.21). Mas havia uma razão a mais para a submissão à autoridade - a consciência do crente. 0 crente não deveria se sujeitar a autoridade simplesmente por medo da lei, mas por uma questão de consciência diante de Deus.
  • 14. O princípio bíblico em relação às autoridades é que o cristão as respeite e as honre (Rm 13.7). A desobediência civil só se justifica no caso de conflito entre a lei humana e a divina (At 5.29). No caso de governos que decretam leis injustas e estados totalitários que privam o exercício da fé, o cristão, em razão da sua consciência para com Deus, deve moldar-se pela Palavra de Deus, para isso, estando disposto a assumir todas as consequências de seus atos.
  • 15. O apóstolo reconhece os deveres do cristão em relação ao Estado, e aconselhou a não ficarem em débito com ninguém: "A ninguém devais coisa alguma [...]" (Rm 13.8). Em palavras atuais, significa que o crente deve ter o "nome limpo na praça". Por outro lado, Paulo reconhece outra natureza de dívida, esta não negativa, mas positiva para o crente.
  • 16. Não podemos dever nada a ninguém, exceto "o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei" (Rm 13.8). Orígenes, um dos pais da igreja antiga, dizia que “a dívida de amar é permanente e nunca a saldamos; por isso devemos pagá-la diariamente, e sem dúvida, continuaremos devendo". Amar o semelhante é uma obrigação moral que temos para com a raça humana.
  • 17. Paulo havia falado muito sobre a Lei nos capítulos anteriores, e aqui novamente ele volta a citá-la: [...] "quem ama aos outros cumpriu a lei" (Rm 13.8). A lei dada a Moisés no Sinai foi escrita em duas tábuas (Êx 34.1). Os quatro primeiros mandamentos enfatizam o relacionamento vertical, isto é, entre Deus e os homens: Não ter deuses estranhos; não fazer imagens; não profanar o nome de Deus e guardar o sábado.
  • 18. Por outro lado, os outros seis mandamentos são horizontais, isto é, enfocam o relacionamento entre as pessoas: Honrar os pais; não matar; não adulterar; não furtar; não dar falso testemunho e não cobiçar.
  • 19. O interesse do apóstolo pelas relações interpessoais fica claro quando ele cita, em Romanos 13, esses mandamentos: "Com efeito: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não cobiçarás [...]" (Rm 13.9).
  • 20. Paulo reforça o seu argumento sobre a lei do amor citando Levítico 19.18. Ele conclui dizendo que "o cumprimento da lei é o amor" (Rm 13.10). 0 mandamento do amor sintetiza todos os outros preceitos que promovem as relações (Rm 13.9).
  • 21. Encabeçando a lista dos deveres de natureza espiritual, Paulo apresenta um de natureza escatológica: ”E isto digo, conhecendo o tempo, que é já hora de despertarmos do sono [...]" (Rm 13.11). A palavra tempo, aqui, traduz o termo grego kairós, que significa tempo oportuno. Para o apóstolo, a vinda de Jesus era uma realidade sempre presente na vida do crente.
  • 22. Nos dois últimos versículos de Romanos 13, observamos que há a necessidade de uma consciência que seja soteriológica e pneumatológica (Rm 13.11). A referência direta ao Salvador está na palavra salvação e a referência indireta ao Espírito Santo está na frase: [,..]“E não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências" (Rm 13.14).
  • 23. É o Espírito quem produz o fruto na vida do crente de forma que este possa vencer as concupiscências da carne (Gl 5.19-22). Cabe ao cristão andar no Espírito para não satisfazer os desejos da carne.
  • 24. Nesta lição, vimos as responsabilidades que o cristão deve assumir, tanto no convívio social como espiritual. Como ser social, temos deveres para com o Estado. Devemos respeitar a ordem estabelecida. Todavia, como ser moral e espiritual temos deveres para com o outro. Não somos apenas cidadão do céu (Fl 3.20), somos também cidadãos da Terra. Devemos investir nos relacionamentos horizontais, mantendo sempre em mente que o salvo em Cristo não é uma ilha. Precisamos uns dos outros.
  • 25. 1- Quem constitui as autoridades? Deus. As autoridades são ministros a serviço de Deus, mesmo que sejam governantes pagãos, como, por exemplo, os imperadores Ciro e Nabucodonosor. 2- Qual a razão do crente se submeter às autoridades? Paulo mostra que a sujeição por parte dos cristãos às autoridades deve-se primeiramente por razões de obediência. 3- O que pode acontecer quando a sociedade deixa de obedecer às autoridades? Caos e desordem.
  • 26. 4- Qual o princípio bíblico em relação às autoridades? O princípio bíblico em relação às autoridades é que o cristão as respeite e as honre (Rm 13.7). 5- O que significa "a ninguém devais coisa alguma" (Rm 13.8)? Em palavras atuais, significa que o crente deve ter o "nome limpo na praça". Por outro lado, Paulo reconhece outra natureza de dívida, esta não negativa, mas positiva para o crente. A dívida do amor. Não podemos dever nada a ninguém, exceto "o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei" (Rm 13.8)