O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

LBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã

596 visualizações

Publicada em

Subsídios para lições bíblicas da CPAD elaborados pelo Pastor Natalino das Neves (IEADC-Sede).
Assista aos demais vídeos com estudos bíblicos e baixe os arquivos de slides referentes aos vídeos no blog:
http://goo.gl/PPDRnr

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

LBJ LIÇÃO 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã

  1. 1. TEXTO DO DIA "Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus." (Rm 13.1)
  2. 2. SÍNTESE Em tempos de crise moral e política, a Igreja deve ser exemplo íntegro de participação cívica e de combate à corrupção.
  3. 3. LEITURA BÍBLICA Romanos 13.1-7
  4. 4. 1 Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. 2 Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. 3 Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela. 4 Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus e vingador para castigar o que faz o mal.
  5. 5. 5 Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência. 6 Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo. 7 Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra.
  6. 6. • A palavra "política" deriva do grego politikos, e em geral refere-se à ciência de governar ou bem administrar. • A política envolve todas as áreas da vida em que haja interação humana, seja em casa, nas empresas, nas escolas ou nas demais instituições. • A corrupção é a prática desonesta que visa à obtenção de vantagem ilícita. • Política e corrupção é um assunto bem atual no nosso país. INTRODUÇÃO
  7. 7. I - POLÍTICA GOVERNAMENTAL E CORRUPÇÃO
  8. 8. • Na esfera pública, a política refere-se à forma como os governantes administram e tomam as decisões para a nação, estado ou município. • As Escrituras ensinam que Deus delega certa autoridade ao homem para governar (Tt 3.1). • Utilizada de forma correta, portanto, a política deve servir para aprovar leis justas, refrear o mal e praticar o bem. • Proporcionar aos cidadãos uma sociedade onde haja liberdade, acesso à saúde, segurança e educação de qualidade. 1. Política governamental
  9. 9. • Infelizmente, nem todos aqueles que ocupam cargos públicos estão preocupados com a sociedade e o interesse coletivo. • A mídia, com frequência, relatam pessoas em cargos públicos obtendo vantagens ilícitas. • A corrupção = mal moral que decorre da natureza decaída e pecaminosa que provoca enormes prejuízos sociais (2 Pe 2.19). • A administração sábia e justa traz felicidade para o povo, enquanto a administração de ímpios traz miséria e sofrimento (Pv 29.2-4). 2. O mal da corrupção
  10. 10. Pense Jeitinho" é um eufemismo para a trapaça.
  11. 11. Ponto Importante A corrupção é um mal moral que decorre da natureza decaída e pecaminosa do homem, provocando enormes prejuízos sociais.
  12. 12. II - A SEPARAÇÃO ENTRE ESTADO E IGREJA
  13. 13. • Pensamento cristão acerca do relacionamento entre cristão e estado: "[...] Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus" (Lc 20.25). • Jesus ensina que Estado e Igreja possuem papéis distintos. • Isso não significa dizer, entretanto, que a Igreja não possa colaborar e relacionar com o Estado em assuntos de interesse social. • Igreja e Estado partilham da obrigação de promover o bem daqueles que são feitos à imagem de Deus. 1. Entre César e Deus
  14. 14. • Na perspectiva cristã, a autoridade dos governantes provém de Deus (Rm 13.1-4). • Recomendação bíblica para nos sujeitarmos à autoridade humana para manter a liberdade religiosa (1 Pe 2.13). • Obedecer à Palavra de Deus é prioridade, em relação ao poder público e do povo (At 5.29). • Assim, tão errado quanto adorar a César nos tempos de Jesus, é a lealdade absoluta ao Estado nos dias atuais. 2. Soberania divina sobre o Estado
  15. 15. • Em nosso país, o modelo atualmente adotado de relação entre Estado e organizações religiosas é o da laicidade. • O poder público não pode adotar ou patrocinar uma determinada igreja ou religião. • O modelo historicamente adotado no Brasil valoriza o fenômeno religioso como tal, permitindo, inclusive, a colaboração de interesse público. • A igreja cristã deve respeitar o princípio da laicidade e manter-se separada institucionalmente do governo. 3. Estado laico, não ateu
  16. 16. Pense "A lealdade ao reino de César é condicional, mas a lealdade ao Reino de Deus é absoluta" (Comentário Bíblico Pentecostal).
  17. 17. Ponto Importante Deus é a fonte que emana o poder de onde os governantes retiram a sua legitimidade para governar, por isso a recomendação bíblica para nos sujeitarmos à autoridade humana por amor ao Senhor.
  18. 18. III - COMO O CRISTÃO DEVE LIDAR COM A POLÍTICA E A CORRUPÇÃO
  19. 19. • Não há nada de errado com a participação política dos cristãos. Enquanto cidadãos, os crentes também têm direitos e responsabilidades. • O apóstolo Paulo valeu-se da cidadania romana para exercer seus direitos e garantias legais (At 16.37-39). • Se por um lado a aversão à política é uma conduta equivocada, por outro, o engajamento inadequado prejudica a vida espiritual da Igreja. • Nos casos negativos, é a política que corrompe o cristão ou é o cristão que já entra na política corrompido? 1. Adotando uma postura adequada sobre a política
  20. 20. • O caminho para iluminar o mundo político com a luz de Cristo é o engajamento político socialmente adequado e teologicamente consistente. • Isso, sem se perder nos jogos de poder e nas disputas partidárias e ideológicas. • A Igreja pode exercer uma influência expressiva sobre a política e o governo, por meio da conscientização dos seus membros sobre a importância do voto. • Daniel, exemplo de um político que influenciou positivamente o governo de seu tempo. 2. Influenciando o mundo político
  21. 21. • Por contrariar o sétimo mandamento (Êx 20.15), a corrupção é severamente condenada aos olhos de Deus (Lv 19.35,36). • Advertências bíblicas contra diversos tipos de corrupção: • no funcionalismo público (Lc 3.12-14); • no Judiciário (Dt 16.19,20; Êx 23.8); e • no Legislativo (Is 10.1,2). 3. A corrupção e o sétimo mandamento
  22. 22. • A fé verdadeira tem um sério compromisso com o combate à corrupção em todos os níveis. • Aquele que teve um encontro com o Senhor é aconselhado a não roubar mais e é também compungido a devolver o que defraudou (Lc 19.8). • Não coaduna, portanto, com a prática de atos desonestos, fraudadores e corruptos, e nem com aqueles que assim agem (Rm 1.32). • Não tem como ser abençoado por meio de atos ilícitos e corruptos. 4. Combatendo a corrupção
  23. 23. Pense Se nova vida não combina com a vigarice, é inconcebível que a bênção de Deus esteja em negócios escusos e deletérios
  24. 24. Ponto Importante O caminho para iluminar o mundo político com a luz de Cristo é o engajamento político socialmente adequado e teologicamente consistente da comunidade cristã
  25. 25. 1. A política está presente em todas as áreas e é necessária, porém as consequências dos atos políticos dependem de quem a “domina”. 2. O Estado e Igreja possuem papéis distintos, mas tem atribuições que são convergentes. 3. Política e combate à corrupção também são "coisas de crente“, porém o envolvimento deve ser com integridade, moral e ética. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  26. 26. GEISLER, Norman; MEISTER, Chad V. (Orgs). Razões para Crer: Apresentando argumentos a favor da fé cristã. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013. LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS. Seguidores de Cristo: testemunhando uma sociedade em ruinas. 4º Trim., Edição Professor, Rio de Janeiro, CPAD, 2017. NASCIMENTO, Valmir. Seguidores de Cristo: testemunhando uma sociedade em ruinas. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. NEVES, Natalino das. Justiça e Graça: um estudo da Doutrina da Salvação na Carta aos Romanos. CPAD: Rio de Janeiro, 2015. REFERÊNCIAS
  27. 27. RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. RICHARDS, Lawrence. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. ZUCK, Roy B (ed.). Teologia do Novo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008 REFERÊNCIAS
  28. 28. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Facebook: www.facebook.com/natalino.neves Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 98409 8094 (TIM)

×