SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
!"
44 - E disse-lhes: São estas as palavras que vos
disse estando ainda convosco: convinha que se
cumprisse tudo o que de mim estava escrito na Lei
de Moisés, e nos Profetas, e nos Salmos.
45 - Então, abriu-lhes o entendimento para
compreenderem as Escrituras.
46 - E disse-lhes: Assim está escrito, e assim
convinha que o Cristo padecesse e, ao terceiro dia,
ressuscitasse dos mortos;
47 - e, em seu nome, se pregasse o arrependimento
e a remissão dos pecados, em todas as nações,
começando por Jerusalém.
48 - E dessas coisas sois vós testemunhas.
49 - E eis que sobre vós envio a promessa de meu
Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do
alto sejais revestidos de poder.
50 - E levou-os fora, até Betânia; e, levantando as
mãos, os abençoou.
51 -E aconteceu que, abençoando-os ele, se apartou
deles e foi elevado ao céu.
52 - E, adorando-o eles, tornaram com grande júbilo
para Jerusalém.
53 - E estavam sempre no templo, louvando e
bendizendo a Deus. Amém!
A Igreja Primitiva não
precisou de mais do que uma
geração para levar o
Evangelho de Cristo aos
confins do Império Romano.
Seguindo o modelo que lhes
deixara o Senhor, os
discípulos, no poder do
Espírito Santo, evangelizaram
simultaneamente Jerusalém,
a Judeia e Samaria até
chegarem à capital de Roma,
no Ocidente.
Se levarmos em conta o modelo autenticamente pentecostal
de evangelização, cumpriremos, em tempo recorde, o
programa divino para alcançar tanto o nosso bairro quanto
as nações mais distantes. Mas, para isso, temos de nos
voltar ao método de evangelização simples, mas eficaz, dos
primeiros evangelistas e missionários.
Não carecemos de nenhum método inovador, nem de
fórmulas extravagantes, para cumprir plenamente o
cronograma divino do anúncio universal do Evangelho.
1. Evangelização integral. Consiste na proclamação
simultânea do Evangelho em todos os âmbitos: local,
nacional e transcultural. 0 modelo de Atos 1.8 implica uma
ação conjunta, ou seja, evangelizando Samaria, Judeia e os
confins da terra ao mesmo tempo.
Jesus não ordenou aos discípulos evangelizar primeiro
Jerusalém, depois a Judeia, em seguida Samaria e,
finalmente, os confins da terra. O seu plano-diretor era bem
claro e objetivo: "e ser-me-eis testemunhas tanto em
Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos
confins da terra". Isso implica uma ação da Igreja
(At 13.1-5).
A evangelização mundial, para ser bem-sucedida, tem de
funcionar de acordo com o manual que nos deixou o Senhor
Jesus no Novo Testamento.
2. Avivamento e evangelização.
Nenhum plano evangelístico,
ainda que bem elaborado, terá
êxito a menos que retornemos
ao cenáculo. Sem o batismo
com o Espírito Santo, não
teremos o poder necessário
para anunciar o Evangelho de
Cristo. Evangelismo e
Pentecostes são temas gêmeos,
inseparáveis. O poder do alto é
insubstituível na vida da igreja.
A evangelização integral requer o revestimento de poder
daquele que se predispõe a falar de Cristo no bairro, na
cidade, no país e no exterior.
1. Doutrinação. A doutrinação do novo convertido consiste
no ensino das verdades centrais da fé cristã, para que ele
pense, aja e viva de acordo com o mandamento de Cristo.
Dessa forma, poderá ele guardar todas as coisas
ordenadas pelo Senhor, até o arrebatamento da Igreja
(Mt 28.20).
A doutrinação deve ser iniciada no ato da conversão, tendo
continuidade durante toda a vida cristã
(At 2.41-43).
2. Integração. Sem a integração social do novo crente, sua
doutrinação torna-se ineficaz. 0 novo convertido precisa
sentir que é parte da família de Deus. Não se trata de um
mero exercício sociológico, mas do compartilhamento do
amor cristão (At 2.44).
João sabia que, se os cristãos não se amassem mutuamente,
jamais se sentiriam parte do corpo de Cristo. Por isso, não
cessava de exortar a Igreja. 0 amor que integra não
compreende apenas palavras, mas ações efetivas (1 Jo 3.18).
3. Treinamento. Ainda na fase da doutrinação e da
integração, o novo convertido deve ser treinado a fazer
novos discípulos. A libertação do endemoninhado gadareno
ilustra muito bem esta etapa do discipulado radical.
Tão logo Jesus o
livrou daquela
legião,
recomendou-lhe:
"Torna para tua
casa e conta quão
grandes coisas te
fez Deus [...]“
(Lc 8.39). E, no
mesmo instante, o
homem saiu a
apregoar quão
grandes coisas
fizera-lhe o Senhor.
4. Identificação. Esta fase somente será eficaz se as
anteriores forem bem executadas. A plenitude do
discipulado radical será levar o novo crente a ser
conhecido, através de seu testemunho e postura, como
seguidor de Cristo. Os crentes primitivos, em virtude de
seu compromisso com Jesus, eram conhecidos como
cristãos (At 11.26).
Hoje, mais do
que nunca,
devido à
brevidade e a
urgência destes
dias, carecemos
de homens,
mulheres e
crianças que
sejam
identificados
como discípulos
de Jesus Cristo
(Jo 8.31).
1. Promoção. À semelhança de Antioquia, a igreja da
evangelização integral não vive de si e para si. Antes,
promove a proclamação de Cristo em todos os âmbitos (At
13.1-3). Ela é evangelística e missionária. Para ela, não
existe maior evento do que evangelizar e fazer missões. Que
o Senhor avive nossas igrejas, impulsionando-as aos confins
da Terra.
2. Comissão. Na evangelização integral, a igreja tem de agir
como a agência evangelizadora e missionária por excelência.
Nenhuma organização pode substituí-la nessa tarefa.
Discorrendo sobre os
pressupostos da
evangelização mundial, o
apóstolo Paulo pergunta:
Como, pois, invocarão
aquele em quem não
creram? E como crerão
naquele de quem não
ouviram? E como ouvirão,
se não há quem pregue? E
como pregarão, se não
forem enviados? [...]“
(Rm 10.14.15).
3. Manutenção. No auge da
prosperidade econômica do
Brasil, o que fizemos em
prol da evangelização
mundial? Sabemos que
algumas igrejas
aproveitaram aquele
momento para chegar aos
confins da Terra. Outras,
porém, viveram apenas
para si, como se aquele
instante não tivesse fim.
As igrejas da
Macedônia, apesar de
pobres, enriqueceram
a muitos, sustentando
obreiros e missionários
(2 Co 8.1-7). Nesta
crise que ora
atravessamos,
demonstremos a nossa
fé, mantendo as
frentes evangelísticas
já iniciadas e abrindo
outras.
Que a evangelização integral caracterize nossas igrejas
nesses dias difíceis e trabalhosos. A crise que perturba o
nosso país poderá não ser a última. Outras mais agudas
poderão surgir. Mas, amparados pelo Autor e Consumador
da nossa fé, não desanimemos. Caminhemos de vitória em
vitória, evangelizando e fazendo missões, até que o Senhor
nos venha buscar.
1- O que é a evangelização integral?
Consiste na proclamação simultânea do Evangelho em todos os âmbitos: local, nacional e
transcultural.
2- Por que a evangelização tem de ser simultânea e global?
Porque Jesus não ordenou aos discípulos evangelizar primeiro Jerusalém, depois a
Judeia, em seguida Samaria e, finalmente, os confins da terra. O seu plano-diretor era
bem claro e objetivo: "e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a
Judeia e Samaria e até aos confins da terra".
3- Quais as características da evangelização integral?
Doutrinação, integração, treinamento e identificação.
4- O que é o discipulado integral?
É quando "a igreja promove a integração espiritual eclesiástica, doutrinária, social,
emocional e cultural do novo crente, bem como envolvê-lo no serviço cristão".
5 -O que é uma evangelização autenticamente pentecostal?
É uma evangelização realizada pelos crentes cheios do Espírito Santo.
Liçaqo 13  A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Encerramento do 3º trimestre 2016
Encerramento do 3º trimestre 2016Encerramento do 3º trimestre 2016
Encerramento do 3º trimestre 2016Jose Geniberto
 
Lição 3 - Igreja, agência evangelizadora
Lição 3 - Igreja, agência evangelizadoraLição 3 - Igreja, agência evangelizadora
Lição 3 - Igreja, agência evangelizadoraAilton Silva
 
Lição 03 - Igreja, Agência Evangelizadora
Lição 03 -  Igreja, Agência Evangelizadora Lição 03 -  Igreja, Agência Evangelizadora
Lição 03 - Igreja, Agência Evangelizadora Regio Davis
 
Lição 8 - O MINISTÉRIO DE EVANGELISTA
Lição 8 -  O MINISTÉRIO DE EVANGELISTALição 8 -  O MINISTÉRIO DE EVANGELISTA
Lição 8 - O MINISTÉRIO DE EVANGELISTAAlexsandro Martins
 
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORALição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORAAndrew Guimarães
 
O que eu posso fazer por missões
O que eu posso fazer por missõesO que eu posso fazer por missões
O que eu posso fazer por missõesEid Marques
 
O poder de uma geração que se orgulha
O poder de uma geração que se orgulhaO poder de uma geração que se orgulha
O poder de uma geração que se orgulhaMadson Oliveira
 
Capitulo 1 Conceito de Igreja
Capitulo 1   Conceito de IgrejaCapitulo 1   Conceito de Igreja
Capitulo 1 Conceito de IgrejaKlaus Newman
 
Virtudes e dons de santificação
Virtudes e dons de santificaçãoVirtudes e dons de santificação
Virtudes e dons de santificaçãoLú Nascimento
 
Capitulo 6 O Leigo Comprometido
Capitulo 6   O Leigo ComprometidoCapitulo 6   O Leigo Comprometido
Capitulo 6 O Leigo ComprometidoKlaus Newman
 

Mais procurados (19)

Encerramento do 3º trimestre 2016
Encerramento do 3º trimestre 2016Encerramento do 3º trimestre 2016
Encerramento do 3º trimestre 2016
 
Igreja – a missão
Igreja – a missãoIgreja – a missão
Igreja – a missão
 
Lição 3 - Igreja, agência evangelizadora
Lição 3 - Igreja, agência evangelizadoraLição 3 - Igreja, agência evangelizadora
Lição 3 - Igreja, agência evangelizadora
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
 
Lição 8 ministerio de evangelista
Lição 8 ministerio de evangelistaLição 8 ministerio de evangelista
Lição 8 ministerio de evangelista
 
Lição 03 - Igreja, Agência Evangelizadora
Lição 03 -  Igreja, Agência Evangelizadora Lição 03 -  Igreja, Agência Evangelizadora
Lição 03 - Igreja, Agência Evangelizadora
 
Agência evangelizadora
Agência evangelizadoraAgência evangelizadora
Agência evangelizadora
 
Missões : Eu Um Missionário
Missões : Eu Um MissionárioMissões : Eu Um Missionário
Missões : Eu Um Missionário
 
Lição 8 - O MINISTÉRIO DE EVANGELISTA
Lição 8 -  O MINISTÉRIO DE EVANGELISTALição 8 -  O MINISTÉRIO DE EVANGELISTA
Lição 8 - O MINISTÉRIO DE EVANGELISTA
 
A missão
A missãoA missão
A missão
 
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORALição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
Lição 3 (Adultos) - IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA
 
O que eu posso fazer por missões
O que eu posso fazer por missõesO que eu posso fazer por missões
O que eu posso fazer por missões
 
EB112-a igreja missionária
EB112-a  igreja  missionáriaEB112-a  igreja  missionária
EB112-a igreja missionária
 
Ev efetivo 001
Ev efetivo 001Ev efetivo 001
Ev efetivo 001
 
O poder de uma geração que se orgulha
O poder de uma geração que se orgulhaO poder de uma geração que se orgulha
O poder de uma geração que se orgulha
 
Capitulo 1 Conceito de Igreja
Capitulo 1   Conceito de IgrejaCapitulo 1   Conceito de Igreja
Capitulo 1 Conceito de Igreja
 
Virtudes e dons de santificação
Virtudes e dons de santificaçãoVirtudes e dons de santificação
Virtudes e dons de santificação
 
Capitulo 6 O Leigo Comprometido
Capitulo 6   O Leigo ComprometidoCapitulo 6   O Leigo Comprometido
Capitulo 6 O Leigo Comprometido
 
QUERIGMA
QUERIGMAQUERIGMA
QUERIGMA
 

Destaque

20° dom ordinario
20° dom ordinario20° dom ordinario
20° dom ordinarioMaike Loes
 
O Deus soberano que atrai irresistivelmente
O Deus soberano que atrai irresistivelmenteO Deus soberano que atrai irresistivelmente
O Deus soberano que atrai irresistivelmenteTiago Silveira
 
O Deus soberano que elege os que salva
O Deus soberano que elege os que salvaO Deus soberano que elege os que salva
O Deus soberano que elege os que salvaTiago Silveira
 
Lição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituaisLição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituaisantonio vieira
 
Meeting notes week one
Meeting notes  week one Meeting notes  week one
Meeting notes week one Neha Shahzad
 
Tai Nguyen - Metropolia
Tai Nguyen - MetropoliaTai Nguyen - Metropolia
Tai Nguyen - MetropoliaTai Nguyen
 
Libro de Lenguajes de Marcas y Sistemas de Gestión de Información en PDF
Libro de Lenguajes de Marcas y Sistemas de Gestión de Información en PDFLibro de Lenguajes de Marcas y Sistemas de Gestión de Información en PDF
Libro de Lenguajes de Marcas y Sistemas de Gestión de Información en PDFAbrirllave
 

Destaque (11)

20° dom ordinario
20° dom ordinario20° dom ordinario
20° dom ordinario
 
O Deus soberano que atrai irresistivelmente
O Deus soberano que atrai irresistivelmenteO Deus soberano que atrai irresistivelmente
O Deus soberano que atrai irresistivelmente
 
O Deus soberano que elege os que salva
O Deus soberano que elege os que salvaO Deus soberano que elege os que salva
O Deus soberano que elege os que salva
 
Lição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituaisLição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituais
 
TaiNguyen_CV
TaiNguyen_CVTaiNguyen_CV
TaiNguyen_CV
 
Moodboard
MoodboardMoodboard
Moodboard
 
Meeting notes week one
Meeting notes  week one Meeting notes  week one
Meeting notes week one
 
Tai Nguyen - Metropolia
Tai Nguyen - MetropoliaTai Nguyen - Metropolia
Tai Nguyen - Metropolia
 
Libro de Lenguajes de Marcas y Sistemas de Gestión de Información en PDF
Libro de Lenguajes de Marcas y Sistemas de Gestión de Información en PDFLibro de Lenguajes de Marcas y Sistemas de Gestión de Información en PDF
Libro de Lenguajes de Marcas y Sistemas de Gestión de Información en PDF
 
La Tecnología del Agua Olvidado que es el Costo Limpias y Baja que Puede ser ...
La Tecnología del Agua Olvidado que es el Costo Limpias y Baja que Puede ser ...La Tecnología del Agua Olvidado que es el Costo Limpias y Baja que Puede ser ...
La Tecnología del Agua Olvidado que es el Costo Limpias y Baja que Puede ser ...
 
Miljövänlig , Låg Kostnad, Mindre Känd Vatten Teknik för Framtiden (Sammanfat...
Miljövänlig , Låg Kostnad, Mindre Känd Vatten Teknik för Framtiden (Sammanfat...Miljövänlig , Låg Kostnad, Mindre Känd Vatten Teknik för Framtiden (Sammanfat...
Miljövänlig , Låg Kostnad, Mindre Känd Vatten Teknik för Framtiden (Sammanfat...
 

Semelhante a Liçaqo 13 A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA

LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORALIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORAFlavio Luz
 
A Evangelização Integral Nesta Última Hora
A Evangelização Integral Nesta Última HoraA Evangelização Integral Nesta Última Hora
A Evangelização Integral Nesta Última HoraMárcio Martins
 
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORANatalino das Neves Neves
 
A evangelização integral nesta última hora - Lição 13 - 3º Trimestre 2016
A evangelização integral nesta última hora - Lição 13 - 3º Trimestre 2016A evangelização integral nesta última hora - Lição 13 - 3º Trimestre 2016
A evangelização integral nesta última hora - Lição 13 - 3º Trimestre 2016Pr. Andre Luiz
 
A Evangelização Integral Nesta Última Hora
A Evangelização Integral Nesta Última HoraA Evangelização Integral Nesta Última Hora
A Evangelização Integral Nesta Última HoraLuciana Evangelista
 
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃOLIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃOLourinaldo Serafim
 
01 o que é Evangelização
01  o que é Evangelização01  o que é Evangelização
01 o que é EvangelizaçãoMárcio Martins
 
Lição 01 - A Grande Comisssão - Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Lição 01 - A Grande Comisssão - Um Enfoque Etnocêntrico.pptxLição 01 - A Grande Comisssão - Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Lição 01 - A Grande Comisssão - Um Enfoque Etnocêntrico.pptxHumbertoRodrigoOlive
 
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTAIsmael Isidio
 
Lição 13 - A evangelização integral nesta última hora
Lição 13 - A evangelização integral nesta última horaLição 13 - A evangelização integral nesta última hora
Lição 13 - A evangelização integral nesta última horaAilton da Silva
 
Lição 1 – A Grande Comissão Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Lição 1 – A Grande Comissão Um Enfoque Etnocêntrico.pptxLição 1 – A Grande Comissão Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Lição 1 – A Grande Comissão Um Enfoque Etnocêntrico.pptxCelso Napoleon
 
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdfLIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdfJeanePatrcia
 
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICALA MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICALPedro Francisco Moraes De
 
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de CristoLição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de CristoÉder Tomé
 
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2016 lição 01
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2016 lição 01E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2016 lição 01
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2016 lição 01Joel Silva
 
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016Ravena B
 

Semelhante a Liçaqo 13 A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA (20)

LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORALIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
 
A Evangelização Integral Nesta Última Hora
A Evangelização Integral Nesta Última HoraA Evangelização Integral Nesta Última Hora
A Evangelização Integral Nesta Última Hora
 
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
 
A evangelização integral nesta última hora - Lição 13 - 3º Trimestre 2016
A evangelização integral nesta última hora - Lição 13 - 3º Trimestre 2016A evangelização integral nesta última hora - Lição 13 - 3º Trimestre 2016
A evangelização integral nesta última hora - Lição 13 - 3º Trimestre 2016
 
A Evangelização Integral Nesta Última Hora
A Evangelização Integral Nesta Última HoraA Evangelização Integral Nesta Última Hora
A Evangelização Integral Nesta Última Hora
 
Lilro 01
Lilro 01Lilro 01
Lilro 01
 
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃOLIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
 
01 o que é Evangelização
01  o que é Evangelização01  o que é Evangelização
01 o que é Evangelização
 
Lição 01 - A Grande Comisssão - Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Lição 01 - A Grande Comisssão - Um Enfoque Etnocêntrico.pptxLição 01 - A Grande Comisssão - Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Lição 01 - A Grande Comisssão - Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
 
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
 
Lição 13 - A evangelização integral nesta última hora
Lição 13 - A evangelização integral nesta última horaLição 13 - A evangelização integral nesta última hora
Lição 13 - A evangelização integral nesta última hora
 
Lição 1 - O que é Evangelização
Lição 1 - O que é EvangelizaçãoLição 1 - O que é Evangelização
Lição 1 - O que é Evangelização
 
Lição 1 – A Grande Comissão Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Lição 1 – A Grande Comissão Um Enfoque Etnocêntrico.pptxLição 1 – A Grande Comissão Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
Lição 1 – A Grande Comissão Um Enfoque Etnocêntrico.pptx
 
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdfLIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
 
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICALA MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
 
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de CristoLição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
Lição 1 - A tarefa de testemunhar de Cristo
 
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11: O Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2016 lição 01
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2016 lição 01E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2016 lição 01
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2016 lição 01
 
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
 
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
 

Mais de antonio vieira

Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?antonio vieira
 
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo antonio vieira
 
Lição 4, salvação o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
Lição 4, salvação   o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...Lição 4, salvação   o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
Lição 4, salvação o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...antonio vieira
 
Lição 3 a salvação e o advento do salvador
Lição 3   a salvação e o advento do salvador Lição 3   a salvação e o advento do salvador
Lição 3 a salvação e o advento do salvador antonio vieira
 
Lição 12 quem ama cumpre plenamente a lei
Lição 12  quem ama cumpre plenamente a lei Lição 12  quem ama cumpre plenamente a lei
Lição 12 quem ama cumpre plenamente a lei antonio vieira
 
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominicalAula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominicalantonio vieira
 
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejasaula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejasantonio vieira
 
Lição 08° a bondade que confere a vida
Lição 08°   a bondade que confere a vida Lição 08°   a bondade que confere a vida
Lição 08° a bondade que confere a vida antonio vieira
 
Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
 Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tanguaantonio vieira
 
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASLiçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASantonio vieira
 
Lição 5 as consequências das escolhas precipitadas
Lição 5   as consequências das escolhas precipitadasLição 5   as consequências das escolhas precipitadas
Lição 5 as consequências das escolhas precipitadasantonio vieira
 
Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício
Lição 4   A  provisão de Deus no monte do sacrifícioLição 4   A  provisão de Deus no monte do sacrifício
Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifícioantonio vieira
 
liçao 3 Abraão, a esperança do pai da fé
 liçao 3  Abraão, a esperança do pai da fé liçao 3  Abraão, a esperança do pai da fé
liçao 3 Abraão, a esperança do pai da féantonio vieira
 
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS antonio vieira
 
O poder da evangelizao na familia
O poder da evangelizao na familiaO poder da evangelizao na familia
O poder da evangelizao na familiaantonio vieira
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4  A tentação de Jesuslição 4  A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesusantonio vieira
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesuslição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesusantonio vieira
 
licao 3 A infancia de jesus
licao 3  A infancia de jesus licao 3  A infancia de jesus
licao 3 A infancia de jesus antonio vieira
 
lição 2- O nascimento de jesus
lição 2- O nascimento de jesus lição 2- O nascimento de jesus
lição 2- O nascimento de jesus antonio vieira
 

Mais de antonio vieira (20)

Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O Justo não Passa por Tribulação?
 
Adao e eva
Adao e eva Adao e eva
Adao e eva
 
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
 
Lição 4, salvação o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
Lição 4, salvação   o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...Lição 4, salvação   o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
Lição 4, salvação o amor e a misericórdia de Deus escola biblica dominical ...
 
Lição 3 a salvação e o advento do salvador
Lição 3   a salvação e o advento do salvador Lição 3   a salvação e o advento do salvador
Lição 3 a salvação e o advento do salvador
 
Lição 12 quem ama cumpre plenamente a lei
Lição 12  quem ama cumpre plenamente a lei Lição 12  quem ama cumpre plenamente a lei
Lição 12 quem ama cumpre plenamente a lei
 
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominicalAula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
Aula 11 vivendo de forma moderada escola biblica dominical
 
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejasaula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
aula 10 mansidão torna o crente apto para evitar pelejas
 
Lição 08° a bondade que confere a vida
Lição 08°   a bondade que confere a vida Lição 08°   a bondade que confere a vida
Lição 08° a bondade que confere a vida
 
Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
 Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
Lição 07 - Benignidade Um escudo Protetor contra as Porfias tangua
 
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASLiçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
 
Lição 5 as consequências das escolhas precipitadas
Lição 5   as consequências das escolhas precipitadasLição 5   as consequências das escolhas precipitadas
Lição 5 as consequências das escolhas precipitadas
 
Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício
Lição 4   A  provisão de Deus no monte do sacrifícioLição 4   A  provisão de Deus no monte do sacrifício
Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício
 
liçao 3 Abraão, a esperança do pai da fé
 liçao 3  Abraão, a esperança do pai da fé liçao 3  Abraão, a esperança do pai da fé
liçao 3 Abraão, a esperança do pai da fé
 
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
 
O poder da evangelizao na familia
O poder da evangelizao na familiaO poder da evangelizao na familia
O poder da evangelizao na familia
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4  A tentação de Jesuslição 4  A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesus
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesuslição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesus
 
licao 3 A infancia de jesus
licao 3  A infancia de jesus licao 3  A infancia de jesus
licao 3 A infancia de jesus
 
lição 2- O nascimento de jesus
lição 2- O nascimento de jesus lição 2- O nascimento de jesus
lição 2- O nascimento de jesus
 

Último

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxMartin M Flynn
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 

Último (20)

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 

Liçaqo 13 A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA

  • 1.
  • 2. !"
  • 3.
  • 4. 44 - E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na Lei de Moisés, e nos Profetas, e nos Salmos. 45 - Então, abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras. 46 - E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse e, ao terceiro dia, ressuscitasse dos mortos; 47 - e, em seu nome, se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém.
  • 5. 48 - E dessas coisas sois vós testemunhas. 49 - E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder. 50 - E levou-os fora, até Betânia; e, levantando as mãos, os abençoou. 51 -E aconteceu que, abençoando-os ele, se apartou deles e foi elevado ao céu. 52 - E, adorando-o eles, tornaram com grande júbilo para Jerusalém. 53 - E estavam sempre no templo, louvando e bendizendo a Deus. Amém!
  • 6. A Igreja Primitiva não precisou de mais do que uma geração para levar o Evangelho de Cristo aos confins do Império Romano. Seguindo o modelo que lhes deixara o Senhor, os discípulos, no poder do Espírito Santo, evangelizaram simultaneamente Jerusalém, a Judeia e Samaria até chegarem à capital de Roma, no Ocidente.
  • 7. Se levarmos em conta o modelo autenticamente pentecostal de evangelização, cumpriremos, em tempo recorde, o programa divino para alcançar tanto o nosso bairro quanto as nações mais distantes. Mas, para isso, temos de nos voltar ao método de evangelização simples, mas eficaz, dos primeiros evangelistas e missionários.
  • 8. Não carecemos de nenhum método inovador, nem de fórmulas extravagantes, para cumprir plenamente o cronograma divino do anúncio universal do Evangelho.
  • 9. 1. Evangelização integral. Consiste na proclamação simultânea do Evangelho em todos os âmbitos: local, nacional e transcultural. 0 modelo de Atos 1.8 implica uma ação conjunta, ou seja, evangelizando Samaria, Judeia e os confins da terra ao mesmo tempo.
  • 10. Jesus não ordenou aos discípulos evangelizar primeiro Jerusalém, depois a Judeia, em seguida Samaria e, finalmente, os confins da terra. O seu plano-diretor era bem claro e objetivo: "e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra". Isso implica uma ação da Igreja (At 13.1-5).
  • 11. A evangelização mundial, para ser bem-sucedida, tem de funcionar de acordo com o manual que nos deixou o Senhor Jesus no Novo Testamento.
  • 12. 2. Avivamento e evangelização. Nenhum plano evangelístico, ainda que bem elaborado, terá êxito a menos que retornemos ao cenáculo. Sem o batismo com o Espírito Santo, não teremos o poder necessário para anunciar o Evangelho de Cristo. Evangelismo e Pentecostes são temas gêmeos, inseparáveis. O poder do alto é insubstituível na vida da igreja.
  • 13. A evangelização integral requer o revestimento de poder daquele que se predispõe a falar de Cristo no bairro, na cidade, no país e no exterior.
  • 14. 1. Doutrinação. A doutrinação do novo convertido consiste no ensino das verdades centrais da fé cristã, para que ele pense, aja e viva de acordo com o mandamento de Cristo. Dessa forma, poderá ele guardar todas as coisas ordenadas pelo Senhor, até o arrebatamento da Igreja (Mt 28.20). A doutrinação deve ser iniciada no ato da conversão, tendo continuidade durante toda a vida cristã (At 2.41-43).
  • 15. 2. Integração. Sem a integração social do novo crente, sua doutrinação torna-se ineficaz. 0 novo convertido precisa sentir que é parte da família de Deus. Não se trata de um mero exercício sociológico, mas do compartilhamento do amor cristão (At 2.44).
  • 16. João sabia que, se os cristãos não se amassem mutuamente, jamais se sentiriam parte do corpo de Cristo. Por isso, não cessava de exortar a Igreja. 0 amor que integra não compreende apenas palavras, mas ações efetivas (1 Jo 3.18).
  • 17. 3. Treinamento. Ainda na fase da doutrinação e da integração, o novo convertido deve ser treinado a fazer novos discípulos. A libertação do endemoninhado gadareno ilustra muito bem esta etapa do discipulado radical.
  • 18. Tão logo Jesus o livrou daquela legião, recomendou-lhe: "Torna para tua casa e conta quão grandes coisas te fez Deus [...]“ (Lc 8.39). E, no mesmo instante, o homem saiu a apregoar quão grandes coisas fizera-lhe o Senhor.
  • 19. 4. Identificação. Esta fase somente será eficaz se as anteriores forem bem executadas. A plenitude do discipulado radical será levar o novo crente a ser conhecido, através de seu testemunho e postura, como seguidor de Cristo. Os crentes primitivos, em virtude de seu compromisso com Jesus, eram conhecidos como cristãos (At 11.26).
  • 20. Hoje, mais do que nunca, devido à brevidade e a urgência destes dias, carecemos de homens, mulheres e crianças que sejam identificados como discípulos de Jesus Cristo (Jo 8.31).
  • 21. 1. Promoção. À semelhança de Antioquia, a igreja da evangelização integral não vive de si e para si. Antes, promove a proclamação de Cristo em todos os âmbitos (At 13.1-3). Ela é evangelística e missionária. Para ela, não existe maior evento do que evangelizar e fazer missões. Que o Senhor avive nossas igrejas, impulsionando-as aos confins da Terra.
  • 22. 2. Comissão. Na evangelização integral, a igreja tem de agir como a agência evangelizadora e missionária por excelência. Nenhuma organização pode substituí-la nessa tarefa.
  • 23. Discorrendo sobre os pressupostos da evangelização mundial, o apóstolo Paulo pergunta: Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? [...]“ (Rm 10.14.15).
  • 24. 3. Manutenção. No auge da prosperidade econômica do Brasil, o que fizemos em prol da evangelização mundial? Sabemos que algumas igrejas aproveitaram aquele momento para chegar aos confins da Terra. Outras, porém, viveram apenas para si, como se aquele instante não tivesse fim.
  • 25. As igrejas da Macedônia, apesar de pobres, enriqueceram a muitos, sustentando obreiros e missionários (2 Co 8.1-7). Nesta crise que ora atravessamos, demonstremos a nossa fé, mantendo as frentes evangelísticas já iniciadas e abrindo outras.
  • 26. Que a evangelização integral caracterize nossas igrejas nesses dias difíceis e trabalhosos. A crise que perturba o nosso país poderá não ser a última. Outras mais agudas poderão surgir. Mas, amparados pelo Autor e Consumador da nossa fé, não desanimemos. Caminhemos de vitória em vitória, evangelizando e fazendo missões, até que o Senhor nos venha buscar.
  • 27. 1- O que é a evangelização integral? Consiste na proclamação simultânea do Evangelho em todos os âmbitos: local, nacional e transcultural. 2- Por que a evangelização tem de ser simultânea e global? Porque Jesus não ordenou aos discípulos evangelizar primeiro Jerusalém, depois a Judeia, em seguida Samaria e, finalmente, os confins da terra. O seu plano-diretor era bem claro e objetivo: "e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra". 3- Quais as características da evangelização integral? Doutrinação, integração, treinamento e identificação. 4- O que é o discipulado integral? É quando "a igreja promove a integração espiritual eclesiástica, doutrinária, social, emocional e cultural do novo crente, bem como envolvê-lo no serviço cristão". 5 -O que é uma evangelização autenticamente pentecostal? É uma evangelização realizada pelos crentes cheios do Espírito Santo.