SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 65
Baixar para ler offline
www.ebdemfoco.com
Professor: Erberson R. Pinheiro dos Santos
A IGREJA E A
POLÍTICA
LIÇÃO 11
www.ebdemfoco.com
TEXTO DO DIA
“[...] Dai, pois, a César o que é de César e a
Deus, o que é de Deus” (Mt 22.21).
SÍNTESE
A fé cristã tem por princípio o
respeito às autoridades constituídas,
mas entende que obedecer a Deus é
muito mais importante.
TEXTO BÍBLICO
Romanos 13.1-7.
1 — Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores;
porque não há autoridade que não venha de Deus; e as
autoridades que há foram ordenadas por Deus.
2 — Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de
Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação.
3 — Porque os magistrados não são terror para as boas obras,
mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade?
Faze o bem e terás louvor dela.
TEXTO BÍBLICO
Romanos 13.1-7.
4 — Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal,
teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus e
vingador para castigar o que faz o mal.
5 — Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo
castigo, mas também pela consciência.
6 — Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de
Deus, atendendo sempre a isto mesmo.
7 — Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a
quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra.
0
INTRODUÇÃO
www.ebdemfoco.com
INTRODUÇÃO
O ser humano é um ser político.
Tem necessidade
de se relacionar
com outros de sua
espécie.
INTRODUÇÃO
DEUS
Estabelece
Autoridades
Governem Façam justiça no mundoBoa convivência
INTRODUÇÃO
DEUS
Estabelece
Autoridades
Governem Façam justiça no mundoOrdem Boa convivência
INTRODUÇÃO
Mas até que
ponto os cristãos
devem se sujeitar
às autoridades?
Quais são as
obrigações
delas diante
de Deus?
É possível um cristão
ser do meio
governamental e manter
sua integridade?
E os deveres
dos cristãos
para com os
governos?
Sobre esses assuntos
trataremos nesta lição.
I
AS AUTORIDADES
CONSTITUÍDAS E A
SUBMISSÃO A ELAS
www.ebdemfoco.com
1. Os deveres das
autoridades.
www.ebdemfoco.com
1. Os deveres das autoridades.
Autoridades
Ordem Sociedade
1. Os deveres das autoridades.
Sem organização, leis e instituições
que as façam ser cumpridas.
Vida em
sociedade se
torna inviável.
Autoridades
Devem zelar pelo bem de todos
1. Os deveres das autoridades.
Autoridades
o Estado é dirigido por governantes e
legisladores eleitos pelo povo. Devem atuar em prol do bem comum,
agindo com transparência e
honestidade em suas atribuições.
1. Os deveres das autoridades.
Bons governantes são
queridos pelo povo.
Mas os maus são uma
vergonha para qualquer nação.
2. Orando pelas
autoridades.
www.ebdemfoco.com
2. Orando pelas autoridades.
Autoridades Necessitam de nossas orações
“Antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças por
todos os homens, pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos
uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Porque isto é bom e
agradável diante de Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e
venham ao conhecimento da verdade” (1Tm 2.1-4).
Paulo recomendou a Timóteo:
2. Orando pelas autoridades.
Estar em posição de poder expõe-nos a diversas
situações de tentação.
Dinheiro Corrupção Poder
2. Orando pelas autoridades.
Autoridades
Não apenas para que ajam de forma
correta, mas para que pensem e
governem para os que, nelas,
depositaram toda a confiança.
Precisam da nossa oração.
3. A sujeição às
autoridades.
www.ebdemfoco.com
3. A sujeição às autoridades.
“Toda a alma esteja sujeita às
potestades superiores; porque não
há potestade que não venha de
Deus; e as potestades que há foram
ordenadas por Deus” (Rm 13.1).
A sujeição às autoridades é um
mandamento bíblico
3. A sujeição às autoridades.
Nos ordena que
respeitemos as autoridades
constituídas.
Se desejamos ter um viver quieto, devemos cumprir as
nossas obrigações em todos os aspectos, para não
darmos mau testemunho.
3. A sujeição às autoridades.
Essa escolha não deve ser leviana.
É escolher aqueles que nos
governarão.
Uma de nossas obrigações,
como cidadãos
3. A sujeição às autoridades.
Essa escolha não deve ser leviana.
É escolher aqueles que nos
governarão.
Uma de nossas obrigações,
como cidadãos
3. A sujeição às autoridades.
Colocando no poder pessoas sem
integridade e sem temor de Deus.
“Quando os justos se engrandecem, o povo
se alegra, mas, quando o ímpio domina, o
povo suspira” (Pv 29.2).
Nós mesmos seremos
atingidos.
3. A sujeição às autoridades.
Maior submissão à Deus. Somos cidadãos dos céus.
3. A sujeição às autoridades.
“Mais importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5.29).
Obedecer á Deus
X
Submeter-nos a leis injustas
Vale o que disse o apóstolo Pedro, quando instado a não mais
falar de Jesus.
II
DANIEL, EXEMPLO
DE SERVO NO EXÍLIO
www.ebdemfoco.com
1. Daniel.
www.ebdemfoco.com
1. Daniel.
Jovem hebreu Levado à Babilônia
Jerusalém foi sitiada por
Nabucodonosor (Dn 1.1).
Foi levado cativo à Babilônia para ser
treinado na língua e na cultura dos caldeus.
Seu traslado tinha como objetivo forçá-lo a
portar-se como nobre de outra cultura.
1. Daniel.
Os moços a serem levados para a Babilônia deveriam ser “dos filhos de Israel, e da
linhagem real, e dos nobres, jovens em quem não houvesse defeito algum, formosos
de aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e sábios em ciência, e entendidos no
conhecimento, e que tivessem habilidade para viver no palácio do rei, a fim de que
fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus”.
Conforme Daniel 1.3,4.
1. Daniel.
Características eram
bem específicas e
inerentes à vida política
SABEDORIA
Saber viver no palácio
com
INTELIGÊNCIA
2. Daniel, o profeta.
www.ebdemfoco.com
2. Daniel, o profeta.
Daniel se destaca Atividade Profética
ESCRITURAS SAGRADAS
Esse servo de Deus passou por três
imperadores, e se manteve íntegro em
seu trabalho político.
2. Daniel, o profeta.
Daniel se destaca Atividade Profética
ESCRITURAS SAGRADAS
Esse servo de Deus passou por três
imperadores, e se manteve íntegro em
seu trabalho político.
2. Daniel, o profeta.
Sua vida de graça e seu exemplo
nos mostra que é possível
Ser um homem ou mulher de Deus
No mundo político.
“Portanto, ó rei, aceita o meu conselho e desfaze os teus
pecados pela justiça e as tuas iniquidades, usando de
misericórdia para com os pobres, e talvez se prolongue a
tua tranquilidade” (Dn 4.27).
Como homem de Deus, advertiu a Nabucodonosor a que
agisse de forma correta em seu reino antes de o monarca
pagar um alto preço por sua arrogância.
2. Daniel, o profeta.
3. Daniel, o homem
público.
www.ebdemfoco.com
3. Daniel, o homem público.
Daniel não foi
somente um profeta
Ele foi um homem público conhecido por
sua integridade. Pela sua formação, estava
apto a atuar na esfera governamental.
3. Daniel, o homem público.
Pelo caráter como homem
de Deus, foi um exemplo:
Não se furtou a ser usado por
Deus para repreender e
advertir governantes ímpios.
Ele foi um homem público conhecido por
sua integridade. Pela sua formação, estava
apto a atuar na esfera governamental.
3. Daniel, o homem público.
Rei Dario tinha a intenção de
torná-lo um funcionário
público de maior destaque
ainda (Dn 6.1-3).
“Então, os príncipes e os presidentes procuravam achar ocasião
contra Daniel a respeito do reino; mas não podiam achar
ocasião ou culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava
nele nenhum vício nem culpa. Então, estes homens disseram:
Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a
procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (Dn 6.4,5).
3. Daniel, o homem público.
Integridade Espiritual Integridade Moral
Daniel era um homem de comprovada
3. Daniel, o homem público.
Livra Daniel na cova
dos leões, pune seus
adversários.
Concede ao seu servo mais tempo
para dar testemunho do Deus de
Israel em terra estrangeira.
Revela ao profeta
muitas coisas que
haveriam de ocorrer
no fim dos tempos.
III
JOSÉ, ADMINISTRADOR
NO EGITO
www.ebdemfoco.com
1. José.
www.ebdemfoco.com
1. José.
José era filho de Jacó e bisneto de Abraão. Criado em uma família
com vários filhos de várias mulheres, José foi educado como o
preferido de seu pai (Gn 37.3).
1. José.
Após ter sonhado duas vezes que, um
dia, estaria em posição de autoridade.
Seus irmãos o venderam como
escravo e fizeram de sua vida
uma sucessão de tormentos
(Gn 37.1-36).
1. José.
José foi presidiário
No Egito
José foi escravo
1. José.
Quanto na prisão
Deus era com José (Gn 39.2,21).
Tanto na casa de Potifar,
como escravo
1. José.
Do cárcere Exaltou José, levando-o à
presença de Faraó.
Foi colocado como o
segundo homem no
comando do Egito.
2. José, líder no
Egito.
www.ebdemfoco.com
2. José, líder no Egito.
Após chegar a uma posição de destaque, José teve de lidar com a política
egípcia para colocar seus projetos em voga.
Conseguiu
estocar
alimentos para
os períodos de
fome na terra
(Gn 41.48,49).
Comprou terras para
Faraó, e orientou a
divisão de víveres para os
habitantes do Egito e
àqueles que, para lá, iam
para comprar alimentos.
3. José, o
governador.
www.ebdemfoco.com
3. José, o governador.
Como a fome naqueles dias se tornou
impiedosa, os irmãos de José foram
ao Egito adquirir alimentos, e se
depararam com José, sem o saber.
Eles chegaram a dizer, em outras palavras, que
José estava morto: “[...] Nós, teus servos, somos
doze irmãos, filhos de um varão da terra de Canaã;
e eis que o mais novo está com nosso pai, hoje; mas
um já não existe” (Gn 42.13).
José poderia usar de
suas prerrogativas
políticas para castigar
seus irmãos pelo mal
que lhe fizeram.
3. José, o governador.
Como a fome naqueles dias se tornou
impiedosa, os irmãos de José foram
ao Egito adquirir alimentos, e se
depararam com José, sem o saber.
Eles chegaram a dizer, em outras palavras, que
José estava morto: “[...] Nós, teus servos, somos
doze irmãos, filhos de um varão da terra de Canaã;
e eis que o mais novo está com nosso pai, hoje; mas
um já não existe” (Gn 42.13).
3. José, o governador.
Depois José se deu
a conhecer a eles.
Trouxe-os para serem
preservados no Egito.
E reencontrou seu
pai, Jacó.
3. José, o governador.
“Então, José aprontou o seu carro e subiu ao encontro de Israel, seu pai, a Gósen. E,
mostrando-se-lhe, lançou-se ao seu pescoço e chorou sobre o seu pescoço, longo
tempo” (Gn 46.29).
“E Israel disse a José: Morra eu
agora, pois já tenho visto o teu
rosto, que ainda vives” (Gn 46.30).
3. José, o governador.
José profetizou: “Certamente,
vos visitará Deus, e fareis
transportar os meus ossos
daqui” (Gn 50.25).
José perdoou seus
irmãos, se fez conhecer.
3. José, o governador.
Mesmo podendo se utilizar do
poder que tinha nas mãos,
punindo seus próprios irmãos por
tudo o que fizeram, José preferiu
lembrar das promessas feitas a
Abraão, e rogou pelos filhos de
Israel sobre a terra que Deus lhes
daria.
CONCLUSÃO
www.ebdemfoco.com
É possível a uma pessoa, em posição de
autoridade no mundo político, ser íntegra e
trabalhar pelo bem do povo. E, como cristãos,
devemos orar por tais pessoas, para que exerçam
com sabedoria a vocação para a qual foram
chamadas.
CONCLUSÃO
Vantagens do slide em PowerPoint:
 Você pode editar;
 Tem muitas animações;
 É mais interativo.
Baixe em Power Point
www.ebdemfoco.com/slide
1. Quais são os deveres das autoridades?
Autoridades existem para trazer ordem para a sociedade. As autoridades precisam também zelar pelo
bem-estar de todos.
2. Faça um resumo do nosso sistema político.
Em nosso sistema político o Estado é dirigido por governantes e legisladores eleitos pelo povo.
3. É nosso dever orar pelas autoridades? Justifique a resposta com um texto bíblico.
Sim. A Palavra de Deus recomenda que “antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões
e ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que
tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Porque isto é bom e agradável
diante de Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da
verdade” (1Tm 2.1-4).
4. A sujeição as autoridades é um dever bíblico?
Sim. A sujeição às autoridades é um mandamento bíblico (Rm 13.1). Deus nos ordena que respeitemos
as autoridades constituídas.
5. Cite exemplos de servos que exerceram um papel político.
Moisés, Daniel e José.
PERGUNTAS
Fique por dentro do conteúdo da Escola
Bíblica Dominical. Acesse o site:
www.ebdemfoco.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Obreiro aprovado
Obreiro aprovadoObreiro aprovado
Obreiro aprovado
shalonahr
 

Mais procurados (20)

Lição 1 A beleza do testemunho cristão
Lição 1   A beleza do testemunho cristãoLição 1   A beleza do testemunho cristão
Lição 1 A beleza do testemunho cristão
 
Plano de-salvação
Plano de-salvaçãoPlano de-salvação
Plano de-salvação
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
 
Escola bíblica dominical
Escola bíblica dominicalEscola bíblica dominical
Escola bíblica dominical
 
Do esfriamento espiritual à queda
Do esfriamento espiritual à quedaDo esfriamento espiritual à queda
Do esfriamento espiritual à queda
 
Timoteo
TimoteoTimoteo
Timoteo
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
 
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - PowerPoint
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - PowerPoint2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - PowerPoint
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - PowerPoint
 
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualLição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
 
Vida de oração
Vida de oraçãoVida de oração
Vida de oração
 
Obreiro aprovado
Obreiro aprovadoObreiro aprovado
Obreiro aprovado
 
Tempo de avançar
Tempo de avançarTempo de avançar
Tempo de avançar
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
Lição 14 - Vivendo com a Mente de Cristo
Lição 14 - Vivendo com a Mente de CristoLição 14 - Vivendo com a Mente de Cristo
Lição 14 - Vivendo com a Mente de Cristo
 
Atributos de deus
Atributos de deusAtributos de deus
Atributos de deus
 
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7   Evangelização: A missão máxima da igrejaLição 7   Evangelização: A missão máxima da igreja
Lição 7 Evangelização: A missão máxima da igreja
 
A Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoA Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter Cristão
 
Estudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismoEstudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismo
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
 

Destaque

Destaque (20)

Lição 13 - Sobre a família e a sua natureza
Lição 13 - Sobre a família e a sua naturezaLição 13 - Sobre a família e a sua natureza
Lição 13 - Sobre a família e a sua natureza
 
Lição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deus
Lição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deusLição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deus
Lição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deus
 
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouLição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
 
Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo
 
Lição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOS
Lição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOSLição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOS
Lição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOS
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
 
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus CristoLição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
 
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luzLição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
 
Lição 2 - Pecado uma realidade humana
Lição 2 - Pecado uma realidade humanaLição 2 - Pecado uma realidade humana
Lição 2 - Pecado uma realidade humana
 
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneoLição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
 
Lição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximoLição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximo
 
Lição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoLição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
 
LBA LIÇÃO 7 - A salvação pela graça
LBA LIÇÃO 7 - A salvação pela graçaLBA LIÇÃO 7 - A salvação pela graça
LBA LIÇÃO 7 - A salvação pela graça
 
Lição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvaçãoLição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvação
 
Lição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águasLição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águas
 
A Salvação pela Graça.
A Salvação pela Graça.A Salvação pela Graça.
A Salvação pela Graça.
 
A Abrangência Universal da Salvação.
A Abrangência Universal da Salvação.A Abrangência Universal da Salvação.
A Abrangência Universal da Salvação.
 
Lutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteLutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestante
 
Lição 6 - A abrangência universal da salvação
Lição 6 - A abrangência universal da salvaçãoLição 6 - A abrangência universal da salvação
Lição 6 - A abrangência universal da salvação
 
Lição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graçaLição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graça
 

Semelhante a Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA

Ética cristã slides aula 2
Ética cristã   slides aula 2Ética cristã   slides aula 2
Ética cristã slides aula 2
Jose Ventura
 
oracao_pelo_brasil.pdf
oracao_pelo_brasil.pdforacao_pelo_brasil.pdf
oracao_pelo_brasil.pdf
pontojb
 

Semelhante a Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA (20)

Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
 
Lição 11 - A Igreja e a Política
Lição 11 - A Igreja e a PolíticaLição 11 - A Igreja e a Política
Lição 11 - A Igreja e a Política
 
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e EspirituaisLição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
 
2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 10.pptx
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10
 
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.
 
Ética cristã slides aula 2
Ética cristã   slides aula 2Ética cristã   slides aula 2
Ética cristã slides aula 2
 
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãLição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
 
Principios de autoridade
Principios de autoridadePrincipios de autoridade
Principios de autoridade
 
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de CristoPolítica e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
 
Mente e vontade
Mente e vontadeMente e vontade
Mente e vontade
 
Licao 12 1o trim 2016 o jovem e o estado
Licao 12 1o trim 2016   o jovem e o estadoLicao 12 1o trim 2016   o jovem e o estado
Licao 12 1o trim 2016 o jovem e o estado
 
Apostila autoridade espiritual.
Apostila autoridade espiritual.Apostila autoridade espiritual.
Apostila autoridade espiritual.
 
Apostila diaconato
Apostila diaconatoApostila diaconato
Apostila diaconato
 
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e EspirituaisLição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
 
oracao_pelo_brasil.pdf
oracao_pelo_brasil.pdforacao_pelo_brasil.pdf
oracao_pelo_brasil.pdf
 
Livro de Daniel introdução e parte 01
Livro de Daniel   introdução e parte 01Livro de Daniel   introdução e parte 01
Livro de Daniel introdução e parte 01
 
Livro de Daniel
Livro de Daniel Livro de Daniel
Livro de Daniel
 
Lição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituaisLição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituais
 

Mais de Erberson Pinheiro

Mais de Erberson Pinheiro (13)

A bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósitoA bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósito
 
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade socialLição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
 
Lição 12 - O mundo vindouro
Lição 12 - O mundo vindouroLição 12 - O mundo vindouro
Lição 12 - O mundo vindouro
 
Lição 12 - Milagres no nosso tempo
Lição 12 - Milagres no nosso tempo Lição 12 - Milagres no nosso tempo
Lição 12 - Milagres no nosso tempo
 
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo IILição 12 - O processo de formação do discípulo II
Lição 12 - O processo de formação do discípulo II
 
Lição 11 - O processo de formação do discipulado i
Lição 11 - O processo de formação do discipulado iLição 11 - O processo de formação do discipulado i
Lição 11 - O processo de formação do discipulado i
 
Lição 11 - Crenças religiosas
Lição 11 - Crenças religiosasLição 11 - Crenças religiosas
Lição 11 - Crenças religiosas
 
Lição 11 - A segunda vinda de cristo
Lição 11 - A segunda vinda de cristoLição 11 - A segunda vinda de cristo
Lição 11 - A segunda vinda de cristo
 
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipuladoLição 10 - O discípulo e o discipulado
Lição 10 - O discípulo e o discipulado
 
Lição 10 - O perigo do materialismo
Lição 10 - O perigo do materialismoLição 10 - O perigo do materialismo
Lição 10 - O perigo do materialismo
 
Lição 10 - As manifestações do espírito santo
Lição 10 - As manifestações do espírito santoLição 10 - As manifestações do espírito santo
Lição 10 - As manifestações do espírito santo
 
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitivaLição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
 

Último

Último (10)

João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 

Lição 11 - A IGREJA E A POLÍTICA

  • 1. www.ebdemfoco.com Professor: Erberson R. Pinheiro dos Santos A IGREJA E A POLÍTICA LIÇÃO 11 www.ebdemfoco.com
  • 2. TEXTO DO DIA “[...] Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus” (Mt 22.21).
  • 3. SÍNTESE A fé cristã tem por princípio o respeito às autoridades constituídas, mas entende que obedecer a Deus é muito mais importante.
  • 4. TEXTO BÍBLICO Romanos 13.1-7. 1 — Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. 2 — Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. 3 — Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela.
  • 5. TEXTO BÍBLICO Romanos 13.1-7. 4 — Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus e vingador para castigar o que faz o mal. 5 — Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência. 6 — Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo. 7 — Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra.
  • 7. INTRODUÇÃO O ser humano é um ser político. Tem necessidade de se relacionar com outros de sua espécie.
  • 10. INTRODUÇÃO Mas até que ponto os cristãos devem se sujeitar às autoridades? Quais são as obrigações delas diante de Deus? É possível um cristão ser do meio governamental e manter sua integridade? E os deveres dos cristãos para com os governos? Sobre esses assuntos trataremos nesta lição.
  • 11. I AS AUTORIDADES CONSTITUÍDAS E A SUBMISSÃO A ELAS www.ebdemfoco.com
  • 12. 1. Os deveres das autoridades. www.ebdemfoco.com
  • 13. 1. Os deveres das autoridades. Autoridades Ordem Sociedade
  • 14. 1. Os deveres das autoridades. Sem organização, leis e instituições que as façam ser cumpridas. Vida em sociedade se torna inviável. Autoridades Devem zelar pelo bem de todos
  • 15. 1. Os deveres das autoridades. Autoridades o Estado é dirigido por governantes e legisladores eleitos pelo povo. Devem atuar em prol do bem comum, agindo com transparência e honestidade em suas atribuições.
  • 16. 1. Os deveres das autoridades. Bons governantes são queridos pelo povo. Mas os maus são uma vergonha para qualquer nação.
  • 18. 2. Orando pelas autoridades. Autoridades Necessitam de nossas orações “Antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade” (1Tm 2.1-4). Paulo recomendou a Timóteo:
  • 19. 2. Orando pelas autoridades. Estar em posição de poder expõe-nos a diversas situações de tentação. Dinheiro Corrupção Poder
  • 20. 2. Orando pelas autoridades. Autoridades Não apenas para que ajam de forma correta, mas para que pensem e governem para os que, nelas, depositaram toda a confiança. Precisam da nossa oração.
  • 21. 3. A sujeição às autoridades. www.ebdemfoco.com
  • 22. 3. A sujeição às autoridades. “Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus” (Rm 13.1). A sujeição às autoridades é um mandamento bíblico
  • 23. 3. A sujeição às autoridades. Nos ordena que respeitemos as autoridades constituídas. Se desejamos ter um viver quieto, devemos cumprir as nossas obrigações em todos os aspectos, para não darmos mau testemunho.
  • 24. 3. A sujeição às autoridades. Essa escolha não deve ser leviana. É escolher aqueles que nos governarão. Uma de nossas obrigações, como cidadãos
  • 25. 3. A sujeição às autoridades. Essa escolha não deve ser leviana. É escolher aqueles que nos governarão. Uma de nossas obrigações, como cidadãos
  • 26. 3. A sujeição às autoridades. Colocando no poder pessoas sem integridade e sem temor de Deus. “Quando os justos se engrandecem, o povo se alegra, mas, quando o ímpio domina, o povo suspira” (Pv 29.2). Nós mesmos seremos atingidos.
  • 27. 3. A sujeição às autoridades. Maior submissão à Deus. Somos cidadãos dos céus.
  • 28. 3. A sujeição às autoridades. “Mais importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5.29). Obedecer á Deus X Submeter-nos a leis injustas Vale o que disse o apóstolo Pedro, quando instado a não mais falar de Jesus.
  • 29. II DANIEL, EXEMPLO DE SERVO NO EXÍLIO www.ebdemfoco.com
  • 31. 1. Daniel. Jovem hebreu Levado à Babilônia Jerusalém foi sitiada por Nabucodonosor (Dn 1.1). Foi levado cativo à Babilônia para ser treinado na língua e na cultura dos caldeus. Seu traslado tinha como objetivo forçá-lo a portar-se como nobre de outra cultura.
  • 32. 1. Daniel. Os moços a serem levados para a Babilônia deveriam ser “dos filhos de Israel, e da linhagem real, e dos nobres, jovens em quem não houvesse defeito algum, formosos de aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e sábios em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para viver no palácio do rei, a fim de que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus”. Conforme Daniel 1.3,4.
  • 33. 1. Daniel. Características eram bem específicas e inerentes à vida política SABEDORIA Saber viver no palácio com INTELIGÊNCIA
  • 34. 2. Daniel, o profeta. www.ebdemfoco.com
  • 35. 2. Daniel, o profeta. Daniel se destaca Atividade Profética ESCRITURAS SAGRADAS Esse servo de Deus passou por três imperadores, e se manteve íntegro em seu trabalho político.
  • 36. 2. Daniel, o profeta. Daniel se destaca Atividade Profética ESCRITURAS SAGRADAS Esse servo de Deus passou por três imperadores, e se manteve íntegro em seu trabalho político.
  • 37. 2. Daniel, o profeta. Sua vida de graça e seu exemplo nos mostra que é possível Ser um homem ou mulher de Deus No mundo político.
  • 38. “Portanto, ó rei, aceita o meu conselho e desfaze os teus pecados pela justiça e as tuas iniquidades, usando de misericórdia para com os pobres, e talvez se prolongue a tua tranquilidade” (Dn 4.27). Como homem de Deus, advertiu a Nabucodonosor a que agisse de forma correta em seu reino antes de o monarca pagar um alto preço por sua arrogância. 2. Daniel, o profeta.
  • 39. 3. Daniel, o homem público. www.ebdemfoco.com
  • 40. 3. Daniel, o homem público. Daniel não foi somente um profeta Ele foi um homem público conhecido por sua integridade. Pela sua formação, estava apto a atuar na esfera governamental.
  • 41. 3. Daniel, o homem público. Pelo caráter como homem de Deus, foi um exemplo: Não se furtou a ser usado por Deus para repreender e advertir governantes ímpios. Ele foi um homem público conhecido por sua integridade. Pela sua formação, estava apto a atuar na esfera governamental.
  • 42. 3. Daniel, o homem público. Rei Dario tinha a intenção de torná-lo um funcionário público de maior destaque ainda (Dn 6.1-3). “Então, os príncipes e os presidentes procuravam achar ocasião contra Daniel a respeito do reino; mas não podiam achar ocasião ou culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum vício nem culpa. Então, estes homens disseram: Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (Dn 6.4,5).
  • 43. 3. Daniel, o homem público. Integridade Espiritual Integridade Moral Daniel era um homem de comprovada
  • 44. 3. Daniel, o homem público. Livra Daniel na cova dos leões, pune seus adversários. Concede ao seu servo mais tempo para dar testemunho do Deus de Israel em terra estrangeira. Revela ao profeta muitas coisas que haveriam de ocorrer no fim dos tempos.
  • 47. 1. José. José era filho de Jacó e bisneto de Abraão. Criado em uma família com vários filhos de várias mulheres, José foi educado como o preferido de seu pai (Gn 37.3).
  • 48. 1. José. Após ter sonhado duas vezes que, um dia, estaria em posição de autoridade. Seus irmãos o venderam como escravo e fizeram de sua vida uma sucessão de tormentos (Gn 37.1-36).
  • 49. 1. José. José foi presidiário No Egito José foi escravo
  • 50. 1. José. Quanto na prisão Deus era com José (Gn 39.2,21). Tanto na casa de Potifar, como escravo
  • 51. 1. José. Do cárcere Exaltou José, levando-o à presença de Faraó. Foi colocado como o segundo homem no comando do Egito.
  • 52. 2. José, líder no Egito. www.ebdemfoco.com
  • 53. 2. José, líder no Egito. Após chegar a uma posição de destaque, José teve de lidar com a política egípcia para colocar seus projetos em voga. Conseguiu estocar alimentos para os períodos de fome na terra (Gn 41.48,49). Comprou terras para Faraó, e orientou a divisão de víveres para os habitantes do Egito e àqueles que, para lá, iam para comprar alimentos.
  • 55. 3. José, o governador. Como a fome naqueles dias se tornou impiedosa, os irmãos de José foram ao Egito adquirir alimentos, e se depararam com José, sem o saber. Eles chegaram a dizer, em outras palavras, que José estava morto: “[...] Nós, teus servos, somos doze irmãos, filhos de um varão da terra de Canaã; e eis que o mais novo está com nosso pai, hoje; mas um já não existe” (Gn 42.13). José poderia usar de suas prerrogativas políticas para castigar seus irmãos pelo mal que lhe fizeram.
  • 56. 3. José, o governador. Como a fome naqueles dias se tornou impiedosa, os irmãos de José foram ao Egito adquirir alimentos, e se depararam com José, sem o saber. Eles chegaram a dizer, em outras palavras, que José estava morto: “[...] Nós, teus servos, somos doze irmãos, filhos de um varão da terra de Canaã; e eis que o mais novo está com nosso pai, hoje; mas um já não existe” (Gn 42.13).
  • 57. 3. José, o governador. Depois José se deu a conhecer a eles. Trouxe-os para serem preservados no Egito. E reencontrou seu pai, Jacó.
  • 58. 3. José, o governador. “Então, José aprontou o seu carro e subiu ao encontro de Israel, seu pai, a Gósen. E, mostrando-se-lhe, lançou-se ao seu pescoço e chorou sobre o seu pescoço, longo tempo” (Gn 46.29). “E Israel disse a José: Morra eu agora, pois já tenho visto o teu rosto, que ainda vives” (Gn 46.30).
  • 59. 3. José, o governador. José profetizou: “Certamente, vos visitará Deus, e fareis transportar os meus ossos daqui” (Gn 50.25). José perdoou seus irmãos, se fez conhecer.
  • 60. 3. José, o governador. Mesmo podendo se utilizar do poder que tinha nas mãos, punindo seus próprios irmãos por tudo o que fizeram, José preferiu lembrar das promessas feitas a Abraão, e rogou pelos filhos de Israel sobre a terra que Deus lhes daria.
  • 62. É possível a uma pessoa, em posição de autoridade no mundo político, ser íntegra e trabalhar pelo bem do povo. E, como cristãos, devemos orar por tais pessoas, para que exerçam com sabedoria a vocação para a qual foram chamadas. CONCLUSÃO
  • 63. Vantagens do slide em PowerPoint:  Você pode editar;  Tem muitas animações;  É mais interativo. Baixe em Power Point www.ebdemfoco.com/slide
  • 64. 1. Quais são os deveres das autoridades? Autoridades existem para trazer ordem para a sociedade. As autoridades precisam também zelar pelo bem-estar de todos. 2. Faça um resumo do nosso sistema político. Em nosso sistema político o Estado é dirigido por governantes e legisladores eleitos pelo povo. 3. É nosso dever orar pelas autoridades? Justifique a resposta com um texto bíblico. Sim. A Palavra de Deus recomenda que “antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade” (1Tm 2.1-4). 4. A sujeição as autoridades é um dever bíblico? Sim. A sujeição às autoridades é um mandamento bíblico (Rm 13.1). Deus nos ordena que respeitemos as autoridades constituídas. 5. Cite exemplos de servos que exerceram um papel político. Moisés, Daniel e José. PERGUNTAS
  • 65. Fique por dentro do conteúdo da Escola Bíblica Dominical. Acesse o site: www.ebdemfoco.com