SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
O Relacionamento do Cristão com o Estado e
com os Superiores
Alegria, Crescimento e
Firmeza nas Cartas de
Pedro.
A RAZÃO DA NOSSA
ESPERANÇA
3º Trimestre
Ano 2019
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e
Firmados na Verdade
Lição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da Salvação
Lição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com
os Superiores
Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em Família
Lição 6 - A Razão da Nossa Esperança
Lição 7 - Alegria em Meio à Dor
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao
Crescimento Espiritual
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos Ensinos
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
CONSCIENTIZAR de que a conduta
exemplar do cristão requer a
abstinência das paixões carnais;
CONHECER a maneira adequada
de se relacionar com o Estado e
com as autoridades constituídas;
MOSTRAR o padrão bíblico do
relacionamento do crente com
os seus superiores.
1 Pedro 2.11-23
11 - Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos
abstenhais das concupiscências carnais, que combatem contra a
alma,
12 - tendo o vosso viver honesto entre os gentios, para que,
naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores,
glorifiquem a Deus no Dia da visitação, pelas boas obras que em
vós observem.
13 - Sujeitai-vos, pois, a toda ordenação humana por amor do
Senhor; quer ao rei, como superior;
14 - quer aos governadores, como por ele enviados para castigo
dos malfeitores e para louvor dos que fazem o bem.
15 - Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo o bem,
tapeis a boca à ignorância dos homens loucos;
16 - como livres e não tendo a liberdade por cobertura da malícia,
mas como servos de Deus.
1 Pedro 2.11-23
17 - Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai o
rei.
18 - Vós, servos, sujeitai-vos com todo o temor ao senhor, não
somente ao bom e humano, mas também ao mau;
19 - porque é coisa agradável que alguém, por causa da consciência
para com Deus, sofra agravos, padecendo injustamente.
20 - Porque que glória será essa, se, pecando, sois esbofeteados e
sofreis? Mas, se fazendo o bem, sois afligidos e o sofreis, isso é
agradável a Deus.
21 - Porque para isto sois chamados, pois também Cristo padeceu
por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas,
22 - o qual não cometeu pecado, nem na sua boca se achou
engano,
23 - o qual, quando o injuriavam, não injuriava e, quando padecia,
não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente,
"Sujeitai-vos, pois, a toda
ordenação humana por amor
do Senhor; quer ao rei, como
superior; quer aos governadores,
como por ele enviados para
castigo dos malfeitores e para
louvor dos que fazem o bem."
(1 Pedro 2.13,14)
As Escrituras ensinam que o
cristão deve se submeter às
autoridades constituídas,
porque toda autoridade
provém de Deus, com o
propósito de punir o mal e
beneficiar a vida em
sociedade.
Nesta seção de sua carta, Pedro passa a tratar
sobre deveres e responsabilidades sociais.
Nitidamente, a epístola petrina demonstra a dupla
cidadania dos discípulos de Cristo:
Cidadania Celestial Cidadania Terrena
Onde somos
chamados de
Peregrinos e
forasteiros
Onde Pedro conclama os
crentes a se submeterem
livremente a todas as
autoridades legítimas
(Governo humano)
1 – Abstendo-se das paixões carnais.
I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos
Como cidadãos celestiais... cidadãos de uma pátria
distante, os crentes precisam abster-se das paixões
carnais que guerreiam contra a alma.
Amados, peço-vos, como a peregrinos e
forasteiros, que vos abstenhais das
concupiscências carnais, que combatem
contra a alma, (1 Pedro 2.11)
se afastem dos desejos pecaminosos.
1 – Abstendo-se das paixões carnais.
I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos
Não obstante,
isso não significa
que tais desejos
sejam
absolutamente
incontroláveis
....
Somos inclinados a cumprir os desejos da nossa
velha natureza, conforme Paulo descreve em
Romanos 7.15-25.
Carne Espírito
1 – Abstendo-se das paixões carnais.
I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos
Por causa da sua natureza pecadora, o homem se
encontra numa luta interna da carne contra o
Espírito (Gl 5.17).
Somente com a
ajuda do Santo
Espírito o crente
é capaz de
vencer essa
guerra interna.
Espírito Carne
2 – Abstinência cristã.
I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos
A abstinência é uma virtude cristã.
Uma vez exercitada, ela leva o cristão a abdicar não
somente do consumos de bebidas alcoólicas e de
substâncias entorpecentes,
mas de toda
atividade que
provoque algum
tipo de
dependência.
2 – Abstinência cristã.
I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos
Numa era caracterizada pela sensualidade e por
vários tipos de compulsão,
saber se privar de
algumas condutas
e práticas é crucial
para que
tenhamos uma
vida de acordo
com a vontade do
Senhor.
2 – Abstinência cristã.
I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos
Recomendado pelas Escrituras, o jejum é um
importante hábito de abstinência (Mc 9.29; At 10.30).
O jejum é
disciplina
espiritual sadia,
pela qual nos
concentramos
nas coisas
espirituais
3 – Exemplos de conduta.
I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos
Pedro pede os cristãos a manterem uma conduta
exemplar no meio dos descrentes (1 Pedro 2.12).
Ações valem mais que
palavras, e do
verdadeiro cristão
espera-se que seja
exemplo em tudo
(1 Tm 4.12) e em todos os
ambientes da sociedade.
Não deixe que pequenas derrotas contra a
carne façam você perder o foco de toda a
batalha espiritual.
Apesar de negligenciado por alguns
crentes e desconhecido por outros, o
jejum é disciplina espiritual sadia,
pela qual nos concentramos nas
coisas espirituais em
detrimento da
vontade do nosso
corpo físico.
1 – Submissão às autoridades.
II – O Cristão e o Estado
Uma importante maneira de o cristão ser exemplo é
submetendo-se às autoridades constituídas.
Pedro igualmente enfatiza que toda autoridade foi
estabelecida por Deus (1 pedro 2.13,14).
2 – Obediência ao Estado.
II – O Cristão e o Estado
A Igreja submete-se à autoridade e às leis
emanadas do Estado.
É incompatível
com a fé cristã
uma conduta de
rebeldia,
revolução e
desrespeito à
ordem pública.
2 – Obediência ao Estado.
II – O Cristão e o Estado
Todavia, a obediência ao Estado não é cega e sem
limites. A única autoridade absoluta é Deus.
Se o governo
confrontar os
princípios morais e
espirituais contidos
nas Escrituras,
obedeça mais a
Deus que aos
homens (At 5.27-29).
3 – Liberdade do Cristão.
II – O Cristão e o Estado
Ainda que sejamos livres,
nem tudo nos convém
(1 Co 10.23).
Ao se submeter à autoridade do Estado,
o cristão não o faz na condição de escravo,
mas de pessoa livre.
1 – A submissão aos senhores.
III – O Cristão e os seus Superiores
o conselho era para
que eles se
portassem com
respeito aos seus
superiores, tanto
em relação aos
bons quanto aos
maus.
Havia muitos cristãos escravos, em 1 Pedro 2.18, o
apóstolo trata dos relacionamentos privados.
1 – A submissão aos senhores.
III – O Cristão e os seus Superiores
mas somente o
cristão, por amor a
Cristo, é capaz de
respeitar alguém
perverso e ímpio.
Qualquer pessoa pode obedecer a um superior
justo e humano,
1 – A submissão aos senhores.
III – O Cristão e os seus Superiores
O empregado cristão deve submeter-se ao
seu patrão ou chefe principalmente porque
teme e ama a Deus (Ef 6.5)
Hoje, os trabalhadores possuem uma série de
direitos trabalhistas assegurados.
2 – Seguindo os passos de Jesus.
III – O Cristão e os seus Superiores
A lógica do seu
Reino é diferente
da dos homens,
mas vale a pena
trilhar os passos
do Mestre!
(Mt 5.44)
Jesus sujeitou-se e não revidou ou ameaçou seus
algozes (carrascos, pessoas cruéis, torturadores).
3 – A crise de autoridade.
III – O Cristão e os seus Superiores
Uma
característica
nociva da
pós-modernidade
é exatamente a
perda da noção
de autoridade.
Vivemos um tempo de verdadeira crise de
valores e referenciais.
3 – A crise de autoridade.
III – O Cristão e os seus Superiores
 alunos que não respeitam professores,
 filhos que se insurgem contra os pais,
 jovens que confrontam diretamente os mais velhos.
O que está acontecendo ?
É marca indelével do verdadeiro cristão o exercício
da boa cidadania.
O crente honra a Deus respeitando as leis do
governo civil e contribuindo para o bem comum.
Os seguidores de Cristo tem a incumbência
de agirem como sal da terra e luz do mundo,
como uma religião verdadeiramente profética
na esfera pública.
Por que a abstinência pode ser considerada
uma virtude?
Porque, uma vez exercitada, ela leva o cristão a
abdicar não somente do consumo de bebidas
alcoólicas e de substâncias entorpecentes, mas de
toda atividade que provoque algum tipo de
dependência.
Segundo a lição, o que é o Estado?
É o povo organizado política e juridicamente, que
exerce sua soberania dentro de um território.
Qual a postura do cristão se o governo
confrontar os princípios morais e espirituais
contidos nas Escrituras?
Deve se preocupar em obedecer mais a Deus que
aos homens (At 5.27-29).
De que modo o cristão não pode usar a
liberdade?
Não pode ser utilizada como pretexto para a
prática de atos maliciosos.
Na sua opinião, qual o maior desafio do
relacionamento do cristão com o Estado,
hoje?
Resposta pessoal.
Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida
Cristã em Família
Deus Abençoe !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 4 - A Mordomia da Família
Lição 4 - A Mordomia da FamíliaLição 4 - A Mordomia da Família
Lição 4 - A Mordomia da FamíliaÉder Tomé
 
Lição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
Lição 11 - A Mordomia das Obras de MisericórdiaLição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
Lição 11 - A Mordomia das Obras de MisericórdiaÉder Tomé
 
Lição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da Salvação
Lição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da SalvaçãoLição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da Salvação
Lição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da SalvaçãoÉder Tomé
 
Lição 3 - A Mordomia da Alma e do Espírito
Lição 3 - A Mordomia da Alma e do EspíritoLição 3 - A Mordomia da Alma e do Espírito
Lição 3 - A Mordomia da Alma e do EspíritoÉder Tomé
 
Lição 6 - A Razão da Nossa Esperança
Lição 6 - A Razão da Nossa EsperançaLição 6 - A Razão da Nossa Esperança
Lição 6 - A Razão da Nossa EsperançaÉder Tomé
 
Lição 7 - Alegria em Meio à Dor
Lição 7 - Alegria em Meio à DorLição 7 - Alegria em Meio à Dor
Lição 7 - Alegria em Meio à DorÉder Tomé
 
Lição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Lição 3 - Vivendo em Santidade e IntegridadeLição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Lição 3 - Vivendo em Santidade e IntegridadeÉder Tomé
 
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas HeresiasLição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas HeresiasÉder Tomé
 
Lição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do CorpoLição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do CorpoÉder Tomé
 
Lição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do TempoLição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do TempoÉder Tomé
 
Lição 13 - Seja um Mordomo Fiel
Lição 13 - Seja um Mordomo FielLição 13 - Seja um Mordomo Fiel
Lição 13 - Seja um Mordomo FielÉder Tomé
 
Lição 4 - A Mordomia da Família
Lição 4 - A Mordomia da FamíliaLição 4 - A Mordomia da Família
Lição 4 - A Mordomia da FamíliaMarina de Morais
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasÉder Tomé
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeÉder Tomé
 
Lição 6 - A Mordomia da Adoração
Lição 6 - A Mordomia da AdoraçãoLição 6 - A Mordomia da Adoração
Lição 6 - A Mordomia da AdoraçãoÉder Tomé
 
Lição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igrejaLição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igrejaMarina de Morais
 
Lição 8 - O Dever de Orar Sempre
Lição 8 - O Dever de Orar SempreLição 8 - O Dever de Orar Sempre
Lição 8 - O Dever de Orar SempreÉder Tomé
 
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaLição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaÉder Tomé
 
Lição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos Ensinos
Lição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos EnsinosLição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos Ensinos
Lição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos EnsinosÉder Tomé
 
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua MenteLição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua MenteÉder Tomé
 

Mais procurados (20)

Lição 4 - A Mordomia da Família
Lição 4 - A Mordomia da FamíliaLição 4 - A Mordomia da Família
Lição 4 - A Mordomia da Família
 
Lição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
Lição 11 - A Mordomia das Obras de MisericórdiaLição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
Lição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
 
Lição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da Salvação
Lição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da SalvaçãoLição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da Salvação
Lição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da Salvação
 
Lição 3 - A Mordomia da Alma e do Espírito
Lição 3 - A Mordomia da Alma e do EspíritoLição 3 - A Mordomia da Alma e do Espírito
Lição 3 - A Mordomia da Alma e do Espírito
 
Lição 6 - A Razão da Nossa Esperança
Lição 6 - A Razão da Nossa EsperançaLição 6 - A Razão da Nossa Esperança
Lição 6 - A Razão da Nossa Esperança
 
Lição 7 - Alegria em Meio à Dor
Lição 7 - Alegria em Meio à DorLição 7 - Alegria em Meio à Dor
Lição 7 - Alegria em Meio à Dor
 
Lição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Lição 3 - Vivendo em Santidade e IntegridadeLição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Lição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
 
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas HeresiasLição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
 
Lição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do CorpoLição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do Corpo
 
Lição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do TempoLição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do Tempo
 
Lição 13 - Seja um Mordomo Fiel
Lição 13 - Seja um Mordomo FielLição 13 - Seja um Mordomo Fiel
Lição 13 - Seja um Mordomo Fiel
 
Lição 4 - A Mordomia da Família
Lição 4 - A Mordomia da FamíliaLição 4 - A Mordomia da Família
Lição 4 - A Mordomia da Família
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
 
Lição 6 - A Mordomia da Adoração
Lição 6 - A Mordomia da AdoraçãoLição 6 - A Mordomia da Adoração
Lição 6 - A Mordomia da Adoração
 
Lição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igrejaLição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igreja
 
Lição 8 - O Dever de Orar Sempre
Lição 8 - O Dever de Orar SempreLição 8 - O Dever de Orar Sempre
Lição 8 - O Dever de Orar Sempre
 
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaLição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
 
Lição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos Ensinos
Lição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos EnsinosLição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos Ensinos
Lição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos Ensinos
 
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua MenteLição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
 

Semelhante a Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores

Lição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na SociedadeLição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na SociedadeÉder Tomé
 
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituaisLBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituaisNatalino das Neves Neves
 
Lição 10 O jovem e a consagração
Lição 10 O jovem e a consagraçãoLição 10 O jovem e a consagração
Lição 10 O jovem e a consagraçãoboasnovassena
 
Lição 12 - Ética Cristã e Política
Lição 12 - Ética Cristã e PolíticaLição 12 - Ética Cristã e Política
Lição 12 - Ética Cristã e PolíticaHamilton Souza
 
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Lição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituaisLição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituaisantonio vieira
 
Lição 11 - A Tolerância Cristã
Lição 11 - A Tolerância CristãLição 11 - A Tolerância Cristã
Lição 11 - A Tolerância CristãAndrew Guimarães
 
Lição 1- O que É Ética Cristã
Lição 1- O que É Ética Cristã Lição 1- O que É Ética Cristã
Lição 1- O que É Ética Cristã Hamilton Souza
 
Lição 7 - Likes e Dislikes
Lição 7 - Likes e DislikesLição 7 - Likes e Dislikes
Lição 7 - Likes e DislikesÉder Tomé
 
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem aos crsitãos protestantes
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem  aos crsitãos protestantesENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem  aos crsitãos protestantes
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem aos crsitãos protestantescassio franca
 
ÉTica cristã slides aula 3
ÉTica cristã   slides aula 3ÉTica cristã   slides aula 3
ÉTica cristã slides aula 3Jose Ventura
 
A Corrupção dos Últimos Dias - Lição 9 - 3º Trimestre de 2015
A Corrupção dos Últimos Dias - Lição 9 - 3º Trimestre de 2015A Corrupção dos Últimos Dias - Lição 9 - 3º Trimestre de 2015
A Corrupção dos Últimos Dias - Lição 9 - 3º Trimestre de 2015Pr. Andre Luiz
 
O cristão e a política (Revista Evangélica)
O cristão e a política (Revista Evangélica)O cristão e a política (Revista Evangélica)
O cristão e a política (Revista Evangélica)Carlos Silva
 
Dez ideais de Deus para os seus filhos
Dez ideais de Deus para os seus filhosDez ideais de Deus para os seus filhos
Dez ideais de Deus para os seus filhosJUERP
 
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS Ismael Isidio
 
O CRISTÃO COMO IGREJA E A POLITICA
O CRISTÃO COMO IGREJA E A POLITICAO CRISTÃO COMO IGREJA E A POLITICA
O CRISTÃO COMO IGREJA E A POLITICAMINISTERIO IPCA.
 
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOASNatalino das Neves Neves
 

Semelhante a Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores (20)

Lição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na SociedadeLição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
Lição 8 - A Igreja e sua Influência na Sociedade
 
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituaisLBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
 
Lição 10 O jovem e a consagração
Lição 10 O jovem e a consagraçãoLição 10 O jovem e a consagração
Lição 10 O jovem e a consagração
 
Lição 12 - Ética Cristã e Política
Lição 12 - Ética Cristã e PolíticaLição 12 - Ética Cristã e Política
Lição 12 - Ética Cristã e Política
 
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.
Ebd lições bíblicas 2°trimestre 2016 aula 10 Deveres civis,morais e Espirituais.
 
07ago2016 timoteo
07ago2016 timoteo07ago2016 timoteo
07ago2016 timoteo
 
04 2 t17
04 2 t1704 2 t17
04 2 t17
 
Lição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituaisLição 10 deveres civis morais e espirituais
Lição 10 deveres civis morais e espirituais
 
Lição 11 - A Tolerância Cristã
Lição 11 - A Tolerância CristãLição 11 - A Tolerância Cristã
Lição 11 - A Tolerância Cristã
 
Lição 1- O que É Ética Cristã
Lição 1- O que É Ética Cristã Lição 1- O que É Ética Cristã
Lição 1- O que É Ética Cristã
 
Lição 7 - Likes e Dislikes
Lição 7 - Likes e DislikesLição 7 - Likes e Dislikes
Lição 7 - Likes e Dislikes
 
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem aos crsitãos protestantes
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem  aos crsitãos protestantesENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem  aos crsitãos protestantes
ENSINANDO VALORES CRISTÃOS esees valores correspondem aos crsitãos protestantes
 
ÉTica cristã slides aula 3
ÉTica cristã   slides aula 3ÉTica cristã   slides aula 3
ÉTica cristã slides aula 3
 
A Corrupção dos Últimos Dias - Lição 9 - 3º Trimestre de 2015
A Corrupção dos Últimos Dias - Lição 9 - 3º Trimestre de 2015A Corrupção dos Últimos Dias - Lição 9 - 3º Trimestre de 2015
A Corrupção dos Últimos Dias - Lição 9 - 3º Trimestre de 2015
 
O cristão e a política (Revista Evangélica)
O cristão e a política (Revista Evangélica)O cristão e a política (Revista Evangélica)
O cristão e a política (Revista Evangélica)
 
Dez ideais de Deus para os seus filhos
Dez ideais de Deus para os seus filhosDez ideais de Deus para os seus filhos
Dez ideais de Deus para os seus filhos
 
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
 
O CRISTÃO COMO IGREJA E A POLITICA
O CRISTÃO COMO IGREJA E A POLITICAO CRISTÃO COMO IGREJA E A POLITICA
O CRISTÃO COMO IGREJA E A POLITICA
 
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
 

Mais de Éder Tomé

Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)
Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)
Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)Éder Tomé
 
Lição 4 - Dons de Poder
Lição 4 - Dons de Poder Lição 4 - Dons de Poder
Lição 4 - Dons de Poder Éder Tomé
 
Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)
Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)
Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)Éder Tomé
 
Lição 3 - O Deus Criador
Lição 3 - O Deus CriadorLição 3 - O Deus Criador
Lição 3 - O Deus CriadorÉder Tomé
 
Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)
Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)
Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)Éder Tomé
 
Lição 3 - Dons de Revelação
Lição 3 - Dons de RevelaçãoLição 3 - Dons de Revelação
Lição 3 - Dons de RevelaçãoÉder Tomé
 
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)Éder Tomé
 
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de DeusLição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de DeusÉder Tomé
 
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)Éder Tomé
 
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons EspirituaisLição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons EspirituaisÉder Tomé
 
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)Éder Tomé
 
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade
Lição 1 - Deus se revelou à humanidadeLição 1 - Deus se revelou à humanidade
Lição 1 - Deus se revelou à humanidadeÉder Tomé
 
Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)
Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)
Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)Éder Tomé
 
Lição 1 - E deu Dons aos Homens
Lição 1 - E deu Dons aos HomensLição 1 - E deu Dons aos Homens
Lição 1 - E deu Dons aos HomensÉder Tomé
 
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)Éder Tomé
 
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita EsperançaLição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita EsperançaÉder Tomé
 
Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)
Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)
Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)Éder Tomé
 
Lição 13 - Uma serva de coragem
Lição 13 - Uma serva de coragemLição 13 - Uma serva de coragem
Lição 13 - Uma serva de coragemÉder Tomé
 
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)Éder Tomé
 
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de DeusLição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de DeusÉder Tomé
 

Mais de Éder Tomé (20)

Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)
Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)
Lição 4 - Dons de Poder (Windscreen)
 
Lição 4 - Dons de Poder
Lição 4 - Dons de Poder Lição 4 - Dons de Poder
Lição 4 - Dons de Poder
 
Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)
Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)
Lição 3 - O Deus Criador (Windscreen)
 
Lição 3 - O Deus Criador
Lição 3 - O Deus CriadorLição 3 - O Deus Criador
Lição 3 - O Deus Criador
 
Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)
Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)
Lição 3 - Dons de Revelação (windscreen)
 
Lição 3 - Dons de Revelação
Lição 3 - Dons de RevelaçãoLição 3 - Dons de Revelação
Lição 3 - Dons de Revelação
 
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus (Windscreen)
 
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de DeusLição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus
Lição 2 - Conhecendo os Atributos de Deus
 
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais (Windscreen)
 
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons EspirituaisLição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
Lição 2 - O Propósito dos Dons Espirituais
 
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade (windscreen)
 
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade
Lição 1 - Deus se revelou à humanidadeLição 1 - Deus se revelou à humanidade
Lição 1 - Deus se revelou à humanidade
 
Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)
Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)
Lição 1 - E deu Dons aos Homens (windscreen)
 
Lição 1 - E deu Dons aos Homens
Lição 1 - E deu Dons aos HomensLição 1 - E deu Dons aos Homens
Lição 1 - E deu Dons aos Homens
 
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança (windscreen)
 
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita EsperançaLição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
 
Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)
Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)
Lição 13 - Uma serva de coragem (windscreen)
 
Lição 13 - Uma serva de coragem
Lição 13 - Uma serva de coragemLição 13 - Uma serva de coragem
Lição 13 - Uma serva de coragem
 
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus (windscreen)
 
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de DeusLição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus
Lição 12 - Testemunhando a grandeza de Deus
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaRicardo Azevedo
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptxFabianoHaider1
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 

Último (8)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 

Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores

  • 1. O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
  • 2. Alegria, Crescimento e Firmeza nas Cartas de Pedro. A RAZÃO DA NOSSA ESPERANÇA 3º Trimestre Ano 2019
  • 3. Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade Lição 2 - Desfrutando a Alegria na Esperança da Salvação Lição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em Família Lição 6 - A Razão da Nossa Esperança Lição 7 - Alegria em Meio à Dor Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias Lição 12 - A Impiedade Decorrente dos Falsos Ensinos Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
  • 4. CONSCIENTIZAR de que a conduta exemplar do cristão requer a abstinência das paixões carnais; CONHECER a maneira adequada de se relacionar com o Estado e com as autoridades constituídas; MOSTRAR o padrão bíblico do relacionamento do crente com os seus superiores.
  • 5. 1 Pedro 2.11-23 11 - Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais, que combatem contra a alma, 12 - tendo o vosso viver honesto entre os gentios, para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, glorifiquem a Deus no Dia da visitação, pelas boas obras que em vós observem. 13 - Sujeitai-vos, pois, a toda ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei, como superior; 14 - quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores e para louvor dos que fazem o bem. 15 - Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo o bem, tapeis a boca à ignorância dos homens loucos; 16 - como livres e não tendo a liberdade por cobertura da malícia, mas como servos de Deus.
  • 6. 1 Pedro 2.11-23 17 - Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai o rei. 18 - Vós, servos, sujeitai-vos com todo o temor ao senhor, não somente ao bom e humano, mas também ao mau; 19 - porque é coisa agradável que alguém, por causa da consciência para com Deus, sofra agravos, padecendo injustamente. 20 - Porque que glória será essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis? Mas, se fazendo o bem, sois afligidos e o sofreis, isso é agradável a Deus. 21 - Porque para isto sois chamados, pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas, 22 - o qual não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano, 23 - o qual, quando o injuriavam, não injuriava e, quando padecia, não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente,
  • 7. "Sujeitai-vos, pois, a toda ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei, como superior; quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores e para louvor dos que fazem o bem." (1 Pedro 2.13,14)
  • 8. As Escrituras ensinam que o cristão deve se submeter às autoridades constituídas, porque toda autoridade provém de Deus, com o propósito de punir o mal e beneficiar a vida em sociedade.
  • 9. Nesta seção de sua carta, Pedro passa a tratar sobre deveres e responsabilidades sociais. Nitidamente, a epístola petrina demonstra a dupla cidadania dos discípulos de Cristo: Cidadania Celestial Cidadania Terrena Onde somos chamados de Peregrinos e forasteiros Onde Pedro conclama os crentes a se submeterem livremente a todas as autoridades legítimas (Governo humano)
  • 10. 1 – Abstendo-se das paixões carnais. I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos Como cidadãos celestiais... cidadãos de uma pátria distante, os crentes precisam abster-se das paixões carnais que guerreiam contra a alma. Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais, que combatem contra a alma, (1 Pedro 2.11) se afastem dos desejos pecaminosos.
  • 11. 1 – Abstendo-se das paixões carnais. I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos Não obstante, isso não significa que tais desejos sejam absolutamente incontroláveis .... Somos inclinados a cumprir os desejos da nossa velha natureza, conforme Paulo descreve em Romanos 7.15-25. Carne Espírito
  • 12. 1 – Abstendo-se das paixões carnais. I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos Por causa da sua natureza pecadora, o homem se encontra numa luta interna da carne contra o Espírito (Gl 5.17). Somente com a ajuda do Santo Espírito o crente é capaz de vencer essa guerra interna. Espírito Carne
  • 13. 2 – Abstinência cristã. I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos A abstinência é uma virtude cristã. Uma vez exercitada, ela leva o cristão a abdicar não somente do consumos de bebidas alcoólicas e de substâncias entorpecentes, mas de toda atividade que provoque algum tipo de dependência.
  • 14. 2 – Abstinência cristã. I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos Numa era caracterizada pela sensualidade e por vários tipos de compulsão, saber se privar de algumas condutas e práticas é crucial para que tenhamos uma vida de acordo com a vontade do Senhor.
  • 15. 2 – Abstinência cristã. I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos Recomendado pelas Escrituras, o jejum é um importante hábito de abstinência (Mc 9.29; At 10.30). O jejum é disciplina espiritual sadia, pela qual nos concentramos nas coisas espirituais
  • 16. 3 – Exemplos de conduta. I – A Conduta Exemplar dos Peregrinos Pedro pede os cristãos a manterem uma conduta exemplar no meio dos descrentes (1 Pedro 2.12). Ações valem mais que palavras, e do verdadeiro cristão espera-se que seja exemplo em tudo (1 Tm 4.12) e em todos os ambientes da sociedade.
  • 17. Não deixe que pequenas derrotas contra a carne façam você perder o foco de toda a batalha espiritual.
  • 18. Apesar de negligenciado por alguns crentes e desconhecido por outros, o jejum é disciplina espiritual sadia, pela qual nos concentramos nas coisas espirituais em detrimento da vontade do nosso corpo físico.
  • 19. 1 – Submissão às autoridades. II – O Cristão e o Estado Uma importante maneira de o cristão ser exemplo é submetendo-se às autoridades constituídas. Pedro igualmente enfatiza que toda autoridade foi estabelecida por Deus (1 pedro 2.13,14).
  • 20. 2 – Obediência ao Estado. II – O Cristão e o Estado A Igreja submete-se à autoridade e às leis emanadas do Estado. É incompatível com a fé cristã uma conduta de rebeldia, revolução e desrespeito à ordem pública.
  • 21. 2 – Obediência ao Estado. II – O Cristão e o Estado Todavia, a obediência ao Estado não é cega e sem limites. A única autoridade absoluta é Deus. Se o governo confrontar os princípios morais e espirituais contidos nas Escrituras, obedeça mais a Deus que aos homens (At 5.27-29).
  • 22. 3 – Liberdade do Cristão. II – O Cristão e o Estado Ainda que sejamos livres, nem tudo nos convém (1 Co 10.23). Ao se submeter à autoridade do Estado, o cristão não o faz na condição de escravo, mas de pessoa livre.
  • 23. 1 – A submissão aos senhores. III – O Cristão e os seus Superiores o conselho era para que eles se portassem com respeito aos seus superiores, tanto em relação aos bons quanto aos maus. Havia muitos cristãos escravos, em 1 Pedro 2.18, o apóstolo trata dos relacionamentos privados.
  • 24. 1 – A submissão aos senhores. III – O Cristão e os seus Superiores mas somente o cristão, por amor a Cristo, é capaz de respeitar alguém perverso e ímpio. Qualquer pessoa pode obedecer a um superior justo e humano,
  • 25. 1 – A submissão aos senhores. III – O Cristão e os seus Superiores O empregado cristão deve submeter-se ao seu patrão ou chefe principalmente porque teme e ama a Deus (Ef 6.5) Hoje, os trabalhadores possuem uma série de direitos trabalhistas assegurados.
  • 26. 2 – Seguindo os passos de Jesus. III – O Cristão e os seus Superiores A lógica do seu Reino é diferente da dos homens, mas vale a pena trilhar os passos do Mestre! (Mt 5.44) Jesus sujeitou-se e não revidou ou ameaçou seus algozes (carrascos, pessoas cruéis, torturadores).
  • 27. 3 – A crise de autoridade. III – O Cristão e os seus Superiores Uma característica nociva da pós-modernidade é exatamente a perda da noção de autoridade. Vivemos um tempo de verdadeira crise de valores e referenciais.
  • 28. 3 – A crise de autoridade. III – O Cristão e os seus Superiores  alunos que não respeitam professores,  filhos que se insurgem contra os pais,  jovens que confrontam diretamente os mais velhos. O que está acontecendo ?
  • 29. É marca indelével do verdadeiro cristão o exercício da boa cidadania. O crente honra a Deus respeitando as leis do governo civil e contribuindo para o bem comum. Os seguidores de Cristo tem a incumbência de agirem como sal da terra e luz do mundo, como uma religião verdadeiramente profética na esfera pública.
  • 30. Por que a abstinência pode ser considerada uma virtude? Porque, uma vez exercitada, ela leva o cristão a abdicar não somente do consumo de bebidas alcoólicas e de substâncias entorpecentes, mas de toda atividade que provoque algum tipo de dependência.
  • 31. Segundo a lição, o que é o Estado? É o povo organizado política e juridicamente, que exerce sua soberania dentro de um território.
  • 32. Qual a postura do cristão se o governo confrontar os princípios morais e espirituais contidos nas Escrituras? Deve se preocupar em obedecer mais a Deus que aos homens (At 5.27-29).
  • 33. De que modo o cristão não pode usar a liberdade? Não pode ser utilizada como pretexto para a prática de atos maliciosos.
  • 34. Na sua opinião, qual o maior desafio do relacionamento do cristão com o Estado, hoje? Resposta pessoal.
  • 35. Lição 5 - Conselhos Valiosos para a Vida Cristã em Família
  • 36.