SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
1
CARTA AOS
ROMANOS
cap. 7 ao 16
AS CARTAS DE PAULO – UM ESTUDO PANORÂMICO
3ª AULA
EBD - ESCOLA BÍBLICA DISCIPULADORA – 2022 – 2º SEMESTRE
Facilitadores: Sérgio Soares e Francisco Tudela
2
Divisão Esquemática
6.1 6.23
Justificação
produz
santificação
7.1 7.25
Lei e Graça
8.1 8.39
Certeza da
Salvação
A vida no Espírito,
após a justificação
3
Divisão Esquemática
9.1 9.33
A soberana
escolha de
Deus
10.1 10.21
Zelo e
desobediência
dos Judeus
11.1 11.36
O futuro de
Israel
Deus e Israel
4
Divisão Esquemática
12.1 12.21
O serviço na
Igreja e
outros
deveres
13.1 13.14
Deveres
políticos
14.1 14.23
A responsabilidade
pessoal
Aplicações Práticas
5
Divisão Esquemática
15.1 15.33
O plano
missionário
de Paulo
16.1 16.24
Saudações
Pessoais
16.25 16.27
Doxologia:
Louvor a Deus
6
TEOLOGIA DO PECADO HERDADO
OU SE É ESCRAVO DE SI MESMO (compulsões, vícios,...) OU SE É ESCRAVO DE CRISTO
6.18 “Vocês foram libertados do pecado e tornaram-se escravos da justiça.”
Somos todos escravos e assim permaneceremos até o fim dos tempos, só muda o
senhorio; não há como fugir da servidão, mas há como escapar do preço pago por
quem é escravo do pecado: a morte
Não significa que estamos livres do pecado, continuamos a ser tentados, mas a
LIBERDADE DO SEU DOMÍNIO está disponível A QUEM CRER EM JESUS.
6.12 ”...não permitam que o pecado continue dominando os seus corpos mortais,
fazendo que vocês obedeçam aos seus desejos.”
6.14 “Pois o pecado não os dominará, porque vocês não estão debaixo da lei, mas
debaixo da graça.”
Aceitar a proposta do evangelho é viver realizando escolhas e ações aprovadas por
Deus, que nem sempre serão as que escolheríamos segundo nossa vontade “carnal”
7
INDEPENDÊNCIA OU MORTE.
6.23 “Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida
eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.”
Salário é a remuneração devida pelos atos de um “empregado”, quem é servo do
pecado tem por salário a morte, traduzida numa péssima qualidade de vida: infeliz,
sem paz, com maus hábitos,...., separado de Deus.
Dom é presente, algo dado; há uma vida que não leva à morte descrita acima, e é
eterna; uma vida cujo senhorio é Jesus; uma vida traduzida por um comportamento
segundo o caráter de Jesus; cada um decide por si mesmo, se irá servir ao pecado e
receber seu salário, ou servir a Deus e receber o dom da vida.
7.12-14 “De fato a lei é santa*, e o mandamento é santo, justo e bom. E então, o
que é bom se tornou em morte para mim? De maneira nenhuma! Mas, para que o
pecado se mostrasse como pecado (não cumprir* a lei)...Sabemos que a lei é
espiritual; eu, contudo, não o sou, pois fui vendido como escravo ao pecado.”
O homem não crê que o pecado seja realmente o que é, daí a finalidade da lei:
mostrar o que desagrada a Deus.
Relembrando que pecado é desobedecer a Deus, fazer o que o desagrada.
Dizer que a lei é espiritual significa dizer que é perfeita porque o autor é Deus.
Sl 19.7 diz: "A lei do SENHOR é perfeita...".
* Curiosidade: Possível origem da palavra “Santa” – os povos pagãos cultuavam um
deus muito antigo, que os romanos nominaram de “Sancus”, que não permitia a
quebra de promessas e juramentos, de “Sancus” deriva “santa” que no texto de
Paulo traz a mesma conotação: a lei deve ser cumprida.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Santo#:~:text=Os%20romanos%20cultuavam%20um%20deus,gerando%20assim%20o%20termo%20santo.
Paulo, no ano 56, já tinha conhecimento de que a consciência se dividia em 3 níveis,
fato que Freud publicará no livro A Interpretação dos Sonhos, em 1900, como sendo
uma novidade: o Id, o Ego e o Superego.
A tríade do modelo psíquico no contexto paulino:
 ID – carne, mundo - é a vontade própria que busca o prazer, fugir do desconforto
e frustração. O recém-nascido possui apenas o Id.
 EGO – homem - é o que leva à ação, é o mediador entre o Id e o Superego. É o
responsável por satisfazer os desejos do ID de forma realista, pois pondera sobre
os custos e benefícios em ceder aos seus impulsos.
 SUPEREGO - Deus, Espirito - é o que Deus espera de nós (e o que a sociedade
limita segundo seus costumes, valores éticos, leis, regras... )
 NEUROSE - É o conflito Id x Superego x Ego, isto é, Carne x Espírito.
a) Há coisas que quero (Id) e não devo (Superego)
b) Há coisas que devo (Superego) mas não posso (Ego)
c) Há coisas que posso (Ego) mas não quero (Id).
SANTA ESQUIZOFRENIA (dividir em dois)
O CONFLITO: Paulo quer servir a Deus, mas cede a suas vontades e desejos.
7.15 “Não entendo o que faço (Ego). Pois não faço o que desejo (Superego), mas o
que odeio (Id).
Paulo rejeita as atitudes contrárias à lei, sabe o que é errado, seu problema é
vencer o erro.
7.20,21 “Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que
habita em mim. Assim, encontro esta lei que atua em mim: Quando quero
fazer o bem, o mal está junto a mim.”
Paulo não está fugindo à responsabilidade quando diz que é o pecado que pratica o
mal, mas reconhecendo que o pecado domina, que suplanta o que Deus espera
dele e assim realiza a sua vontade e não a de Deus.
CONCLUSÃO DESTE ASSUNTO
7.22-24 “Pois, no íntimo do meu ser tenho prazer na lei de Deus (Superego); mas
vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo, guerreando contra a lei da
minha mente, tornando-me prisioneiro da lei do pecado que atua em meus
membros (Id). Miserável homem que eu sou! Quem me libertará do corpo
sujeito a esta morte? Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor! De modo
que, com a mente (Ego), eu próprio sou escravo da lei de Deus (Superego); mas,
com a carne (Id), da lei do pecado.”
8.13,14 “Pois se vocês viverem de acordo com a carne (Id), morrerão; mas, se pelo
Espírito (Superego) fizerem morrer os atos do corpo (Ego), viverão,”
O Id cria as demandas, o Superego incorpora a moral à ação e o Ego age.
Depois de convertidos, livres da lei e da condenação do pecado, ainda vamos
enfrentar o desejo de fazer o mal, que vem da nossa inclinação natural para o
pecado e fazer o bem, que vem do espírito de Deus que habita em nós.
O pecado é uma força poderosa e dela “Quem me libertará?”
12
8.10 “Mas se Cristo está em vocês, o corpo está morto por causa do pecado, mas o
espírito está vivo por causa da justiça.”
A diferença entre a nova natureza e a velha está:
• Na consciência de que não há penalidade divina sobre o pecado, porém há
consequências naturais de um relacionamento rompido, que é retomado após
reconhecer o erro, se arrepender e se comprometer a não pecar mais. Lembrando
que nosso pecado afeta outras pessoas e essas consequências devemos suportar.
• Na atuação do Espírito Santo que nos guia
8.14 “porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.”
E como filhos não praticamos aquilo que desagrada o Pai.
Amamos a Deus e desagradá-lo nos entristece, daí nos arrependermos
Não nos arrependemos por Deus ser punidor e virmos a ser alvo de sua ira
13
8.11,26-29 “E, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos habita
em vocês...nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar (1),
mas o próprio Espírito intercede por nós...de acordo com a vontade de
Deus...Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles
que o amam...para serem conformes à imagem de seu Filho...(2)”
(1) A fraqueza mencionada é a nossa incapacidade para analisar situações adversas
e orar inteligentemente sobre elas. (Moody)
(2) Deus dirige a história e Sua prioridade não é a
prosperidade financeira, a fama ou a saúde, mas a
nossa semelhança com Cristo, assim, todas as coisas
cooperam para fazer com que nosso caráter, desperto
pelo ES, se pareça cada vez mais com o de Jesus.
1Ts 4.3 “A vontade de Deus é que vocês sejam
santificados...”
8.29-30 “Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para
serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o
primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, também chamou;
aos que chamou, também justificou; aos que justificou, também glorificou.”
2Pe 3.9 “O Senhor não demora em cumprir a sua promessa...não querendo que
ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento.”
A) A soberania de Deus na nossa redenção - Pr Hernandes Dias Lopes -
https://www.youtube.com/watch?v=2rvI3EPpoCo
B) Conversando com Luiz Sayão - Predestinação
10’ https://omny.fm/shows/conversando-com-luiz-sayao/predestina-o?in_playlist=conversando-com-luiz-sayao!podcast
C) DECLARAÇÃO DOUTRINÁRIA DA CONVENÇÃO BATISTA BRASIL
VI - Eleição
1. Eleição é a escolha feita por Deus, em Cristo, desde a eternidade, de pessoas para
a vida eterna, não por qualquer mérito, mas segundo a riqueza da sua graça.
Ref. Gn 12.1-3; Ex 19.5,6; Ez 36.22,23,32; 1Pe 1.2; Rm 9.22-24; 1Ts 1.4
2. Antes da criação do mundo, Deus, no exercício da sua soberania divina e à luz de
sua presciência de todas as coisas, elegeu, chamou, predestinou, justificou e
glorificou aqueles que, no correr dos tempos, aceitariam livremente o dom da
salvação. Ref. Rm 8.28-30; Ef 1.3-14; 2Ts 2.13,14
3. Ainda que baseada na soberania de Deus, essa eleição está em perfeita
consonância com o livre-arbítrio de cada um e de todos os homens.
Ref. Dt 30.15-20; Jo 15.16; Rm 8.35-39; 1Pe 5.10
4. A salvação do crente é eterna. Os salvos perseveram em Cristo e estão guardados
pelo poder de Deus. Ref. Jo 3.16,36; Jo 10.28,29; 1Jo 2.19
5. Nenhuma força ou circunstância tem poder para separar o crente do amor de
Deus em Cristo Jesus. Ref. Mt 24.13; Rm 8.35-39
6. O novo nascimento, o perdão, a justificação, a adoção como filhos de Deus, a
eleição e o dom do Espírito Santo asseguram aos salvos a permanência na graça
da salvação. Ref. Jo 10.28; Rm 8.35-39; Jd 24
http://www.convencaobatista.com.br/siteNovo/pagina.php?MEN_ID=22
9.20-22 “Mas quem é você, ó homem, para questionar a Deus? "Acaso aquilo que é
formado pode dizer ao que o formou: ‘Por que me fizeste assim? ’O oleiro
não tem direito de fazer do mesmo barro um vaso para fins nobres e outro
para uso desonroso? E se Deus ...suportou com grande paciência os vasos de
sua ira, preparados para destruição?” – Paulo citou Is 29.16; 45.9
A finalidade das ações do homem são ditadas pelo coração, se nobre será generoso,
honesto, bondoso..., se desonroso será mentiroso, egoísta, injusto...
Os “vasos de ira” são objeto da ira por não se arrependerem e Deus os suporta com
“grande paciência”, o que sugere que aguarda por seu arrependimento.
Is 32.7,8 “As artimanhas do homem sem caráter são perversas; ele inventa planos
maldosos para destruir com mentiras o pobre...Mas o homem nobre faz
planos nobres, e graças aos seus feitos nobres permanece firme.”
P. COMO DEIXAR DE SER UM VASO DESONROSO?
R. CRENDO EM JESUS E “SENDO” UM VASO NOVO, UM VASO PARA FINS NOBRES.
Essa opção é um renascer, é ser uma outra pessoa com três características:
1ª) DIRIGIRÁ A TRÍADE DO MODELO PSICOLÓGICO COM AUXÍLIO DO ES
 Sacrificar o Id - 12.1,2 “...se ofereçam em sacrifício vivo...Não se amoldem ao
padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente...”
 Prevalecer o Superego 12.2 “...experimentar e comprovar a boa, agradável e
perfeita vontade de Deus.”
2ª) TERÁ RELACIONAMENTOS PESSOAIS DIFERENCIADOS:
 Com outros Cristãos.
12.10,13, 16 “Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal... Compartilhem...
com os santos em suas necessidades. Pratiquem a hospitalidade...
estejam dispostos a associar-se a pessoas de posição inferior...”
 Com os inimigos
12.19-21 “Não retribuam a ninguém mal por mal...Façam todo o possível para viver
em paz com todos...nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a
ira...Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer...vençam o mal com o bem.”
19
3ª TERÁ UM RELACIONAMENTO TRANQUILO COM AS LIDERANÇAS
13.1 “...sujeitar-se às autoridades governamentais...”
PARTILHA 3 – PF
Se a lei do estado ultrapassa a lei de Deus, nos aspectos teológico e moral, temos
licença para desobedecer? Por exemplo, na questão da guerra, outro exemplo:.
Ex 1.17 “as parteiras temeram a Deus e não obedeceram às ordens do rei do Egito;
deixaram viver os meninos.”
Sugestão: Até o Último Homem: https://www.youtube.com/watch?v=WEA3lb-ph8w
PARTILHA 4 – PA + PD + PF
Se alguém da família (cônjuge, filho, parente), do trabalho (colega, chefe), da igreja
(irmão, líder) for “um vaso para uso desonroso”, qual será a sua reação em relação:
a) A Deus – O questionará por que faz essas coisas.
b) A sua fé – questionará como isto contribui para “o bem daqueles que O amam”.
c) A pessoa - se afastará, aceitará como ela é, tentará mudá-la, a discriminará, ...
d) Ao convívio com ela - será agressivo, contestador, mal-humorado, grosseiro...
O CRISTÃO VIVE SEM MEDO DA AUTORIDADE E PAGA OS IMPOSTOS.
13.3-7 “Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem...Mas se você
praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva
de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é
necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da
possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência. É por
isso também que vocês pagam imposto...Deem a cada um o que lhe é devido:
Se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra.
Destaque: o governo “não porta a espada sem motivo.”, isto é, não há como parar o
mal sem o uso de determinada violência, exceto pela “conversão”, fruto do ES que
age no âmago daquele que crê em Jesus.
21
14.1 “Aceitem o que é fraco na fé, sem discutir assuntos controvertidos.”
Diz respeito àquilo que na fé cristã não é necessariamente certo ou errado; há
coisas essenciais e outras secundárias; devemos aprender a conviver com elas.
Não ser escrupuloso (legalista) a respeito de tudo, por coisas não essenciais.
Paulo não declara nem deixa implícito que o “irmão fraco” está num processo
espiritual que o tornará um “irmão forte”.
A discussão não é sobre crescimento em graça, mas a prioridade do amor entre
cristãos que têm diferenças na maneira como entendem as coisas não essenciais.
A divisão dos crentes em denominações é baseada mais no tipo de personalidade,
no hábito religioso e nas experiências pessoais do que no “certo” ou “errado”.
15.7 “aceitem-se uns aos outros, da mesma forma como Cristo os aceitou...”
Assim, não se trata de querer mudar os outros crentes, mas amá-los e respeitá-los.
Quais os critérios para distinguir o essencial do secundário?
22
CRITÉRIOS PARA DISTINGUIR O ESSENCIAL DO SECUNDÁRIO
1) Se o assunto em questão muda o objetivo do viver cristão, então é essencial
14.15 “Se o seu irmão se entristece devido ao que você come, você já não está
agindo por amor...”
2) Como sua consciência reage em relação à questão?
14.22 “...Feliz é o homem que não se condena naquilo que aprova”
3) Qual o efeito dessa questão na vida dos outros? Conduz ao crescimento na fé?
14.13 “...façamos o propósito de não colocar pedra de tropeço ou obstáculo no
caminho do irmão.”
4) O que diz a Bíblia sobre esta questão?
At 17.11 “...examinando...as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo.”
14.23 “Mas aquele que tem dúvida é condenado se comer, porque não come
com fé; e tudo o que não provém da fé é pecado.”
23
Exortações finais
1. Ser crente não é apenas estudar a Bíblia, é,
também, relacionar-se com os irmãos.
15.24b “depois de ter desfrutado um pouco da
companhia de vocês.”
2. Os que causam divisões e escândalos na
Igreja não servem a Cristo, mas a si mesmos:
16.17,18 “Recomendo-lhes, irmãos, que tomem
cuidado com aqueles que causam divisões e
colocam obstáculos ao ensino que vocês têm
recebido. Afastem-se deles. Pois essas pessoas
não estão servindo a Cristo...mas a seus
próprios apetites. Mediante palavras suaves e
bajulação, enganam os corações dos ingênuos.”
9,5’ - https://www.youtube.com/watch?v=w5rkwQb3cFM
25
Lição de casa:
1. Rever o estudo de hoje
2. Ler 1 Co
3. Ou ler, no mínimo:
1Co 1.10-31; 2.1-16; 3.1-23; 5.1-
13; 11.1-34; 13.1-13; 15.1-58
BIBLIOGRAFIA
1. Bíblia NVI – Editora Vida – 2000
2. Comentário Bíblico do professor – Lawrence Richards – 3ª Ed. Vida - SP
3. Revista Compromisso - impressa pela Convicção Editora
5. Estudo Panorâmico da Bíblia –. Mears, Henrietta C.- SP: Editora Vida, 2006.
6. Comentário Bíblico Moody – Charles F Pfieffer – Ed. Batista Regular,2017
7. Comentário Bíblico Popular - MacDonald, Willian, SP, Ed. Mundo Cristão, 1ª, 2008
8. Comentário Bíblico NVI -. BRUCCE, F. F, SP, Ed. Vida, 1ª edição, 2008
9. Passo a Passo pelo AT – Wailon B & Tom H.- Ed. LifeWay Brasil – SP - 2004
10. Reflexões extraídas da World Wide Web
11. Bible Project
12. Programa ROTA 66 – Sayão, Luiz – Rádio transmundial
Esta apresentação está disponível no site: www.escolabiblicavirtual.com.br 27
Teologia Calvinista
O CALVINISMO É FUNDAMENTADO EM CINCO PONTOS PRINCIPAIS QUE SÃO:
1- Depravação total* - Todos os homens nascem totalmente depravados,
incapazes de se salvar ou de escolher o bem em questões espirituais;
2- Eleição incondicional - Deus escolheu dentre todos os seres humanos decaídos
um grande número de pecadores por pura graça, sem levar em conta qualquer
mérito, obra ou fé prevista neles;
3- Expiação limitada - Jesus Cristo morreu na cruz para pagar o preço do resgate
somente dos eleitos;
4- Graça Irresistível - A Graça de Deus é irresistível para os eleitos, isto é, o Espírito
Santo acaba convencendo e infundindo a fé salvadora neles;
5- Perseverança dos Santos- Todos os eleitos vão perseverar na fé até o fim e chegar
ao céu. Nenhum perderá a salvação.
* Pecado original
Teologia Arminiana
ARMINIUS ESCREVEU CINCO PONTOS DA REMONSTRÂNCIA:
1- Depravação parcial (livre-arbítrio) - Todos os homens, embora sejam pecadores,
ainda são livres para aceitar ou recusar a salvaçãoque Deus oferece;
2- Eleição condicional - Deus elegeu aqueles a quem pré-conheceu, sabendo que
aceitariam a salvação.
3- Expiação ilimitada - Cristo morreu por todos os homens e não somente pelos
eleitos; a predestinação, citada na Bíblia, acontece com base na presciência de
Deus.
4- Graça resistível - Os homens podem resistir à Graça de Deus para não serem
salvos;
5- Decair da Graça - Homens salvos podem perder a salvação caso não perseverem
na fé até o fim.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 3 romanos.pptx

Confissão de fé presb
Confissão de fé presbConfissão de fé presb
Confissão de fé presbJonatas Mendes
 
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e EspirituaisLição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e EspirituaisAndrew Guimarães
 
Artigos de fe_da_igreja_do_nazareno
Artigos de fe_da_igreja_do_nazarenoArtigos de fe_da_igreja_do_nazareno
Artigos de fe_da_igreja_do_nazarenoLuiza Dayana
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvaçãoRicardo Gondim
 
Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2fogotv
 
Ebd lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016
Ebd   lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016Ebd   lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016
Ebd lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016Joel Silva
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteRicardo Gondim
 
SLIDES - Panorama do Estudo da Doutrina da Salvação - Soteriologia.pdf
SLIDES - Panorama do Estudo da Doutrina da Salvação - Soteriologia.pdfSLIDES - Panorama do Estudo da Doutrina da Salvação - Soteriologia.pdf
SLIDES - Panorama do Estudo da Doutrina da Salvação - Soteriologia.pdfMessiasBarbosa10
 
Os apóstolos e a lei_1122014_GGR
Os apóstolos e a lei_1122014_GGROs apóstolos e a lei_1122014_GGR
Os apóstolos e a lei_1122014_GGRGerson G. Ramos
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 07
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 07Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 07
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 07Joel Silva
 
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptxJoel Silva
 
17. importa que ele cresça
17. importa que ele cresça17. importa que ele cresça
17. importa que ele cresçapohlos
 
lição 5 - A maravilhosa graça
lição 5 - A maravilhosa graçalição 5 - A maravilhosa graça
lição 5 - A maravilhosa graçaErberson Pinheiro
 
Lição 07 - A graça Divina.pptx
Lição 07 - A graça Divina.pptxLição 07 - A graça Divina.pptx
Lição 07 - A graça Divina.pptxJoel Silva
 
Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.
Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.
Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.pascoal reload
 

Semelhante a 3 romanos.pptx (20)

Confissão de fé presb
Confissão de fé presbConfissão de fé presb
Confissão de fé presb
 
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e EspirituaisLição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
 
Artigos de fe_da_igreja_do_nazareno
Artigos de fe_da_igreja_do_nazarenoArtigos de fe_da_igreja_do_nazareno
Artigos de fe_da_igreja_do_nazareno
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvação
 
Pecado original
Pecado originalPecado original
Pecado original
 
Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2
 
Pré revisão 3
Pré revisão 3Pré revisão 3
Pré revisão 3
 
Ebd lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016
Ebd   lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016Ebd   lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016
Ebd lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa GraçaLição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
SLIDES - Panorama do Estudo da Doutrina da Salvação - Soteriologia.pdf
SLIDES - Panorama do Estudo da Doutrina da Salvação - Soteriologia.pdfSLIDES - Panorama do Estudo da Doutrina da Salvação - Soteriologia.pdf
SLIDES - Panorama do Estudo da Doutrina da Salvação - Soteriologia.pdf
 
Os apóstolos e a lei_1122014_GGR
Os apóstolos e a lei_1122014_GGROs apóstolos e a lei_1122014_GGR
Os apóstolos e a lei_1122014_GGR
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 07
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 07Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 07
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 07
 
Manual do-discipulado
Manual do-discipuladoManual do-discipulado
Manual do-discipulado
 
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
 
17. importa que ele cresça
17. importa que ele cresça17. importa que ele cresça
17. importa que ele cresça
 
lição 5 - A maravilhosa graça
lição 5 - A maravilhosa graçalição 5 - A maravilhosa graça
lição 5 - A maravilhosa graça
 
03 santificação
03 santificação03 santificação
03 santificação
 
Lição 07 - A graça Divina.pptx
Lição 07 - A graça Divina.pptxLição 07 - A graça Divina.pptx
Lição 07 - A graça Divina.pptx
 
Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.
Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.
Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.
 

Mais de PIB Penha - SP

Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptxInício das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptxPIB Penha - SP
 
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igrejaA conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igrejaPIB Penha - SP
 
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de EstêvãoA escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de EstêvãoPIB Penha - SP
 
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...PIB Penha - SP
 
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃOPIB Penha - SP
 
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2PIB Penha - SP
 
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
18 Deuteronômio 27 - 34.pptxPIB Penha - SP
 
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
17 Deuteronomio 5 - 26.pptxPIB Penha - SP
 
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
16 Deuteronomio 1 - 4.pptxPIB Penha - SP
 
15 Numeros 23 - 36.ppt
15 Numeros 23 - 36.ppt15 Numeros 23 - 36.ppt
15 Numeros 23 - 36.pptPIB Penha - SP
 
14 Numeros 12 - 22.ppt
14 Numeros 12 - 22.ppt14 Numeros 12 - 22.ppt
14 Numeros 12 - 22.pptPIB Penha - SP
 
14 Numeros 1 - 14.pptx
14 Numeros 1 - 14.pptx14 Numeros 1 - 14.pptx
14 Numeros 1 - 14.pptxPIB Penha - SP
 
12 Levitico 17 - 27.ppt
12 Levitico 17 - 27.ppt12 Levitico 17 - 27.ppt
12 Levitico 17 - 27.pptPIB Penha - SP
 
11 levitico 1 - 16.pptx
11 levitico 1 - 16.pptx11 levitico 1 - 16.pptx
11 levitico 1 - 16.pptxPIB Penha - SP
 
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptxPIB Penha - SP
 

Mais de PIB Penha - SP (20)

Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptxInício das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
Início das missões mundiais Cap 11 ao 13.pptx
 
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igrejaA conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
A conversão mais importante da história e A perseguição e a dispersão da igreja
 
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de EstêvãoA escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
A escolha dos sete diáconos e a prisão e morte de Estêvão
 
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
3- Cap 3 e 5.10 - Um milagre e um sermão/ primeira oposição dos líderes relig...
 
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
4- Cap 5.11 a 8.1 a ESCOLHA DOS SETE DIÁCONOS / PRISÃO E MORTE DE ESTEVÃO
 
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
Livro de Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2
 
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
18 Deuteronômio 27 - 34.pptx
 
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
17 Deuteronomio 5 - 26.pptx
 
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
16 Deuteronomio 1 - 4.pptx
 
15 Numeros 23 - 36.ppt
15 Numeros 23 - 36.ppt15 Numeros 23 - 36.ppt
15 Numeros 23 - 36.ppt
 
14 Numeros 12 - 22.ppt
14 Numeros 12 - 22.ppt14 Numeros 12 - 22.ppt
14 Numeros 12 - 22.ppt
 
14 Numeros 1 - 14.pptx
14 Numeros 1 - 14.pptx14 Numeros 1 - 14.pptx
14 Numeros 1 - 14.pptx
 
12 Levitico 17 - 27.ppt
12 Levitico 17 - 27.ppt12 Levitico 17 - 27.ppt
12 Levitico 17 - 27.ppt
 
11 levitico 1 - 16.pptx
11 levitico 1 - 16.pptx11 levitico 1 - 16.pptx
11 levitico 1 - 16.pptx
 
10 Exodo 31 -40.pptx
10 Exodo 31 -40.pptx10 Exodo 31 -40.pptx
10 Exodo 31 -40.pptx
 
9 Exodo 21 -30.pptx
9 Exodo 21 -30.pptx9 Exodo 21 -30.pptx
9 Exodo 21 -30.pptx
 
8 Exodo 13 - 20.pptx
8 Exodo 13 - 20.pptx8 Exodo 13 - 20.pptx
8 Exodo 13 - 20.pptx
 
10 Exodo 31 -40.pdf
10 Exodo 31 -40.pdf10 Exodo 31 -40.pdf
10 Exodo 31 -40.pdf
 
9 Exodo 21 -30.pdf
9 Exodo 21 -30.pdf9 Exodo 21 -30.pdf
9 Exodo 21 -30.pdf
 
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
7 Exodo 1-12 PUBLICAR.pptx
 

Último

Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 

Último (12)

O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 

3 romanos.pptx

  • 1. 1 CARTA AOS ROMANOS cap. 7 ao 16 AS CARTAS DE PAULO – UM ESTUDO PANORÂMICO 3ª AULA EBD - ESCOLA BÍBLICA DISCIPULADORA – 2022 – 2º SEMESTRE Facilitadores: Sérgio Soares e Francisco Tudela
  • 2. 2 Divisão Esquemática 6.1 6.23 Justificação produz santificação 7.1 7.25 Lei e Graça 8.1 8.39 Certeza da Salvação A vida no Espírito, após a justificação
  • 3. 3 Divisão Esquemática 9.1 9.33 A soberana escolha de Deus 10.1 10.21 Zelo e desobediência dos Judeus 11.1 11.36 O futuro de Israel Deus e Israel
  • 4. 4 Divisão Esquemática 12.1 12.21 O serviço na Igreja e outros deveres 13.1 13.14 Deveres políticos 14.1 14.23 A responsabilidade pessoal Aplicações Práticas
  • 5. 5 Divisão Esquemática 15.1 15.33 O plano missionário de Paulo 16.1 16.24 Saudações Pessoais 16.25 16.27 Doxologia: Louvor a Deus
  • 6. 6 TEOLOGIA DO PECADO HERDADO OU SE É ESCRAVO DE SI MESMO (compulsões, vícios,...) OU SE É ESCRAVO DE CRISTO 6.18 “Vocês foram libertados do pecado e tornaram-se escravos da justiça.” Somos todos escravos e assim permaneceremos até o fim dos tempos, só muda o senhorio; não há como fugir da servidão, mas há como escapar do preço pago por quem é escravo do pecado: a morte Não significa que estamos livres do pecado, continuamos a ser tentados, mas a LIBERDADE DO SEU DOMÍNIO está disponível A QUEM CRER EM JESUS. 6.12 ”...não permitam que o pecado continue dominando os seus corpos mortais, fazendo que vocês obedeçam aos seus desejos.” 6.14 “Pois o pecado não os dominará, porque vocês não estão debaixo da lei, mas debaixo da graça.” Aceitar a proposta do evangelho é viver realizando escolhas e ações aprovadas por Deus, que nem sempre serão as que escolheríamos segundo nossa vontade “carnal”
  • 7. 7 INDEPENDÊNCIA OU MORTE. 6.23 “Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.” Salário é a remuneração devida pelos atos de um “empregado”, quem é servo do pecado tem por salário a morte, traduzida numa péssima qualidade de vida: infeliz, sem paz, com maus hábitos,...., separado de Deus. Dom é presente, algo dado; há uma vida que não leva à morte descrita acima, e é eterna; uma vida cujo senhorio é Jesus; uma vida traduzida por um comportamento segundo o caráter de Jesus; cada um decide por si mesmo, se irá servir ao pecado e receber seu salário, ou servir a Deus e receber o dom da vida.
  • 8. 7.12-14 “De fato a lei é santa*, e o mandamento é santo, justo e bom. E então, o que é bom se tornou em morte para mim? De maneira nenhuma! Mas, para que o pecado se mostrasse como pecado (não cumprir* a lei)...Sabemos que a lei é espiritual; eu, contudo, não o sou, pois fui vendido como escravo ao pecado.” O homem não crê que o pecado seja realmente o que é, daí a finalidade da lei: mostrar o que desagrada a Deus. Relembrando que pecado é desobedecer a Deus, fazer o que o desagrada. Dizer que a lei é espiritual significa dizer que é perfeita porque o autor é Deus. Sl 19.7 diz: "A lei do SENHOR é perfeita...". * Curiosidade: Possível origem da palavra “Santa” – os povos pagãos cultuavam um deus muito antigo, que os romanos nominaram de “Sancus”, que não permitia a quebra de promessas e juramentos, de “Sancus” deriva “santa” que no texto de Paulo traz a mesma conotação: a lei deve ser cumprida. https://pt.wikipedia.org/wiki/Santo#:~:text=Os%20romanos%20cultuavam%20um%20deus,gerando%20assim%20o%20termo%20santo.
  • 9. Paulo, no ano 56, já tinha conhecimento de que a consciência se dividia em 3 níveis, fato que Freud publicará no livro A Interpretação dos Sonhos, em 1900, como sendo uma novidade: o Id, o Ego e o Superego. A tríade do modelo psíquico no contexto paulino:  ID – carne, mundo - é a vontade própria que busca o prazer, fugir do desconforto e frustração. O recém-nascido possui apenas o Id.  EGO – homem - é o que leva à ação, é o mediador entre o Id e o Superego. É o responsável por satisfazer os desejos do ID de forma realista, pois pondera sobre os custos e benefícios em ceder aos seus impulsos.  SUPEREGO - Deus, Espirito - é o que Deus espera de nós (e o que a sociedade limita segundo seus costumes, valores éticos, leis, regras... )  NEUROSE - É o conflito Id x Superego x Ego, isto é, Carne x Espírito. a) Há coisas que quero (Id) e não devo (Superego) b) Há coisas que devo (Superego) mas não posso (Ego) c) Há coisas que posso (Ego) mas não quero (Id).
  • 10. SANTA ESQUIZOFRENIA (dividir em dois) O CONFLITO: Paulo quer servir a Deus, mas cede a suas vontades e desejos. 7.15 “Não entendo o que faço (Ego). Pois não faço o que desejo (Superego), mas o que odeio (Id). Paulo rejeita as atitudes contrárias à lei, sabe o que é errado, seu problema é vencer o erro. 7.20,21 “Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim. Assim, encontro esta lei que atua em mim: Quando quero fazer o bem, o mal está junto a mim.” Paulo não está fugindo à responsabilidade quando diz que é o pecado que pratica o mal, mas reconhecendo que o pecado domina, que suplanta o que Deus espera dele e assim realiza a sua vontade e não a de Deus.
  • 11. CONCLUSÃO DESTE ASSUNTO 7.22-24 “Pois, no íntimo do meu ser tenho prazer na lei de Deus (Superego); mas vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo, guerreando contra a lei da minha mente, tornando-me prisioneiro da lei do pecado que atua em meus membros (Id). Miserável homem que eu sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte? Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor! De modo que, com a mente (Ego), eu próprio sou escravo da lei de Deus (Superego); mas, com a carne (Id), da lei do pecado.” 8.13,14 “Pois se vocês viverem de acordo com a carne (Id), morrerão; mas, se pelo Espírito (Superego) fizerem morrer os atos do corpo (Ego), viverão,” O Id cria as demandas, o Superego incorpora a moral à ação e o Ego age. Depois de convertidos, livres da lei e da condenação do pecado, ainda vamos enfrentar o desejo de fazer o mal, que vem da nossa inclinação natural para o pecado e fazer o bem, que vem do espírito de Deus que habita em nós. O pecado é uma força poderosa e dela “Quem me libertará?”
  • 12. 12 8.10 “Mas se Cristo está em vocês, o corpo está morto por causa do pecado, mas o espírito está vivo por causa da justiça.” A diferença entre a nova natureza e a velha está: • Na consciência de que não há penalidade divina sobre o pecado, porém há consequências naturais de um relacionamento rompido, que é retomado após reconhecer o erro, se arrepender e se comprometer a não pecar mais. Lembrando que nosso pecado afeta outras pessoas e essas consequências devemos suportar. • Na atuação do Espírito Santo que nos guia 8.14 “porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.” E como filhos não praticamos aquilo que desagrada o Pai. Amamos a Deus e desagradá-lo nos entristece, daí nos arrependermos Não nos arrependemos por Deus ser punidor e virmos a ser alvo de sua ira
  • 13. 13 8.11,26-29 “E, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos habita em vocês...nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar (1), mas o próprio Espírito intercede por nós...de acordo com a vontade de Deus...Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam...para serem conformes à imagem de seu Filho...(2)” (1) A fraqueza mencionada é a nossa incapacidade para analisar situações adversas e orar inteligentemente sobre elas. (Moody) (2) Deus dirige a história e Sua prioridade não é a prosperidade financeira, a fama ou a saúde, mas a nossa semelhança com Cristo, assim, todas as coisas cooperam para fazer com que nosso caráter, desperto pelo ES, se pareça cada vez mais com o de Jesus. 1Ts 4.3 “A vontade de Deus é que vocês sejam santificados...”
  • 14. 8.29-30 “Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, também chamou; aos que chamou, também justificou; aos que justificou, também glorificou.” 2Pe 3.9 “O Senhor não demora em cumprir a sua promessa...não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento.” A) A soberania de Deus na nossa redenção - Pr Hernandes Dias Lopes - https://www.youtube.com/watch?v=2rvI3EPpoCo B) Conversando com Luiz Sayão - Predestinação 10’ https://omny.fm/shows/conversando-com-luiz-sayao/predestina-o?in_playlist=conversando-com-luiz-sayao!podcast
  • 15. C) DECLARAÇÃO DOUTRINÁRIA DA CONVENÇÃO BATISTA BRASIL VI - Eleição 1. Eleição é a escolha feita por Deus, em Cristo, desde a eternidade, de pessoas para a vida eterna, não por qualquer mérito, mas segundo a riqueza da sua graça. Ref. Gn 12.1-3; Ex 19.5,6; Ez 36.22,23,32; 1Pe 1.2; Rm 9.22-24; 1Ts 1.4 2. Antes da criação do mundo, Deus, no exercício da sua soberania divina e à luz de sua presciência de todas as coisas, elegeu, chamou, predestinou, justificou e glorificou aqueles que, no correr dos tempos, aceitariam livremente o dom da salvação. Ref. Rm 8.28-30; Ef 1.3-14; 2Ts 2.13,14 3. Ainda que baseada na soberania de Deus, essa eleição está em perfeita consonância com o livre-arbítrio de cada um e de todos os homens. Ref. Dt 30.15-20; Jo 15.16; Rm 8.35-39; 1Pe 5.10
  • 16. 4. A salvação do crente é eterna. Os salvos perseveram em Cristo e estão guardados pelo poder de Deus. Ref. Jo 3.16,36; Jo 10.28,29; 1Jo 2.19 5. Nenhuma força ou circunstância tem poder para separar o crente do amor de Deus em Cristo Jesus. Ref. Mt 24.13; Rm 8.35-39 6. O novo nascimento, o perdão, a justificação, a adoção como filhos de Deus, a eleição e o dom do Espírito Santo asseguram aos salvos a permanência na graça da salvação. Ref. Jo 10.28; Rm 8.35-39; Jd 24 http://www.convencaobatista.com.br/siteNovo/pagina.php?MEN_ID=22
  • 17. 9.20-22 “Mas quem é você, ó homem, para questionar a Deus? "Acaso aquilo que é formado pode dizer ao que o formou: ‘Por que me fizeste assim? ’O oleiro não tem direito de fazer do mesmo barro um vaso para fins nobres e outro para uso desonroso? E se Deus ...suportou com grande paciência os vasos de sua ira, preparados para destruição?” – Paulo citou Is 29.16; 45.9 A finalidade das ações do homem são ditadas pelo coração, se nobre será generoso, honesto, bondoso..., se desonroso será mentiroso, egoísta, injusto... Os “vasos de ira” são objeto da ira por não se arrependerem e Deus os suporta com “grande paciência”, o que sugere que aguarda por seu arrependimento. Is 32.7,8 “As artimanhas do homem sem caráter são perversas; ele inventa planos maldosos para destruir com mentiras o pobre...Mas o homem nobre faz planos nobres, e graças aos seus feitos nobres permanece firme.” P. COMO DEIXAR DE SER UM VASO DESONROSO? R. CRENDO EM JESUS E “SENDO” UM VASO NOVO, UM VASO PARA FINS NOBRES. Essa opção é um renascer, é ser uma outra pessoa com três características:
  • 18. 1ª) DIRIGIRÁ A TRÍADE DO MODELO PSICOLÓGICO COM AUXÍLIO DO ES  Sacrificar o Id - 12.1,2 “...se ofereçam em sacrifício vivo...Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente...”  Prevalecer o Superego 12.2 “...experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” 2ª) TERÁ RELACIONAMENTOS PESSOAIS DIFERENCIADOS:  Com outros Cristãos. 12.10,13, 16 “Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal... Compartilhem... com os santos em suas necessidades. Pratiquem a hospitalidade... estejam dispostos a associar-se a pessoas de posição inferior...”  Com os inimigos 12.19-21 “Não retribuam a ninguém mal por mal...Façam todo o possível para viver em paz com todos...nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira...Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer...vençam o mal com o bem.”
  • 19. 19 3ª TERÁ UM RELACIONAMENTO TRANQUILO COM AS LIDERANÇAS 13.1 “...sujeitar-se às autoridades governamentais...” PARTILHA 3 – PF Se a lei do estado ultrapassa a lei de Deus, nos aspectos teológico e moral, temos licença para desobedecer? Por exemplo, na questão da guerra, outro exemplo:. Ex 1.17 “as parteiras temeram a Deus e não obedeceram às ordens do rei do Egito; deixaram viver os meninos.” Sugestão: Até o Último Homem: https://www.youtube.com/watch?v=WEA3lb-ph8w PARTILHA 4 – PA + PD + PF Se alguém da família (cônjuge, filho, parente), do trabalho (colega, chefe), da igreja (irmão, líder) for “um vaso para uso desonroso”, qual será a sua reação em relação: a) A Deus – O questionará por que faz essas coisas. b) A sua fé – questionará como isto contribui para “o bem daqueles que O amam”. c) A pessoa - se afastará, aceitará como ela é, tentará mudá-la, a discriminará, ... d) Ao convívio com ela - será agressivo, contestador, mal-humorado, grosseiro...
  • 20. O CRISTÃO VIVE SEM MEDO DA AUTORIDADE E PAGA OS IMPOSTOS. 13.3-7 “Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem...Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência. É por isso também que vocês pagam imposto...Deem a cada um o que lhe é devido: Se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra. Destaque: o governo “não porta a espada sem motivo.”, isto é, não há como parar o mal sem o uso de determinada violência, exceto pela “conversão”, fruto do ES que age no âmago daquele que crê em Jesus.
  • 21. 21 14.1 “Aceitem o que é fraco na fé, sem discutir assuntos controvertidos.” Diz respeito àquilo que na fé cristã não é necessariamente certo ou errado; há coisas essenciais e outras secundárias; devemos aprender a conviver com elas. Não ser escrupuloso (legalista) a respeito de tudo, por coisas não essenciais. Paulo não declara nem deixa implícito que o “irmão fraco” está num processo espiritual que o tornará um “irmão forte”. A discussão não é sobre crescimento em graça, mas a prioridade do amor entre cristãos que têm diferenças na maneira como entendem as coisas não essenciais. A divisão dos crentes em denominações é baseada mais no tipo de personalidade, no hábito religioso e nas experiências pessoais do que no “certo” ou “errado”. 15.7 “aceitem-se uns aos outros, da mesma forma como Cristo os aceitou...” Assim, não se trata de querer mudar os outros crentes, mas amá-los e respeitá-los. Quais os critérios para distinguir o essencial do secundário?
  • 22. 22 CRITÉRIOS PARA DISTINGUIR O ESSENCIAL DO SECUNDÁRIO 1) Se o assunto em questão muda o objetivo do viver cristão, então é essencial 14.15 “Se o seu irmão se entristece devido ao que você come, você já não está agindo por amor...” 2) Como sua consciência reage em relação à questão? 14.22 “...Feliz é o homem que não se condena naquilo que aprova” 3) Qual o efeito dessa questão na vida dos outros? Conduz ao crescimento na fé? 14.13 “...façamos o propósito de não colocar pedra de tropeço ou obstáculo no caminho do irmão.” 4) O que diz a Bíblia sobre esta questão? At 17.11 “...examinando...as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo.” 14.23 “Mas aquele que tem dúvida é condenado se comer, porque não come com fé; e tudo o que não provém da fé é pecado.”
  • 23. 23 Exortações finais 1. Ser crente não é apenas estudar a Bíblia, é, também, relacionar-se com os irmãos. 15.24b “depois de ter desfrutado um pouco da companhia de vocês.” 2. Os que causam divisões e escândalos na Igreja não servem a Cristo, mas a si mesmos: 16.17,18 “Recomendo-lhes, irmãos, que tomem cuidado com aqueles que causam divisões e colocam obstáculos ao ensino que vocês têm recebido. Afastem-se deles. Pois essas pessoas não estão servindo a Cristo...mas a seus próprios apetites. Mediante palavras suaves e bajulação, enganam os corações dos ingênuos.”
  • 25. 25 Lição de casa: 1. Rever o estudo de hoje 2. Ler 1 Co 3. Ou ler, no mínimo: 1Co 1.10-31; 2.1-16; 3.1-23; 5.1- 13; 11.1-34; 13.1-13; 15.1-58
  • 26.
  • 27. BIBLIOGRAFIA 1. Bíblia NVI – Editora Vida – 2000 2. Comentário Bíblico do professor – Lawrence Richards – 3ª Ed. Vida - SP 3. Revista Compromisso - impressa pela Convicção Editora 5. Estudo Panorâmico da Bíblia –. Mears, Henrietta C.- SP: Editora Vida, 2006. 6. Comentário Bíblico Moody – Charles F Pfieffer – Ed. Batista Regular,2017 7. Comentário Bíblico Popular - MacDonald, Willian, SP, Ed. Mundo Cristão, 1ª, 2008 8. Comentário Bíblico NVI -. BRUCCE, F. F, SP, Ed. Vida, 1ª edição, 2008 9. Passo a Passo pelo AT – Wailon B & Tom H.- Ed. LifeWay Brasil – SP - 2004 10. Reflexões extraídas da World Wide Web 11. Bible Project 12. Programa ROTA 66 – Sayão, Luiz – Rádio transmundial Esta apresentação está disponível no site: www.escolabiblicavirtual.com.br 27
  • 28. Teologia Calvinista O CALVINISMO É FUNDAMENTADO EM CINCO PONTOS PRINCIPAIS QUE SÃO: 1- Depravação total* - Todos os homens nascem totalmente depravados, incapazes de se salvar ou de escolher o bem em questões espirituais; 2- Eleição incondicional - Deus escolheu dentre todos os seres humanos decaídos um grande número de pecadores por pura graça, sem levar em conta qualquer mérito, obra ou fé prevista neles; 3- Expiação limitada - Jesus Cristo morreu na cruz para pagar o preço do resgate somente dos eleitos; 4- Graça Irresistível - A Graça de Deus é irresistível para os eleitos, isto é, o Espírito Santo acaba convencendo e infundindo a fé salvadora neles; 5- Perseverança dos Santos- Todos os eleitos vão perseverar na fé até o fim e chegar ao céu. Nenhum perderá a salvação. * Pecado original
  • 29. Teologia Arminiana ARMINIUS ESCREVEU CINCO PONTOS DA REMONSTRÂNCIA: 1- Depravação parcial (livre-arbítrio) - Todos os homens, embora sejam pecadores, ainda são livres para aceitar ou recusar a salvaçãoque Deus oferece; 2- Eleição condicional - Deus elegeu aqueles a quem pré-conheceu, sabendo que aceitariam a salvação. 3- Expiação ilimitada - Cristo morreu por todos os homens e não somente pelos eleitos; a predestinação, citada na Bíblia, acontece com base na presciência de Deus. 4- Graça resistível - Os homens podem resistir à Graça de Deus para não serem salvos; 5- Decair da Graça - Homens salvos podem perder a salvação caso não perseverem na fé até o fim.