Diferentes modos de conhecer

10.036 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Diferentes modos de conhecer

  1. 1. DIFERENTES MODOS DE CONHECER
  2. 2. DIFERENTES MODOS DE CONHECER  Conhecer e pensar  Conhecimento sensorial e conhecimento intelectual  Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico  Conhecimento intuitivo e conhecimento cientifico  Conhecimento teológico e conhecimento cientifico  Conhecimento filosófico e conhecimento cientifico
  3. 3. CONHECER E PENSAR  O ser humano é dotado da capacidade de conhecer e de pensar.  “Crescei e multiplicai-vos, enchei a terra e subjugai-a, dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem sobre a terra”.  O homem é “o ser verdadeiro, o olho que vê o mundo”.  O conhecimento supõe e exige três elementos a saber: o sujeito, o objeto e a imagem.  Conhecer verdadeiramente e conhece sem pensar.
  4. 4. CONHECIMENTO SENSORIAL E CONHECIMENTO INTELECTUAL  Conhecimento sensorial É o conhecimento comum entre seres humanos e animais irracionais. Obtido a partir de nossas experiências sensitivas e fisiológicas (tato, visão, olfato, audiçã o e paladar).
  5. 5.  Conhecimento intelectual Esta categoria é exclusiva ao ser humano; trata-se de um raciocínio mais elaborado do que a mera comunicação entre corpo e ambiente. Aqui já pressupõe-se um pensamento, uma lógica.
  6. 6. CONHECIMENTO VULGAR E CONHECIMENTO CIENTIFICO  Conhecimento vulgar;  O conhecimento vulgar, também denominado conhecimento empírico, é o modo comum, espontâneo, pré- crítico de conhecer. É o conhecimento do povo, conhecimento de oitava que atinge os fatos sem lhes inquirir as causas. A este conhecer as coisas superficialmente, por informações ou experiência casual é que se dá o nome de conhecimento vulgar ou empírico.  Exemplo de conhecimento vulgar  A chave está emperrando na fechadura e, de tanto experimentarmos abrir a porta, acabamos descobrindo (conhecendo) um jeitinho de girar a chave sem emperrar.
  7. 7.  Conhecimento cientifico;  Diversamente do que acontece com o conhecimento vulgar, o conhecimento cientifico não atinge simplesmente os fenómenos na sua manifestação global, mas os atinge em suas causas, na sua constituição íntima, caracterizando-se, desta forma, pela capacidade de analisar, de explicar, de desdobrar, de justificar, de induzir ou aplicar leis, de predizer com segurança eventos futuros.  Exemplo de conhecimento cientifico  Descobrir uma vacina eficaz que evite algum tipo de doença.
  8. 8.  Características que contrapõem o conhecimento cientifico ao conhecimento vulgar.  O conhecimento cientifico é privilégio de especialistas das diversas áreas da ciência, enquanto que o conhecimento vulgar é comum e possível a todo ser humano, de qualquer nível cultural.  O conhecimento vulgar gera certezas intuitivas e pré-críticas, enquanto o conhecimento cientifico justifica e demonstra os motivos e fundamentos de sua certeza.
  9. 9. CONHECIMENTO INTUITIVO E CONHECIMENTO CIENTIFICO  É a capacidade que o homem tem de atingir o objeto de forma imediata e espontânea sem intermediários, resulta na vida prática e concepções pessoais de cada um.  Cumpre observar que o fenómeno do conhecimento embora pareça simples, envolve uma multiplicidade de atos. Em primeiro lugar os dos sentidos.  Entretanto além de forma discursiva do conhecimento racional, incube apreciar a questão relativa ao conhecimento intuitivo, isto é, imediato.  Inture: significa ver, intuição
  10. 10.  Intuição sensorial  A intuição existe com toda evidência, corresponde aos dados percebidos de forma imediata pelos sentidos.  Intuição intelectual  Além da intuição sensorial de experiência interna e externa, existirá uma forma de conhecimento relacional, intelectual, espiritual, também intuitivo.  É quando se fala de intuição como modo de conhecimento, entende-se a intuição intelectual, e não a sensorial. Conhecer pelas “razões que a própria razão desconhece” é uma espécie de conhecimento do “coração” e não da razão.
  11. 11.  Intuição estética  A existência da intuição estética pelo sentimento parece estar fora de dúvida, tanto quanto a intuição intelectual, como a beleza da criação artística, são apreendidas intuitivamente. E pode-se dizer mais: a beleza da criação artística só pode ser, como tal, apreendida por intuição estética; não há operação intelectual que aprenda ou crie, ou transmita o belo.  Belo é o que agrada a vista, o que desperta sentimento de prazer estético.
  12. 12.  O conhecimento intuitivo distingue-se do conhecimento científico e contrapõe-se a ele por tríplice razão: 1 Enquanto o conhecimento intuitivo se reduz a um ato, simples e indivisível, o conhecimento científico resulta de um processo complexo de análise e de síntese. 2 Enquanto o conhecimento intuitivo consiste em um ato de experiência sensível ou espiritual, o conhecimento científico toma a experiência como primeiro passo ou estágio inicial de um longo processo de pesquisa. 3 Enquanto o conhecimento intuitivo é de ordem subjetiva, o conhecimento científico fundamenta-se na objetividade e na evidência dos fatos; e porque essa objetividade e evidência são demonstradas experimentalmente ou logicamente, o conhecimento científico adquire o caráter objetivo de validade geral e independente de intuições. CONFRONTO ENTRE CONHECIMENTO INTUITIVO E CONHECIMENTO CIENTIFICO.
  13. 13. CONHECIMENTO TEOLÓGICO E CONHECIMENTO CIENTIFICO Conhecimento adquirido a partir da fé teológica, é fruto da revelação da divindade. A finalidade do teólogo é provar a existência de Deus e que os textos bíblicos foram escritos mediante inspiração Divina, devendo por isso ser realmente aceitos como verdades absolutas e incontestáveis. A fé pode basear-se em experiências espirituais, históricas, arqueológicas e coletivas que lhe dão sustentação.
  14. 14.  Possível identidade do objeto material;  Diversidade de princípios;  Diversidade de princípios ou fundamentos objetivos;  Passos do conhecimento teológico;  Fé religioso e tendência volitiva;
  15. 15. CONHECIMENTO FILOSÓFICO E CONHECIMENTO CIENTIFICO Mais ligado à construção de ideias e conceitos. Busca as verdades do mundo por meio da indagação e do debate; do filosofar. Portanto, de certo modo assemelha-se ao conhecimento científico - por valer-se de uma metodologia experimental -, mas dele distancia-se por tratar de questões imensuráveis, metafísicas. A partir da razão do homem, o conhecimento filosófico prioriza seu olhar
  16. 16.  Origem da atitude filosófica  No período da pré-filosofia, isto é, no período mistico-teologico da humanidade, que vai de épocas imemoriais do século VII a. C. todos os livros são sagrados; seus autores se atribuem especial ou inspiração divida ao escrevê-los; quando não os lideres políticos religiosos ou o próprio povo lha atribui.  O sentido da filosofia como sabedoria humana  Os homens que buscavam soluções racionais para todos os problemas eram chamados (sophoi), isto é, sábios, na Grécia do século VI a. C. Ora, sábio é um adjetivo de sentido vinculado ao verbo latino sapere que significa “ter sabor de” como nesta frase: A carne de patos bravos sabe peixe”,  Origem pitagórica da palavra filosofia  A palavra filosofia surgiu através de Pitágoras, e significa amor ou amizade pela sabedoria ou capacidade de perceber o certo e o errado nas coisas da razão.  A filosofia universidade de conhecimentos  O sentido etimológico e o contexto histórico, que cercou a origem da palavra filosofia, caracterizam-se como esforço da razão pura para questionar problemas humanos e discernir entre o certo e o errado, sem fazer apelo a iluminações divinas, e recorrendo unicamente às luzes da própria razão humana.
  17. 17.  Distinção entre filosofia e ciência positiva  Seria um erro atribuir a Aristóteles a definição de Filosofia como simples somatória dos conhecimentos humanos. Se, por um lado, para Aristóteles Filosofia é a ciência de todas as coisas, cumpre notar que as ciências não se distingue pelos objetos materiais, mas pelos respectivos objetos formais, conforme ensina o próprio Aristóteles. Assim, por exemplo, o “Homem” pode ser objeto de material da História, da Psicologia, da Sociologia, da Medicina... Mas é evidente que cada uma dessas ciências atingirá o mesmo objeto material “Homem” sob ângulos, aspectos ou razões formais distintas.  Menente para revisão  1. O sábio que utilizou a palavra Filosofia foi Pitágoras, no século VI a. C. Filosofia significa devotamento a sabedoria em sentido etimológico.  2. Alguns atribuem a Aristóteles o equivoco de ter dado à Filosofia o sentido de somatória dos conhecimentos humanos; estão enganados, pois o mesmo não mistura, não confunde a Filosofia com as ciências particulares, ao dizer que a Filosofia é a ciência de todas as coisas pelas últimas causas.  3. Filosofia não se confunde com os devaneios sobre fantasias; questiona problemas reais, usa princípios racionais, procede de acordo com as leis formais do pensamento, tem método
  18. 18.  Diferenças entre o conhecimento e o conhecimento filosófico  Objeto diferente: o conhecimento cientifico atinge fatos concretos, positivos, fenómenos perceptíveis pelos sentidos, mediante instrumentos, técnicas e recursos de observação. Já o objeto da Filosofia são ideias, relações conceituais, exigências lógicas não redutíveis a realidades materiais.  Método diferente: o método do conhecimento científico é experimental; a ciência caminha apoiada nos fatos reais e concretos e só afirma aquilo que a experimentação autoriza, enquanto a filosofia usa o método racional no qual prevalece o processo dedutivo, que antecede a experiência, e não exige confirmação experimental, mas somente coerência lógica.  Análise e síntese: o conhecimento cientifico delimita, fragmenta, analisa o objeto da pesquisa, enquanto a filosofia está sempre à procura do mais geral.  Objetivo diferente: o objetivo da ciência consiste na descoberta das relações positivas de causa e efeito. O objetivo da filosofia é questionar as conclusões da própria ciência a procura de sentido ou de interpretação mais ampla que responda às grandes indagações do espírito humano.
  19. 19. O conhecimento é dividido em uma série de categorias: conhecimento sensorial, que é o conhecimento comum entre seres humanos e animais, conhecimento intelectual que é o raciocínio; pensamento do ser humano, conhecimento vulgar, que é a forma de conhecimento de uma determinada cultura, conhecimento científico que são análises baseadas em provas, conhecimento filosófico que está ligada à construção de ideias e conceitos, e o conhecimento teológico que é o conhecimento adquirido a partir da fé.

×