SOFISTAS
SOFISTAS
Os sofistas foram grandes pensadores e cientistas intelectuais onde eram
procurados por jovens com boas condições...
PROTÁGORAS
Protágoras ensinou retórica na Sicília, na Itália e em
Atenas e foi tão versado em ciências que alguns o
admira...
HÍPIAS
Matemático, historiador, orador e hábil artesão grego de
Elis, hoje Élida, no Peloponeso, nas costas do
Mediterrâne...
GÓRGIAS
Górgias para fundamentar sua filosofia toma por base o niilismo, a
descrença por razão principal, onde nada existe...
ISÓCRATES
Transformando suas falhas em vocação e
destino, Isócrates funda com sua paidéia aquilo
que Cícero traduziria de ...
DUALISMO
PLATÔNICO
DUALISMO PLATÔNICO
Durante muito tempo os filósofos ocidentais explicaram o ser humano como
composto de duas partes difere...
CINISMO
CINISMO
O cinismo foi uma escola filosófica grega fundada por um discípulo de
Sócrates, Antístenes. O que o filósofo propu...
PIRRONISMO
PIRRONISMO
Doutrina fundada pelo filosofo pirro de elida considerando o verdadeiro do ceticismo. Seu ideário é totalmente
...
O
CONHECIMENTO
CIENTÍFICO
O CONHECIMENTO CIENTÍFICO
O conhecimento científico é real (factual) porque lida com ocorrências ou fatos,
isto é, com tod...
NOMES: Felipe, Pavla, Igor e Eduardo
MATÉRIA: Filosofia
PROFESSOR: Alexandre
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sofistas eduardo, felipe, pavla, igor 23 m

607 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
607
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
170
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sofistas eduardo, felipe, pavla, igor 23 m

  1. 1. SOFISTAS
  2. 2. SOFISTAS Os sofistas foram grandes pensadores e cientistas intelectuais onde eram procurados por jovens com boas condições de vida que os pagavam muito dinheiro para receber seus ensinamentos para se tornarem bem-sucedidos. Para os sofistas a verdade é inexistente, oque existia era opiniões sendo elas boas, más, melhores e piores, mas nunca falsas e verdadeiras. Os sofistas eram mestres na arte do bem falar e ensinavam a arte da retórica. O período sofista foi relativamente curto, compreendido entre os séculos IV e V a.C., caracterizado pelo auge da cultura grega. Entre os sofistas destacam-se:
  3. 3. PROTÁGORAS Protágoras ensinou retórica na Sicília, na Itália e em Atenas e foi tão versado em ciências que alguns o admiravam como um deus por sua sabedoria. Ensinou o ascetismo e o relativismo com estas palavras “Assim como as coisas me parecem, assim elas o são para mim; assim como elas te parecem, assim elas os são para ti pois tu és homem e também o sou”. A maior importância de Protágoras foi por ter sido o primeiro que desenvolveu a doutrina de Heráclito que havia concebido não somente o contínuo fluxo das coisas, e que nós conhecemos algo estável como princípio deste fluxo contínuo, que é o fogo.
  4. 4. HÍPIAS Matemático, historiador, orador e hábil artesão grego de Elis, hoje Élida, no Peloponeso, nas costas do Mediterrâneo, mestre em geometria, astronomia, música e filosofia e um dos responsáveis por mudanças fundamentais na matemática grega no final do século V a. C. Extremamente vaidoso e ganancioso, vangloriava- se de haver ganho com o o ensino grandes somas e é o mais famoso dos mestres sofistas, grupo de mestres gregos idealizados por Protágoras, que sobreviviam profissionalmente do ensino de ciências, e aparentemente o que mais fez fortuna com a divulgação dos seus conhecimentos, ensinando e vendendo seus escritos, sobre os mais variados assuntos.
  5. 5. GÓRGIAS Górgias para fundamentar sua filosofia toma por base o niilismo, a descrença por razão principal, onde nada existe de absoluto, onde não existem verdades morais e nem hierarquia de valores. A verdade não existe, qualquer saber é impossível e tudo é falso porque é ilusório. Seu niilismo baseia-se em três tópicos, primeiro na não existência do ser, existe somente o nada. O ser não é uno, não é múltiplo, nem criado e nem gerado, por conseguinte o ser é nada. Segundo, mesmo que o ser existisse ele não poderia ser conhecido pois se podemos pensar em coisas que não existem é porque existe uma separação entre o que pensamos e o ser, o que impossibilita o seu conhecimento. E terceiro, mesmo que pudéssemos pensar e conhecer o ser nós não poderíamos expressar como ele é porque as palavras não conseguem transmitir com veracidade nada que não seja ela mesma.
  6. 6. ISÓCRATES Transformando suas falhas em vocação e destino, Isócrates funda com sua paidéia aquilo que Cícero traduziria de modo perene como humanitas: uma educação predominantemente literária, que se concebe, ao mesmo tempo, como formação política, marcada por um "espírito de fineza" em tudo contrário à matematização e à pretensão dos platônicos e dialéticos.
  7. 7. DUALISMO PLATÔNICO
  8. 8. DUALISMO PLATÔNICO Durante muito tempo os filósofos ocidentais explicaram o ser humano como composto de duas partes diferentes e separadas: o corpo (material) e a alma (espiritual e consciente). Chamamos de dualismo psicofísico essa dupla realidade da consciência separada do corpo. Segundo Platão, antes de se encarnar, a alma teria vivido no mundo das ideias, onde tudo conheceu por simples intuição, ou seja, por conhecimento intelectual direto e imediato, sem precisar usar os sentidos. Quando a alma se une ao corpo, ela se degrada por se tornar prisioneira dele. Passa então a se compor de duas partes. *Alma superior (a alma intelectiva) * Alma inferior e irracional (a alma do corpo).
  9. 9. CINISMO
  10. 10. CINISMO O cinismo foi uma escola filosófica grega fundada por um discípulo de Sócrates, Antístenes. O que o filósofo propunha era a busca interna da felicidade, que não tem causas externas, aspecto ao qual os cínicos passaram a defender, não somente com palavras, mas pelo modo de vida adotado. Sua maior virtude era a autarquia. O termo passou à posteridade como adjetivação pejorativa de pessoas sem pudor, indiferentes ao sofrimento alheio.
  11. 11. PIRRONISMO
  12. 12. PIRRONISMO Doutrina fundada pelo filosofo pirro de elida considerando o verdadeiro do ceticismo. Seu ideário é totalmente voltado para o lado pratico material cotidiano, da vida e pode ser resumido da segunda maneira: 1: não se deve ter , nem emitir, qualquer julgamento sobre coisa alguma. Nada se deve afirmar ou negar sobre quaisquer fatos, seres, ou objetos, pois o intelecto humano e limitado e incapaz de chegar à verdade sobre qualquer coisa. Essa proposição foi encampada pelos sofistas que a batizaram de‘’ duvida universal’’. 2: tudo aquilo que o homem julga como verdade não passa de simples convenção ou acordo, ou apenas habito. 3: deve-se sempre distinguir os fenômenos perceptível através dos sentidos: tato, visão, audição, paladar, olfato ou causas incognoscíveis, isto e os motivos que fazem algo acontecer, dos quais nada se sabe sobre tais motivos, pois estão além da capacidade intelectual do homem. O pirronismo e uma doutrina fortemente influenciada pelo pensamento hindu e alguns eruditos o classificam como uma adaptação daquele e ao um sistema filosófico na literalidade do termo, o pirronismo chegou a modernidade através de ceticismo de hume; e as suas propostas de: buscar a ‘’paz interior’’, a partir da recusa de emitir, e mesmo de possuir, qualquer juízo ou julgamento e pela aceitação da incapacidade intelectual de compreender as essências a as certezas encontraram eco em nossos dias cuja alienação mental privilegia apenas as sensações em detrimento da racionalidade.
  13. 13. O CONHECIMENTO CIENTÍFICO
  14. 14. O CONHECIMENTO CIENTÍFICO O conhecimento científico é real (factual) porque lida com ocorrências ou fatos, isto é, com toda "forma de existência que se manifesta de algum modo" Constitui um conhecimento contingente, pois suas preposições ou hipóteses têm a sua veracidade ou falsidade conhecida através da experimentação e não apenas pela razão, como ocorre no conhecimento filosófico. É sistemático, já que se trata de um saber ordenado logicamente, formando um sistema de ideias (teoria) e não conhecimentos dispersos e desconexos. Possui a característica da verificabilidade, a tal ponto que as afirmações (hipóteses) que não podem ser comprovadas não pertencem ao âmbito da ciência. Constitui-se em conhecimento falível, em virtude de não ser definitivo absoluto ou final e, por este motivo, é aproximadamente exato: novas proposições e o desenvolvimento de técnicas podem reformular o acervo de teoria existente.
  15. 15. NOMES: Felipe, Pavla, Igor e Eduardo MATÉRIA: Filosofia PROFESSOR: Alexandre

×