SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
A FORMAÇÃO
SÉCULO XXI


DOS

Philippe
Perrenoud
é
doutor em Sociologia e
Antropologia, tem 59 anos
e leciona nas áreas de
currículo,
práticas
pedagógicas e instituições
de formação nas faculdades
de Psicologia e de Ciências
da
Educação
da
Universidade de Genebra
(Suíça).

PROFESSORES

NO
A
FORMAÇÃO
DOS
PROFESSORES NO SÉCULO
XXI

 No

futuro a escola pode desaparecer e o ensino
pode ser mencionado como uma daquelas
profissões do passado, tão comoventes por terem
caído no desuso. As orientações dadas para a
formação dos professores não diferem
radicalmente daquelas que foram proposta há
cinco anos.
FINALIDADES DA ESCOLA E DA FORMAÇÃO
DOS PROFESSORES




Não é possível formar professores
sem fazer escolhas ideológicas.
Conforme o modelo de sociedade
e de ser humano que defendemos,
não atribuiremos as mesmas
finalidades à escola e, portanto,
não definiremos da mesma
maneira o papel dos professores.
As
finalidades
do
sistema
educacional e as competências dos
professores não podem ser
dissociadas tão facilmente.
EDGAR MORIN PROPÕE SETE SABERES
FUNDAMENTAIS QUE A ESCOLA TERIA A
MISSÃO DE ENSINAR:
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.

As cegueiras do conhecimento: o erro e a ilusão;
Os princípios do conhecimento pertinente;
Ensinar a condição humana;
Ensinar a identidade terrena;
Enfrentar as incertezas;
Ensinar a compreensão;
A ética do gênero humano.
ORIENTAÇÕES
BÁSICAS
SOBRE
FORMAÇÃO DOS PROFESSORES


A

Defendi a idéia (Perrenoud, 1998d) de que “a qualidade
de uma formação depende sobretudo, de sua
concepção”. De qualquer forma, sempre é preferível que
os professores cheguem na hora certa e que não haja
goteiras na sala de aula, porém uma organização e uma
infra-estrutura irrepreensíveis não compensam fatores
como um plano e dispositivos de formação malconcebidos.
UMA
TRANSPOSIÇÃO
DIDÁTICA
BASEADA NA ANÁLISE DAS PRÁTICAS E
EM SUAS TRANSFORMAÇÕES




Nesse nível de especialização, vemos que a formação dos
professores é, sem dúvida, uma das que menos levam em
conta as observações empíricas metódicas sobre as
práticas, sobre o trabalho real dos professores no dia a
dia, em sua diversidade e ambiente atuais.
As reformas escolares fracassam, os novos programas
não são aplicados, belas idéias como os métodos ativos, o
construtivismo, a avaliação formativa ou a pedagogia
diferenciada são pregadas, porém nunca praticadas.
UM REFERENCIAL DE COMPETÊNCIAS
QUE IDENTIFIQUE OS SABERES E AS
CAPACIDADES NECESSÁRIOS


Atualmente, define-se uma competência como a aptidão
para enfrentar uma família de situações análogas,
mobilizando de uma forma correta, rápida, pertinente e
criativa, múltiplos recursos cognitivos: saberes,
capacidades, microcompetências, informações, valores,
atitudes, esquemas de percepção, de avaliação e de
raciocínio.
Alguns exemplos:








Se os professores deparam-se com grande número de classes
agitadas, apazigua-las deve ser uma de suas competências.
Se os alunos resistem, não se esforçam, mobiliza-los e suscita
neles o desejo de aprender deve ser outra competência.
Se os alunos ausentam-se e vivem uma vida dupla (alunos na
escola e adultos fora dela), esse fato deve ser levado em
consideração e essa deve ser mais uma competência dos
professores.
Se sua relação com o saber e com o mundo impede que,
espontaneamente, dêem sentido aos saberes e ao trabalho
escolar, ajuda-los a construir esse sentido também deve ser
competência dos professores.
Se os programas estão a anos-luz dos alunos, adapta-los e
aliviar seu peso também deve ser competência dos
professores.
UM PLANO DE ORGANIZAÇÃO ORGANIZADO
EM
TORNO
DAS
COMPETÊNCIAS



Em princípio, os programas de formação inicial são
elaborados a partir dos objetivos finais.
Por isso, vários programas de formação inicial limitam-se
a criar um vinculo entre os saberes universitários e os
programas escolares, o que não é inútil, porém ocupa um
grande espaço no currículo, em detrimento de saberes
didáticos, pedagógicos e sociológicos mais próximos das
práticas.
UMA APRENDIZAGEM POR PROBLEMAS,
UM PROCEDIMENTO CLÍNICO
 As

faculdades de medicina estão passando por
uma
revolução
em
diversos
países.
Tradicionalmente, nessa área, durante anos os
estudantes acumulavam conhecimentos teóricos,
sem qualquer ligação com casos clínicos, e depois
passavam anos como médicos residentes em um
hospital, com poucos aportes teóricos
estruturados.
 Aproveitar

as demandas para propor um curso
anual, exatamente igual ao do ano letivo clássico;
 Evitar uma total fragmentação dos aportes e
obter espaços-tempos propícios à construção
ordenada de saberes que só podem ser
adquiridos com relação a casos particulares.
A

formação dos professores deveria ser orientada
para uma aprendizagem por problemas para que
os estudantes se confrontassem com a
experiência da sala de aula e trabalhassem a partir
de suas observações, surpresas, sucessos e
fracassos, medos e alegrias, bem como de suas
dificuldades para controlar os processos de
aprendizagem e as dinâmicas de grupos ou os
comportamentos de alguns alunos.
UMA
VERDADEIRA
ARTICULAÇÃO
ENTRE TEORIA E A PRÁTICA
O seguinte modelo é bastante simples e, sobretudo,
muito cômodo:
• Os teóricos dão uma formação teórica, isto é, aulas e
seminários clássicos, sem se preocupar muito com a
referência à profissão.
• Os profissionais que acolhem e preparam estagiários
para o trabalho de campo encarregam-se de iniciálos “ossos do ofício”.
• No máximo, a formação teórica permitiria ser
aprovado nos exames e obter o diploma,
enquanto a formação prática daria as bases para a
sobrevivência na profissão.
UMA
ORGANIZAÇÃO
DIFERENCIADA


MODULAR

E

A maioria das formações universitárias e parte
das formações profissionais estão ligadas ao
sistema das unidades capitalizáveis ou “créditos”.
UMA AVALIAÇÃO FORMATIVA BASEADA
NA
ANÁLISE
DO
TRABALHO
A

avaliação das competências deve ser
formativa, passar por uma co-análise do
trabalho dos estudantes e pela regulação de
seus investimentos mais do que pelas notas ou
classificações.
 Algumas
características
particularmente
pertinentes na formação dos professores:
A

avaliação só inclui tarefas contextualizadas.
 A avaliação deve contribuir para que os
estudantes desenvolvam mais suas competências.
 A avaliação exige a utilização funcional de
conhecimentos disciplinares.
 A tarefa e suas exigências devem ser conhecidas
antes da situação de avaliação.
 A auto-avaliação faz parte da avaliação.
Tempos e dispositivos de integração e de
mobilização das aquisições
A

noção de integração pode ser entendida com
um duplo sentido:
 Por um lado, ela designa o relacionamento entre
diversos componentes da formação.
 Por outro, ela evoca o processo de incorporação
dos saberes e o treinamento em sua transferência
e mobilização.
Uma
parceria
profissionais






negociada

com

os

Não é possível pretender uma transposição didática
próxima das práticas, trabalhar a transferência e a
integração, adotar um procedimento clínico, aprender
por meio de problemas e articular teoria e prática sem
construir uma forte parceria entre a instituição de
formação dos professores e as atividades de campo. Esta
deve ser levada em consideração pelo menos em três
níveis:
O sistema educacional que acolhe os estagiários;
Os estabelecimentos escolares;
Os professores, individualmente ou em grupo.
UMA DIVISÃO DOS SABERES FAVORÁVEL À
SUA MOBILIZAÇÃO NO TRABALHO.


Os trabalhos sobre a
transferência
de
conhecimentos demonstram
que a mobilização nunca é
automática, que ela deve ser
trabalhada
como
tal,
transformada em um desafio
de
formação
para
concretizá-la na prática e na
universidade.






Uma das dificuldades da mobilização das aquisições
refere-se à sua segmentação no currículo, Por isso, é
importante construir unidade de formação que
conjuguem diversas ciências sociais e humanas.
“O problema dos saberes
procedimentais deveria ser
colocado á luz dessas divisões, A formação universitária de
professores permitiu uma ruptura com a normalização das
práticas. Não se forma um profissional reflexivo impondo-lhe
condições ortodoxas de dar aula. (Perrenoud,2001ª).”
Seria paradoxal que as profissões humanistas
desenvolvessem as prescrições e que as profissões
técnicas reconhecessem seus limites.
 Atualmente,

as principais carências encontram-se
no primeiro registro. Os formadores trabalham,
refletem, formam-se, inovam, mas com frequência
cada um continua no seu canto. Deixam o
desenvolvimento de uma visão conjunta nas mãos
dos ministérios e da direção das instituições.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Documentos de identidade currículo
Documentos de identidade currículoDocumentos de identidade currículo
Documentos de identidade currículoUlisses Vakirtzis
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorna educação
 
Atividade avaliatória_ O Papel do Coordenador Pedagógico na Educação Esportiv...
Atividade avaliatória_ O Papel do Coordenador Pedagógico na Educação Esportiv...Atividade avaliatória_ O Papel do Coordenador Pedagógico na Educação Esportiv...
Atividade avaliatória_ O Papel do Coordenador Pedagógico na Educação Esportiv...marcosreis414633
 
Educacao e diversidade
Educacao e diversidadeEducacao e diversidade
Educacao e diversidadeMagno Oliveira
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasMarcelo Assis
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosLinda-maria12
 
EducaçãO Do Campo
EducaçãO Do CampoEducaçãO Do Campo
EducaçãO Do Campoculturaafro
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Ricardo Castro
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculoNatália Luz
 
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMAEja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMALeandro Marques
 
FORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADAFORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADAlucavao2010
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERARELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERAUFMA e UEMA
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...Thaynã Guedes
 
Competências e habilidades
Competências e habilidadesCompetências e habilidades
Competências e habilidadesMari_Saracchini
 

Mais procurados (20)

Documentos de identidade currículo
Documentos de identidade currículoDocumentos de identidade currículo
Documentos de identidade currículo
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
 
Atividade avaliatória_ O Papel do Coordenador Pedagógico na Educação Esportiv...
Atividade avaliatória_ O Papel do Coordenador Pedagógico na Educação Esportiv...Atividade avaliatória_ O Papel do Coordenador Pedagógico na Educação Esportiv...
Atividade avaliatória_ O Papel do Coordenador Pedagógico na Educação Esportiv...
 
Histórico da EJA
Histórico da EJAHistórico da EJA
Histórico da EJA
 
Educacao e diversidade
Educacao e diversidadeEducacao e diversidade
Educacao e diversidade
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Educação na república velha
Educação na república velhaEducação na república velha
Educação na república velha
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
EducaçãO Do Campo
EducaçãO Do CampoEducaçãO Do Campo
EducaçãO Do Campo
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
Papel pedagogo
Papel pedagogo Papel pedagogo
Papel pedagogo
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223
 
TCC - Pedagogia
TCC - PedagogiaTCC - Pedagogia
TCC - Pedagogia
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMAEja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
 
FORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADAFORMAÇÃO CONTINUADA
FORMAÇÃO CONTINUADA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERARELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
 
Competências e habilidades
Competências e habilidadesCompetências e habilidades
Competências e habilidades
 

Destaque

Slide 10 - Para além do fracasso escolar: uma redefinição das práticas avalia...
Slide 10 - Para além do fracasso escolar: uma redefinição das práticas avalia...Slide 10 - Para além do fracasso escolar: uma redefinição das práticas avalia...
Slide 10 - Para além do fracasso escolar: uma redefinição das práticas avalia...rafaelly04
 
Fracasso escolar: o que é e como combatê-lo?
Fracasso escolar: o que é e como combatê-lo?Fracasso escolar: o que é e como combatê-lo?
Fracasso escolar: o que é e como combatê-lo?Thiago de Almeida
 
Slide 12 - Avaliação como espaço de aprendizagem em sofrwares educativos.
Slide 12 - Avaliação como espaço de aprendizagem em sofrwares educativos.Slide 12 - Avaliação como espaço de aprendizagem em sofrwares educativos.
Slide 12 - Avaliação como espaço de aprendizagem em sofrwares educativos.rafaelly04
 
Trabalho insucesso escolar
Trabalho insucesso escolar Trabalho insucesso escolar
Trabalho insucesso escolar Raquel Camacho
 
Slide 08 - Fracasso escolar
Slide 08 - Fracasso escolarSlide 08 - Fracasso escolar
Slide 08 - Fracasso escolarrafaelly04
 

Destaque (10)

Fracasso escolar
Fracasso escolarFracasso escolar
Fracasso escolar
 
Slide 10 - Para além do fracasso escolar: uma redefinição das práticas avalia...
Slide 10 - Para além do fracasso escolar: uma redefinição das práticas avalia...Slide 10 - Para além do fracasso escolar: uma redefinição das práticas avalia...
Slide 10 - Para além do fracasso escolar: uma redefinição das práticas avalia...
 
Fracasso escolar: o que é e como combatê-lo?
Fracasso escolar: o que é e como combatê-lo?Fracasso escolar: o que é e como combatê-lo?
Fracasso escolar: o que é e como combatê-lo?
 
Slide 12 - Avaliação como espaço de aprendizagem em sofrwares educativos.
Slide 12 - Avaliação como espaço de aprendizagem em sofrwares educativos.Slide 12 - Avaliação como espaço de aprendizagem em sofrwares educativos.
Slide 12 - Avaliação como espaço de aprendizagem em sofrwares educativos.
 
Fracasso Escolar
Fracasso EscolarFracasso Escolar
Fracasso Escolar
 
Sucesso e insucesso escolar
Sucesso e insucesso escolarSucesso e insucesso escolar
Sucesso e insucesso escolar
 
Perrenoud
PerrenoudPerrenoud
Perrenoud
 
Trabalho insucesso escolar
Trabalho insucesso escolar Trabalho insucesso escolar
Trabalho insucesso escolar
 
O Insucesso Escolar
O Insucesso EscolarO Insucesso Escolar
O Insucesso Escolar
 
Slide 08 - Fracasso escolar
Slide 08 - Fracasso escolarSlide 08 - Fracasso escolar
Slide 08 - Fracasso escolar
 

Semelhante a Formação de professores

ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ProfessorPrincipiante
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Giba Canto
 
Para uma formação de professores construída
Para uma formação de professores construídaPara uma formação de professores construída
Para uma formação de professores construídacefaprodematupa
 
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...ProfessorPrincipiante
 
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta GrossaEstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta Grossarosangelamenta
 
Desenvolver a Educação Inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional, ...
Desenvolver a Educação Inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional, ...Desenvolver a Educação Inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional, ...
Desenvolver a Educação Inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional, ...IESAP Virtual
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoBeatriz
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoBeatriz
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalEdneusa Souza
 
Ciclos %20 miguel%20arroyo
Ciclos %20 miguel%20arroyoCiclos %20 miguel%20arroyo
Ciclos %20 miguel%20arroyofelipejasbick
 
Ciclos %20 miguel%20arroyo
Ciclos %20 miguel%20arroyoCiclos %20 miguel%20arroyo
Ciclos %20 miguel%20arroyofelipejasbick
 
DESENVIMENTO DO PROFISSIONAL DOCENTE NO BRASIL
DESENVIMENTO DO PROFISSIONAL DOCENTE NO BRASILDESENVIMENTO DO PROFISSIONAL DOCENTE NO BRASIL
DESENVIMENTO DO PROFISSIONAL DOCENTE NO BRASILchristianceapcursos
 
O estágio supervisionado na formação continuada docente
O estágio supervisionado na formação continuada docenteO estágio supervisionado na formação continuada docente
O estágio supervisionado na formação continuada docenteEberson Luz
 
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...ProfessorPrincipiante
 
20 Anos de Formação Contínua de Professores.
20 Anos de Formação Contínua de Professores.20 Anos de Formação Contínua de Professores.
20 Anos de Formação Contínua de Professores.Fernanda Ledesma
 
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogicaTrabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogicaIslane Uefs
 

Semelhante a Formação de professores (20)

ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
 
Para uma formação de professores construída
Para uma formação de professores construídaPara uma formação de professores construída
Para uma formação de professores construída
 
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
 
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta GrossaEstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
 
Desenvolver a Educação Inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional, ...
Desenvolver a Educação Inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional, ...Desenvolver a Educação Inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional, ...
Desenvolver a Educação Inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional, ...
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
 
Eixo2
Eixo2Eixo2
Eixo2
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão final
 
66-122-1-SM.pdf
66-122-1-SM.pdf66-122-1-SM.pdf
66-122-1-SM.pdf
 
Masetto docencia universitaria
Masetto   docencia universitariaMasetto   docencia universitaria
Masetto docencia universitaria
 
Ciclos %20 miguel%20arroyo
Ciclos %20 miguel%20arroyoCiclos %20 miguel%20arroyo
Ciclos %20 miguel%20arroyo
 
Ciclos %20 miguel%20arroyo
Ciclos %20 miguel%20arroyoCiclos %20 miguel%20arroyo
Ciclos %20 miguel%20arroyo
 
DESENVIMENTO DO PROFISSIONAL DOCENTE NO BRASIL
DESENVIMENTO DO PROFISSIONAL DOCENTE NO BRASILDESENVIMENTO DO PROFISSIONAL DOCENTE NO BRASIL
DESENVIMENTO DO PROFISSIONAL DOCENTE NO BRASIL
 
O estágio supervisionado na formação continuada docente
O estágio supervisionado na formação continuada docenteO estágio supervisionado na formação continuada docente
O estágio supervisionado na formação continuada docente
 
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
 
20 Anos de Formação Contínua de Professores.
20 Anos de Formação Contínua de Professores.20 Anos de Formação Contínua de Professores.
20 Anos de Formação Contínua de Professores.
 
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogicaTrabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
 

Mais de Julhinha Camara

CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOJulhinha Camara
 
EDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO
EDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃOEDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO
EDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃOJulhinha Camara
 
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTOALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTOJulhinha Camara
 
INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...
INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...
INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...Julhinha Camara
 
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNEPLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNEJulhinha Camara
 
O nascimento da pedagogia atual
O nascimento da pedagogia atualO nascimento da pedagogia atual
O nascimento da pedagogia atualJulhinha Camara
 
Diferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecerDiferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecerJulhinha Camara
 
AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS
AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS
AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS Julhinha Camara
 
Grupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasilGrupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasilJulhinha Camara
 

Mais de Julhinha Camara (13)

CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
EDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO
EDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃOEDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO
EDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO
 
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTOALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
 
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIAALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
 
INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...
INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...
INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...
 
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNEPLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
 
O nascimento da pedagogia atual
O nascimento da pedagogia atualO nascimento da pedagogia atual
O nascimento da pedagogia atual
 
Diferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecerDiferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecer
 
Comenius
ComeniusComenius
Comenius
 
AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS
AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS
AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS
 
Seminario infancia
Seminario infanciaSeminario infancia
Seminario infancia
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
Grupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasilGrupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasil
 

Último

CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 

Último (20)

CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 

Formação de professores

  • 1. A FORMAÇÃO SÉCULO XXI  DOS Philippe Perrenoud é doutor em Sociologia e Antropologia, tem 59 anos e leciona nas áreas de currículo, práticas pedagógicas e instituições de formação nas faculdades de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Genebra (Suíça). PROFESSORES NO
  • 2. A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI  No futuro a escola pode desaparecer e o ensino pode ser mencionado como uma daquelas profissões do passado, tão comoventes por terem caído no desuso. As orientações dadas para a formação dos professores não diferem radicalmente daquelas que foram proposta há cinco anos.
  • 3. FINALIDADES DA ESCOLA E DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES   Não é possível formar professores sem fazer escolhas ideológicas. Conforme o modelo de sociedade e de ser humano que defendemos, não atribuiremos as mesmas finalidades à escola e, portanto, não definiremos da mesma maneira o papel dos professores. As finalidades do sistema educacional e as competências dos professores não podem ser dissociadas tão facilmente.
  • 4. EDGAR MORIN PROPÕE SETE SABERES FUNDAMENTAIS QUE A ESCOLA TERIA A MISSÃO DE ENSINAR: 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. As cegueiras do conhecimento: o erro e a ilusão; Os princípios do conhecimento pertinente; Ensinar a condição humana; Ensinar a identidade terrena; Enfrentar as incertezas; Ensinar a compreensão; A ética do gênero humano.
  • 5. ORIENTAÇÕES BÁSICAS SOBRE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES  A Defendi a idéia (Perrenoud, 1998d) de que “a qualidade de uma formação depende sobretudo, de sua concepção”. De qualquer forma, sempre é preferível que os professores cheguem na hora certa e que não haja goteiras na sala de aula, porém uma organização e uma infra-estrutura irrepreensíveis não compensam fatores como um plano e dispositivos de formação malconcebidos.
  • 6. UMA TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA BASEADA NA ANÁLISE DAS PRÁTICAS E EM SUAS TRANSFORMAÇÕES   Nesse nível de especialização, vemos que a formação dos professores é, sem dúvida, uma das que menos levam em conta as observações empíricas metódicas sobre as práticas, sobre o trabalho real dos professores no dia a dia, em sua diversidade e ambiente atuais. As reformas escolares fracassam, os novos programas não são aplicados, belas idéias como os métodos ativos, o construtivismo, a avaliação formativa ou a pedagogia diferenciada são pregadas, porém nunca praticadas.
  • 7. UM REFERENCIAL DE COMPETÊNCIAS QUE IDENTIFIQUE OS SABERES E AS CAPACIDADES NECESSÁRIOS  Atualmente, define-se uma competência como a aptidão para enfrentar uma família de situações análogas, mobilizando de uma forma correta, rápida, pertinente e criativa, múltiplos recursos cognitivos: saberes, capacidades, microcompetências, informações, valores, atitudes, esquemas de percepção, de avaliação e de raciocínio.
  • 8. Alguns exemplos:      Se os professores deparam-se com grande número de classes agitadas, apazigua-las deve ser uma de suas competências. Se os alunos resistem, não se esforçam, mobiliza-los e suscita neles o desejo de aprender deve ser outra competência. Se os alunos ausentam-se e vivem uma vida dupla (alunos na escola e adultos fora dela), esse fato deve ser levado em consideração e essa deve ser mais uma competência dos professores. Se sua relação com o saber e com o mundo impede que, espontaneamente, dêem sentido aos saberes e ao trabalho escolar, ajuda-los a construir esse sentido também deve ser competência dos professores. Se os programas estão a anos-luz dos alunos, adapta-los e aliviar seu peso também deve ser competência dos professores.
  • 9. UM PLANO DE ORGANIZAÇÃO ORGANIZADO EM TORNO DAS COMPETÊNCIAS   Em princípio, os programas de formação inicial são elaborados a partir dos objetivos finais. Por isso, vários programas de formação inicial limitam-se a criar um vinculo entre os saberes universitários e os programas escolares, o que não é inútil, porém ocupa um grande espaço no currículo, em detrimento de saberes didáticos, pedagógicos e sociológicos mais próximos das práticas.
  • 10. UMA APRENDIZAGEM POR PROBLEMAS, UM PROCEDIMENTO CLÍNICO  As faculdades de medicina estão passando por uma revolução em diversos países. Tradicionalmente, nessa área, durante anos os estudantes acumulavam conhecimentos teóricos, sem qualquer ligação com casos clínicos, e depois passavam anos como médicos residentes em um hospital, com poucos aportes teóricos estruturados.
  • 11.  Aproveitar as demandas para propor um curso anual, exatamente igual ao do ano letivo clássico;  Evitar uma total fragmentação dos aportes e obter espaços-tempos propícios à construção ordenada de saberes que só podem ser adquiridos com relação a casos particulares.
  • 12. A formação dos professores deveria ser orientada para uma aprendizagem por problemas para que os estudantes se confrontassem com a experiência da sala de aula e trabalhassem a partir de suas observações, surpresas, sucessos e fracassos, medos e alegrias, bem como de suas dificuldades para controlar os processos de aprendizagem e as dinâmicas de grupos ou os comportamentos de alguns alunos.
  • 13. UMA VERDADEIRA ARTICULAÇÃO ENTRE TEORIA E A PRÁTICA O seguinte modelo é bastante simples e, sobretudo, muito cômodo: • Os teóricos dão uma formação teórica, isto é, aulas e seminários clássicos, sem se preocupar muito com a referência à profissão. • Os profissionais que acolhem e preparam estagiários para o trabalho de campo encarregam-se de iniciálos “ossos do ofício”. • No máximo, a formação teórica permitiria ser aprovado nos exames e obter o diploma, enquanto a formação prática daria as bases para a sobrevivência na profissão.
  • 14. UMA ORGANIZAÇÃO DIFERENCIADA  MODULAR E A maioria das formações universitárias e parte das formações profissionais estão ligadas ao sistema das unidades capitalizáveis ou “créditos”.
  • 15. UMA AVALIAÇÃO FORMATIVA BASEADA NA ANÁLISE DO TRABALHO A avaliação das competências deve ser formativa, passar por uma co-análise do trabalho dos estudantes e pela regulação de seus investimentos mais do que pelas notas ou classificações.  Algumas características particularmente pertinentes na formação dos professores:
  • 16. A avaliação só inclui tarefas contextualizadas.  A avaliação deve contribuir para que os estudantes desenvolvam mais suas competências.  A avaliação exige a utilização funcional de conhecimentos disciplinares.  A tarefa e suas exigências devem ser conhecidas antes da situação de avaliação.  A auto-avaliação faz parte da avaliação.
  • 17. Tempos e dispositivos de integração e de mobilização das aquisições A noção de integração pode ser entendida com um duplo sentido:  Por um lado, ela designa o relacionamento entre diversos componentes da formação.  Por outro, ela evoca o processo de incorporação dos saberes e o treinamento em sua transferência e mobilização.
  • 18. Uma parceria profissionais     negociada com os Não é possível pretender uma transposição didática próxima das práticas, trabalhar a transferência e a integração, adotar um procedimento clínico, aprender por meio de problemas e articular teoria e prática sem construir uma forte parceria entre a instituição de formação dos professores e as atividades de campo. Esta deve ser levada em consideração pelo menos em três níveis: O sistema educacional que acolhe os estagiários; Os estabelecimentos escolares; Os professores, individualmente ou em grupo.
  • 19. UMA DIVISÃO DOS SABERES FAVORÁVEL À SUA MOBILIZAÇÃO NO TRABALHO.  Os trabalhos sobre a transferência de conhecimentos demonstram que a mobilização nunca é automática, que ela deve ser trabalhada como tal, transformada em um desafio de formação para concretizá-la na prática e na universidade.
  • 20.    Uma das dificuldades da mobilização das aquisições refere-se à sua segmentação no currículo, Por isso, é importante construir unidade de formação que conjuguem diversas ciências sociais e humanas. “O problema dos saberes procedimentais deveria ser colocado á luz dessas divisões, A formação universitária de professores permitiu uma ruptura com a normalização das práticas. Não se forma um profissional reflexivo impondo-lhe condições ortodoxas de dar aula. (Perrenoud,2001ª).” Seria paradoxal que as profissões humanistas desenvolvessem as prescrições e que as profissões técnicas reconhecessem seus limites.
  • 21.  Atualmente, as principais carências encontram-se no primeiro registro. Os formadores trabalham, refletem, formam-se, inovam, mas com frequência cada um continua no seu canto. Deixam o desenvolvimento de uma visão conjunta nas mãos dos ministérios e da direção das instituições.