SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
O QUE ÉO QUE É
ETNOCENTRISMO?ETNOCENTRISMO?
Júlia Rafaela M. Câmara
 O conceito de etnocentrismo parte
do estudo do grande choque e da
grande estranheza que se dá no
encontro de dois ou mais grupos
diferentes. Surge, então, o grupo
do "eu" e o grupo do "outro",
tendo o primeiro como real,
absoluta e principal referência e o
segundo como algo exótico,
excêntrico, anormal, estranho e
primitivo.
 O que importa realmente,
neste conjunto de idéias, é o
fato de que, no
etnocentrismo, uma mesma
atitude informa os diferentes
grupos.
 O etnocentrismo não é
propriedade, como já disse,
de uma única sociedade,
apesar de que, na nossa,
revestiu-se de um caráter
ativista e colonizador com os
mais diferentes
empreendimentos de
conquista e destruição de
outros povos.
 O etnocentrismo passa exatamente por um julgamento do
valor da cultura do "outro" nos termos dá cultura do grupo
do "eu".
 Do ponto de vista do grupo do “eu” os que estão de fora
podem ser brabos e traiçoeiros bem como mansos e
bondosos. Aliás, "brabos" e "mansos" são dois termos
que muitas vezes foram empregados no Brasil para
designar o "humor" de determinados animais e o "estado"
de várias tribos de índios ou de escravos negros.
 Aqueles que são diferentes do grupo do eu – os diversos
"outros" deste mundo - por não poderem dizer algo de si
mesmos, acabam representados pela ótica etnocêntrica e
segundo as dinâmicas ideológicas de determinados
momentos.
 Os livros didáticos, em função mesmo do seu destino
e de sua natureza, carregam um valor de autoridade,
ocupam um lugar de supostos donos da verdade.
 Assim, como o "outro" é alguém calado, a quem não
é permitido dizer de si mesmo, mera imagem sem
voz, manipulado de acordo com desejos ideológicos,
o índio é, para o livro didático, apenas uma forma
vazia que empresta sentido ao mundo dos brancos.
Em outras palavras, o índio é "alugado" na História do
Brasil para aparecer por três vezes em três papéis
diferentes.
 O primeiro papel que o índio representa é
no capítulo do descobrimento. Ali, ele
aparece como selvagem", "primitivo",
"pré-histórico", "antropófago", etc.
 O segundo papel do índio é no capítulo
da catequese. Nele o papel do índio é o
de "criança", "inocente", "infantil", "almas
virgens", etc.
 O terceiro papel é muito engraçado. É no
capítulo "Etnia brasileira". Se o índio já
havia aparecido como "selvagem" ou
"criança", como iriam falar de um povo - o
nosso - formado por portugueses, negros
e "crianças" ou um povo formado por
portugueses, negros e "selvagens"?
Então aparece um novo papel e o índio,
num passe de mágica etnocêntrica, vira
"corajoso", "altivo", cheio de "amor à
liberdade".
 Mas, existem idéias que se contrapõem ao
etnocentrismo. Uma das mais importantes é a de
relativização.
 Quando compreendemos o "outro" nos seus
próprios valores e não nos nossos: estamos
relativizando.
 Ver que a verdade está mais no olhar que naquilo
que é olhado.
 Ela não é uma hostilidade do “outro”, mas uma
possibilidade que o "outro" pode abrir para o "eu".

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Etnocentrismo...
Etnocentrismo...Etnocentrismo...
Etnocentrismo...
ALCIONE
 

Mais procurados (20)

Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia BrasileiraCapítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
 
Cultura e ideologia
Cultura e ideologiaCultura e ideologia
Cultura e ideologia
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
ESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURTESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURT
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Raça e etnia
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do BrasilO Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL
QUESTÃO INDÍGENA NO BRASILQUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL
QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
O neoliberalismo
O neoliberalismoO neoliberalismo
O neoliberalismo
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
 
Etnocentrismo...
Etnocentrismo...Etnocentrismo...
Etnocentrismo...
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 

Destaque

Relativismo Cultural
Relativismo CulturalRelativismo Cultural
Relativismo Cultural
Bruno Pedro
 
A Diversidade Cultural
A Diversidade CulturalA Diversidade Cultural
A Diversidade Cultural
juliana_f
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
Paula Tomaz
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
Paula Melo
 
Teorías antropológicas
Teorías antropológicasTeorías antropológicas
Teorías antropológicas
sil67
 

Destaque (20)

Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Cultura e etnocentrismo
Cultura e etnocentrismoCultura e etnocentrismo
Cultura e etnocentrismo
 
etnocentrismo
etnocentrismo etnocentrismo
etnocentrismo
 
Aula 3 cultura e etnocentrismo
Aula 3   cultura e etnocentrismoAula 3   cultura e etnocentrismo
Aula 3 cultura e etnocentrismo
 
Relativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade culturalRelativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade cultural
 
Relativismo Cultural
Relativismo CulturalRelativismo Cultural
Relativismo Cultural
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Relativismo cultural
Relativismo culturalRelativismo cultural
Relativismo cultural
 
A Diversidade Cultural
A Diversidade CulturalA Diversidade Cultural
A Diversidade Cultural
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Relativismo cultural
Relativismo culturalRelativismo cultural
Relativismo cultural
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
A diversidade cultural
A diversidade culturalA diversidade cultural
A diversidade cultural
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
 
Teorías antropológicas
Teorías antropológicasTeorías antropológicas
Teorías antropológicas
 
Soc 2ºano 1ºt_8_revisão 2
Soc 2ºano 1ºt_8_revisão 2Soc 2ºano 1ºt_8_revisão 2
Soc 2ºano 1ºt_8_revisão 2
 

Semelhante a O que é etnocentrismo

Culturabrasileiraeidentidade
CulturabrasileiraeidentidadeCulturabrasileiraeidentidade
Culturabrasileiraeidentidade
Dayse Lucide
 

Semelhante a O que é etnocentrismo (20)

Cultura brasileira - Gabriel Neiva - PUC-Rio
Cultura brasileira - Gabriel Neiva - PUC-RioCultura brasileira - Gabriel Neiva - PUC-Rio
Cultura brasileira - Gabriel Neiva - PUC-Rio
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
 
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Culturabrasileiraeidentidade
CulturabrasileiraeidentidadeCulturabrasileiraeidentidade
Culturabrasileiraeidentidade
 
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.pptEtnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
 
O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...
O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...
O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...
 
DIREITOS HUMANOS E RACISMO ESTRUTURAL.pptx
DIREITOS HUMANOS E RACISMO ESTRUTURAL.pptxDIREITOS HUMANOS E RACISMO ESTRUTURAL.pptx
DIREITOS HUMANOS E RACISMO ESTRUTURAL.pptx
 
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdfHistória da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
 
Para uma autoetnografia dos estados de vulnerabilidade: ensaio num caso de di...
Para uma autoetnografia dos estados de vulnerabilidade: ensaio num caso de di...Para uma autoetnografia dos estados de vulnerabilidade: ensaio num caso de di...
Para uma autoetnografia dos estados de vulnerabilidade: ensaio num caso de di...
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
pedagogia improvavel
pedagogia improvavelpedagogia improvavel
pedagogia improvavel
 
Prova n2 antropologia e cultura brasileira
Prova n2 antropologia e cultura brasileiraProva n2 antropologia e cultura brasileira
Prova n2 antropologia e cultura brasileira
 
1376282672487
13762826724871376282672487
1376282672487
 
Teste para futuras edições
Teste para futuras ediçõesTeste para futuras edições
Teste para futuras edições
 
AULA 1_2° série - O QUE É CULTURA COMO COMPREENDER O TEMA.
AULA 1_2° série - O QUE É CULTURA COMO COMPREENDER O TEMA.AULA 1_2° série - O QUE É CULTURA COMO COMPREENDER O TEMA.
AULA 1_2° série - O QUE É CULTURA COMO COMPREENDER O TEMA.
 
DW Debate 2015/04/10: Ermelinda Liberato - Tribalismo e seu Impacto no Desenv...
DW Debate 2015/04/10: Ermelinda Liberato - Tribalismo e seu Impacto no Desenv...DW Debate 2015/04/10: Ermelinda Liberato - Tribalismo e seu Impacto no Desenv...
DW Debate 2015/04/10: Ermelinda Liberato - Tribalismo e seu Impacto no Desenv...
 
O olhar sobre o outro
O olhar sobre o outroO olhar sobre o outro
O olhar sobre o outro
 
Boletim
BoletimBoletim
Boletim
 

Mais de Julhinha Camara (13)

CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
EDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO
EDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃOEDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO
EDUCAÇÃO PARA UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO
 
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTOALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
ALUNO: SUJEITO DO CONHECIMENTO
 
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIAALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
 
INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...
INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...
INTRODUZINDO A QUESTÃO DO PLANEJAMENTO: GLOBALIZAÇÃO, INTERDISCIPLINARIDADE E...
 
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNEPLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO -PNE
 
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXIA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
 
O nascimento da pedagogia atual
O nascimento da pedagogia atualO nascimento da pedagogia atual
O nascimento da pedagogia atual
 
Diferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecerDiferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecer
 
Comenius
ComeniusComenius
Comenius
 
AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS
AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS
AS TRANSFORMAÇÕES TÉCNICO-CIENTÍFICAS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS
 
Seminario infancia
Seminario infanciaSeminario infancia
Seminario infancia
 
Grupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasilGrupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasil
 

O que é etnocentrismo

  • 1. O QUE ÉO QUE É ETNOCENTRISMO?ETNOCENTRISMO? Júlia Rafaela M. Câmara
  • 2.  O conceito de etnocentrismo parte do estudo do grande choque e da grande estranheza que se dá no encontro de dois ou mais grupos diferentes. Surge, então, o grupo do "eu" e o grupo do "outro", tendo o primeiro como real, absoluta e principal referência e o segundo como algo exótico, excêntrico, anormal, estranho e primitivo.
  • 3.  O que importa realmente, neste conjunto de idéias, é o fato de que, no etnocentrismo, uma mesma atitude informa os diferentes grupos.  O etnocentrismo não é propriedade, como já disse, de uma única sociedade, apesar de que, na nossa, revestiu-se de um caráter ativista e colonizador com os mais diferentes empreendimentos de conquista e destruição de outros povos.
  • 4.  O etnocentrismo passa exatamente por um julgamento do valor da cultura do "outro" nos termos dá cultura do grupo do "eu".  Do ponto de vista do grupo do “eu” os que estão de fora podem ser brabos e traiçoeiros bem como mansos e bondosos. Aliás, "brabos" e "mansos" são dois termos que muitas vezes foram empregados no Brasil para designar o "humor" de determinados animais e o "estado" de várias tribos de índios ou de escravos negros.  Aqueles que são diferentes do grupo do eu – os diversos "outros" deste mundo - por não poderem dizer algo de si mesmos, acabam representados pela ótica etnocêntrica e segundo as dinâmicas ideológicas de determinados momentos.
  • 5.  Os livros didáticos, em função mesmo do seu destino e de sua natureza, carregam um valor de autoridade, ocupam um lugar de supostos donos da verdade.  Assim, como o "outro" é alguém calado, a quem não é permitido dizer de si mesmo, mera imagem sem voz, manipulado de acordo com desejos ideológicos, o índio é, para o livro didático, apenas uma forma vazia que empresta sentido ao mundo dos brancos. Em outras palavras, o índio é "alugado" na História do Brasil para aparecer por três vezes em três papéis diferentes.
  • 6.  O primeiro papel que o índio representa é no capítulo do descobrimento. Ali, ele aparece como selvagem", "primitivo", "pré-histórico", "antropófago", etc.  O segundo papel do índio é no capítulo da catequese. Nele o papel do índio é o de "criança", "inocente", "infantil", "almas virgens", etc.  O terceiro papel é muito engraçado. É no capítulo "Etnia brasileira". Se o índio já havia aparecido como "selvagem" ou "criança", como iriam falar de um povo - o nosso - formado por portugueses, negros e "crianças" ou um povo formado por portugueses, negros e "selvagens"? Então aparece um novo papel e o índio, num passe de mágica etnocêntrica, vira "corajoso", "altivo", cheio de "amor à liberdade".
  • 7.  Mas, existem idéias que se contrapõem ao etnocentrismo. Uma das mais importantes é a de relativização.  Quando compreendemos o "outro" nos seus próprios valores e não nos nossos: estamos relativizando.  Ver que a verdade está mais no olhar que naquilo que é olhado.  Ela não é uma hostilidade do “outro”, mas uma possibilidade que o "outro" pode abrir para o "eu".