O nascimento da pedagogia atual

3.773 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.773
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
85
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O nascimento da pedagogia atual

  1. 1. O NASCIMENTO DAO NASCIMENTO DA PEDAGOGIAPEDAGOGIA CIENTÍFICA ECIENTÍFICA E EXPERIMENTALEXPERIMENTAL
  2. 2. O NASCIMENTO DA PEDAGOGIA CIENTÍFICA E EXPERIMENTAL • A segunda metade do século XIX assiste ao nascimento da pedagogia científica e da pedagogia experimental, que tendem a separar- se da filosofia e a tornar-se independentes da política para reconstruir o saber pedagógico em contato com as ciências positivas, que tratam do homem (a filosofia, a antropologia, a psicologia) e da sociedade (a sociologia, a etnologia, a criminologia). Renovando seu método e seu conteúdo para adoção do paradigma científico indutivo e experimental, articulada em conhecimentos baseados em “fatos”.
  3. 3. PEDAGOGIA CIENTÍFICA • A educação enquanto aprendizado de técnicas, linguagens e normas sociais é uma função fundamental da sociedade, que se organiza em instituições específicas, administrada por profissionais especializados (os docentes). A ciência pedagógica deve refletir em torno desse estatuto social da educação e produzir um saber inerente a este objetivo. A pedagogia é uma teoria prática que a psicologia, a sociologia, a história, unificadas em chave educativa, vêm fundar. • Um exemplo explicito dessa reformulação científica da pedagogia é representado pelo aspecto educativo do trabalho sociológico de Durkheim que elaborou uma teoria da educação como socialização ampla e coerente.
  4. 4. DURKHEIM • Nasceu em 15 de abril de 1858, Épinal Lorena, França. Morreu em 15 de novembro de 1917 (59 anos) em Paris. Acadêmico, sociólogo, antropólogo, filósofo, é considerado um dos pais da sociologia moderna e teve um papel muito importante na pedagogia científica.
  5. 5. PEDAGOGIA EXPERIMENTAL • A pedagogia experimental remonta ao fim do século XIX, quando foi cunhada em estreito paralelismo com a psicologia experimental e se ocupa da criança através de um estudo que se organiza como uma intervenção deliberada numa situação ou fenómeno. (De Landsheere) • A pedagogia experimental nasce como não valorativa (deixa fora os juízes de valor).
  6. 6. Como primeiros autores de destaque no âmbito da pedagogia experimental, devem ser destacados: • Pestalozzi – pelo estudo rigoroso do método de ensino desenvolvido em “Como Gertrude instrui seus filhos”.
  7. 7. • Herbart – pelos destaques dado à psicologia na escola e à experimentação de métodos. • J. M. Rice Bain – destaca-se pelo desenvolvimento de uma técnica de enquête aplicada ao rendimento escolar, como forma de avaliar de maneira “objetiva” critérios comportamentais observáveis, como freqüência e participação nas aulas; • W. Wundt – com seus estudos experimentais de psicologia aborda igualmente problemas educativos, tais como a memorização, a mensuração dos tempos de reação, a resolução de problemas e sua aprendizagem;
  8. 8. • Théodore Ribot e Alfred Binet – investigaram a fadiga intelectual; • J. Mckeen Cattell – primeiro professor de psicologia no mundo, funda a psicometria com o ensaio “testes mentais e mensuração”. • Stanley Hall – funda a revista Seminário Pedagógico em 1891, que se ocupa de psicologia genética e usa técnicas novas, como o questionário, nas suas pesquisas. • Chrisman, aluno de Stanley Hall, cunhará o termo “pedologia” para o estudo experimental da criança. • Por volta do fim do século é que o trabalho neste âmbito se torna intenso.
  9. 9. • Dewey funda a sua “Escola-laboratório” junto à Universidade de Chicago, uma verdadeira escola experimental. • Hermann Ebbinghaus, aperfeiçoa o seu teste para medir as atitudes mentais dos estudantes em 1897. • Desde então, inicia-se um movimento de grandes transformações nas escolas, dando ensejo à elaboração de métodos e técnicas de ensino, com atividades baseadas na execução de tarefas de caráter prático. Tal movimento teria criado nas escolas ativas um novo campo de investigação e experimentação escolar.
  10. 10. TENSÕES PEDAGÓGICAS DO FIM DO SÉCULO: NIETZSCHE E DILTHEY, BERGSON E SOREL • O fim do século, também no âmbito pedagógico (como ocorre nos âmbitos político, social e cultural), apresenta-se como uma fase de fermentação, de tensões e de crises. • É nos anos 90, sobretudo na Alemanha e depois na França, que o movimento de renovação cultural se consolida e se expande, refutando, ponto por ponto, todos os mitos do positivismo: o progresso, a sociedade orgânica e colaborativa, a ética social e produtiva, o culto da ciência. Entram em cena outros fatores culturais: o eu e o inconsciente, a ação e a vontade, a crítica e a dissensão.
  11. 11. • A pedagogia estará envolvida nessa fermentação cultural, sobretudo nos anos que vão do início dos novecentos até a primeira Guerra Mundial, quando o debate em torno das inovações dos sistemas escolares e em torno do estatuto da pedagogia e dos seus modelos formativos se tornará intenso e conflituoso, permeado de fortes tensões políticas e filosóficas.
  12. 12. • Com Friedrich Nietzsche (1844- 1900), delineiam-se no plano pedagógico uma crítica à tradição educativa e a proposta de uma nova Paidéia. • A crítica da educação tradicional põe em causa o modelo antropológico grego-cristão-burguês, nascido com Sócrates e confirmado com o cristianismo, que é ligado a um homem alheio aos valores trágicos e imerso num horizonte de repressão- sublimação, de oposição aos valores vitais. Friedrich Nietzsche
  13. 13. • A nova Paidéia deve ser crítica e trágica ao mesmo tempo, deve recusar o passado (como tal) e reconstruir um homem que afirme suas tensões vitais no centro do próprio projeto existencial e, portanto, da própria formação, bem como da sociedade nova que se dispõe edificar. • Wilhelm Dilthey (1833-1911), fundador do historicismo e teórico da autonomia das ciências do espírito, reafirmou uma pedagogia que se construía em torno do conceito de Bildung, em chave antipositivista e desenvolvida no sentido cultural formativo. Wilhelm Dilthey
  14. 14. Dois aspectos devem ser destacados neste quadro historicista da pedagogia: 1. O recurso à intuição, à capacidade de “reviver” a cultura e a vida espiritual por parte do sujeito- educando. 2. O apelo a um desenvolvimento formativo que leve em conta a síntese imanente, constantemente aberta e renovada, que caracteriza a verdadeira vida espiritual e o enriquecimento cultural por parte do sujeito e que deve exercitar-se numa relação estreita entre o individuo e a cultura.
  15. 15. • Na França estarão ativas, entretanto, as vozes de Henri Bergson (1859-1941) e de Georges Sorel (1847- 1922). • Em escritos como A especialização (1882) ou O bom senso e os estudos clássicos (1895) ou De inteligência (1902).
  16. 16. • Com Nietzsche, Dilthey, Bergson e Sorel estamos diante de modelos pedagógicos que terão uma profunda incidência sobre o debate pedagógico do novo século.

×