SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
DAVID HUME
ATIVIDADE COGNITIVA
EMPIRISMO
• É habitual incluir a filosofia
de David Hume no
chamado empirismo.
• O empirismo afirma que
todo o conhecimento tem
origem na experiência, nas
impressões acerca dos
objetos do mundo externo,
fornecidas pelos sentidos.
IMPRESSÕES E IDEIAS
• Temos à nossa frente uma folha de papel. Em seguida
fechamos os olhos e tentamos imaginá-la.
• A perceção desta página é mais viva quando a vemos
do que quando a imaginamos.
• Ao primeiro tipo de perceção chama Hume impressões
(conhecimento por meio dos sentidos).
• Ao segundo tipo chama ideias (representações ou
cópias daquelas no pensamento).
• Estas últimas são mais débeis, menos vivas do que as
primeiras
IMPRESSÕES E IDEIAS
“Se te queimas num fogão quente, tens uma
impressão imediata. Mais tarde, podes recordar
que te queimaste. É a isso que Hume chama
ideia. A diferença é que a impressão é mais forte e
viva do que a recordação posterior da impressão.
Podes dizer que a impressão sensível é o original
e a ideia ou recordação a cópia pálida. Porque,
afinal, a impressão é a causa direta da ideia que é
conservada na mente.”
O Mundo de Sofia, GAARDER, Jostein
CONHECIMENTO DAS IDEIAS
• Embora todas as ideias tenham o
seu fundamento nas impressões,
podemos conhecer sem recorrer às
impressões. É o caso da lógica e da
matemática.
• No entanto, estes conhecimentos
são tautológicos, ou seja, não dão
novas informações. A conclusão diz
implicitamente o que está nas
premissas.
IDEIAS COMPLEXAS
• As nossas ideias e opiniões acerca da realidade provêm
dos sentidos, sendo associações de ideias simples.
A ideia de Deus: haverá alguma
impressão / sensação
correspondente? Se não há, então a
ideia de Deus é uma criação da razão
a partir de ideias como «inteligência»,
«sabedoria», «bondade», etc.
A ideia de cavalo alado: esta ideia
resulta da combinação da ideia de
cavalo com a ideia de animais com
asas. Há impressões correspondentes
às ideias de cavalo e de animal com
asas, mas não há nenhuma impressão
correspondente à ideia de cavalo alado.
IDEIAS COMPLEXAS
“Digamos que imaginamos Deus como um ser infinitamente inteligente,
sábio e bom. Temos então uma ideia complexa que é constituída por
algo infinitamente sábio, infinitamente inteligente e infinitamente bom.
Se nunca tivéssemos tido a experiência da inteligência, sabedoria e
bondade, nunca poderíamos ter esse conceito de Deus. Talvez a
nossa ideia de Deus implique que ele seja um pai severo, mas justo –
ou seja, uma ideia que é composta por «severo», «justo» e «pai». A
partir de Hume, muitos críticos da religião apontaram precisamente
para este facto: a saber, que esta ideia de Deus pode provir do modo
como víamos o nosso próprio pai quando éramos crianças. A ideia de
um pai teria levado à ideia de um pai do céu, conforme dizem alguns.”
O Mundo de Sofia, GAARDER, Jostein
CONHECIMENTO DOS FACTOS
• Implica um confronto das proposições com a
experiência. A sua verdade ou falsidade só pode ser
determinada a posteriori.
• Por exemplo: “Este martelo é pesado” é um juízo cujo
valor de verdade não pode ser decidido pela simples
inspeção a priori.
• Todo o conhecimento de factos (empírico) é meramente
provável.
CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE
• Se eu disser “o fogo aumenta a
temperatura dos objetos”, tenho
que confrontar este juízo com a
verificação experimental, não
bastando o simples uso da razão.
• Temos observado o fogo
frequentes vezes, e temos
observado ainda que, em seguida,
aumentava a temperatura dos
objetos situados junto dele, mas
nunca observamos que entre os
dois factos existe uma conexão
necessária.
CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE
• Segundo Hume, apenas sabemos que assim acontecerá
porque já vimos outras vezes.
• É o hábito que nos leva a inferir uma relação de causa
e efeito entre dois fenómenos.
• Se no passado ocorreu sempre um determinado facto a
seguir a outro, então nós esperamos que no presente e
no futuro também ocorra assim.
CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE
O carril aquece por causa do calor.
• Na verdade não sabemos se é sempre assim.
• Só associamos o calor e a dilatação do carril.
• Por força de um hábito psicológico formado a partir de
repetidas experiências.
CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE
• “O movimento na
segunda bola de
bilhar é um evento
inteiramente distinto
do movimento na
primeira, nem coisa
alguma existe numa
para sugerir a mínima
sombra da outra.”
David Hume
CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE
• Hume nega a tese do determinismo que afirma
que tudo o que acontece tem uma causa, isto é,
os acontecimentos são determinados por outros
anteriores.
CETICISMO MODERADO
• Não podemos considerar o
conhecimento como
absolutamente verdadeiro.
• Hume assume uma perspectiva
de ceticismo moderado,
rejeitando a atitude dogmática
(própria do realismo ingénuo do
senso comum).
CETICISMO MODERADO
• Hume é CÉTICO porque acredita que a nossa
capacidade de conhecimento tem limites e porque a
análise das nossas crenças mostra que muitas delas
não têm justificação (exemplo: as leis da natureza são
generalizações incertas).
• É MODERADO porque pensa que apesar de não haver
justificação ou fundamento para as crenças na
uniformidade da Natureza e na existência do mundo
exterior, temos de acreditar nelas para podermos agir.
CETICISMO MODERADO
• Apesar de não podermos saber se as nossas
percepções correspondem ao mundo exterior, não
devemos abandonar a nossa crença intuitiva no
mundo exterior e na causalidade entre os
fenómenos.
• Hume mostra-nos que o nosso conhecimento é
limitado e devemos sempre evitar o dogmatismo
optando por uma posição crítica. Essa posição afasta-o
de Descartes.
CETICISMO MODERADO
• YOUR SUBTOPICS GO HERE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 

Destaque

Destaque (7)

EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
 
Kant
KantKant
Kant
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigidoPersuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
 
Persuasão e Manipulação
Persuasão e ManipulaçãoPersuasão e Manipulação
Persuasão e Manipulação
 
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 

Semelhante a Hume

Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Helena Serrão
 
david HUMEpresentation. quick of david hume theory
david HUMEpresentation. quick of david hume theorydavid HUMEpresentation. quick of david hume theory
david HUMEpresentation. quick of david hume theoryFbioBrs3
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VImluisavalente
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Helena Serrão
 
Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09EfaSucesso
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume textopyteroliva
 
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUMEPpt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUMEAnaKlein1
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeJorge Barbosa
 
11teoriasexplicativasconhecimentohume 100211092125-phpapp02
11teoriasexplicativasconhecimentohume 100211092125-phpapp0211teoriasexplicativasconhecimentohume 100211092125-phpapp02
11teoriasexplicativasconhecimentohume 100211092125-phpapp02adelinodias
 
O problema da causalidade.docx
O problema da causalidade.docxO problema da causalidade.docx
O problema da causalidade.docxrmagaspar
 
David Hume.pptx
David Hume.pptxDavid Hume.pptx
David Hume.pptxIdaBarras1
 
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasProfessora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasVanúcia Moreira
 
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David HumeTeorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Humeguest9578d1
 
Resumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º FilosofiaResumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º FilosofiaMatilde Silva
 

Semelhante a Hume (20)

Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
david HUMEpresentation. quick of david hume theory
david HUMEpresentation. quick of david hume theorydavid HUMEpresentation. quick of david hume theory
david HUMEpresentation. quick of david hume theory
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
Hume.pptx
Hume.pptxHume.pptx
Hume.pptx
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
 
Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
 
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUMEPpt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
11teoriasexplicativasconhecimentohume 100211092125-phpapp02
11teoriasexplicativasconhecimentohume 100211092125-phpapp0211teoriasexplicativasconhecimentohume 100211092125-phpapp02
11teoriasexplicativasconhecimentohume 100211092125-phpapp02
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
O problema da causalidade.docx
O problema da causalidade.docxO problema da causalidade.docx
O problema da causalidade.docx
 
David Hume.pptx
David Hume.pptxDavid Hume.pptx
David Hume.pptx
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
 
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasProfessora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David HumeTeorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
 
Resumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º FilosofiaResumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
 

Mais de norberto faria

Mais de norberto faria (9)

10.psicologia aplicada
10.psicologia aplicada10.psicologia aplicada
10.psicologia aplicada
 
3. freud psicanálise
3. freud   psicanálise3. freud   psicanálise
3. freud psicanálise
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
 
Teste de rorschach
Teste de rorschachTeste de rorschach
Teste de rorschach
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
 

Último

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 

Último (20)

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 

Hume

  • 2. EMPIRISMO • É habitual incluir a filosofia de David Hume no chamado empirismo. • O empirismo afirma que todo o conhecimento tem origem na experiência, nas impressões acerca dos objetos do mundo externo, fornecidas pelos sentidos.
  • 3. IMPRESSÕES E IDEIAS • Temos à nossa frente uma folha de papel. Em seguida fechamos os olhos e tentamos imaginá-la. • A perceção desta página é mais viva quando a vemos do que quando a imaginamos. • Ao primeiro tipo de perceção chama Hume impressões (conhecimento por meio dos sentidos). • Ao segundo tipo chama ideias (representações ou cópias daquelas no pensamento). • Estas últimas são mais débeis, menos vivas do que as primeiras
  • 4. IMPRESSÕES E IDEIAS “Se te queimas num fogão quente, tens uma impressão imediata. Mais tarde, podes recordar que te queimaste. É a isso que Hume chama ideia. A diferença é que a impressão é mais forte e viva do que a recordação posterior da impressão. Podes dizer que a impressão sensível é o original e a ideia ou recordação a cópia pálida. Porque, afinal, a impressão é a causa direta da ideia que é conservada na mente.” O Mundo de Sofia, GAARDER, Jostein
  • 5. CONHECIMENTO DAS IDEIAS • Embora todas as ideias tenham o seu fundamento nas impressões, podemos conhecer sem recorrer às impressões. É o caso da lógica e da matemática. • No entanto, estes conhecimentos são tautológicos, ou seja, não dão novas informações. A conclusão diz implicitamente o que está nas premissas.
  • 6. IDEIAS COMPLEXAS • As nossas ideias e opiniões acerca da realidade provêm dos sentidos, sendo associações de ideias simples. A ideia de Deus: haverá alguma impressão / sensação correspondente? Se não há, então a ideia de Deus é uma criação da razão a partir de ideias como «inteligência», «sabedoria», «bondade», etc. A ideia de cavalo alado: esta ideia resulta da combinação da ideia de cavalo com a ideia de animais com asas. Há impressões correspondentes às ideias de cavalo e de animal com asas, mas não há nenhuma impressão correspondente à ideia de cavalo alado.
  • 7. IDEIAS COMPLEXAS “Digamos que imaginamos Deus como um ser infinitamente inteligente, sábio e bom. Temos então uma ideia complexa que é constituída por algo infinitamente sábio, infinitamente inteligente e infinitamente bom. Se nunca tivéssemos tido a experiência da inteligência, sabedoria e bondade, nunca poderíamos ter esse conceito de Deus. Talvez a nossa ideia de Deus implique que ele seja um pai severo, mas justo – ou seja, uma ideia que é composta por «severo», «justo» e «pai». A partir de Hume, muitos críticos da religião apontaram precisamente para este facto: a saber, que esta ideia de Deus pode provir do modo como víamos o nosso próprio pai quando éramos crianças. A ideia de um pai teria levado à ideia de um pai do céu, conforme dizem alguns.” O Mundo de Sofia, GAARDER, Jostein
  • 8. CONHECIMENTO DOS FACTOS • Implica um confronto das proposições com a experiência. A sua verdade ou falsidade só pode ser determinada a posteriori. • Por exemplo: “Este martelo é pesado” é um juízo cujo valor de verdade não pode ser decidido pela simples inspeção a priori. • Todo o conhecimento de factos (empírico) é meramente provável.
  • 9.
  • 10. CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE • Se eu disser “o fogo aumenta a temperatura dos objetos”, tenho que confrontar este juízo com a verificação experimental, não bastando o simples uso da razão. • Temos observado o fogo frequentes vezes, e temos observado ainda que, em seguida, aumentava a temperatura dos objetos situados junto dele, mas nunca observamos que entre os dois factos existe uma conexão necessária.
  • 11. CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE • Segundo Hume, apenas sabemos que assim acontecerá porque já vimos outras vezes. • É o hábito que nos leva a inferir uma relação de causa e efeito entre dois fenómenos. • Se no passado ocorreu sempre um determinado facto a seguir a outro, então nós esperamos que no presente e no futuro também ocorra assim.
  • 12. CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE O carril aquece por causa do calor. • Na verdade não sabemos se é sempre assim. • Só associamos o calor e a dilatação do carril. • Por força de um hábito psicológico formado a partir de repetidas experiências.
  • 13. CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE • “O movimento na segunda bola de bilhar é um evento inteiramente distinto do movimento na primeira, nem coisa alguma existe numa para sugerir a mínima sombra da outra.” David Hume
  • 14. CRÍTICA À NOÇÃO DE CAUSALIDADE • Hume nega a tese do determinismo que afirma que tudo o que acontece tem uma causa, isto é, os acontecimentos são determinados por outros anteriores.
  • 15. CETICISMO MODERADO • Não podemos considerar o conhecimento como absolutamente verdadeiro. • Hume assume uma perspectiva de ceticismo moderado, rejeitando a atitude dogmática (própria do realismo ingénuo do senso comum).
  • 16. CETICISMO MODERADO • Hume é CÉTICO porque acredita que a nossa capacidade de conhecimento tem limites e porque a análise das nossas crenças mostra que muitas delas não têm justificação (exemplo: as leis da natureza são generalizações incertas). • É MODERADO porque pensa que apesar de não haver justificação ou fundamento para as crenças na uniformidade da Natureza e na existência do mundo exterior, temos de acreditar nelas para podermos agir.
  • 17. CETICISMO MODERADO • Apesar de não podermos saber se as nossas percepções correspondem ao mundo exterior, não devemos abandonar a nossa crença intuitiva no mundo exterior e na causalidade entre os fenómenos. • Hume mostra-nos que o nosso conhecimento é limitado e devemos sempre evitar o dogmatismo optando por uma posição crítica. Essa posição afasta-o de Descartes.
  • 18. CETICISMO MODERADO • YOUR SUBTOPICS GO HERE