O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2327

37 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Governo e ONGs
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2327

  1. 1. JB NEWS Filiado à ABIM sob nr. 007/JV Editoria: Ir Jeronimo Borges Loja Templários da Nova Era nr. 91(Florianópolis) - Obreiro Loja Alferes Tiradentes nr. 20 (Florianópolis) - Membro Honorário Loja Harmonia nr. 26 (B. Horizonte) - Membro Honorário Loja Fraternidade Brazileira de Estudos e Pesquisas (J. de Fora) -Correspondente Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas (P. Alegre) - Correspondente Academia Catarinense Maçônica de Letras Academia Maçônica de Letras do Brasil – Arcádia de B. Horizonte O JB News saúda os Irmãos leitores de Sete Lagoas (MG – Imagem enviada pelo Ir Menaldo Assis (Publique aqui a imagem de sua cidade: jbnews@floripa.com.br) Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.327 – Florianópolis (SC) – domingo, 12 de fevereiro de 2017 Bloco 1-Almanaque Bloco 2-IrNewton Agrella – Movidos pela curiosidade Bloco 3-IrJoão Ivo Girardi – Manipulação Bloco 4-IrJosé Ronaldo Viega Alves – A Arca ainda continua escondida sob o monte do Templo? .... Bloco 5-IrHercule Spoladore – Especulações a respeito das Iniciações no futuro – uma visão ..... Bloco 6-IrJoão Anatalino Rodrigues – Só os mortos apodrecem Bloco 7-Destaques JB – Breviário Maçônico p/o dia 12 de fevereiro e hoje com versos do Irmão e Poeta Sinval Santos da Silveira (Florianópolis – SC)
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 2/28 Hercule Spoladore – A Bíblia de– A Bíblia de Jefferson Hercule Spoladore – A Bíblia de Jefferson 12 de fevereiro  870 — O Quarto Concílio de Constantinopla é encerrado.  1525 — América Colonial: o espanhol Hernán Cortés executa último imperador asteca, Cuauhtémoc.  1644 — Brasil Colônia: holandeses abandonam São Luís do Maranhão, que volta ao domínio português.  1736 — Por decreto, a Coroa portuguesa, obriga a que o transporte de ouro, diamantes e outras pedras preciosas do Brasil, se faça exclusivamente nos cofres das frotas.  1854 — O primeiro desfile de carros alegóricos durante o carnaval no Brasil aconteceu no Rio de Janeiro.  1897 — A Rainha Ranavalona III, a última monarca de Madagáscar (ou Madagascar), é deposta pelas tropas militares da França.  1904 — Fundado o Sport Lisboa e Benfica, um dos mais populares clubes de Portugal.  1912 — No Missouri (Estados Unidos) Albert Perry, capitão norte-americano realizou o primeiro salto de pára-quedas de um avião.  1914 — Carlitos (em Portugal, Charlot), interpretado por Charlie Chaplin, aparece pela primeira vez no cinema, em Between Showers.  1922 — A independência do Egito foi reconhecida pelo Reino Unido, que mesmo assim continuou com o controle do Canal de Suez. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. 1 – ALMANAQUE Hoje é o 43º dia do Calendário Gregoriano. Faltam 322 dias para terminar o ano de 2017 - Lua Cheia - Dia do Orgulho Ateu É o 128º ano da Proclamçaõ da República; 195º da Independência do Brasil e 517º ano do Descobrimento do Brasil Colabore conosco. Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebe o JB News, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias por mala direta. Obrigado. EVENTOS HISTÓRICOS (Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 3/28  1960 — Cerimônia de abertura da I Universíada de Inverno em Villars, Suíça.  1964 — Paulínia é emancipada, separando-se de Campinas.  1966 — Foi fechado definitivamente o local das primeiras apresentações dos Beatles, o bar Cavern Club.  1974 — Depois de sete anos de desentendimentos, Estados Unidos e Egito restabelecem relações diplomáticas.  1986 — Com medidas para conter a inflação e estabilizar a economia foi decretado no Brasil o Plano Cruzado. A nova moeda substitui o cruzeiro, com o corte de três zeros (mil cruzeiros passaram a valer um cruzado).  1991 — Fim da Guerra do Golfo.  1994 — Aviões americanos abateram quatro aviões iugoslavos na Bósnia, na primeira ação militar da OTAN.  1996 — No Reino Unido a princesa Diana concordou em se divorciar do príncipe Charles.  1997 — Um sismo de magnitude 5,5 na escala de Richter, sentido no noroeste do Irão (Irã), provoca cerca de 1100 mortos e entre 40 a 60 mil feridos.  2010 — Cerimônia de encerramento dos XXI Jogos Olímpicos de Inverno em Vancouver, Canadá.  2013 — Termina o pontificado de Bento XVI, que anunciou sua renúncia do dia 11 de fevereiro do mesmo ano.  2014 — A Universidade de Guadalajara, no México, ganha o reconhecimento de "benemérita" pelo congresso do estado de Jalisco. 1821 Alvará, desta data, criou a Comarca de Ilha de Santa Catarina. 1889 Assume o governo de Santa Catarina o vice-presidente da Província, José Ferreira de Melo. 1949 Instalação do município de Taió, criado pela Lei nº 247 de 30 de dezembro de 1948. 1952 Morre, em Criciúma, Giacomo Sonego, um dos fundadores daquela cidade. Foi pioneiro na exploração do carvão mineral em Santa Catarina. Nasceu na Itália a 16 de agosto de 1858. 1809 Nasce Abraham Lincoln () 1880 Primeira reunião da Grande Loja Simbólica Escocesa, na França, formada por 16 Lojas inconformadas com o regime autocrático do Supremo Conselho. 1847 O Grande Oriente do Brasil funda um Supremo Conselho Independente. 1880 Primeira reunião da GL Simbólica Escocesa, na França, formada por 16 Lojas inconformadas com o regime autocrático do SC Francês. 1998 Fundação da Loja Energia e Luz , 3.130 de Tubarão – GOB/SC Fatos históricos de santa Catarina Fatos maçônicos do dia Fonte: O Livro dos Dias 20ª edição (Ir João Guilherme) e acervo pessoal
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 4/28 Os Irmãos Templários te esperam nos Ingleses para uma “Templar Bier” e gostosos petiscos de cair a espada, digo, de cair o queixo. O “Templar Bier” nos Ingleses, à rua geral nr. 6040, é o novo ponto de encontro dos Maçons de Florianópolis. Contatos: Ir Darci Rocco (Loja Templários da Nova Era) nos telefones (48) 3233-5069 – 9 9943 1571
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 5/28 Venerável Mestre! Desejas criar e manter um site de qualidade da sua Loja? Então atente para este anúncio (Coisa de Irmão para Irmão)
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 6/28 LANÇAMENTO R$50,00 Todos os dias dá para pinçar alguma coisa para discutir em Loja e enriquecer a sessão. (O JB News só usa para o seu 1º. Bloco, informações fornecidas pelo “O Livro dos Dias”) Dia após dia, está em O Livro dos Dias, em sua 21ª Edição! Aproveite para conferir em www.artedaleitura.com De Irmão para Irmão As publicidades aqui veiculadas são cortesia do JB News, como apoio aos irmãos em suas atividades profissionais. Valorize-os, preferindo o que está sendo anunciado.
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 7/28 O Ir Newton Agrella - M I Gr 33 escreve aos domingos. É membro ativo da Loja Luiz Gama Nr. 0464 e Loja Estrela do Brasil nr. 3214 REAA - GOSP - GOB newagrella@gmail.com "MOVIDOS PELA CURIOSIDADE" Muitos de nós somos pródigos de uma sensação quase incontida e inebriante que nos chama a alma e nos conduz quase que sintomaticamente ao caminho do desconhecido. Essa sensação se revela como uma capacidade natural e inata da exploração e investigação inerente ao nosso instinto a que chamamos de "curiosidade". Porém no campo social e da convivência quando a curiosidade extrapola os limites da ética, como por exemplo a invasão de alguns princípios ou a invasão do espaço de outrem ela se torna objeto de rejeição ou de mal estar. Na maioria das vezes a simples vontade de ver, de travar um contato real apenas e tão somente para satisfazer um desejo, ou se aventurar pelos segredos de um universo ou de assuntos alheios, pela pura e simples indiscrição - pode nos tornar reféns dessa curiosidade. Talvez por isso, a nossa Sublime Ordem ao longo de sua existência, invariavelmente tem sido vítima de muitos que simplesmente se arvoram no desejo de inteirar-se ou de querer entender a sua essência - submetendo-se a um processo iniciático - sem o devido valor de juízo que tal decisão impõe. A curiosidade conforme dito anteriormente, via de regra, sugere uma experiência empírica, ou seja, atuando diretamente junto ao objeto de desejo e por vezes pode ser interpretada como um impulso incontrolável sem base em algum princípio ou fundamento. Quer queira quer não, na própria Maçonaria encontraremos muitos iniciados que movidos pela efemeridade de seus instintos e desejos, após pouco tempo começam a se desinteressar pelos postulados da Ordem, e pouco ou quase nada fazem para querer se desenvolver dentro dela. Sobretudo no que respeita a necessidade do aprofundamento nos estudos, na pesquisa, na leitura e na frequência e participação em Loja bem como na elaboração de trabalhos que são solicitados pelas comissões de graus. Eis a razão da existência de um aviso que o candidato ao adentrar à chamada Câmara de Reflexão se deparará com os seguintes dizeres: SE A CURIOSIDADE AQUI TE CONDUZ, RETIRA-TE Cabe insistir que a Maçonaria não pode e nem deve servir como instrumento experimental para atender a uma reles e transitória curiosidade. Como entidade voltada ao aperfeiçoamento humano fundamentada em grandes ensinamentos, todo homem munido da simples curiosidade, longe de lhe ser útil seria sim uma atitude obtusa essa insistência. 2 – Movidos pela Curiosidade Newton Agrella
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 8/28 A Maçonaria que confere ao mundo a sua utilidade por meio de sábios e discretos ensinamentos e por exemplos de virtude repele a improcedente afeição ao superficial, ao fútil, potencializando ao homem o desejo de instruir-se através de estudos sadios, consistentes, sérios e profícuos. Na própria Sessão Magna de Iniciação quando se argui o Candidato quanto ao motivo que o leva a querer ingressar na Maçonaria - as respostas são praticamente idênticas e sem o menor vestígio de originalidade ou perspicácia ou seja; "respostas-padrão" do tipo: "...porque busco conhecimento..." "...porque quero evoluir como ser humano..." "...porque sempre ouvi que os "Irmãos" são pessoas muito boas..." "...porque quero me aperfeiçoar sob as bençãos do Grande Arquiteto do Universo.." Ou seja; o candidato nem bem ingressou ou foi admitido na Ordem e já se vale da expressão "Irmãos" , "Grande Arquiteto do Universo".... e por aí afora. Isso é simplesmente um non-sense, para não dizer ridículo, posto que o padrinho do candidato - plenamente responsável pela indicação do mesmo - deveria "no mínimo" orientá-lo a não querer se valer de expressões que não lhe são familiares e tão pouco pertinentes a um profano - ou se preferir : a um "não maçom". O que se observa portanto, é uma verdadeira inversão de valores - e que tem contribuído largamente para um desnível acentuado da qualidade das próprias Oficinas e de seus Obreiros. Durante a chamada "sindicância" o candidato precisa ser instruído sobre o que significa a Maçonaria, quais os seus princípios e jamais orientá-lo quanto a expressões ou formas de se referir quando instado pelo Venerável Mestre ou algum outro obreiro durante sua Iniciação. Vale sempre reiterar que a bem da verdade ninguém se torna "Maçom". Eis aí uma das diferenças mais contundentes que a nossa Ordem ensina: o que nós podemos ser sim é "reconhecidos como tal" ou seja; que os Irmãos possam nos ver e nos considerar seus pares mediante nossas atitudes, nosso comportamento, nossa postura ritualística e claro, pelos nossos mínimos - porém imprescindíveis - conhecimentos dos Sinais, Toques e Palavras. O lado positivo da curiosidade está pautado somente na busca do conhecimento e da verdade através do estudo, da observação, da vontade de aprender e do comprometimento com o juramento a que nos submetemos com a consciência daquilo que se almeja. Diante desse cenário, o cuidado que se deve ter ao se valer da mera curiosidade como exercício para a evolução é algo a ser questionado intimamente, pois a Maçonaria não é laboratório de experimentos, mas sim um código de conduta, uma Oficina de Trabalho de nosso Interior, de nosso Intelecto e de Relações Humanas pautadas pelo Estudo, na prática da Virtude e nos princípios basilares da Liberdade de Pensamento, da Igualdade de Direitos e Obrigações e da Fraternidade que é o que nos torna unos e conscientes de nossa missão. Fraternalmente Newton Agrella
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 9/28 O Ir. João Ivo Girardi joaogira@terra.com.br da Loja “Obreiros de Salomão” nr. 39 de Blumenau é autor do “Vade-Mécum Maçônico – Do Meio-Dia à Meia-Noite” Premiado com a Comenda do Mérito Cultural Maçônico “Aquiles Garcia” 2016 da GLSC e com a Ordem do Mérito Templário da Loja Templários da Nova Era. escreve às quartas-feiras e domingos. MANIPULAÇÃO “A arte da manipulação e do controle das massas, não está propriamente em contar mentiras, e sim, meias verdades”. (Jonathan Schunck). 1. A palavra manipulação está associada a controlar diretamente ou indiretamente um objeto, regra, animal ou pessoa para atuar de uma determinada forma de acordo com os desejos do agente manipulador. Assim ela pode se referir a: Influência social; Manipulação mental; Coerção. Mas também pode estar associada a manipulação de objetos como medicamentos, ferramentas e informações. 2. Conceito e significado da palavra manipular: Ao tratarmos de influência falou-se muito em credibilidade. Esse aspecto demonstra que houve uma influência positiva. Quando se trata do conceito de manipulação observamos que o sentimento não é de credibilidade, pois, de acordo com o Dicionário Aurélio, manipular, é palavra de origem do latim manipulare, manipuler e significa dar formato a algo, produzir, forjar, maquinar, fazer funcionar; pôr em movimento; acionar, controlar, dominar. As palavras que definem ou conceituam manipular, nos permitem interpretar que se trata de comportamentos arbitrários por parte de quem usa os artifícios apresentados para a conquista dos objetivos. Segundo Eliana Zuker embora o foco nos sentimentos não seja cientifico, o mesmo tem sido eficaz. A autora deixa claro que Manipulação é um conjunto de ações desonestas altamente agressivas, destinadas a fazer com que alguém mude sua crença ou seu comportamento para beneficiar o manipulador. (Zuker, 1993, p. 10). Ao usar esse artifício há uma tendência de fracasso. Pois as pessoas que não se sentem totalmente certas, seguras que desejam o mesmo que o outro geralmente não se deixa levar, não agem de acordo com o esperado pelo manipulador. (Fonte: Portal Educação, 08/05/2015). 3. Henry David Thoreau: (1817-1862), filósofo transcendentalista de Harvard, viveu solitário durante dois anos às margens da lagoa Walden, em Concord, perto de Boston, Massachusetts. Defendia os direitos da pessoa humana e foi preso por se recusar a pagar impostos, um gesto de desobediência política, em protesto contra a guerra com o México. Escreveu o livro Walden ou A Vida nos Bosques. Princípios de Thoreau: 1) Nenhum modo de vida é inevitável. Examine o seu próprio de perto. 2) Se você não gosta dele, mude-o. 3 – Manipulação João Ivo Girardi
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 10/28 3) Mas não tente mudá-lo através da ação política. Mesmo que você consiga ganhar o poder, não poderá usá-lo mais sabiamente que seus predecessores. 4) Peça somente que o deixem em paz, para resolver os seus problemas a seu modo. 5) Simplifique suas necessidades. Aprenda como ser feliz com menos posses. Como Skinner salientou, os princípios de Thoreau era uma espécie de Walden para um, um pensamento bastante individualista, então a esses princípios, Skinner adicionou os seguintes; 6) Construa um modo de vida no qual as pessoas vivam juntas sem brigar, num clima social de confiança ao invés de suspeita, de amor ao invés de ciúme, de cooperação ao invés de competição. 7) Mantenha esse mundo com sanções éticas brandas, mas efetivas, ao invés de polícia ou força militar. 8) Transmita a cultura eficazmente aos novos membros através de cuidados especializados às crianças e de uma tecnologia educacional poderosa. 9) Reduza o trabalho compulsivo ao mínimo, dispondo os tipos de incentivo sob os quais as pessoas apreciam trabalhar. 10) Não considere nenhuma prática como imutável. Mude e esteja pronto a mudar novamente. Não aceite verdade eterna. Experimente. Se deseja uma sociedade justa, lute por ela, tenha seus próprios pensamentos, seus próprios princípios, suas próprias idéias, encontre pessoas que tenham princípios parecidos, e se juntem, formulem idéias, e tentem colocá-las em práticas. Para que pensar não vai adiantar, por que não tentar e ver se dá certo? Talvez suas idéias não mudem o mundo, porém, se reunindo com outras pessoas, idéias são trocadas, pode-se escolher o melhor de cada uma, e então se formar uma idéia maior, com um propósito maior, e então assim, pode-se conseguir fazer alguma diferença. Não se deixe manipular por X e Y, fale e ouça, ensine e aprenda. Sem mais. 4. Características de um Manipulador: O estilo manipulador apresenta uma relação tática com os outros e tende a valorizar o outro através de frases que pretende que sejam humorísticas e que denotem inteligência e cultura. Por norma, exagera a caricatura algumas partes da informação emitida pelos outros podendo repetir a informação de forma desfigurada e manipulada à sua maneira. Pode utilizar a simulação como instrumento para manipular os outros, nega fatos e inventa historias para mostrar as coisas como lhe convém. Fala por meias palavras e é especialista em rumores. Prefere criar conflitos no momento oportuno do que reduzir as tensões existentes. Oferece os seus talentos em presença de públicos difíceis. A sua arma preferida é a culpa. Ele explora as tradições, convicções e os escrúpulos de cada um; faz chantagem moral. Emprega frequentemente o nós e não o eu; falemos francamente; confiemos um no outro. (Mixórdia Isep). 5. Quem manipula? Manipula aquele que quer vencer-nos sem convencer-nos, seduzir- nos para que aceitemos o que nos oferece sem dar-nos razões. O manipulador não fala à nossa inteligência, não respeita nossa liberdade; atua astutamente sobre nossos centros de decisão a fim de arrastar-nos a tomar as decisões que favorecem seus propósitos. Em um comercial de televisão apresentou-se um carro luxuoso. Em seguida, no lado oposto da tela, apareceu a figura de uma belíssima jovem. Não disse uma só palavra, não fez o menor gesto; simplesmente mostrou sua encantadora imagem. Imediatamente o carro começou a andar por paisagens exóticas, e uma voz nos sussurrou amavelmente ao ouvido: "Deixe rolar todo tipo de sensações!". Nesse anúncio não se dá razão alguma para se escolher esse carro em vez de outro. Sua imagem articula-se com realidades atrativas para milhões de pessoas e envolve todas no halo de uma frase impregnada de aderências sentimentais. Desse modo, o carro fica aureolado de prestígio. Quando você for à concessionária, você se sentirá inclinado a escolher este carro. E o carro você leva, mas não a mulher. Na verdade, ninguém tinha prometido que, se você comprasse o
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 11/28 carro, teria a possibilidade de acesso à mulher, o que teria sido um modo de dirigir-se à sua inteligência. Limitaram-se a influir sobre sua vontade de forma tortuosa, astuta. Não lhe enganaram; lhe manipularam, que é uma forma sutil de engano. Estimularam teu apetite com sensações gratificantes a fim de orientar tua vontade para a compra deste produto, não para satisfazer ou ajudar a desenvolver tua personalidade. Você foi reduzido a mero cliente. Essa forma de reducionismo é a quintessência da manipulação. Este tipo de manipulação comercial costuma acompanhar outra muito mais perigosa ainda: a manipulação ideológica, que impõe idéias e atitudes de forma oculta, graças à força de arrasto de certos recursos estratégicos. Assim, a propaganda comercial difunde, muitas vezes, a atitude consumista e a faz valer sob o pretexto de que o uso de tais e quais artefatos é sinal de alta posição social e de progresso. Um anúncio de um carro luxuoso dizia: O carro dos vencedores. Você que é um vencedor deve usar este carro, que vence na estrada. Carro tal: o vitorioso! Quando se quer impor atitudes e idéias referentes a questões básicas da existência - a política, a economia, a ética, a religião... -, a manipulação ideológica torna-se extremamente perigosa. Atualmente, muitas vezes se entende por ideologia um sistema de idéias esclerosadas, rígido, que não suscita adesões por carecer de vigência e, portanto, de força persuasiva. Se um grupo social assume radicalmente este sistema como programa de ação e quer impô-lo, só dispõe de dois recursos: 1. A violência, que se encaminha para a tirania, 2. A astúcia e recorre à manipulação. As formas de manipulação praticadas por razões ideológicas costumam mostrar um notável refinamento, já que são programadas por profissionais de estratégia. (Fonte: A Manipulação do Homem através da Linguagem, Alfonso López Quintás) 5. A Manipulação Religiosa: O filósofo e sacerdote Alfonso López Quintás tem interessantes trabalhos no campo do domínio humano pela linguagem. Dentre os seus arrazoados, há um tema que sempre se fez presente no seio da sociedade: a manipulação humana. É sabido que manipular é o mesmo que manejar, logo se deduz que os manejáveis são os objetos, que possuídos podem ser manipulados de acordo com a vontade de seus donos. Assim, deduz-se que manipular pessoas é reduzi-las a meros objetos, a fim de fazer delas o que apraz a consciência do seu manipulador. É, em verdade, como afirmará Quintás rebaixar a condição pensante humana. Essa redução vil é a meta do sadismo, e se diga logo aqui que sádico não significa ser cruel como se concebe em geral, mas sim ter atitudes que rebaixem a condição do outro. O manipulador é um sádico. Dessa forma, reduzir uma pessoa à condição de um objeto para manipulá-la, é exercício de puro sadismo. Vê-se que se trata de uma prática comum no meio político partidário, todavia quando chega às religiões se torna algo mais abjeto e execrável ainda, pois se tenta manipular aquele que se quer vencer, sem convencer. O manipulador religioso usa dos ardis da palavra escrita ou pregada para atuar astutamente sobre o centro das decisões de seus seguidores, desrespeitando a sua inteligência, mas maquiando tudo com muita mansidão e espírito elevado, a fim de que os seus propósitos sejam alcançados, ou seja: conduzir a massa a tomar decisões que contemplem o seu interesse, o seu objetivo. O manipulador religioso tem sanha de possuir condutas, para que elas sejam conduzidas ao sabor de suas mesquinharias, em geral para solidificação de poder. É muito importante, portanto, que tenhamos sempre os nossos radares atentos, nosso senso de avaliação sintonizado nos princípios do bom senso e da razão, a fim de melhor detectarmos o que nos vem como sugestão, incitação ou mesmo proposta. Nos casos de pregadores religiosos sempre será de bom tom procurar sentir se naquelas palavras e/ou pregações há sentimentos elevados, propostas reestruturadoras de vida, ou apenas destilação de erudição sem propósito, religiosidade falsa, artificial. O manipulador religioso tem como instrumento a falácia, pois pega um pontinho de aparente coerência e verdade e ajusta aos seus interesses, geralmente muito bem
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 12/28 dissimulados. Destarte, precisamos sempre, e em tudo que ouvirmos ou lermos, retirar o apaixonamento raivoso que nos enceguece, buscando sempre a razão, a reflexão, a coerência entre o teórico e o prático. O fanatismo sempre será o fermento ideal para o manipulador inserir em sua massa. Cuidado. Por fim, é sempre bom estarmos atentos ao que ouvimos, lemos para que o ajuizamento nasça da nossa conscientização, do que aceitarmos como plausível e lógico para que, assim fazendo, sejamos, de fato, autores de nossas ações, não marionetes de quem quer que seja. (José Medrado). 6. Máximas: - As águias deixam que os passarinhos cantem, sem nenhuma preocupação com o seu tinado alegre, certas de que com a sombra de suas asas poderão reduzi-los ao silêncio. (Shakespeare). - Nunca tenha certeza de nada, por que a sabedoria começa com a dúvida. (Freud). - A falsidade é suscetível de uma infinidade de combinações; mas a verdade só tem uma maneira de ser. (Rousseau). - Quem não sabe o que busca, não identifica o que acha. (Kant). - Para manipular eficazmente as pessoas é necessário fazê-las crer que nada as manipula. (John K. Galbraith). MAÇONARIA A Maçonaria é Manipuladora? Deixo esta pergunta para reflexão dos Irmãos. Finalizo com uma citação de Alfonso Lopez Quintás, que entendo se encaixar perfeitamente dentro da nossa filosofia social. [...] Se quisermos colaborar eficazmente a construir uma sociedade melhor, mais solidária e mais justa, devemos identificar os ardis da manipulação e aprender a pensar com todo o rigor. Não é muito difícil. Um pouco de atenção e agudeza crítica nos permitirá desmascarar as prestidigitações de conceitos que se estão cometendo e aprender a fazer justiça à realidade. Esta fidelidade ao real nos proporcionará uma imensa liberdade interior.
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 13/28 O Ir.·. José Ronaldo Viega Alves* escreve às quartas-feiras e domingos. Loja Saldanha Marinho, “A Fraterna” Santana do Livramento – RS ronaldoviega@hotmail.com A ARCA AINDA CONTINUA ESCONDIDA SOB O MONTE DO TEMPLO? SE OS TEMPLÁRIOS A ENCONTRARAM, POR QUE ELA CONTINUA SENDO BUSCADA? OS TEMPLÁRIOS E A ARCA DA ALIANÇA. (PARTE QUATRO) ***Resumo do capítulo anterior e comentários: No capítulo anterior pudemos perceber que bem ao contrário de Wilson, que tinha a missão específica de proceder ao mapeamento de Jerusalém, a missão de Warren parece que esteve, ora afeta à busca da Arca, ora afeta à busca dos vestígios do Templo de Jerusalém ou Templo de Salomão, ainda que, como dói dito no mesmo capítulo, qualquer uma dessas descobertas tornaria mais evidente que ambos existiram um dia. De parte de alguns autores, cujas respectivas obras tiveram passagens citadas no trabalho anterior, Laurence Gardner, e depois, a dupla Frank Joseph e Laura Beaudoin, não obtivemos dados para comprovar os verdadeiro objetivo da missão Warren, e alguns dados apresentados pelos últimos, inclusive, geraram discrepâncias. Ainda que sem essas comprovações, o fato é que tais obras a partir de um determinado momento começam a apresentar referências aos templários, principalmente com relação aos objetos que foram achados, que eram pertencentes aos mesmos, que foram deixados naqueles túneis que estão sob o Monte do Templo. Se essas evidências vem provar que quando lá estiveram no século XII, a sua “missão oficial”, a de dar proteção aos peregrinos que para lá se dirigiam, era um pouco diferente, é o que queremos saber. Antes de adentrarmos nos detalhes referentes à presença templária e das suas atividades em Jerusalém, será que com todas as informações que reunimos até aqui podemos nos perguntar se ainda existem possibilidades da Arca ainda estar lá escondida, sob o Monte do Templo? Conjeturemos um pouco sobre o assunto. HÁ RAZÕES AINDA PARA SUPOR QUE A ARCA AINDA ESTÁ LÁ, NO MONTE DO TEMPLO? Na “Parte Um” do presente trabalho um dos primeiros tópicos tratados foi sobre os destinos da Arca, onde das várias opiniões citadas, uma delas, possivelmente a mais difundida dizia que o destino da mesma era ignorado e que ela teria desaparecido antes do ano 587 a.C. Sobre os babilônicos do rei Nabucodonosor, que destruíram o Templo de Jerusalém, num catálogo posterior, eles já eram bastante organizados, fizeram constar todos os bem apreendidos na ocasião e que foram carregados por eles, até porque eram considerados troféus de guerra, mas, a Arca não constou nessa relação. Alguns textos hebreus dizem que o profeta Jeremias tendo previsto o que iria se suceder, ou seja, a invasão dos babilônios, teve o cuidado de providenciar logo um esconderijo para ela. 4 – A Arca ainda continua sob o monte do Templo? ... (parte 4) José Ronaldo Viega Alves
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 14/28 Dos registros que foram feitos e das opiniões citadas na ocasião deixei por último aquela do famoso filósofo judeu Maimonides, quando em 1180, mencionou que o próprio Salomão construíra um esconderijo para a Arca e que a mesma estaria escondida sob profundos túneis escuros e ventosos. E por que essa possibilidade foi a que despertou mais a minha atenção? Richard Andrews, na pág. 27 do seu livro “Sangue Sobre a Montanha” escreveu: “O tenente Warren e o sargento Henry Birtles exploraram os condutos e cisternas sob a área do monte do Templo, confirmando suspeitas de que as fundações do haram eram formadas por túneis ocultos, salões e passagens secretas.” Da “Parte Três”, ou seja, do trabalho anterior, vejamos essa passagem proveniente da obra de Laurence Gardner, citada ali que diz o seguinte: “Depois disso, foram ainda mais fundo, até atingir o calcário, onde descobriram uma expansão de labirintos subterrâneos de corredores e passagens ventosos. Entre eles, havia grandes espaços de armazenamento e um reino virtual de cavernas e cisternas de água habilmente planejadas.” Agora, vejamos uma razão mais que vem se somar às citadas acima servindo para reforçar a suposição de que ela ainda poderia estar lá. Em um capítulo que leva o título de “Onde Está a Arca da Aliança?”, Joseph & Beaudoin, falando dos lugares possíveis onde ela poderia estar escondida, aponta Roma, Inglaterra, Etiópia e até mesmo o Japão, mas, o primeiro lugar na lista é o Monte Moriá, que está acompanhada do seguinte texto: “Monte Moriá – Alguns estudiosos, principalmente israelenses, acreditam que a Arca da Aliança ainda se encontra onde foi originalmente escondida antes de o Primeiro Templo ser derrubado por Nabucodonosor há mais de 2.500 anos _ numa das inúmeras cavernas que esburacam o Monte Moriá. Sua descoberta se torna impossível, eles declaram, porque Jerusalém é o lugar mais litigioso da Terra, onde a intolerância religiosa e a animosidade mútua das três fés se juntam para tornar blasfema a menor tentativa arqueológica. Uma escavação em qualquer parte do Monte do Templo inflamaria uma nova guerra santa.” Lembremos que, na época de Warren, quando das suas escavações, as mesmas tiveram de sofrer várias limitações a partir de um determinado momento, eis que, ass hostilidades para com ele e sua equipe começaram a crescer por parte dos fiéis que ali perto vinham fazer suas orações. A verdade é que essa possibilidade, a da Arca estar escondida lá, ou nunca ter saído de lá, além de ser aceita por vários pesquisadores, seria até interessante no âmbito das três grandes religiões, pois, em vista do lugar ser considerado sagrado isso lhe dá uma proteção, e mesmo não estando lá, o mistério irá permanecer, a não ser que ela seja encontrada em outro daqueles lugares mencionados. A história das escavações sob o Monte do Templo começa bem antes das presenças de Wilson, Warren e Parker, outro explorador inglês, pós-Warren e do qual ainda ouviremos falar no desenvolvimento do trabalho. As escavações, ao que tudo indica, começaram naquele lugar, muito antes então, por conta dos Templários, e a pergunta que não quer calar é: se os templários encontraram a Arca, como dizem alguns autores, e assunto que veremos logo, por que é que muitos daqueles que vieram bem depois para escavar nos lugares onde supostamente ela poderia estar, ignoraram os resultados templários? Vejamos a partir daqui o que podemos descobrir sobre a participação direta dos templários na busca da Arca da Aliança. RECONSTITUINDO A HISTÓRIA DO MONTE DO TEMPLO E DA PRESENÇA DOS TEMPLÁRIOS EM JERUSALÉM A HISTÓRIA DO MONTE DO TEMPLO
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 15/28 Quando d início deste trabalho, sabíamos que o mesmo não poderia ser contido num número reduzido de páginas, e muito menos da sua real dimensão. Tarefa praticamente impossível a de tentar resumir uma história desse porte e dessa riqueza, história que emerge desde os tempos bíblicos plena de nuances e que chegou até aos nossos dias, ainda revestida de um mistério quase insondável, ou seja, o paradeiro da Arca da Aliança. A estratégia utilizada para contá-la até aqui, é permitir que os vários tópicos giram paralelamente em torno de um eixo central _ a Arca _ comecem a fazer parte ou se incorporem à história na medida em que se tornem importantes para que haja prosseguimento e sem deixar possíveis lacunas. Assim, já falamos até aqui sobre a Arca e a Bíblia, sobre a Arca perdida, sobre os primeiros exploradores ingleses na Palestina, um deles Maçom, sobre o nascimento da Arqueologia Bíblica, sobre os objetivos e resultados das pesquisas e escavações realizadas por Warren, enfim todos assuntos que estão relacionados de certa forma com a busca da Arca. _ Dúvidas até aqui? Perguntaria um professor interessado em que os alunos tenham captado a sua matéria. _ Muitas! Seria uma resposta apropriada, com certeza, para muitos dos que vem lendo e acompanhando este trabalho. Centenas de livros, artigos, estudos, pesquisas e explorações não forneceram as respostas definitivas ainda, então, vamos tentar mostrar o que existe, compreendendo informações, estudos, as verdades e as mentiras. A história ainda promete e ainda está longe do fim. Não sairemos com as respostas, e talvez sobrem mais perguntas. Mas, não é salutar colocar a mente a trabalhar, imaginar, fazer analogias, indagar, especular, inferir, concordar ou discordar? Na sequência, tentemos resumir a história dos templários, principalmente no que tange ao período em que eles estiveram escavando em Jerusalém, consultando, lógico, os autores que se debruçaram sobre o assunto, já citados anteriormente, Laurence Gardner, Richard Andrews e Frank Joseph & Laura Beaudoin, quando das suas inferências sobre mais essa questão que envolve outro grande mistério: se os templários poderiam ou não ter encontrado a Arca. Voltemos um pouco no tempo, para o período da história, onde tudo realmente começou. O Templo é destruído novamente, no ano de 70 d.C. pelo general romano Tito. O Templo não mais existe, nem o de Salomão, nem o de Zorobabel e nem aquele que foi reconstituído por Herodes. Jerusalém foi transformada em ruínas e assim ficou por sessenta anos até que o Imperador Adriano a reconstrói, e no Monte de Templo é erguido um outro templo, agora dedicado a Júpiter. No século V, Roma entra em colapso, Jerusalém cai e fica sob o controle bizantino. Posteriormente é conquistada pelos persas, até que em 638 acaba sendo tomada pelas forças do califa Omar ibn Al-Khattab. Esse mesmo califa construiu no lugar do antigo Templo a mesquita, que depois foi chamada de El-Aqsa, e construiu também o Domo da Rocha, erguido sobre a Rocha de Davi, no Monte Moriá. O que significa dizer que foi nesse período que os judeus perderam o Monte do Templo e a Rocha Moriá para os muçulmanos. As duas construções são pontos de referência, hoje, em Jerusalém. Uma curiosidade é que o Domo da Rocha só adquiriu a cor dourada (chapeamento em ouro) quanto o rei Hussein da Jordânia, mais recentemente, financiou e ajudou no projeto. Durante o tempo em que esses monumentos estão lá, houve alguns danos, resultados de terremotos, mas houve restaurações também, e melhorias.
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 16/28 Os cristãos usam suas igrejas, onde a Igreja do Santo Sepulcro que é do século IV, e os judeus suas sinagogas que foram construídas ao longo do tempo em períodos de relativa paz. Voltando um pouco, mais precisamente, para 1077. Os turcos seljúcidas invadem Jerusalém. Eram tribos do Turquestão que adotaram a fé muçulmana e chefiadas pelo sultão Malik Shah que resolveu desafiou a supremacia muçulmana dos califas. Isso causou consternação não só ente os muçulmanos, mas, também entre os judeus e os cristãos. A Europa ocidental decide retomar Jerusalém. O Papa Urbano II reúne um formidável exército. Em 1095 é iniciada a primeira cruzada. As cruzadas duraram até 1291, no Egito. Durante esse período várias ordens cavalheirescas foram criadas, onde podemos citar a Ordem do Sião, os Cavaleiros Protetores do Santo Sepulcro e os Templários. Godofredo de Bulhões que havia fundado a Ordem do Sião morreu em 1100 e foi sucedido por seu irmão Balduíno de Boulogne. Em 1118, Balduíno é sucedido por seu primo Balduíno II. Nesse mesmo ano, os Templários são fundados com o nome de Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão. OS TEMPLÁRIOS E A ARCA DA ALIANÇA Vejamos um trecho da obra de Laurence Gardner, onde diz o seguinte: “Os Cavaleiros, na verdade, já existiam havia alguns anos antes de sua suposta fundação por Hugo de Payens, primo e vassalo do conde de Champagne. Sua função certamente não era patrulhar estradas; o cronista do rei, Fulk de Chartes, não os retrata dessa maneira. Eles eram diplomatas da linha de frente de Godofredo em um ambiente muçulmano; em, 1114, o bispo de Chartres os chamou Milice du Christi (soldados de Cristo). Em 1118, os Grandes Cavaleiros o Templários de Santo André(príncipes guardiães do segredo real), especialmente delegados, foram instalados no palácio de Balduíno II, que ficava na mesquita de El-Aqsa, no lugar do antigo Templo de Jerusalém. Quando Balduíno moveu seu quartel- general para a cidadela abobada na Rocha de Davi (que na época era um santuário cristão chamado Templum Domini), a mesquita foi deixada inteiramente para os Cavaleiros. Sua missão era escavar o sítio para encontrar o tesouro que fora escondido por Jeremias e os guardas do Templo de Hilquias havia mais de 1.700 anos. No fundo da mesquita, estava o complexo original das catacumbas, que permanecera lacrado e intocado desde os tempos bíblicos e que São Bernardo sabia conter a riqueza da Jerusalém do Antigo Testamento, incluindo a Arca da Aliança.” COMENTÁRIOS: Dá para perceber que diante do “complexo original das catacumbas, que permaneceu lacrado e intocado desde os tempos bíblicos”, como o autor tal se referiu, os templários, tiveram a melhor das oportunidades que alguém jamais poderia ter tido com relação a buscar a Arca: escavar num lugar onde ninguém antes havia escavado e sem ter que enfrentar hostilidades, no lugar, onde eram feitas as escavações. O que faz supor que se a Arca estava lá, eles realmente a tenham encontrado. No entanto, mesmo diante de uma hipótese tão viável, ainda há perguntas sem respostas ate o momento. *** CONTINUA NA QUARTA-FEIRA, DIA 15/02/17 CONSULTAS BIBLIOGRÁFICAS: Livros: ANDREWS, Richard. “Sangue Sobre a Montanha” – Imago Editora – 2000 GARDNER, Laurence. “Os Segredos Perdidos da Arca Sagrada” – Madras Editora Ltda. 2004. JOSEPH, Frank & BEAUDOIN, Laura. “Abrindo a Arca da Aliança: do Mito à História” - Editora Pensamento - 2009
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 17/28 O Ir Hercule Spoladore – Loja de Pesquisas Maçônicas “Brasil”- Londrina – PR – escreve aos domingos hercule_spolad@sercomtel.com.br ESPECULAÇÕES A RESPEITO DAS INICIAÇÕES NO FUTURO - UMA VISÃO ESPECULATIVA E FUTURÍSTICA Se nós nos projetarmos nossa mente para daqui há cem anos, e através da especulação, da imaginação, utilizando os conhecimentos que temos no presente com relação a evolução da ciência e do avanço do pensamento humano quando houver profundas alterações de valores éticos e morais, dos costumes, reavaliações de princípios, quando o homem conseguir vencer os monstros do seu subconsciente e se tornar bom, enfim quando souber gozar todo o maravilhoso progresso alcançado nos últimos dois séculos, muitas perguntas nos vêm à mente. Existirão igrejas? Sobreviverão tantas denominações religiosas quanto as temos no presente? Haverá a necessidade de templos? Qual será a moderna concepção do GADU? A Maçonaria sobreviverá se não mudar e se não se adaptar? As mulheres farão parte da Maçonaria Tradicional? Quando? Existirão doenças incuráveis? E as guerras, continuarão a ser um dos flagelos da humanidade? E a mente humana como se comportará? Haverá mais Amor, mais Perdão, mais Tolerância nos corações dos Homens? E o paranormal, conseguirá transpor facilmente a barreira dos cinco sentidos? Se a civilização nos últimos cem anos, à mercê do avanço tecnológico incrível e fantástico, das invenções que mudaram a história da humanidade, através de uma maior liberdade de expressão e do pensamento, teve um progresso chegando a atual posição, houve pelo menos uma pálida coerência, entre a ciência e a humanidade ainda aceitando os princípios cartesianos que valorizam o racionalismo e o dualismo metafísico. Não estuda um fenômeno como um todo, estuda-o simplesmente em si, em separado. Hoje já se fala na Teoria Holística, onde tudo faz parte do todo. Entretanto com o advento da Informática, Internet, Realidade Virtual e outras tantas invenções maravilhosas que estão aparecendo a cada dia, o futuro parece que escapou de vez das previsões dos homens, porque pelo cartesianismo eles não conseguem mais explicar os fatos. No caso estamos usando a imaginação. 5 – Especulações a Respeito das Iniciações no Futuro Uma visão especulativa e futurística - Hercule Spoladore
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 18/28 Se analisarmos a revolução que o mundo digital em rede mundial, está provocando, não se tem condições de explicar o que acontecerá daqui há dez anos o que dirá daqui há cem anos? Atualmente já é realidade, a projeção através de chips de holografias projetáveis em qualquer superfície. Já existe um grupo de cientistas que fazem parte de um movimento chamado Terceira Cultura (The Third Culture) que se dedica a refletir e estudar modelos coerentes com relação à sociedade do futuro. Deveria ter um grupo de maçons fazendo a mesma coisa com relação à Ordem. Como será o seu porvir? Parece que atualmente depois da moderna concepção da Teoria da Relatividade e da Física Quântica, a qual já está tendo seus princípios, por analogia, aplicados a outros segmentos da humanidade e não tão somente à Física subatômica ou corpuscular, nos traz no momento maior confusão. Estes princípios são aplicados a fenômenos não visíveis, e onde se coloca tudo como sendo um todo, como uma rede onde o Homem faz parte desta malha. Uma das características dos princípios da mecânica quântica é que temos que primeiro esperar acontecer o fenômeno para depois explica-lo. É muito importante a maneira como o observador vê e sente o fenômeno. Parece que a realidade virtual se enquadra nesta semelhança. Como será a parceria do maçom com a Informática já que ele acostumado a aceitar ensinamentos que há mais de um século não sofreram uma atualização adequada, e agora sem que ele queira ou não, terá à sua disposição um volume inimaginável de informações que receberá, e o que fazer com elas? Como diferencia-las e usa-las para o seu próprio bem? Esta situação nunca foi cogitada ou imaginada no passado. E ainda considerando-se que a maioria dos maçons do momento atual não está muito interessada na Informática? Como serão as Iniciações neste futuro que já está entre nós? Sabemos que já existem recintos cibernéticos onde o indivíduo é introduzido, podendo mover-se livremente sem capacete ou mesmo luvas, usando apenas óculos polarizados num angulo de 360 graus com vários projetores colocados em vários locais. Ele terá uma experiência tridimensional totalmente virtual frente ao programa que está conectado. No caso, digamos que seria esta programação de uma Iniciação. Os maçons atuais já pensaram nisso? Ressalte-se que o cada dia surge mais novidades no mundo digital e que ainda descobertas mais incríveis e espantosas estão por vir. Imaginem a integração com os elementos da natureza, com os mundos e com o infinito. O neófito viverá uma experiência tão grande que se identificará com tudo isso. A sua aproximação com Deus, ou uma Força Criadora será muito maior. Teremos Templos ou Centros Cibernéticos de Iniciações? A aproximação com o Uno não será muito maior e mais rápida? Será que o tempo para se chegar mais perto Iniciação real ou virtual (?) será mais breve? Será que a Iniciação virtual não se tornará muito mais real que a Iniciação que hoje temos como tal? A Iniciação virtual não será quase que instantânea? Ficam estas indagações no mente de cada um. Dizem os enólogos que o vinho fabricado ritualisticamente pelos europeus há milênios, com segredos de fabricação passados de pais para filhos, sendo conservado em tonéis especiais de madeira durante anos para ficar no ponto exato de ser ingerido, sofreu por parte das vinícolas americanas um avanço tecnológico extraordinário. Os americanos fabricam atualmente tonéis de alumínio adaptados pela tecnologia moderna, que conseguem envelhecer a bebida em poucas horas. Ressalte-se que a qualidade dos vinhos
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 19/28 americanos é boa e aceitável. Imaginem um velho vinicultor europeu que aprendeu através de muitas gerações de seus antepassados a fabricar vinho daquela maneira artesanal, aceitando tal fato. Ele jamais aceitará. É cultural para ele aquela forma de produzir vinhos. No entanto o moderno processo de rápido envelhecimento de vinho existe e, é uma realidade que não se pode contestar. Usamos esta analogia para tentar explicar como os maçons que insistem em não tomar conhecimento da Internet, ficarão para trás. Ela veio para ficar. Trouxe um avanço inesperado de vários séculos a frente, para a nossa atual civilização. Estamos perdidos no momento, pois ela está fora do nosso controle, pois não sabemos o que irá acontecer. Teremos que esperar e ver o que acontece. Já existem Lojas virtuais. A Inglaterra foi o primeiro país a fundar uma Loja virtual, a Internet Lodge nº 9659, em 29/01/1998. Lembrem-se, também foi na Inglaterra em 1884 que foi fundada a primeira Loja de Pesquisas, a “Quatuor Coronati Lodge” n.º 2076 tão combatida no seu tempo, por causa da ousadia daqueles cientistas maçônicos em desfazer mitos, aberrações, invenções, erros, crendices etc. Os ingleses estarão errados? No Brasil existem duas Lojas que temos conhecimento. A Loja “Futura” fundada em 20/09/1999 em Recife Pernambuco. Reúne-se a cada dois meses em loja normal e quinzenalmente via Internet. Pertence ao Grande Oriente Independente de Pernambuco. A outra Loja ‘Cavaleiros da Luz” fundada pelo pranteado Irmão José Castellani, em 13/05/2000 esteve parada um certo tempo e agora ressurge em Florianópolis que funciona as reuniões são realizadas na sala “Loja Virtual” e nela somente ingressam Irmãos pré- cadastrados. A titulo de informação esta Loja “não inicia ninguém” e dela só fazem parte Irmãos da Obediência consideradas regulares. Participam Irmãos de várias partes do mundo. Será que as lojas virtuais são completamente virtuais, ou terão que ter um suporte não virtual. Serão híbridas? Atualmente já estão sendo planejados e construídos aparelhos capazes de projetar hologramas e envia-los para qualquer lugar inclusive em qualquer superfície. Imaginemos hologramas de Irmãos projetados para um espaço virtual (loja) onde todos os cargos estariam ocupados, todos se enxergariam tal qual uma loja real que estão acostumados a assistir. Impossível? Porque não sonhar? Por outro lado, se existem Irmãos internautas sérios, será que a maioria dos maçons internautas está usando corretamente a Ética e a Moral que acreditamos que tenham aprendido em suas Lojas-Mãe? Muitos Irmãos não perceberam que a Internet é um verdadeiro santuário do Saber, da Informação, um verdadeiro Inconsciente Coletivo Cibernético da Humanidade e, no entanto, nos enviam apenas mensagens pornográficas, piadas indecorosas, ao invés de trocarem mensagens inteligentes ou informações à respeito da Ordem? Sonhando, imaginemos uma Iniciação daqui há cem anos, raciocinando dentro da nossa concepção atual, que a Maçonaria existirá como a imaginamos no momento. Acreditamos em princípio que a Ordem sobreviverá. Por quê? Porque ela sempre foi um corredor iluminado de toda a essência filosófica de todos os tempos. Ela sempre soube selecionar o que houve de melhor de toda sabedoria da humana, enfim, sempre teve uma ala progressista muito grande, que fez com ela continuasse a existir não contando com os
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 20/28 retrógrados que se dizem tradicionalistas e que não sabem muito bem o que é Tradição, porque justamente não entenderam a ESSÊNCIA da Ordem. A Ordem por todas as crises imagináveis e sobreviveu. Não irá sucumbir agora no século XXI. Bem, joguemos nossa mente no futuro. Ninguém nos poderá impedir de sonhar, de especular, de imaginar, pois ainda não aconteceram os fatos, mas suponhamos que neste tempo vindouro, quinhentos candidatos que responderam a um anuncio na Internet resolvam ser maçons. Porque resolveram serem maçons? Ora, ainda deverá haver resquícios de religiões, e por certo, muitos homens Livres-Pensadores do futuro queiram pertencer a uma sociedade onde não haja o sentimento religioso como meio de desenvolvimento espiritual, mas sim a razão e o estudo para se chegar ao mesmo fim, ou seja, ao GADU. Acreditamos que não haverá mais necessidade de sindicância, pois ao responder ao anuncio da loja (?) ou Centro Cibernético Maçônico se terá imediatamente o perfil do candidato cadastrado. O qual será instantaneamente aprovado ou rejeitado. Todo cidadão será um número. Como imaginaríamos então esta Iniciação. É claro que não será nos mesmos moldes hoje considerados tradicionais. Ela possivelmente demorará apenas alguns minutos, talvez segundos ou será quase que instantânea. Vamos imaginar que os candidatos se dirijam para tal Centro em horário previamente marcado para serem iniciados. Talvez nesta época, nem existirá mais a palavra Iniciação. O termo poderá ser “A expansão maçônica mente” , ou outro termo adequado para aquele tempo. O candidato receberá um medicamento, uma pílula, uma psico droga a qual não causará qualquer tipo de efeito secundário, cuja ação medicamentosa terminará assim que o candidato vivencie o programa instalado. Este medicamento ajudará a causar uma expansão da mente, mais precisamente através das ondas “alpha”, seguidas das ondas “teta”. Dentro do recinto, onde tudo será virtual, a fantástica experiência impregnará de tal forma a mente do Iniciando que ele viverá uma integração total com a natureza e com o próprio GADU. Ele sentirá como se a natureza fosse ele próprio. Lá ele será fogo, será ar, será água será terra, será plasma chamado por alguns, como o quinto estado da meteria. E nessa aventura, nas profundezas da mente ele se sentirá uma partícula consciente do GADU. Andará por todo o Universo caminhará por entre e as estrelas, visitará galáxias distantes entrará no interior do átomo, se sentirá no âmago de uma folha verde, será uma formiga, uma bactéria, aprenderá com os Sábios e encontrará o Conhecimento. Tudo isso acontecerá dentro de poucos minutos ou segundos. Ele será o dono, será o senhor da ESSÊNCIA da própria vida e da própria alma, criação inequívoca do GADU. Será o maçom triunfante do futuro. Pena que eu não esteja lá. Nasci antes desse tempo, resta-me apenas o direito de imaginar, mas gostaria de estar lá quando acontecer algo semelhante ao que eu estou vislumbrando. Coisas da imaginação. Resta-me, pois, apenas o tímido consolo, ainda que ousado, de sonhar com a Maçonaria do futuro. Não quer dizer que ela será exatamente como eu estou imaginando, mas que era grandiosa, não tenho dúvidas. Teremos outros paradigmas.
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 21/28 O Irmão João Anatalino Rodrigues escreve às quintas-feiras e domingos. É premiado com a Ordem do Mérito Templário da Loja Templários da Nova Era. jjnatal@gmail.com - www.joaoanatalino.recantodasletras.com.br SÓ OS MORTOS APODRECEM O límpido riacho descia celeremente pelas fendas da montanha, cantando feliz a sua canção de águas cristalinas e ligeiras. Serpenteando entre pedras e árvores ele parecia um menino feliz, pulando barrancos e formações rochosas, formando pequenas e lindas cachoeiras, que pareciam véus de noiva a dançar sobre a luz do luar. Feliz, rápido como um cabrito montês, ele seguia seu caminho até um grande rio, dezenas de quilômetros abaixo, no qual se incorporava e depois seguia até o mar. Era uma existência feliz e tranquila, que ele viveu por centenas, milhares de anos. Porém um dia, um pequeno abalo sísmico deslocou uma enorme pedra na montanha e ela caiu justamente no meio de uma pequena garganta, por onde o riacho passava. Obstruindo totalmente a passagem das águas, elas tiveram que escorrer para um dos lados, buscando um novo curso. O pequeno riacho já não podia se juntar mais ao grande rio no vale, que antes conduzia suas águas até o mar. Contudo, o lépido riacho logo achou um novo caminho e recomeçou a sua marcha para chegar ao mar, que é o objetivo de todos os cursos de água do mundo. Mas esse caminho era bem mais longo, e em determinado trecho, ele era obrigado a passar pelo meio de um pântano fétido e imundo, cheio de matéria morta e estranhas formas de vida. Ele, que só hospedava em suas águas cristalinas, lindos e gordos peixinhos coloridos, logo se viu invadido por criaturas feias, cascudas e mal cheirosas, que traziam para suas límpidas águas uma coloração ocre e um cheiro pútrido. Transtornado, o riacho reclamou ao deus das águas pela sorte tirana e ingrata que pusera aquela pedra no seu caminho. Ela o obrigara a mudar de curso e vir parar naquele pântano horroroso. Como poderia, agora, manter sua pureza num ambiente daqueles? “Você tem que passar pelo meio das águas do pântano” disse o deus das águas, “mas não precisa, obrigatoriamente, tornar-se como elas. “Quando a pedra obstruiu o seu leito, você procurou um caminho para sair e encontrou”, continuou ele. “Faça o mesmo agora." Lute." “Movimente-se." “Continue a procure o seu caminho para o mar.” "Se você se conformar a esse pântano, logo morrerá e também apodrecerá." O riacho olhou para todos os lados e ficou desesperado. Parecia não haver meio de atravessar aquelas paisagens lodosas e nauseabundas sem se tornar igual á elas. Por toda parte era a mesma coisa. Uma imensa massa líquida de águas estagnadas e fedorentas. No entanto, continuava a se movimentar, á procura de um caminho para sair dali. E foi 6 – Só os mortos apodrecem João Anatalino Rodrigues
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 22/28 então que percebeu que suas águas, embora tivessem se tornado um tanto turvas, não estavam se misturando ás do pântano. Nem tinham adquirido aquele cheiro fétido que as águas do pântano exalavam. Entendeu que as águas do pântano tinham aquela cor e exalavam aquele cheiro porque estavam paradas. Haviam se estagnado em meio á uma floresta de madeira podre e organismos mortos, que servia de pasto para todas as criaturas que se alimentam de matéria decomposta. Ele então acelerou a sua marcha e passou a se movimentar mais rápido dentro daquele pântano. Imediatamente, formou-se ali um canal por onde suas águas começaram a fluir. E era fácil perceber que naquele lugar do pântano não havia estagnação. As águas corriam. Logo, aquela parte do pântano passou a ser um guia para quem nele se perdesse e quisesse encontrar um caminho para sair daquele lugar horrível. Era só seguir as folhas de árvores que rolavam mansamente em meio aquele imenso lodaçal, acompanhando o movimento do imperceptível curso de água, que encontrara um caminho para escapar daquela podridão. Depois de alguns quilômetros serpenteando em meio á massa lodosa, finalmente sua corrente escapava do pântano e se ele tornava um vistoso igarapé. Suas águas não estavam tão límpidas quanto eram na serra, mas estavam puras e sadias. Apresentavam- se prenhes de vida, com muitas espécies novas. Viu que estava mais encorpado também. Depois de mais alguns quilômetros, nos quais recebeu as águas de alguns córregos tributários, ele transformou-se em um rio bem maior. Já não precisava se integrar a outro curso de água para fazer o caminho até o mar. Ele, que antes era tributário de outro rio, passou a ser o tronco principal para dezenas de outros rios e riachos que afluíam ao seu leito em busca de um caminho para o mar. Feliz, ele seguiu o seu curso, sabendo que tinha cumprido, com galhardia e eficiência, a sua missão. Não se deixara vencer pelos obstáculos nem se contaminara pela podridão com a qual teve que conviver. Tornara-se um caminho seguro em meio a um escuro e fétido pântano. Tudo porque aprendera a agir em vez de conformar-se e se deixar apodrecer. "Só os mortos apodrecem", era a frase que suas águas pareciam murmurar, quando recebiam o abraço do mar. Que essa metáfora sirva aos nossos Irmãos maçons que por força de suas opções de vida e profissão tiveram, ou têm que conviver com a podridão que neste momento, está transformando a vida pública do nosso país em um fétido pântano. Por mais que a degradação contamine o ambiente em que vivemos, se tivermos caráter e não quisermos que isso aconteça, nós não precisaremos apodrecer junto com ele. É preciso sempre lembrar que a função da Maçonaria é exatamente a de educar cidadãos conscientes e preparados para exercer uma liderança sadia e assumir compromissos, principalmente quando a sociedade mais precisa de líderes com essa têmpera. Os mortos apodrecem, mas quem está vivo e está consciente dos compromissos que tem com a sociedade, continua a lutar e nenhum obstáculo pode detê-lo por que ele sempre encontrará um caminho para levar a cabo a sua missão. Mais do que nunca, esta é a hora de fazer jus á nossa divisa: ergamos templos á virtude e cavemos masmorras ao vício. Um TFA para todos.
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 23/28 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br GOSC https://www.gosc.org.br Data Nome Oriente 01/01/2003 Fraternidade Joinvillense Joinville 26/01/1983 Humânitas Joinville 31/01/1998 Loja Maçônica Especial União e Fraternidade do Mercosul Ir Hamilton Savi nr. 70 Florianópolis (trabalha no recesso maçônico) 11/02/1980 Toneza Cascaes Orleans 13/02/2011 Entalhadores de Maçaranduba Massaranduba 17/02/2000 Samuel Fonseca Florianópolis 21/02/1983 Lédio Martins São José 21/02/2006 Pedra Áurea do Vale Taió 22/02/1953 Justiça e Trabalho Blumenau Data Nome da Loja Oriente 11.01.1957 Pedro Cunha nr. 11 Araranguá 18.01.2006 Obreiros de Salomão nr. 39 Blumenau 15.02.2001 Pedreiros da Liberdade nr. 79 Florianópolis 21.02.1903 Fraternidade Lagunense nr. 10 Laguna 25.02.1997 Acácia Blumenauense nr. 67 Blumenau 25.02.2009 Caminho da Luz nr. 99 Brusque 7 – Destaques (Resenha Final) Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mêses de janeiro e fevereiro
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 24/28 GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Nome Oriente 07.01.77 Prof. Mâncio da Costa - 1977 Florianópolis 14.01.06 Osmar Romão da Silva - 3765 Florianópolis 25.01.95 Gideões da Paz - 2831 Itapema 06.02.06 Ordem e Progresso - 3797 Navegantes 11.02.98 Energia e Luz -3130 Tubarão 29.02.04 Luz das Águas - 3563 Corupá Vem aí o IX Chuletão Templário. O evento filantrópico Maçônico Loja “Templários da Nova Era”
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 25/28 A Restauração da Ponte Hercílio Luz Para quem conhece Florianópolis, um panorama do que está ocorrendo na capital catarinense, com relação às reformas da Ponte Hercílio luz, o cartão-postal da cidade. (foto e informações: Diário Catarinense) Nos 34 anos de recuperação da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, nenhum momento foi tão fundamental para a reforma da estrutura como o que ocorrerá entre a noite de sábado e a manhã de domingo (11para 12 de fevereiro). Macacos hidráulicos vão levantar 20% do peso total do vão central, o equivalente a 800 toneladas. Os equipamentos vão mexer na estabilidade do cartão-postal. Mesmo que a elevação seja de apenas 10 centímetros, a operação é considerada a mais importante e de maior complexidade da obra. O serviço será entre as 22h00 de sábado e as 8h00 de domingo. Essa será a primeira parte da etapa chamada de transferência de carga, quando os macacos instalados nas quatro bases de sustentação provisórias vão segurar o vão central. Os outros 80% das 4,4 mil toneladas serão içados entre maio e junho deste ano. A partir de então, a estrutura estará totalmente mantida pelas bases provisórias e por cabos de alta tensão que vão manter as duas torres da ponte suspenso. A complexidade da transferência de carga levou o Estado a montar um plano de contingência junto à Defesa Civil. Entre os técnicos o consenso foi de que, mesmo com uma elevação menos nesta primeira etapa, a prevenção deve ser completa trabalhando, inclusive, com a hipótese de um problema grave, como a queda do vão central. Os projetistas, no entanto, dizem estar convencidos da segurança da operação. Veja o vídeo sobre a restauração da Ponte Hercílio Luz:  Restauração da Ponte Hercilio Luz.mp4
  26. 26. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 26/28 Ir Marcelo Angelo de Macedo, 33∴ MI da Loja Razão e Lealdade nº 21 Or de Cuiabá/MT, GOEMT-COMAB-CMI Tel: (65) 3052-6721 divulga diariamente no JB News o Breviário Maçônico, Obra de autoria do saudoso IrRIZZARDO DA CAMINO, cuja referência bibliográfica é: Camino, Rizzardo da, 1918-2007 - Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014 - ISBN 978-85.370.0292-6) 12 de fevereiro Ausência O maçom jamais estará "ausente" aos trabalhos, mesmo que se encontre fora e longe da Loja, pois está ligado permanentemente pela Iniciação e pela Cadeia de União. No entanto, essa ausência apresenta aspectos negativos em certas circunstâncias; o ausente que não se comunica mentalmente com a Loja no momento da sessão e que "esquece" o seu compromisso sofre um desgaste maior, uma vez que não pode energizar suas baterias Uma vez Iniciado, sempre Iniciado, é o lema espiritual. Para manter a união, a Loja deve, por sua vez, invocar a presença espiritual do ausente. Em especial durante a formação da Cadeia de União. Se, por motivos imperiosos, o maçom não pode assistir aos trabalhos de sua Loja, no momento convencional ( horário estabelecido para o início dos trabalhos), deve recolher-se em si mesmo e pôr-se em meditação e, assim, sua mente integra-se-á ao grupo e a sua participação será "notada" e o elo aliado aos demais para a corrente fraternal. A frequência à Loja deve ser encarada com seriedade, uma vez que o maçom é um adulto responsável e a instituição maçônica não é um mero clube social ou de serviço. Busque o maçom cumprir os compromissos assumidos na sua Iniciação. Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014, p. 62.
  27. 27. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 27/28 O Irmão e poeta Sinval Santos da Silveira escreve aos domingos A quilha que singrava o Purus, rasgava as misteriosas águas do meu Amazonas. Gemidos surgiram das profundezas do leito, como a pedir por socorro.
  28. 28. JB News – Informativo nr. 2.327– Florianópolis (SC), domingo, 12 de fevereiro de 2017 - Pág. 28/28 Debruçado no convés, pus-me a conversar com o menino que, há muito tempo, havia me abandonado ou, quem sabe, ignorado. Caminhava sobre as águas, sorridente e travesso. Fui dominado pela saudade... Acompanhou o trajeto, fez barquinho de papel, navegando nas corredeiras, como nas antigas brincadeiras, e pos-se a viajar no tempo. Olhou-me com ternura e cumprimentou os ribeirinhos, na barranca do rio. Assistiu a revoada das araras azuis e apreciou o espetáculo da piracema. Alegres indígenas, também, chamaram a sua atenção. O mundo fantástico da Amazônia Brasileira, precisou ser visto pelos olhos de um menino que, arteiro, misturou as águas do Purus, às lágrimas dos meus olhos, numa amorosa brincadeira ! Veja mais poemas do autor, Clicando no seu BLOG: http://poesiasinval.blogspot.com * Sinval Santos da Silveira - MI da Loja Alferes Tiradentes nr. 20 - Florianópolis

×