O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2203

61 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2203

  1. 1. JB NEWS Filiado à ABIM sob nr. 007/JV Editoria: Ir Jeronimo Borges Loja Templários da Nova Era nr. 91(Florianópolis) - Obreiro Loja Alferes Tiradentes nr. 20 (Florianópolis) - Membro Honorário Loja Harmonia nr. 26 (B. Horizonte) - Membro Honorário Loja Fraternidade Brazileira de Estudos e Pesquisas (J. de Fora) -Correspondente Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas (P. Alegre) - Correspondente Academia Catarinense Maçônica de Letras Academia Maçônica de Letras do Brasil – Arcádia de B. Horizonte O JB News saúda os Irmãos leitores de Arapiraca – AL (Capital do Agreste alagoano) Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.203 – Florianópolis (SC) – quainta-feira, 13 de outubro de 2016 Bloco 1-Almanaque Bloco 2-IrRui Bandeira – A Quarta Coluna (Crônica semanal) Bloco 3-Ir João Anatalino Rodrigues – A Cripta dos Grandes Filósofos – Uma escola de vida Bloco 4-IrVolmar Ferrari Bonaldo – Filosofia Normativa - Lógica Bloco 5-IrPaulo Roberto – A Inquisição Bloco 6-Ir Ricardo Caselli Moni – Diálogo improvável entre pensadores e a Maçonaria Bloco 7-Destaques JB – Breviário Maçônico p/o dia 13 de outubro. Versos do Irmão e Poeta Raimundo Augusto Corado
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 2/32 13 de outubro S. JÁCOME – Nascido em Ulm, Alemanha, devoto da paixão do Senhor, da Virgem Maria e de Santos, cujo auxílio implorava, entrou para a Ordem de S. Domingos, perseguido foi ajudado por um anjo que lhe apareceu. Aos 84 anos enfermo e vendo aproximar-se a morte fez uma confissão de suas ligeiras culpas e pouco depois, entregou o seu espírito ao Criador e gozou as glórias do paraíso. 54 – Envenenado o imp. romano Cláudio por sua mulher Agripina. 1296 – O rei D. Dinis concedeu o foral a Ílhavo. 1307 – Era sexta-feira, daí ser considerado o dia do azar, presos um elevado número de Cavaleiros do Templo, torturados e mandados executar por Filipe o Belo, de França, pela heresia de adorarem Baphomet, ídolo com cabeça de cabra. O papa Clemente V emitiu uma bula (22/3/1312) extinguindo a Ordem Templária, que permaneceu em atividade em Portugal e Escócia. 1534 – Foi eleito o papa Paulo III. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. 1 – ALMANAQUE Hoje é o 287 dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Quarto Crescente) Faltam 79 dias para terminar este ano bissexto Dia Mundial da Visão, dia do Fisioterapeuta e dias do Terapeuta Ocupacional Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. EFEMÉRIDES DO DIA -Ir Daniel Madeira de Castro (Lisboa) (Fonte: Livro das Efemérides - Históricas, Políticas, Maçônicas e Sociais - 2016)
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 3/32 1721 – Fundada em Dunquerque, com carta patente de Inglaterra. a primeira loja em França, Loja Amitié et Fraternité. 1771 – Nasceu em Boston, Thomas Smith Webb, encadernador e impressor, pres. da Psallonian Society, dedicada à música sacra e da Boston Handel and Haydn Society, iniciado maçon em 17/11/1790 na Rising Sun Lodge, New Hampshire, de que foi V.M., G.M. em 1813/4 da G.L. de Rhode Island, concebeu o Rito Americano ou de York, escreveu: The Freemason's Monitor e Illustrations of Masonry (6/7/1819). 1800 – Instalada nos E.U.A., a G.L. de Kentucky. 1803 – Morreu em Aulnay, Louis Claude de Saint-Martin, maçon francês, de apoplexia, antes de morrer confidenciou a um Irmão que estava de partida para o Oriente Eterno, que constitui a primeira alusão a este termo maçónico (18/1/1743). – Faleceu em Lisboa, Arme-Charles Sigismond de Montmorency, duque do Luxemburgo, maçon (15/10/1737). 1813 – Instalada nos E.U.A., a G.L. do Tennessee. 1815 – Morreu em Pizzo, Joachim Murat, maçon francês, fuzilado (25/3/1767). 1819 – Hyppolito da Costa, pai do jornalismo brasileiro tornou-se G.M. Provincial do condado de Ruthland em Inglaterra. 1882 – Constituída no Porto, a Associação de Jornalistas e Homens de Letras. 1884 – Determinado o meridiano de Greenwich como ponto de referência para determinação dos fusos horários. 1887 – Nasceu em Galegos, Penafiel, Américo Monteiro de Aguiar, padre Américo, amigo dos pobres, fundador da Casa do Gaiato e da obra dos Meninos de Rua (16/7/1956). 1909 – Morreu em Barcelona, Francisco Ferrer y Guardia, maçon espanhol, condenado à morte, foi fuzilado acusado de insurreição (9/1/1859). 1910 – Realizou-se em Lisboa, o II Congresso Nacional do Livre- Pensamento, na sede da Caixa Económica Operária, onde foi prestada homenagem pública a Heliodoro Salgado (8/7/1861). 1911 — Instalada no Funchal, a Loja Cinco de Outubro, n° 351 do G.O.L., no R.E.A.A., capitular em 1914, areopagita em 1920 e consistorial em 1921. 1914 – Votada a nova Constituição do G.O.L.U. em Grande Loja aprovada presidida por Simões Raposo Júnior, regressando à definição anterior de uma federação de lojas e ao princípio da igualdade dos ritos. 1917 — Milagre do Sol, sexta e última aparição de Nossa Senhora de Fátima, conjunto de alegados fenómenos presenciados por milhares de pessoas. 1918 – Morreu em Pocariça, Cantanhede, António de Lima Fragoso, de gripe pneumónica (17/6/1897).
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 4/32 1936 — Faleceu em Lisboa, Marcos Bensabat, maçon (22/8/1851). 1938 — Inaugurada em Lisboa, a igreja da N. Senhora de Fátima. 1980 — Faleceu em Lisboa, Amadeu Gaudêncio, maçon (4/4/1890). 1987 — Faleceu em Lisboa, João Maria Ferreira Sarmento Pimentel, nascido em 1888 em Eixes, Mirandela, gen., combatente republicano do 5 de Outubro, participou nos movimentos contra o regime ditatorial de Salazar/Caetano, viveu exilado no Brasil, fundador do Partido Socialista e da Seara Nova. 1988 — O egípcio Nagib Mahfouz, de 77 anos de idade, tornou-se no primeiro escritor de língua árabe a receber o Prémio Nobel da Literatura. 1771 Nasce Thomas Smith Webb, ritualista americano, cujo Monitor forma a base de todos os rituais usados pelas Grandes Lojas Americanas. 1778 Foi fundada a Grande Loja da Virgínia, dos Maçons Antonios, Livres & Aceitos, a segunda Grande Loja Americana, porém a mais antiga em atividade - USA. 1782 Foi colocada a Pedra Fundamental da CASA BRANCA, no canto sudoeste, em cerimônia efetuada pelo Venerável da Loja nr.9, da Grande Loja de Mary 1819 Hyppolito da Costa, pai do jornalismo brasileiro, torna-se Grão-Mestre Provincial do Condado de Ruthland, Inglaterra. 1975 A GL da Guanabara, ex-GL do Rio de Janeiro (de 1927), e a GL do Estado do Rio de Janeiro, ex-GL do Estado do Rio de Janeiro (1944) promovem reunião para estudar uma possível fusão, nunca realizada por divergências de interesse. Fatos maçônicos do dia Fonte: O Livro dos Dias (Ir João Guilherme) e acervo pessoal
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 5/32 Ir Rui Bandeira Obreiro da R. L. Mestre Affonso Domingues, n.º 5 da Grande Loja Legal de Portugal/GLRP. Escreve às quintas-feiras neste espaço Este e outros artigos de sua autoria podem ser lidos no blog http://a-partir-pedra.blogspot.com.br A Quarta Coluna Coloquei aqui anteriormente (JB News n.ºs 2168, 2175 e 2182) três textos sobre as três colunas que, nas reuniões do primeiro grau do Rito Escocês Antigo e Aceite de uma Loja maçónica, se encontram na zona central da sala onde decorre a reunião e que simbolizam a Sabedoria, a Força e a Beleza. Essas três colunas estão dispostas nas posições de três dos quatro vértices de um retângulo. O quarto vértice nada tem. Nada tem? Talvez não seja bem assim... Esse quarto vértice é porventura o local de uma quarta coluna, invisível porque imaterial, que simboliza a ligação espiritual entre o Homem e o Criador. É, portanto, a coluna do Espírito, que não é a Mente, embora a ilumine, que não é mero Instinto, apesar de o guiar, que, não sendo a Inteligência, só por esta pode ser, fugazmente, entrevisto. Tal como as demais qualidades que devem estar presentes nas obras e ações humanas, também o Espírito, ou o que dele dimana e se projeta nos atos humanos, chame-se-lhe garra ou vontade ou ainda elevação, aí deve estar representado. De que vale uma obra ou ação humana, ainda que sábia, mesmo que forte, porventura bela, se dela nada de elevado, de digno do Livre Arbítrio que à Humanidade foi concedido, se vislumbrar? O ato humano deve, com efeito, ser digno desse Livre Arbítrio, da Condição Humana, deve elevar-se para além da simples materialidade. Só assim o Homem é algo mais do que um primata com um intelecto hiperdesenvolvido... A Condição Humana só atinge a nobreza que lhe é inerente quando temperada com a dimensão de espiritualidade que especificamente lhe é alcançável. 2 – A Quarta Coluna Rui Bandeira
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 6/32 A obra humana, o ato do Homem, distingue-se do resultado da atividade meramente animal em face da marca do Espírito que o anima e que se alberga dentro de nós. A quarta coluna, a que aparentemente não existe, porque imaterial e, por isso, invisível, simboliza o Espírito do Homem, a mais nobre qualidade que este recebeu do Criador. Não se vê, não se sente, não se toca materialmente, mas é, porventura, a mais importante das quatro colunas. E eis como o maçom é tão embrenhado nos símbolos e nos seus significados que até é capaz de extrair significado de um símbolo... que não existe materialmente! Florianópolis vai sediar nos dias 14 e 15 de outubro o XXIII Encontro de Estudos e Pesquisas Maçônicas XXIIi Encontro dE Estudos E Pesquisas Maçônicas da loja fraternidade brazileira Florianópolis dias 14 e 15 de outubro de 2016 (sexta-feira e sábado) no CASTELMAR HOTEL Inscrições, Programação, Evento, Organização, acesse miguel.simao.neto@uol.com.br
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 7/32 O Irmão João Anatalino Rodrigues, é palestrante, escritor e colunista do JB News, às quintas-feiras e domingos. jjnatal@gmail.com - www.joaoanatalino.recantodasletras.com.br A CRIPTA DOS GRANDES FILÓSOFOS MAÇONARIA─ UMA ESCOLA DE VIDA I. O ideal maçônico Quem se propuser a estudar de fato os objetivos, a história e a filosofia fundamental da Maçonaria, sem se deixar enredar pelo cipoal de influências filosóficas e as variadas mistificações próprias de um sistema que envolve religião, psicologia, politica e filosofia, têm que ter em mente que a Maçonaria não é uma religião, nem uma associação filantrópica de assistência mútua, ou mesmo um clube de cavalheiros, onde os seus membros se reúnem para tratar de interesses comuns ou discutir assuntos do dia, buscando, uns nos outros, soluções para seus problemas individuais. Infelizmente, há muita gente que pensa isso da Maçonaria, e verdade seja dita, é o próprio comportamento de alguns Irmãos que sugere essa ideia ás pessoas, que do lado de fora, olham a Ordem maçônica com desconfiança e receio, como se dentro de um templo maçônico se promovessem conspirações, se rezassem missas negras e cultos satânicos, muito a gosto das velhas tradições medievais, denunciadas por imaginativos padres, que eram muito mais supersticiosos que os próprios magos e feiticeiros a quem eles pretendiam eliminar. A Maçonaria, para quem não entra na Ordem levado apenas pela curiosidade intelectual de um espírito ávido por bizarrices metafísicas, pode consistir em uma vigorosa experiência intelectual. E aqueles que buscam uma forma ativa de dar sua contribuição para uma sociedade mais sadia, encontrará nela um campo de atividades muito propício a essa inclinação da sua personalidade. André Michel de Ramsay (1686 – 1743) foi um nobre cavaleiro escocês. Um dos mais famosos maçons da história, ele foi o principal disseminador da ao divulgar o Rito Escocês Antigo e Aceito por toda a Europa. Sua definição de Maçonaria, ainda hoje, é a que mais se ajusta aos objetivos que a Irmandade busca realizar. “ O mundo todo não passa de uma república onde cada nação é uma família e cada indivíduo um filho. É para fazer reviver e espalhar estas máximas essenciais, emprestadas da natureza do homem que a nossa Sociedade foi inicialmente estabelecida. Queremos reunir todos os homens de espirito esclarecido, maneiras gentis e humor agradável, não só pelo amor às belas artes, mas ainda mais pelos grandes princípios de virtude, ciência e religião, onde o interesse da Fraternidade se tornam aqueles de toda a raça humana, onde todas as nações podem recorrer a conhecimentos sólidos, e onde os habitantes de todos os reinos possam aprender a valorizar um ao outro, sem abrir mão de sua pátria.(...), disse ele em seu famoso discurso pronunciado aos maçons franceses em 1738. Descontada a imaginativa forma que ele inventou para levar os franceses a apoiar o Rito que ele pregava, a sua definição de Maçonaria é a que ainda melhor nos serve, em nossa opinião.1 1 Para despertar a simpatia dos franceses, Ramsay cunhou o mito de que a Maçonaria tinha sido fundada em Jerusalém pelos exércitos cristãos no tempo das Cruzadas e mantida durante a Idade Média pelas Ordens militares que lá se estabeleceram. Particularmente as Ordens dos Templários e dos Cavaleiros de São João do Hospital. Essa foi uma grande inspiração de Ramsay pois ele sabia que os nobres e os intelectuais franceses mantinham uma ligação espiritual muito profunda com esses mitos do seu passado. 3 – A Cripta dos Grandes Filósofos – Uma escola de vida João Anatalino Rodrigues
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 8/32 Pois ela não é apenas uma sociedade de pessoas em busca da realização de um ideal politico ou religioso, mas uma vasta coordenação de ideias a nível mundial que trabalha com o mais profundos dos anseios humanos, que é a realização, na terra mesmo, daquela proposta que as religiões só conseguem visualizar em um outro mundo, ou seja, o mundo das realidades quiméricas, alcançáveis apenas a nível espiritual. É o mundo da Ordem social justa e perfeita, que como disse Ramsay, é construída sobre os ideais da beleza e cimentada pela virtude (moral e ética) a ciência (com consciência) e a religião (esclarecida). II. Na prática, uma filosofia de autoajuda É por isso que sempre dizemos que na Maçonaria convivem o ideal, a prática e a instituição. É um ideal porque sua filosofia repousa no sonho utópico que sempre cativou o espírito humano na procura de um estado ideal de ordem, paz, tranquilidade e equilíbrio entre sua natureza humana e a sua parte espiritual. Esse sonho, que é arquetípico, sempre esteve presente no Inconsciente Coletivo da Humanidade. A noção da existência de um Paraíso terrestre, presente em praticamente todas as religiões, é um claro reflexo desse sonho. É prática por que, na perseguição dessa quimera, o Irmão é concitado a desenvolver posturas morais e éticas que o induzem a praticar um comportamento compatível com o perfil que um membro da Irmandade deve ter. E, por fim, é instituição, já que para tornar possível essa prática é preciso dar forma a ela na figura de um ente real, com identidade social e cultural, e se possível, com personalidade jurídica. Dado o pragmatismo dos dias atuais, os maçons que veem na Ordem um ideal a defender preferem cultivá-la pelo seu lado filosófico, místico e quase sectário. Esses Irmãos são ritualistas ao extremo e se aborrecem quando os “pretensos segredos” da Maçonaria são revelados ao mundo profano, se esquecendo que os únicos segredos da Maçonaria estão na linguagem codificada que os maçons usam e nos assuntos discutidos “em Loja”, os quais são restritos até para os Irmãos que não pertencem á mesma congregação. Já aqueles que têm a Maçonaria como uma prática de vida, esses buscam nela a virtude de uma doutrina que deve funcionar como uma filosofia de autoajuda, no sentido de que ela pode aprimorar o seu caráter e fazer dele um indivíduo melhor. Já a Maçonaria, como instituição, é vista hoje por uma grande maioria de maçons como uma associação de pessoas com interesses convergentes, que pode alavancar sua promoção como indivíduo e, ao mesmo tempo proporcionar-lhes uma oportunidade de ação social. III. A caverna das luzes Como todas as realizações do pensamento humano, a Maçonaria tem procurado se adaptar ao contexto em que ela se insere. Sem se afastar do ideal que justificou o seu nascimento (a construção da Ordem Social justa e perfeita), ela agasalhou em seu catecismo uma vasta gama de correntes de pensamento, desde os grandes mitos religiosos do passado até os sistemas filosóficos atuais, informadores da sociedade moderna. Essa foi a grande realização dos maçons que instituíram o chamado Rito Escocês Antigo e Aceito, cuja disseminação, por toda a Europa, se deve ao Cavaleiro de Ramsay.2 Justifica-se, portanto, que os seus ensinamentos comecem com uma idéia, expressa através de um simbolismo iniciático, que encerra o conceito de iluminação do espírito, que é, na verdade a aquisição da sabedoria, á moda dos praticantes da gnose e da filosofia hermética. E que terminem com alegoria da Caverna das Luzes, onde encontraremos os grandes pensadores, construtores do espírito universal. 2 Os ritos praticados pela Maçonaria antiga foram sensivelmente modificados pelos maçons praticantes do REAA para agasalhar as mais variadas correntes de pensamento existentes na época em que ele foi criado. Até essa época a Maçonaria só praticava os três graus da chamada Loja Simbólica, centrados principalmente nas tradições da antiga maçonaria operativa herdada dos construtores medievais. É a partir da instituição do REAA que começam a aparecer, nos ritos maçônicos, alusões á pratica da alquimia, os temas relacionados á Gnose, á Cabala e principalmente a conexão com a tradição da Cavalaria, expressos principalmente na conexão da Irmandade com as Ordens dos Templários e Hospitalários. Outros ritos maçônicos, como o Arco Real (York), a Estrita Observância e demais, também seguiram caminho idêntico, incorporando em seus rituais elementos estranhos á antiga maçonaria dos construtores medievais.
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 9/32 Na verdade, todo o catecismo maçônico tem uma única finalidade, seja qual a forma como ela é prescrita e seja qual for o rito adotado. Essa finalidade é a construção do espírito humano, de acordo com os princípios consagrados do livre arbítrio, que reconhece para o homem o direito á busca da felicidade, fundamentado num triângulo virtuoso sustentado pela liberdade, pela igualdade e pela fraternidade. Assim, todas as alegorias exploradas no ensino maçônico têm essa finalidade. Desde os conceitos de pedra bruta (que é o aprendiz iniciado nos mistérios da Arte Real), a pedra cúbica (que é o companheiro cujas arestas já foram rudimentarmente aparadas, mas que ainda não atingiu a plenitude da sua iniciação) até a pedra lavrada ( que é o mestre finalmente apto a iniciar a sua senda pelos mistérios maiores da Maçonaria), há toda uma pedagogia habilmente desenvolvida para levar o iniciado maçom a esse resultado.3 A Caverna das Luzes é, portanto, um resumo final desse resultado. Para os Irmãos devidamente preparados nas antigas e modernas filosofias que norteiam o pensamento humano, e que também estejam devidamente informados sobre as crenças e esperanças que fazem o espírito de homem ser o que ele é, não é difícil entender o motivo de essa alegoria ter sido colocada justamente nos últimos graus do ensinamento maçônico.. Na Caverna das Luzes iremos encontrar oito colunas, sobre as quais oito bustos, representando os fundadores das grandes correntes de pensamento que orientam o espírito humano foram colocados. Numa nona coluna, o resultado final dos ensinamentos desses grandes construtores do espírito universal é demonstrado pelo aparecimento da Estrela, que é Gnose, a Iluminação, a Sabedoria, a Sofia dos Gnósticos, a Estrela Shá dos egípcios, como a sugerir que tudo que procuramos, seja qual for a religião que adotemos, é simplesmente a Verdade. Os bustos mostram pessoas cujos ensinamentos estão, em maior ou menor grau, presentes no catecismo maçônico. São eles os pensadores e profetas Confúcio, Zoroastro ou Zaratustra, Sidarta Gautama, o Buda, Moisés, o Legislador hebreu, o lendário Hermes Trismegistus, o filósofo Platão, Jesus de Nazaré, fundador do cristianismo e Maomé, fundador do islamismo. Cada um desses personagens deixou uma doutrina que muito influenciou o pensamento humano. Todavia, a ideia de introduzir essa alegoria nos ritos maçônicos tem uma justificativa bastante pragmática e insere-se bem no objetivo da Maçonaria. Como se sabe, a Ordem maçônica pretende foros de universalidade e na sua concepção como sociedade de pensamento, ela é ecumênica. Serve a todas as religiões, sem optar por nenhuma delas, e prega a tolerância como pedra fundamental do sua doutrina. Assim, ninguém precisa renunciar á sua religião para ser maçom. Ser maçom não é profissão de fé, mas sim adotar uma prática de vida e uma forma de pensar, onde a ética, a moral, o respeito pelos direitos humanos, o amor á justiça e a prática do bem sejam a sua estrela guia. E a simples constatação de que existem maçons que não se enquadram nesse perfil não invalida essa proposta, que é idealística e doutrinária ao mesmo tempo e não carrega, necessariamente, foros de sectarismo. Quer dizer, não se exige do maçom, como obrigação fundamental e exclusiva, que ele seja uma criatura perfeita e virtuosa, até porque o conceito de perfeição moral e virtude é movediço e difícil de se fixar como um padrão de conduta definido para todos. IV- A influência do positivismo Destarte, o que se pretende com a alegoria da Caverna das Luzes é extrair, de cada uma das doutrinas ensinadas por esses sábios, o essencial da virtude por eles ensinada, para com isso sedimentar o ensinamento maçônico. Na verdade, essa ideia, acreditamos nós, foi inspirada pelos maçons positivistas, adeptos das ideias do filósofo francês Augusto Conte. Como se sabe, o Positivismo foi um sistema de pensamento muito influente no final do século XIX e a maioria das Lojas maçônicas, especialmente no Brasil e na França, eram simpáticas a essa doutrina. Ela foi adotada, inclusive, no Pavilhão Nacional do Brasil, resumida na divisa “Ordem e Progresso”. Essa era a divisa dos chamados clubes republicanos, 33 Esses três primeiros estágios (pedra bruta, pedra cúbica e pedra lavrada) são inspirações da antiga maçonaria operativa. Já as demais alegorias inseridas nos graus superiores são concessões ás correntes de pensamento que a Maçonaria, dita especulativa, adotou para conformá-la ás exigências da época.
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 10/32 cujos membros, em sua grande maioria maçons, foram responsáveis pela proclamação da República brasileira. Sabe-se também que muitos adeptos do positivismo davam a essa doutrina um status de religião, tendo até fundado uma igreja com esse nome, que existe ainda hoje e chama-se, muito propriamente, Igreja Positivista do Brasil. A Igreja Positivista do Brasil foi fundada no dia 11 de maio de 1881 por Miguel de Lemos na atual rua Benjamin Constant, n. 74, no bairro da Glória, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro. Um de seus principais adereços são os bustos dos 13 grandes pensadores, que na crença dessa seita, glorificam os nomes mais importantes da cultura humana, nas áreas da religião, literatura, filosofia, ciência e política: Nesse rol encontraremos os bustos de Moisés (Teocracia Inicial), Homero (Poesia Antiga), Aristóteles (Filosofia Antiga), Arquimedes (Ciência Antiga), César (Civilização Militar), São Paulo (O Catolicismo), Carlos Magno (Civilização Católico-Feudal), Dante (Poesia Moderna), Gutenberg (Indústria Moderna), Shakespeare (Drama Moderno), Descartes (Filosofia Moderna), Frederico II (Política Moderna) e Bichat (Ciência Moderna), mais Helena, ou Heloísa, (representante das "Santas Mulheres" ou "A glorificação feminina").4 Outras igrejas dessa seita podem, evidentemente, homenagear outros baluartes da cultura mundial, pois o objetivo dela é fundamentar sua crença em conquistas científicas e realizações do pensamento humano, ao invés de inspirações metafísicas, que segundo os positivistas, são o fundamento das demais religiões. O positivismo, ao contrário dessas religiões pretende ter suas bases fundadas exclusivamente sobre verdades científicas e filosóficas, sem a contaminação de especulações metafíscas, que para os adeptos dessa corrente de pensamento são meras superstições. Por fim cabe lembrar a grande influência que o positivismo teve sobre a Maçonaria do século XIX e as ideias politicas que acabaram por determinar a Proclamação da República no Brasil. Como é de conhecimento de todos os maçons, foi a primeira Constituição republicana do Brasil, promulgada em 1891, que, entre outras medidas, estabeleceu a separação entre Estado e Igreja, tirou do controle da Igreja os cemitérios e os registros públicos e instituiu a necessidade do casamento civil. Todas essas medidas eram reivindicações inspiradas no modelo positivista de Estado que maçons como o Marechal Deodoro da Fonseca, Campos Salles, Prudente de Moraes, Delfim Moreira, Benjamin Constant e outros, advogavam.. 5 V- Maçonaria, escola de vida Eis, portanto, o que significa, na Maçonaria, a alegoria da Caverna das Luzes. Nela também poderiam estar Lao-Tsé, fundador do Taoísmo, Emanuel Kant, fundador do Idealismo, Karl Marx, o apóstolo do Materialismo Histórico, Charles Darwin, teórico da seleção natural, Alan Kardec, pai do espiritismo, Mahatma Gandhi, o libertador da Índia Rui Barbosa, nosso grande jurista e outros cientistas e grandes filósofos, que com suas teorias e doutrinas ajudaram a construir o conhecimento humano. Isso porque todas essas doutrinas e ideias são evocadas e discutidas ao longo dos graus pelos quais o iniciado maçom tem que passar para chegar ao final dos seus estudos. Por isso é que se diz que a Maçonaria não é uma religião, mas sim uma escola de vida. . 4 Helena, mulher que o filósofo Simão, o Mago, considerava como sendo a encarnação da sabedoria divina, uma espécie de Sofia dos gnósticos. 5 Castelanni e Almeida- Madras, São Paulo, 2010
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 11/32 Irmão Volmar Ferrari Bonaldo - CM Loja Acácia Riosulense nr. 95 – (GLSC) Rio do Sul - SC Filosofia Normativa Lógica É pelo pensamento que se consegue demonstrar e convencer. Para isso é necessário que nele se ponha ordem, que começa pelo conhecimento da realidade das coisas e dos fenômenos. Esse conhecimento leva às ideias, que podem se repelir entre si ou se harmonizar e combinar umas com as outras, de tal modo que seja possível a distinção entre o verdadeiro e o falso. Essa ordem no pensamento é obtida por meio de processos intelectuais envolvendo o modo pelo qual se raciocina e também as formas, as leis, as estruturas e as operações por onde, como e quando o pensamento se coloca em concordância com a coisa ou objeto. A tal ordem do pensamento se atribui o nome de Logica. Lógica é a arte de bem pensar. É a parcela da filosofia que estuda as leis do pensamento e que menciona as regras que devem observar na exposição da verdade. Raciocínio encadeado, ligação nas idéias, coerência entre os princípios e as conclusões. “É, pois, o método do raciocínio que, levado aos fatos relembra que as premissas obrigatórias de todas nossas ações são constituídas pelo que é bom, justo e belo, como útil e agradável”. Desde a Grécia Antiga que filosofar significa buscar a sabedoria através do uso metódico da razão. Aos filósofos interessava que se chegasse a resultados verdadeiros, e não falsos. “O Pensamento está entre os problemas psicológicos mais difíceis e menos elaborados. Até os últimos decênios dominava-se a convicção de que o pensamento é, no fundo, apenas uma combinação de processos associativos comuns de ordem mais complexa e elevada, ou seja, uma simples combinação de reações verbais. Porém o ato de pensar é infinitamente mais complexo e incorpora muitos momentos que são exclusivamente seus e não permite reduzi-la a um fluxo de imagens simples e livre.” (Vigotski, 1896 a 1934) O objetivo da Lógica é o pensamento enquanto busca a demonstração da verdadeira natureza dos objetos, das leis que os regem e as ações humanas. É pela consciência que chega o homem a conhecer-se através de operações mentais que se resumem em ser a noção (conceito), o juízo (proposição) e o raciocínio (conclusão lógica). A importância da Lógica está em que, ocupando-se do conteúdo do pensamento, leva à investigação dos fenômenos da vida, ao conhecimento em sua natural complexidade, e daí a razão de ser extraordinária conveniência. Fica particularmente dimensionada essa importância quando se chega à constatação irrefutável de que a lógica conduz a um conhecimento verdadeiro, passível de ser reconhecido por todos, e portanto, a uma verdade universalizada. Conhecendo e avaliando, pode a lógica levar à descoberta da relação entre fatos e apontar qual o fenômeno, quando, onde, por quê e como ele se manifesta e qual a sua origem. Resume-se, então, a lógica, em ser um guia inimitável na busca e encontro da verdade e na eliminação do erro ou do que é falso. 4 – Filosofia Normativa – Lógica Volmar Ferrari Bonaldo
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 12/32 A Lógica não é uma ciência normativa, porque as suas leis estão voltadas para os juízos críticos e especulativos, e não para a previsibilidade dos fatos e dos fenômenos, que é função da ciência. As leis da Lógica, através daqueles juízos, mostram-se com o caráter de críticas avaliativas para estabelecer os métodos que conduzem ao entendimento e à demonstração, tanto de certeza e verdade, quanto do erro. Por isso a Lógica analisa e julga. Mas por outro lado, não deixa de ser a Lógica o conhecimento científico, porque busca demonstrar a verdade com exatidão, com rigor. Tipos de lógicas  A lógica clássica se divide em modal, epistêmica e deôntica.  Lógica modal: agrega à lógica clássica o princípio das possibilidades. Enquanto na lógica clássica existem orações como: "se amanhã chover, vou viajar", "minha avó é idosa e meu pai é jovem", na lógica modal as orações são formuladas como "é possível que eu viaje se não chover", "minha avó necessariamente é idosa e meu pai não pode ser jovem", etc.  Lógica epistêmica: também chamada "lógica do conhecimento", agrega o princípio da certeza, ou da incerteza. Alguns exemplos de oração: "pode ser que haja vida em outros planetas, mas não se pode provar", "é impossível a existência de gelo a 100 °C", "não se pode saber se duendes existem ou não", etc.  Lógica deôntica: forma de lógica vinculada à moral, agrega os princípios dos direitos, proibições e obrigações. É o sistema de lógica usado para indicar condutas e comportamentos, e que inclui as relações de poder entre indivíduos. Enquanto a lógica clássica trata do que "é ou não é", a lógica deôntica trata do que "se deve ou não fazer". As orações na lógica deôntica são da seguinte forma: "é proibido fumar mas é permitido beber", "se você é obrigado a pagar impostos, você é proibido de sonegar", etc. 17  Lógica Temporal: Há situações em que os atributos de "Verdadeiro" e "Falso" não bastam, e é preciso determinar se algo é "Verdadeiro no período de tempo A", ou "Falso após o evento B". Para isso, é utilizado um sistema lógico específico que inclui novos operadores para tratar dessas situações.  Anticlássicas: são formas de lógica que derrogam pelo menos um dos três princípios fundamentais da lógica clássica. Alguns exemplos incluem:  Lógica paraconsistente: É uma forma de lógica onde não existe o princípio da contradição. Nesse tipo de lógica, tanto as orações afirmativas quanto as negativas podem ser falsas ou verdadeiras, dependendo do contexto. Uma das aplicações desse tipo de lógica é o estudo da semântica, especialmente em se tratando dos paradoxos. Um exemplo: "fulano é cego, mas vê". Pelo princípio da lógica clássica, o indivíduo que vê, um "não-cego", não pode ser cego. Na lógica paraconsistente, ele pode ser cego para ver algumas coisas, e não-cego para ver outras coisas.  Lógica paracompleta: Esta lógica derroga o princípio do terceiro excluído, isto é, uma oração pode não ser totalmente verdadeira, nem totalmente falsa. Um exemplo
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 13/32 de oração que pode ser assim classificada é: "fulano conhece a China". Se ele nunca esteve lá, essa oração não é verdadeira. Mas se mesmo nunca tendo estado lá ele estudou a história da China por livros, fez amigos chineses, viu muitas fotos da China, etc; essa oração também não é falsa.  Lógica difusa: Mais conhecida como "lógica fuzzy", trabalha com o conceito de graus de pertinência. Assim como a lógica paracompleta, derroga o princípio do terceiro excluído, mas de maneira comparativa, valendo-se de um elemento chamado conjunto fuzzy. Enquanto na lógica clássica supõe-se verdadeira uma oração do tipo "se algo é quente, não é frio" e na lógica paracompleta pode ser verdadeira a oração "algo pode não ser quente nem frio", na lógica difusa poder-se-ia dizer: "algo é 30% quente, 25% morno e 45% frio". Esta lógica tem grande aplicação na informática e na estatística, sendo inclusive a base para indicadores como o coeficiente de Gini e o IDH. A importância da lógica está em que, ocupando-se do conteúdo do pensamento, leva à investigação dos fenômenos da vida, ao conhecimento em sua natural complexidade, e daí a razão de ser extraordinária conveniência. Conhecendo e avaliando, pode a lógica levar à descoberta da relação entre fatos e apontar qual o fenômeno, quando, onde, por quê e como ele se manifesta e qual a sua origem. Resume-se, então, a lógica, em ser um guia inimitável na busca e encontro da verdade e na eliminação do erro ou do que é falso. A Maçonaria mostra a incerteza sobre os caminhos a seguir, pois a dúvida faz parte do processo de descoberta e permite que as idéias, mesmo as poucas que sobrevivem, possam fazer avançar a compreensão do mundo de forma irreversível, o que igualmente não é correto, pois sempre há novas descobertas a fazer. A Maçonaria entende que não é vergonhoso o não saber, mas o não querer saber, pois este impede o progresso do homem. Or de Rio do Sul, 30 de março de 2016, da E V Ir Volmar Ferrari Bonaldo CM Bibliografia: Portal Maçônico - http://www.maconaria.net Do meio dia à meia-noite – João Ivo Girardi http://wikipedia.org/ Filosofia Normativa (Lógica) -
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 14/32 Ir. Paulo Roberto - MI da Loja Pitágoras nr. 15 Membro da Academia Catarinense Maçônica de Letras e Grande Secretário Adjunto Guarda-Selos da GLSC. Escreve aos sábados neste espaço. prp.ephraim58@terra.com.br Paulo Roberto A INQUISIÇÃO O termo “Inquisição” refere-se a várias instituições dedicadas à supressão da heresia no seio da Igreja Católica. Alguns, inclusive, têm um parco conhecimento do que foi a chamada “Santa Inquisição”, criada em vários países europeus e na América Latina, pelas denominadas “Forças Clericais” de Roma, com a conivência de vários governos ditos aristocráticos, entre os séculos XII e XVIII. Muitos poucos conhecem essa obscura história relativa a essa considerada “Noite Tenebrosa”, porque todas as obras relativas a essa época triste vivida pelo Vaticano, pouco a pouco foram sendo recolhidas, sigilosa e sistematicamente, pelos padres jesuítas e pelas ordens monásticas a serviço do papado, a fim de evitar que os fiéis da religião católica romana, tomassem conhecimento dos crimes horrendos e os escândalos, praticados pelas hostes clericais em nome do Meigo Nazareno, do Divino Mestre da Galiléia. Os vocábulos Santa Inquisição e Santo Ofício foram empregados pelos bispos e frades que dirigiam essas vergonhosas, essas diabólicas atividades, contra a moral cristã, para, dessa maneira, procurar encobrir os seus inúmeros crimes. Como teremos ocasião de saber, através de narrações, cujos dados foram compilados dos livros genuinamente históricos, os mandantes de terríveis matanças, torturas, queimas em fogueiras, de praticamente, indefesas criaturas, e inventores de espantosas máquinas de sofrimento, que a imaginação humana pôde conceber tudo praticado em nome de “Cristo”, de “Deus”, praticando todas 5 – A Inquisição Paulo Roberto
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 15/32 essas torturas com uma “santidade”, um recolhimento tão característico de suas hipocrisias, fazendo da Inquisição um Tribunal duplamente malévolo, terrível, infernal e desumano. E, de lá para cá, dessa noite tenebrosa que a história nos fala, do paganismo romano, quantas e quantas inquisições têm sido montadas por governos despóticos? Já pertence a um passado não muito distante, as horrorosas tragédias que a infeliz Itália e a sofredora Alemanha aguentaram com os governos despóticos de Benito Mussolini e Adolf Hitler, que deveria servir de exemplo a outros monstros humanos, o que, no entanto, infelizmente não acontece. O “Santo Ofício”, por exemplo, instaurado por António de Oliveira Salazar e pelo sanguinário Francisco Paulino Hermenegildo Teódulo Franco y Bahamonde, em Portugal e Espanha, foi uma cópia autêntica, entre outros mais, do que existiu no século XII ao XVIII. Sebastião José de Carvalho e Melo, o grande Marquês de Pombal deu o golpe mortal nessa nefasta instituição e Napoleão pôs fim à Inquisição nos países onde tinha sido instalada, ficando para uma triste recordação os palácios ode os padres praticavam as torturas sem limites, faziam queimar vivos inocentes seres humanos, cujo “Santo Ofício” era exercido mais para confiscar imensas fortunas para aumentar sobremaneira a riqueza do Vaticano e para as orgias dos monarcas, cúmplices desses horrendos morticínios, dividindo dessa forma o produto de suas canalhices. Entretanto, para alguns, a “Santa Inquisição”, ou “Santo Ofício”, não terminou ainda, e nem terminará, enquanto não for exterminado o chefe do paganismo romano, o Papa Infalível. O ditador Francisco Franco, na Espanha, em determinada época instalou os “Tribunais da Rota”, para julgar os crimes, contra a religião e “Delitos da Maçonaria”, cujos magistrados eram nomeados por indicação papal. Na Espanha de Franco, conforme já foi dito, após a criação do tribunal mencionado, foram fuzilados mais de 10 mil maçons e mantidos em cárceres aproximadamente 40 mil, somente pelo crime de serem “Homens Livres e de Bons Costumes”. Também, na época, o governo maçom-protestante dos Estados Unidos da América do Norte, forneceu ao ditador em questão todo o subsídio monetário suficiente, para a sustentação dos tribunais citados anteriormente, tudo isso, pasmem, em troca de bases navais para a defesa de seu território?! O inquisidor Salazar fez o mesmo em Portugal e suas Colônias, sendo durante aqueles anos, a delação, moeda corrente entre as próprias famílias, tendo como maior latifundiário nesses infelizes países, o clero romano e seus favorecidos – os integrantes da Companhia de Jesus, os Jesuítas! Infelizmente, foi um tempo, onde floresceram inúmeros campos de concentração de prisioneiros, nos penhascos agrestes das ilhas de Cabo Verde, repletos de prisioneiros, aonde pouco a pouco, os mesmos iam sucumbindo pelos maus tratos, ou de malária. E, somente, por serem ilustres cidadãos que queriam ver e ter, um Portugal melhor a seu povo. No continente, os calabouços inquisitoriais de Salazar, e do Cardeal Manuel Gonçalves Cerejeira, “Êmulo de Torquemada”, se faziam repletos de grandes escritores, cientistas, filósofos e políticos adversos da mitra e da espada, onde sofriam as maiores e inimagináveis torturas, pelo “infame” crime, de se dizerem patriotas.
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 16/32 Presidente Salazar Cardeal Cerejeira A única fortuna que carregam esses parasitas da humanidade ao se arraigarem em um país é um (0) zero na cabeça, para, em pouco tempo, serem os maiores proprietários de cidades, vilas e aldeias. Bem sabemos que a confissão direcionada, sob tortura, é um dos maiores balcões de venda e, também, um dos maiores instrumentos de delação! Templos construídos com o dinheiro do povo foram depois vendidos por imensas fortunas ao governo, ou a particulares, sendo essas fortunas produto da rapinagem, divididas entre o Vaticano e as congregações de frades e outras. Tudo isso se passando, com a anuência escandalosa dos governos considerados impotentes. Infelizmente, à época, surgiram os exemplos das igrejas do Carmo, dos Remédios, da Sé Velha de Coimbra e outros, cujas construções foram elaboradas com o produto tirado do povo, mas que esse povo, jamais, tomou conhecimento onde foi parar esse produto. Frei Tomáz de Torquemada (1420 – 1498), considerado o maior carrasco que teve a Inquisição, tendo sido o organizador dos “Tribunais da Rota” ou “Santa” Inquisição. “Verba volant, scripta manent”
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 17/32 Ir Ricardo Caselli Moni ------------------------------- TRGA - Técnico Responsável pela Gestão Ambiental das Bases da Bacia de Campos com CNPJ de Imbetiba e Imboassica Petrobras/ Serviços Compartilhado Gerencia de Segurança, Meio Ambiente e Saude da Regional Bacia de Campos Gerente de Meio Ambiente Tel: 22-2753-0445 E-mail : moni@petrobras.com.br INFORME MASONIC LECTURE THREE UNICORNS - I undertake that I may perform PRAESTO UT PRAESTEM - in Memmoriam Bro. William Preston Ricardo Caselli Moni Dialogo improvável entre pensadores e a Maçonaria J Paul Sartre R. D.Laing Carlos Fuentes Martin Heidegger Maturana Friedrich Nietzche Lendo artigo deste mês da Revista Science de dois cientistas , Frans der Waal , da Emory University e de Sarah Brosnan - Geórgia University – no qual desenvolvem trabalhos com símios no - Yerks National Primate Research Center - que se intitula " Evolution of Response to ( un) fairness " vemos que tanto seres humanos como animais não estão interessados em ajuda como atos comuns per si , mas estão interessados em manter boas relações na qual eles ligam para a recompensa da divisão . Segundo os cientistas o sentido humano da justiça é um enigma evolutivo. Para estudar isso, podemos olhar para outras espécies, em que isso pode ser traduzido empiricamente em respostas para recompensar distribuição. Protestos em forma passiva e ativa contra receber menos de um parceiro 6 – Diálogo improvável entre pensadores e a Maçonaria Ricardo Caselli Moni
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 18/32 para a mesma tarefa é comum em espécies que cooperam de parentesco e acasalamento de ligações externas. Há menos evidências de que espécies não-humanas procuram igualar os resultados de seu próprio prejuízo, mas este último tem sido documentado em nossos parentes mais próximos, os macacos. Esta reação provavelmente reflete uma tentativa de evitar a insatisfação com os resultados obtidos pelos parceiro e seu impacto negativo sobre a cooperação futura. A hipótese deles é que é a evolução desta resposta que permitiu o desenvolvimento de um sentido completo de justiça em seres humanos, que não visa a igualdade para seu próprio bem, mas para o bem de cooperação contínua. Logo, tratamos de questão de Cooperação. Alias isto pode ser demonstrado no Dilema dos Prisioneiros em que a melhor maneira de se obter os melhores resultados em equipe é a Cooperação . Estes trabalhos são elaborados nestes centros que agora nos Estados Unidos constam de 8 ( oito ) unidades com primatas para entender e testar ( fenomenologia ) os vários campos da ciência indo da microbiologia até comportamentos . Esta pesquisa me levou relembrar um dos livros que havia lido no ano passado do falecido escritor Carlos Fuentes em que num capitulo dialogava sobre o tema : viver em comunidade, solidão e o sentido da justiça . Neste caso me propus a refazer um diálogo semelhante a Fuentes , mas introduzindo novos personagens ( J P Sartre , Heidegger e Laing ) em sua fala e o diálogo segue da seguinte forma : Carlos Fuentes ( Escritor ) : A solidão tem um preço ? F .Nietzche ( Filosofo ) : E claro que sim . Não somos inimigos . Vivemos em comunidade . Antes temos uma genealogia , uma família . Mesmo que esta não seja a nossa . Complemento, hoje , com aquela do D N A. , das nossas origens , do qual saímos . Tem famílias que criamos artificialmente, em nossa mente , como nas passagens de órfãos como no livro de Dickens , Oliver Twist . Mas estes também vão a procura de sua ou de uma genealogia . Existem vários tipos de família que se formam , se bem que me entendem . Tem também aqueles com quem con- vivemos ( juntos) , que não são nossa família , não são a nossa genealogia sanguínea , mas esta inserida neste processo , o comunitário . F : Temos que viver em comunidade . Pagamos um preço por viver na comunidade ? N : Este levou um dedo na boca . JP Sartre ( Filosofo ) : Interpôs e disse : O inferno são os outros . Eles inibirem nossa autonomia , são fontes de conflito e preocupação , mas as nossas relações são essências para o nosso ser . F : Temos que cuidar para não nos levar neste tema a Tautologias Responder com tautologias não nos seria uma objetivação . Fazer rodeios. Criar pleonasmos , coisas sem valor . Queremos uma resposta do preço em se viver em comunidade , da comunhão com as pessoas ou não ? Martin Heidegger ( Filosofo ) : Interpôs e colocou que : “ somos seres fundamentalmente sociais , enfatizo o senso de conexão entre as pessoas . Umberto Maturana ( Biólogo ) : A isso eu defino como acoplamento estrutural . N : Já que as querem lhes dou : a solidariedade e o apoio mútuo . F : E sem estes ? N : Vamos de volta a solidão . F : Como se paga a solidão ? N : Creio com o ódio de si mesmo , ao fim e ao cabo . Sartre : Como disse , o inferno são os outros . Leiam a minha peça . Mas posso dizer por que : a ) uma delas é o obstáculo a nossa liberdade. Somos condenados a seremos livres. Mas as pessoas interferem em obter as coisas de que necessitamos do ambiente . Elas são ameaçadoras. Elas nos convertem em objetos para seus fins . Nos identificamos mais com mente do que corpo , mas os outros
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 19/32 nos fazem ver , nos notam , como somos . Nos nomeiam . E no final tendem a roubar nosso senso de primazia e controle. F : Como superar ( este ódio ) ? N : Você o acaba de dizer . Com a comunidade . Ou seja com o que você mais odeia ( para um ser solitário ) . Sartre : do que coloquei acima posso dizer que sem este obstáculo ficaríamos num estado de absorção , tipo Édipo. Mas os outros são concorrentes fundamentais e não colegas. Entendendo por fundamentais pois nos causam nossa autoconsciência . Ronald Laing ( Psiquiatra ) : Outra questão é que se convertemos outros em objetos . Minha experiência de você não está dentro de mim . É simplesmente você , conforme eu experencio . E eu não experencio dentro de mim . A sua experiência relativa a mim me é invisível e a minha experiência em relação a você é invisível a você . Eu não posso experenciar a sua experiência . Somos ambos homens invisíveis . Sartre : À Questão da primazia e do controle posso acrescentar que não compartilham sempre nossas crenças , pois nós vemos o mundo de maneira diferente . O surgimento de outra psique causa um impacto na nossa. Cria uma fenda que seus sendo de seguranças se perde. Sem os outros não alcançamos a autoconsciência que é essencial para o desenvolvimento da identidadeobjetiva. F : E se você não tolerar a solidão e não quiser a comunidade ? N : Das duas uma. . Você se torna Humilde . Ou se torna Rebelde . Ou escolhe ser Vitima ou Vitimário . F : E o que há entre a justiça e a injustiça ? N : O imponderável . A morte . Mas antes o Orgulho . Este procede a queda , segundo a Bíblia . F : E quando o orgulho se manifesta sem importar as consequências morais ? N : Então haverá consequências políticas . F : E o que é a justiça ? N : A conformidade com a norma . E a norma de que se da a cada um o que lhe e devido . A Norma e geral : trata-se de distribuir justica . Ainda que a norma seja particular . Trata de dar- se a cada um o que lhe e devido . F : Como você harmoniza dar a cada um o que lhe e devido com a demanda da norma , fazer justiça ? Analisando caso a caso na medida do possível, ponderando. E claro que sempre teremos falhas, mas no final tem que se estar convencidos de que se cumpriu uma deontologia, um dever, praesto ut praestem , se bem que me entendes , disse -lhes . Aqui faço um pedido aos leitores para que reflitam do que trata essencialmente a maçonaria. Qual a nossa essência ? Por que existimos ? Não seria disto que os filósofos discutiram acima ? Da questão da vida em comunidade, da sociabilidade, da fraternidade, de seus limites , dos nossos deveres e da justiça ? Vide que na idade média as ordens religiosas tinham como lema : Caritas e Justitia . Ricardo Caselli Moni
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 20/32 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br GOSC https://www.gosc.org.br Data Nome da Loja Oriente 03.10.1981 Ação e Fraternidade Gasparense nr. 26 Gaspar 17.10.1969 São João Batista nr. 14 Orleans 19.10.2000 Gênesis nr. 47 Florianópolis 20.10.1977 Duque de Caxias nr. 21 Florianópolis 22.10.1970 Sentinela do Oeste nr. 17 Chapecó 25.10.1978 Harmonia e Fraternidade nr. 22 Joinville 25.10.1996 Cavaleiros da Luz nr. 64 Florianópolis 28.10.1989 Jack Malt nr. 49 Rio Negrinho 28.10.2008 Delta do Universo nr. 98 Florianópolis Data Nome da Loja Oriente 05/10/1991 Zezinho Cascaes Braço do Norte 12/10/1994 Fraternidade Serrana São Joaquim 13/10/2004 Portal da Serra Bom Retiro 15/10/1985 Lealdade, Ação e Vigilância Florianópolis 16/10/1951 Estrela do Planalto Curitibanos 18/10/1997 Acácia das Gaivotas Bal. Gaivota 20/10/2008 Construtores da Paz Chapecó 21/10/1972 General Bento Gonçalves Araranguá 22/10/1997 Sol do Oriente Camboriú 26/10/1975 Acácia das Neves São Joaquim 30/10/2002 Frank Shermann Land Florianópolis 7 – Destaques (Resenha Final) Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de setembro
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 21/32 GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Loja Oriente 03.10.03 Delta de Ingleses - 3535 Florianópolis 06.10.81 Prof. Clementino Brito - 2115 Florianópolis 13.10.07 Luz de São Joaquim - 3884 São Joaquim 15.10.93 Cidade Azul - 2779 Tubarão 15.10.05 Estácio de Sá -3763 Florianópolis 17.10.08 Luz de Órion - 3951 Itapema 23.10.00 Luz e Harmonia - 3347 Brusque 26.10.96 Arquitetos do Vale - 2996 Blumenau 26.10.08 Amigos da Liberdade - 3967 Palhoça 27.10.97 Atalaia -3116 Itajaí 28.10.95 Luz do Atlântico Sul - 2894 Baln. Camboriú
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 22/32
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 23/32 O Adeus ao Irmão José Claudio Martins (do Irmão Borbinha correspondente JB News) - Ocorreu na quarta-feira (11) às 14:30 horas no Crematório de Palhoça (Grande Florianópolis) a Cerimônia Maçônica do Irmão JOSÉ CLAÚDIO MARTINS - M:.M:. da Loja CALDAS JÚNIOR - GORGS - Oriente de IMBÉ- RS. Participaram da Sessão o V:.M:. Ir:. Celso Grillo; 1º Vigilante, Ir:. Sidinei Toferne; 2º Vigilante e Ir:. João Carlos Tessele. Completando o Elo Ritualístico, estavam presentes de Florianópolis os três Correspondentes do JB-News,Irmãos: Borbinha, Fernando Fernandes e Valbério. Ainda de Florianópolis o Irmão Osmar.
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 24/32 Palestra do Irmão Juarez O Irmão Juarez Fonseca de Medeiros, Venerável de Honra da Loja Templários da Nova Era, proferiu na noite da da última quarta-feira (11) palestra na Loja “Alvorada da Sabedoria” (GOB/SC) sobre a “Formação do Estado Brasileiro”, polarizando a atenção dos presentes pela história discorrida, herdada desde as origens da formação política e social no velho mundo. A sessão transcorreu no Templo II da Fundação Unitas, à rua Machado de Assis no Estreito (a Fundação possui seis templos). Na foto em destaque o momento em que o Irmão Juarez foi homenageado pela Loja Alvorada da Sabedoria, através do Venerável Marcos de Oliveira, com o “Diploma de Mérito” Ao após, a confraternização ao estilo “emulation”.
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 25/32
  26. 26. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 26/32
  27. 27. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 27/32 O Prumo de Hiram, Juiz proíbe emblema maçônico em lápide de antigo maçom (Irmão Luciano Rodrigues) - Um juiz proibiu uma família de ter o esquadro e o compasso, emblemas da maçonaria, gravados na lápide de um maçom que morreu depois de dedicar grande parte de sua vida à organização. William Kenneth Wilson, que morreu em Julho de 2012 e que dedicou mais de 40 anos a Maçonaria, foi enterrado no jardim da igreja de Grau 1, do século 12, St Oswald´s Church na área rural de Dean em Cumbria, Inglaterra. Grau 1 se refere a uma classificação de edifícios na Inglaterra, neste caso, trata-se de uma construção classificada como “construção de interesse excepcional para a Inglaterra e País de Gales”. Abaixo a localização das lápides no jardim da igreja: [...] Leia o restante deste texto no link abaixo: http://www.oprumodehiram.com.br/juiz-proibe-emblema-maconico-em-lapide-de-antigo-macom/
  28. 28. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 28/32
  29. 29. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 29/32 Ir Marcelo Angelo de Macedo, 33∴ MI da Loja Razão e Lealdade nº 21 Or de Cuiabá/MT, GOEMT-COMAB-CMI Tel: (65) 3052-6721 divulga diariamente no JB News o Breviário Maçônico, Obra de autoria do saudoso IrRIZZARDO DA CAMINO, cuja referência bibliográfica é: Camino, Rizzardo da, 1918-2007 - Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014 - ISBN 978-85.370.0292-6) Para o dia 13 de outubro: A Predição Antecipar ou prever resultados de um ato e anunciar as suas consequências. Prediz-se o Tempo, o movimento dos astros, o fluxo das marés, a abundância das colheitas, o curso da enfermidade, a evolução dos acontecimentos, o êxito dos negócios, a consequências de nossos atos, a utilidade dos conhecimentos adquirimos, o bem e o mal que nos conduzem em cada passo que damos e finalmente os prováveis efeitos de tudo o que fazemos e que deixamos de fazer. A predição pode ser resultado do manejo de dados científicos, especialmente por meio de um computador; pode ser a coleta de opiniões mediante pesquisas de grupos; uma análise dos fatores econômicos para fixar um índice inflacionário, enfim, o cotejo de dados seguros por meio de estudos comparativos. Porém, a predição pode ser o resultado de uma qualidade inata, uma espécie de dom, todos nós possuímos alguma parcela que pode ampliar-se por meio do exercício. O maçom, por ter a oportunidade de aperfeiçoar-se, dentro da ritualística maçônica, pode, com mais facilidade que os profanos, adquirir esse dom e fazer “previsões”. Querer é poder; cada um de nós possui os materiais necessários para a vitória; basta querer. A premonição poder ser alcançada; deve haver pertinácia e vontade. Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014, p. 304.
  30. 30. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 30/32 Segundo Templo da Loja Maçônica Liberdade e União 1158 Fundada em 1937 - Goiânia - GOB/GO
  31. 31. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 31/32 1 – Descubra os fantásticos poderes da Água Oxigenada! 2 – Você sabe o que significa a cor do seu xixi? 3 – Abertura do 90º ano maçônico no Grande Oriente de Pernambuco. https://www.youtube.com/watch?v=u6mvIsSSA54 4 – Confeitaria Colombo – Rio de Janeiro: CONFEITARIA COLOMBO - HUMBERTO POETA - ARTES BY RITA ROCHA.pps 5 – Rua romântica: Die Romantische strasse.pps 6 – Vinho de Talha: Vinho de talha v.mp4 7 - Filme do dia- “Deus não está morto” – Dublado https://www.youtube.com/watch?v=ySFcsUfaWb8
  32. 32. JB News – Informativo nr. 2.203– Florianópolis (SC) – quinta-feira, 13 de outubro de 2016 Pág. 32/32 T I R A D E N T E S “21 DE ABRIL, FOI-SE UM HERÓI”. Autor: Raimundo A. Corado Barreiras, 21 de abril de 2001. Data comemorativa à morte de um herói, Pra corrigir uma barbaridade cometida! Será que se comemorando este dia, Lembra-se ao menos daquela vida? A resposta é imediata: Qual nada, o bom mesmo é o feriado, Ainda tem muitos insatisfeitos, Pois neste ano caiu no dia errado. Comoveu o mundo, Com o sentimento profundo Num ato de bravura Não existem descendentes, Com a coragem de Tiradentes, Dentre nossas criaturas!

×