O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2321

64 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Governo e ONGs
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2321

  1. 1. JB NEWS Filiado à ABIM sob nr. 007/JV Editoria: Ir Jeronimo Borges Loja Templários da Nova Era nr. 91(Florianópolis) - Obreiro Loja Alferes Tiradentes nr. 20 (Florianópolis) - Membro Honorário Loja Harmonia nr. 26 (B. Horizonte) - Membro Honorário Loja Fraternidade Brazileira de Estudos e Pesquisas (J. de Fora) -Correspondente Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas (P. Alegre) - Correspondente Academia Catarinense Maçônica de Letras Academia Maçônica de Letras do Brasil – Arcádia de B. Horizonte O JB News saúda os Irmãos leitores de Cascais - Portugal (Publique aqui a imagem de sua cidade: jbnews@floripa.com.br) Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.321 – Florianópolis (SC) – segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 Bloco 1-Almanaque Bloco 2-IrSérgio Quirino – O Secreto Maçônico Bloco 3-IrJosé Garibaldi – Maçonaria, Ontologia e Conhecimento Bloco 4-IrCícero de Sá – Os Efeitos Benéficos da Prática do Trabalho Bloco 5-IrVitor Andrade – Por que saí da Maçonaria Bloco 6-IrPedro Juk – Perguntas & Respostas – do Ir Amir Heinrichs (Santa Helena – PR) Bloco 7-Destaques JB – Breviário Maçônico p/o dia 6 de fevereiro e hoje com versos do Irmão e Poeta Adilson Zotovici (São Paulo - SP)
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 2/22 O JB News Errou! Na edição anterior, nr. 2.320, foi publicado o artigo “A Bíblia de Jefferson”, como sendo do Irmão Hercule Spoladore. O texto não é do ilustre colaborador dominical do JB News, que imediatamente ao receber o informativo nos intercedeu, e que também desconhece de quem seja a autoria. Lamentamos pelo grande equívoco e pedimos desculpas ao Irmão Hercule pela publicação involuntária de seu nome naquele artigo. Hercule Spoladore – A Bíblia de– A Bíblia de Jefferson Hercule Spoladore – A Bíblia de Jefferson Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. 1 – ALMANAQUE Hoje é o 37º dia do Calendário Gregoriano. Faltam 328 dias para terminar o ano de 2017 - Lua Quarto Crescente – Dia Nacional da Nova Zelândia e dia do Agente de Defesal Ambiental É o 128º ano da Proclamçaõ da República; 195º da Independência do Brasil e 517º ano do Descobrimento do Brasil Colabore conosco. Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebe o JB News, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias por mala direta. Obrigado. 2 – O Secreto Maçônico Sérgio Quirino
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 3/22 6 de fevereiro  46 a.C. — Batalha de Tapso: os Populares liderados por Júlio César derrotam a facção conservadora em África.  337 — É eleito o Júlio I, 35º papa, que sucedeu o Papa Marcos.  1294 — Lançada a primeira pedra para a construção do Castelo do Alandroal.  1336 — Casamento por procuração do herdeiro do trono português D. Pedro, o Justiceiro, com Constança Manuel.  1694 — O aldeamento principal do Quilombo dos Palmares é destruído pelas tropas do bandeirante Domingos Jorge Velho.  1778 — Guerra da Independência dos Estados Unidos: É assinado em Paris o tratado de aliança e o tratado de amizade e comércio com a França, que reconhece oficialmente a nova república  1788 — Massachusetts torna-se o sexto estado norte-americano, após ter ratificado a Constituição americana.  1796 — O território do Tennessee cria sua primeira constituição.  1818 — Carlos Frederico Lecor recebe o título de Barão da Laguna.  1819 — Fundação de Singapura por Thomas Stamford Raffles  1840 — Nova Zelândia: Assinatura do Tratado de Waitangi  1857 — Fundação dos condados de Alpena e Antrim.  1862 — Guerra Civil Americana: tomada do Fort Henry pelo general Grant.  1884 — Fundação do Condado de Bent.  1889 — Araraquara é elevada à categoria de cidade.  1890 — Caratinga é elevado à categoria de município.  1914 — Elevação da Diocese da Paraíba à categoria de Arquidiocese, pela bula "Maius Catholicae Religionis Incrementum" do Papa Pio X. Também é separada nesta mesma data do território eclesiástico da Diocese da Paraíba a Diocese de Cajazeiras, com sé eclesiástica em Cajazeiras no sertão do estado da Paraíba.  1922 — É eleito o Papa Pio XI, 260º papa, que sucedeu o Papa Bento XV.  1941 — Segunda Guerra Mundial: Tropas britânicas e australianas capturam Benghazi, na Líbia.  1952 — Coroação da Rainha Isabel II do Reino Unido.  1958 — Desastre aéreo de Munique: um avião que levava jogadores e directores do Manchester United, mais jornalistas e alguns adeptos, se despenhou numa tempestade de neve quando tentava descolar pela terceira tentativa.  1959 — Realizado, com sucesso, de Cabo Canaveral, o primeiro lançamento de um míssil.  1974 — A ilha de Granada, nas Caraíbas, torna-se independente.  1984 — Começa a operar na Antártida a Estação Comandante Ferraz.  1985 — Steve Wozniak deixa o comando da empresa que ajudou a fundar, a Apple Inc..  2000 — O amestrador de cães Edson Néris da Silva é espancado até a morte por um grupo de skinheads em São Paulo. É o primeiro caso de morte por ódio contra homossexuais no Brasil, que teve repercussão na imprensa e nos órgãos de defesa dos direitos humanos.  2004 — Explosão no metrô de Moscou cometido por um suicida matando 40 pessoas e ferindo 120. Este atentado é reivindicado por um grupo terrorista checheno.  2006 — A Sonae anuncia a intenção de lançar uma OPA (hostil) sobre a Portugal Telecom. EVENTOS HISTÓRICOS (Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 4/22 1861 Decreto, desta data, concede permissão ao Visconde de Barbacena, Felisberto Caldeira Brandt, para organizar uma companhia visando a exploração do carvão em terras localizadas do rio Tubarão. 1748 Nasce Adam Weishaupt, intelectual alemão e criador da Ordem dos Illuminatti, que tentou usar as Lojas Maçônicas alemãs para divulgar idéias subversivas. 1787 Iniciado George Frederick Augustus, Príncipe de Gales, mais tarde GM e depois rei George IV. 1941 Grande Oriente do Brasil constitui Comissão para o Conclave dos Servidores da Ordem e da Pátria para o Rito Brasileiro. Fatos históricos de santa Catarina Fatos maçônicos do dia Fonte: O Livro dos Dias 20ª edição (Ir João Guilherme) e acervo pessoal Em Florianópolis visite o hotel da Família Maçônica. Marina’s Palace Hotel Praia de Canasvieiras - Reservas : (48) 3266-0010 – 32660271 Irmão tem desconto especial. Aproveite a temporada.
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 5/22 O “Templar Bier” nos Ingleses, à rua geral nr. 6040, é o novo ponto de encontro dos Maçons de Florianópolis. Venerável Mestre! Desejas criar e manter um site de qualidade da sua Loja? Então atente para este anúncio (Coisa de Irmão para Irmão)
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 6/22 Ano 11- artigo 06 - número sequencial 3603 -05 fevereiro 2017 Saudações, estimado Irmão! O SECRETO MAÇÔNICO Refletindo sobre a Maçonaria Secreta, há três aspectos interessantes e que merecem nossa atenção. Não se trata, aqui, de qualificar a Ordem/Instituição como secreta ou discreta, nem de velarmos pelos nossos “segredos”. Deixando bem claro e sem recorrer a sofismas, não há segredos na Maçonaria! O que temos são informações privilegiadas, transmitidas somente àqueles que fizeram por conquistar a condição de Verdadeiro Maçom. Se o cidadão dito comum (profano) demonstrar e comprovar ilibada moral, a Maçonaria lhe apresentará nossos augustos segredos na Iniciação e pelas Instruções. Da mesma forma, as instruções de todos os Graus seguintes são ministradas somente àqueles que fazem por merecer. E não é somente a Maçonaria que se vale deste preceito. As relações humanas se moldam e se consolidam na medida da confiança conquistada. Em nossa Ordem o “secreto” se manifesta sob três formas sutilmente diferentes. OCULTO – ESCONDIDO – IGNORADO 2 – O Secreto Maçônico Sérgio Quirino
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 7/22 Oculto em nossos labores é aquilo que está COBERTO, somente usado e praticado conforme o Grau, no ambiente adequado: Toques, Sinais, Palavras, ou seja, o Cobridor. Escondido é o ACOBERTADO, aquilo que não se consegue ver/compreender de forma simples: São as instruções. Podem ser lidas em qualquer lugar, mas só serão realmente compreendidas se descobertas da materialidade da palavra. É a compreensão do simbolismo maçônico. Ignorado é o que nos distancia dos valores secretos da Maçonaria e é proporcional a nossa IGNORÂNCIA. É o estado que nos colocamos diante da falta de conhecimento sobre a existência e de reflexão sobre algo. O “algo” que está lá, escancarado, mas nós não conseguimos abrir os olhos e a mente para ele. Quantos degraus tem o altar do VM, do 1º Vig. e do 2º Vig.? A base das Colunas “J” e “B” são iguais? Quantas estrelas tem o Cinturão de Órion? Quantas estrelas formam a Híadas? Quantas estrelas formam a Plêiades? SIMPLES PERGUNTAS OU O SECRETO MAÇÔNICO QUE AINDA NÃO FOI DESVENDADO POR VOCÊ? Este artigo foi inspirado no livro “SECRETUM – MANUAL PRÁTICO DE KABBALA TEÚRGICA” do Irmão Helvécio de Resende Urbano Júnior, que na página 28 consta uma instrução que nos remete ao nome do Inefável: “Para isso, começaremos por comentar sobre os Três Caminhos principais, partindo do Umbral do Templo que conduz até o Santuário, por entre perigos e múltiplos labirintos. Estes três caminhos são: 1º O caminho instintivo, ou experimental (Yod). 2º O caminho cerebral, ou mental (He). 3º O caminho cardíaco, ou sentimental (Vau)” Neste décimo primeiro ano de compartilhamento de instruções maçônicas mantemos a intenção primaz de fomentar os Irmãos a desenvolverem o tema tratado e apresentarem Prancha de Arquitetura, enriquecendo o Quarto-de-Hora-de-Estudos das Lojas. Precisamos incentivar os Obreiros da Arte Real ao salutar hábito da leitura como ferramenta de enlevo cultural, moral, ético e de formação maçônico. Fraternalmente Sérgio Quirino – Grande Segundo Vigilante – GLMMG Sérgio Quirino - ARLS Presidente Roosevelt 025 – GLMMG Contato: 0 xx 31 98853-2969 / quirino@roosevelt.org.br Facebook: (exclusivamente assuntos maçônicos) Sergio Quirino Guimaraes Guimaraes Os artigos publicados refletem a opinião do autor exclusivamente como um Irmão Maçom. Os conteúdos expostos não reproduzem necessariamente a ideia ou posição de nenhum grupo, cargo ou entidade maçônica.
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 8/22 Ir José Garibaldi (NS), e:.v:. Resp:. L:. Salvador Allende/GOL- Lisboa Maçonaria, ontologia e conhecimento A ontologia é o ramo da filosofia que estuda a natureza do ser, isto é, do ser concebido como tendo uma natureza comum que é inerente a todos e a cada um dos seres, procurando determinar as categorias fundamentais e as relações do ser enquanto ser. Na verdade, a ontologia é um aspecto da metafísica que intenta categorizar o que é essencial e fundamental em determinada entidade, tendo cabido ao filósofo alemão Christian Wolff a definição de ontologia como a ciência do ser enquanto ser. No século XIX, a ontologia foi transformada pelos neoescolásticos na primeira ciência racional que abordava os géneros supremos do ser. A corrente filósofica conhecida como idealismo alemão, de Hegel, partiu da ideia de autoconsciência para recuperar a ontologia como "lógica do ser".De acordo com a ontologia, as cinco instâncias do conhecimento normativo configuram cinco padrões lógicos bem definidos: (1) a lógica transcendental, (2) a lógica da diferença, (3) a lógica funcional, (4) a lógica temporal e, (5) a lógica holística ou da totalidade. Refira-se que o amor paternal vincula-nos aos nossos antecedentes, em última instância, à nossa origem transcendental, o que corresponde à lógica presente na 1a dimensão do conhecimento, em que a lógica transcendental explica a emersão do ser no mundo relativo: a relação pai criador-filho criado. O amor conjugal, na sequência, busca o complemento estrutural inescapável e liga-nos ao género perdido na divisão celular, construtora do organismo e que nos deixou incompletos, correspondendo à lógica da diferença e à simetria estrutural presente na 2a dimensão. O amor fraternal, por seu turno, associa-nos aos amigos e companheiros na jornada da vida e corresponde à lógica funcional e à lei de acção e reação que preside à instância da terceira dimensão, dentro da qual são viabilizados matéria e espaço. O amor filial vincula o homem à sua descendência biológica e corresponde, precisamente, à 4a dimensão a cuja lógica presidem a temporalidade e a história. Finalmente, o amor social corresponde àquele sentimento de amor à humanidade como um todo e que corresponde à instância de totalidade do conhecimento, em que a lei é integrativa e a meta é a reconstrução e a preservação da unidade. Há, portanto, coincidência de perspectivas entre o conhecimento normativo, aplicado no meio académico, e a doutrina de caráter espiritualista da maçonaria. A coincidência é tão precisa que a estrutura ontológica do ente, capaz de tornar a filosofia definitivamente integrada e útil ao homem, corresponde, fiel e exatamente, à palavra perdida perseguida pela maçonaria, simbolizada pelo “Verbo, aquele que era no princípio”, responsável também pela identificação das lojas maçónicas como sendo Lojas de São João. Estamos, hoje, tanto na maçonaria como no mundo profano, a enfrentar a exaustão de um modelo social que dá prioridade ao ter relativamente ao ser. A crise financeira internacional representa apenas a fractura exposta mais evidente, mas é possível identificar inúmeros sistemas de preservação da vida comprometidos, crescentes ineficiências e limitados horizontes de sobrevivência. Nessas condições, os esforços no sentido de reforçar os valores da maçonaria e fornecer ao homem um paradigma 3 – Maçonaria, Ontologia e Conhecimento José Garibaldi
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 9/22 efectivamente dotado de universalidade, além de uma base segura para o desenvolvimento dos demais ramos do saber, constituem nobres esforços intelectuais, que visam ao bem-estar da humanidade. Como foi visto, a reposição de um paradigma centrado no ser tem como consequência evidente impor correções profundas ao modelo civilizacional vigente. As diferenças de método e de estratégia implicam, porém, resultados e potencialidades significativamente distintos. A maçonaria, ao trabalhar com símbolos e alegorias, convive melhor do que o mundo profano com o conceito de ser absoluto. Por outro lado, o símbolo, ao indicar a possibilidade de muitas versões sobre ele, cada uma delas válida no seu grau de precisão, habilita melhor o homem a conviver com a diversidade de opiniões e vincula essa diversidade, não a uma avaliação simplista tipo certo-errado, mas a graus distintos de discernimento dos interlocutores. Pela mesma razão, a maçonaria convive melhor com o caráter intangível de tudo aquilo que se situa para além do actual campo humano de percepção, e admite, com mais naturalidade, o facto de o mundo e a existência comportarem, em proporções diversas, manifestações cuja utilidade não são imediatamente óbvias. O mundo profano, ao contrário, encontra dificuldade até para admitir a pluralidade lógica das suas próprias demonstrações, não porque lhes falte fundamento, mas porque ela insinua realidades situadas para além da matéria, e isso compromete a demarcação científica vigente alicerçada na imanência. Compreende-se a dificuldade, se considerarmos o ajustamento que é exigido das ciências para incluir nos seus objectos de investigação aspectos não materiais. Em contrapartida, as organizações ligadas à investigação científica operam com muito mais rigor lógico e metodológico, ao passo que a Maçonaria, em função das características dos seus símbolos, operam sobre uma racionalidade impregnada de emoções e sentimentos que, por vezes, ofuscam a lógica e lhe conferem certa coloração mística. É nesse sentido que se situa a diferença mais relevante entre as duas abordagens. A maçonaria, ao compreender que o ser relativo tem origem no ser absoluto, a quem designa de Grande Arquiteto do Universo, faz a distinção entre ser humano e personalidade humana. Entende que a personalidade humana representa a consciência forjada na experiência de vida cumprida no âmbito do tempo e do espaço e que, em consequência, espelha valores e crenças determinadas pelas circunstâncias particulares que circunscrevem essa experiência no tempo e no espaço. Entende, porém, que lá no centro dessa consciência existe um discernimento efectivamente universal, habilitando-o a contemplar as leis do universo. Uma metáfora bastante usada na maçonaria é a da pedra a ser trabalhada pelo obreiro. Essa metáfora serve para indicar que, quando o obreiro entra na Ordem, é uma pedra bruta irregular, recém-saída da pedreira. O trabalho do aprendiz realiza-se na pedra bruta procurando incessantemente transformá-la em pedra polida de formato retangular que possa ser usada de forma útil na construção do edifício social. Embora essa pedra polida seja o produto natural da Loja Maçónica, não representa o limite evolutivo. Essa pedra pode, ainda, em certas circunstâncias, sofrer metamorfoses e transformar-se em cristal. Assim, o ápice do percurso maçónico dá-se quando esse ser consegue recordar-se de si e da estrutura ontológica que molda a existência do universo e a personalidade humana, compreendendo o seu papel de exercitar e habilitar a mente para operar de modo competente, permitindo desse modo que o ser assuma o comando da sua consciência. Entenda-se, portanto, que o mundo profano, em face das suas exigências, tem como alvo e horizonte esclarecer o ser e torná-lo apto a lançar um olhar competente sobre o mundo, enquanto a maçonaria revela-se um pouco mais ambiciosa: quer tornar o ser humano uma realidade concreta, quer realizá-lo na prática, quer viabilizá-lo como uma entidade dotada de razão.
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 10/22 Irmão Cícero de Sá (33º. REAA) MI da Loja Estrela da Distinção Maçônica Brasil nr. 953 (GOB/GOERJ) Academia de Artes, Ciências e Letras do Estado do Rio de Janeiro Cadeira nr. 29 - Patrono: Quintino Bocaiuva – OS EFEITOS BENÉFICOS DA PRÁTICA DO TRABALHO O Trabalho é a atividade consciente e social do homem, visando transformar o meio em que vive segundo suas próprias necessidades. É sabido que o homem, à diferença de outros animais, não apenas procura adaptar-se ao meio cultural, tenta também fazer a sua transformação, a fim de melhorar cada vez mais suas condições de existência. A sua própria condição orgânica impõe-lhe a atividade do trabalho, o que não acontece com outros animais, tendo em vista que o trabalho humano é criador. O homem cria, desenvolve, e enriquece novos meios de trabalho, na tentativa incessante de progredir. Esse progresso, porém, é lento. Nos primeiros séculos da existência humana foi quase imperceptível. O movimento do progresso humano é, contudo, um movimento acelerado e arrítmico desde que foram dominadas pelo homem técnicas mais avançadas, tornando-se quase vertiginosas. Entretanto, é necessário ressaltar que o trabalho, juntamente com a linguagem e a organização social são características essenciais do homem, sem as quais não poderia existir como tal, e, portanto, interdependentes, não se podendo dizer que tenham dado origem umas às outras. Um dos grandes EFEITOS BENÉFICOS DA PRÁTICA DO TRABALHO é que o homem, através do trabalho, satisfaz as suas necessidades básicas, ou seja, comer, beber, proteger-se contra as intempéries, garantir a reprodução e preservação da espécie etc.. Por outro lado, costuma-se dizer que “O trabalho dignifica e enobrece o homem”. Se analisarmos esta assertiva, veremos que em realidade, o conceito jurídico sobre o trabalho emitido por JOHANNES HESSEN (Filósofo e católico alemão, que nasceu em 1889 e faleceu em 1971), estabelece que o trabalho é a “obra moral de um indivíduo moral”, em consequência, sendo o indivíduo um trabalhador, estará edificando uma obra moral, segundo este conceito, dignificando-se e enobrecendo-se. Ainda como efeitos benéficos do trabalho podemos citar que através da sua evolução, desde as sociedades mais primitivas, o homem empregava todo o seu tempo de trabalho na obtenção de alimentação e na luta pela sobrevivência imediata. Em tal estado de primitivismo, o homem não se fixava em lugar nenhum, procurando sempre sítios onde pudesse fazer colheita de frutos silvestres, captura de pequenos animais inofensivos, ou formas ainda um tanto elementares de caça e pesca; após esgotá-los, saíam à procura de outros sítios. 4 – Os Efeitos Benéficos da Prática do Trabalho Cícero de Sá
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 11/22 Todavia, o aparecimento dos instrumentos de caça e pesca significou um grande avanço, pois tornou mais fácil a obtenção de alimentos, além de trazer a possibilidade de poupá-los para os períodos de escassez. A maior amplitude do sistema social de trabalho trouxe como consequência uma complexa atividade social do trabalho. A primeira divisão do trabalho foi entre os sexos. À medida que progridem o trabalho e as suas técnicas, faz-se mais complexa essa divisão. E nesta complexidade, observamos as diversas divisões do trabalho, oriundas da própria origem do direito do trabalho, que foi ligada a um fato (revolução industrial do Século XVIII) com a utilização da máquina, no aparecimento da fábrica e de uma concepção jurídica dominante (individualismo liberal, fundado na soberania do contrato ou autonomia do arbítrio individual). Dentre as inúmeras divisões do trabalho, podemos destacar: o trabalho Útil, Administrativo, Diurno e Noturno, Assalariado, Braçal, Técnico ou Científico, Comercial, Burocrático e até mesmo do condenado (interno e externo) em obras ou serviços públicos ou particulares etc.. Não foi por acaso que citamos inicialmente o trabalho Útil, isto ocorreu por entendermos que não poderá haver efeito benéfico na prática do trabalho sem que haja utilidade. Isto posto, podemos concluir mencionando o trabalho maçônico como aquele que possui um imensurável potencial de utilidade humanitária, tendo em vista que o maçom, quando da sua Iniciação, somente será vinculado à Ordem Maçônica, após passar a gozar dos direitos e regalias que a Maçonaria propicia aos seus Iniciados, quando estes tiverem assumido os seus deveres e as responsabilidades dos ônus por eles assumidos, ou seja: Procurar ser entendido e entender; aprender e ensinar; falar e ouvir; ajudar e deixar ser ajudado; ser tolerante e pedir tolerância; comungar com aqueles que chama de irmão, e ser verdadeiramente um Irmão. Um dos principais trabalhos do maçom é não se descuidar um só instante de cultivar a vinculação intelectual, moral e, principalmente, espiritual que tenha conseguido estabelecer com seus irmãos, por ser esta a maneira mais efetiva de contribuir para que se mantenha o ambiente fraternal imprescindível no trabalho maçônico, que atravessa todas as suas fases, desde as mais rudes (pedra bruta), até aquelas que carecem de estrita vigilância, em que será necessário exercer grande domínio sobre as próprias ações, isto é, terá de trabalhar vigiando os seus próprios atos, para que não se desvie pelo suave declive da inconsciência – e vá se encontrar na rotineira prática de permitir que os atos e os pensamentos evoluam na superfície da própria personalidade. Por derradeiro, podemos afirmar que todo o esforço no sentido de conscientizar os Iniciados à Ordem Maçônica, a estabelecer a fraternidade entre os Irmãos, constitui TRABALHO MAÇÔNICO, sendo este para nós, um dos GRANDES EFEITOS BENÉFICOS DO TRABALHO.
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 12/22 IrVítor Andrade - Profº de História Loja Universitária Verdade e Evolução 3492 GOB-GODF – RITO MODERNO (JB News nr. 497 de 07.01.2012) Saí da Maçonaria por que era curioso em saber o que se passava lá dentro, quando eu estava fora, e depois de iniciado vi que não tinha graça nenhuma, Saí da Maçonaria por que muitas vezes via os Irmãos com mais tempo de Ordem do que eu se auto vangloriar por que tinham mais tempo de casa, Saí da Maçonaria por que me Irritava ver Irmãos chegando atrasado na Sessão, Saí da Maçonaria por que via Irmãos disputando qual rito era mais bonito e importante, Saí da Maçonaria por que via Irmãos reparando nos outros, que vinham para Sessão com o terno amassado, sapato sujo ou de balandrau, Saí da Maçonaria por que os Irmãos Faltam de mais as Sessões, Saí da Maçonaria por que via os Irmãos muito mais preocupados com o segundo tempo do que com a Sessão, Saí da Maçonaria por que ela vive de passado, e não de presente e futuro, Saí da Maçonaria por que a culpa de todas as falhas é do Grão Mestre, e do Venerável Mestre, Saí da Maçonaria por que via muitas fofocas entre os Irmãos, Saí da Maçonaria por que Irmãos vão a Sessão satisfazerem suas vontades, e nunca se oferecem a ajudar ninguém, 5 – Por que saí da Maçonaria? Vitor Andrade
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 13/22 Pensando Bem: Não vou sair da Maçonaria, por que a Ordem é iniciática e os passos seguintes devem ser dados por mim, e para ela não ficar sem graça eu também devo ser motivo de inspiração para meus Irmãos, Não vou sair da Maçonaria por que eu também fui incrédulo quando me vangloriei por ter mais tempo que alguém na Ordem, e devo parar de ser orgulhoso, Não vou sair da Maçonaria por que quando chego atrasado a Sessão quero que todos entendam o meu motivo, e por ignorante que sou, não sou capaz de entender o motivo do outro, Não vou sair da Maçonaria por que percebi que ela é muito mais importante que seus ritos, e não existem ritos melhores ou piores, Não vou sair da Maçonaria por que devo parar de reparar nos Irmãos que chegam de terno amassado, e devo ficar feliz por que mesmo de balandrau meu Irmão veio a Sessão, Não vou sair da Maçonaria por que eu também falto as Sessões e muitos Irmãos me Ligam perguntando por que eu faltei, e eu alguma vez já fiz isso? Não vou sair da Maçonaria por que tenho que parar de criticar meus Irmãos que estão ali mais preocupados como segundo tempo, pois eu também participo e devo recusar os convites já que acho que tão errado nos outros, e mesmo que eu não vá, jamais criticá-los, Não vou sair da Maçonaria por que eu também sou responsável pelo presente, objetivando o futuro e devo fazer a diferença onde estou, Não vou sair da Maçonaria por que não estou ali por causa de seus dirigentes, e se os mesmos falham devo ajudá-los com sugestões e apontamentos de saída dos problemas e não apenas criticá-los, Não vou sair da Maçonaria por que não devo fazer fofocas de Irmãos, ou não participar de fofocas, Não vou sair da Maçonaria por que devo ajudar meus Irmãos e estar sempre a disposição e a serviço do outro, e não apenas esperar que os outros façam por mim;
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 14/22 Pensando bem eu acreditava que o problema estava nos outros, mas eu cometia todos os vícios que pensava não tê-los, e por isso não vou sair da Maçonaria, por que eu devo sentir em mim ser objetivo de mudança, nunca desistir, quantas vezes queremos tirar os ciscos dos olhos dos outros e não vemos a trave nos nossos olhos. Os problemas muitas vezes estão na gente e não nos outros, às vezes a mudança parte de nós, e a culpa estava em mim e não nos outros. Por isso não vou sair da Maçonaria, vou trabalhar a pedra bruta que atrapalha meu coração de ser paciente, tolerante, prestativo e compreensivo com meus Irmãos, para servir a sociedade de Maneira Justa e Perfeita, para que ela seja também um reflexo meu, e se ela precisar de mudanças é sinal que eu também preciso de mudanças, e Já que o Grande Arquiteto Do Universo é Deus, devo acreditar mais nele, para que sejamos cada vez melhores e mais fraternos. Um Tríplice e Fraternal Abraço. De Irmão para Irmão As publicidades aqui veiculadas são cortesia do JB News, como apoio aos irmãos em suas atividades profissionais. Valorize-os, preferindo o que está sendo anunciado.
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 15/22 Este Bloco é produzido pelo Irmão Pedro Juk, às segundas, quartas e sextas-feiras Abstenção no escrutínio Em 02.08.2016 o Respeitável Irmão Amir Heinrichs, Loja Aliança do Ocidente, 3.684, sem mencionar o nome do Rito, GOB-PR, Oriente de Santa Helena, Estado do Paraná, formula a seguinte questão: assistel@yahoo.com.br Em qual momento o Irmão pode abster-se de uma votação. Pois, o que ocorreu na nossa Loja em sessão Econômica de Aprendiz Maçom em função da votação para a entrega de proposta de admissão a um profano um Irmão quis abster-se de votar, porém no Procedimento Ritualístico do 1º Grau na página 35 onde trata do escrutínio, diz que nenhum Irmão pode abster-se de votar. Porém o Irmão disse que iria pedia ao Venerável Mestre para cobrir o templo e ficar na sala dos Passos Perdidos até passar a votação em pauta. Está certo isso? Qual seria a melhor forma de fazer a votação para a entrega da proposta de admissão a um profano sem que o proponente, fique chateado em caso de negação do profano. Pois quando o Venerável recebe a previa e a lê na próxima sessão, onde por 30 dias fica afixado no mural da Loja vem a votação para a entrega da proposta e aí que surge o problema. Gostaria que dentro do seu tempo nos auxilia-se. Não esqueça: envie sua pergunta identificada pelo nome completo, Loja, Oriente, Rito e Potência. 6 – Perguntas & Respostas Pedro Juk
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 16/22 Considerações: - Há que se prestar atenção no seguinte. Ninguém pode se abster por ocasião do Escrutínio Secreto e não na votação que trata de entrega de proposta. Para a entrega da proposta, primeiro depende de decisão da Loja por sufrágio. Assim o conteúdo da prévia, após ter sido dado para o conhecimento à Loja, ocupa ainda tempo regimental. Após a sua fixação em edital para a ciência de todos pelo tempo previsto na Lei, a Loja fará a votação para a entrega ou não da proposta ao Candidato. Ora, qualquer discussão a respeito do candidato acontecerá antes da votação e com o parecer e acompanhamento do Orador sob o ponto de vista legal. Realizada a votação, simplesmente se obedece ao resultado auferido pelos votos. Lembro que o nome do padrinho (do apresentante) é omitido pelo Venerável desde a leitura da prévia, inclusive ele não aparece mesmo quando fixado em edital para conhecimento. Assim prevê o Art. 4º do Regulamento Geral da Federação como segue: Art. 4º. A entrega da proposta de admissão aos interessados dependerá de deliberação prévia de uma Loja da Federação, observando-se os seguintes procedimentos: I – o maçom interessado em apresentar um candidato deverá preencher o formulário de prévia e entregá-lo ao Venerável Mestre, que manterá em sigilo o nome do proponente (o grifo é meu). O formulário deverá conter os dados básicos para a identificação do candidato (nome, endereço, profissão, local de trabalho) e será lido na sessão ordinária subsequente do grau de aprendiz; II – lida em Loja, o Venerável Mestre fará fixar uma via do formulário de prévia no local apropriado, omitindo o nome do proponente (o grifo é meu); III – no prazo máximo de trinta dias da apresentação do candidato o Venerável Mestre fará a leitura do formulário e do expediente a ele relativo. Colocará a matéria em discussão e votação, na Ordem do Dia, pela entrega ou não da proposta; IV – negada a entrega da proposta ao candidato o pedido será arquivado. Ao que parece o procedimento é claro. No que diz respeito, a abstenção não é permitida somente quando da realização do Escrutínio Secreto, cujo procedimento dar-se-á apenas quando da leitura do questionário e das sindicâncias que foram realizadas. Obviamente que no Escrutínio não pode haver abstenção (até o Venerável participa) porque são distribuídas a cada Obreiro do Quadro duas esferas, uma branca e outra negra. Uma abstenção nesse caso identificaria o voto, lembrando que as esferas devem estar de acordo com o número de Irmãos do Quadro presentes (que assinaram o livro de presenças). Se porventura algum Obreiro desejar não votar, no caso do Escrutínio, ele então não deve comparecer à Sessão, porque quem estiver presente e for do Quadro, obrigatoriamente participa do escrutínio. Não há abstenção nesse caso. Já no início do processo, na oportunidade de se aprovar a entrega ou não do questionário, depois de decorrido o prazo regulamentar da prévia, se for desejo de algum Irmão, nessa oportunidade, ele pode perfeitamente se abster (fica à Ordem durante a manifestação pelo modo de costume). Espero que essa dúvida agora esteja esclarecida. Dando por concluídas essas considerações, é oportuno salientar que um maçom deve sempre acatar a decisão da Loja, esteja ele de acordo ou não. É de péssima geometria essa “estória” de Irmão ficar chateado. Ora, sentindo-se prejudicado, o Obreiro tem artifícios legais para reclamar da decisão. Num canteiro de obras maçônico não existe lugar para “melindrados”. T.F.A. PEDRO JUK – jukirm@hotmail.com - Ago/2016
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 17/22 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br GOSC https://www.gosc.org.br Data Nome Oriente 01/01/2003 Fraternidade Joinvillense Joinville 26/01/1983 Humânitas Joinville 31/01/1998 Loja Maçônica Especial União e Fraternidade do Mercosul Ir Hamilton Savi nr. 70 Florianópolis (trabalha no recesso maçônico) 11/02/1980 Toneza Cascaes Orleans 13/02/2011 Entalhadores de Maçaranduba Massaranduba 17/02/2000 Samuel Fonseca Florianópolis 21/02/1983 Lédio Martins São José 21/02/2006 Pedra Áurea do Vale Taió 22/02/1953 Justiça e Trabalho Blumenau Data Nome da Loja Oriente 11.01.1957 Pedro Cunha nr. 11 Araranguá 18.01.2006 Obreiros de Salomão nr. 39 Blumenau 15.02.2001 Pedreiros da Liberdade nr. 79 Florianópolis 21.02.1903 Fraternidade Lagunense nr. 10 Laguna 25.02.1997 Acácia Blumenauense nr. 67 Blumenau 25.02.2009 Caminho da Luz nr. 99 Brusque 7 – Destaques (Resenha Final) Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mêses de janeiro e fevereiro
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 18/22 GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Nome Oriente 07.01.77 Prof. Mâncio da Costa - 1977 Florianópolis 14.01.06 Osmar Romão da Silva - 3765 Florianópolis 25.01.95 Gideões da Paz - 2831 Itapema 06.02.06 Ordem e Progresso - 3797 Navegantes 11.02.98 Energia e Luz -3130 Tubarão 29.02.04 Luz das Águas - 3563 Corupá Vem aí o IX Chuletão Templário. O evento filantrópico Maçônico Loja “Templários da Nova Era”
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 19/22 LOJA MAÇÔNICA ESPECIAL União e Fraternidade do Mercosul Ir∴ Hamilton Savi nº 70 RITO ESCOCÊS ANTIGO E ACEITO – GOSC/COMAB FUNDADA EM 31/01/1998 À GDGADU Orde Florianópolis, aos 03 dias do mês de fevereiro do ano de 2016. E∴V∴ Ofic. 007/2017 A Todos os Homens Livres e de Bons Costumes Programação – Loja União e Fraternidade do Mercosul - Hamilton Savi nº 70 Mês de fevereiro de 2017 Dia 06/02/2017 – nesta segunda-feira: Palestra do eminente Ir∴ General de Brigada Sergio Luiz Tratz Comandante da 14ª Brigada de infantaria motorizada TEMA: UM MAÇOM NAS FORÇAS ARMADAS Informamos que as sessões se realizam no Templo da Loja Ordem e Trabalho nº 3. Situado próximo à UFSC – AV. DESEMBARGADOR VITOR LIMA. 550, Serrinha Florianópolis SC, com inicio às 20:00hs – Traje Maçonico, sendo aceito Balandrau. Ir.: EMÍLIO CÉSAR ESPÍNDOLA V.: M.: (048)32445761 - (048)99824363 emilioespindola@yahoo.com.br
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 20/22 Ir Marcelo Angelo de Macedo, 33∴ MI da Loja Razão e Lealdade nº 21 Or de Cuiabá/MT, GOEMT-COMAB-CMI Tel: (65) 3052-6721 divulga diariamente no JB News o Breviário Maçônico, Obra de autoria do saudoso IrRIZZARDO DA CAMINO, cuja referência bibliográfica é: Camino, Rizzardo da, 1918-2007 - Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014 - ISBN 978-85.370.0292-6) 6 de fevereiro Assistência A decantada "mútua assistência" entre os maçons têm sido criticada porque lhe são dados limites. O maçom necessitado deve ser socorrido pelos seus Irmãos, desde, porém, que os motivos sejam justos e honestos. Não concordamos com essa limitação, pois onde encontramos Irmãos, senão uma família? Os filhos de um casal, Irmãos entre si, provêm dos mesmos gens e do mesmo sangue; se um deles cai em desgraça, seja por que motivo for, os seus Irmãos só o assistirão se os motivos dessa desgraça tiverem sido honestos ou justos? Um irmão tem o dever recíproco de dar assistência ao outro, sem qualquer preocupação e limite dos motivos que o levaram a necessitar dessa assistência. Uma vez assistido, retornando à normalidade, então a Fraternidade poderá analisar o comportamento de quem cometeu desvios para, evidentemente, reconduzi-lo ao bom caminho, fazendo com que se arrependa e, sobretudo, ressarça as possíveis vítimas dos prejuízos que lhe causou. Caso contrário, como se poderia conceber o "amor fraternal"? Esse amor deve ser fortalecido e jamais enfraquecido. A família maçônica deve estar unida sempre. A falha humana é comum; no entanto, quem errou merece oportunidades extremas. Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014, p. 56.
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 21/22 O Irmão Adilson Zotovici, Loja Chequer Nassif-169 de São Bernardo do Campo – GLESP escreve aos sábados e em dias alternados da semana adilsonzotovici@gmail.com NÃO APEDREJES Não apedrejes teu semelhante ! Inda que insólito desejo Pois teu coração benfazejo Da paz e do amor é amante ! Se sentires algum lampejo De revolta, de repugnância, Busca teu senso de tolerância Que se luz verdadeira é sobejo ! Dos bons princípios...constância ! Mesmo em momento abjeto Ou num instante de ira repleto Vez que constante a vigilância ! E se atingires o desafeto Agredirás não só ele afinal Pois em ti e nele é perenal... Morada do “Grande Arquiteto” !
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.321– Florianópolis (SC), segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 - Pág. 22/22

×