SlideShare uma empresa Scribd logo
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ
CAMPUS SANTARÉM
CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA
DISCIPLINA
Biologia
Febre aftosa e vírus da tristeza
Professor: Ellen Pinon
Alunos: Jardson Rocha
Jafson Lima
Kesia Caroline
Isbelle Belo
Orlando Cydhallio
Santarém – PA
2017
1
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
2
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Introdução
 A febre aftosa é uma doença viral,
infectocontagiosa, que atinge
principalmente animais biungulados.
 Pode manifestar-se em qualquer idade
do animal.
3
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Introdução
 A sua ocorrência em humanos é extremamente
rara, pois o vírus causador da doença é
destruído no estômago, quando carne infectada
é ingerida.
4
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
História
 O vírus foi descoberto no século XVI, na Itália, e mais
tarde foi observada em vários países da Espanha, Ásia,
África e América.
 Hoje é considerada uma doença endêmica em vários
países.
5
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Etiologia
 Família: Picornaviridae;
 Gênero: Aphtovirus;
 25 – 30 nm
 Não envelopado
 Capsídeo de simetria icosaédrica
6
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Etiologia
 Fita de RNA simples.
 A doença é causada por pelo menos 7
subtipos de vírus: A, O, C, SAT-1, SAT-2,
SAT-3 e Asia-1;
7
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Infecção
1. O vírus se liga a um receptor presente naturalmente na membrana de
uma célula de um hospedeiro suscetível;
2. Ocorre um invaginamento nessa região e ele é colocado dentro da
célula.
3. Sua estrutura proteica desaparece liberando o material genético no
citoplasma celular.
4. Os genes do vírus tomam conta da maquinaria metabólica de produção
de proteínas da célula e passam a sintetizar as proteínas e os genes.
8
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Infecção
5. Os genes também codificam a montagem de enormes quantidades de novos
vírus e a célula eventualmente morre e se rompe. Isto libera novos vírus
que infectam novas células e reiniciam o ciclo.
6. O animal hospedeiro passa a apresentar sinais clínicos da doença e a
disseminar novos vírus também para o ambiente.
9
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Sintomas
 Os primeiros sintomas envolvem febre,
diminuição do apetite e miocardite.
 O vírus provoca lesões na boca, língua, estômago,
intestino, narinas, na pele, no úbere, e ao redor de
casco.
 No início surgem vesículas que
se rompem, formando aftas.
10
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Sintomas
 Com isso o animal saliva
excessivamente e não
consegue se alimentar e
se locomover, ficando
fraco.
 O crescimento, engorda e produção de
leite são prejudicados.
11
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Sintomas
 A mortalidade é mais elevada em animais
mais jovens.
 Os animais curados podem contaminar
animais sadios, pois se tornam portadores.
 A intensidade da doença é muito
variável.
12
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Transmissão
 Os vírus são transmitidos através dos
líquidos contidos nas vesículas e
sangue.
 Pode ser transmitida através de
alimentos, água e ar.
13
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Transmissão
 Os vírus resistem no ambiente por vários
meses.
 A salivação também libera vírus.
 Pessoas que tiveram contato com animais
doentes podem transportar partículas virais.
14
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Prejuízos
 Pode levar os animais à morte;
 A produção é recusada pelos países
importadores, causando sérios prejuízos
financeiros ao país;
 Causa perdas na eficiência reprodutiva.
15
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Tratamento
 É feito através de soros, medicação nos
ferimentos, higiene e desinfecção do local;
 O vírus é resistente aos desinfetantes
comuns;
 Principal agente desinfetante é o
IODOPHOR;
16
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
17
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Vacinação
 No Brasil a vacina deve ser
aplicada a cada 6 meses, a
partir do 3º mês de vida.
 Temperatura de conservação
da vacina: Entre 2°C e 8°C
18
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Prevenção
 A prevenção é feita por vacina.
 Caso seja encontrado algum animal infectado,
ele deve ser sacrificado e seu cadáver deve ser
destruído.
 O trânsito de animais e pessoas deve ser
impedido e as autoridades competentes devem
ser informadas.
19
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Vírus da tristeza
( Citrus tristeza virus-CTV )
20
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Introdução
 A tristeza dos citros é uma doença que ataca
os citros em geral;
 É causada pelo vírus, Citrus tristeza virus-
CTV;
 É considerada a virose de maior importância
econômica no mundo para a citricultura. Figura 1.2.1 - Partícula
viral de CTV vista ao microscópio
eletrónico. (Fonte: Niblett et al., 2000) 21
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Histórico
 Origem: África do Sul.
 No Brasil o foco inicial aconteceu na região
citrícola de Taubaté no vale do Paraíba, em
1937.
22
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Agente Causal e Vetores:
 (CTV - Citrus Tristeza Vírus) tratar-se de um vírus filamentoso,
pertencente ao grupo dos Closterovírus,;
23
 Medi cerca de 2.000 milimicras
de comprimento e 12 milimicras
de diâmetro
Figura 1- Eletromicrografia de duas partículas filamentosas
(2000x12 nm) obtidas de folhas de citros infectadas com Citrus
tristeza virus
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Agente Causal e Vetores:
 É provavelmente, o mais longo dos
vírus conhecidos.
 Ele é transmitido por afídeos ou
pulgões de uma forma
semipersistente.
Figura 1.4.1 – Afídeos de Toxoptera citricida
capturados por Nolasco et al. (2008) e
visualizados à lupa com uma ampliação de
500x.
24
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Proliferação:
 A tristeza é um vírus de temperaturas amenas, entre
23 e 32 graus Celsius.
25
 Em condições de temperatura elevada,
plantas mantidas a 40 graus perderam o
vírus da tristeza por inativação do
patógeno ou seja por termoterapia.
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Sintomatologia
 A tristeza na sua forma tradicional é uma doença que
causa a morte de laranjeiras doces enxertadas em
laranjeira azeda.
1. As plantas apresentam clorose das
nervuras das folhas, consequentemente
amarelecem e caem;
2. A nova brotação é de folhas pequenas e
cloróticas;
26
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Sintomatologia
3. O secamento dos ponteiros e a morte da
planta;
4. Removendo-se o solo observa-se a morte
de radicelas;
5. Bloqueio dos vasos condutores de seiva
no ponto de união das combinações
intolerantes;
27
Instituto Federal de Educação,
ciências e Tecnologia do Pará
Campus Santarém
Controle:
 Não há medidas de prevenção para o vírus da tristeza dos citros
podemos encontra algumas formas de controle:
 Utilizar mudas resistentes
 Eliminação de insetos vetores
 Inoculação cruzada com isolado fraco do vírus
 Plantas com sintomas: cortar e queimar
28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevençãoMastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Leonardo Gravina
 
Raiva e EEB
Raiva e EEBRaiva e EEB
Raiva e EEB
Maira Veruska
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
Marília Gomes
 
Desafios sanitários de suínos e aves no Brasil
Desafios sanitários de suínos e aves no BrasilDesafios sanitários de suínos e aves no Brasil
Desafios sanitários de suínos e aves no Brasil
Marília Gomes
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Leonora Mello
 
Mastite
MastiteMastite
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
Marília Gomes
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
Daniel Jovana Joaquim
 
Diarreia viral bovina
Diarreia viral bovinaDiarreia viral bovina
Diarreia viral bovina
Marília Gomes
 
Anatomia dos animais de produção ii
Anatomia dos animais de produção iiAnatomia dos animais de produção ii
Anatomia dos animais de produção ii
Francismara Carreira
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Ivaristo Americo
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Adimar Cardoso Junior
 
Manual de Zoonoses
Manual de ZoonosesManual de Zoonoses
Manual de Zoonoses
Sérgio Amaral
 
Eventos de massa | Maculosa
Eventos de massa | MaculosaEventos de massa | Maculosa
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Zoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas iZoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas i
Renata Fuverki
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Parasitologia - ACAROS
Parasitologia - ACAROSParasitologia - ACAROS
Parasitologia - ACAROS
Linique Logan
 
Mormo.
Mormo.Mormo.
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Marília Gomes
 

Mais procurados (20)

Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevençãoMastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
 
Raiva e EEB
Raiva e EEBRaiva e EEB
Raiva e EEB
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
 
Desafios sanitários de suínos e aves no Brasil
Desafios sanitários de suínos e aves no BrasilDesafios sanitários de suínos e aves no Brasil
Desafios sanitários de suínos e aves no Brasil
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
 
Diarreia viral bovina
Diarreia viral bovinaDiarreia viral bovina
Diarreia viral bovina
 
Anatomia dos animais de produção ii
Anatomia dos animais de produção iiAnatomia dos animais de produção ii
Anatomia dos animais de produção ii
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
 
Manual de Zoonoses
Manual de ZoonosesManual de Zoonoses
Manual de Zoonoses
 
Eventos de massa | Maculosa
Eventos de massa | MaculosaEventos de massa | Maculosa
Eventos de massa | Maculosa
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Zoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas iZoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas i
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Parasitologia - ACAROS
Parasitologia - ACAROSParasitologia - ACAROS
Parasitologia - ACAROS
 
Mormo.
Mormo.Mormo.
Mormo.
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
 

Semelhante a Febre aftosa slide de jardson rocha

Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
eld09
 
A malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. MenezesA malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. Menezes
somemarco
 
Sanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovinoSanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovino
adelmosantana
 
V rus 08_03_2010]
V rus 08_03_2010]V rus 08_03_2010]
V rus 08_03_2010]
guest900530
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
2° PD
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
2° PD
 
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptxPeste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptx
LarissiFial
 
Doenças tropicais
Doenças tropicaisDoenças tropicais
Doenças tropicais
URCA
 
RAIVA.pdf
RAIVA.pdfRAIVA.pdf
Especialidade Biossegurança-doenças.pptx
Especialidade Biossegurança-doenças.pptxEspecialidade Biossegurança-doenças.pptx
Especialidade Biossegurança-doenças.pptx
AlexandreJr7
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Febre Aftosa
Febre AftosaFebre Aftosa
Febre Aftosa
UFPEL
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
Arielle Freitas
 
Especialidade de animais nocivos
Especialidade de animais nocivosEspecialidade de animais nocivos
Especialidade de animais nocivos
Ed Wilson Santos
 
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
prevencaonline
 
O Mosquito da dengue
O Mosquito da dengueO Mosquito da dengue
O Mosquito da dengue
Eni Bertolini
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
IsadoraPereira32
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
IsadoraPereira32
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Centro de Estudos e Tecnologias Educacionais
 

Semelhante a Febre aftosa slide de jardson rocha (20)

Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 
A malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. MenezesA malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. Menezes
 
Sanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovinoSanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovino
 
V rus 08_03_2010]
V rus 08_03_2010]V rus 08_03_2010]
V rus 08_03_2010]
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptxPeste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptx
 
Doenças tropicais
Doenças tropicaisDoenças tropicais
Doenças tropicais
 
RAIVA.pdf
RAIVA.pdfRAIVA.pdf
RAIVA.pdf
 
Especialidade Biossegurança-doenças.pptx
Especialidade Biossegurança-doenças.pptxEspecialidade Biossegurança-doenças.pptx
Especialidade Biossegurança-doenças.pptx
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Febre Aftosa
Febre AftosaFebre Aftosa
Febre Aftosa
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
Especialidade de animais nocivos
Especialidade de animais nocivosEspecialidade de animais nocivos
Especialidade de animais nocivos
 
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
 
O Mosquito da dengue
O Mosquito da dengueO Mosquito da dengue
O Mosquito da dengue
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
 

Último

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 

Febre aftosa slide de jardson rocha

  • 1. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ CAMPUS SANTARÉM CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA DISCIPLINA Biologia Febre aftosa e vírus da tristeza Professor: Ellen Pinon Alunos: Jardson Rocha Jafson Lima Kesia Caroline Isbelle Belo Orlando Cydhallio Santarém – PA 2017 1
  • 2. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém 2
  • 3. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Introdução  A febre aftosa é uma doença viral, infectocontagiosa, que atinge principalmente animais biungulados.  Pode manifestar-se em qualquer idade do animal. 3
  • 4. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Introdução  A sua ocorrência em humanos é extremamente rara, pois o vírus causador da doença é destruído no estômago, quando carne infectada é ingerida. 4
  • 5. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém História  O vírus foi descoberto no século XVI, na Itália, e mais tarde foi observada em vários países da Espanha, Ásia, África e América.  Hoje é considerada uma doença endêmica em vários países. 5
  • 6. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Etiologia  Família: Picornaviridae;  Gênero: Aphtovirus;  25 – 30 nm  Não envelopado  Capsídeo de simetria icosaédrica 6
  • 7. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Etiologia  Fita de RNA simples.  A doença é causada por pelo menos 7 subtipos de vírus: A, O, C, SAT-1, SAT-2, SAT-3 e Asia-1; 7
  • 8. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Infecção 1. O vírus se liga a um receptor presente naturalmente na membrana de uma célula de um hospedeiro suscetível; 2. Ocorre um invaginamento nessa região e ele é colocado dentro da célula. 3. Sua estrutura proteica desaparece liberando o material genético no citoplasma celular. 4. Os genes do vírus tomam conta da maquinaria metabólica de produção de proteínas da célula e passam a sintetizar as proteínas e os genes. 8
  • 9. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Infecção 5. Os genes também codificam a montagem de enormes quantidades de novos vírus e a célula eventualmente morre e se rompe. Isto libera novos vírus que infectam novas células e reiniciam o ciclo. 6. O animal hospedeiro passa a apresentar sinais clínicos da doença e a disseminar novos vírus também para o ambiente. 9
  • 10. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Sintomas  Os primeiros sintomas envolvem febre, diminuição do apetite e miocardite.  O vírus provoca lesões na boca, língua, estômago, intestino, narinas, na pele, no úbere, e ao redor de casco.  No início surgem vesículas que se rompem, formando aftas. 10
  • 11. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Sintomas  Com isso o animal saliva excessivamente e não consegue se alimentar e se locomover, ficando fraco.  O crescimento, engorda e produção de leite são prejudicados. 11
  • 12. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Sintomas  A mortalidade é mais elevada em animais mais jovens.  Os animais curados podem contaminar animais sadios, pois se tornam portadores.  A intensidade da doença é muito variável. 12
  • 13. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Transmissão  Os vírus são transmitidos através dos líquidos contidos nas vesículas e sangue.  Pode ser transmitida através de alimentos, água e ar. 13
  • 14. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Transmissão  Os vírus resistem no ambiente por vários meses.  A salivação também libera vírus.  Pessoas que tiveram contato com animais doentes podem transportar partículas virais. 14
  • 15. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Prejuízos  Pode levar os animais à morte;  A produção é recusada pelos países importadores, causando sérios prejuízos financeiros ao país;  Causa perdas na eficiência reprodutiva. 15
  • 16. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Tratamento  É feito através de soros, medicação nos ferimentos, higiene e desinfecção do local;  O vírus é resistente aos desinfetantes comuns;  Principal agente desinfetante é o IODOPHOR; 16
  • 17. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém 17
  • 18. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Vacinação  No Brasil a vacina deve ser aplicada a cada 6 meses, a partir do 3º mês de vida.  Temperatura de conservação da vacina: Entre 2°C e 8°C 18
  • 19. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Prevenção  A prevenção é feita por vacina.  Caso seja encontrado algum animal infectado, ele deve ser sacrificado e seu cadáver deve ser destruído.  O trânsito de animais e pessoas deve ser impedido e as autoridades competentes devem ser informadas. 19
  • 20. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Vírus da tristeza ( Citrus tristeza virus-CTV ) 20
  • 21. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Introdução  A tristeza dos citros é uma doença que ataca os citros em geral;  É causada pelo vírus, Citrus tristeza virus- CTV;  É considerada a virose de maior importância econômica no mundo para a citricultura. Figura 1.2.1 - Partícula viral de CTV vista ao microscópio eletrónico. (Fonte: Niblett et al., 2000) 21
  • 22. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Histórico  Origem: África do Sul.  No Brasil o foco inicial aconteceu na região citrícola de Taubaté no vale do Paraíba, em 1937. 22
  • 23. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Agente Causal e Vetores:  (CTV - Citrus Tristeza Vírus) tratar-se de um vírus filamentoso, pertencente ao grupo dos Closterovírus,; 23  Medi cerca de 2.000 milimicras de comprimento e 12 milimicras de diâmetro Figura 1- Eletromicrografia de duas partículas filamentosas (2000x12 nm) obtidas de folhas de citros infectadas com Citrus tristeza virus
  • 24. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Agente Causal e Vetores:  É provavelmente, o mais longo dos vírus conhecidos.  Ele é transmitido por afídeos ou pulgões de uma forma semipersistente. Figura 1.4.1 – Afídeos de Toxoptera citricida capturados por Nolasco et al. (2008) e visualizados à lupa com uma ampliação de 500x. 24
  • 25. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Proliferação:  A tristeza é um vírus de temperaturas amenas, entre 23 e 32 graus Celsius. 25  Em condições de temperatura elevada, plantas mantidas a 40 graus perderam o vírus da tristeza por inativação do patógeno ou seja por termoterapia.
  • 26. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Sintomatologia  A tristeza na sua forma tradicional é uma doença que causa a morte de laranjeiras doces enxertadas em laranjeira azeda. 1. As plantas apresentam clorose das nervuras das folhas, consequentemente amarelecem e caem; 2. A nova brotação é de folhas pequenas e cloróticas; 26
  • 27. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Sintomatologia 3. O secamento dos ponteiros e a morte da planta; 4. Removendo-se o solo observa-se a morte de radicelas; 5. Bloqueio dos vasos condutores de seiva no ponto de união das combinações intolerantes; 27
  • 28. Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia do Pará Campus Santarém Controle:  Não há medidas de prevenção para o vírus da tristeza dos citros podemos encontra algumas formas de controle:  Utilizar mudas resistentes  Eliminação de insetos vetores  Inoculação cruzada com isolado fraco do vírus  Plantas com sintomas: cortar e queimar 28