SlideShare uma empresa Scribd logo
ASSISTÊNCIA DE
ENFERMEGEM EM SAÚDE
DA MULHER
Professora: Enfermeira Terezinha Ribeiro
SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE
Portaria nº 1.459, de 24.06.2011
Institui, no âmbito do SUS, a Rede Cegonha
Rede Cegonha
REDE CEGONHA
A Rede Cegonha, instituída no âmbito do Sistema Único
de Saúde, consiste numa rede de cuidados que visa
assegurar à mulher o direito ao planejamento
reprodutivo e à atenção humanizada à gravidez, ao
parto e ao puerpério, bem como à criança o direito ao
nascimento seguro e ao crescimento e ao
desenvolvimento saudáveis, denominada Rede
Cegonha.
AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
Rede
Cegonha
Rede
de
Atenção
Psicossocial
Rede
de
Atenção
ás
Urgências
e
Emergências
Qualificação/Educação
Informação
Regulação
Promoção e Vigilância à
Saúde
Rede
de
Atenção
às
doenças
e
condições
crônicas
Rede
de
Cuidado
a
Pessoa
com
Deficiência
ATENÇÃO BÁSICA
REDE CEGONHA
• Em 2011 foi lançada no Brasil a Rede Cegonha, uma
estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa
implementar uma rede de cuidados para assegurar às
mulheres o direito ao planejamento reprodutivo e a
atenção humanizada à gravidez, ao parto e ao
puerpério e às crianças o direito ao nascimento
seguro e ao crescimento e ao desenvolvimento
saudáveis.
REDE CEGONHA
• Trata-se de um modelo que garante às mulheres e às
crianças uma assistência humanizada e de qualidade,
que lhes permite vivenciar a experiência da gravidez,
do parto e do nascimento com segurança, dignidade
e beleza.
• Não se pode esquecer jamais que dar à luz não é uma
doença ou um processo patológico, mas uma função
fisiológica e natural que constitui uma experiência
única para a mulher e o(a) parceiro(a) envolvido(a).
assistência de saúde da mulher AULA 02.pdf
“A organização da rede de atenção a
gestante, com acesso ao pré-natal de
qualidade, exames, atenção redobrada com
as gestantes de alto risco e parto
humanizado e seguro, levam a redução da
mortalidade materna e manutenção da sua
tendência de queda.”
REDE CEGONHA
• Instituída no âmbito do Sistema Único de Saúde,
consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à
mulher o direito ao planejamento reprodutivo e à
atenção humanizada à gravidez (através da
ampliação do acesso e da melhoria da qualidade do
pré-natal, da vinculação da gestante à unidade de
referência e ao transporte seguro), ao parto e ao
puerpério (por meio da implementação de boas
práticas na atenção ao parto e nascimento, incluindo
o direito ao acompanhante de livra escolha da
mulher no parto), bem como à criança o direito ao
nascimento seguro e ao crescimento e ao
desenvolvimento saudáveis (atenção à saúde das
crianças de 0 a 24 meses).
PARTO E NASCIMENTO SEGUROS
E HUMANIZADOS
Promoção da saúde infantil e materna
Prevenção da morbidade e mortalidade evitáveis
Normalidade do processo de parto e nascimento
Protagonismo e autonomia da mulher
Não causar dano
Responsabilidade ética
Cuidado centrado na mulher, bebê e na família
Parto como evento fisiológico e social
REDE CEGONHA
A Rede Cegonha tem como princípios:
I -o respeito, a proteção e a realização dos direitos
humanos;
II - o respeito à diversidade cultural, étnica e racial;
III - a promoção da equidade;
IV - o enfoque de gênero;
V - a garantia dos direitos sexuais e dos direitos
reprodutivos de mulheres, homens, jovens e
adolescentes;
VI - a participação e a mobilização social;
VII -a compatibilização com as atividades das redes de
atenção à saúde materna e infantil em desenvolvimento
nos Estados.
REDE CEGONHA
São objetivos da Rede Cegonha:
I - fomentar a implementação de novo modelo de
atenção à saúde da mulher e à saúde da criança com
foco na atenção ao parto, ao nascimento, ao
crescimento e ao desenvolvimento da criança de zero
aos vinte e quatro meses;
II - organizar a Rede de Atenção à Saúde Materna e
Infantil para que esta garanta acesso, acolhimento e
resolutividade;
III - reduzir a mortalidade materna e infantil com ênfase
no componente neonatal.
REDE CEGONHA
DIRETRIZES
 Garantia do acolhimento com avaliação e classificação
de risco e vulnerabilidade, ampliação do acesso e
melhoria da qualidade do PRÉ-NATAL
 Garantia de VINCULAÇÃO da gestante à unidade de
referência e ao transporte seguro
 Garantia das boas práticas na atenção ao parto e
nascimento
 Garantia da atenção à saúde das CRIANÇAS de 0 a 24
meses com qualidade e resolutividade
 Garantia de acesso às ações do
planejamento reprodutivo
Rede Cegonha- Portaria 1459 de 24 de junho de 2011
COMPONENTES
I.– Pré-Natal
II.– Parto e Nascimento
III.– Puerpério e Atenção Integral à Saúde da Criança
IV.– Sistema Logístico: Transporte Sanitário e Regulação
REDE CEGONHA
COMPONENTE PRÉ-NATAL: qualificação
 Avaliação da vulnerabilidade e risco
 Práticas educativas - 4 durante o pré-natal
 Novos exames pré-natal: teste rápido gravidez, de sífilis e
HIV, eletroforese Hb,
 Exames em tempo oportuno
 Capacitação das equipes: autonomia e
protagonismo da mulher
 Promoção da vinculação ao local do parto
 Sisprenatal Web
Ações Parâmetros – Pré Natal de Risco Habitual
Teste Rápido de Gravidez
• ABO1 exame / gestante
• Fator RH1 exame / gestante
• Teste Coombs indireto para RH negativo 1 exame para 30% do total gestantes
• EAS ( Exame de Rotina de Urina) 2 exames / gestante
• Glicemias 2 exames / gestante
• Dosagem de Proteinúria-fita reagente1 exame para 30% do total de gestantes
• VDRL 2 exames / gestante
• Hematócrito 2 exames / gestante
• Hemoglobina 2 exame / gestante
• Sorologia para toxoplasmose (IGM)1 exame / gestante
• HBsAg 1 exame / gestante
• Anti-HIV1 e anti-HIV2 2 exame / gestante
• Eletroforese de hemoglobina 1 exame / gestante
• Ultrassom obstétrico 1 exame/gestante
• Citopatológico cérvico-vaginal 1 exame / gestante
• Cultura de Bactérias para Identificação (urina)1 exame
Pré-Natal Alto Risco*15% das gestantes
Para as gestantes de alto risco:
Cons. Especializada 5 consultas/gestante
Teste de tolerância à glicose 1 teste/gestante
Ultrassom obstétrico 2 exames/gestante
ECG 1 exame para 30% do total de gestantes
US Obstétrico com Doppler 1 exame/gestante
Tococardiografia ante-parto 1 exame/gestante
Contagem de Plaquetas 1 exame para 30% do total de gestantes
Dosagem de Ureia, Creatinina e Ac. Úrico 1 exame/gestante
Consulta Psicossocial 1 exame/gestante
Dosagem de proteínas-urina 24h 1 exame/gestante
QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO AO PARTO
E NASCIMENTO
“GRAVIDEZ NÃO É DOENÇA”
mudança do modelo de atenção
Mudança nas estruturas e ambientes de atenção ao parto
Boas práticas de atenção e na gestão do cuidado:
prevenção de iatrogenias, morbi-mortalidade materna e
infantil
 Baixa vinculação do RN, no momento da
alta hospitalar, para a continuidade do
cuidado na
valorização do
crescimento e
acompanhamento
desenvolvimento
atenção primaria ; Baixa
do
das
crianças pelos serviços de saúde
PUERPÉRIO E ATENÇÃO À CRIANÇA ATÉ 2 ANOS
CUIDADO À CRIANÇA
 Promover aleitamento materno
 Garantir acompanhamento da criança na atenção básica
 Garantir atendimento especializado para casos de maior risco
 Busca ativa dos faltosos, sobretudo de maior risco
 Garantir acesso às vacinas disponíveis no SUS
O desempenho das crianças nestes dois primeiros anos (crescimento e
desenvolvimento) vai repercutir para o resto da vida do indivíduo, incluindo
aquisição cognitiva e capacidade de trabalho
É aquela que associa a experiência do
provedor de cuidados, com a biologia única
da paciente e a melhor prova científica
disponível que assegura que aquela prática
produz mais benefícios que danos ou é
melhor do que alguma outra prática
conhecida.
BOA PRÁTICA NA ASSISTÊNCIA À
SAÚDE:
1° PASSO: Iniciar o pré-natal na Atenção Primária à Saúde até a 12ª semana de gestação
(captação precoce)
2° PASSO: Garantir os recursos humanos, físicos, materiais e técnicos necessários à atenção pré-natal.
3° PASSO: Toda gestante deve ter assegurado a solicitação, realização e avaliação em tempo
oportuno do resultado dos exames preconizados no atendimento pré-natal.
4° PASSO: Promover a escuta ativa da gestante e de seus(suas) acompanhantes, considerando
aspectos intelectuais, emocionais, sociais e culturais e não somente um cuidado biológico: "rodas de
gestantes".
5° PASSO: Garantir o transporte público gratuito da gestante para o atendimento pré-natal, quando
necessário.
6° PASSO: É direito do(a) parceiro(a) ser cuidado (realização de consultas, exames e ter acesso a
informações) antes, durante e depois da gestação: "pré-natal do(a) parceiro(a)".
7° PASSO: Garantir o acesso à unidade de referência especializada, caso seja necessário.
8° PASSO: Estimular e informar sobre os benefícios do parto fisiológico, incluindo a elaboração
do "Plano de Parto".
9° PASSO: Toda gestante tem direito de conhecer e visitar previamente o serviço de saúde no
qual irá dar à luz (vinculação).
10° PASSO: As mulheres devem conhecer e exercer os direitos garantidos por lei no período
gravídico-puerperal.
10 Passos para o Pré-Natal de Qualidade na Atenção Básica
QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO AO PARTO E NASCIMENTO
2. Boas práticas de atenção e gestão
 Acolhimento com classificação de risco
 Direito a acompanhante durante a internação
 Apoio durante o parto
 Oferta de métodos de alívio da dor
 Liberdade de posição no parto, privacidade
 Restrição de episiotomia, amniotomia , ocitocina e outras
 Contato pele a pele mãe – bebê – proteção do período sensível
 Acolhimento adequado às especificidades étnico-culturais
 Equipes horizontais do cuidado
 Presença de enfermeiro obstetra/obstetriz na assistência ao parto
 Colegiados gestores materno-infantis
 Discussão e publicização dos resultados
assistência de saúde da mulher AULA 02.pdf
•Garantia de cobertura de leitos de Alto Risco,
Canguru, UTI Materna e UTI/UCI Neonatal –
cuidado integral ao RN de risco
QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO AO PARTO E NASCIMENTO
Nas Maternidades, implantar Centros de Parto Normal
Adequação da ambiência –Pré-
parto, Parto e Pós-parto (PPP)
CASAS DA GESTANTE, DO BEBÊ E PUERPERA- CGBP
Serão instaladas junto a todas as maternidades de alto risco
Abrigam:
Gestantes que precisam de vigilância constante em ambiente
não hospitalar e/ou não podem retornar ao domicílio
 Mães que têm bebês internados na UTI/UCI ou em tratamento
clínico que não exija internação hospitalar; puérperas em regime
 de observação
Recém-nascidos que
demandam atenção diária da
alta complexidade
Direito a acompanhante de sua escolha durante
o trabalho de parto, no parto e no pós parto,
Garantido pela Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005,
regulamentada pela Portaria MS/
GM nº 2.418, de 2 de dezembro de 2005
O Conselho Federal de Enfermagem (COFEN),
por meio do parecer normativo nº001 de 2013,
aprovou a competência do profissional
Enfermeiro para realizar testes rápidos para
diagnósticos de HIV, sífilis e outros agravos.
o Enfermeiro tem competência legal para a realização de testes
rápidos visando à detecção e diagnóstico de HIV, sífilis e outros
agravos, no âmbito da Atenção Básica à Saúde; e que, no âmbito
da equipe de Enfermagem, a realização desse procedimento lhe
compete, privativamente. A única ressalva é que este profissional
precisa estar devidamente capacitado para a realização do
procedimento, como reza a referida Portaria Ministerial.
Protocolo para Utilização do Levonorgestrel
na Anticoncepção Hormonal de Emergência.
Para dispensação do Levonorgestrel não será exigida receita médica,
podendo os (as) enfermeiros (as) disponibilizarem a contracepção de
emergência na ausência do médico e posterior encaminhamento da
usuária às ações de planejamento reprodutivo.
Disponível: www.saude.gov.br/redecegonha
QUESTÕES PARA FIXÇÃO
01. São princípios da Rede Cegonha, EXCETO:
A) Humanização do parto e do nascimento.
B) Realização de exames de USG com Doppler para pré-
natal de baixo risco.
C) Acolhimento da gestante e do bebê, com classificação
de risco.
D) Vinculação da gestante à maternidade.
E) Gestante não-peregrina.
QUESTÕES PARA FIXÇÃO
02. São componentes da Rede Cegonha, EXCETO:
A) Pré-natal.
B) Parto e nascimento.
C) Puerpério e atenção integral à saúde da criança.
D) Afecções ginecológicas.
E) Sistema logístico.
QUESTÕES PARA FIXÇÃO
03. Para ampliar a captação precoce das gestantes, o
Ministério da Saúde, por intermédio da Rede Cegonha,
incluiu o Teste Imunológico de Gravidez (TIG) nos
exames de rotina do pré-natal, o que acelera o processo
necessário para a confirmação da gravidez e o início do
pré-natal. O TIG pode ser realizado em toda mulher cujo
atraso menstrual é superior a:
A) 8 dias.
B) 15 dias.
C) 16 semanas
D) 20 semanas
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a assistência de saúde da mulher AULA 02.pdf

Parto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdfParto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdf
bianca375788
 
Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguro
Proqualis
 
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptxAULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à práticaSegurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
bibliotecasaude
 
Saude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalSaude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natal
Eliete Santos
 
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Tania Fonseca
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Waded Schabib Hany
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
ilanaseixasladeia
 
25gestacao alto risco
25gestacao alto risco25gestacao alto risco
25gestacao alto risco
Drmaxaurelio
 
Aborto
AbortoAborto
Manual de parto
Manual de partoManual de parto
Manual de parto
almeidasalvi
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperio
karol_ribeiro
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
Professor Robson
 
PREMATURIDADE - prevenção através da ações de assistência e gestão
PREMATURIDADE -  prevenção através da ações de assistência e gestãoPREMATURIDADE -  prevenção através da ações de assistência e gestão
PREMATURIDADE - prevenção através da ações de assistência e gestão
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Rede cegonha ipu
Rede cegonha  ipuRede cegonha  ipu
Rede cegonha ipu
afranio soares
 
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da MulherProjeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
José Luiz Montañola
 
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptxLocal de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
pamelacastro71
 
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-20123 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
Denise Andrade
 

Semelhante a assistência de saúde da mulher AULA 02.pdf (20)

Parto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdfParto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdf
 
Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguro
 
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptxAULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
 
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à práticaSegurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
 
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
 
Saude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalSaude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natal
 
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
 
25gestacao alto risco
25gestacao alto risco25gestacao alto risco
25gestacao alto risco
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Manual de parto
Manual de partoManual de parto
Manual de parto
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperio
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
 
PREMATURIDADE - prevenção através da ações de assistência e gestão
PREMATURIDADE -  prevenção através da ações de assistência e gestãoPREMATURIDADE -  prevenção através da ações de assistência e gestão
PREMATURIDADE - prevenção através da ações de assistência e gestão
 
Rede cegonha ipu
Rede cegonha  ipuRede cegonha  ipu
Rede cegonha ipu
 
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da MulherProjeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
Projeto Aliança Nucleo de Saúde da Mulher
 
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptxLocal de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
 
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-20123 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
 

Último

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 

Último (7)

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 

assistência de saúde da mulher AULA 02.pdf

  • 1. ASSISTÊNCIA DE ENFERMEGEM EM SAÚDE DA MULHER Professora: Enfermeira Terezinha Ribeiro
  • 3. Portaria nº 1.459, de 24.06.2011 Institui, no âmbito do SUS, a Rede Cegonha Rede Cegonha
  • 4. REDE CEGONHA A Rede Cegonha, instituída no âmbito do Sistema Único de Saúde, consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento reprodutivo e à atenção humanizada à gravidez, ao parto e ao puerpério, bem como à criança o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e ao desenvolvimento saudáveis, denominada Rede Cegonha.
  • 5. AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Rede Cegonha Rede de Atenção Psicossocial Rede de Atenção ás Urgências e Emergências Qualificação/Educação Informação Regulação Promoção e Vigilância à Saúde Rede de Atenção às doenças e condições crônicas Rede de Cuidado a Pessoa com Deficiência ATENÇÃO BÁSICA
  • 6. REDE CEGONHA • Em 2011 foi lançada no Brasil a Rede Cegonha, uma estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa implementar uma rede de cuidados para assegurar às mulheres o direito ao planejamento reprodutivo e a atenção humanizada à gravidez, ao parto e ao puerpério e às crianças o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e ao desenvolvimento saudáveis.
  • 7. REDE CEGONHA • Trata-se de um modelo que garante às mulheres e às crianças uma assistência humanizada e de qualidade, que lhes permite vivenciar a experiência da gravidez, do parto e do nascimento com segurança, dignidade e beleza. • Não se pode esquecer jamais que dar à luz não é uma doença ou um processo patológico, mas uma função fisiológica e natural que constitui uma experiência única para a mulher e o(a) parceiro(a) envolvido(a).
  • 9. “A organização da rede de atenção a gestante, com acesso ao pré-natal de qualidade, exames, atenção redobrada com as gestantes de alto risco e parto humanizado e seguro, levam a redução da mortalidade materna e manutenção da sua tendência de queda.”
  • 10. REDE CEGONHA • Instituída no âmbito do Sistema Único de Saúde, consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento reprodutivo e à atenção humanizada à gravidez (através da ampliação do acesso e da melhoria da qualidade do pré-natal, da vinculação da gestante à unidade de referência e ao transporte seguro), ao parto e ao puerpério (por meio da implementação de boas práticas na atenção ao parto e nascimento, incluindo o direito ao acompanhante de livra escolha da mulher no parto), bem como à criança o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e ao desenvolvimento saudáveis (atenção à saúde das crianças de 0 a 24 meses).
  • 11. PARTO E NASCIMENTO SEGUROS E HUMANIZADOS Promoção da saúde infantil e materna Prevenção da morbidade e mortalidade evitáveis Normalidade do processo de parto e nascimento Protagonismo e autonomia da mulher Não causar dano Responsabilidade ética Cuidado centrado na mulher, bebê e na família Parto como evento fisiológico e social
  • 12. REDE CEGONHA A Rede Cegonha tem como princípios: I -o respeito, a proteção e a realização dos direitos humanos; II - o respeito à diversidade cultural, étnica e racial; III - a promoção da equidade; IV - o enfoque de gênero; V - a garantia dos direitos sexuais e dos direitos reprodutivos de mulheres, homens, jovens e adolescentes; VI - a participação e a mobilização social; VII -a compatibilização com as atividades das redes de atenção à saúde materna e infantil em desenvolvimento nos Estados.
  • 13. REDE CEGONHA São objetivos da Rede Cegonha: I - fomentar a implementação de novo modelo de atenção à saúde da mulher e à saúde da criança com foco na atenção ao parto, ao nascimento, ao crescimento e ao desenvolvimento da criança de zero aos vinte e quatro meses; II - organizar a Rede de Atenção à Saúde Materna e Infantil para que esta garanta acesso, acolhimento e resolutividade; III - reduzir a mortalidade materna e infantil com ênfase no componente neonatal.
  • 14. REDE CEGONHA DIRETRIZES  Garantia do acolhimento com avaliação e classificação de risco e vulnerabilidade, ampliação do acesso e melhoria da qualidade do PRÉ-NATAL  Garantia de VINCULAÇÃO da gestante à unidade de referência e ao transporte seguro  Garantia das boas práticas na atenção ao parto e nascimento  Garantia da atenção à saúde das CRIANÇAS de 0 a 24 meses com qualidade e resolutividade  Garantia de acesso às ações do planejamento reprodutivo
  • 15. Rede Cegonha- Portaria 1459 de 24 de junho de 2011 COMPONENTES I.– Pré-Natal II.– Parto e Nascimento III.– Puerpério e Atenção Integral à Saúde da Criança IV.– Sistema Logístico: Transporte Sanitário e Regulação
  • 16. REDE CEGONHA COMPONENTE PRÉ-NATAL: qualificação  Avaliação da vulnerabilidade e risco  Práticas educativas - 4 durante o pré-natal  Novos exames pré-natal: teste rápido gravidez, de sífilis e HIV, eletroforese Hb,  Exames em tempo oportuno  Capacitação das equipes: autonomia e protagonismo da mulher  Promoção da vinculação ao local do parto  Sisprenatal Web
  • 17. Ações Parâmetros – Pré Natal de Risco Habitual Teste Rápido de Gravidez • ABO1 exame / gestante • Fator RH1 exame / gestante • Teste Coombs indireto para RH negativo 1 exame para 30% do total gestantes • EAS ( Exame de Rotina de Urina) 2 exames / gestante • Glicemias 2 exames / gestante • Dosagem de Proteinúria-fita reagente1 exame para 30% do total de gestantes • VDRL 2 exames / gestante • Hematócrito 2 exames / gestante • Hemoglobina 2 exame / gestante • Sorologia para toxoplasmose (IGM)1 exame / gestante • HBsAg 1 exame / gestante • Anti-HIV1 e anti-HIV2 2 exame / gestante • Eletroforese de hemoglobina 1 exame / gestante • Ultrassom obstétrico 1 exame/gestante • Citopatológico cérvico-vaginal 1 exame / gestante • Cultura de Bactérias para Identificação (urina)1 exame
  • 18. Pré-Natal Alto Risco*15% das gestantes Para as gestantes de alto risco: Cons. Especializada 5 consultas/gestante Teste de tolerância à glicose 1 teste/gestante Ultrassom obstétrico 2 exames/gestante ECG 1 exame para 30% do total de gestantes US Obstétrico com Doppler 1 exame/gestante Tococardiografia ante-parto 1 exame/gestante Contagem de Plaquetas 1 exame para 30% do total de gestantes Dosagem de Ureia, Creatinina e Ac. Úrico 1 exame/gestante Consulta Psicossocial 1 exame/gestante Dosagem de proteínas-urina 24h 1 exame/gestante
  • 19. QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO AO PARTO E NASCIMENTO “GRAVIDEZ NÃO É DOENÇA” mudança do modelo de atenção Mudança nas estruturas e ambientes de atenção ao parto Boas práticas de atenção e na gestão do cuidado: prevenção de iatrogenias, morbi-mortalidade materna e infantil
  • 20.  Baixa vinculação do RN, no momento da alta hospitalar, para a continuidade do cuidado na valorização do crescimento e acompanhamento desenvolvimento atenção primaria ; Baixa do das crianças pelos serviços de saúde PUERPÉRIO E ATENÇÃO À CRIANÇA ATÉ 2 ANOS
  • 21. CUIDADO À CRIANÇA  Promover aleitamento materno  Garantir acompanhamento da criança na atenção básica  Garantir atendimento especializado para casos de maior risco  Busca ativa dos faltosos, sobretudo de maior risco  Garantir acesso às vacinas disponíveis no SUS O desempenho das crianças nestes dois primeiros anos (crescimento e desenvolvimento) vai repercutir para o resto da vida do indivíduo, incluindo aquisição cognitiva e capacidade de trabalho
  • 22. É aquela que associa a experiência do provedor de cuidados, com a biologia única da paciente e a melhor prova científica disponível que assegura que aquela prática produz mais benefícios que danos ou é melhor do que alguma outra prática conhecida. BOA PRÁTICA NA ASSISTÊNCIA À SAÚDE:
  • 23. 1° PASSO: Iniciar o pré-natal na Atenção Primária à Saúde até a 12ª semana de gestação (captação precoce) 2° PASSO: Garantir os recursos humanos, físicos, materiais e técnicos necessários à atenção pré-natal. 3° PASSO: Toda gestante deve ter assegurado a solicitação, realização e avaliação em tempo oportuno do resultado dos exames preconizados no atendimento pré-natal. 4° PASSO: Promover a escuta ativa da gestante e de seus(suas) acompanhantes, considerando aspectos intelectuais, emocionais, sociais e culturais e não somente um cuidado biológico: "rodas de gestantes". 5° PASSO: Garantir o transporte público gratuito da gestante para o atendimento pré-natal, quando necessário. 6° PASSO: É direito do(a) parceiro(a) ser cuidado (realização de consultas, exames e ter acesso a informações) antes, durante e depois da gestação: "pré-natal do(a) parceiro(a)". 7° PASSO: Garantir o acesso à unidade de referência especializada, caso seja necessário. 8° PASSO: Estimular e informar sobre os benefícios do parto fisiológico, incluindo a elaboração do "Plano de Parto". 9° PASSO: Toda gestante tem direito de conhecer e visitar previamente o serviço de saúde no qual irá dar à luz (vinculação). 10° PASSO: As mulheres devem conhecer e exercer os direitos garantidos por lei no período gravídico-puerperal. 10 Passos para o Pré-Natal de Qualidade na Atenção Básica
  • 24. QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO AO PARTO E NASCIMENTO 2. Boas práticas de atenção e gestão  Acolhimento com classificação de risco  Direito a acompanhante durante a internação  Apoio durante o parto  Oferta de métodos de alívio da dor  Liberdade de posição no parto, privacidade  Restrição de episiotomia, amniotomia , ocitocina e outras  Contato pele a pele mãe – bebê – proteção do período sensível  Acolhimento adequado às especificidades étnico-culturais  Equipes horizontais do cuidado  Presença de enfermeiro obstetra/obstetriz na assistência ao parto  Colegiados gestores materno-infantis  Discussão e publicização dos resultados
  • 26. •Garantia de cobertura de leitos de Alto Risco, Canguru, UTI Materna e UTI/UCI Neonatal – cuidado integral ao RN de risco
  • 27. QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO AO PARTO E NASCIMENTO Nas Maternidades, implantar Centros de Parto Normal Adequação da ambiência –Pré- parto, Parto e Pós-parto (PPP)
  • 28. CASAS DA GESTANTE, DO BEBÊ E PUERPERA- CGBP Serão instaladas junto a todas as maternidades de alto risco Abrigam: Gestantes que precisam de vigilância constante em ambiente não hospitalar e/ou não podem retornar ao domicílio  Mães que têm bebês internados na UTI/UCI ou em tratamento clínico que não exija internação hospitalar; puérperas em regime  de observação Recém-nascidos que demandam atenção diária da alta complexidade
  • 29. Direito a acompanhante de sua escolha durante o trabalho de parto, no parto e no pós parto, Garantido pela Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005, regulamentada pela Portaria MS/ GM nº 2.418, de 2 de dezembro de 2005
  • 30. O Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), por meio do parecer normativo nº001 de 2013, aprovou a competência do profissional Enfermeiro para realizar testes rápidos para diagnósticos de HIV, sífilis e outros agravos. o Enfermeiro tem competência legal para a realização de testes rápidos visando à detecção e diagnóstico de HIV, sífilis e outros agravos, no âmbito da Atenção Básica à Saúde; e que, no âmbito da equipe de Enfermagem, a realização desse procedimento lhe compete, privativamente. A única ressalva é que este profissional precisa estar devidamente capacitado para a realização do procedimento, como reza a referida Portaria Ministerial.
  • 31. Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência. Para dispensação do Levonorgestrel não será exigida receita médica, podendo os (as) enfermeiros (as) disponibilizarem a contracepção de emergência na ausência do médico e posterior encaminhamento da usuária às ações de planejamento reprodutivo. Disponível: www.saude.gov.br/redecegonha
  • 32. QUESTÕES PARA FIXÇÃO 01. São princípios da Rede Cegonha, EXCETO: A) Humanização do parto e do nascimento. B) Realização de exames de USG com Doppler para pré- natal de baixo risco. C) Acolhimento da gestante e do bebê, com classificação de risco. D) Vinculação da gestante à maternidade. E) Gestante não-peregrina.
  • 33. QUESTÕES PARA FIXÇÃO 02. São componentes da Rede Cegonha, EXCETO: A) Pré-natal. B) Parto e nascimento. C) Puerpério e atenção integral à saúde da criança. D) Afecções ginecológicas. E) Sistema logístico.
  • 34. QUESTÕES PARA FIXÇÃO 03. Para ampliar a captação precoce das gestantes, o Ministério da Saúde, por intermédio da Rede Cegonha, incluiu o Teste Imunológico de Gravidez (TIG) nos exames de rotina do pré-natal, o que acelera o processo necessário para a confirmação da gravidez e o início do pré-natal. O TIG pode ser realizado em toda mulher cujo atraso menstrual é superior a: A) 8 dias. B) 15 dias. C) 16 semanas D) 20 semanas