SlideShare uma empresa Scribd logo
LICENCIATURA EM LETRAS (PORTUGUÊSLITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA)

ESTRATÉGIAS ARGUMENTATIVAS

Professora: Hélia Coelho Mello Cunha
2013
ESTRATÉGIAS
ARGUMENTATIVAS
Segundo Fiorin (1997:53), “a argumentação
consiste no conjunto de procedimentos
lingüísticos e lógicos utilizados pelo enunciador
para convencer o enunciatário” e “o falante
organiza sua estratégia discursiva em função
de um jogo de imagens: a imagem que ele faz
do interlocutor, a que ele pensa que o
interlocutor tem dele, a que ele deseja
transmitir ao interlocutor” (id,1998:18).
TÉCNICAS
ARGUMENTATIVAS
Argumentação por Exemplos
Argumentação por Ilustrações
Argumentação por Modelo:
Argumentação por Analogia:
Argumentação por Comparação:
Argumentação por Estatística
O Argumento de Autoridade
O Argumento contra o Homem
Demonstração pelo Absurdo
Argumentação por Causa e Conseqüência
Argumentação Condicional
CRITÉRIOS FUNDAMENTAIS PARA
CONSTRUÇÃO DE BONS ARGUMENTOS

 Aceitabilidade( veracidade)
Tudo o que comemos ou mata ou engorda.
Comer agrião não mata.
Portanto, comer agrião engorda.
CRITÉRIOS FUNDAMENTAIS PARA
CONSTRUÇÃO DE BONS ARGUMENTOS

 Relevância
O filme “O Sexto Sentido” teve ótima direção.
Os atores atuaram de forma brilhante.
Portanto, o filme trata de um caso verídico.
CRITÉRIOS FUNDAMENTAIS PARA
CONSTRUÇÃO DE BONS ARGUMENTOS

 Suficiência
Comer comida com muito sal não é saudável.
Governos devem zelar pela saúde pública.
Portanto,governos devem controlar venda de sal.
CRITÉRIOS FUNDAMENTAIS PARA
CONSTRUÇÃO DE BONS ARGUMENTOS

 Refutabilidade
Motocicletas são inúteis.
São veículos perigosos, barulhentos, só
conseguem carregar no máximo duas
pessoas e não podem ser utilizadas com
segurança em tempo chuvoso. Além disso,
a pessoa é obrigada a usar um
desconfortável capacete.
ORADOR
Um orador era muito conhecido pelos grandes discursos que
fazia. Já tinha sido convidado muitas vezes para ser palestrante em
formaturas, comícios políticos e em universidades. Sabia expressar-se
magnificamente tanto pelo rádio, como pela televisão.
Tinha uma grande habilidade em falar de improviso, o que com o
tempo, tornou-se um hábito.
Certa vez foi convidado para palestrar em um auditório. Escolheu
um tema bem atual, que dominava completamente no improviso, e
todo pomposo dirigiu-se ao local.
Chegando lá, verificou que tudo estava preparado para a sua
apresentação. O ambiente estava na penumbra e as luzes iluminavam
diretamente sua figura majestosa.
Apresentou diversas transparências e com elas mostrou como
seria a tecnologia do futuro. Haveria muita saúde, pílulas de vitaminas
que não envelheceriam mais as células do corpo, aparelhos
milagrosos que estariam à disposição de todos.
ORADOR
Falou sobre globalização, sobre a necessidade de
uma constante atualização. Alertou sobre a necessidade
de investimentos nos estudos e no trabalho. Profetizou que
tudo o que existe hoje está praticamente ultrapassado, e
que, caso não se reciclassem, daqui a 10 ou 20 anos não
conseguiriam competir no mercado de trabalho. Falou
sobre as novidades da informática e concluiu com frase
pomposa: - Não podemos deixar nossos jovens, tornaremse como os velhos de hoje.
Quando a palestra terminou, acenderam-se as luzes.
Estupefato, o imponente orador olhou para seus ouvintes.
Estava em um asilo.
•
(http://www.eoquerola.com.br/colunas/AntonioCarlos/co
AntCarl03.htm)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
Isis Barros
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
ionasilva
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 

Mais procurados (20)

AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticos
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
A redação aula 1
A redação   aula 1A redação   aula 1
A redação aula 1
 
Redação Nota Mil ENEM - SALIJO
Redação Nota Mil ENEM - SALIJORedação Nota Mil ENEM - SALIJO
Redação Nota Mil ENEM - SALIJO
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Estrutura dissertativa da redação
Estrutura dissertativa da redação  Estrutura dissertativa da redação
Estrutura dissertativa da redação
 
Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Polissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidadePolissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidade
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 

Destaque

Dissertação - causas e consequências
Dissertação - causas e consequênciasDissertação - causas e consequências
Dissertação - causas e consequências
CrisBiagio
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
hipolitus
 

Destaque (20)

O que é argumentar
O que é argumentarO que é argumentar
O que é argumentar
 
Tipos de-argumentos
Tipos de-argumentosTipos de-argumentos
Tipos de-argumentos
 
Tipos de argumentação
Tipos de argumentaçãoTipos de argumentação
Tipos de argumentação
 
A importância da argumentação
A importância da argumentaçãoA importância da argumentação
A importância da argumentação
 
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
 
Operadores argumentativos
Operadores argumentativosOperadores argumentativos
Operadores argumentativos
 
Argumentos por analogia
Argumentos por analogiaArgumentos por analogia
Argumentos por analogia
 
Argumentos de autoridade
Argumentos de autoridadeArgumentos de autoridade
Argumentos de autoridade
 
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemAlgumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enem
 
Dissertação - causas e consequências
Dissertação - causas e consequênciasDissertação - causas e consequências
Dissertação - causas e consequências
 
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
 
Modalização do discurso
Modalização do discursoModalização do discurso
Modalização do discurso
 
Modalizadores Linguísticos para alunos de Direito
Modalizadores Linguísticos para alunos de DireitoModalizadores Linguísticos para alunos de Direito
Modalizadores Linguísticos para alunos de Direito
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
 
Tipos de Argumentos
Tipos de ArgumentosTipos de Argumentos
Tipos de Argumentos
 
Diferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentoDiferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumento
 
Argumentar
ArgumentarArgumentar
Argumentar
 
Gêneros textuais no ENEM: história em quadrinhos, tira e tirinha
Gêneros textuais no ENEM: história em quadrinhos, tira e tirinhaGêneros textuais no ENEM: história em quadrinhos, tira e tirinha
Gêneros textuais no ENEM: história em quadrinhos, tira e tirinha
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 

Mais de Helia Coelho Mello

O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
Helia Coelho Mello
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
Helia Coelho Mello
 

Mais de Helia Coelho Mello (20)

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregos
 
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaIV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
 
Sofismas
SofismasSofismas
Sofismas
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na rede
 
O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o Discurso
 
Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSRETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
Recursos retóricos
Recursos retóricosRecursos retóricos
Recursos retóricos
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 

Estratégias argumentativas1

  • 1. LICENCIATURA EM LETRAS (PORTUGUÊSLITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA) ESTRATÉGIAS ARGUMENTATIVAS Professora: Hélia Coelho Mello Cunha 2013
  • 2. ESTRATÉGIAS ARGUMENTATIVAS Segundo Fiorin (1997:53), “a argumentação consiste no conjunto de procedimentos lingüísticos e lógicos utilizados pelo enunciador para convencer o enunciatário” e “o falante organiza sua estratégia discursiva em função de um jogo de imagens: a imagem que ele faz do interlocutor, a que ele pensa que o interlocutor tem dele, a que ele deseja transmitir ao interlocutor” (id,1998:18).
  • 3. TÉCNICAS ARGUMENTATIVAS Argumentação por Exemplos Argumentação por Ilustrações Argumentação por Modelo: Argumentação por Analogia: Argumentação por Comparação: Argumentação por Estatística O Argumento de Autoridade O Argumento contra o Homem Demonstração pelo Absurdo Argumentação por Causa e Conseqüência Argumentação Condicional
  • 4. CRITÉRIOS FUNDAMENTAIS PARA CONSTRUÇÃO DE BONS ARGUMENTOS  Aceitabilidade( veracidade) Tudo o que comemos ou mata ou engorda. Comer agrião não mata. Portanto, comer agrião engorda.
  • 5. CRITÉRIOS FUNDAMENTAIS PARA CONSTRUÇÃO DE BONS ARGUMENTOS  Relevância O filme “O Sexto Sentido” teve ótima direção. Os atores atuaram de forma brilhante. Portanto, o filme trata de um caso verídico.
  • 6. CRITÉRIOS FUNDAMENTAIS PARA CONSTRUÇÃO DE BONS ARGUMENTOS  Suficiência Comer comida com muito sal não é saudável. Governos devem zelar pela saúde pública. Portanto,governos devem controlar venda de sal.
  • 7. CRITÉRIOS FUNDAMENTAIS PARA CONSTRUÇÃO DE BONS ARGUMENTOS  Refutabilidade Motocicletas são inúteis. São veículos perigosos, barulhentos, só conseguem carregar no máximo duas pessoas e não podem ser utilizadas com segurança em tempo chuvoso. Além disso, a pessoa é obrigada a usar um desconfortável capacete.
  • 8. ORADOR Um orador era muito conhecido pelos grandes discursos que fazia. Já tinha sido convidado muitas vezes para ser palestrante em formaturas, comícios políticos e em universidades. Sabia expressar-se magnificamente tanto pelo rádio, como pela televisão. Tinha uma grande habilidade em falar de improviso, o que com o tempo, tornou-se um hábito. Certa vez foi convidado para palestrar em um auditório. Escolheu um tema bem atual, que dominava completamente no improviso, e todo pomposo dirigiu-se ao local. Chegando lá, verificou que tudo estava preparado para a sua apresentação. O ambiente estava na penumbra e as luzes iluminavam diretamente sua figura majestosa. Apresentou diversas transparências e com elas mostrou como seria a tecnologia do futuro. Haveria muita saúde, pílulas de vitaminas que não envelheceriam mais as células do corpo, aparelhos milagrosos que estariam à disposição de todos.
  • 9. ORADOR Falou sobre globalização, sobre a necessidade de uma constante atualização. Alertou sobre a necessidade de investimentos nos estudos e no trabalho. Profetizou que tudo o que existe hoje está praticamente ultrapassado, e que, caso não se reciclassem, daqui a 10 ou 20 anos não conseguiriam competir no mercado de trabalho. Falou sobre as novidades da informática e concluiu com frase pomposa: - Não podemos deixar nossos jovens, tornaremse como os velhos de hoje. Quando a palestra terminou, acenderam-se as luzes. Estupefato, o imponente orador olhou para seus ouvintes. Estava em um asilo. • (http://www.eoquerola.com.br/colunas/AntonioCarlos/co AntCarl03.htm)