SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
LICENCIATURA EM LETRAS (PORTUGUÊSLITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA)

RECURSOS RETÓRICOS

Professora: Hélia Coelho Mello Cunha
2013
RECURSOS RETÓRICOS

Recursos de Retórica são opções de
uso, seletividade ou supressão e formas
construtivas que tornam o discurso
eficaz.
Figuras retóricas
“A figura só é de retórica quando
desempenha papel persuasivo”, diz
Reboul (1998:114) e, “se o argumento é o
prego, a figura é o modo de pregá-lo”.
REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1998
Figuras de palavras
 Matéria sonora do discurso
• Força persuasiva : facilitam a atenção e a
lembrança, além de instaurarem uma
harmonia prazerosa.
• Figuras de palavras são intraduzíveis e ,
muitas vezes, quando são traduzidas,
perdem o seu poder.
• Figuras de ritmo (acento tônico e extensão
das sílabas), de som ( implicam fonemas,
sílabas ou palavras).
Figuras de palavras- de ritmo
• Cláusula- E uma sequência rítmica que
termina um período. “Para vencê-los,
precisa-se de coragem, coragem, muita
coragem”
• Parisose- período composto por membros
da mesma extensão: “Beber ou guiar,
convém optar”.(5+5)
Figuras de palavras –
implicam sons
• Aliteração – Repetição de fonema(s)
consonantais no início, meio ou fim das
palavras próximas, ou em frases ou
versos em sequência. Ex:"Quem com
ferro fere com ferro será ferido" .
Figuras de palavras – implicam
sílabas/ palavras
• Paranomásia - consiste no emprego de rimas no
final
das
palavras
ou
de
palavras
parônimas
(com
sonoridade
semelhante) numa mesma frase, fenômeno que
é popularmente conhecido como trocadilho.
"Com os preços praticados em planos de saúde,
uma simples fatura em decorrência de
uma
fratura
pode
acabar
com
a
nossa fartura"(Arthur Avelar).
Figuras de palavras –
implicam palavras
• Antanáclase(do grego, antanáklasis, signifi
ca
"repercussão")
baseia-se
na
polissemia. Ex: Eu tenho peito(que
aconselha o exame de mamas)
• Trocadilho- baseia-se na homonímiaaproxima duas palavras idênticas no som,
com sentidos diferentes. Ex: Cada falso
tem um cadafalso que merece.
Figuras de palavras
• Derivação- Associação de uma palavra à
outra de igual radical.
• Etimologia – ato de poder pelo qual o
orador impõe o seu sentido.
Figuras de sentido
Dizem respeito à significação das
palavras ou dos grupos de palavras.
Consistem no emprego de um termo (ou
vários) com um sentido que não lhe é
habitual. Segundo Reboul (1998:120), “a
figura de sentido (...) enriquece o sentido
das palavras”.
Figuras de sentido
•
•
•
•
•

Metonímia/Metáfora
Hipérbole
Lítotes
Paradoxo
Sinestesia
Figuras de construção
Dizem respeito à estrutura da frase, do
discurso.
• Algumas procedem por:
o subtração - elipse, assíndeto, reticência;
o permutação -quiasmo
o repetição-antítese,epanalepse,epanástrofe,
anáfora, pleonasmo, gradação.
Figuras de construção
•Elipse- retirada de palavras necessárias à construção,
mas não ao sentido.
•Antítese- apresenta duas coisas opostas, para que
uma prove a outra de modo resumido.
•Aposiopese (reticência)- interrupção da frase para que
o auditório a complete.
•Quiasmo- oposição baseada na inversão.

•Epanalepse - repetição da mesma palavra no meio de
frases seguidas.
Figuras de construção
•Epanástrofe - repetição de palavras invertidas.

•Anáfora- repetição com o objetivo de enfatizar uma
ideia.
•Pleonasmo- utilização de palavras redundantes para
reforçar uma ideia.
•Antanáclase -repetição de uma mesma palavra com
sentidos diferentes.

•Gradação- disposição de palavras na ordem crescente
de extensão ou importância.
Figuras do pensamento, de
enunciação e de argumento

Dizem respeito à relação do discurso com
seu sujeito (o orador) ou com seu objeto.
Figuras do pensamento
•Alegoria
•Ironia
Figuras de enunciação
•Personificação
• Apóstrofe – o orador dirige-se a algo ou
alguém, diferente do auditório real, ao que é
personificado, para persuadi-lo mais facilmente
•Epanortose- retificação.
• Preterição- dizer que não se vai falar de
alguma coisa, para melhor falar dela.
•Contrafisão -espécie de optativo que sugere o
contrário do que diz.
•Silepse- concordância ideológica.
Figuras de argumento
•Hipotipose - quadro – pintura verbal.
•Amplificação - desenvolvimento pormenorizado de um
assunto.
• Expolição - ocorre quando há uma reexposição mais
animada antes do fecho redacional para realçar a idéia
central.
•Dubitação- consiste em fingir o emissor de que tem
dúvida sobre determinado assunto, mas seu objetivo é
fortalecer sua posição.
Figuras de argumento
•Prolepse - antecipação de uma possível refutação de
seu argumento pelo adversário.

•Conglobação - acumulação de argumentos para uma
única conclusão.
•Pergunta retórica - apresentação do argumento em
forma de interrogação.
•Cleuasmo - desgabo que o orador faz de si mesmo
para angariar confiança e simpatia do auditório.
TÍTULO
•Título como recurso de atratividade
•Título como recurso de acessibilidade
Operadores argumentativos
•O termo operadores argumentativos foi
apresentado
por
Oswald
Ducrot,
fundador da Semântica Argumentativa,
para designar certos elementos da
gramática de uma língua que têm por
função indicar (“mostrar”) a força
argumentativa dos enunciados, o sentido
para o qual apontam.
Tempos verbais
1-

Futuro do pretérito – o orador não se
compromete, não assume a responsabilidade
pelo que enuncia; quem faz a afirmação é
“alguém”, alguma fonte autorizada, outra voz
introduzida no discurso (polifonia).Ex: O
presidente estaria disposto a negociar com os
grevistas.

2-

Pretérito imperfeito do subjuntivo – expressa
uma possibilidade, uma hipótese. É usado para
marcar uma atitude do falante, situando suas
afirmações no terreno da hipótese, do possível,
essencial à intenção argumentativa.
Tempos verbais
3- Pretérito perfeito - indica uma ação definida no
tempo, exprime uma certeza de quem fala em
relação ao conteúdo de sua comunicação.
4- Presente - apresenta o processo verbal, como se
fosse uma verdade aceita por todos. Fatos não
necessariamente realizados, mas fatos que são
constantes.
5- Modo imperativo - expressa ordem, solicitação,
súplica; a vontade do falante em relação ao
comportamento de seu auditório. Por isso, é
muito utilizado em textos persuasivos - o autor,
através do uso de verbos nesse modo, faz
pedidos ou aconselha o seu auditório.
Indicadores modais
1- Expressões do tipo: “é + adjetivo” - é necessário / é
possível / é certo / é provável .
Ex: É necessário que a greve termine.
É possível que a greve termine.
2-

Advérbios ou locuções adverbiais: talvez
provavelmente/certamente / possivelmente .
Ex: Talvez a greve termine.
3- Verbos auxiliares modais: poder / dever.
Ex: A greve pode terminar.

/
Indicadores modais
4-Construções de auxiliar+infinitivo:
ter de +... / precisar +... /dever +....
Ex: A greve tem de terminar.

5-Orações modalizadoras: tenho certeza de que/ não há
dúvida de que/ há possiblidade de/ todos sabem
que
Ex: Estou certo de que a greve terminará.
Indicadores modais
Um mesmo indicador modal pode exprimir
modalidades diferentes:
•Todos devem comparecer à votação (é
obrigatório)
•Eles devem votar amanhã se tiverem
condições de locomoção até o local de
votação. (é possível)
•Eles devem estar votando agora (é provável).
Diálogo com o leitor
•Uso da oralidade
•Uso do vocativo
•Uso de parênteses
•Nível coloquial de linguagem
Implícitos
•Deixar entender - que “não envolve nenhuma intenção
aberta ou velada do locutor: é aquilo que uma
enunciação, por si mesma, implica publicamente”.
Ex: Conta-se de Lady Astor que certa vez disse a
Winston Churchill: „-Se o senhor fosse meu marido, eu
poria veneno no seu café‟, ao que Churchill respondeu:
„-Se a senhora fosse minha esposa eu tomava esse
café‟.
Koch (2000:156)
Implícitos
• Dar a entender ou insinuar - “intenção comunicativa
particular do locutor, apresentada de maneira
velada”, independendo do reconhecimento do
enunciatário, já que o enunciador “não lhe dá a
reconhecer essa intenção”.
Ex: Situação em que recebemos uma visita:
- Nossa! Está muito calor lá fora!
(possível subentendido: a pessoa está com sede)

Koch (2000:156)
Implícitos
•Subentender - o enunciador subentende algo “com a
intenção de comunicar por meio de sua enunciação,
algo que, de qualquer modo, o enunciado implica
(deixa entender); porém tal intenção não é pública”.
Ex: “Conheço muito bem os políticos de hoje”
(pode sugerir mais valores semânticos do que o enunciado
declara, como, por exemplo, pode querer dizer que são
desonestos. No entanto, se o locutor do enunciado é contestado
pelo ouvinte quanto ao conteúdo do seu dizer, poderá alegar que
quem está dizendo isso é o ouvinte e não ele, que não disse isso
que o ouvinte interpretou, ou seja, defende-se atrás do sentido
literal das palavras para se safar da interpretação).

Koch (2000:156)
Uso de pressupostos
Ducrot (1987:20) afirma que “se o posto
é o que afirmo, enquanto locutor, se o
subentendido é o que deixo meu ouvinte
concluir, o pressuposto é o que
apresento como pertencendo ao domínio
comum de duas personagens do diálogo,
como objeto de uma cumplicidade
fundamental que liga entre si os
participantes do ato da comunicação”.
Uso de pressupostos
•
•
•

Critério de interrogação: Maria deixou de
estudar? pressupõe que antes Maria
estudava.
Critério de negação. Maria não deixou de
estudar também continua a pressupor que ela
o fazia antes.
Critério do encadeamento: Maria deixou de
estudar. Tanto melhor! , o enunciado “Tanto
melhor!” continua a pressupor que antes ela
estudava.
Marcadores de pressuposição
Segundo Koch (2001:44-46):
• Verbos que indicam mudança ou permanência de
estado
• Ex: Pedro deixou de fumar./ O concurseiro deixou de
sair aos sábados para estudar mais.(pressuposto: o
concurseiro saía todos os sábados.)
• Verbos denominados “factivos”, isto é, que são
complementados pela enunciação de um fato
(pressuposto): lamentar, lastimar, saber, sentir.
Ex: Lamento que Maria tenha sido demitida. (pressuposto
– “Não sabia que Maria tinha sido demitida”).
•
Marcadores de pressuposição
Segundo Koch (2001:44-46):

• Certos conectores circunstanciais, especialmente
quando a oração por eles introduzida vem anteposta:
desde que, antes que, visto que, depois que
Ex: Visto que você já conhece esse assunto...
(pressuposto: “você já conhece esse assunto”, falemos de
coisas mais interessantes).
• Pessoas que fazem cursinhos passam mais rápido.
(pressuposto: há pessoas que não fazem cursinho)
•
OUTROS RECURSOS
•
•
•
•

Segmentação
Seleção lexical
Trocadilho
Tautologia - enunciado que resulta sempre
verdadeiro, não importa a veracidade de suas
variáveis. Ex: Cada um é o que é.
• Ambiguidades
• Formação de palavras novas e sentidos novos
na língua
• Polissemia
TROCADILHO
• A JUSTIÇA É UMA GRAÇA!
12/04/06
IMPLÍCITOS
METÁFORA

Angeli Folha de São Paulo.21/03
SEGMENTAÇÃO
TROCADILHO
TÍTULO
ORADOR
Um orador era muito conhecido pelos grandes discursos que
fazia. Já tinha sido convidado muitas vezes para ser palestrante em
formaturas, comícios políticos e em universidades. Sabia expressar-se
magnificamente tanto pelo rádio, como pela televisão.
Tinha uma grande habilidade em falar de improviso, o que com o
tempo, tornou-se um hábito.
Certa vez foi convidado para palestrar em um auditório. Escolheu
um tema bem atual, que dominava completamente no improviso, e
todo pomposo dirigiu-se ao local.
Chegando lá, verificou que tudo estava preparado para a sua
apresentação. O ambiente estava na penumbra e as luzes iluminavam
diretamente sua figura majestosa.
Apresentou diversas transparências e com elas mostrou como
seria a tecnologia do futuro. Haveria muita saúde, pílulas de vitaminas
que não envelheceriam mais as células do corpo, aparelhos
milagrosos que estariam à disposição de todos.
ORADOR
Falou sobre globalização, sobre a necessidade de
uma constante atualização. Alertou sobre a necessidade
de investimentos nos estudos e no trabalho. Profetizou que
tudo o que existe hoje está praticamente ultrapassado, e
que, caso não se reciclassem, daqui a 10 ou 20 anos não
conseguiriam competir no mercado de trabalho. Falou
sobre as novidades da informática e concluiu com frase
pomposa: - Não podemos deixar nossos jovens, tornaremse como os velhos de hoje.
Quando a palestra terminou, acenderam-se as luzes.
Estupefato, o imponente orador olhou para seus ouvintes.
Estava em um asilo.
•
(http://www.eoquerola.com.br/colunas/AntonioCarlos/co
AntCarl03.htm)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Morfologia
MorfologiaMorfologia
MorfologiaNilberte
 
Redação- texto expositivo
Redação- texto expositivoRedação- texto expositivo
Redação- texto expositivoJaicinha
 
Funções do pronome relativo
Funções do pronome relativoFunções do pronome relativo
Funções do pronome relativoespacoaberto
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasKeu Oliveira
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimosCaroline Cunha
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoElaine Blogger
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencialLuciene Gomes
 
O Texto Expositivo
O Texto ExpositivoO Texto Expositivo
O Texto Expositivo713773
 
Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosSônia Sochiarelli
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoMyllenne Abreu
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisFábio Guimarães
 

Mais procurados (20)

Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Redação- texto expositivo
Redação- texto expositivoRedação- texto expositivo
Redação- texto expositivo
 
Funções do pronome relativo
Funções do pronome relativoFunções do pronome relativo
Funções do pronome relativo
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
 
Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Orações Subordinadas
Orações SubordinadasOrações Subordinadas
Orações Subordinadas
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumo
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 
O Texto Expositivo
O Texto ExpositivoO Texto Expositivo
O Texto Expositivo
 
Tempo e modo verbais
Tempo e modo verbaisTempo e modo verbais
Tempo e modo verbais
 
Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercícios
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
 

Semelhante a Recursos retóricos

Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigidoPersuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigidoj_sdias
 
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   AmostraApostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - AmostraAntônio Carlos Zeferino
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAnorberto faria
 
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp022 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02Miguel Alves
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoRose Moraes
 
Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles
Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles
Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles Ronaldo Laux
 
Resumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cespResumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cespMg Informaticarj
 
Em busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivosEm busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivosMarcelo Ramiro
 
Figuras de linguagem apresentação
Figuras de linguagem   apresentaçãoFiguras de linguagem   apresentação
Figuras de linguagem apresentaçãoZenia Ferreira
 
O texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasO texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasSérgio Assis
 
Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4j_sdias
 
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
Argumentação e retórica  trb grupo filosofiaArgumentação e retórica  trb grupo filosofia
Argumentação e retórica trb grupo filosofiaJoão Bastos
 
O funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaO funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaFernanda Câmara
 

Semelhante a Recursos retóricos (20)

Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigidoPersuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
 
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   AmostraApostila Português – UFBA 2017 – Nível médio  -   Amostra
Apostila Português – UFBA 2017 – Nível médio - Amostra
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp022 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
 
interpretacao.pptx
interpretacao.pptxinterpretacao.pptx
interpretacao.pptx
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
 
Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles
Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles
Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles
 
Resumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cespResumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cesp
 
Em busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivosEm busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivos
 
Figuras de linguagem apresentação
Figuras de linguagem   apresentaçãoFiguras de linguagem   apresentação
Figuras de linguagem apresentação
 
O texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasO texto e suas tessituras
O texto e suas tessituras
 
Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4
 
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
Argumentação e retórica  trb grupo filosofiaArgumentação e retórica  trb grupo filosofia
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
 
O funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaO funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguística
 
A redação aula 1
A redação   aula 1A redação   aula 1
A redação aula 1
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
 
ling.pptx
ling.pptxling.pptx
ling.pptx
 
Texto e linguagem
Texto e linguagemTexto e linguagem
Texto e linguagem
 

Mais de Helia Coelho Mello

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregosHelia Coelho Mello
 
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaIV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaHelia Coelho Mello
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilHelia Coelho Mello
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeHelia Coelho Mello
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoHelia Coelho Mello
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.Helia Coelho Mello
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTAHelia Coelho Mello
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOHelia Coelho Mello
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?Helia Coelho Mello
 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSRETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSHelia Coelho Mello
 

Mais de Helia Coelho Mello (20)

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregos
 
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaIV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
 
Sofismas
SofismasSofismas
Sofismas
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na rede
 
O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o Discurso
 
Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSRETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 

Último

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 

Recursos retóricos

  • 1. LICENCIATURA EM LETRAS (PORTUGUÊSLITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA) RECURSOS RETÓRICOS Professora: Hélia Coelho Mello Cunha 2013
  • 2. RECURSOS RETÓRICOS Recursos de Retórica são opções de uso, seletividade ou supressão e formas construtivas que tornam o discurso eficaz.
  • 3. Figuras retóricas “A figura só é de retórica quando desempenha papel persuasivo”, diz Reboul (1998:114) e, “se o argumento é o prego, a figura é o modo de pregá-lo”. REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1998
  • 4. Figuras de palavras  Matéria sonora do discurso • Força persuasiva : facilitam a atenção e a lembrança, além de instaurarem uma harmonia prazerosa. • Figuras de palavras são intraduzíveis e , muitas vezes, quando são traduzidas, perdem o seu poder. • Figuras de ritmo (acento tônico e extensão das sílabas), de som ( implicam fonemas, sílabas ou palavras).
  • 5. Figuras de palavras- de ritmo • Cláusula- E uma sequência rítmica que termina um período. “Para vencê-los, precisa-se de coragem, coragem, muita coragem” • Parisose- período composto por membros da mesma extensão: “Beber ou guiar, convém optar”.(5+5)
  • 6. Figuras de palavras – implicam sons • Aliteração – Repetição de fonema(s) consonantais no início, meio ou fim das palavras próximas, ou em frases ou versos em sequência. Ex:"Quem com ferro fere com ferro será ferido" .
  • 7. Figuras de palavras – implicam sílabas/ palavras • Paranomásia - consiste no emprego de rimas no final das palavras ou de palavras parônimas (com sonoridade semelhante) numa mesma frase, fenômeno que é popularmente conhecido como trocadilho. "Com os preços praticados em planos de saúde, uma simples fatura em decorrência de uma fratura pode acabar com a nossa fartura"(Arthur Avelar).
  • 8. Figuras de palavras – implicam palavras • Antanáclase(do grego, antanáklasis, signifi ca "repercussão") baseia-se na polissemia. Ex: Eu tenho peito(que aconselha o exame de mamas) • Trocadilho- baseia-se na homonímiaaproxima duas palavras idênticas no som, com sentidos diferentes. Ex: Cada falso tem um cadafalso que merece.
  • 9. Figuras de palavras • Derivação- Associação de uma palavra à outra de igual radical. • Etimologia – ato de poder pelo qual o orador impõe o seu sentido.
  • 10. Figuras de sentido Dizem respeito à significação das palavras ou dos grupos de palavras. Consistem no emprego de um termo (ou vários) com um sentido que não lhe é habitual. Segundo Reboul (1998:120), “a figura de sentido (...) enriquece o sentido das palavras”.
  • 12. Figuras de construção Dizem respeito à estrutura da frase, do discurso. • Algumas procedem por: o subtração - elipse, assíndeto, reticência; o permutação -quiasmo o repetição-antítese,epanalepse,epanástrofe, anáfora, pleonasmo, gradação.
  • 13. Figuras de construção •Elipse- retirada de palavras necessárias à construção, mas não ao sentido. •Antítese- apresenta duas coisas opostas, para que uma prove a outra de modo resumido. •Aposiopese (reticência)- interrupção da frase para que o auditório a complete. •Quiasmo- oposição baseada na inversão. •Epanalepse - repetição da mesma palavra no meio de frases seguidas.
  • 14. Figuras de construção •Epanástrofe - repetição de palavras invertidas. •Anáfora- repetição com o objetivo de enfatizar uma ideia. •Pleonasmo- utilização de palavras redundantes para reforçar uma ideia. •Antanáclase -repetição de uma mesma palavra com sentidos diferentes. •Gradação- disposição de palavras na ordem crescente de extensão ou importância.
  • 15. Figuras do pensamento, de enunciação e de argumento Dizem respeito à relação do discurso com seu sujeito (o orador) ou com seu objeto.
  • 17. Figuras de enunciação •Personificação • Apóstrofe – o orador dirige-se a algo ou alguém, diferente do auditório real, ao que é personificado, para persuadi-lo mais facilmente •Epanortose- retificação. • Preterição- dizer que não se vai falar de alguma coisa, para melhor falar dela. •Contrafisão -espécie de optativo que sugere o contrário do que diz. •Silepse- concordância ideológica.
  • 18. Figuras de argumento •Hipotipose - quadro – pintura verbal. •Amplificação - desenvolvimento pormenorizado de um assunto. • Expolição - ocorre quando há uma reexposição mais animada antes do fecho redacional para realçar a idéia central. •Dubitação- consiste em fingir o emissor de que tem dúvida sobre determinado assunto, mas seu objetivo é fortalecer sua posição.
  • 19. Figuras de argumento •Prolepse - antecipação de uma possível refutação de seu argumento pelo adversário. •Conglobação - acumulação de argumentos para uma única conclusão. •Pergunta retórica - apresentação do argumento em forma de interrogação. •Cleuasmo - desgabo que o orador faz de si mesmo para angariar confiança e simpatia do auditório.
  • 20. TÍTULO •Título como recurso de atratividade •Título como recurso de acessibilidade
  • 21. Operadores argumentativos •O termo operadores argumentativos foi apresentado por Oswald Ducrot, fundador da Semântica Argumentativa, para designar certos elementos da gramática de uma língua que têm por função indicar (“mostrar”) a força argumentativa dos enunciados, o sentido para o qual apontam.
  • 22. Tempos verbais 1- Futuro do pretérito – o orador não se compromete, não assume a responsabilidade pelo que enuncia; quem faz a afirmação é “alguém”, alguma fonte autorizada, outra voz introduzida no discurso (polifonia).Ex: O presidente estaria disposto a negociar com os grevistas. 2- Pretérito imperfeito do subjuntivo – expressa uma possibilidade, uma hipótese. É usado para marcar uma atitude do falante, situando suas afirmações no terreno da hipótese, do possível, essencial à intenção argumentativa.
  • 23. Tempos verbais 3- Pretérito perfeito - indica uma ação definida no tempo, exprime uma certeza de quem fala em relação ao conteúdo de sua comunicação. 4- Presente - apresenta o processo verbal, como se fosse uma verdade aceita por todos. Fatos não necessariamente realizados, mas fatos que são constantes. 5- Modo imperativo - expressa ordem, solicitação, súplica; a vontade do falante em relação ao comportamento de seu auditório. Por isso, é muito utilizado em textos persuasivos - o autor, através do uso de verbos nesse modo, faz pedidos ou aconselha o seu auditório.
  • 24. Indicadores modais 1- Expressões do tipo: “é + adjetivo” - é necessário / é possível / é certo / é provável . Ex: É necessário que a greve termine. É possível que a greve termine. 2- Advérbios ou locuções adverbiais: talvez provavelmente/certamente / possivelmente . Ex: Talvez a greve termine. 3- Verbos auxiliares modais: poder / dever. Ex: A greve pode terminar. /
  • 25. Indicadores modais 4-Construções de auxiliar+infinitivo: ter de +... / precisar +... /dever +.... Ex: A greve tem de terminar. 5-Orações modalizadoras: tenho certeza de que/ não há dúvida de que/ há possiblidade de/ todos sabem que Ex: Estou certo de que a greve terminará.
  • 26. Indicadores modais Um mesmo indicador modal pode exprimir modalidades diferentes: •Todos devem comparecer à votação (é obrigatório) •Eles devem votar amanhã se tiverem condições de locomoção até o local de votação. (é possível) •Eles devem estar votando agora (é provável).
  • 27. Diálogo com o leitor •Uso da oralidade •Uso do vocativo •Uso de parênteses •Nível coloquial de linguagem
  • 28. Implícitos •Deixar entender - que “não envolve nenhuma intenção aberta ou velada do locutor: é aquilo que uma enunciação, por si mesma, implica publicamente”. Ex: Conta-se de Lady Astor que certa vez disse a Winston Churchill: „-Se o senhor fosse meu marido, eu poria veneno no seu café‟, ao que Churchill respondeu: „-Se a senhora fosse minha esposa eu tomava esse café‟. Koch (2000:156)
  • 29. Implícitos • Dar a entender ou insinuar - “intenção comunicativa particular do locutor, apresentada de maneira velada”, independendo do reconhecimento do enunciatário, já que o enunciador “não lhe dá a reconhecer essa intenção”. Ex: Situação em que recebemos uma visita: - Nossa! Está muito calor lá fora! (possível subentendido: a pessoa está com sede) Koch (2000:156)
  • 30. Implícitos •Subentender - o enunciador subentende algo “com a intenção de comunicar por meio de sua enunciação, algo que, de qualquer modo, o enunciado implica (deixa entender); porém tal intenção não é pública”. Ex: “Conheço muito bem os políticos de hoje” (pode sugerir mais valores semânticos do que o enunciado declara, como, por exemplo, pode querer dizer que são desonestos. No entanto, se o locutor do enunciado é contestado pelo ouvinte quanto ao conteúdo do seu dizer, poderá alegar que quem está dizendo isso é o ouvinte e não ele, que não disse isso que o ouvinte interpretou, ou seja, defende-se atrás do sentido literal das palavras para se safar da interpretação). Koch (2000:156)
  • 31. Uso de pressupostos Ducrot (1987:20) afirma que “se o posto é o que afirmo, enquanto locutor, se o subentendido é o que deixo meu ouvinte concluir, o pressuposto é o que apresento como pertencendo ao domínio comum de duas personagens do diálogo, como objeto de uma cumplicidade fundamental que liga entre si os participantes do ato da comunicação”.
  • 32. Uso de pressupostos • • • Critério de interrogação: Maria deixou de estudar? pressupõe que antes Maria estudava. Critério de negação. Maria não deixou de estudar também continua a pressupor que ela o fazia antes. Critério do encadeamento: Maria deixou de estudar. Tanto melhor! , o enunciado “Tanto melhor!” continua a pressupor que antes ela estudava.
  • 33. Marcadores de pressuposição Segundo Koch (2001:44-46): • Verbos que indicam mudança ou permanência de estado • Ex: Pedro deixou de fumar./ O concurseiro deixou de sair aos sábados para estudar mais.(pressuposto: o concurseiro saía todos os sábados.) • Verbos denominados “factivos”, isto é, que são complementados pela enunciação de um fato (pressuposto): lamentar, lastimar, saber, sentir. Ex: Lamento que Maria tenha sido demitida. (pressuposto – “Não sabia que Maria tinha sido demitida”). •
  • 34. Marcadores de pressuposição Segundo Koch (2001:44-46): • Certos conectores circunstanciais, especialmente quando a oração por eles introduzida vem anteposta: desde que, antes que, visto que, depois que Ex: Visto que você já conhece esse assunto... (pressuposto: “você já conhece esse assunto”, falemos de coisas mais interessantes). • Pessoas que fazem cursinhos passam mais rápido. (pressuposto: há pessoas que não fazem cursinho) •
  • 35. OUTROS RECURSOS • • • • Segmentação Seleção lexical Trocadilho Tautologia - enunciado que resulta sempre verdadeiro, não importa a veracidade de suas variáveis. Ex: Cada um é o que é. • Ambiguidades • Formação de palavras novas e sentidos novos na língua • Polissemia
  • 36. TROCADILHO • A JUSTIÇA É UMA GRAÇA! 12/04/06
  • 38. METÁFORA Angeli Folha de São Paulo.21/03
  • 42. ORADOR Um orador era muito conhecido pelos grandes discursos que fazia. Já tinha sido convidado muitas vezes para ser palestrante em formaturas, comícios políticos e em universidades. Sabia expressar-se magnificamente tanto pelo rádio, como pela televisão. Tinha uma grande habilidade em falar de improviso, o que com o tempo, tornou-se um hábito. Certa vez foi convidado para palestrar em um auditório. Escolheu um tema bem atual, que dominava completamente no improviso, e todo pomposo dirigiu-se ao local. Chegando lá, verificou que tudo estava preparado para a sua apresentação. O ambiente estava na penumbra e as luzes iluminavam diretamente sua figura majestosa. Apresentou diversas transparências e com elas mostrou como seria a tecnologia do futuro. Haveria muita saúde, pílulas de vitaminas que não envelheceriam mais as células do corpo, aparelhos milagrosos que estariam à disposição de todos.
  • 43. ORADOR Falou sobre globalização, sobre a necessidade de uma constante atualização. Alertou sobre a necessidade de investimentos nos estudos e no trabalho. Profetizou que tudo o que existe hoje está praticamente ultrapassado, e que, caso não se reciclassem, daqui a 10 ou 20 anos não conseguiriam competir no mercado de trabalho. Falou sobre as novidades da informática e concluiu com frase pomposa: - Não podemos deixar nossos jovens, tornaremse como os velhos de hoje. Quando a palestra terminou, acenderam-se as luzes. Estupefato, o imponente orador olhou para seus ouvintes. Estava em um asilo. • (http://www.eoquerola.com.br/colunas/AntonioCarlos/co AntCarl03.htm)