ARGUMENTAÇÃO COM 
DISPOSIÇÃO 
Hélia Coelho Mello Cunha
SITUAÇÃO ATUAL 
 No ensino de produção de textos 
dissertativos argumentativos, no 
Ensino Médio, no Brasil, atualmente, ...
PROBLEMAS: 
 Como fazer uma introdução criativa 
que desperte o leitor para o tema, que 
sirva para criar comunhão com el...
OBJETIVO 
 Nosso objetivo é propor que seja 
adotado, nas aulas, um modelo de 
estrutura baseado no apresentado na 
segun...
ESTRUTURA - 
ESCOLAS/LIVROS DIDÁTICOS 
•INTRODUÇÃO: é a apresentação do 
assunto a ser desenvolvido; da tese, da ideia 
in...
ESTRUTURA - ARISTÓTELES 
INTRODUÇÃO 
•Exórdio - serve para tornar o auditório 
receptivo à atuação do orador e 
fornecer u...
ESTRUTURA - ARISTÓTELES 
DESENVOLVIMENTO 
•Prova - meios ou recursos persuasivos 
de que se vale o orador para convencer 
...
ESTRUTURA - ARISTÓTELES 
CONCLUSÃO 
•Epílogo - tem por objetivo deixar no 
auditório uma boa impressão do orador 
e recapi...
CONSIDERAÇÕES FINAIS 
 Ser criativo na introdução e na conclusão , 
além de boa argumentação no 
desenvolvimento, é impor...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 ARISTÓTELES Retórica. INCM - Imprensa 
Nacional Casa da Moeda | Março de 2005 
 PERELMAN, C...
Hélia Coelho Mello Cunha 
 Professora de Retórica nos Discursos da Atualidade (Curso 
de pós-graduação em Literatura, Mem...
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO

425 visualizações

Publicada em

No ensino de produção de textos dissertativos argumentativos, no Ensino Médio, no Brasil, atualmente, percebe-se que não é dada a devida importância ao estudo de sua estrutura. Como fazer uma introdução criativa que desperte o leitor para o tema, que sirva para criar comunhão com ele? Como apresentar uma boa sustentação à tese, convencendo e persuadindo o auditório? Como concluir o pensamento e assegurar o acordo? Nosso objetivo é propor que seja adotado, nas aulas, um modelo de estrutura baseado no apresentado na segunda parte da Retórica de Aristóteles: a disposição, que versa sobre o plano do discurso e sua construção. A partir da proposta aristotélica, apresentarmos estratégias que devem ser utilizadas em cada parte do texto para que se cumpram os objetivos de persuasão e convencimento. Percebemos, através da utilização desta prática nas aulas de Produção Textual, uma melhora significativa nos textos argumentativos produzidos pelos alunos.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
425
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
61
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO

  1. 1. ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO Hélia Coelho Mello Cunha
  2. 2. SITUAÇÃO ATUAL  No ensino de produção de textos dissertativos argumentativos, no Ensino Médio, no Brasil, atualmente, percebe-se que não é dada a devida importância ao estudo de sua estrutura.
  3. 3. PROBLEMAS:  Como fazer uma introdução criativa que desperte o leitor para o tema, que sirva para criar comunhão com ele?  Como apresentar uma boa sustentação à tese, convencendo e persuadindo o auditório?  Como concluir o pensamento e assegurar o acordo?
  4. 4. OBJETIVO  Nosso objetivo é propor que seja adotado, nas aulas, um modelo de estrutura baseado no apresentado na segunda parte da Retórica de Aristóteles: a disposição, que versa sobre o plano do discurso e sua construção.
  5. 5. ESTRUTURA - ESCOLAS/LIVROS DIDÁTICOS •INTRODUÇÃO: é a apresentação do assunto a ser desenvolvido; da tese, da ideia inicial, sem muitas explicações. •DESENVOLVIMENTO: é a justificativa da ideia inicial, com a apresentação de mais detalhes, exemplos, citações, etc. •CONCLUSÃO: retomada da ideia inicial, com a apresentação de um resumo do que foi exposto ou argumentado no desenvolvimento.
  6. 6. ESTRUTURA - ARISTÓTELES INTRODUÇÃO •Exórdio - serve para tornar o auditório receptivo à atuação do orador e fornecer uma introdução geral ao discurso, tornando claro seu propósito. Os exórdios dão uma indicação do assunto. (Introdução criativa -pretexto) •Enunciação da tese
  7. 7. ESTRUTURA - ARISTÓTELES DESENVOLVIMENTO •Prova - meios ou recursos persuasivos de que se vale o orador para convencer o auditório. (Argumentação)
  8. 8. ESTRUTURA - ARISTÓTELES CONCLUSÃO •Epílogo - tem por objetivo deixar no auditório uma boa impressão do orador e recapitular brevemente os pontos principais do discurso. (síntese da argumentação/ explicitação da tese e retomada do pretexto e/ou do título).
  9. 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Ser criativo na introdução e na conclusão , além de boa argumentação no desenvolvimento, é importante para que o autor de um texto dissertativo argumentativo cumpra os seus objetivos principais : persuasão e convencimento (pathos/logos) de um auditório.  Percebemos, através da utilização desta prática nas aulas de Produção Textual, uma melhora significativa nos textos argumentativos produzidos pelos alunos.
  10. 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  ARISTÓTELES Retórica. INCM - Imprensa Nacional Casa da Moeda | Março de 2005  PERELMAN, Chaïm. & OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da Argumentação - A Nova Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2ª ed, 2005.  REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
  11. 11. Hélia Coelho Mello Cunha  Professora de Retórica nos Discursos da Atualidade (Curso de pós-graduação em Literatura, Memória Cultural e Sociedade), Leitura e Produção Textual (Licenciatura em Letras) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense, Campus Campos dos Goytacazes- Centro.  Mestre em Cognição e Linguagem-Universidade Estadual do Norte-Fluminense Darcy Ribeiro (UENF).  Membro da Sociedade Brasileira de Retórica e International Society for the History of Rhetoric.  heliacoelho14@gmail.com / hcunha@iff.edu.br  Facebook; LINGUAAFI(N)ADA

×