SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
CONJUNÇÕES
 Além da preposição, há outra palavra que, na
frase, é usada como elemento de ligação: a
conjunção.
 Conjunção é a palavra invariável que liga duas
orações ou dois termos semelhantes de uma
mesma oração
CONJUNÇÃO
POR EXEMPLO:
A menina segurou a boneca e mostrou quando viu
as amiguinhas.
Deste exemplo podem ser retiradas três informações:
 segurou a boneca
 a menina mostrou
 viu as amiguinhas
Cada informação está estruturada em torno de um
verbo: segurou, mostrou, viu. Assim, há nessa frase três
orações:
 1ª oração: A menina segurou a boneca
 2ª oração: e mostrou
 3ª oração: quando viu as amiguinhas.
 A segunda oração liga-se à primeira por meio do
"e", e a terceira oração liga-se à segunda por meio
do "quando". As palavras "e" e "quando" ligam,
portanto, orações.
Observe:
Gosto de natação e de futebol.
 Nessa frase as expressões de natação, de futebol
são partes ou termos de uma mesma oração. Logo,
a palavra "e" está ligando termos de uma mesma
oração.
Conjunção é a palavra invariável que liga
duas orações ou dois termos semelhantes
de uma mesma oração.
MORFOSSINTAXE DA CONJUNÇÃO
 As conjunções, a exemplo das preposições, não
exercem propriamente uma função sintática:
são conectivos.
CLASSIFICAÇÃO DA CONJUNÇÃO
 De acordo com o tipo de relação que estabelecem,
as conjunções podem ser classificadas
em coordenativas subordinativas. No primeiro
caso, os elementos ligados pela conjunção podem
ser isolados um do outro. Esse isolamento, no
entanto, não acarreta perda da unidade de sentido
que cada um dos elementos possui. Já no segundo
caso, cada um dos elementos ligados pela
conjunção depende da existência do outro
CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 São aquelas que ligam orações de sentido
completo e independente ou termos da oração que
têm a mesma função gramatical. Subdividem-se
em:
 Aditivas
 Adversativas
 Alternativas
 Conclusivas
 Explicativas
ADITIVAS
 Expressam a ideia de soma, adição.
 São elas:
 E, nem (e não), mas também, como também,
bem como, não só, mais ainda...
 Exemplo:
A sua pesquisa é clara e objetiva.
Não gosto de verduras nem frutas.
ADVERSATIVAS
 Ligam duas orações ou palavras, expressando
ideia de contraste/oposição ou compensação.
 São elas:
 mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no
entanto, não obstante...
 Exemplo:
Não se esforçou muito, porém obteve um bom
resultado.
ALTERNATIVAS
 Ligam orações ou palavras, expressando ideia de
alternância ou escolha, indicando fatos que se
realizam separadamente.
 São elas:
 ou, ou... ou, ora... ora, já... já, quer... quer, seja...
seja, talvez... talvez.
 Exemplo:
Ou você estuda, ou você dorme.
CONCLUSIVAS
 Ligam a oração anterior a uma oração que expressa
ideia de conclusão ou consequência.
 São elas:
 logo, pois (depois do verbo), portanto, por
conseguinte, por isso, assim.
 Exemplo:
Possui um bom histórico profissional, logo não ficarás
desempregado.
Marta estava bem preparada para o teste, portanto não
ficou nervosa.
EXPLICATIVAS
 Ligam a oração anterior a uma oração que a
explica, que justifica a ideia nela contida.
 São elas:
 que, porque, pois (antes do verbo), porquanto.
 Exemplo:
Não demore, que o filme já vai começar.
Não compareci a festa porque não fui convidada.
SAIBA QUE:
 a) As conjunções "e"," antes", "agora","
quando" são adversativas quando equivalem
a "mas".
 Exemplo:
Carlos fala, e não faz.
O bom educador não proíbe, antes orienta.
Sou muito bom; agora, bobo não sou.
Foram mal na prova, quando poderiam ter ido
muito bem.
 b) "Senão" é conjunção adversativa quando
equivale a "mas sim".
 Exemplo:
Conseguimos vencer não por
protecionismo, senão por capacidade.
 c) Das conjunções adversativas, "mas" deve ser
empregada sempre no início da oração: as outras
(porém, todavia, contudo, etc.) podem vir no
início ou no meio.
 Exemplo:
Ninguém respondeu a pergunta, mas os alunos
sabiam a resposta.
Ninguém respondeu a pergunta; os alunos, porém,
sabiam a resposta.
 d) A palavra "pois", quando é conjunção
conclusiva, vem geralmente após um ou mais
termos da oração a que pertence.
 Exemplo:
Você o provocou com essas palavras; não se
queixe, pois, de seus ataques.
 Quando é conjunção explicativa," pois" vem,
geralmente, após um verbo no imperativo e sempre
no início da oração a que pertence.
 Exemplo:
Não tenha receio, pois eu a protegerei.
CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS
CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS
 São aquelas que ligam duas orações, sendo uma
delas dependente da outra. A oração dependente,
introduzida pelas conjunções subordinativas,
recebe o nome de oração subordinada.
 Veja o exemplo:
O baile já tinha começado quando ela chegou.
O baile já tinha começado: oração principal
quando: conjunção subordinativa
ela chegou: oração subordinada
 As conjunções subordinativas subdividem-se
em integrantes e adverbiais:
1. INTEGRANTES
 Indicam que a oração subordinada por elas
introduzida completa ou integra o sentido da
principal. Introduzem orações que equivalem a
substantivos. São elas: que, se.
 Exemplo:
Espero que você volte. (Espero sua volta.)
Não sei se ele voltará. (Não sei da sua volta.)
2. ADVERBIAIS
 Indicam que a oração subordinada por elas introduzida
exerce a função de adjunto adverbial da principal. De
acordo com a circunstância que expressam,
classificam-se em:
 Causais
 Consecutivas
 Comparativas
 Conformativas
 Concessivas
 Condicionais
 Proporcionais
 Finais
 Temporais
CAUSAIS
 Introduzem uma oração que é causa da ocorrência
da oração principal.
 São elas:
 porque, que, como (= porque, no início da
frase), pois que, visto que, uma vez que,
porquanto, já que, desde que, etc.
 Exemplo:
Ele não fez a pesquisa porque não dispunha de
meios.
Como não se interessa por arte, desistiu do curso.
CONSECUTIVAS
 Introduzem uma oração que expressa a
consequência da principal.
 São elas: de sorte que, de modo que, sem que (=
que não), de forma que, de jeito que, que (tendo
como antecedente na oração principal uma
palavra como tal, tão, cada, tanto, tamanho), etc.
 Exemplo:
Estudou tanto durante a noite que dormiu na hora do
exame.
A dor era tanta que a moça desmaiou.
COMPARATIVAS
 Introduzem uma oração que expressa ideia de
comparação com referência à oração principal.
 São elas: como, assim como, tal como, como se,
(tão)... como, tanto como, tanto quanto, do que,
quanto, tal, qual, tal qual, que nem, que
(combinado com menos ou mais), etc.
 Exemplo:
O jogo de hoje será mais difícil que o de ontem.
Ele é preguiçoso tal como o irmão.
CONFORMATIVAS
 Introduzem uma oração em que se exprime a
conformidade de um fato com outro.
 São elas:conforme, como (= conforme),
segundo, consoante, etc.
 Exemplo:
O passeio ocorreu como havíamos planejado.
Arrume a exposição segundo as ordens do
professor.
CONCESSIVAS
 Introduzem uma oração que expressa ideia
contrária à da principal, sem, no entanto, impedir
sua realização.
 São elas: embora, ainda que, apesar de que, se
bem que, mesmo que, por mais que, posto que,
conquanto, etc.
 Exemplo:
Embora fosse tarde, fomos visitá-lo.
Eu não desistirei desse plano mesmo que todos
me abandonem.
CONDICIONAIS
 Introduzem uma oração que indica a hipótese ou a
condição para ocorrência da principal.
 São elas: se, caso, contanto que, salvo se, a não
ser que, desde que, a menos que, sem que, etc.
 Exemplo:
Se precisar de minha ajuda, telefone-me.
Não irei ao escritório hoje, a não ser que haja
algum negócio muito urgente.
PROPORCIONAIS
 Introduzem uma oração que expressa um fato
relacionado proporcionalmente à ocorrência da
principal.
 São elas: à medida que, à proporção que, ao
passo que e as combinações quanto mais...
(mais), quanto menos... (menos), quanto
menos... (mais), quanto menos... (menos), etc.
 Exemplo:
O preço fica mais caro à medida que os produtos
escasseiam.
Quanto mais reclamava menos atenção recebia.
FINAIS
 Introduzem uma oração que expressa a finalidade
ou o objetivo com que se realiza a principal.
 São elas: para que, a fim de que, que, porque (=
para que), que, etc.
 Exemplo:
Toque o sinal para que todos entrem no salão.
Aproxime-se a fim de que possamos vê-lo melhor.
TEMPORAIS
 Introduzem uma oração que acrescenta uma
circunstância de tempo ao fato expresso na oração
principal.
 São elas:quando, enquanto, antes que, depois
que, logo que, todas as vezes que, desde que,
sempre que, assim que, agora que, mal (= assim
que), etc.
 Exemplo:
A briga começou assim que saímos da festa.
A cidade ficou mais triste depois que ele partiu.
LOCUÇÃO CONJUNTIVA
LOCUÇÃO CONJUNTIVA
 Recebem o nome de locução conjuntiva os
conjuntos de palavras que atuam como conjunção.
Essas locuções geralmente terminam
em "que". Observe os exemplos:
Locução conjuntiva
a fim de que
logo que
à medida que
desde que
ainda que
visto que
por mais que
à proporção que
ATENÇÃO:
 Muitas conjunções não têm classificação única,
imutável, devendo, portanto, ser classificadas
de acordo com o sentido que apresentam no
contexto. Assim, a conjunção que pode ser:
 1. Aditiva ( = e)
exemplo:
Esfrega que esfrega, mas a
mancha não sai.
 2. Explicativa
exemplo:
Apressemo-
nos, que chove.
 3. Integrante
exemplo:
Diga-lhe que não irei.
 4. Consecutiva
exemplo:
Onde estavas, que não te
vi?
 5. Comparativa
exemplo:
Ficou vermelho que nem
brasa.
 6. Concessiva
exemplo:
Beba, um pouco que seja.
 7. Temporal
exemplo:
Chegados que fomos,
dirigimo-nos ao hotel.
 8. Final
exemplo:
Vendo o amigo à janela, fez
sinal que descesse.
 9. Causal
exemplo:
"Velho que sou, apenas
conheço as flores do
meu tempo."
CONJUNÇÕES, LEITURA E PRODUÇÃO DE
TEXTOS
 O bom relacionamento entre as conjunções de um texto garante a
perfeita estruturação de suas frases e parágrafos, bem como a
compreensão eficaz de seu conteúdo. Interagindo com palavras de
outras classes gramaticais essenciais ao inter-relacionamento das
partes de frases e textos - como os pronomes, preposições, alguns
advérbios e numerais -, as conjunções fazem parte daquilo a que se
pode chamar de " a arquitetura textual", isto é, o conjunto das
relações que garantem a coesão do enunciado. O sucesso desse
conjunto de relações depende do conhecimento do valor relacional
das conjunções, uma vez que estas interferem semanticamente no
enunciado.
Dessa forma, deve-se dedicar atenção especial às conjunções tanto
na leitura como na produção de textos. Nos textos narrativos, elas
estão muitas vezes ligadas à expressão de circunstâncias
fundamentais à condução da história, como as noções de tempo,
finalidade, causa consequência. Nos textos dissertativos,
evidenciam muitas vezes a linha expositiva ou argumentativa
adotada - é o caso das exposições e argumentações construídas por
meio de contrastes e oposições, que implicam o uso das
adversativas e concessivas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoCDIM Daniel
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosLeisiane Jesus
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoJoyce de Oliveira
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavrascolveromachado
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância NominalAngela Santos
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbalPaolaLins
 
Orações coordenadas
Orações coordenadasOrações coordenadas
Orações coordenadasEdson Alves
 
ColocaçãO Pronominal
ColocaçãO PronominalColocaçãO Pronominal
ColocaçãO Pronominalguest0cbfe
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerenciasilnog
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeitoIedaSantana
 

Mais procurados (20)

Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância Nominal
 
Vozes verbais 8 ano
Vozes verbais 8 anoVozes verbais 8 ano
Vozes verbais 8 ano
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
 
Orações coordenadas
Orações coordenadasOrações coordenadas
Orações coordenadas
 
ColocaçãO Pronominal
ColocaçãO PronominalColocaçãO Pronominal
ColocaçãO Pronominal
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 

Destaque

Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunçãolaiiza
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasLidiane Rodrigues
 
Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
Conjunções e locuções conjuncionais (orações) Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
Conjunções e locuções conjuncionais (orações) Pework
 
N u m b e r s fl 1
N u m b e r s fl 1N u m b e r s fl 1
N u m b e r s fl 1neiasbs
 
Trabalho-Conjunção-Português
Trabalho-Conjunção-PortuguêsTrabalho-Conjunção-Português
Trabalho-Conjunção-PortuguêsAjudar Pessoas
 
Tempos verbais compostos
Tempos  verbais compostosTempos  verbais compostos
Tempos verbais compostosAlvaro Chaves
 
0 ficha de trabalho - numbers 1 - 20 (1)
0   ficha de trabalho - numbers 1 - 20 (1)0   ficha de trabalho - numbers 1 - 20 (1)
0 ficha de trabalho - numbers 1 - 20 (1)Jeane Viana
 
O porque dos porques
O porque dos porquesO porque dos porques
O porque dos porquesCleber Reis
 
O estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavrasO estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavrasItacarambi
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasAyla De Sá Marques
 
Exercícios sobre estrutura e formação de palavras
Exercícios sobre estrutura e formação de palavrasExercícios sobre estrutura e formação de palavras
Exercícios sobre estrutura e formação de palavrasma.no.el.ne.ves
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasLidia Araujo
 
Questoes sobre estrutura e formacao de palavras aocp
Questoes sobre estrutura e formacao de palavras aocpQuestoes sobre estrutura e formacao de palavras aocp
Questoes sobre estrutura e formacao de palavras aocpma.no.el.ne.ves
 
Conjunções Coordenativas
Conjunções CoordenativasConjunções Coordenativas
Conjunções CoordenativasPolly
 

Destaque (20)

Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
 
Conjuncao
ConjuncaoConjuncao
Conjuncao
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
 
Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
Conjunções e locuções conjuncionais (orações) Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
 
N u m b e r s fl 1
N u m b e r s fl 1N u m b e r s fl 1
N u m b e r s fl 1
 
Trabalho-Conjunção-Português
Trabalho-Conjunção-PortuguêsTrabalho-Conjunção-Português
Trabalho-Conjunção-Português
 
Tempos verbais compostos
Tempos  verbais compostosTempos  verbais compostos
Tempos verbais compostos
 
Uso das conjunções aditivas e adversativas
Uso das conjunções aditivas e adversativasUso das conjunções aditivas e adversativas
Uso das conjunções aditivas e adversativas
 
0 ficha de trabalho - numbers 1 - 20 (1)
0   ficha de trabalho - numbers 1 - 20 (1)0   ficha de trabalho - numbers 1 - 20 (1)
0 ficha de trabalho - numbers 1 - 20 (1)
 
O porque dos porques
O porque dos porquesO porque dos porques
O porque dos porques
 
O estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavrasO estudo da estrutura e formação das palavras
O estudo da estrutura e formação das palavras
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Exercícios sobre estrutura e formação de palavras
Exercícios sobre estrutura e formação de palavrasExercícios sobre estrutura e formação de palavras
Exercícios sobre estrutura e formação de palavras
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Questoes sobre estrutura e formacao de palavras aocp
Questoes sobre estrutura e formacao de palavras aocpQuestoes sobre estrutura e formacao de palavras aocp
Questoes sobre estrutura e formacao de palavras aocp
 
Conjunções Coordenativas
Conjunções CoordenativasConjunções Coordenativas
Conjunções Coordenativas
 

Semelhante a Conjunções

USO DE CONECTIVOS_CONJUNÇÕES_8º ANO.ppt
USO DE CONECTIVOS_CONJUNÇÕES_8º ANO.pptUSO DE CONECTIVOS_CONJUNÇÕES_8º ANO.ppt
USO DE CONECTIVOS_CONJUNÇÕES_8º ANO.pptProfa Denise Gonçalves
 
LP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptx
LP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptxLP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptx
LP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptxBerlaPaiva
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisEdson Alves
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisEdson Alves
 
Classes de palavras - Conjunção
Classes de palavras - ConjunçãoClasses de palavras - Conjunção
Classes de palavras - ConjunçãoArthur Wenderson
 
Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadasSinara Lustosa
 
Frase Oração e Período.pptx
Frase Oração e Período.pptxFrase Oração e Período.pptx
Frase Oração e Período.pptxTailsonSantos1
 
Uso formal da língua
Uso formal da línguaUso formal da língua
Uso formal da língua7 de Setembro
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisElaine Junger
 
Conjunções coordenação - subordinação - orações sub. adverbiais.
Conjunções   coordenação - subordinação - orações sub. adverbiais.Conjunções   coordenação - subordinação - orações sub. adverbiais.
Conjunções coordenação - subordinação - orações sub. adverbiais.Aires Jones
 
2022071080703-Aula 3 - Procesos de coordenacao e subordinacao (1).pdf
2022071080703-Aula 3 - Procesos de coordenacao e subordinacao (1).pdf2022071080703-Aula 3 - Procesos de coordenacao e subordinacao (1).pdf
2022071080703-Aula 3 - Procesos de coordenacao e subordinacao (1).pdfLucasBronney1
 
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp FinW19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp FinFernanda Soares
 
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxBruna Dantas
 
Valores semânticos dos conectivos
Valores semânticos dos conectivosValores semânticos dos conectivos
Valores semânticos dos conectivosAndré Ximenes
 

Semelhante a Conjunções (20)

USO DE CONECTIVOS_CONJUNÇÕES_8º ANO.ppt
USO DE CONECTIVOS_CONJUNÇÕES_8º ANO.pptUSO DE CONECTIVOS_CONJUNÇÕES_8º ANO.ppt
USO DE CONECTIVOS_CONJUNÇÕES_8º ANO.ppt
 
8 ano
8 ano8 ano
8 ano
 
Quadro dos pronomes
Quadro dos pronomesQuadro dos pronomes
Quadro dos pronomes
 
LP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptx
LP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptxLP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptx
LP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptx
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
Coord sub
Coord sub Coord sub
Coord sub
 
Classes de palavras - Conjunção
Classes de palavras - ConjunçãoClasses de palavras - Conjunção
Classes de palavras - Conjunção
 
Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadas
 
Frase Oração e Período.pptx
Frase Oração e Período.pptxFrase Oração e Período.pptx
Frase Oração e Período.pptx
 
Uso formal da língua
Uso formal da línguaUso formal da língua
Uso formal da língua
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
Conjunções coordenação - subordinação - orações sub. adverbiais.
Conjunções   coordenação - subordinação - orações sub. adverbiais.Conjunções   coordenação - subordinação - orações sub. adverbiais.
Conjunções coordenação - subordinação - orações sub. adverbiais.
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
2022071080703-Aula 3 - Procesos de coordenacao e subordinacao (1).pdf
2022071080703-Aula 3 - Procesos de coordenacao e subordinacao (1).pdf2022071080703-Aula 3 - Procesos de coordenacao e subordinacao (1).pdf
2022071080703-Aula 3 - Procesos de coordenacao e subordinacao (1).pdf
 
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp FinW19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
 
Conjuncoes2
Conjuncoes2Conjuncoes2
Conjuncoes2
 
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
 
Valores semânticos dos conectivos
Valores semânticos dos conectivosValores semânticos dos conectivos
Valores semânticos dos conectivos
 

Mais de Alice Silva

Significação de palavras aula 5
Significação de palavras   aula 5Significação de palavras   aula 5
Significação de palavras aula 5Alice Silva
 
Adjetivos aula 7
Adjetivos   aula 7Adjetivos   aula 7
Adjetivos aula 7Alice Silva
 
Autoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasilAutoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasilAlice Silva
 
Distância e Deslocamento slide
Distância e Deslocamento   slideDistância e Deslocamento   slide
Distância e Deslocamento slideAlice Silva
 
pontuaçãoPontuação aula 2
pontuaçãoPontuação   aula 2pontuaçãoPontuação   aula 2
pontuaçãoPontuação aula 2Alice Silva
 
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1Alice Silva
 

Mais de Alice Silva (11)

Substantivos
Substantivos  Substantivos
Substantivos
 
Significação de palavras aula 5
Significação de palavras   aula 5Significação de palavras   aula 5
Significação de palavras aula 5
 
Numeral aula 9
Numeral   aula 9Numeral   aula 9
Numeral aula 9
 
Artigo aula 8
Artigo   aula 8Artigo   aula 8
Artigo aula 8
 
Adjetivos aula 7
Adjetivos   aula 7Adjetivos   aula 7
Adjetivos aula 7
 
Autoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasilAutoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasil
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Distância e Deslocamento slide
Distância e Deslocamento   slideDistância e Deslocamento   slide
Distância e Deslocamento slide
 
pontuaçãoPontuação aula 2
pontuaçãoPontuação   aula 2pontuaçãoPontuação   aula 2
pontuaçãoPontuação aula 2
 
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
 
Porquês
PorquêsPorquês
Porquês
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 

Conjunções

  • 2.  Além da preposição, há outra palavra que, na frase, é usada como elemento de ligação: a conjunção.  Conjunção é a palavra invariável que liga duas orações ou dois termos semelhantes de uma mesma oração CONJUNÇÃO
  • 3. POR EXEMPLO: A menina segurou a boneca e mostrou quando viu as amiguinhas. Deste exemplo podem ser retiradas três informações:  segurou a boneca  a menina mostrou  viu as amiguinhas Cada informação está estruturada em torno de um verbo: segurou, mostrou, viu. Assim, há nessa frase três orações:  1ª oração: A menina segurou a boneca  2ª oração: e mostrou  3ª oração: quando viu as amiguinhas.
  • 4.  A segunda oração liga-se à primeira por meio do "e", e a terceira oração liga-se à segunda por meio do "quando". As palavras "e" e "quando" ligam, portanto, orações. Observe: Gosto de natação e de futebol.  Nessa frase as expressões de natação, de futebol são partes ou termos de uma mesma oração. Logo, a palavra "e" está ligando termos de uma mesma oração.
  • 5. Conjunção é a palavra invariável que liga duas orações ou dois termos semelhantes de uma mesma oração.
  • 6. MORFOSSINTAXE DA CONJUNÇÃO  As conjunções, a exemplo das preposições, não exercem propriamente uma função sintática: são conectivos.
  • 7. CLASSIFICAÇÃO DA CONJUNÇÃO  De acordo com o tipo de relação que estabelecem, as conjunções podem ser classificadas em coordenativas subordinativas. No primeiro caso, os elementos ligados pela conjunção podem ser isolados um do outro. Esse isolamento, no entanto, não acarreta perda da unidade de sentido que cada um dos elementos possui. Já no segundo caso, cada um dos elementos ligados pela conjunção depende da existência do outro
  • 9. CONJUNÇÕES COORDENATIVAS  São aquelas que ligam orações de sentido completo e independente ou termos da oração que têm a mesma função gramatical. Subdividem-se em:  Aditivas  Adversativas  Alternativas  Conclusivas  Explicativas
  • 10. ADITIVAS  Expressam a ideia de soma, adição.  São elas:  E, nem (e não), mas também, como também, bem como, não só, mais ainda...  Exemplo: A sua pesquisa é clara e objetiva. Não gosto de verduras nem frutas.
  • 11. ADVERSATIVAS  Ligam duas orações ou palavras, expressando ideia de contraste/oposição ou compensação.  São elas:  mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no entanto, não obstante...  Exemplo: Não se esforçou muito, porém obteve um bom resultado.
  • 12. ALTERNATIVAS  Ligam orações ou palavras, expressando ideia de alternância ou escolha, indicando fatos que se realizam separadamente.  São elas:  ou, ou... ou, ora... ora, já... já, quer... quer, seja... seja, talvez... talvez.  Exemplo: Ou você estuda, ou você dorme.
  • 13. CONCLUSIVAS  Ligam a oração anterior a uma oração que expressa ideia de conclusão ou consequência.  São elas:  logo, pois (depois do verbo), portanto, por conseguinte, por isso, assim.  Exemplo: Possui um bom histórico profissional, logo não ficarás desempregado. Marta estava bem preparada para o teste, portanto não ficou nervosa.
  • 14. EXPLICATIVAS  Ligam a oração anterior a uma oração que a explica, que justifica a ideia nela contida.  São elas:  que, porque, pois (antes do verbo), porquanto.  Exemplo: Não demore, que o filme já vai começar. Não compareci a festa porque não fui convidada.
  • 15. SAIBA QUE:  a) As conjunções "e"," antes", "agora"," quando" são adversativas quando equivalem a "mas".  Exemplo: Carlos fala, e não faz. O bom educador não proíbe, antes orienta. Sou muito bom; agora, bobo não sou. Foram mal na prova, quando poderiam ter ido muito bem.
  • 16.  b) "Senão" é conjunção adversativa quando equivale a "mas sim".  Exemplo: Conseguimos vencer não por protecionismo, senão por capacidade.
  • 17.  c) Das conjunções adversativas, "mas" deve ser empregada sempre no início da oração: as outras (porém, todavia, contudo, etc.) podem vir no início ou no meio.  Exemplo: Ninguém respondeu a pergunta, mas os alunos sabiam a resposta. Ninguém respondeu a pergunta; os alunos, porém, sabiam a resposta.
  • 18.  d) A palavra "pois", quando é conjunção conclusiva, vem geralmente após um ou mais termos da oração a que pertence.  Exemplo: Você o provocou com essas palavras; não se queixe, pois, de seus ataques.
  • 19.  Quando é conjunção explicativa," pois" vem, geralmente, após um verbo no imperativo e sempre no início da oração a que pertence.  Exemplo: Não tenha receio, pois eu a protegerei.
  • 21. CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS  São aquelas que ligam duas orações, sendo uma delas dependente da outra. A oração dependente, introduzida pelas conjunções subordinativas, recebe o nome de oração subordinada.  Veja o exemplo: O baile já tinha começado quando ela chegou. O baile já tinha começado: oração principal quando: conjunção subordinativa ela chegou: oração subordinada  As conjunções subordinativas subdividem-se em integrantes e adverbiais:
  • 22. 1. INTEGRANTES  Indicam que a oração subordinada por elas introduzida completa ou integra o sentido da principal. Introduzem orações que equivalem a substantivos. São elas: que, se.  Exemplo: Espero que você volte. (Espero sua volta.) Não sei se ele voltará. (Não sei da sua volta.)
  • 23. 2. ADVERBIAIS  Indicam que a oração subordinada por elas introduzida exerce a função de adjunto adverbial da principal. De acordo com a circunstância que expressam, classificam-se em:  Causais  Consecutivas  Comparativas  Conformativas  Concessivas  Condicionais  Proporcionais  Finais  Temporais
  • 24. CAUSAIS  Introduzem uma oração que é causa da ocorrência da oração principal.  São elas:  porque, que, como (= porque, no início da frase), pois que, visto que, uma vez que, porquanto, já que, desde que, etc.  Exemplo: Ele não fez a pesquisa porque não dispunha de meios. Como não se interessa por arte, desistiu do curso.
  • 25. CONSECUTIVAS  Introduzem uma oração que expressa a consequência da principal.  São elas: de sorte que, de modo que, sem que (= que não), de forma que, de jeito que, que (tendo como antecedente na oração principal uma palavra como tal, tão, cada, tanto, tamanho), etc.  Exemplo: Estudou tanto durante a noite que dormiu na hora do exame. A dor era tanta que a moça desmaiou.
  • 26. COMPARATIVAS  Introduzem uma oração que expressa ideia de comparação com referência à oração principal.  São elas: como, assim como, tal como, como se, (tão)... como, tanto como, tanto quanto, do que, quanto, tal, qual, tal qual, que nem, que (combinado com menos ou mais), etc.  Exemplo: O jogo de hoje será mais difícil que o de ontem. Ele é preguiçoso tal como o irmão.
  • 27. CONFORMATIVAS  Introduzem uma oração em que se exprime a conformidade de um fato com outro.  São elas:conforme, como (= conforme), segundo, consoante, etc.  Exemplo: O passeio ocorreu como havíamos planejado. Arrume a exposição segundo as ordens do professor.
  • 28. CONCESSIVAS  Introduzem uma oração que expressa ideia contrária à da principal, sem, no entanto, impedir sua realização.  São elas: embora, ainda que, apesar de que, se bem que, mesmo que, por mais que, posto que, conquanto, etc.  Exemplo: Embora fosse tarde, fomos visitá-lo. Eu não desistirei desse plano mesmo que todos me abandonem.
  • 29. CONDICIONAIS  Introduzem uma oração que indica a hipótese ou a condição para ocorrência da principal.  São elas: se, caso, contanto que, salvo se, a não ser que, desde que, a menos que, sem que, etc.  Exemplo: Se precisar de minha ajuda, telefone-me. Não irei ao escritório hoje, a não ser que haja algum negócio muito urgente.
  • 30. PROPORCIONAIS  Introduzem uma oração que expressa um fato relacionado proporcionalmente à ocorrência da principal.  São elas: à medida que, à proporção que, ao passo que e as combinações quanto mais... (mais), quanto menos... (menos), quanto menos... (mais), quanto menos... (menos), etc.  Exemplo: O preço fica mais caro à medida que os produtos escasseiam. Quanto mais reclamava menos atenção recebia.
  • 31. FINAIS  Introduzem uma oração que expressa a finalidade ou o objetivo com que se realiza a principal.  São elas: para que, a fim de que, que, porque (= para que), que, etc.  Exemplo: Toque o sinal para que todos entrem no salão. Aproxime-se a fim de que possamos vê-lo melhor.
  • 32. TEMPORAIS  Introduzem uma oração que acrescenta uma circunstância de tempo ao fato expresso na oração principal.  São elas:quando, enquanto, antes que, depois que, logo que, todas as vezes que, desde que, sempre que, assim que, agora que, mal (= assim que), etc.  Exemplo: A briga começou assim que saímos da festa. A cidade ficou mais triste depois que ele partiu.
  • 34. LOCUÇÃO CONJUNTIVA  Recebem o nome de locução conjuntiva os conjuntos de palavras que atuam como conjunção. Essas locuções geralmente terminam em "que". Observe os exemplos: Locução conjuntiva a fim de que logo que à medida que desde que ainda que visto que por mais que à proporção que
  • 35. ATENÇÃO:  Muitas conjunções não têm classificação única, imutável, devendo, portanto, ser classificadas de acordo com o sentido que apresentam no contexto. Assim, a conjunção que pode ser:
  • 36.  1. Aditiva ( = e) exemplo: Esfrega que esfrega, mas a mancha não sai.  2. Explicativa exemplo: Apressemo- nos, que chove.  3. Integrante exemplo: Diga-lhe que não irei.  4. Consecutiva exemplo: Onde estavas, que não te vi?  5. Comparativa exemplo: Ficou vermelho que nem brasa.  6. Concessiva exemplo: Beba, um pouco que seja.  7. Temporal exemplo: Chegados que fomos, dirigimo-nos ao hotel.  8. Final exemplo: Vendo o amigo à janela, fez sinal que descesse.  9. Causal exemplo: "Velho que sou, apenas conheço as flores do meu tempo."
  • 37. CONJUNÇÕES, LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS  O bom relacionamento entre as conjunções de um texto garante a perfeita estruturação de suas frases e parágrafos, bem como a compreensão eficaz de seu conteúdo. Interagindo com palavras de outras classes gramaticais essenciais ao inter-relacionamento das partes de frases e textos - como os pronomes, preposições, alguns advérbios e numerais -, as conjunções fazem parte daquilo a que se pode chamar de " a arquitetura textual", isto é, o conjunto das relações que garantem a coesão do enunciado. O sucesso desse conjunto de relações depende do conhecimento do valor relacional das conjunções, uma vez que estas interferem semanticamente no enunciado. Dessa forma, deve-se dedicar atenção especial às conjunções tanto na leitura como na produção de textos. Nos textos narrativos, elas estão muitas vezes ligadas à expressão de circunstâncias fundamentais à condução da história, como as noções de tempo, finalidade, causa consequência. Nos textos dissertativos, evidenciam muitas vezes a linha expositiva ou argumentativa adotada - é o caso das exposições e argumentações construídas por meio de contrastes e oposições, que implicam o uso das adversativas e concessivas.

Notas do Editor

  1. Obs.: são incorretas as locuções proporcionais à medida em que, na medida que e na medida em que.