SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Prof. Guilherme Lemos.
RELEVO TERRESTRE E
SUBMARINO:
• Origem do Homem. Dobramentos
Modernos.
• De 1 milhão a 69 milhões de anos.
CENOZÓICA
• De 70 a 220 milhões de anos.
• Grandes répteis (dinossauros) e origem
dos mamíferos.
MESOZÓICA
• De 220 a 600 milhões de anos.
• Florestas primitivas, peixes e Pangeia.PALEOZÓICA
PRÉ-
CAMBRIANO
AZÓICA
•De 600 milhões a mais de 1 bilhão de anos.
•Vida primitiva nos oceanos.
•4,5 bilhões de anos.
•Formação da Terra.
Relevo: são as diversas formas da
superfície terrestre, resultantes dos
chamados agentes internos e externos
de formação do relevo.
A ciência que se ocupa no estudo do
relevo é a Geomorfologia.
O estudo do relevo divide-se em duas:
Relevo Submarino e Relevo
Continental.
FORMAS DE RELEVO SUBMARINO
 Plataforma continental: continuação do
continente, chegando até 200 m de
profundidade e com importantes atividades
econômicas associadas;
 Talude Continental: região de transição entre a
plataforma continental e a região pelágica –
declive acentuado.
 Região pelágica: região marcada por diversas
formas de relevo e profundidades que variam de
1000m até 5000 m.
 Região abissal: profundidades superiores a
5000m, com pouca luminosidade e grandes
pressões – Seres vivos estranhos.
RELEVO CONTINENTAL
 Montanhas: Regiões geralmente acima de 3000
m de altitude, formadas por dobras, falhas, arcos
vulcânicos e erosões.
 Planaltos: superfícies irregulares com altitudes
acima de 300 m, onde o processo de erosão é
maior que o processo de sedimentação.
 Planícies: superfícies planas com altitudes
inferiores a 100 m, onde o processo de
sedimentação é maior que o de erosão.
 Depressões: áreas mais ou menos planas que
sofreram prolongados processos de erosão. As
altitudes variam de 100 a 500 m e dividem-se em
depressões relativas e depressões absolutas.
Descrição Magnitude Efeitos Frequência
Micro < 2,0 Micro tremor de terra, não se sente[1]. ~ 8000 por dia
Muito
pequeno
2,0-2,9 Geralmente não se sente mas é
detectado/registado.
~1000 por dia
Pequeno 3,0-3,9 Frequentemente sentido mas raramente causa
danos.
~49000 por ano
Ligeiro 4,0-4,9 Tremor notório de objectos no interior de
habitações, ruídos de choque entre objectos.
Danos importantes pouco comuns.
~ 6200 por ano
Moderado 5,0-5,9 Pode causar danos maiores em edifícios mal
concebidos em zonas restritas. Provoca danos
ligeiros nos edifícios bem construídos.
800 por ano
Forte 6,0-6,9 Pode ser destruidor em zonas num raio de até
180 quilómetros em áreas habitadas.
120 por ano
Grande 7,0-7,9 Pode provocar danos graves em zonas mais
vastas.
18 por ano
Importante 8,0-8,9 Pode causar danos sérios em zonas num raio
de centenas de quilómetros.
1 por ano
Excepcional 9,0 < Devasta zonas num raio de milhares de
quilómetros.
1 a cada 20
anos
A Escala Richter – Elaborada em 1935, por Charles Francis Richter e
Beno Gutemberg. Maior registro: 9,5 na escala Richter, Chile (1960).
X SAIR
ALISONWRIGHT/CORBIS/LATINSTOCK
2. As principais formas de relevo terrestre
O Everest, na Ásia, é o pico mais alto da Terra.
Montanhas
As principais unidades do relevo
Planaltos:
superfícies mais
ou menos
planas em que
predominam
processos de
erosão.
X SAIR2. As principais formas de relevo terrestre
Planaltos
Serra da Bocaina (SP)
IVANIASANT'ANNA/KINO
Mar de morros
com o vale do
Paraíba (SP)
ao fundo
Chapada Diamantina (BA)
Escarpa
As principais unidades do relevo
Depressões:
superfícies que
sofreram grave
processo
erosivo, estando
acima ou abaixo
do nível do mar.
X SAIR2. As principais formas de relevo terrestre
Perfil de relevo: região Nordeste do Brasil, sentido oeste-leste. A depressão Sertaneja,
uma depressão relativa, localiza-se a oeste do planalto da Borborema (PE).
O mar Morto é um lago de águas salgadas em uma depressão absoluta.
Podem ser:
 absolutas
 relativas
Depressões
ATLANTIDEPHOTOTRAVEL/CORBIS/LATINSTOCK
As principais unidades do relevo
 Planícies: superfícies mais
ou menos planas em que
predominam processos de
sedimentação.
 Planícies costeiras: regiões
litorâneas.
 Planícies continentais:
interior do país.
X SAIR2. As principais formas de relevo terrestre
Planícies
Planície do rio
Ganges, Varanasi (Índia)
YANNARTHUS-BERTRAND/CORBIS/LATINSTOCK
Estrutura Geológica do Brasil
É de formação geológica antiga;
Apresenta escudos, bacias sedimentares
e dobramentos antigos;
64% do território – bacias
sedimentares, 36% escudos cristalinos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

áSia Quadro Economico E Humano Aula
áSia   Quadro Economico E Humano   AulaáSia   Quadro Economico E Humano   Aula
áSia Quadro Economico E Humano Aula
Luciano Pessanha
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
DANUBIA ZANOTELLI
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Laisa Cabral Caetano
 
Relevo brasileiro e solos
Relevo brasileiro e solosRelevo brasileiro e solos
Relevo brasileiro e solos
edsonluz
 
8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica
Alexandre Alves
 
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm baGeografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Nilberte
 

Mais procurados (20)

Localização do território brasileiro
Localização do território brasileiroLocalização do território brasileiro
Localização do território brasileiro
 
áSia Quadro Economico E Humano Aula
áSia   Quadro Economico E Humano   AulaáSia   Quadro Economico E Humano   Aula
áSia Quadro Economico E Humano Aula
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
 
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da ÁsiaModulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
 
Aula 51 (áfrica clima e vegetação)
Aula 51 (áfrica  clima e vegetação)Aula 51 (áfrica  clima e vegetação)
Aula 51 (áfrica clima e vegetação)
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Modulo 11 - A população dos Estados Unidos
Modulo 11 - A população dos Estados UnidosModulo 11 - A população dos Estados Unidos
Modulo 11 - A população dos Estados Unidos
 
8º Ano - Módulo 01 - Região e Regionalização
8º Ano - Módulo 01 - Região e Regionalização8º Ano - Módulo 01 - Região e Regionalização
8º Ano - Módulo 01 - Região e Regionalização
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do Brasil
 
Africa Quadro Natural
Africa   Quadro NaturalAfrica   Quadro Natural
Africa Quadro Natural
 
Relevo brasileiro e solos
Relevo brasileiro e solosRelevo brasileiro e solos
Relevo brasileiro e solos
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica
 
Aspectos Naturais da America Central
Aspectos Naturais da America CentralAspectos Naturais da America Central
Aspectos Naturais da America Central
 
Unidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do SulUnidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do Sul
 
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm baGeografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
 
O continente americano
O continente americanoO continente americano
O continente americano
 

Destaque

Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
agendab
 
Código penal drogas e pedofilia 2
Código penal   drogas e pedofilia 2Código penal   drogas e pedofilia 2
Código penal drogas e pedofilia 2
Guilherme Lemos
 
Océano glacial ártico
Océano glacial árticoOcéano glacial ártico
Océano glacial ártico
marthavergara
 
mecanica de fluidos
mecanica de fluidosmecanica de fluidos
mecanica de fluidos
TeFy Mejia
 

Destaque (20)

Submarino
SubmarinoSubmarino
Submarino
 
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
 
Unidade 3 e 4 pptx
Unidade 3 e 4 pptxUnidade 3 e 4 pptx
Unidade 3 e 4 pptx
 
Código penal drogas e pedofilia 2
Código penal   drogas e pedofilia 2Código penal   drogas e pedofilia 2
Código penal drogas e pedofilia 2
 
POLÊMICA SOBRE PESQUISA DO IPEA - "NÃO MEREÇO SER ESTUPRADA".
POLÊMICA SOBRE PESQUISA DO IPEA - "NÃO MEREÇO SER ESTUPRADA".POLÊMICA SOBRE PESQUISA DO IPEA - "NÃO MEREÇO SER ESTUPRADA".
POLÊMICA SOBRE PESQUISA DO IPEA - "NÃO MEREÇO SER ESTUPRADA".
 
Los submarinos
Los submarinosLos submarinos
Los submarinos
 
Pátria Educadora
Pátria EducadoraPátria Educadora
Pátria Educadora
 
Los submarinos
Los submarinosLos submarinos
Los submarinos
 
Maratona de Atualidades - Prof. Guilherme Lemos 2014
Maratona de Atualidades - Prof. Guilherme Lemos 2014Maratona de Atualidades - Prof. Guilherme Lemos 2014
Maratona de Atualidades - Prof. Guilherme Lemos 2014
 
Pena de morte - Maratona de Atualidades
Pena de morte - Maratona de AtualidadesPena de morte - Maratona de Atualidades
Pena de morte - Maratona de Atualidades
 
Océano glacial ártico
Océano glacial árticoOcéano glacial ártico
Océano glacial ártico
 
mecanica de fluidos
mecanica de fluidosmecanica de fluidos
mecanica de fluidos
 
Mecanica de fluidos
Mecanica de fluidosMecanica de fluidos
Mecanica de fluidos
 
Submarino
SubmarinoSubmarino
Submarino
 
PROGRAMA MAIS MÉDICOS - SITUAÇÃO TRABALHISTA DOS CUBANOS
PROGRAMA MAIS MÉDICOS - SITUAÇÃO TRABALHISTA DOS CUBANOSPROGRAMA MAIS MÉDICOS - SITUAÇÃO TRABALHISTA DOS CUBANOS
PROGRAMA MAIS MÉDICOS - SITUAÇÃO TRABALHISTA DOS CUBANOS
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Hidrostatica
HidrostaticaHidrostatica
Hidrostatica
 
Ataque ao jornal satírico Charlie Hebdo
Ataque ao jornal satírico Charlie HebdoAtaque ao jornal satírico Charlie Hebdo
Ataque ao jornal satírico Charlie Hebdo
 
Los submarinos
Los submarinosLos submarinos
Los submarinos
 
Flotabilidad.
Flotabilidad.Flotabilidad.
Flotabilidad.
 

Semelhante a Relevo Submarino e Eras Geológicas

Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2
Maria João Carlos
 
Geologia E Geomorfologia
Geologia E GeomorfologiaGeologia E Geomorfologia
Geologia E Geomorfologia
guestd20fb9
 

Semelhante a Relevo Submarino e Eras Geológicas (20)

Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
Formação da terra
Formação da terraFormação da terra
Formação da terra
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Aula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continentalAula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continental
 
Relevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptxRelevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptx
 
Geologia2013
Geologia2013Geologia2013
Geologia2013
 
Aula capitulo 10
Aula capitulo 10Aula capitulo 10
Aula capitulo 10
 
Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2
 
Cartilha sismologia
Cartilha sismologiaCartilha sismologia
Cartilha sismologia
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Paisagens terrestres e as formas de relevo
Paisagens  terrestres e as formas de relevoPaisagens  terrestres e as formas de relevo
Paisagens terrestres e as formas de relevo
 
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadoresIECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
 
Geologia E Geomorfologia
Geologia E GeomorfologiaGeologia E Geomorfologia
Geologia E Geomorfologia
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
agentes do relevo.pdf
agentes do relevo.pdfagentes do relevo.pdf
agentes do relevo.pdf
 

Mais de Guilherme Lemos

Rolezinhos - Conceito e Precedentes
Rolezinhos - Conceito e PrecedentesRolezinhos - Conceito e Precedentes
Rolezinhos - Conceito e Precedentes
Guilherme Lemos
 

Mais de Guilherme Lemos (20)

O grupo terrorista Estado Islâmico
O grupo terrorista Estado IslâmicoO grupo terrorista Estado Islâmico
O grupo terrorista Estado Islâmico
 
PREVISÃO DE ATUALIDADES - DESTAK TURMAS FMJ
PREVISÃO DE ATUALIDADES - DESTAK TURMAS FMJPREVISÃO DE ATUALIDADES - DESTAK TURMAS FMJ
PREVISÃO DE ATUALIDADES - DESTAK TURMAS FMJ
 
ESTRUTURA INTERNA DA TERRA
ESTRUTURA INTERNA DA TERRAESTRUTURA INTERNA DA TERRA
ESTRUTURA INTERNA DA TERRA
 
CRISE DA PETROBRÁS
CRISE DA PETROBRÁSCRISE DA PETROBRÁS
CRISE DA PETROBRÁS
 
GASTOS COM A COPA DO MUNDO
GASTOS COM A COPA DO MUNDOGASTOS COM A COPA DO MUNDO
GASTOS COM A COPA DO MUNDO
 
EXPLORANDO MELHOR GASTOS COM A COPA
EXPLORANDO MELHOR GASTOS COM A COPAEXPLORANDO MELHOR GASTOS COM A COPA
EXPLORANDO MELHOR GASTOS COM A COPA
 
LADO B DA COPA DO MUNDO - O LEGADO DO MEGAEVENTO.
LADO B DA COPA DO MUNDO - O LEGADO DO MEGAEVENTO.LADO B DA COPA DO MUNDO - O LEGADO DO MEGAEVENTO.
LADO B DA COPA DO MUNDO - O LEGADO DO MEGAEVENTO.
 
ORIENTE MÉDIO - ÁSIA (1º ANO - OBJETIVO)
ORIENTE MÉDIO - ÁSIA (1º ANO - OBJETIVO)ORIENTE MÉDIO - ÁSIA (1º ANO - OBJETIVO)
ORIENTE MÉDIO - ÁSIA (1º ANO - OBJETIVO)
 
Marco Civil da Internet - AI-5 DIGITAL OU CONSTITUIÇÃO DA INTERNET?
Marco Civil da Internet - AI-5 DIGITAL OU CONSTITUIÇÃO DA INTERNET?Marco Civil da Internet - AI-5 DIGITAL OU CONSTITUIÇÃO DA INTERNET?
Marco Civil da Internet - AI-5 DIGITAL OU CONSTITUIÇÃO DA INTERNET?
 
TRÁFICO HUMANO - CF 2014 - UNODC
TRÁFICO HUMANO - CF 2014 - UNODCTRÁFICO HUMANO - CF 2014 - UNODC
TRÁFICO HUMANO - CF 2014 - UNODC
 
Eutanásia na sociedade atual
Eutanásia na sociedade atualEutanásia na sociedade atual
Eutanásia na sociedade atual
 
MAPA DA VIOLÊNCIA: PEDRINHAS -MARANHÃO.
MAPA DA VIOLÊNCIA: PEDRINHAS -MARANHÃO.MAPA DA VIOLÊNCIA: PEDRINHAS -MARANHÃO.
MAPA DA VIOLÊNCIA: PEDRINHAS -MARANHÃO.
 
PROTESTOS NA UCRÂNIA: A DISPUTA DE FORÇAS.
PROTESTOS NA UCRÂNIA: A DISPUTA DE FORÇAS.PROTESTOS NA UCRÂNIA: A DISPUTA DE FORÇAS.
PROTESTOS NA UCRÂNIA: A DISPUTA DE FORÇAS.
 
COPA DO MUNDO NO BRASIL: FRANCE FOOTBALL
COPA DO MUNDO NO BRASIL: FRANCE FOOTBALLCOPA DO MUNDO NO BRASIL: FRANCE FOOTBALL
COPA DO MUNDO NO BRASIL: FRANCE FOOTBALL
 
PROTESTOS NA VENEZUELA-MOVIMENTO 12F OU A SAÍDA EU APOIO!
PROTESTOS NA VENEZUELA-MOVIMENTO 12F OU A SAÍDA EU APOIO!PROTESTOS NA VENEZUELA-MOVIMENTO 12F OU A SAÍDA EU APOIO!
PROTESTOS NA VENEZUELA-MOVIMENTO 12F OU A SAÍDA EU APOIO!
 
REDES SOCIAIS - FACEBOOK.
REDES SOCIAIS - FACEBOOK.REDES SOCIAIS - FACEBOOK.
REDES SOCIAIS - FACEBOOK.
 
Rolezinhos - Conceito e Precedentes
Rolezinhos - Conceito e PrecedentesRolezinhos - Conceito e Precedentes
Rolezinhos - Conceito e Precedentes
 
MOVIMENTO "NÃO VAI TER COPA" E OS ROLEZINHOS
MOVIMENTO "NÃO VAI TER COPA" E OS ROLEZINHOSMOVIMENTO "NÃO VAI TER COPA" E OS ROLEZINHOS
MOVIMENTO "NÃO VAI TER COPA" E OS ROLEZINHOS
 
Rolezinhos
RolezinhosRolezinhos
Rolezinhos
 
DEMOGRAFIA MUNDIAL E A PRÁTICA DA ENTOMOFAGIA
DEMOGRAFIA MUNDIAL E A PRÁTICA DA ENTOMOFAGIADEMOGRAFIA MUNDIAL E A PRÁTICA DA ENTOMOFAGIA
DEMOGRAFIA MUNDIAL E A PRÁTICA DA ENTOMOFAGIA
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 

Relevo Submarino e Eras Geológicas

  • 1. Prof. Guilherme Lemos. RELEVO TERRESTRE E SUBMARINO:
  • 2. • Origem do Homem. Dobramentos Modernos. • De 1 milhão a 69 milhões de anos. CENOZÓICA • De 70 a 220 milhões de anos. • Grandes répteis (dinossauros) e origem dos mamíferos. MESOZÓICA • De 220 a 600 milhões de anos. • Florestas primitivas, peixes e Pangeia.PALEOZÓICA PRÉ- CAMBRIANO AZÓICA •De 600 milhões a mais de 1 bilhão de anos. •Vida primitiva nos oceanos. •4,5 bilhões de anos. •Formação da Terra.
  • 3.
  • 4. Relevo: são as diversas formas da superfície terrestre, resultantes dos chamados agentes internos e externos de formação do relevo. A ciência que se ocupa no estudo do relevo é a Geomorfologia. O estudo do relevo divide-se em duas: Relevo Submarino e Relevo Continental.
  • 5.
  • 6.
  • 7. FORMAS DE RELEVO SUBMARINO  Plataforma continental: continuação do continente, chegando até 200 m de profundidade e com importantes atividades econômicas associadas;  Talude Continental: região de transição entre a plataforma continental e a região pelágica – declive acentuado.  Região pelágica: região marcada por diversas formas de relevo e profundidades que variam de 1000m até 5000 m.  Região abissal: profundidades superiores a 5000m, com pouca luminosidade e grandes pressões – Seres vivos estranhos.
  • 8.
  • 9.
  • 10. RELEVO CONTINENTAL  Montanhas: Regiões geralmente acima de 3000 m de altitude, formadas por dobras, falhas, arcos vulcânicos e erosões.  Planaltos: superfícies irregulares com altitudes acima de 300 m, onde o processo de erosão é maior que o processo de sedimentação.  Planícies: superfícies planas com altitudes inferiores a 100 m, onde o processo de sedimentação é maior que o de erosão.  Depressões: áreas mais ou menos planas que sofreram prolongados processos de erosão. As altitudes variam de 100 a 500 m e dividem-se em depressões relativas e depressões absolutas.
  • 11. Descrição Magnitude Efeitos Frequência Micro < 2,0 Micro tremor de terra, não se sente[1]. ~ 8000 por dia Muito pequeno 2,0-2,9 Geralmente não se sente mas é detectado/registado. ~1000 por dia Pequeno 3,0-3,9 Frequentemente sentido mas raramente causa danos. ~49000 por ano Ligeiro 4,0-4,9 Tremor notório de objectos no interior de habitações, ruídos de choque entre objectos. Danos importantes pouco comuns. ~ 6200 por ano Moderado 5,0-5,9 Pode causar danos maiores em edifícios mal concebidos em zonas restritas. Provoca danos ligeiros nos edifícios bem construídos. 800 por ano Forte 6,0-6,9 Pode ser destruidor em zonas num raio de até 180 quilómetros em áreas habitadas. 120 por ano Grande 7,0-7,9 Pode provocar danos graves em zonas mais vastas. 18 por ano Importante 8,0-8,9 Pode causar danos sérios em zonas num raio de centenas de quilómetros. 1 por ano Excepcional 9,0 < Devasta zonas num raio de milhares de quilómetros. 1 a cada 20 anos A Escala Richter – Elaborada em 1935, por Charles Francis Richter e Beno Gutemberg. Maior registro: 9,5 na escala Richter, Chile (1960).
  • 12. X SAIR ALISONWRIGHT/CORBIS/LATINSTOCK 2. As principais formas de relevo terrestre O Everest, na Ásia, é o pico mais alto da Terra. Montanhas
  • 13. As principais unidades do relevo Planaltos: superfícies mais ou menos planas em que predominam processos de erosão.
  • 14. X SAIR2. As principais formas de relevo terrestre Planaltos Serra da Bocaina (SP) IVANIASANT'ANNA/KINO Mar de morros com o vale do Paraíba (SP) ao fundo Chapada Diamantina (BA) Escarpa
  • 15. As principais unidades do relevo Depressões: superfícies que sofreram grave processo erosivo, estando acima ou abaixo do nível do mar.
  • 16. X SAIR2. As principais formas de relevo terrestre Perfil de relevo: região Nordeste do Brasil, sentido oeste-leste. A depressão Sertaneja, uma depressão relativa, localiza-se a oeste do planalto da Borborema (PE). O mar Morto é um lago de águas salgadas em uma depressão absoluta. Podem ser:  absolutas  relativas Depressões ATLANTIDEPHOTOTRAVEL/CORBIS/LATINSTOCK
  • 17. As principais unidades do relevo  Planícies: superfícies mais ou menos planas em que predominam processos de sedimentação.  Planícies costeiras: regiões litorâneas.  Planícies continentais: interior do país.
  • 18. X SAIR2. As principais formas de relevo terrestre Planícies Planície do rio Ganges, Varanasi (Índia) YANNARTHUS-BERTRAND/CORBIS/LATINSTOCK
  • 19. Estrutura Geológica do Brasil É de formação geológica antiga; Apresenta escudos, bacias sedimentares e dobramentos antigos; 64% do território – bacias sedimentares, 36% escudos cristalinos.