SlideShare uma empresa Scribd logo
Relevo Continental
COLÉGIO SALESIANO ITAJAÍ
PROFESSORA: CONCEIÇÃO
FONTOLAN
ALUNAS: FLÁVIA BACKES N°
12, MARIA EDUARDA SOUZA
N° 28, MARIA JÚLIA DE
OLIVEIRA N° 29 E LAURA
CASINI N° 42.
1° ANO B/ 2017
INTRODUÇÃO
 O que é relevo?;
 Fatores de relevo;
 Formas de relevos;
 Planalto;
 Planície;
 Montanha;
 Cordilheira;
 Depressões;
 Escarpa;
• Falésias;
• Chapadas;
• Tabuleiros;
• Serras;
• Patamar;
• Coxilha;
• Regiões do Brasil e seus
relevos;
• Questões;
• Vídeo;
• Fontes.
O QUE É RELEVO?
• O relevo é formado pelas diversas formas da superfície
terrestre, mostrando-se como resultado de bilhões de
anos que antecederam a atualidade.
• Marca a história
geológica do pla-
neta, e mostra
ser algo dinâ-
mico, que se
mantém em
constante trans-
formação.
FATORES DE RELEVO
 Os fatores internos são responsáveis pela elevação ou
rebaixamento da superfície da crosta terrestre, os
fatores externos, por sua vez, causam modificações
nessa superfície.
Internos(formadores): tectonismo, vulcanismo e
abalos sísmicos;
Externos(modeladores): intemperismos, águas
correntes, vento, mar, gelo, seres vivos, entre outros.
FORMAS DE RELEVOS
 Resultado da ação de forças exógenas, desgastando
as estruturas do relevo.
 Esses processos produzem uma enorme diversidade
de formas, estruturas e rochas na superfície.
PLANALTO
 São superfícies elevadas, com áreas de altitude
variadas e limitadas.
 Entre os fatores externos, predominam os agentes de
desgaste, e não os de sedimentação.
 Os planaltos típicos são de estrutura sedimentar,
mas podem ser formados pelo soerguimento de
blocos magmáticos.
PLANÍCIE
 Caracterizadas por superfície relativamente
plana(pouca ou nenhuma variação de altitude).
 Processos de deposição superam os de erosão.
• Podem ser classificadas em
planícies costeiras, quando o
agente de sedimentação é o
mar; fluviais, quando um rio é
responsável por sua formação, e
planícies de origem lacustre, ou
seja, formadas pela ação de um
lago.
MONTANHAS
 São aquelas regiões em que ainda hoje os processos internos
superam os externos, ou seja, o soerguimento é mais forte
que a erosão. Os Andes, as Rochosas, os Alpes, o Himalaia
ainda apresentam falhamentos, terremotos e vulcanismos,
demonstrando a forte atuação dos agentes internos.
• É comum, no
entanto, considerar
montanhas aquelas
áreas que, mesmo
antigas, apresentam
altitudes superiores a
3000 metros.
CORDILHEIRA
 Conjunto de montanhas. Geralmente resultado do
encontro de duas placas tectônicas(orogenia).
 Exemplo: Cordilheira dos Andes.
DEPRESSÕES
 A altitude da superfície é mais baixa que as formas de
relevo que as circundam.
 Depressões absolutas: abaixo do nível do mar, exemplo:
Mar Morto.
 Relativas: rebaixadas em relação ao entorno.
 Decorrem de intensos processos erosivos ocorridos nas
bordas de planaltos.
ESCARPA
 Escarpa é uma elevação súbita do solo, superior à 45
º ,caracterizada pela formação de um penhasco ou
uma encosta íngreme. A superfície desta encosta
íngreme é chamada de ¨rosto da escarpa¨. As
escarpas são geralmente formadas pela erosão de
rochas sedimentares ou pelo movimento vertical da
crosta terrestre, ao longo de uma falha geológica.
FALÉSIAS
 São escarpas que
terminam ao nível
do mar.
 Encontram-se
permanentemente
sob a ação erosiva
do mar.
CHAPADAS
 Formação geológica com altitude acima de 600
metros, que possui uma porção plana na parte
superior.
 A causa pela qual a superfície da chapada seja plana
é a erosão.
TABULEIROS
 Superfície com 20 a 50 metros de altitude em
contato com o oceano.
 Ocupa trechos do litoral nordestino. Geralmente tem
o topo muito plano.
 No lado do mar, apresenta declives abruptos que
formam as chamadas falésias ou barreiras.
 No litoral, predominam na Região Nordeste e, no
interior, na Região Amazônica.
SERRAS
 Superfície acidentada com fortes desníveis(cristas-
partes altas seguidas por saliências).
Ex: Serra do Mar e Serra da Mantiqueira.
PATAMARES
 São formas planas ou onduladas que constituem
superfícies intermediárias ou degraus entre áreas de
relevo mais elevado e áreas mais baixas.
• São encontrados na
Região Nordeste
entre as depressões
sertanejas e a Serra
Borborema e na
bacia sedimentar do
Paraná.
COXILHA
 É uma colina localizada em regiões de campos,
podendo ter pequena ou grande elevação, em geral
coberta de pastagem.
 Encontrado no estado brasileiro do Rio Grande do
JBJBJBBSul, em uma região de
campos denominados
pampas, e no Uruguai,
onde estas colinas tem
o nome de cuchillas.
FORMAS DE RELEVOS NO BRASIL
 Na Geografia,
principalmente, que
estuda a estrutura do
planeta, estabeleceu-
se uma classificação
para caracterizar
cada forma de relevo
responsável pela
condição atual de
uma área ou região
geográfica. No Brasil
há diversos tipos de
relevos.
REGIÕES DO BRASIL E SEUS RELEVOS
 Região Norte: Este corte tem cerca de 2.000
quilômetros de comprimento. Vai das altíssimas serras
do norte de Roraima, na fronteira com a Venezuela,
Colômbia e Guiana, até o norte do Estado de Mato
Grosso. Mostra claramente as estreitas faixas de planície
situadas às margens do Rio Amazonas, a partir das quais
seguem-se amplas extensões de terras altas: planaltos e
depressões.
REGIÕES DO BRASIL E SEUS RELEVOS
 Região Nordeste: Este corte tem cerca de 1.500
quilômetros de extensão. Vai do interior do
Maranhão ao litoral de Pernambuco. Apresenta um
retrato fiel e abrangente do relevo da região: dois
planaltos (da Bacia do Parnaíba e da Borborema)
cercando a Depressão Sertaneja (ex-Planalto
Nordestino). As regiões altas são cobertas por mata.
As baixas, por caatinga.

REGIÕES DO BRASIL E SEUS RELEVOS
 Regiões Centro-Oeste e Sudeste: Este corte,
com cerca de 1.500 quilômetros de comprimento, vai
do Estado de Mato Grosso do Sul ao litoral paulista.
Com altitude entre 80 e 150 metros, a Planície do
Pantanal está quase no mesmo nível do Oceano
Atlântico. A Bacia do Paraná, formada por rios de
planalto, concentra as maiores usinas hidrelétricas
brasileiras
QUESTÃO 1
(UCPEL)
Os agentes internos do relevo são responsáveis pela criação ou
modificação da fisionomia da paisagem. Um desses agentes é
provocado por forças no interior da Terra que atuam de forma
lenta e prolongada na crosta terrestre. Entre outras
consequências, é capaz de produzir deformações, formação de
falhas e de dobramentos na superfície, dando origem a diversos
tipos de relevo.
Assinale a opção que corresponde ao agente interno do relevo
descrito anteriormente.
a) Movimento tectônico.
b) Epirogênese.
c) Vulcanismo.
d) Desmoronamento.
e) Erosão.
QUESTÃO 2
(UDESC) O relevo corresponde às formas do terreno que foram moldadas
pelos agentes internos e externos sobre a crosta terrestre. Cada forma de
relevo corresponde a um estado da atuação desses agentes. Analise as
proposições referentes ao relevo.
I. Planalto é um compartimento do relevo com superfície irregular e altitude
superior a 300 metros, onde predominam processos erosivos.
II. Planície é uma parte do relevo com superfície plana e altitude igual ou
inferior a 100 metros, onde predominam os acúmulos recentes de sedimentos.
III. Depressão é uma fração do relevo mais plano que o planalto, onde
predominam processos erosivos, com suave inclinação e altitude entre 100 e
500 metros.
IV. No Brasil predominam planaltos e depressões.
Assinale a alternativa correta.
a. ( ) Somente as afirmativas II e IV são verdadeiras.
b. ( ) Somente as afirmativas I, II são verdadeiras.
c. ( ) Somente as afirmativas I e III são verdadeiras.
d. ( ) Todas as afirmativas são verdadeiras.
QUESTÃO 3
(UNIMONTES) Para a atual proposta de identificação das
macrounidades do relevo brasileiro, elaborada por Ross (1989),
foram fundamentais os trabalhos de Ab’Saber e os relatórios e
mapas produzidos pelo Projeto Radambrasil. Ross passou a
considerar para o relevo brasileiro, conforme as suas origens, as
unidades de planaltos, depressões e planícies. Adaptação: ROSS,
J. L. S. Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 2005. Quais as
unidades do relevo brasileiro que, de acordo com a gênese,
segundo Ross, são resultantes de deposição de sedimentos
recentes de origem marinha, lacustre ou fluvial?
a) Planícies.
b) Depressões.
c) Planaltos cristalinos.
d) Planaltos orogenéticos.
e) Depressão absoluta.
QUESTÃO 4
(UFRN) O Rio Grande do Norte apresenta um elevado potencial
turístico, principalmente em decorrência das belezas de sua
paisagem litorânea, destacando-se algumas formas do relevo
cuja configuração está associada a processos erosivos
desencadeados pela ação de diferentes agentes.
Observe a figura.
Disponível em: www.viagem.uol.com.br/ultnot/2011/08/29/nisia-floresta- tem-historia-gastronomia-e-belezas-
naturais.jhtm >.
Acesso em: 29 ago. 2011.
QUESTÃO 4
Considerando os elementos da paisagem litorânea
expostos na Figura, pode-se afirmar que esta
corresponde a uma
a) falésia, constituída pela deposição de areia
paralelamente à costa, em decorrência da erosão
eólica.
b)restinga, formada pela consolidação da areia de
antigas praias, em decorrência da erosão marinha.
c) falésia, formada a partir de processos de erosão
marinha, que originam paredões escarpados.
d) restinga, constituída a partir de processos de erosão
eólica, que formam costas íngremes.
QUESTÃO 5
(UEPI) A fotografia a seguir mostra uma rede de drenagem em
determinada região brasileira. Observe- a.
Esse tipo de hidrografia, pelas características observadas, é
tipica do seguinte tipo de relevo:
a) paisagens geomorfológicas fluviais apalachianas.
b) planaltos cristalinos.
c) cuestas flúvio-lacustrinas.
d) planicies fluviais.
e) maciços residuais.
RESPOSTAS
 Questão 1: Letra A
 Questão 2: Letra D
 Questão 3: Letra A
 Questão 4: Letra C
 Questão 5: Letra D
VÍDEO
 https://www.youtube.com/watch?v=91tdUcxx3kA
FONTES
 http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/10/relevo-continental-e-
submarino.html
 http://portalsuaescola.com.br/tipos-e-formas-de-relevo/
 http://escola.britannica.com.br/levels/fundamental/article/relevo-do-
Brasil/574451
 http://www.dicionarioinformal.com.br/escarpa/
 http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/10/relevo-continental-e-
submarino.html
 http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/12/formacao-do-relevo-
brasileiro-decorre.html
 http://www.ebc.com.br/infantil/voce-sabia/2015/04/quais-os-
principais-tipos-de-relevo-no-brasil
 http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/12/formacao-do-relevo-
brasileiro-decorre.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
Rodrigo Pavesi
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
João José Ferreira Tojal
 
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
Cap. 5   os agentes modeladores do relevoCap. 5   os agentes modeladores do relevo
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
profacacio
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
Conceição Fontolan
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
Pedologia
PedologiaPedologia
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
Conceição Fontolan
 
O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
Os continentes
Os continentesOs continentes
Os continentes
Gustavo Silva de Souza
 
Hidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas ContinentaisHidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas Continentais
Professora Verônica Santos
 
Conceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologiaConceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologia
Girlene Virginia
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Suely Takahashi
 
Relevo terrestre
Relevo terrestreRelevo terrestre
Slides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do BrasilSlides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do Brasil
Laisa Cabral Caetano
 
Aula Geologia
Aula Geologia Aula Geologia
Aula Geologia
Eduardo Mendes
 
Estruturas e formas de relevo
Estruturas e formas de relevoEstruturas e formas de relevo
Estruturas e formas de relevo
Luiz Carvalheira Junior
 
Relevo, rochas e solo brasileiro
Relevo, rochas e solo brasileiroRelevo, rochas e solo brasileiro
Relevo, rochas e solo brasileiro
Professora Verônica Santos
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
Omar Fürst
 
A localização do território brasileiro
A localização do território brasileiroA localização do território brasileiro
A localização do território brasileiro
Clovis D Almeida Santos
 

Mais procurados (20)

Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
Cap. 5   os agentes modeladores do relevoCap. 5   os agentes modeladores do relevo
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
 
O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)
 
Os continentes
Os continentesOs continentes
Os continentes
 
Hidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas ContinentaisHidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas Continentais
 
Conceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologiaConceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologia
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Relevo terrestre
Relevo terrestreRelevo terrestre
Relevo terrestre
 
Slides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do BrasilSlides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do Brasil
 
Aula Geologia
Aula Geologia Aula Geologia
Aula Geologia
 
Estruturas e formas de relevo
Estruturas e formas de relevoEstruturas e formas de relevo
Estruturas e formas de relevo
 
Relevo, rochas e solo brasileiro
Relevo, rochas e solo brasileiroRelevo, rochas e solo brasileiro
Relevo, rochas e solo brasileiro
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
 
A localização do território brasileiro
A localização do território brasileiroA localização do território brasileiro
A localização do território brasileiro
 

Semelhante a RELEVO CONTINENTAL

Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Pdf geografia
Pdf geografiaPdf geografia
Pdf geografia
EMSNEWS
 
Apostila Geografia
Apostila GeografiaApostila Geografia
Apostila Geografia
Maurício Vieira
 
Relevo continental e submarino
Relevo continental e submarinoRelevo continental e submarino
Relevo continental e submarino
profleofonseca
 
Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2
Paulo Sindeaux
 
Relevo2
Relevo2Relevo2
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
DANUBIA ZANOTELLI
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Debora Taverna
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
danielcpacheco2
 
GEOGRAFIA, apostila-300pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
GEOGRAFIA, apostila-300pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdfGEOGRAFIA, apostila-300pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
GEOGRAFIA, apostila-300pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
Luiz Avelar
 
Geografia
GeografiaGeografia
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
DANUBIA ZANOTELLI
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Eponina Alencar
 
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO.pdf
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO.pdfCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO.pdf
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO.pdf
Henrique Pontes
 
Jhenny
JhennyJhenny
Jhenny
dennysosm
 
Relevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptxRelevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptx
Salvioli1
 
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Fernando Bueno
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
isacsouza12
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
isacsouza12
 

Semelhante a RELEVO CONTINENTAL (20)

Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
Pdf geografia
Pdf geografiaPdf geografia
Pdf geografia
 
Apostila Geografia
Apostila GeografiaApostila Geografia
Apostila Geografia
 
Relevo continental e submarino
Relevo continental e submarinoRelevo continental e submarino
Relevo continental e submarino
 
Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2
 
Relevo2
Relevo2Relevo2
Relevo2
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
 
GEOGRAFIA, apostila-300pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
GEOGRAFIA, apostila-300pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdfGEOGRAFIA, apostila-300pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
GEOGRAFIA, apostila-300pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO.pdf
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO.pdfCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO.pdf
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO.pdf
 
Jhenny
JhennyJhenny
Jhenny
 
Relevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptxRelevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptx
 
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
 

Mais de Conceição Fontolan

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
Conceição Fontolan
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
Conceição Fontolan
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
Conceição Fontolan
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
Conceição Fontolan
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
Conceição Fontolan
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
Conceição Fontolan
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
Conceição Fontolan
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
Conceição Fontolan
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
Conceição Fontolan
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
Conceição Fontolan
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
Conceição Fontolan
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
CANADÁ
CANADÁCANADÁ

Mais de Conceição Fontolan (20)

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
CANADÁ
CANADÁCANADÁ
CANADÁ
 

Último

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
MarcoAurlioResende
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

RELEVO CONTINENTAL

  • 1. Relevo Continental COLÉGIO SALESIANO ITAJAÍ PROFESSORA: CONCEIÇÃO FONTOLAN ALUNAS: FLÁVIA BACKES N° 12, MARIA EDUARDA SOUZA N° 28, MARIA JÚLIA DE OLIVEIRA N° 29 E LAURA CASINI N° 42. 1° ANO B/ 2017
  • 2. INTRODUÇÃO  O que é relevo?;  Fatores de relevo;  Formas de relevos;  Planalto;  Planície;  Montanha;  Cordilheira;  Depressões;  Escarpa; • Falésias; • Chapadas; • Tabuleiros; • Serras; • Patamar; • Coxilha; • Regiões do Brasil e seus relevos; • Questões; • Vídeo; • Fontes.
  • 3. O QUE É RELEVO? • O relevo é formado pelas diversas formas da superfície terrestre, mostrando-se como resultado de bilhões de anos que antecederam a atualidade. • Marca a história geológica do pla- neta, e mostra ser algo dinâ- mico, que se mantém em constante trans- formação.
  • 4. FATORES DE RELEVO  Os fatores internos são responsáveis pela elevação ou rebaixamento da superfície da crosta terrestre, os fatores externos, por sua vez, causam modificações nessa superfície. Internos(formadores): tectonismo, vulcanismo e abalos sísmicos; Externos(modeladores): intemperismos, águas correntes, vento, mar, gelo, seres vivos, entre outros.
  • 5. FORMAS DE RELEVOS  Resultado da ação de forças exógenas, desgastando as estruturas do relevo.  Esses processos produzem uma enorme diversidade de formas, estruturas e rochas na superfície.
  • 6. PLANALTO  São superfícies elevadas, com áreas de altitude variadas e limitadas.  Entre os fatores externos, predominam os agentes de desgaste, e não os de sedimentação.  Os planaltos típicos são de estrutura sedimentar, mas podem ser formados pelo soerguimento de blocos magmáticos.
  • 7. PLANÍCIE  Caracterizadas por superfície relativamente plana(pouca ou nenhuma variação de altitude).  Processos de deposição superam os de erosão. • Podem ser classificadas em planícies costeiras, quando o agente de sedimentação é o mar; fluviais, quando um rio é responsável por sua formação, e planícies de origem lacustre, ou seja, formadas pela ação de um lago.
  • 8. MONTANHAS  São aquelas regiões em que ainda hoje os processos internos superam os externos, ou seja, o soerguimento é mais forte que a erosão. Os Andes, as Rochosas, os Alpes, o Himalaia ainda apresentam falhamentos, terremotos e vulcanismos, demonstrando a forte atuação dos agentes internos. • É comum, no entanto, considerar montanhas aquelas áreas que, mesmo antigas, apresentam altitudes superiores a 3000 metros.
  • 9. CORDILHEIRA  Conjunto de montanhas. Geralmente resultado do encontro de duas placas tectônicas(orogenia).  Exemplo: Cordilheira dos Andes.
  • 10. DEPRESSÕES  A altitude da superfície é mais baixa que as formas de relevo que as circundam.  Depressões absolutas: abaixo do nível do mar, exemplo: Mar Morto.  Relativas: rebaixadas em relação ao entorno.  Decorrem de intensos processos erosivos ocorridos nas bordas de planaltos.
  • 11. ESCARPA  Escarpa é uma elevação súbita do solo, superior à 45 º ,caracterizada pela formação de um penhasco ou uma encosta íngreme. A superfície desta encosta íngreme é chamada de ¨rosto da escarpa¨. As escarpas são geralmente formadas pela erosão de rochas sedimentares ou pelo movimento vertical da crosta terrestre, ao longo de uma falha geológica.
  • 12. FALÉSIAS  São escarpas que terminam ao nível do mar.  Encontram-se permanentemente sob a ação erosiva do mar.
  • 13. CHAPADAS  Formação geológica com altitude acima de 600 metros, que possui uma porção plana na parte superior.  A causa pela qual a superfície da chapada seja plana é a erosão.
  • 14. TABULEIROS  Superfície com 20 a 50 metros de altitude em contato com o oceano.  Ocupa trechos do litoral nordestino. Geralmente tem o topo muito plano.  No lado do mar, apresenta declives abruptos que formam as chamadas falésias ou barreiras.  No litoral, predominam na Região Nordeste e, no interior, na Região Amazônica.
  • 15. SERRAS  Superfície acidentada com fortes desníveis(cristas- partes altas seguidas por saliências). Ex: Serra do Mar e Serra da Mantiqueira.
  • 16. PATAMARES  São formas planas ou onduladas que constituem superfícies intermediárias ou degraus entre áreas de relevo mais elevado e áreas mais baixas. • São encontrados na Região Nordeste entre as depressões sertanejas e a Serra Borborema e na bacia sedimentar do Paraná.
  • 17. COXILHA  É uma colina localizada em regiões de campos, podendo ter pequena ou grande elevação, em geral coberta de pastagem.  Encontrado no estado brasileiro do Rio Grande do JBJBJBBSul, em uma região de campos denominados pampas, e no Uruguai, onde estas colinas tem o nome de cuchillas.
  • 18. FORMAS DE RELEVOS NO BRASIL  Na Geografia, principalmente, que estuda a estrutura do planeta, estabeleceu- se uma classificação para caracterizar cada forma de relevo responsável pela condição atual de uma área ou região geográfica. No Brasil há diversos tipos de relevos.
  • 19. REGIÕES DO BRASIL E SEUS RELEVOS  Região Norte: Este corte tem cerca de 2.000 quilômetros de comprimento. Vai das altíssimas serras do norte de Roraima, na fronteira com a Venezuela, Colômbia e Guiana, até o norte do Estado de Mato Grosso. Mostra claramente as estreitas faixas de planície situadas às margens do Rio Amazonas, a partir das quais seguem-se amplas extensões de terras altas: planaltos e depressões.
  • 20. REGIÕES DO BRASIL E SEUS RELEVOS  Região Nordeste: Este corte tem cerca de 1.500 quilômetros de extensão. Vai do interior do Maranhão ao litoral de Pernambuco. Apresenta um retrato fiel e abrangente do relevo da região: dois planaltos (da Bacia do Parnaíba e da Borborema) cercando a Depressão Sertaneja (ex-Planalto Nordestino). As regiões altas são cobertas por mata. As baixas, por caatinga. 
  • 21. REGIÕES DO BRASIL E SEUS RELEVOS  Regiões Centro-Oeste e Sudeste: Este corte, com cerca de 1.500 quilômetros de comprimento, vai do Estado de Mato Grosso do Sul ao litoral paulista. Com altitude entre 80 e 150 metros, a Planície do Pantanal está quase no mesmo nível do Oceano Atlântico. A Bacia do Paraná, formada por rios de planalto, concentra as maiores usinas hidrelétricas brasileiras
  • 22. QUESTÃO 1 (UCPEL) Os agentes internos do relevo são responsáveis pela criação ou modificação da fisionomia da paisagem. Um desses agentes é provocado por forças no interior da Terra que atuam de forma lenta e prolongada na crosta terrestre. Entre outras consequências, é capaz de produzir deformações, formação de falhas e de dobramentos na superfície, dando origem a diversos tipos de relevo. Assinale a opção que corresponde ao agente interno do relevo descrito anteriormente. a) Movimento tectônico. b) Epirogênese. c) Vulcanismo. d) Desmoronamento. e) Erosão.
  • 23. QUESTÃO 2 (UDESC) O relevo corresponde às formas do terreno que foram moldadas pelos agentes internos e externos sobre a crosta terrestre. Cada forma de relevo corresponde a um estado da atuação desses agentes. Analise as proposições referentes ao relevo. I. Planalto é um compartimento do relevo com superfície irregular e altitude superior a 300 metros, onde predominam processos erosivos. II. Planície é uma parte do relevo com superfície plana e altitude igual ou inferior a 100 metros, onde predominam os acúmulos recentes de sedimentos. III. Depressão é uma fração do relevo mais plano que o planalto, onde predominam processos erosivos, com suave inclinação e altitude entre 100 e 500 metros. IV. No Brasil predominam planaltos e depressões. Assinale a alternativa correta. a. ( ) Somente as afirmativas II e IV são verdadeiras. b. ( ) Somente as afirmativas I, II são verdadeiras. c. ( ) Somente as afirmativas I e III são verdadeiras. d. ( ) Todas as afirmativas são verdadeiras.
  • 24. QUESTÃO 3 (UNIMONTES) Para a atual proposta de identificação das macrounidades do relevo brasileiro, elaborada por Ross (1989), foram fundamentais os trabalhos de Ab’Saber e os relatórios e mapas produzidos pelo Projeto Radambrasil. Ross passou a considerar para o relevo brasileiro, conforme as suas origens, as unidades de planaltos, depressões e planícies. Adaptação: ROSS, J. L. S. Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 2005. Quais as unidades do relevo brasileiro que, de acordo com a gênese, segundo Ross, são resultantes de deposição de sedimentos recentes de origem marinha, lacustre ou fluvial? a) Planícies. b) Depressões. c) Planaltos cristalinos. d) Planaltos orogenéticos. e) Depressão absoluta.
  • 25. QUESTÃO 4 (UFRN) O Rio Grande do Norte apresenta um elevado potencial turístico, principalmente em decorrência das belezas de sua paisagem litorânea, destacando-se algumas formas do relevo cuja configuração está associada a processos erosivos desencadeados pela ação de diferentes agentes. Observe a figura. Disponível em: www.viagem.uol.com.br/ultnot/2011/08/29/nisia-floresta- tem-historia-gastronomia-e-belezas- naturais.jhtm >. Acesso em: 29 ago. 2011.
  • 26. QUESTÃO 4 Considerando os elementos da paisagem litorânea expostos na Figura, pode-se afirmar que esta corresponde a uma a) falésia, constituída pela deposição de areia paralelamente à costa, em decorrência da erosão eólica. b)restinga, formada pela consolidação da areia de antigas praias, em decorrência da erosão marinha. c) falésia, formada a partir de processos de erosão marinha, que originam paredões escarpados. d) restinga, constituída a partir de processos de erosão eólica, que formam costas íngremes.
  • 27. QUESTÃO 5 (UEPI) A fotografia a seguir mostra uma rede de drenagem em determinada região brasileira. Observe- a. Esse tipo de hidrografia, pelas características observadas, é tipica do seguinte tipo de relevo: a) paisagens geomorfológicas fluviais apalachianas. b) planaltos cristalinos. c) cuestas flúvio-lacustrinas. d) planicies fluviais. e) maciços residuais.
  • 28. RESPOSTAS  Questão 1: Letra A  Questão 2: Letra D  Questão 3: Letra A  Questão 4: Letra C  Questão 5: Letra D
  • 30. FONTES  http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/10/relevo-continental-e- submarino.html  http://portalsuaescola.com.br/tipos-e-formas-de-relevo/  http://escola.britannica.com.br/levels/fundamental/article/relevo-do- Brasil/574451  http://www.dicionarioinformal.com.br/escarpa/  http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/10/relevo-continental-e- submarino.html  http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/12/formacao-do-relevo- brasileiro-decorre.html  http://www.ebc.com.br/infantil/voce-sabia/2015/04/quais-os- principais-tipos-de-relevo-no-brasil  http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/12/formacao-do-relevo- brasileiro-decorre.html