Relevo agentes formadores e erosivos

25.415 visualizações

Publicada em

0 comentários
23 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
607
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.495
Comentários
0
Gostaram
23
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relevo agentes formadores e erosivos

  1. 1. Agentes formadores e modeladores do relevo e relevo Brasileiro
  2. 2. <ul><li>GEO = terra </li></ul><ul><li>MORFO = forma </li></ul><ul><li>LOGIA = estudo </li></ul><ul><li>As estruturas que formam a superfície refletem os eventos geológicos da história do planeta. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Trata-se do conjunto das formas da crosta terrestre, manifestando-se desde o fundo dos oceanos até as terras emersas. Encontramos formas diversas de relevo: montanhas, planaltos, planícies, depressões, cordilheiras, morros, serras, inselbergs, vulcões, vales, escarpas, abismos, Cuestas, etc . </li></ul>
  4. 4. <ul><li>O relevo se origina e se transforma sob a interferência de dois tipos de agentes: </li></ul>os agentes internos (formadores) os agentes externos (transformadores)
  5. 5. <ul><li>São responsáveis pela formação do relevo. Os agentes Internos ou endógenos são processos estruturais que atuam do interior para o exterior do planeta : </li></ul><ul><li>Tectonismo </li></ul><ul><li>Vulcanismo </li></ul><ul><li>Abalos sísmicos </li></ul>
  6. 6. Vulcanismo Vulcão Stromboli, na Itália. São processos que têm sua origem no interior da Terra, como o vulcanismo , o tectonismo e os abalos sísmicos . Através de fendas ou aberturas da crosta terrestre. Lavas, cinzas e gases. É a atividade pela qual os materiais vindos do manto atingem a superfície. A acumulação e consolidação da lava expelida pelos vulcões podem dar origem a montanhas e ilhas.
  7. 7. <ul><li>O movimento das placas tectônicas traz, em sua dinâmica, resultados que podem ser observados na superfície. Os terremotos , o vulcanismo , as rochas dobradas e falhadas são exemplos claros de que toda a crosta esteve e está em constante movimento . </li></ul><ul><li>Esses movimentos são denominados tectônicos e são classificados em dois tipos: Orogênese </li></ul><ul><li>Epirogênese </li></ul>
  8. 9. Orogênese movimento horizontal Epirogênese movimento vertical
  9. 11. <ul><li>Terremoto ou abalo sísmico é uma vibração da superfície terrestre produzida por forças naturais situadas no interior da crosta a profundidades variáveis. Podem ser também associados à ação humana quer direta ou indiretamente nas atividades de extração de minerais, água ou petróleo. </li></ul>
  10. 12. <ul><li>O relevo terrestre encontra-se em permanente evolução, pois os agentes externos trabalham contínua e incessantemente esculturando ou modelando a paisagem terrestre. Principais agentes externos: </li></ul><ul><li>Intemperismo </li></ul><ul><li>Antropicidade </li></ul>
  11. 13. <ul><li>É o conjunto de processos químicos, físicos e biológicos (ação da água, do vento, do calor, do frio e dos seres vivos) que provocam o desgaste e a decomposição das rochas. Podem ser físicos e químicos. </li></ul>
  12. 14. <ul><li>Físico – A desintegração e a ruptura das rochas inicialmente em fendas, progredindo para partículas de tamanhos menores, sem, no entanto, haver mudanças na composição química. Exemplos de processos físicos de meteorização: congelamento da água, variação de temperatura, decomposição esferoidal, esfoliação, destruição orgânica. </li></ul>
  13. 15. <ul><li>Químico – Realizam-se em presença da água e dependem da ação de decomposição da água juntamente com o CO2 dissolvido e, em alguns casos, ácidos orgânicos formados pela decomposição de resíduos de vegetais. Exemplos de processos químicos de intemperismo: oxidação dos solos ferrosos, maresia em áreas litorâneas. </li></ul>
  14. 16. <ul><li>Consiste na atuação direta ou indireta do ser humano sobre o planeta. </li></ul>
  15. 18. Parque Nacional Grand Canyon, no Arizona, Estados Unidos (2006).
  16. 21. <ul><li>PRINCIPAIS ESTRUTURAS DE RELEVO: </li></ul><ul><li>PLANALTO </li></ul><ul><li>PLANÍCIE </li></ul><ul><li>DEPRESSÃO </li></ul><ul><li>MONTANHAS </li></ul>
  17. 22. Parque nacional da Serra da Canastra, em Minas Gerais. <ul><li>Sofrem erosão (retirada de materiais) intensa. </li></ul><ul><li>As bordas podem ser escarpadas (paredão abrupto) ou apresentar rampas suaves. </li></ul>Podem aparecer sob diferentes formas, como morros, serras ou elevações de topo plano (chapadas). Geralmente as altitudes do planalto são superiores a 300 metros .
  18. 24. Vista área do Pantanal. Poconé, MT. São áreas geralmente planas e basicamente formadas por rochas sedimentares. Mais intenso o trabalho de deposição do material erodido pelos agentes modificadores do relevo. Em geral, essa forma de relevo é encontrada ao longo dos grandes rios e nas proximidades de lagos e mares.
  19. 26. Área de depressão no parque nacional da Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso. Mauricio Simonetti/Olhar imagem Quando as depressões se encontram abaixo do nível do mar, recebem o nome de depressões absolutas. <ul><li>Partes mais baixas em relação às formas de relevo que as circundam. </li></ul><ul><li>Apresentam uma leve inclinação e são também caracterizadas por um processo de erosão, que é um aspecto determinante na sua formação. </li></ul>O mar Morto, na Ásia, é um exemplo de depressão absoluta. Ele está metros abaixo do nível do mar.
  20. 31. Classificação do Relevo Brasileiro
  21. 32. <ul><li>Classificação feita por Aroldo de Azevedo : elaborada na déc. De 40, levou em consideração as cotas atimétricas (altitude) do relevo. Planalto : superfície levemente ondulada com mais de 200 m de altitude. Planície: superfície aplainada com menos de 200 m de altitude. </li></ul>
  22. 33. <ul><li>Classificação feita por Aziz AB Sáber : Classificação publicada em 1958, onde se definia: Planalto : superfície suavemente ondulada, onde se verifica o domínio do processo erosivo(desgaste). Planície : superfície onde o processo de sedimentação é mais atuante e independe do nível altimétrico. </li></ul>
  23. 34. <ul><li>Diferente das classificações anteriores, o geógrafo Jurandyr Ross, em 1989 usando recursos mais modernos como a aerofotogrametria , (fotos aéreas, projeto Radam Brasil) reformulou a classificação do relevo brasileiro, elevando para 28 o número de grandes unidades de relevo. </li></ul><ul><li>Além disso, ao invés de se prender às divisões anteriores entre planaltos e planícies , introduziu um novo conceito, o de planícies </li></ul>
  24. 35. <ul><li>Planaltos : são superfícies irregulares, com altitudes superiores a 200 metros, resultante de erosões sobre rochas cristalinas ou sedimentares. </li></ul><ul><li>Planícies : são superfícies planas, com altitudes inferiores a 100 metros, formadas pelo acúmulo de sedimentos. </li></ul><ul><li>Depressões : são superfícies com suaves inclinações e formadas por prolongados processos de erosão. No caso brasileiro só existem depressões relativas, nenhuma absoluta. </li></ul>

×