Formação e modelagem do relevo

1.054 visualizações

Publicada em

Formação e modelagem do relevo

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.054
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formação e modelagem do relevo

  1. 1. JORGE ARAÚJO / FOLHAPRESS • As paisagens acima são iguais ou diferentes? • Em ambas as fotos as habitações estão em áreas consideradas de risco. O que são áreas de risco? NELSON ANTOIN / FOTOARENA / FOLHAPRESS Litosfera: o relevo terrestre
  2. 2. As formas do relevo É o conjunto das variadas formas da litosfera ou, mais especificamente, da superfície terrestre, como montanhas (continentais ou submersas no mar), vales, planícies e depressões, apresentando áreas mais ou menos elevadas, planas ou acidentadas. Quatro principais Montanhas Planaltos Planícies Depressões Falésias Colinas Vales Cuestas há diversas outras forma de relevo, como:
  3. 3. Altitude é uma distância vertical medida entre um ponto e o nível do mar As variações do relevo são medidas a partir do nível do mar. mar cume altitude nível médio dos mares LUIS MOURA / ARQUIVO DA EDITORA
  4. 4. Montanhas • São grandes elevações de terreno que se destacam por apresentar altitudes superiores às regiões vizinhas. • As mais elevadas resultam de dobramentos, isto é, de forças internas que provocam enormes dobras nas rochas, originando elevadas cadeias de montanhas. • As montanhas mais antigas e menos elevadas também resultaram de dobramentos. Contudo, com o tempo, foram sendo desgastadas, provocando seu lento rebaixamento. • Outro tipo de montanha é aquela resultante da formação de um vulcão, denominada montanha vulcânica.
  5. 5. As montanhas mais antigas e menos elevadas também resultaram de dobramentos. Contudo, com o tempo, foram sendo desgastadas, provocando seu lento rebaixamento. Intemperismo e erosão Erosão Erosão Sedimentação
  6. 6. JEREMYRICHARDS / SHUTTERSTOCK.COM Aspecto da cordilheira no Himalaia, Nepal, 2010. Formada pelo desdobramento de rochas, a cadeia de montanhas do Himalaia fica na Ásia, ocupando partes do território da China, Tibete, Nepal, Butão, Índia, entre outros. Possui as montanhas mais elevadas da superfície terrestre.
  7. 7. São áreas em geral altas, com topos relativamente planos e bordas nítidas, também são chamados de platôs. Três categorias Planaltos cristalinos Planaltos sedimentares Planaltos basálticos formados por rochas cristalinas, isto é, ígneas (ou magmáticas) ou metamórficas formados em áreas de rochas sedimentares, erguidas por movimentos internos da crosta formados por rochas vulcânicas, onde no passado haviam intensas erupções vulcânicas Planaltos
  8. 8. O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (MT) apresenta uma paisagem típica de planalto. Foto de 2010. ARTUR KEUNECKE / PULSAR IMAGENS
  9. 9. São áreas geralmente baixas e planas, onde predomina o acúmulo ou deposição de sedimentos. Erosão Sedimentação Podem ter várias origens vales fluviais sedimentos trazidos pelos ventos geleiras entulhamento de lagos Erosão Sedimentação Planícies
  10. 10. Os campos dos pampas em Bagé (RS) são um exemplo de planície. Foto de 2011. ALE RUARO / PULSAR IMAGENS
  11. 11. São áreas que se encontram rebaixadas em relação às áreas vizinhas. a depressão pode ser absoluta relativa quando a depressão está abaixo do nível do mar quando a depressão está acima do nível do mar, mas abaixo das áreas vizinhas Depressões
  12. 12. Vista aérea do mar Morto em foto de 2004. HANAN ISACHAR / ALAMY / OTHER IMAGES
  13. 13. Adaptado de: ATLANTE Geografico Metodico De Agostini 2006-2007. Novara: Istituto Geografico De Agostini, 2006. Planisfério físico
  14. 14. planície planalto morro ou colina depressão montanha ANDRÉ ROCCA / ARQUIVO DA EDITORA
  15. 15. A dinâmica do relevo O relevo não é algo eterno nem estático. Transforma-se com o tempo, mesmo sendo um processo que leva milhões de anos. Dois tipos de forças modificam o relevo: forças internas forças externas aquelas que se originam no interior da litosfera (movimento das placas tectônicas, por exemplo) aquelas que se originam na própria superfície terrestre (clima, águas e seres vivos, por exemplo) desnivelam o relevo, causando grandes modificações, e agem de maneira rápida diminuem lentamente as diferenças entre as formas de relevo, desgastando as áreas elevadas e acumulando detritos nas partes baixas
  16. 16. forças internas Intemperismo é o conjunto de fenômenos que leva à decomposição das rochas intemperismo físico intemperismo químico intemperismo biológico é provocado principalmente pela variação da temperatura decomposição da rocha causada principalmente pela ação da água ao dissolver os minerais solúveis que a compõem é a decomposição das rochas pelas atividades dos seres vivos
  17. 17. Exemplo de intemperismo físico com o tempo fraturas e fragmentações dos minerais calor frio
  18. 18. forças internas Erosão é a remoção de materiais de uma área para outra área vizinha vento, água, geleira, etc. área onde ocorre a erosão geralmente os detritos ou sedimentos são transportados por algum agente de erosão de uma área mais alta para outra área mais baixa área onde ocorre a sedimentação ou acúmulo dos detritos ou sedimentos
  19. 19. 1 2 3 4 1 A vegetação, sobretudo as formações florestais, protege o solo contra a ação dos ventos e das enxurradas. O desmatamento facilita o inicío da erosão: chuvas e ventos carregam a camada superficial do solo, empobrecendo-o. 2 O solo é atingido pelos raios 3 solares. Os ventos e as chuvas intensificam a erosão. 4 O solo assemelha-se a um deserto e não oferece condições como área agrícola. LUIS MOURA / ARQUIVO DA EDITORA Etapas do processo de erosão
  20. 20. Agentes externos que modificam o relevo Responsáveis pelo intemperismo erosão transporte de detritos sedimentação de detritos Principais agentes água geleiras ventos seres vivos
  21. 21. água atua de diversas formas precipitações rios mares geleiras vento é o ar em movimento carrega partículas de areia e modificam as áreas que atingem pode formar seres vivos entre a atuação dos seres vivos, podemos dar como exemplo a proteção e desgaste do relevo e a transformação em rochas sedimentares regs dunas loesse Principais agentes
  22. 22. Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. • A Teoria da Deriva Continental foi desenvolvida por Alfred Wegener no início do século XX. • Postulava que, há cerca de 300 milhões de anos, os continentes estavam agrupados em um supercontinente chamado Pangeia. • Inicialmente a Pangeia separou-se em dois continentes: Laurásia e Gondwana. • O movimento contínuo levou à atual configuração dos continentes.
  23. 23. EVIDÊNCIAS DA TEORIA DE WEGENER: • Encaixe das costas da África e da América do Sul. • Fauna e flora da costa oeste da África e leste da América do Sul muito semelhantes.
  24. 24. Placas tectônicas e a constante transformação do planeta Anos 50: cientistas estadunidenses descobriram que o fundo dos oceanos estava em movimento. Anos 60: imagens de satélites da NASA comprovaram que os continentes estão em movimento. PLACAS TECTÔNICAS: blocos gigantescos de rochas com muitos quilômetros de altura que formam a crosta terrestre e deslizam sobre o magma.
  25. 25. Correntes magmáticas Magma quente sobe Magma frio desce
  26. 26. Terremoto Por que existem tremores na terra e no fundo do mar? • A movimentação das placas tectônicas gera abalos sísmicos. • As áreas de encontro entre as placas tectônicas estão mais sujeitas a esses movimentos. • Terremotos causam grandes problemas, especialmente em áreas urbanas, como desabamentos, ferimentos e mortes, além de danos sociais e financeiros.
  27. 27. Maremotos • Tremores de terra que ocorrem no fundo dos oceanos em função dos movimentos das placas tectônicas. • Dependendo da intensidade da movimentação, as ondas formadas podem transformar-se em tsunamis. • Tsunami: onda gigantesca que provoca catástrofes nas cidades da costa litorânea. Tsunami atinge área urbana. Onda gigante chegando à cidade.
  28. 28. Exemplo de uma área atingida por um tsunami. Vista aérea de Banda Aceh, na Indonésia, totalmente destruída pelo tsunami de 2004.
  29. 29. O vulcanismo A partir das rachaduras existentes nas placas tectônicas e devido à alta pressão no manto terrestre, o magma pode atravessar essas rachaduras e acumular-se na câmara magmática, dando origem a um vulcão. Vulcão em erupção Vulcão Tungurahua no Equador exalando fumaça e gases.
  30. 30. Distribuição geográfica das zonas sísmicas e vulcânicas Adaptado de: ATLAS 2000: La France et le monde. Paris: Nathan, 1998.
  31. 31. Distribuição geográfica dos terremotos Adaptado de: ATLAS 2000: La France et le monde. Paris: Nathan, 1998.
  32. 32. A formação das montanhas • Os dobramentos resultam do choque entre duas placas tectônicas (movimento convergente). • A ação horizontal do choque provoca a elevação vertical das rochas. Cordilheira dos Andes, Chile. Esquema representativo da formação da Cordilheira dos Andes.
  33. 33. • Quando ocorre o afastamento das placas tectônicas (movimento divergente), surgem fendas por onde o magma passa em altas temperaturas. • O magma resfriado dá origem a novas cadeias montanhosas, chamadas dorsais. • Dorsal Mesoatlântica — cadeia montanhosa em processo de formação no interior do oceano Atlântico. Dorsal Mesoatlântica Esquema que representa a formação da Dorsal Mesoatlântica.
  34. 34. Vento, água e ação humana: agentes externos que modelam o relevo • O relevo terrestre está em constante processo de formação e transformação. • Os agentes formadores estão ligados aos movimentos das placas tectônicas (internos). • Os agentes modeladores do relevo estão ligados ao vento, à chuva e à ação humana (externos). Lava quente derretida, magma na superfície terrestre. Formação rochosa erodida pela ação do vento, da chuva e pelas alterações de temperatura.
  35. 35. A ação do vento • Agente modelador do relevo, atua mais intensamente em espaços amplos e abertos, como desertos e praias. • As dunas são formadas a partir da ação do vento, transportando os grãos de areia de um local a outro. Dunas no Deserto do Saara Vento transportando grãos de areia em duna no Parque Nacional Altyn-Emel, Cazaquistão.
  36. 36. • A ação erosiva do vento recebe o nome de ação eólica. • O vento pode produzir, transportar e depositar sedimentos (resquícios de rochas ou de partículas da decomposição de seres vivos). • A ação do vento produz formatos interessantes nas superfícies afetadas. Parque Estadual das Rochas, Novo México, EUA. Parque Nacional dos Arcos, Utah, EUA.
  37. 37. A ação das águas A água é outro importante agente de transformação do relevo, provocando diferentes formas de erosão: Erosão de formação rochosa pela chuva e pelo vento em Lalu, Tailândia. Vale formado em milhares de anos a partir da erosão do Rio dos Peixes, Namíbia. Pela chuva (erosão pluvial) – ocorre com maior frequência em regiões de clima equatorial e tropical. Pelos rios (erosão fluvial) – acontece pela força exercida pela água nas margens e leitos dos rios.
  38. 38. Pelo mar (erosão marinha) – acontece quando as águas do mar batem nas rochas da costa. Ao transportar os sedimentos em direção à praia, o mar auxilia no processo de construção do relevo. Pelas geleiras (erosão glacial) – ocorre em regiões de baixas temperaturas, por meio do gelo e degelo. Ponte natural esculpida pelo mar. Geleira de Mingyong, China.
  39. 39. A ação dos seres humanos • O homem transforma o relevo pela construção de diferentes elementos: pontes, prédios, represas e outros. • Quando destrói morros, desempenha atividades agropecuárias, extrativistas, industriais, entre outras. • Geralmente orientadas por motivos econômicos, tais ações provocam sérios impactos ambientais, causando danos irreversíveis à natureza. Represa Hoover, rio Colorado, EUA. Mineração a céu aberto em Garzweiler, Alemanha.

×