Homilética 3

455 visualizações

Publicada em

Do texto ao sermão.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
455
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Homilética 3

  1. 1. Escola de Anciãos Homilética 3 O caminho do textoao sermão Pr. Gilson Barbosa
  2. 2. A estrutura Homilética O sermão não é mero ensaio nem uma composição literária para publicação, que será lida e relida, mas uma mensagem cujo objetivo é ser ouvida e causar impacto imediato sobre os ouvintes. Para produzir esse impacto, deve ser isento de ambiguidade e não conter material alheio ao tema principal.
  3. 3. Para pensar ... Os sermões raramente fracassam, porque têm ideias demais; mas frequentemente fracassam, porque lidam com ideias não relacionadas entre si.
  4. 4. Para pensar ... Quando a congregação volta ao mundo, não recebeu nenhuma mensagem pela qual viver, porque ao pregador não ocorreu pregar nenhuma.
  5. 5. Para pensar ... O ideal é o sermão ser a explicação, interpretação ou aplicação de uma única ideia dominante, apoiada por outras ideias, todas tiradas de uma passagem ou várias passagens da Escritura.
  6. 6. A importância de uma ideia única Alguns chamam de: ideia central, proposição, tema, declaração de tese, pensamento principal. O conceito é o mesmo: um discurso eficiente centraliza-se numa só coisa específica, numa ideia central.
  7. 7. A importância de uma ideia única Nenhum sermão está pronto para ser pregado, ou para ser escrito por extenso, enquanto não pudermos expressar seu tema numa frase curta e fecunda, clara como o cristal.
  8. 8. A importância de uma ideia única Sermões eficazes especializam-se em ideias bíblicas que são reunidas numa unidade que dê cobertura a todas elas.
  9. 9. A definição de uma ideia O que queremos dizer com uma ideia? Definir uma ideia é como tentar fazer uma embalagem de neblina. Ideia é: ver, conceber. É ver antes dos outros; conceber antes de nascer.
  10. 10. A definição de uma ideia As ideias, às vezes, ficam de espreita no subsolo de nossa mente como fantasmas. Com frequência lutamos para dar a essas ideias insignificantes um corpo. “Sei o que quero dizer”, dizemos, “mas só não consigo expressá-lo em palavras”. A despeito da dificuldade de revestir em palavras os pensamentos, o pregador precisa fazê-lo.
  11. 11. A formação de uma ideia Quando reduzida à sua estrutura básica, uma ideia consiste em apenas dois elementos essenciais: um sujeito e um complemento.
  12. 12. A formação de uma ideia Quando falamos acerca do sujeito de uma ideia, queremos dizer a resposta completa e definida à pergunta: acerca de quê estou falando? O complemento completa o sujeito.
  13. 13. A formação de uma ideia - exemplos Habacuque começa com uma queixa em 1:2-4. Sujeito: Qual é a queixa de Habacuque sobre a injustiça que ele vê em Judá? Complemento: Ele quer saber por que Deus, que é justo, não julga a nação pelo seu pecado. Ideia: Habacuque lamenta que seu Deus justo não castigue o pecado de Judá
  14. 14. Etapas no desenvolvimento de Mensagens Expositivas 1. Selecionando a passagem 2. Estudando a passagem 3. Descobrindo a ideia exegética 4. Analisando a ideia exegética
  15. 15. Etapas no desenvolvimento de Mensagens Expositivas Os sermões expositivos consistem em ideias tiradas das Escrituras, mas as ideias da Escritura precisam ser relacionadas com a vida. Para pregar de modo eficaz, os expositores precisam estar envolvidos com 3 mundos: o mundo da Bíblia, o mundo moderno e o mundo específico no qual somos chamados a pregar.
  16. 16. Etapas no desenvolvimento de Mensagens Expositivas Precisamos, primeiramente, tentar entender o que a revelação de Deus significava para os homens e mulheres, aos quais originalmente foi dada.
  17. 17. Etapas no desenvolvimento de Mensagens Expositivas Cada geração se desenvolve a partir da sua própria história e cultura, e fala sua própria língua. Podemos pregar sermões exegeticamente corretos, eruditos e organizados, mas são mortos e sem poder, porque desconsideram os problemas e as perguntas que retorcem as vidas dos nossos ouvintes.
  18. 18. Etapas no desenvolvimento de Mensagens Expositivas Os homens e mulheres que falam por Deus, de modo eficaz, primeiro precisam lutar com as questões de sua época e, então, se dirigir àquelas questões, tendo por base a verdade eterna de Deus.
  19. 19. Etapas no desenvolvimento de Mensagens Expositivas A pregação é fundamentalmente uma parte do cuidado das almas, e o cuidado das almas envolve uma compreensão total da congregação.
  20. 20. Três perguntas de desenvolvimento 1. Nós o explicamos: O que isto significa? Os peritos em outras ocupações raras vezes precisam fazer-se entender aos que estão fora de sua profissão, mas os pregadores são diferentes. Ninguém é de fora da religião.
  21. 21. Três perguntas de desenvolvimento 1. Nós o explicamos: O que isto significa? Todos precisam entender o que Deus diz. Realmente, é matéria de vida ou morte. Logo, devemos antever o que os ouvintes podem não saber e, através de nossas explicações, ajudá-los a entender.
  22. 22. Três perguntas de desenvolvimento 2. Nós o provamos: É verdade? É aqui que entram as ilustrações – fazendo a conexão do que está escrito com a realidade ao nosso redor.
  23. 23. Três perguntas de desenvolvimento 3. Nós a aplicamos: Que diferença faz? Como vou aplicar o que estou pregando para minha vida? Como meus ouvintes vão aplicar o que estou pregando hoje?
  24. 24. Salmo 32:1-4

×