SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
Homilética
Pr. Moisés Sampaio de Paula
O QUE É HOMILÉTICA?
• Em teologia, Homilética (Grego
  Homiletikos, de homilos - montar em
  conjunto), é a aplicação dos princípios
  gerais da retórica para o fim específico da
  pregação pública.
• Retórica – Significado a arte de bem falar,
  de valer-se da eloquência ou da
  argumentação clara para se comunicar.
• Homilética é arte de Pregar

                   Pr. Moisés Sampaio de Paula   2
O PREGADOR
• Baseando-se em três passagens da vida de
  Pedro o pregador deve ser:
  1 – Aquele que esteve com Jesus - Atos 4:13
  2 – Aquele que fala como Jesus – Mateus 26:73
  3 – Aquele que fala de Jesus – Atos 40:10




                  Pr. Moisés Sampaio de Paula     3
O PREGADOR
• O pregador é um interprete da bíblia, por isto
  tem que ter com ela um compromisso de não
  violar a sua mensagem.
• Assim, o pregador deve observar não somente
  o texto mas também o contexto.




                   Pr. Moisés Sampaio de Paula     4
O PREGADOR DEVE
•    SOB O PONTO DE VISTA ESPIRITUAL
1.   Chamado para obra (ordenança) Mt 28:19
2.   Conhecer Deus Atos 4:13
3.   Ter uma mensagem Atos 5:20
4.   Unção 2 Reis 2.9 e Autoridade/ousadia Mc 1:21

•    SOB O PONTO DE VISTA TÉCNICO
1.   Dom da palavra Rm 12: 6,7.8
2.   Conhecimento da palavra II Tm 2:15
3.   Manejar da palavra II Tm 2:15
4.   Guardar a palavra no coração Sl 119
5.   Ser um Instrumento II Tm 2:15


                            Pr. Moisés Sampaio de Paula   5
A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO É
• Trazer as Boas Novas da Salvação.
     1. Apresentar ao público Jesus Cristo,
     2. Seus ensinamentos e
     3. Seu propósito,
• Para isso, é preciso que o pregador tenha
  uma identificação completa com Cristo.



                  Pr. Moisés Sampaio de Paula   6
O PREGADOR PODE USAR
• Esboço - É o método mais usado entre os
  pregadores, onde estes anotam o sermão o
  subdividindo em tópicos.
• Memorização - É talvez o método mais
  antigo, usado por pessoas que são dotadas
  de uma boa memória. Onde o pregador
  não utiliza o esboço e traz a mensagem
  apenas utilizando sua memória.
• Improviso - É o método onde o pregador
  fala totalmente de improviso apenas
  levando em conta o sentimento do
  momento.
                   Pr. Moisés Sampaio de Paula   7
O AUDIOVISUAL DO PREGADOR
“O coração alegre aformoseia o rosto...” (Provérbio
   15.13a)
1 – Expressão corporal;
2 – O olhar e a expressão fisionômica: “O grande orador
   romano Cícero (106-43 a.C.) declarou: na locução, em
   seguida à voz e à eficácia, vem a fisionomia; e esta é
   dominada pelos olhos. O poder da expressão do olhar
   humano é tão grande que, de certa maneira, ele
   determina a expressão do semblante todo”;
3 – O sorriso;                      6 – O volume;
4 – Tom de voz;                     7 – A velocidade;
5 – A dicção (s, r, l);             8 – A respiração.
                      Pr. Moisés Sampaio de Paula           8
EXEGESE – Interpretando a Bíblia
• Exegese é o trabalho de interpretação
  de um texto bíblico.
• Hermenêutica.
1.Do grego: hermeneutiké
2.Se caracteriza pela interpretação ou
  compreensão dos textos de teor
  religioso ou filosófico; arte de
  interpretar os livros sagrados e os
  textos antigos
                  Pr. Moisés Sampaio de Paula   9
DEZ PASSOS PARA UMA BOA EXEGESE
 1 - Leia o texto em voz alta, comparando com versões diferentes
    para maior compreensão.
 2 - Reproduza o texto com suas próprias palavras. (Fale sozinho)
 3 - Observe o texto imediato e remoto.
 4 - Verifique a linguagem do texto ( história, milagre, ensino,
    parábola, profecia, etc.)
 5 - Pesquise o significado exato das principais palavras;
 6 - Faça anotações;
 7 - Pesquise o contexto ( época, país, costumes, tradição, etc.)
 8 - Pergunte sempre Onde?        Quem? O que? Por
   que?
 9 - Organize o texto em seções principal e secundárias;
 10 - Resuma com a seguinte frase: “O assunto mais importante
    deste texto é...”
                          Pr. Moisés Sampaio de Paula               10
ESTRUTURA DO SERMÃO
TEMA -    Para que o ouvinte possa Ter uma idéia do que você tem
 a falar é imprescindível o emprego de um tema. O ouvinte
 realmente estará adentrando no seu sermão.
  O tema é o assunto em questão.
  – De que eu falo?
  – Por que eu mencionarei isso?
ALVO OU OBJETIVO –           Neste momento do sermão, o
 objetivo ou assunto , o pregador deverá ser inspirado por Deus. É
 exatamente aqui que ele recebe a mensagem que tem a pregar e
 a partir deste ponto estruturá-la para levar a igreja.




                           Pr. Moisés Sampaio de Paula               11
ESTRUTURA DO SERMÃO
1. TÍTULO - Muitos pregadores confundem a tema com o título, mas o título não é
   nada mais do que o rótulo do sermão. O título é como o prelúdio para o tema.
   Isto é o que cativa os corações dos ouvintes.
2. TEXTO BÍBLICO – O assunto do sermão deverá ser baseado em um texto bíblico.
3. INTRODUÇÃO – Começar bem é provocar interesse e despertar atenção.
   Aproximar o ouvinte do sermão e dar a ele uma noção ou explicação do que vai
   ser falado.
4. CORPO - Essa é a principal parte. Onde deverá está o conteúdo de toda
   mensagem, ordenado de forma lógica e precisa. Neste ponto também deverão ser
   abordadas algumas aplicações utilizadas durante o sermão como, ILUSTRAÇÕES,
   FIGURAS DE LINGUAGEM, MATERIAL DE PREPARAÇÃO.
5. CONCLUSÃO – Baseados no objetivo específico do sermão a conclusão é uma
   síntese do mesmo e deve ser uma aplicação final à vida do ouvinte.
6. APELO – Um esforço feito para alcançar a consciência, o coração e a vontade do
   ouvinte. São os frutos do sermão.


                               Pr. Moisés Sampaio de Paula                      12
COMO ESCOLHER UM TEMA
•   As orientações mais comuns que encontramos:
•   Datas especiais. - o natal, a páscoa, o dia de finados, dentre outras
•   Eventos eclesiásticos especiais. A Ceia do Senhor; Batismos; Funerais;
    Consagrações; etc.
•    Referência a uma necessidade particular identificada. Um obreiro
    sensível à voz do Espírito certamente identificara necessidades espirituais
    na vida da Igreja, ou de algum grupo ou membro. O bom senso e a
    experiência ministerial poderão lhe dizer a melhor forma de se tratar o
    caso: em publico ou em particular.
•    Eventos contemporâneos. O cristão pode sim ler a Bíblia e o jornal ao
    mesmo tempo, porém, jamais deve se esquecer que apenas a Bíblia é a
    verdade divina!
•    Estudos pessoais das Escrituras. Este é a metodologia mais recomendada
    e segura.
                               Pr. Moisés Sampaio de Paula                   13
Importante
• Já foi dito que as duas partes mais
  importantes do sermão é a
  introdução e a conclusão.
• Na introdução, chamamos a
  atenção dos ouvintes.
• Na conclusão/final, levamos o
  público a uma pensar e a decidir.


                  Pr. Moisés Sampaio de Paula   14
Introdução
• Objetivo
  1. Serve para estimular o intelecto, e a prática
     espiritual.
  2. Não procure antecipar o que assunto do
     desenvolvimento/corpo ou esboço
  3. Às vezes você precisa pular a introdução.
• Qualidades de uma boa introdução
  1. Deve ser relacionado com o tema
  2. Não prometo muito
  3. Deve ser curto.

                      Pr. Moisés Sampaio de Paula    15
COMO DEVE SER A CONCLUSÃO ?
1 – Apontar o objetivo específico da mensagem;
2 – Clara e específica;
3 – Resumo do sermão (o sermão em poucas palavras)
4 – Aplicação direta a vida dos ouvintes;
5 – Pequena;
6 – Faça um desfecho inesperado.

  Logo, uma boa conclusão deve proporcionar aos ouvintes
  satisfação, no sentido de haver esclarecido
  completamente o objetivo da mensagem. É preciso Ter
  um ponto final para que o pregador não fique perdido.

OBS.: NÃO DEVE PREGAR UM SEGUNDO SERMÃO


                         Pr. Moisés Sampaio de Paula       16
O APELO
• É um esforço feito para alcançar o coração, a
   consciência e a vontade do ouvinte. Apelo não é
   apelação.
• Dois tipos de apelos:
1. CONVERSÃO/RECONCILIAÇÀO – Aos ímpios e aos
   desviados.
2. RESTAURAÇÃO – A igreja (fortalecimento da aliança,
   cura divina)


                    Pr. Moisés Sampaio de Paula     17
COMO DEVE SER O APELO?
1 – Convite
2 – Impactante e direto
3 – Não forçado ou prolongado
4 – Logo após a mensagem.

    No apelo você deve dizer ao ouvinte o que ele deve fazer para
    confirmar a sua aceitação. Seja claro e mostre como ele deve agir.

•   Levantar as mãos;
•   Ir a frente;
•   Ficar em pé;
•   Procurar uma igreja próxima;
•   Conversar com o pastor em momento oportuno.

                            Pr. Moisés Sampaio de Paula                  18
CLASSIFICAÇÃO DO SERMÃO
• O sermão é classificado de duas formas:
    1. Assunto
    2. Método/tipo.




                Pr. Moisés Sampaio de Paula   19
1. CLASSIFICAÇÃO PELO ASSUNTO
- Doutrinário. É aquele que expõe uma doutrina.
   ( Ensinamento )
- Histórico. É aquele que narra uma história.
- Ocasional. É aquele destinados a ocasiões especiais.
- Apologético. Tem a finalidade de fazer apologia.
   ( defender )
- Ético. É quando exalta a conduta e a vida moral e
   ética.
- Narrativo Quando narra um fato, um milagre.
- Controvérsia tem por finalidade atacar erros e
   heresias.

                      Pr. Moisés Sampaio de Paula        20
2. CLASSIFICAÇÃO PELO TIPO DE
SERMÃO
Tradicionalmente encontramos, praticamente em todos
   as obras homiléticas, quatro tipos básicos de sermões:
• SERMÃO TEMÁTICO: Os argumentos (divisões)
   resultam do tema independente do texto;
• SERMÃO TEXTUAL: Os argumentos (divisões) são
   tiradas diretamente do texto bíblico;
• SERMÃO EXPOSITIVO: Os argumentos giram em torno
   da exposição exegética completa do texto.
• SERMÃO BIOGRÁFICO: Os argumentos são baseados
   na vida de um personagem bíblico.


                        Pr. Moisés Sampaio de Paula         21
SERMÃO TEMÁTICO
 DEFINIÇÃO: É aquele em que toda a argumentação ou divisões
   principais estão atreladas a um tema, divide-se o tema e não o
   texto, o que permite a utilização de vários textos bíblicos.
 COMO RETIRAR IDÉIAS E ARGUMENTOS (DIVISÕES) DO TEMA:
• Escolher o tema – (Criar frases, retirar de textos bíblicos ou de
   outras fontes);
• Analisar o tema – (repetir e refletir várias vezes);
• Pergunte-se, o que deve falar sobre o tema;
• Extrair a principal palavra ou frase do tema – (Ela pode se repetir
   nos argumentos);
• Separe no mínimo 3 argumentos ligados ao tema;
• Pesquisar passagens bíblicas que se refiram aos argumentos.;
• As divisões são explicação ou respostas do tema.

                              Pr. Moisés Sampaio de Paula               22
SERMÃO TEMÁTICO
TIPOS DE TEMAS:

Interrogativo: Uma pergunta, que deve ser respondida no sermão.
    Ex.: Onde estás? Que farei de Jesus? Tenho uma arma o que fazer com ela?
Lógico: Explicativo.
    Ex.: O que o homem semear, ceifará; Quem encontra Jesus volta por outro caminho.
Imperativos: Mandamento, uma ordem; Caracteriza-se pelo verbo no modo
  imperativo.
    Ex.: Enchei-vos do espírito; Não seja incrédulo; Não adores a um Deus morto.
Enfáticos; Realçar um aspecto específico;
    Ex.: Só Jesus salva; Dois tipos de cristãos;
Geral: Abrangente, aborda um assunto de forma geral sem especificá-lo.
    Ex.: Amor; fé, esperança


                                      Pr. Moisés Sampaio de Paula                      23
SERMÃO TEMÁTICO
EXEMPLO:
Tema: “A PAZ QUE SÓ JESUS PODE DAR...”
  1 – ...ilumina nosso caminho Lucas 1:79
  2 – ...liberta a nossa mente de pensamento
    perturbador João 14:27
  3 – ...retira sentimento de medo João 20:19 e 20
  4 – ...salva João 3:16

  O sermão temático exige do pregador mais
  cultura geral e teológica, criatividade, estilo
  apurado, contudo, o sermão temático conserva
  melhor a unidade.

                     Pr. Moisés Sampaio de Paula     24
SERMÃO TEXTUAL
DEFINIÇÃO: É aquele em que toda a argumentação está amarrada no
  texto principal que, será dividido em tópicos. No sermão textual as
  idéias são retiradas de um texto escolhido pelo pregador. As divisões
  principais são derivadas de um texto constituído de uma breve porção
  da bíblia.

CARACTERÍSTICAS DO SERMÃO TEXTUAL
   1. Deve girar em torno de uma única idéia principal da passagem, e as
      divisões principais devem desenvolver essa idéia.
   2. As divisões podem consistir em verdades sugeridas pelo texto.
   3. As divisões devem, preferencialmente e quando possível, vir em
      seqüência lógica e cronológica.
   4. As próprias palavras do texto podem formar as divisões principais do
      sermão, desde que elas se refiram à idéia principal.
                             Pr. Moisés Sampaio de Paula                     25
SERMÃO TEXTUAL
COMO RETIRAR IDÉIAS E ARGUMENTOS:
As divisões do sermão textual podem ser feitas de acordo com as declarações
    originais do texto, ou se utilizar uma análise mais apurada baseando-se em
    perguntas como: Onde? Que? Quem? Por que? Que deverão ser respondidas
    pelas declarações ou frases do texto. As orações textuais são reduzidas a
    expressões sintéticas que encerra o conteúdo.
     1 – Leia todo o texto.
     2 – Procure a idéia principal do texto. (Observe o subtema, o contexto, e a
         situação)
     3 – Procure os principais verbos e seus complementos. Lembre-se verbo é ação.
     4 – Procure os sentidos expressos nas representações simbólicas, metáforas e
         figuras.
     4 – Com base nos verbos e significados retirados crie frases (divisões) que os
         complemente e que, passem uma idéia ou estejam ligadas com a mensagem
         a ser pregada.
     5 – Organize as frases dentro da idéia principal
                                 Pr. Moisés Sampaio de Paula                          26
SERMÃO TEXTUAL
EXEMPLO:
Texto: Salmo 40:1-4
Tema: Nem antes, nem depois, no tempo de Deus.
Introdução: (Definição) Esperança significa expectação em receber um bem. O mundo
    é imediatista.
Corpo: O que acontece quando você espera no senhor?
     1 – Ele te retira da condição atual. ( Qual é o seu lago terrível? )
     2 – Ele te coloca em segurança, na rocha. ( Te dá visão para solucionar o
        problema )
     3 – Ele requer a sua adoração, um novo cântico. ( Adorar em Espírito e verdade )
     4 – Ele te faz testemunha, muitos o verão. ( serme-eis testemunha )

   Repare que cada tópico (divisão) apresenta um termo ou uma passagem do texto.
   O sermão textual exige do pregador conhecimento do texto, contexto e cultura
   bíblica.



                                 Pr. Moisés Sampaio de Paula                       27
O SERMÃO EXPOSITIVO
•  DEFINIÇÃO: É aquele que explora os argumentos 
  principais da exegese, hermenêutica e faz uma 
  exposição completa de um trecho mais ou menos 
  extenso. 
   – O sermão expositivo é uma aula, uma análise 
     pormenorizada e lógica do texto sagrado. 
   – Este tipo do sermão requer do pregador 
     cultura teológica e poder espiritual.
   – É muito comum o uso do sermão expositivo 
     em pregações seriadas como conferências e 
     estudo bíblico.
                  Pr. Moisés Sampaio de Paula   28
O SERMÃO EXPOSITIVO
•  IMPORTANTE: O sermão expositivo é considerado, 
  pelos pregadores mais proeminentes, o melhor tipo 
  de sermão. Ele possue uma série de vantagens sobre 
  os outros tipos. Uma dessas vantagens é que, 
  justamente por se basear em uma porção extensa 
  das Escrituras, é possível obter diversas aplicações de 
  um mesmo texto.
• Spurgeon, Wesley, J.Eduards, G.Whitefield, Finney 
  todos usavamo sermão expositivo. 




                       Pr. Moisés Sampaio de Paula           29
O SERMÃO EXPOSITIVO
•   COMO RETIRAR IDÉIAS E ARGUMENTOS:
    • O sermão expositivo é o método mais difícil, apreciado pelos que se 
      dedicam à leitura e ao estudo diário e contínuo da bíblia, deve ser feito 
      uma análise de línguas, interpretação, pesquisa arqueológica, e 
      histórica, bem como, comparação de textos.
    • Planejamento
    • Poder abordar um grande texto ou uma passagem curta;
    • Interpretação mais fiel;
    • Análise profunda do texto;
    • Unidade, idéias subsidiárias devem ser agrupadas com base em uma 
      idéia principal;
    • Não é suficiente apresentar só tópicos ou divisões; 
    • Tempo de estudo dos pontos difíceis;
    • Pode ser abordado em série.
                              Pr. Moisés Sampaio de Paula                    30
O SERMÃO BIOGRÁFICO
•  DEFINIÇÃO: É um tipo específico de sermão 
  que tem por objetivo expor a vida de algum 
  personagem bíblico como modelo de fé e 
  exemplo de comportamento.




                  Pr. Moisés Sampaio de Paula   31
O SERMÃO BIOGRÁFICO
EXEMPLO:
ANDRÉ- “Um discípulo que acrescenta à vida dos outros”
JOÃO 01.35-40 
 INTRODUÇÃO
André é o grego  Andros, “homem”. Significa varonil, másculo, com a idéia de alguém valoroso. 
    Era irmão de Simão Pedro: Mateus 4.18. Foi discípulo de João Batista, que lheapontou Jesus 
    Cristo. André foi atrás, passou a tarde conversando com Jesus e levouPedro até ele: João 
    1.35-42. Parece que a conversa terminou aí, até que Jesus encontrouos dois, no trabalho 
    deles, e os chamou para segui-lo: Mateus 4.18-19. Por isso, os dois largaram tudo. ...
1. UM HOMEM COM ALMA DE DISCÍPULO
     (1) Seguia a João Batista e foi atrás de Jesus.Buscava o melhor. Que tipo de melhor 
          buscamos?
     FSP de 15.11.7: mulher jejuou até morrer esperando um emissário de Deus que a levaria da 
          Baixada para a Zona Sul do Rio.
     (2) Discípulo não é título de nobreza, mas condição de aprendiz. As igrejas têm muitos 
          nobres epoucos aprendizes. André é um aprendedor.
2. UM HOMEM COM MENTE PONDERADA
• ...
                                     Pr. Moisés Sampaio de Paula                             32
Contato


          Pr. Moisés Sampaio
               É pastor auxiliar na Assembléia de Deus em Rio 
               Branco, Acre, Brasil.

          •   Site: www.moisessampaio.com
          •   Face: www.facebook.com/prmoisessampaio
          •   Blog: http://prmoisessampaio.blogspot.com.br
          •   E-mail: prmoisessampaio@gmail.com
          •   Fone: (68)9971-3335

                  Pr. Moisés Sampaio de Paula            33

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Hermenêutica
HermenêuticaHermenêutica
Hermenêutica
 
Exegese
ExegeseExegese
Exegese
 
Aula 01-homilética-v1
Aula 01-homilética-v1Aula 01-homilética-v1
Aula 01-homilética-v1
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
 
Aula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completaAula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completa
 
Aula hermenêutica
Aula hermenêuticaAula hermenêutica
Aula hermenêutica
 
Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
 
05 homiletica
05 homiletica05 homiletica
05 homiletica
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - ApresentaçãoTeologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Aula interpretando a biblia hermeneutica
Aula interpretando a biblia hermeneuticaAula interpretando a biblia hermeneutica
Aula interpretando a biblia hermeneutica
 
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
 
A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 

Destaque

Homilética arte de pregar
Homilética   arte de pregar Homilética   arte de pregar
Homilética arte de pregar Paulo Ferreira
 
Como preparar uma pregação
Como preparar uma pregaçãoComo preparar uma pregação
Como preparar uma pregaçãoAlípio Vallim
 
2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortosMoisés Sampaio
 
Reis e profetas - Aula 2
Reis e profetas - Aula 2Reis e profetas - Aula 2
Reis e profetas - Aula 2Moisés Sampaio
 
A longa seca sobre israel
A longa seca sobre israelA longa seca sobre israel
A longa seca sobre israelMoisés Sampaio
 
Educação cristã, responsabilidade dos pais
Educação cristã, responsabilidade dos paisEducação cristã, responsabilidade dos pais
Educação cristã, responsabilidade dos paisMoisés Sampaio
 
4. as 70 semanas de daniel
4. as 70 semanas de daniel4. as 70 semanas de daniel
4. as 70 semanas de danielMoisés Sampaio
 

Destaque (10)

Homilética arte de pregar
Homilética   arte de pregar Homilética   arte de pregar
Homilética arte de pregar
 
Como preparar uma pregação
Como preparar uma pregaçãoComo preparar uma pregação
Como preparar uma pregação
 
8. tribunal de cristo
8. tribunal de cristo8. tribunal de cristo
8. tribunal de cristo
 
Atlas bíblico
Atlas bíblicoAtlas bíblico
Atlas bíblico
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
 
2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos
 
Reis e profetas - Aula 2
Reis e profetas - Aula 2Reis e profetas - Aula 2
Reis e profetas - Aula 2
 
A longa seca sobre israel
A longa seca sobre israelA longa seca sobre israel
A longa seca sobre israel
 
Educação cristã, responsabilidade dos pais
Educação cristã, responsabilidade dos paisEducação cristã, responsabilidade dos pais
Educação cristã, responsabilidade dos pais
 
4. as 70 semanas de daniel
4. as 70 semanas de daniel4. as 70 semanas de daniel
4. as 70 semanas de daniel
 

Semelhante a Homilética

HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docxHOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docxKellySousa49
 
Evangélico curso de teologia - homilética
Evangélico   curso de teologia - homiléticaEvangélico   curso de teologia - homilética
Evangélico curso de teologia - homiléticaDr. Silvio Vieira
 
HOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptx
HOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptxHOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptx
HOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptxAngeloNunes10
 
Curso de pregação e estudo bíblico
Curso de pregação e estudo bíblicoCurso de pregação e estudo bíblico
Curso de pregação e estudo bíblicoAlberto Simonton
 
30 homilética arte de preparar e pregar sermões
30 homilética   arte de preparar e pregar sermões30 homilética   arte de preparar e pregar sermões
30 homilética arte de preparar e pregar sermõesssuser615052
 

Semelhante a Homilética (20)

Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891
Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891
Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891
 
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docxHOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
 
Evangélico curso de teologia - homilética
Evangélico   curso de teologia - homiléticaEvangélico   curso de teologia - homilética
Evangélico curso de teologia - homilética
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Homiltica 170618212022
Homiltica 170618212022Homiltica 170618212022
Homiltica 170618212022
 
Curso de teologia - homilética
Curso de teologia - homiléticaCurso de teologia - homilética
Curso de teologia - homilética
 
HOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptx
HOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptxHOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptx
HOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptx
 
Apostila de homiletica
Apostila de homileticaApostila de homiletica
Apostila de homiletica
 
HOMILÉTICA
HOMILÉTICA HOMILÉTICA
HOMILÉTICA
 
Curso de pregação e estudo bíblico
Curso de pregação e estudo bíblicoCurso de pregação e estudo bíblico
Curso de pregação e estudo bíblico
 
30 homilética arte de preparar e pregar sermões
30 homilética   arte de preparar e pregar sermões30 homilética   arte de preparar e pregar sermões
30 homilética arte de preparar e pregar sermões
 
HERMENÊUTICA E HOMILÉTICA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)
HERMENÊUTICA E HOMILÉTICA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)HERMENÊUTICA E HOMILÉTICA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)
HERMENÊUTICA E HOMILÉTICA (AULA 04 - BÁSICO - IBADEP)
 
Aula 2 homilética
Aula 2 homiléticaAula 2 homilética
Aula 2 homilética
 
HOMILETICA._CFE.pdf
HOMILETICA._CFE.pdfHOMILETICA._CFE.pdf
HOMILETICA._CFE.pdf
 
Aula 07-homilética-v2
Aula 07-homilética-v2Aula 07-homilética-v2
Aula 07-homilética-v2
 
Homilética etecam
Homilética etecamHomilética etecam
Homilética etecam
 
Apostila de homilética
Apostila de homiléticaApostila de homilética
Apostila de homilética
 
Homilética
Homilética Homilética
Homilética
 
O pregador e a pregação
O pregador e a pregaçãoO pregador e a pregação
O pregador e a pregação
 

Mais de Moisés Sampaio

Mais de Moisés Sampaio (20)

Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
 

Homilética

  • 2. O QUE É HOMILÉTICA? • Em teologia, Homilética (Grego Homiletikos, de homilos - montar em conjunto), é a aplicação dos princípios gerais da retórica para o fim específico da pregação pública. • Retórica – Significado a arte de bem falar, de valer-se da eloquência ou da argumentação clara para se comunicar. • Homilética é arte de Pregar Pr. Moisés Sampaio de Paula 2
  • 3. O PREGADOR • Baseando-se em três passagens da vida de Pedro o pregador deve ser: 1 – Aquele que esteve com Jesus - Atos 4:13 2 – Aquele que fala como Jesus – Mateus 26:73 3 – Aquele que fala de Jesus – Atos 40:10 Pr. Moisés Sampaio de Paula 3
  • 4. O PREGADOR • O pregador é um interprete da bíblia, por isto tem que ter com ela um compromisso de não violar a sua mensagem. • Assim, o pregador deve observar não somente o texto mas também o contexto. Pr. Moisés Sampaio de Paula 4
  • 5. O PREGADOR DEVE • SOB O PONTO DE VISTA ESPIRITUAL 1. Chamado para obra (ordenança) Mt 28:19 2. Conhecer Deus Atos 4:13 3. Ter uma mensagem Atos 5:20 4. Unção 2 Reis 2.9 e Autoridade/ousadia Mc 1:21 • SOB O PONTO DE VISTA TÉCNICO 1. Dom da palavra Rm 12: 6,7.8 2. Conhecimento da palavra II Tm 2:15 3. Manejar da palavra II Tm 2:15 4. Guardar a palavra no coração Sl 119 5. Ser um Instrumento II Tm 2:15 Pr. Moisés Sampaio de Paula 5
  • 6. A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO É • Trazer as Boas Novas da Salvação. 1. Apresentar ao público Jesus Cristo, 2. Seus ensinamentos e 3. Seu propósito, • Para isso, é preciso que o pregador tenha uma identificação completa com Cristo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 6
  • 7. O PREGADOR PODE USAR • Esboço - É o método mais usado entre os pregadores, onde estes anotam o sermão o subdividindo em tópicos. • Memorização - É talvez o método mais antigo, usado por pessoas que são dotadas de uma boa memória. Onde o pregador não utiliza o esboço e traz a mensagem apenas utilizando sua memória. • Improviso - É o método onde o pregador fala totalmente de improviso apenas levando em conta o sentimento do momento. Pr. Moisés Sampaio de Paula 7
  • 8. O AUDIOVISUAL DO PREGADOR “O coração alegre aformoseia o rosto...” (Provérbio 15.13a) 1 – Expressão corporal; 2 – O olhar e a expressão fisionômica: “O grande orador romano Cícero (106-43 a.C.) declarou: na locução, em seguida à voz e à eficácia, vem a fisionomia; e esta é dominada pelos olhos. O poder da expressão do olhar humano é tão grande que, de certa maneira, ele determina a expressão do semblante todo”; 3 – O sorriso; 6 – O volume; 4 – Tom de voz; 7 – A velocidade; 5 – A dicção (s, r, l); 8 – A respiração. Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
  • 9. EXEGESE – Interpretando a Bíblia • Exegese é o trabalho de interpretação de um texto bíblico. • Hermenêutica. 1.Do grego: hermeneutiké 2.Se caracteriza pela interpretação ou compreensão dos textos de teor religioso ou filosófico; arte de interpretar os livros sagrados e os textos antigos Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
  • 10. DEZ PASSOS PARA UMA BOA EXEGESE 1 - Leia o texto em voz alta, comparando com versões diferentes para maior compreensão. 2 - Reproduza o texto com suas próprias palavras. (Fale sozinho) 3 - Observe o texto imediato e remoto. 4 - Verifique a linguagem do texto ( história, milagre, ensino, parábola, profecia, etc.) 5 - Pesquise o significado exato das principais palavras; 6 - Faça anotações; 7 - Pesquise o contexto ( época, país, costumes, tradição, etc.) 8 - Pergunte sempre Onde? Quem? O que? Por que? 9 - Organize o texto em seções principal e secundárias; 10 - Resuma com a seguinte frase: “O assunto mais importante deste texto é...” Pr. Moisés Sampaio de Paula 10
  • 11. ESTRUTURA DO SERMÃO TEMA - Para que o ouvinte possa Ter uma idéia do que você tem a falar é imprescindível o emprego de um tema. O ouvinte realmente estará adentrando no seu sermão. O tema é o assunto em questão. – De que eu falo? – Por que eu mencionarei isso? ALVO OU OBJETIVO – Neste momento do sermão, o objetivo ou assunto , o pregador deverá ser inspirado por Deus. É exatamente aqui que ele recebe a mensagem que tem a pregar e a partir deste ponto estruturá-la para levar a igreja. Pr. Moisés Sampaio de Paula 11
  • 12. ESTRUTURA DO SERMÃO 1. TÍTULO - Muitos pregadores confundem a tema com o título, mas o título não é nada mais do que o rótulo do sermão. O título é como o prelúdio para o tema. Isto é o que cativa os corações dos ouvintes. 2. TEXTO BÍBLICO – O assunto do sermão deverá ser baseado em um texto bíblico. 3. INTRODUÇÃO – Começar bem é provocar interesse e despertar atenção. Aproximar o ouvinte do sermão e dar a ele uma noção ou explicação do que vai ser falado. 4. CORPO - Essa é a principal parte. Onde deverá está o conteúdo de toda mensagem, ordenado de forma lógica e precisa. Neste ponto também deverão ser abordadas algumas aplicações utilizadas durante o sermão como, ILUSTRAÇÕES, FIGURAS DE LINGUAGEM, MATERIAL DE PREPARAÇÃO. 5. CONCLUSÃO – Baseados no objetivo específico do sermão a conclusão é uma síntese do mesmo e deve ser uma aplicação final à vida do ouvinte. 6. APELO – Um esforço feito para alcançar a consciência, o coração e a vontade do ouvinte. São os frutos do sermão. Pr. Moisés Sampaio de Paula 12
  • 13. COMO ESCOLHER UM TEMA • As orientações mais comuns que encontramos: • Datas especiais. - o natal, a páscoa, o dia de finados, dentre outras • Eventos eclesiásticos especiais. A Ceia do Senhor; Batismos; Funerais; Consagrações; etc. • Referência a uma necessidade particular identificada. Um obreiro sensível à voz do Espírito certamente identificara necessidades espirituais na vida da Igreja, ou de algum grupo ou membro. O bom senso e a experiência ministerial poderão lhe dizer a melhor forma de se tratar o caso: em publico ou em particular. • Eventos contemporâneos. O cristão pode sim ler a Bíblia e o jornal ao mesmo tempo, porém, jamais deve se esquecer que apenas a Bíblia é a verdade divina! • Estudos pessoais das Escrituras. Este é a metodologia mais recomendada e segura. Pr. Moisés Sampaio de Paula 13
  • 14. Importante • Já foi dito que as duas partes mais importantes do sermão é a introdução e a conclusão. • Na introdução, chamamos a atenção dos ouvintes. • Na conclusão/final, levamos o público a uma pensar e a decidir. Pr. Moisés Sampaio de Paula 14
  • 15. Introdução • Objetivo 1. Serve para estimular o intelecto, e a prática espiritual. 2. Não procure antecipar o que assunto do desenvolvimento/corpo ou esboço 3. Às vezes você precisa pular a introdução. • Qualidades de uma boa introdução 1. Deve ser relacionado com o tema 2. Não prometo muito 3. Deve ser curto. Pr. Moisés Sampaio de Paula 15
  • 16. COMO DEVE SER A CONCLUSÃO ? 1 – Apontar o objetivo específico da mensagem; 2 – Clara e específica; 3 – Resumo do sermão (o sermão em poucas palavras) 4 – Aplicação direta a vida dos ouvintes; 5 – Pequena; 6 – Faça um desfecho inesperado. Logo, uma boa conclusão deve proporcionar aos ouvintes satisfação, no sentido de haver esclarecido completamente o objetivo da mensagem. É preciso Ter um ponto final para que o pregador não fique perdido. OBS.: NÃO DEVE PREGAR UM SEGUNDO SERMÃO Pr. Moisés Sampaio de Paula 16
  • 17. O APELO • É um esforço feito para alcançar o coração, a consciência e a vontade do ouvinte. Apelo não é apelação. • Dois tipos de apelos: 1. CONVERSÃO/RECONCILIAÇÀO – Aos ímpios e aos desviados. 2. RESTAURAÇÃO – A igreja (fortalecimento da aliança, cura divina) Pr. Moisés Sampaio de Paula 17
  • 18. COMO DEVE SER O APELO? 1 – Convite 2 – Impactante e direto 3 – Não forçado ou prolongado 4 – Logo após a mensagem. No apelo você deve dizer ao ouvinte o que ele deve fazer para confirmar a sua aceitação. Seja claro e mostre como ele deve agir. • Levantar as mãos; • Ir a frente; • Ficar em pé; • Procurar uma igreja próxima; • Conversar com o pastor em momento oportuno. Pr. Moisés Sampaio de Paula 18
  • 19. CLASSIFICAÇÃO DO SERMÃO • O sermão é classificado de duas formas: 1. Assunto 2. Método/tipo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 19
  • 20. 1. CLASSIFICAÇÃO PELO ASSUNTO - Doutrinário. É aquele que expõe uma doutrina. ( Ensinamento ) - Histórico. É aquele que narra uma história. - Ocasional. É aquele destinados a ocasiões especiais. - Apologético. Tem a finalidade de fazer apologia. ( defender ) - Ético. É quando exalta a conduta e a vida moral e ética. - Narrativo Quando narra um fato, um milagre. - Controvérsia tem por finalidade atacar erros e heresias. Pr. Moisés Sampaio de Paula 20
  • 21. 2. CLASSIFICAÇÃO PELO TIPO DE SERMÃO Tradicionalmente encontramos, praticamente em todos as obras homiléticas, quatro tipos básicos de sermões: • SERMÃO TEMÁTICO: Os argumentos (divisões) resultam do tema independente do texto; • SERMÃO TEXTUAL: Os argumentos (divisões) são tiradas diretamente do texto bíblico; • SERMÃO EXPOSITIVO: Os argumentos giram em torno da exposição exegética completa do texto. • SERMÃO BIOGRÁFICO: Os argumentos são baseados na vida de um personagem bíblico. Pr. Moisés Sampaio de Paula 21
  • 22. SERMÃO TEMÁTICO DEFINIÇÃO: É aquele em que toda a argumentação ou divisões principais estão atreladas a um tema, divide-se o tema e não o texto, o que permite a utilização de vários textos bíblicos. COMO RETIRAR IDÉIAS E ARGUMENTOS (DIVISÕES) DO TEMA: • Escolher o tema – (Criar frases, retirar de textos bíblicos ou de outras fontes); • Analisar o tema – (repetir e refletir várias vezes); • Pergunte-se, o que deve falar sobre o tema; • Extrair a principal palavra ou frase do tema – (Ela pode se repetir nos argumentos); • Separe no mínimo 3 argumentos ligados ao tema; • Pesquisar passagens bíblicas que se refiram aos argumentos.; • As divisões são explicação ou respostas do tema. Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
  • 23. SERMÃO TEMÁTICO TIPOS DE TEMAS: Interrogativo: Uma pergunta, que deve ser respondida no sermão. Ex.: Onde estás? Que farei de Jesus? Tenho uma arma o que fazer com ela? Lógico: Explicativo. Ex.: O que o homem semear, ceifará; Quem encontra Jesus volta por outro caminho. Imperativos: Mandamento, uma ordem; Caracteriza-se pelo verbo no modo imperativo. Ex.: Enchei-vos do espírito; Não seja incrédulo; Não adores a um Deus morto. Enfáticos; Realçar um aspecto específico; Ex.: Só Jesus salva; Dois tipos de cristãos; Geral: Abrangente, aborda um assunto de forma geral sem especificá-lo. Ex.: Amor; fé, esperança Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
  • 24. SERMÃO TEMÁTICO EXEMPLO: Tema: “A PAZ QUE SÓ JESUS PODE DAR...” 1 – ...ilumina nosso caminho Lucas 1:79 2 – ...liberta a nossa mente de pensamento perturbador João 14:27 3 – ...retira sentimento de medo João 20:19 e 20 4 – ...salva João 3:16 O sermão temático exige do pregador mais cultura geral e teológica, criatividade, estilo apurado, contudo, o sermão temático conserva melhor a unidade. Pr. Moisés Sampaio de Paula 24
  • 25. SERMÃO TEXTUAL DEFINIÇÃO: É aquele em que toda a argumentação está amarrada no texto principal que, será dividido em tópicos. No sermão textual as idéias são retiradas de um texto escolhido pelo pregador. As divisões principais são derivadas de um texto constituído de uma breve porção da bíblia. CARACTERÍSTICAS DO SERMÃO TEXTUAL 1. Deve girar em torno de uma única idéia principal da passagem, e as divisões principais devem desenvolver essa idéia. 2. As divisões podem consistir em verdades sugeridas pelo texto. 3. As divisões devem, preferencialmente e quando possível, vir em seqüência lógica e cronológica. 4. As próprias palavras do texto podem formar as divisões principais do sermão, desde que elas se refiram à idéia principal. Pr. Moisés Sampaio de Paula 25
  • 26. SERMÃO TEXTUAL COMO RETIRAR IDÉIAS E ARGUMENTOS: As divisões do sermão textual podem ser feitas de acordo com as declarações originais do texto, ou se utilizar uma análise mais apurada baseando-se em perguntas como: Onde? Que? Quem? Por que? Que deverão ser respondidas pelas declarações ou frases do texto. As orações textuais são reduzidas a expressões sintéticas que encerra o conteúdo. 1 – Leia todo o texto. 2 – Procure a idéia principal do texto. (Observe o subtema, o contexto, e a situação) 3 – Procure os principais verbos e seus complementos. Lembre-se verbo é ação. 4 – Procure os sentidos expressos nas representações simbólicas, metáforas e figuras. 4 – Com base nos verbos e significados retirados crie frases (divisões) que os complemente e que, passem uma idéia ou estejam ligadas com a mensagem a ser pregada. 5 – Organize as frases dentro da idéia principal Pr. Moisés Sampaio de Paula 26
  • 27. SERMÃO TEXTUAL EXEMPLO: Texto: Salmo 40:1-4 Tema: Nem antes, nem depois, no tempo de Deus. Introdução: (Definição) Esperança significa expectação em receber um bem. O mundo é imediatista. Corpo: O que acontece quando você espera no senhor? 1 – Ele te retira da condição atual. ( Qual é o seu lago terrível? ) 2 – Ele te coloca em segurança, na rocha. ( Te dá visão para solucionar o problema ) 3 – Ele requer a sua adoração, um novo cântico. ( Adorar em Espírito e verdade ) 4 – Ele te faz testemunha, muitos o verão. ( serme-eis testemunha ) Repare que cada tópico (divisão) apresenta um termo ou uma passagem do texto. O sermão textual exige do pregador conhecimento do texto, contexto e cultura bíblica. Pr. Moisés Sampaio de Paula 27
  • 28. O SERMÃO EXPOSITIVO •  DEFINIÇÃO: É aquele que explora os argumentos  principais da exegese, hermenêutica e faz uma  exposição completa de um trecho mais ou menos  extenso.  – O sermão expositivo é uma aula, uma análise  pormenorizada e lógica do texto sagrado.  – Este tipo do sermão requer do pregador  cultura teológica e poder espiritual. – É muito comum o uso do sermão expositivo  em pregações seriadas como conferências e  estudo bíblico. Pr. Moisés Sampaio de Paula 28
  • 29. O SERMÃO EXPOSITIVO •  IMPORTANTE: O sermão expositivo é considerado,  pelos pregadores mais proeminentes, o melhor tipo  de sermão. Ele possue uma série de vantagens sobre  os outros tipos. Uma dessas vantagens é que,  justamente por se basear em uma porção extensa  das Escrituras, é possível obter diversas aplicações de  um mesmo texto. • Spurgeon, Wesley, J.Eduards, G.Whitefield, Finney  todos usavamo sermão expositivo.  Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
  • 30. O SERMÃO EXPOSITIVO • COMO RETIRAR IDÉIAS E ARGUMENTOS: • O sermão expositivo é o método mais difícil, apreciado pelos que se  dedicam à leitura e ao estudo diário e contínuo da bíblia, deve ser feito  uma análise de línguas, interpretação, pesquisa arqueológica, e  histórica, bem como, comparação de textos. • Planejamento • Poder abordar um grande texto ou uma passagem curta; • Interpretação mais fiel; • Análise profunda do texto; • Unidade, idéias subsidiárias devem ser agrupadas com base em uma  idéia principal; • Não é suficiente apresentar só tópicos ou divisões;  • Tempo de estudo dos pontos difíceis; • Pode ser abordado em série. Pr. Moisés Sampaio de Paula 30
  • 31. O SERMÃO BIOGRÁFICO •  DEFINIÇÃO: É um tipo específico de sermão  que tem por objetivo expor a vida de algum  personagem bíblico como modelo de fé e  exemplo de comportamento. Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
  • 32. O SERMÃO BIOGRÁFICO EXEMPLO: ANDRÉ- “Um discípulo que acrescenta à vida dos outros” JOÃO 01.35-40   INTRODUÇÃO André é o grego  Andros, “homem”. Significa varonil, másculo, com a idéia de alguém valoroso.  Era irmão de Simão Pedro: Mateus 4.18. Foi discípulo de João Batista, que lheapontou Jesus  Cristo. André foi atrás, passou a tarde conversando com Jesus e levouPedro até ele: João  1.35-42. Parece que a conversa terminou aí, até que Jesus encontrouos dois, no trabalho  deles, e os chamou para segui-lo: Mateus 4.18-19. Por isso, os dois largaram tudo. ... 1. UM HOMEM COM ALMA DE DISCÍPULO (1) Seguia a João Batista e foi atrás de Jesus.Buscava o melhor. Que tipo de melhor  buscamos? FSP de 15.11.7: mulher jejuou até morrer esperando um emissário de Deus que a levaria da  Baixada para a Zona Sul do Rio. (2) Discípulo não é título de nobreza, mas condição de aprendiz. As igrejas têm muitos  nobres epoucos aprendizes. André é um aprendedor. 2. UM HOMEM COM MENTE PONDERADA • ... Pr. Moisés Sampaio de Paula 32
  • 33. Contato Pr. Moisés Sampaio      É pastor auxiliar na Assembléia de Deus em Rio  Branco, Acre, Brasil. • Site: www.moisessampaio.com • Face: www.facebook.com/prmoisessampaio • Blog: http://prmoisessampaio.blogspot.com.br • E-mail: prmoisessampaio@gmail.com • Fone: (68)9971-3335 Pr. Moisés Sampaio de Paula 33