SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
A pessoa de
Cristo
Organizado por
Gilson Barbosa
Texto extraído da obra
Introdução à Teologia
Sistemática
Autor: Millard J. Erickson
Deus nos ama, e por isso escolheu agir por
meio de Cristo para nos restaurar à
condição e ao relacionamento pretendidos.
Assim, nossa compreensão da pessoa e da
obra de Cristo nasce diretamente das
doutrinas da humanidade e do pecado.
de Jesus
• Que Jesus pensava e cria a
respeito de Si mesmo?
• Jesus não fez nenhuma
alegação explícita e aberta de
Sua divindade, dizendo com
todas as letras: “Eu sou Deus”.
Reivindicadas por Jesus
• Sua alegação de perdoar pecados resultou
numa acusação de blasfêmea contra ele. Mar. 2:5
• A autoridade que Jesus reivindicou e exerceu é
também vista claramente no que diz respeito
ao sábado. Mar. 2:27 e 28
Reivindicadas por Jesus
• Vemos também alegando ter um
relacionamento incomum com o Pai:
– Alega ser um com o Pai (João 10:30).
– Vê-lo e conhecê-lo é ver e conhecer ao Pai
(João 14:7-9).
– Afirmação de pré-existência (João 8:58).
•Usa a mesma fórmula que Deus usou em
Êxodo 3:14 e 15.
Reivindicadas por Jesus
• Mateus registra que o Sumossacerdote teria
dito: “Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos
diga se tu és o Cristo, o filho de Deus” (Mat.
26:63). A resposta de Jesus deixa clara a
sua divindade.
• Aceitou que seus discípulos lhe atribuíssem
divindade, quando Tomé declarou: “Senhor
meu e Deus meu”. João 20:28.
Reivindicadas por Jesus
• Indicações complementares de
autoconsciência:
– Justapõe suas palavras e as do Antigo
Testamento. Mat. 5:21,22,27 e 28.
– Declara ter poder sobre a vida e a morte.
João 5:21 e 11:25.
– Associou sua obra com a do Pai. João 5:2-18.
O Evangelho deJoão
João
• O Evangelho de João é notável
por suas referências à
divindade de Jesus. O prólogo
expressa particularmente essa
ideia. João afirma: “No
princípio era o Verbo, e o
Verbo estava com Deus, e o
Verbo era Deus”.
O Evangelho deJoão
Hebreus
No capítulo de abertura, o autor fala do
Filho como o resplendor da glória de
Deus e a expressão exata de sua
natureza (Hb. 1:3), por meio de quem
Deus criou o mundo (v. 2), sustenta
todas as coisas pela palavra do seu
poder (v. 3), o Filho é tratado por
“Deus” (cit. o Salmo 45:6), o Filho é
superior aos anjos (1:4 a 2:9), a Moisés
(3:1-6) e aos sumos sacerdotes (4:14 5:10).
O Evangelho deJoão
Paulo
Em Colossenses 1:15-20:
•O Filho é a imagem do Deus invisível
(v. 15);
•É aquele em quem e por meio de quem
e para quem todas as coisas subsistem
(v. 17);
•“porque aprouve a Deus
que, nele, residisse toda a plenitude” (v.
19);
O Evangelho deJoão
Paulo
Em Colossenses 2:9:
•“porquanto, nele, habita, corporalmen
te, toda a plenitude da divindade”.
•No AT, o julgamento é atribuído a
Deus. Embora por vezes Paulo se refira
ao julgamento de Deus (Rom. 2:3), ele
também fala de “Cristo Jesus, que há de
julgar vivos e mortos” (II Tim. 4:1) e do
tribunal de Cristo (II Cor. 5:10).
O Evangelho deJoão
Paulo
Filipenses 2:5-11:
•O texto fala dele sendo ou existindo
em “forma” (morfhé) de Deus.
•No grego bíblico e clássico, esse termo
refere-se ao “conjunto de
características que fazem com que uma
coisa seja o que é”.
•Jesus, sendo Deus, esvaziouse, tornou-se homem e, depois, foi
novamente exaltado à posição de
divindade ou de igualdade com o Pai.
Os ebionitas, uma seita de cristãos heréticos,
negavam a divindade real ou ontológica de Jesus.
Jesus era um homem comum que possuía dons
incomuns, mas não sobre-humanos ou
sobrenaturais, de retidão e sabedoria.
Rejeitavam o nascimento virginal, sustentando
que Jesus nascera de José e Maria, normalmente.
O batismo foi o evento significativo na vida de
Jesus, pois foi então que o Cristo desceu em
forma de pomba sobre ele. Isso foi
compreendido mais como a presença do poder
e da influência de Deus no homem Jesus do que
uma realidade pessoal, metafísica. Próximo ao
final da vida de Jesus, o Cristo afastou-se dele.
O ensino de um presbítero de Alexandria
tornou-se a primeira grande ameaça à
concepção sustentada implicitamente pela
igreja no que diz respeito à divindade de Jesus.
A concepção central na visão ariana de Jesus é a
absoluta singularidade e transcendência de
Deus.
Deus é a única origem de todas as coisas, a
única existência não criada em todo o universo.
Somente Ele possui os atributos da divindade.
O Verbo é um ser criado, apesar de ser o
primeiro e o mais elevado dos seres. Embora
seja uma criatura perfeita, não sendo, de fato,
da mesma classe que as outras criaturas, ele não
tem existência própria.
Os arianos baseavam suas posições numa
coleção bem extensa de referências bíblicas:
• João 14:28 “O pai é maior do que eu”;
• Mc 13:32 “a respeito daquele dia e hora
ninguém sabe,... senão o Pai”;
Implicações da
O Evangelho deJoão
divindade de Cristo
1. Podemos ter conhecimento real de
Deus – João 14:9.
Se quisermos saber como é o amor de
Deus, a santidade de Deus, o poder de
Deus, só precisamos olhar para Cristo.
Implicações da
O Evangelho deJoão
divindade de Cristo
2. A redenção está à nossa disposição.
A morte de Cristo é suficiente para
todos os pecadores de todos os tempos,
pois quem morreu não foi um mero
homem finito, mas um Deus infinito.
Ele, a vida, o Doador e o Mantenedor
da vida, que não precisava morrer,
morreu.
Implicações da
O Evangelho deJoão
divindade de Cristo
3. Deus e a humanidade foram religados.
Não foi um anjo ou um homem que
veio da parte de Deus para nós, mas o
próprio Deus cruzou o abismo criado
pelo pecado.
Implicações da
O Evangelho deJoão
divindade de Cristo
4. É correto adorar a Cristo.
Ele não é apenas o mais elevado das
criaturas, mas é Deus no mesmo
sentido e no mesmo grau que o Pai. Ele
merece, tanto quanto Pai, nosso
louvor, nossa adoração e nossa
obediência.
Próximo estudo:

A Humanidade de Cristo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Do not manually_delete_this_folder
Do not manually_delete_this_folderDo not manually_delete_this_folder
Do not manually_delete_this_folder
Nard Servito
 

Mais procurados (20)

LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criaçãoLBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
 
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três PessoasLição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
Lição 3: A Santíssima Trindade um só Deus em três Pessoas
 
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
Do not manually_delete_this_folder
Do not manually_delete_this_folderDo not manually_delete_this_folder
Do not manually_delete_this_folder
 
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundoJovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
 
Aula02 cristologia
Aula02 cristologiaAula02 cristologia
Aula02 cristologia
 
O Senhor e Salvador Jesus Cristo.
O Senhor e Salvador Jesus Cristo.O Senhor e Salvador Jesus Cristo.
O Senhor e Salvador Jesus Cristo.
 
Desmascarando seitas e heresias parte 2
Desmascarando seitas e heresias   parte 2Desmascarando seitas e heresias   parte 2
Desmascarando seitas e heresias parte 2
 
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoasLição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
 
Lição 3 - Usando as lentes da fé e dos propósitos de Deus.
Lição 3 - Usando as lentes da fé e dos propósitos de Deus.Lição 3 - Usando as lentes da fé e dos propósitos de Deus.
Lição 3 - Usando as lentes da fé e dos propósitos de Deus.
 
Desmascarando seitas e heresias 1
Desmascarando seitas e   heresias 1Desmascarando seitas e   heresias 1
Desmascarando seitas e heresias 1
 
Doutrinas Bíblicas Estudos da Bíblia
Doutrinas Bíblicas Estudos da BíbliaDoutrinas Bíblicas Estudos da Bíblia
Doutrinas Bíblicas Estudos da Bíblia
 
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
 
Jesus criado ou gerado
Jesus criado ou geradoJesus criado ou gerado
Jesus criado ou gerado
 
Como explicar a trindade
Como explicar a trindadeComo explicar a trindade
Como explicar a trindade
 
Doutrina do homem
Doutrina do homemDoutrina do homem
Doutrina do homem
 
LIÇÃO_04 Jesus cristo
LIÇÃO_04 Jesus cristoLIÇÃO_04 Jesus cristo
LIÇÃO_04 Jesus cristo
 
O senhor e salvador jesus cristo
O senhor e salvador jesus cristoO senhor e salvador jesus cristo
O senhor e salvador jesus cristo
 
Lição 13 - A Relevância da Experiência Cristã
Lição 13 - A Relevância da Experiência CristãLição 13 - A Relevância da Experiência Cristã
Lição 13 - A Relevância da Experiência Cristã
 

Semelhante a A pessoa de cristo

Teo do n t slide do dia 27 de janeiro
Teo do n t slide do dia 27 de janeiroTeo do n t slide do dia 27 de janeiro
Teo do n t slide do dia 27 de janeiro
Jose Ventura
 
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Elementos fundamentais de cristologia   frei otonElementos fundamentais de cristologia   frei oton
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Zé Vitor Rabelo
 
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Elementos fundamentais de cristologia   frei otonElementos fundamentais de cristologia   frei oton
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Zé Vitor Rabelo
 
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Elementos fundamentais de cristologia   frei otonElementos fundamentais de cristologia   frei oton
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Zé Vitor Rabelo
 
A bíblia e a fé cristã (1)
A bíblia e a fé cristã (1)A bíblia e a fé cristã (1)
A bíblia e a fé cristã (1)
Recife Metro
 

Semelhante a A pessoa de cristo (20)

20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
 
Aula de Cristologia - A Pessoa de Cristo
Aula de Cristologia - A Pessoa de CristoAula de Cristologia - A Pessoa de Cristo
Aula de Cristologia - A Pessoa de Cristo
 
A Divindade de Cristo.pptx
A Divindade de Cristo.pptxA Divindade de Cristo.pptx
A Divindade de Cristo.pptx
 
Teo do n t slide do dia 27 de janeiro
Teo do n t slide do dia 27 de janeiroTeo do n t slide do dia 27 de janeiro
Teo do n t slide do dia 27 de janeiro
 
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
 
O senhor e salvador jesus cristo
O senhor e salvador jesus cristoO senhor e salvador jesus cristo
O senhor e salvador jesus cristo
 
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptxaula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
 
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
 
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
 
Aula 4 cristologia
Aula 4   cristologiaAula 4   cristologia
Aula 4 cristologia
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
 
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Elementos fundamentais de cristologia   frei otonElementos fundamentais de cristologia   frei oton
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
 
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Elementos fundamentais de cristologia   frei otonElementos fundamentais de cristologia   frei oton
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
 
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Elementos fundamentais de cristologia   frei otonElementos fundamentais de cristologia   frei oton
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
A bíblia e a fé cristã (1)
A bíblia e a fé cristã (1)A bíblia e a fé cristã (1)
A bíblia e a fé cristã (1)
 
Lição 01
Lição 01Lição 01
Lição 01
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
 
JESUS - O Homem Deus
JESUS - O Homem DeusJESUS - O Homem Deus
JESUS - O Homem Deus
 
Teologia de deus
Teologia de deusTeologia de deus
Teologia de deus
 

Mais de Gilson Barbosa

Mais de Gilson Barbosa (20)

2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx
2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx
2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx
 
A crítica e seus efeitos jpeg
A crítica e seus efeitos jpegA crítica e seus efeitos jpeg
A crítica e seus efeitos jpeg
 
Homilética 3
Homilética 3Homilética 3
Homilética 3
 
Manual da igreja Anciãos cap. 8
Manual da igreja Anciãos   cap. 8Manual da igreja Anciãos   cap. 8
Manual da igreja Anciãos cap. 8
 
Tipos de sermões
Tipos de sermõesTipos de sermões
Tipos de sermões
 
Como controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em públicoComo controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em público
 
A crítica e seus efeitos
A crítica e seus efeitos A crítica e seus efeitos
A crítica e seus efeitos
 
Palestra casais Compatibilidade
Palestra casais CompatibilidadePalestra casais Compatibilidade
Palestra casais Compatibilidade
 
Tempo com a família
Tempo com a famíliaTempo com a família
Tempo com a família
 
Treinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASDTreinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASD
 
Capítulo 4 o que fazemos...
Capítulo 4 o que fazemos...Capítulo 4 o que fazemos...
Capítulo 4 o que fazemos...
 
Capítulo 3 missão no testamento
Capítulo 3 missão no testamentoCapítulo 3 missão no testamento
Capítulo 3 missão no testamento
 
Capítulo 2 O Que é um Discípulo?
Capítulo 2 O Que é um Discípulo?Capítulo 2 O Que é um Discípulo?
Capítulo 2 O Que é um Discípulo?
 
Capítulo 1 a grande comissão
Capítulo 1 a grande comissãoCapítulo 1 a grande comissão
Capítulo 1 a grande comissão
 
História da iasd
História da iasdHistória da iasd
História da iasd
 
Planejamento desbravadores
Planejamento desbravadoresPlanejamento desbravadores
Planejamento desbravadores
 
Curso de diretoria Desbravadores - História
Curso de diretoria Desbravadores - HistóriaCurso de diretoria Desbravadores - História
Curso de diretoria Desbravadores - História
 
Introdução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia pptIntrodução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia ppt
 
Planejando a igreja local
Planejando a igreja localPlanejando a igreja local
Planejando a igreja local
 
Mi 10a
Mi 10aMi 10a
Mi 10a
 

Último

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
MilyFonceca
 
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
thandreola
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
StelaWilbert
 

Último (15)

Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
 
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
 

A pessoa de cristo

  • 1. A pessoa de Cristo Organizado por Gilson Barbosa Texto extraído da obra Introdução à Teologia Sistemática Autor: Millard J. Erickson
  • 2. Deus nos ama, e por isso escolheu agir por meio de Cristo para nos restaurar à condição e ao relacionamento pretendidos. Assim, nossa compreensão da pessoa e da obra de Cristo nasce diretamente das doutrinas da humanidade e do pecado.
  • 3.
  • 4. de Jesus • Que Jesus pensava e cria a respeito de Si mesmo? • Jesus não fez nenhuma alegação explícita e aberta de Sua divindade, dizendo com todas as letras: “Eu sou Deus”.
  • 5. Reivindicadas por Jesus • Sua alegação de perdoar pecados resultou numa acusação de blasfêmea contra ele. Mar. 2:5 • A autoridade que Jesus reivindicou e exerceu é também vista claramente no que diz respeito ao sábado. Mar. 2:27 e 28
  • 6. Reivindicadas por Jesus • Vemos também alegando ter um relacionamento incomum com o Pai: – Alega ser um com o Pai (João 10:30). – Vê-lo e conhecê-lo é ver e conhecer ao Pai (João 14:7-9). – Afirmação de pré-existência (João 8:58). •Usa a mesma fórmula que Deus usou em Êxodo 3:14 e 15.
  • 7. Reivindicadas por Jesus • Mateus registra que o Sumossacerdote teria dito: “Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos diga se tu és o Cristo, o filho de Deus” (Mat. 26:63). A resposta de Jesus deixa clara a sua divindade. • Aceitou que seus discípulos lhe atribuíssem divindade, quando Tomé declarou: “Senhor meu e Deus meu”. João 20:28.
  • 8. Reivindicadas por Jesus • Indicações complementares de autoconsciência: – Justapõe suas palavras e as do Antigo Testamento. Mat. 5:21,22,27 e 28. – Declara ter poder sobre a vida e a morte. João 5:21 e 11:25. – Associou sua obra com a do Pai. João 5:2-18.
  • 9. O Evangelho deJoão João • O Evangelho de João é notável por suas referências à divindade de Jesus. O prólogo expressa particularmente essa ideia. João afirma: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”.
  • 10. O Evangelho deJoão Hebreus No capítulo de abertura, o autor fala do Filho como o resplendor da glória de Deus e a expressão exata de sua natureza (Hb. 1:3), por meio de quem Deus criou o mundo (v. 2), sustenta todas as coisas pela palavra do seu poder (v. 3), o Filho é tratado por “Deus” (cit. o Salmo 45:6), o Filho é superior aos anjos (1:4 a 2:9), a Moisés (3:1-6) e aos sumos sacerdotes (4:14 5:10).
  • 11. O Evangelho deJoão Paulo Em Colossenses 1:15-20: •O Filho é a imagem do Deus invisível (v. 15); •É aquele em quem e por meio de quem e para quem todas as coisas subsistem (v. 17); •“porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude” (v. 19);
  • 12. O Evangelho deJoão Paulo Em Colossenses 2:9: •“porquanto, nele, habita, corporalmen te, toda a plenitude da divindade”. •No AT, o julgamento é atribuído a Deus. Embora por vezes Paulo se refira ao julgamento de Deus (Rom. 2:3), ele também fala de “Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos” (II Tim. 4:1) e do tribunal de Cristo (II Cor. 5:10).
  • 13. O Evangelho deJoão Paulo Filipenses 2:5-11: •O texto fala dele sendo ou existindo em “forma” (morfhé) de Deus. •No grego bíblico e clássico, esse termo refere-se ao “conjunto de características que fazem com que uma coisa seja o que é”. •Jesus, sendo Deus, esvaziouse, tornou-se homem e, depois, foi novamente exaltado à posição de divindade ou de igualdade com o Pai.
  • 14.
  • 15. Os ebionitas, uma seita de cristãos heréticos, negavam a divindade real ou ontológica de Jesus. Jesus era um homem comum que possuía dons incomuns, mas não sobre-humanos ou sobrenaturais, de retidão e sabedoria. Rejeitavam o nascimento virginal, sustentando que Jesus nascera de José e Maria, normalmente.
  • 16. O batismo foi o evento significativo na vida de Jesus, pois foi então que o Cristo desceu em forma de pomba sobre ele. Isso foi compreendido mais como a presença do poder e da influência de Deus no homem Jesus do que uma realidade pessoal, metafísica. Próximo ao final da vida de Jesus, o Cristo afastou-se dele.
  • 17. O ensino de um presbítero de Alexandria tornou-se a primeira grande ameaça à concepção sustentada implicitamente pela igreja no que diz respeito à divindade de Jesus. A concepção central na visão ariana de Jesus é a absoluta singularidade e transcendência de Deus.
  • 18. Deus é a única origem de todas as coisas, a única existência não criada em todo o universo. Somente Ele possui os atributos da divindade. O Verbo é um ser criado, apesar de ser o primeiro e o mais elevado dos seres. Embora seja uma criatura perfeita, não sendo, de fato, da mesma classe que as outras criaturas, ele não tem existência própria.
  • 19. Os arianos baseavam suas posições numa coleção bem extensa de referências bíblicas: • João 14:28 “O pai é maior do que eu”; • Mc 13:32 “a respeito daquele dia e hora ninguém sabe,... senão o Pai”;
  • 20. Implicações da O Evangelho deJoão divindade de Cristo 1. Podemos ter conhecimento real de Deus – João 14:9. Se quisermos saber como é o amor de Deus, a santidade de Deus, o poder de Deus, só precisamos olhar para Cristo.
  • 21. Implicações da O Evangelho deJoão divindade de Cristo 2. A redenção está à nossa disposição. A morte de Cristo é suficiente para todos os pecadores de todos os tempos, pois quem morreu não foi um mero homem finito, mas um Deus infinito. Ele, a vida, o Doador e o Mantenedor da vida, que não precisava morrer, morreu.
  • 22. Implicações da O Evangelho deJoão divindade de Cristo 3. Deus e a humanidade foram religados. Não foi um anjo ou um homem que veio da parte de Deus para nós, mas o próprio Deus cruzou o abismo criado pelo pecado.
  • 23. Implicações da O Evangelho deJoão divindade de Cristo 4. É correto adorar a Cristo. Ele não é apenas o mais elevado das criaturas, mas é Deus no mesmo sentido e no mesmo grau que o Pai. Ele merece, tanto quanto Pai, nosso louvor, nossa adoração e nossa obediência.