SlideShare uma empresa Scribd logo
Manual da Igreja - Cap. 8
Oficiais e Organizações
da Igreja Local
Anciãos
Anciãos
É necessário, portanto, que o bispo seja
irrepreensível, esposo de uma só mulher, temperante,
sóbrio, modesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não
dado ao vinho, não violento, porém cordato, inimigo
de contendas, não avarento; e que governe bem a
própria casa, criando os filhos sob disciplina, com todo
respeito ...
Anciãos
... não seja neófito (novo na fé), para não suceder
que se ensoberbeça e incorra na condenação do
diabo. Pelo contrário, é necessário que ele tenha bom
testemunho dos de fora, a fim de não cair no
opróbrio e no laço do diabo. p. 71
Anciãos
Alimentando e protegendo a igreja – O apóstolo Paulo
convocou os anciãos da igreja e os aconselhou que
cuidassem do rebanho do Senhor contra lobos vorazes.
“E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens
falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos
atrás deles”. P. 72
Anciãos
Respeito aos pastores e oficiais – “Os que ocupam
posição de responsabilidade na igreja podem ter faltas
semelhantes às de outras pessoas, e podem errar em
suas posições; não obstante, a igreja de Cristo na terra
investiu-os de uma autoridade que não pode ser
levemente avaliada”. (4TI, p. 17). P. 72
Anciãos
Não deve haver pressa na escolha dos oficiais – “Encontramos
em muitos lugares homens que foram postos à pressa em
cargos de responsabilidade como anciãos de igreja, quando não
se achavam habilitados para ocupar tal posição. Não tem o
devido domínio de si mesmos. Não exercem boa influência. As
igrejas se acham continuamente perturbadas em consequência
do caráter defeituoso dos dirigentes. As mãos foram muito
precipitadamente impostas sobre esses homens”. (4TI, p. 406 e
407). P. 73
Anciãos
Os que se opõem à unidade não estão aptos – “Têm
ultimamente surgido entre nós homens que professam
ser servos de Cristo, mas cuja obra se opõe àquela que
nosso Senhor estabeleceu na igreja. Têm métodos e
planos de trabalhos originais. Desejam introduzir
mudanças na igreja, segundo suas ideias de progresso, e
imaginam que desse modo se obtenham grandes
resultados. ...
Anciãos
... Esses homens precisam ser discípulos em vez de
mestres na escola de Cristo. Estão sempre
desassossegados, aspirando a realizar alguma grande
obra, fazer algo que lhes traga honra a si mesmos.
Precisam aprender a mais proveitosa de todas as lições:
humildade e fé em Jesus”. (Ibid. v.5, p. 238) p. 73
Oficiais
Membros locais – membros em situação regular são
elegíveis a posições de liderança na igreja onde são
membros. P.73.
Oficiais
Exceções:
1. Estudantes que são membros em situação regular,
mas que, por finalidades educacionais, vivem longe
de casa e frequentam regularmente uma igreja na
região de sua residência temporária;
Oficiais
2. Um obreiro da associação designado por ela como
pastor ou líder para duas ou mais congregações;
3. Um ancião que, quando necessário e com a
recomendação da Comissão Diretiva da Associação,
pode ser eleito para servir a mais de uma igreja dentro
do distrito.
Anciãos
Líderes religiosos da igreja – os anciãos devem ser
reconhecidos pela igreja como fortes líderes espirituais e
devem ter boa reputação tanto na igreja quanto na
comunidade. Na ausência do pastor, os anciãos são os
líderes espirituais da igreja e por preceito e exemplo
devem procurar conduzi-la a uma experiência cristã mais
profunda e completa.
Anciãos
Os anciãos devem ser capazes de conduzir os cultos da
igreja e administrar na Palavra e na doutrina quando o
pastor não estiver disponível. Contudo, os anciãos não
devem ser escolhidos principalmente por causa de sua
posição social ou de sua habilidade como oradores, mas
por causa de sua vida consagrada e de suas habilidades
para liderança. p. 75
Anciãos
Relacionamento com o pastor – se a comissão diretiva
do campo designa um ou mais pastores para uma
congregação, o pastor titular será considerado o líder de
maior autoridade e os anciãos, como seus assistentes.
Uma vez que as funções deles estão estreitamente
relacionadas, devem trabalhar harmonicamente. ...
Anciãos
... Em acordo com o pastor, os anciãos devem visitar os
membros , ministrar aos enfermos, promover ministérios
de oração, providenciar ou dirigir cerimônias de unção de
enfermos e dedicação de crianças, encorajar os
desanimados e auxiliar em outras responsabilidades
pastorais. Como subpastores, os anciãos devem exercer
constante vigilância sobre o rebanho. p. 76
Anciãos
Formação e preparo dos anciãos – A Associação
Ministerial, em cooperação com os departamentos,
promove o treinamento e o preparo dos anciãos.
Entretanto o pastor tem a responsabilidade primária no
preparo dos anciãos. p. 78

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
Moisés Sampaio
 
Planejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejasPlanejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejas
Natalino das Neves Neves
 
A ordem no culto cristão
A ordem no culto cristãoA ordem no culto cristão
A ordem no culto cristão
Elaine Marques
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Ana Paula Baptista
 
Liderando a célula com paixão
Liderando a célula com paixãoLiderando a célula com paixão
Liderando a célula com paixão
Fernando Balthar
 
Manual escola de lideres
Manual escola de lideresManual escola de lideres
Manual escola de lideres
Roberto Wagner Fernandes
 
Tipos de sermões
Tipos de sermõesTipos de sermões
Tipos de sermões
Gilson Barbosa
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
Narlea Walkyse
 
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
José Vieira Dos Santos
 
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igrejaComo Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Robson Santana
 
Slide de missoes
Slide de missoesSlide de missoes
Slide de missoes
paulode3
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
Isaias Christal
 
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEAPOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
jonasecj
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Wander Sousa
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
Ismael Isidio
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
Mara Rúbia Alfarth
 
Aperfeiçoamento de liderança cristã
Aperfeiçoamento de liderança cristãAperfeiçoamento de liderança cristã
Aperfeiçoamento de liderança cristã
Pastor Juscelino Freitas
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
O que eu posso fazer por missões
O que eu posso fazer por missõesO que eu posso fazer por missões
O que eu posso fazer por missões
Eid Marques
 
Os 05 Dons Ministeriais
Os 05 Dons MinisteriaisOs 05 Dons Ministeriais
Os 05 Dons Ministeriais
Márcio Pereira
 

Mais procurados (20)

O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
 
Planejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejasPlanejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejas
 
A ordem no culto cristão
A ordem no culto cristãoA ordem no culto cristão
A ordem no culto cristão
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
 
Liderando a célula com paixão
Liderando a célula com paixãoLiderando a célula com paixão
Liderando a célula com paixão
 
Manual escola de lideres
Manual escola de lideresManual escola de lideres
Manual escola de lideres
 
Tipos de sermões
Tipos de sermõesTipos de sermões
Tipos de sermões
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
 
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
 
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igrejaComo Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
 
Slide de missoes
Slide de missoesSlide de missoes
Slide de missoes
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
 
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEAPOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
 
Aperfeiçoamento de liderança cristã
Aperfeiçoamento de liderança cristãAperfeiçoamento de liderança cristã
Aperfeiçoamento de liderança cristã
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
O que eu posso fazer por missões
O que eu posso fazer por missõesO que eu posso fazer por missões
O que eu posso fazer por missões
 
Os 05 Dons Ministeriais
Os 05 Dons MinisteriaisOs 05 Dons Ministeriais
Os 05 Dons Ministeriais
 

Destaque

A crítica e seus efeitos jpeg
A crítica e seus efeitos jpegA crítica e seus efeitos jpeg
A crítica e seus efeitos jpeg
Gilson Barbosa
 
Treinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASDTreinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASD
Gilson Barbosa
 
A crítica e seus efeitos
A crítica e seus efeitos A crítica e seus efeitos
A crítica e seus efeitos
Gilson Barbosa
 
Palestra casais Compatibilidade
Palestra casais CompatibilidadePalestra casais Compatibilidade
Palestra casais Compatibilidade
Gilson Barbosa
 
Como controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em públicoComo controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em público
Gilson Barbosa
 
Capítulo 4 o que fazemos...
Capítulo 4 o que fazemos...Capítulo 4 o que fazemos...
Capítulo 4 o que fazemos...
Gilson Barbosa
 
A Lei Maior
A Lei MaiorA Lei Maior
A Lei Maior
Dulce Mara Corrêa
 
Homilética 3
Homilética 3Homilética 3
Homilética 3
Gilson Barbosa
 
Capítulo 1 a grande comissão
Capítulo 1 a grande comissãoCapítulo 1 a grande comissão
Capítulo 1 a grande comissão
Gilson Barbosa
 
Tempo com a família
Tempo com a famíliaTempo com a família
Tempo com a família
Gilson Barbosa
 
A cura da esquizofrenia 1ed
A cura da esquizofrenia 1edA cura da esquizofrenia 1ed
A cura da esquizofrenia 1ed
ericmathfighter
 
Capítulo 2 O Que é um Discípulo?
Capítulo 2 O Que é um Discípulo?Capítulo 2 O Que é um Discípulo?
Capítulo 2 O Que é um Discípulo?
Gilson Barbosa
 
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
P Valter De Almeida Gomes
 
Planejando a igreja local
Planejando a igreja localPlanejando a igreja local
Planejando a igreja local
Gilson Barbosa
 
Planejamento desbravadores
Planejamento desbravadoresPlanejamento desbravadores
Planejamento desbravadores
Gilson Barbosa
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
Cleiton Azevedo
 

Destaque (16)

A crítica e seus efeitos jpeg
A crítica e seus efeitos jpegA crítica e seus efeitos jpeg
A crítica e seus efeitos jpeg
 
Treinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASDTreinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASD
 
A crítica e seus efeitos
A crítica e seus efeitos A crítica e seus efeitos
A crítica e seus efeitos
 
Palestra casais Compatibilidade
Palestra casais CompatibilidadePalestra casais Compatibilidade
Palestra casais Compatibilidade
 
Como controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em públicoComo controlar o medo de falar em público
Como controlar o medo de falar em público
 
Capítulo 4 o que fazemos...
Capítulo 4 o que fazemos...Capítulo 4 o que fazemos...
Capítulo 4 o que fazemos...
 
A Lei Maior
A Lei MaiorA Lei Maior
A Lei Maior
 
Homilética 3
Homilética 3Homilética 3
Homilética 3
 
Capítulo 1 a grande comissão
Capítulo 1 a grande comissãoCapítulo 1 a grande comissão
Capítulo 1 a grande comissão
 
Tempo com a família
Tempo com a famíliaTempo com a família
Tempo com a família
 
A cura da esquizofrenia 1ed
A cura da esquizofrenia 1edA cura da esquizofrenia 1ed
A cura da esquizofrenia 1ed
 
Capítulo 2 O Que é um Discípulo?
Capítulo 2 O Que é um Discípulo?Capítulo 2 O Que é um Discípulo?
Capítulo 2 O Que é um Discípulo?
 
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
 
Planejando a igreja local
Planejando a igreja localPlanejando a igreja local
Planejando a igreja local
 
Planejamento desbravadores
Planejamento desbravadoresPlanejamento desbravadores
Planejamento desbravadores
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
 

Semelhante a Manual da igreja Anciãos cap. 8

AUTORIDADE DOS ANCIÃOS DA IGREJA lo.ppt
AUTORIDADE DOS ANCIÃOS DA IGREJA lo.pptAUTORIDADE DOS ANCIÃOS DA IGREJA lo.ppt
AUTORIDADE DOS ANCIÃOS DA IGREJA lo.ppt
OsvaldoVunge2
 
Ministérios e suas Funções
Ministérios e suas Funções Ministérios e suas Funções
Ministérios e suas Funções
Agnaldo Souza
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
Joel Silva
 
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
alexoliveira1976
 
Igreja em células
Igreja em células Igreja em células
Igreja em células
Júlio Budin
 
Reunião de treinamento da estaca sister costa
Reunião de treinamento da estaca sister costaReunião de treinamento da estaca sister costa
Reunião de treinamento da estaca sister costa
Cristina dos Santos Moreira
 
Reacendendo uma paixao perdida
Reacendendo uma paixao perdidaReacendendo uma paixao perdida
Reacendendo uma paixao perdida
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
TLC NIVEL M.D.A
TLC NIVEL M.D.ATLC NIVEL M.D.A
TLC NIVEL M.D.A
KENNEDY771062
 
O Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
O Plantador de Igrejas Transformadoras e MissionaisO Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
O Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
ComunicacaoICPBB
 
Jovens e adolescentes na ipi de bariri
Jovens e adolescentes na ipi de baririJovens e adolescentes na ipi de bariri
Jovens e adolescentes na ipi de bariri
Júlio Budin
 
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
DanielSantana688069
 
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
Joel Silva
 
Liderança santa
Liderança santaLiderança santa
Liderança santa
Antonio Rodrigues
 
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
Joel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
Joel Silva
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igreja
boasnovassena
 
O animador vocacional
O animador vocacionalO animador vocacional
O animador vocacional
Iandra Conrado
 
O animador vocacional
O animador vocacionalO animador vocacional
O animador vocacional
Iandra Conrado
 
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Jorge Henrique R de Araujo
 
Uma conversa sobre nossa comunidade
Uma conversa sobre nossa comunidadeUma conversa sobre nossa comunidade
Uma conversa sobre nossa comunidade
pastorvanderlei
 

Semelhante a Manual da igreja Anciãos cap. 8 (20)

AUTORIDADE DOS ANCIÃOS DA IGREJA lo.ppt
AUTORIDADE DOS ANCIÃOS DA IGREJA lo.pptAUTORIDADE DOS ANCIÃOS DA IGREJA lo.ppt
AUTORIDADE DOS ANCIÃOS DA IGREJA lo.ppt
 
Ministérios e suas Funções
Ministérios e suas Funções Ministérios e suas Funções
Ministérios e suas Funções
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
 
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
 
Igreja em células
Igreja em células Igreja em células
Igreja em células
 
Reunião de treinamento da estaca sister costa
Reunião de treinamento da estaca sister costaReunião de treinamento da estaca sister costa
Reunião de treinamento da estaca sister costa
 
Reacendendo uma paixao perdida
Reacendendo uma paixao perdidaReacendendo uma paixao perdida
Reacendendo uma paixao perdida
 
TLC NIVEL M.D.A
TLC NIVEL M.D.ATLC NIVEL M.D.A
TLC NIVEL M.D.A
 
O Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
O Plantador de Igrejas Transformadoras e MissionaisO Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
O Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
 
Jovens e adolescentes na ipi de bariri
Jovens e adolescentes na ipi de baririJovens e adolescentes na ipi de bariri
Jovens e adolescentes na ipi de bariri
 
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
 
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
 
Liderança santa
Liderança santaLiderança santa
Liderança santa
 
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igreja
 
O animador vocacional
O animador vocacionalO animador vocacional
O animador vocacional
 
O animador vocacional
O animador vocacionalO animador vocacional
O animador vocacional
 
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
 
Uma conversa sobre nossa comunidade
Uma conversa sobre nossa comunidadeUma conversa sobre nossa comunidade
Uma conversa sobre nossa comunidade
 

Mais de Gilson Barbosa

2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx
2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx
2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx
Gilson Barbosa
 
Capítulo 3 missão no testamento
Capítulo 3 missão no testamentoCapítulo 3 missão no testamento
Capítulo 3 missão no testamento
Gilson Barbosa
 
História da iasd
História da iasdHistória da iasd
História da iasd
Gilson Barbosa
 
Curso de diretoria Desbravadores - História
Curso de diretoria Desbravadores - HistóriaCurso de diretoria Desbravadores - História
Curso de diretoria Desbravadores - História
Gilson Barbosa
 
A pessoa de cristo
A pessoa de cristoA pessoa de cristo
A pessoa de cristo
Gilson Barbosa
 
Introdução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia pptIntrodução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia ppt
Gilson Barbosa
 
MI 10
MI 10MI 10
Reunião de líderes jovens 2012
Reunião de líderes jovens 2012Reunião de líderes jovens 2012
Reunião de líderes jovens 2012
Gilson Barbosa
 
Sabado1 Semana Mordomia 2012
Sabado1 Semana Mordomia 2012Sabado1 Semana Mordomia 2012
Sabado1 Semana Mordomia 2012
Gilson Barbosa
 

Mais de Gilson Barbosa (10)

2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx
2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx
2.4 A narrativa da criação no Apocalipse.pptx
 
Capítulo 3 missão no testamento
Capítulo 3 missão no testamentoCapítulo 3 missão no testamento
Capítulo 3 missão no testamento
 
História da iasd
História da iasdHistória da iasd
História da iasd
 
Curso de diretoria Desbravadores - História
Curso de diretoria Desbravadores - HistóriaCurso de diretoria Desbravadores - História
Curso de diretoria Desbravadores - História
 
A pessoa de cristo
A pessoa de cristoA pessoa de cristo
A pessoa de cristo
 
Introdução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia pptIntrodução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia ppt
 
Mi 10a
Mi 10aMi 10a
Mi 10a
 
MI 10
MI 10MI 10
MI 10
 
Reunião de líderes jovens 2012
Reunião de líderes jovens 2012Reunião de líderes jovens 2012
Reunião de líderes jovens 2012
 
Sabado1 Semana Mordomia 2012
Sabado1 Semana Mordomia 2012Sabado1 Semana Mordomia 2012
Sabado1 Semana Mordomia 2012
 

Último

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 

Último (14)

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 

Manual da igreja Anciãos cap. 8

  • 1. Manual da Igreja - Cap. 8 Oficiais e Organizações da Igreja Local Anciãos
  • 2. Anciãos É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher, temperante, sóbrio, modesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não violento, porém cordato, inimigo de contendas, não avarento; e que governe bem a própria casa, criando os filhos sob disciplina, com todo respeito ...
  • 3. Anciãos ... não seja neófito (novo na fé), para não suceder que se ensoberbeça e incorra na condenação do diabo. Pelo contrário, é necessário que ele tenha bom testemunho dos de fora, a fim de não cair no opróbrio e no laço do diabo. p. 71
  • 4. Anciãos Alimentando e protegendo a igreja – O apóstolo Paulo convocou os anciãos da igreja e os aconselhou que cuidassem do rebanho do Senhor contra lobos vorazes. “E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles”. P. 72
  • 5. Anciãos Respeito aos pastores e oficiais – “Os que ocupam posição de responsabilidade na igreja podem ter faltas semelhantes às de outras pessoas, e podem errar em suas posições; não obstante, a igreja de Cristo na terra investiu-os de uma autoridade que não pode ser levemente avaliada”. (4TI, p. 17). P. 72
  • 6. Anciãos Não deve haver pressa na escolha dos oficiais – “Encontramos em muitos lugares homens que foram postos à pressa em cargos de responsabilidade como anciãos de igreja, quando não se achavam habilitados para ocupar tal posição. Não tem o devido domínio de si mesmos. Não exercem boa influência. As igrejas se acham continuamente perturbadas em consequência do caráter defeituoso dos dirigentes. As mãos foram muito precipitadamente impostas sobre esses homens”. (4TI, p. 406 e 407). P. 73
  • 7. Anciãos Os que se opõem à unidade não estão aptos – “Têm ultimamente surgido entre nós homens que professam ser servos de Cristo, mas cuja obra se opõe àquela que nosso Senhor estabeleceu na igreja. Têm métodos e planos de trabalhos originais. Desejam introduzir mudanças na igreja, segundo suas ideias de progresso, e imaginam que desse modo se obtenham grandes resultados. ...
  • 8. Anciãos ... Esses homens precisam ser discípulos em vez de mestres na escola de Cristo. Estão sempre desassossegados, aspirando a realizar alguma grande obra, fazer algo que lhes traga honra a si mesmos. Precisam aprender a mais proveitosa de todas as lições: humildade e fé em Jesus”. (Ibid. v.5, p. 238) p. 73
  • 9. Oficiais Membros locais – membros em situação regular são elegíveis a posições de liderança na igreja onde são membros. P.73.
  • 10. Oficiais Exceções: 1. Estudantes que são membros em situação regular, mas que, por finalidades educacionais, vivem longe de casa e frequentam regularmente uma igreja na região de sua residência temporária;
  • 11. Oficiais 2. Um obreiro da associação designado por ela como pastor ou líder para duas ou mais congregações; 3. Um ancião que, quando necessário e com a recomendação da Comissão Diretiva da Associação, pode ser eleito para servir a mais de uma igreja dentro do distrito.
  • 12. Anciãos Líderes religiosos da igreja – os anciãos devem ser reconhecidos pela igreja como fortes líderes espirituais e devem ter boa reputação tanto na igreja quanto na comunidade. Na ausência do pastor, os anciãos são os líderes espirituais da igreja e por preceito e exemplo devem procurar conduzi-la a uma experiência cristã mais profunda e completa.
  • 13. Anciãos Os anciãos devem ser capazes de conduzir os cultos da igreja e administrar na Palavra e na doutrina quando o pastor não estiver disponível. Contudo, os anciãos não devem ser escolhidos principalmente por causa de sua posição social ou de sua habilidade como oradores, mas por causa de sua vida consagrada e de suas habilidades para liderança. p. 75
  • 14. Anciãos Relacionamento com o pastor – se a comissão diretiva do campo designa um ou mais pastores para uma congregação, o pastor titular será considerado o líder de maior autoridade e os anciãos, como seus assistentes. Uma vez que as funções deles estão estreitamente relacionadas, devem trabalhar harmonicamente. ...
  • 15. Anciãos ... Em acordo com o pastor, os anciãos devem visitar os membros , ministrar aos enfermos, promover ministérios de oração, providenciar ou dirigir cerimônias de unção de enfermos e dedicação de crianças, encorajar os desanimados e auxiliar em outras responsabilidades pastorais. Como subpastores, os anciãos devem exercer constante vigilância sobre o rebanho. p. 76
  • 16. Anciãos Formação e preparo dos anciãos – A Associação Ministerial, em cooperação com os departamentos, promove o treinamento e o preparo dos anciãos. Entretanto o pastor tem a responsabilidade primária no preparo dos anciãos. p. 78