SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Pr. Arilton Oliveira
PREGAÇÃO:
TRINTA MINUTOS CAPAZES
DE RESSUCITAR MORTOS.
RUSKIN
Exemplo de Cristo
Lucas 4:16
Pregação é a proclamação persuasiva da verdade
bíblica por meio do instrumento humano com o
objetivo de conduzir à salvação e atender às
necessidades humanas.
Pregação é a comunicação persuasiva da verdade
com o objetivo de atender as necessidades
humanas e conduzir à salvação.
É a resposta de Deus às necessidades humanas
através da Palavra, usando o homem para
persuadir à salvação.
É tirar da Bíblia as idéias para o sermão; na pregação
apresentar essas idéias e as confirmar na Bíblia.
A pregação bíblica é aquela em que se abre a Bíblia e
se permite que ela fale, em lugar das idéias
humanas.
O Sermão Bíblico tem dois focos: a Bíblia e as
Necessidades Humanas.
É a pregação onde à mensagem motive
os ouvintes a confiar e imitar a Cristo.
O centro da pregação é Cristo.
É a pregação onde apresenta Cristo
como o exemplo – seus ensinos,
idéias, princípios, vida e atitudes.
Há vários tipos de sermões:
1.Temático
2.Textual
3.Expositivo
É o tipo de pregação que
obedece a vários segmentos.
Vamos estudar 12 pontos.
O que eu quero neste sermão? Que verdade
eu quero apresentar? Qual é o meu
objetivo?
O que os ouvintes precisam?
O que eu quero que eles façam?
O “PE” revela que o sermão é o meio de
satisfazer as necessidades das pessoas.
1. Evangelístico – sermão para ganhar almas
2. Doutrinário – apresentar as verdades bíblicas
3. Devocional – levar a união com Deus
4. Consagração – entregar a Deus o tempo, os dons, os
talentos, os bens...
5. Moral – Ético – vida moral
6. Ânimo – alento – esperança
7. Profético
8. Histórico
9. Biográfico
É o assunto que vou apresentar. Resgate,
Salvação, Pecado, Vida Santa, Justificação
pela fé.
Tem que ser uma palavra “bíblica” que
corresponda às necessidades da congregação.
Tem que ser uma palavra “bíblica” que descreva
claramente o propósito do sermão.
Está baseado em valores eternos.
Qualidades de um bom tema:
É bíblico
É vital – deve basear-se em grandes verdades da fé e ser
importante para a vida prática.
É pertinente – envolve valores permanentes de aplicação
universal e às necessidades humanas.
Tem íntima relação com as Escrituras.
Três procedimentos para o tema:
(1) Dedução; (2) Indução; (3) Comparação.
O título deve ser pertinente ao texto da mensagem.
O título deve ser interessante. Deve suscitar a atenção e
a curiosidade.
O título deve ser breve.
O título pode ser em uma afirmação, interrogação ou
exclamação.
O título pode ser uma frase seguida de uma pergunta.
O texto é a raiz do tema.
O sermão deve ter um só texto
Importância de usar um texto por sermão:
 
Ajuda o pregador para que o sermão seja bíblico.
Dá confiança ao pregador.
Predispõe a congregação a ouvir a Palavra.
Evita que o pregador divague.
Ajuda o ouvinte a recordar a mensagem.
Evita que o pregador esgote suas idéias.
Introdução é o conjunto de idéias prévias
que introduzem o tema que será
pregado.
Deve ser curta, bem preparada,
interessante e variada. Não deve
terminar de forma abrupta. É o último
passo na preparação do sermão.
Componentes:
Saudações
Frase alusiva
Relato-experiência (opcional)
Texto bíblico
Proposição
Pergunta de transição
Frase de transição
Palavra chave
É informar os ouvintes acerca do que se dirá e
sintetizar os pontos que serão explanados.
É uma declaração do assunto a ser apresentado.
Deve responder a está pergunta das pessoas:
“O que o pregador vai dizer sobre o assunto?”
A proposição é o fundamento de toda a estrutura
do sermão. Ela é para o sermão o que o
alicerce é para o edifício.
Cada palavra da proposição deve expressar
corretamente as idéias principais (que são as
divisões) do sermão.
A proposição deve ser escrita e tem que ser
apresentada à igreja.
Ela deve ser afirmativa, declarativa e não
interrogativa; deve ser positiva e não negativa.
Formas de proposição:
a) Declarativa: é uma declaração de valores. Ex: A
oração elevada com fé é poderosa;
b) Exortativa: indica deveres e é persuasiva. Ex: A
oração sempre deveria ser elevada com fé para
transformar-se em uma oração poderosa.
c) Interrogativa: uma pergunta. Ex: Por que a oração
elevada com fé é poderosa?
d) Exclamativa: é uma exclamação. Ex. A oração de
fé é poderosa!
Usar as palavras: quem, o que,
por que, como, quando e onde.
Exemplo: Você pode imaginar o
que Deus faz para te resgatar
A frase de transição une a
proposição às divisões do
sermão.
Exemplo: Para Deus não há limite
em Seus esforços para resgatar
o pecador perdido.
A palavra chave é um bom teste da
unidade estrutural do esboço.
Através dela podemos ver se
podemos aplicar a mesma palavra a
cada uma das divisões principais.
A palavra chave ajuda para que todas
as divisões estejam unidas ao tema.
abordagens
acontecimentos
ações
advertências
afirmações
alegrias
alvos
aplicações
argumentos
artigos
aspectos
atitudes
atributos
bênçãos
benefícios
causas
chaves
Crenças
Critérios
Deficiências
Desejos
Diferenças
Distinções
Doutrinas
efeitos

elementos
empecilhos
ensinos
empreendimentos
erros
esperanças
exemplos
exigências
expressões
fardos
fatores
fatos
fontes
funções
ganhos
garantias
grupos
hábitos
ideais
idéias
ilustrações
impedimentos
inferências
instrumentos
itens

juízos
leis
lições
limites
listas
manifestações
marcas
medidas
meios
métodos
motivos
necessidades
nomes
objeções
objetivos
observações
obstáculos
ocasiões
ordens
palavras
paradoxos
partes
passos
pecados
perdas

Pensamentos
perigos
períodos
pontos
práticas
problemas
proposições
provas
razões
reações
regras
reivindicações
respostas
rotas
segredos
salvaguardas
sugestões
tendências
tipos
tópicos
usos
valores
vantagens
verdades
virtudes
É o que eu quero que os irmãos
compreendam. É a parte central do
sermão. Ela sai da preposição.
Palavras para estabelecer as divisões:
causas, efeitos, razões, meios,
significados, perguntas lógicas,
aspectos que o texto mesmo
apresenta.
O valor das divisões para o pregador
– Promovem clareza de idéias.
– Promovem a unidade de pensamento.
– Ajudam o pregador a descobrir o tratamento
correto de um assunto.
– Ajudam a lembrar os pontos principais do
sermão.
Por que é importante dividir os assuntos?
Assegura a unidade do sermão.
Mantém o interesse no sermão.
Prove descanso mental.
Economiza tempo.
Maiores serão as impressões na mente e no
coração dos ouvintes.
Formas de conclusão:
Recapitulação – A recapitulação não é mera
repetição desnecessária das divisões principais,
mas uma ênfase nova da verdade principal
apresentada durante a mensagem. O pregador
não apresenta esse resumo usando as mesmas
palavras das divisões principais, mas emprega
afirmativas concisas e incisivas para expressá-lo.
Formas de conclusão:
Ilustração – A ilustração é um resumo da
verdade principal da mensagem.
Aplicação – À medida que a mensagem se
aproxima da conclusão, ela deve levar os
ouvintes a perguntarem a si mesmos: “O
que essa verdade tem que ver comigo, com
meus relacionamentos – no lar, na igreja,
nos negócios, e na minha vida diária?”.
Formas de conclusão:
Para que isso aconteça, o pregador deve
concluir seus sermões com uma aplicação
ou apelo direto, no qual faz um chamado
para uma resposta às verdades
apresentadas na mensagem.
A Aplicação Eficaz consiste em consiste em
resumir o âmago do sermão – repetindo a
proposição, ou apresentando dois ou três
princípios retirados da mensagem.
Formas de conclusão:
Motivação – A motivação pode vir da imposição a
uma obrigação moral, ou proporcionar um
incentivo para uma resposta pessoal ao desafio
apresentado.
Formas de Motivação:
– Destilar no coração dos ouvintes o temor da
desaprovação divina pelo erro.

Apelar para ideais como amor a Deus e ao homem,
coragem, força, integridade e pureza, nobreza e
respeito próprio.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aprenda a fazer um esboço de pregação
Aprenda a fazer um esboço de pregaçãoAprenda a fazer um esboço de pregação
Aprenda a fazer um esboço de pregação
Nelson Pereira
 
Introducao a-homiletica
Introducao a-homileticaIntroducao a-homiletica
Introducao a-homiletica
Sergio Barros
 

Mais procurados (20)

Aprenda a fazer um esboço de pregação
Aprenda a fazer um esboço de pregaçãoAprenda a fazer um esboço de pregação
Aprenda a fazer um esboço de pregação
 
Evangélico curso de teologia - homilética
Evangélico   curso de teologia - homiléticaEvangélico   curso de teologia - homilética
Evangélico curso de teologia - homilética
 
Tipos de sermões
Tipos de sermõesTipos de sermões
Tipos de sermões
 
Apostila de homiletica
Apostila de homileticaApostila de homiletica
Apostila de homiletica
 
Apostila de homilética
Apostila de homiléticaApostila de homilética
Apostila de homilética
 
Pregação segmentada
Pregação segmentadaPregação segmentada
Pregação segmentada
 
Pregadores.ppt
Pregadores.pptPregadores.ppt
Pregadores.ppt
 
aula de Homilética, recursos da homilética
aula de Homilética,  recursos da homiléticaaula de Homilética,  recursos da homilética
aula de Homilética, recursos da homilética
 
Aula 5 homilética
Aula 5 homiléticaAula 5 homilética
Aula 5 homilética
 
Lição 1 você é chamado para pregar
Lição 1   você é chamado para pregarLição 1   você é chamado para pregar
Lição 1 você é chamado para pregar
 
Aula 02-homilética-v1
Aula 02-homilética-v1Aula 02-homilética-v1
Aula 02-homilética-v1
 
Introducao a-homiletica
Introducao a-homileticaIntroducao a-homiletica
Introducao a-homiletica
 
Aula 4 homilética
Aula 4 homiléticaAula 4 homilética
Aula 4 homilética
 
007 homilética
007 homilética007 homilética
007 homilética
 
Itq homiletica 13-05_2013
Itq homiletica 13-05_2013Itq homiletica 13-05_2013
Itq homiletica 13-05_2013
 
Aula 05-homilética-v1
Aula 05-homilética-v1Aula 05-homilética-v1
Aula 05-homilética-v1
 
Homilética - A Arte de falar em público
Homilética - A Arte de falar em públicoHomilética - A Arte de falar em público
Homilética - A Arte de falar em público
 
Organização de tempo e terafas
Organização de tempo e terafasOrganização de tempo e terafas
Organização de tempo e terafas
 
Prof. Weverton Costa - Homilética prática
Prof. Weverton Costa - Homilética práticaProf. Weverton Costa - Homilética prática
Prof. Weverton Costa - Homilética prática
 
A arte de pregar
A arte de pregarA arte de pregar
A arte de pregar
 

Semelhante a Pregação segmentada

30 homilética arte de preparar e pregar sermões
30 homilética   arte de preparar e pregar sermões30 homilética   arte de preparar e pregar sermões
30 homilética arte de preparar e pregar sermões
ssuser615052
 
Cap 1 jael eneas, fernando beier, marcos nunes.ppt
Cap 1   jael eneas, fernando beier, marcos nunes.pptCap 1   jael eneas, fernando beier, marcos nunes.ppt
Cap 1 jael eneas, fernando beier, marcos nunes.ppt
Jael Eneas Araujo
 

Semelhante a Pregação segmentada (20)

30 homilética arte de preparar e pregar sermões
30 homilética   arte de preparar e pregar sermões30 homilética   arte de preparar e pregar sermões
30 homilética arte de preparar e pregar sermões
 
HOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptx
HOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptxHOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptx
HOMILÉTICA 2 (Parte 2 - Tipos de sermões).pptx
 
Homilética etecam
Homilética etecamHomilética etecam
Homilética etecam
 
Slide show modulo ii
Slide show modulo iiSlide show modulo ii
Slide show modulo ii
 
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docxHOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
HOMILÉTICA -a arte de preparar e pregar sermões.docx
 
O sermão
O sermãoO sermão
O sermão
 
Cap 1 jael eneas, fernando beier, marcos nunes.ppt
Cap 1   jael eneas, fernando beier, marcos nunes.pptCap 1   jael eneas, fernando beier, marcos nunes.ppt
Cap 1 jael eneas, fernando beier, marcos nunes.ppt
 
Curso de teologia - homilética
Curso de teologia - homiléticaCurso de teologia - homilética
Curso de teologia - homilética
 
Desvendando os Mistérios da Hermenêutica Bíblica: Guia Prático para Estudante...
Desvendando os Mistérios da Hermenêutica Bíblica: Guia Prático para Estudante...Desvendando os Mistérios da Hermenêutica Bíblica: Guia Prático para Estudante...
Desvendando os Mistérios da Hermenêutica Bíblica: Guia Prático para Estudante...
 
Explorando os Limites da Exegese: Abordagens Contemporâneas para Entender a B...
Explorando os Limites da Exegese: Abordagens Contemporâneas para Entender a B...Explorando os Limites da Exegese: Abordagens Contemporâneas para Entender a B...
Explorando os Limites da Exegese: Abordagens Contemporâneas para Entender a B...
 
Do Texto ao Sermão: Um Guia Prático para Interpretar e Pregar a Palavra
Do Texto ao Sermão: Um Guia Prático para Interpretar e Pregar a PalavraDo Texto ao Sermão: Um Guia Prático para Interpretar e Pregar a Palavra
Do Texto ao Sermão: Um Guia Prático para Interpretar e Pregar a Palavra
 
Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891
Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891
Homiletica artedepregar1-151116223307-lva1-app6891
 
Homilética arte de pregar
Homilética   arte de pregar Homilética   arte de pregar
Homilética arte de pregar
 
A Bíblia Revelada: Explorando os Segredos dos Gêneros Literários Sagrados
A Bíblia Revelada: Explorando os Segredos dos Gêneros Literários SagradosA Bíblia Revelada: Explorando os Segredos dos Gêneros Literários Sagrados
A Bíblia Revelada: Explorando os Segredos dos Gêneros Literários Sagrados
 
Interpretando a Palavra: Métodos Eficazes de Estudo Bíblico para Cristãos
Interpretando a Palavra: Métodos Eficazes de Estudo Bíblico para CristãosInterpretando a Palavra: Métodos Eficazes de Estudo Bíblico para Cristãos
Interpretando a Palavra: Métodos Eficazes de Estudo Bíblico para Cristãos
 
Preparando-se para o Púlpito: O Caminho Espiritual do Pregador
Preparando-se para o Púlpito: O Caminho Espiritual do PregadorPreparando-se para o Púlpito: O Caminho Espiritual do Pregador
Preparando-se para o Púlpito: O Caminho Espiritual do Pregador
 
Traduzindo a Verdade: A Importância das Versões Bíblicas na Pregação
Traduzindo a Verdade: A Importância das Versões Bíblicas na PregaçãoTraduzindo a Verdade: A Importância das Versões Bíblicas na Pregação
Traduzindo a Verdade: A Importância das Versões Bíblicas na Pregação
 
A Arte da Pregação: Técnicas Comprovadas para Cativar sua Congregação
A Arte da Pregação: Técnicas Comprovadas para Cativar sua CongregaçãoA Arte da Pregação: Técnicas Comprovadas para Cativar sua Congregação
A Arte da Pregação: Técnicas Comprovadas para Cativar sua Congregação
 
Conectando-se com a Audiência: Técnicas de Comunicação para Pregadores Modernos
Conectando-se com a Audiência: Técnicas de Comunicação para Pregadores ModernosConectando-se com a Audiência: Técnicas de Comunicação para Pregadores Modernos
Conectando-se com a Audiência: Técnicas de Comunicação para Pregadores Modernos
 
Teologia Sistemática e Sua Relevância na Pregação Contemporânea
Teologia Sistemática e Sua Relevância na Pregação ContemporâneaTeologia Sistemática e Sua Relevância na Pregação Contemporânea
Teologia Sistemática e Sua Relevância na Pregação Contemporânea
 

Último

Último (10)

Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Pregação segmentada

  • 2.
  • 3.
  • 4. PREGAÇÃO: TRINTA MINUTOS CAPAZES DE RESSUCITAR MORTOS. RUSKIN
  • 6. Pregação é a proclamação persuasiva da verdade bíblica por meio do instrumento humano com o objetivo de conduzir à salvação e atender às necessidades humanas. Pregação é a comunicação persuasiva da verdade com o objetivo de atender as necessidades humanas e conduzir à salvação. É a resposta de Deus às necessidades humanas através da Palavra, usando o homem para persuadir à salvação.
  • 7. É tirar da Bíblia as idéias para o sermão; na pregação apresentar essas idéias e as confirmar na Bíblia. A pregação bíblica é aquela em que se abre a Bíblia e se permite que ela fale, em lugar das idéias humanas. O Sermão Bíblico tem dois focos: a Bíblia e as Necessidades Humanas.
  • 8. É a pregação onde à mensagem motive os ouvintes a confiar e imitar a Cristo. O centro da pregação é Cristo. É a pregação onde apresenta Cristo como o exemplo – seus ensinos, idéias, princípios, vida e atitudes.
  • 9. Há vários tipos de sermões: 1.Temático 2.Textual 3.Expositivo
  • 10.
  • 11. É o tipo de pregação que obedece a vários segmentos. Vamos estudar 12 pontos.
  • 12. O que eu quero neste sermão? Que verdade eu quero apresentar? Qual é o meu objetivo? O que os ouvintes precisam? O que eu quero que eles façam? O “PE” revela que o sermão é o meio de satisfazer as necessidades das pessoas.
  • 13. 1. Evangelístico – sermão para ganhar almas 2. Doutrinário – apresentar as verdades bíblicas 3. Devocional – levar a união com Deus 4. Consagração – entregar a Deus o tempo, os dons, os talentos, os bens... 5. Moral – Ético – vida moral 6. Ânimo – alento – esperança 7. Profético 8. Histórico 9. Biográfico
  • 14. É o assunto que vou apresentar. Resgate, Salvação, Pecado, Vida Santa, Justificação pela fé. Tem que ser uma palavra “bíblica” que corresponda às necessidades da congregação. Tem que ser uma palavra “bíblica” que descreva claramente o propósito do sermão. Está baseado em valores eternos.
  • 15. Qualidades de um bom tema: É bíblico É vital – deve basear-se em grandes verdades da fé e ser importante para a vida prática. É pertinente – envolve valores permanentes de aplicação universal e às necessidades humanas. Tem íntima relação com as Escrituras. Três procedimentos para o tema: (1) Dedução; (2) Indução; (3) Comparação.
  • 16. O título deve ser pertinente ao texto da mensagem. O título deve ser interessante. Deve suscitar a atenção e a curiosidade. O título deve ser breve. O título pode ser em uma afirmação, interrogação ou exclamação. O título pode ser uma frase seguida de uma pergunta.
  • 17. O texto é a raiz do tema. O sermão deve ter um só texto Importância de usar um texto por sermão:   Ajuda o pregador para que o sermão seja bíblico. Dá confiança ao pregador. Predispõe a congregação a ouvir a Palavra. Evita que o pregador divague. Ajuda o ouvinte a recordar a mensagem. Evita que o pregador esgote suas idéias.
  • 18. Introdução é o conjunto de idéias prévias que introduzem o tema que será pregado. Deve ser curta, bem preparada, interessante e variada. Não deve terminar de forma abrupta. É o último passo na preparação do sermão.
  • 19. Componentes: Saudações Frase alusiva Relato-experiência (opcional) Texto bíblico Proposição Pergunta de transição Frase de transição Palavra chave
  • 20. É informar os ouvintes acerca do que se dirá e sintetizar os pontos que serão explanados. É uma declaração do assunto a ser apresentado. Deve responder a está pergunta das pessoas: “O que o pregador vai dizer sobre o assunto?” A proposição é o fundamento de toda a estrutura do sermão. Ela é para o sermão o que o alicerce é para o edifício.
  • 21. Cada palavra da proposição deve expressar corretamente as idéias principais (que são as divisões) do sermão. A proposição deve ser escrita e tem que ser apresentada à igreja. Ela deve ser afirmativa, declarativa e não interrogativa; deve ser positiva e não negativa.
  • 22. Formas de proposição: a) Declarativa: é uma declaração de valores. Ex: A oração elevada com fé é poderosa; b) Exortativa: indica deveres e é persuasiva. Ex: A oração sempre deveria ser elevada com fé para transformar-se em uma oração poderosa. c) Interrogativa: uma pergunta. Ex: Por que a oração elevada com fé é poderosa? d) Exclamativa: é uma exclamação. Ex. A oração de fé é poderosa!
  • 23. Usar as palavras: quem, o que, por que, como, quando e onde. Exemplo: Você pode imaginar o que Deus faz para te resgatar
  • 24. A frase de transição une a proposição às divisões do sermão. Exemplo: Para Deus não há limite em Seus esforços para resgatar o pecador perdido.
  • 25. A palavra chave é um bom teste da unidade estrutural do esboço. Através dela podemos ver se podemos aplicar a mesma palavra a cada uma das divisões principais. A palavra chave ajuda para que todas as divisões estejam unidas ao tema.
  • 26. abordagens acontecimentos ações advertências afirmações alegrias alvos aplicações argumentos artigos aspectos atitudes atributos bênçãos benefícios causas chaves Crenças Critérios Deficiências Desejos Diferenças Distinções Doutrinas efeitos elementos empecilhos ensinos empreendimentos erros esperanças exemplos exigências expressões fardos fatores fatos fontes funções ganhos garantias grupos hábitos ideais idéias ilustrações impedimentos inferências instrumentos itens juízos leis lições limites listas manifestações marcas medidas meios métodos motivos necessidades nomes objeções objetivos observações obstáculos ocasiões ordens palavras paradoxos partes passos pecados perdas Pensamentos perigos períodos pontos práticas problemas proposições provas razões reações regras reivindicações respostas rotas segredos salvaguardas sugestões tendências tipos tópicos usos valores vantagens verdades virtudes
  • 27. É o que eu quero que os irmãos compreendam. É a parte central do sermão. Ela sai da preposição. Palavras para estabelecer as divisões: causas, efeitos, razões, meios, significados, perguntas lógicas, aspectos que o texto mesmo apresenta.
  • 28. O valor das divisões para o pregador – Promovem clareza de idéias. – Promovem a unidade de pensamento. – Ajudam o pregador a descobrir o tratamento correto de um assunto. – Ajudam a lembrar os pontos principais do sermão.
  • 29. Por que é importante dividir os assuntos? Assegura a unidade do sermão. Mantém o interesse no sermão. Prove descanso mental. Economiza tempo. Maiores serão as impressões na mente e no coração dos ouvintes.
  • 30. Formas de conclusão: Recapitulação – A recapitulação não é mera repetição desnecessária das divisões principais, mas uma ênfase nova da verdade principal apresentada durante a mensagem. O pregador não apresenta esse resumo usando as mesmas palavras das divisões principais, mas emprega afirmativas concisas e incisivas para expressá-lo.
  • 31. Formas de conclusão: Ilustração – A ilustração é um resumo da verdade principal da mensagem. Aplicação – À medida que a mensagem se aproxima da conclusão, ela deve levar os ouvintes a perguntarem a si mesmos: “O que essa verdade tem que ver comigo, com meus relacionamentos – no lar, na igreja, nos negócios, e na minha vida diária?”.
  • 32. Formas de conclusão: Para que isso aconteça, o pregador deve concluir seus sermões com uma aplicação ou apelo direto, no qual faz um chamado para uma resposta às verdades apresentadas na mensagem. A Aplicação Eficaz consiste em consiste em resumir o âmago do sermão – repetindo a proposição, ou apresentando dois ou três princípios retirados da mensagem.
  • 33. Formas de conclusão: Motivação – A motivação pode vir da imposição a uma obrigação moral, ou proporcionar um incentivo para uma resposta pessoal ao desafio apresentado. Formas de Motivação: – Destilar no coração dos ouvintes o temor da desaprovação divina pelo erro. Apelar para ideais como amor a Deus e ao homem, coragem, força, integridade e pureza, nobreza e respeito próprio.