SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Protocolo de Tratamento de Dor Aguda Pós- Operatória. Pablo B Gusman Mestre e Doutorem Anestesiologia,  Título de Especialistaem Medicina Intensiva, AMIB  HabilitaçãoparaTratamento da Dor, SBA Médico do Comitê de Qualidade HM 2011
Hospital Meridional 2011 Não é apenas uma modalidade sensorial, mas uma experiência. Sensação e experiência emocional desagradáveis, associada com lesão tecidual atual ou em potencial. DOR IASP O que é a dor?
Hospital Meridional 2009 O ato anestésico não termina na sala operatória Jardin des Tullieries, Paris, 2008
DOR DOR ,[object Object]
 Aumenta risco de complicações pulmonares,
 Resposta metabólica ao estresse (> tônus simpático, catecolaminas, estímulo hipotalâmico, > hormônios catabolizantes).Hospital Meridional 2011
Hospital Meridional 2009 Controle Adequado da Dor ,[object Object]
Tornar tolerável os cuidados dolorosos ou desagradáveis
 Reduzir o consumo de O2
 Permitir mobilização precoce
 Reduzir a incidência de complicações neuro- psíquicas durante a permanência hospParis, 2008
Objetivo Estabelecer padrão para a realização da rotina na conduta médica nos casos de dor no pós-operatória. DOR Hospital Meridional 2011
Pacientesalvo Aqueles que, em qualquer momento da evolução da sua doença, apresentem queixas de dor, onde o médico generalista não possui conhecimentos de técnicas específicas para o controle adequado da dor, após ter o diagnóstico firmado por este médico assistente.  Atendimento em regime de Interconsultas e a clínica de origem do paciente sempre manterá o acompanhamento simultâneo destes pacientes. DOR Hospital Meridional 2011
Pacientesalvo Aqueles submetidos a procedimentos cirúrgicos que necessitem de analgesia pós-operatória por mais de 24 horas, internados nas unidades de terapia intensiva e demais unidades hospitalares, segundo protocolo descritivo de intensidade da dor pós-operatória em função da cirurgia. DOR Hospital Meridional 2011
Profissionais Técnicos de enfermagem Enfermeiros Médicos clínicos Cirurgiões Anestesistas DOR Hospital Meridional 2011
Metodologia Aulas teóricas Workshops handson E-learning via WEBEX Lunch meeting DOR Hospital Meridional 2011
Hospital Meridional 2009 Dor como 5º sinal vital PA FC Respiração Temperatura Dor DOR
Hospital Meridional 2009 Monitorização da Analgesia ,[object Object],0 ausência de dor 10 pior dor imaginável ,[object Object],0    1    2    3    4    5    6    7    8    9    10 ausência de dor pior dor imaginável
Demanda analgésica ,[object Object]
Topografia cirúrgica
cirurgia torácica (não-cardíaca e cardíaca)
cirurgia de abdome superior
Paciente adulto
idade VS peso
estado físico VS pesoMacintyre & Jarvir, 1996
Porte maior Demanda maior Analgésicos potentes (24hs)* Técnicas mais elaboradas *Chelly, 2004
Intensidade e duração da dor pós-operatória em função do tipo de cirurgia
Intensidade e duração da dor pós-operatória em função do tipo de cirurgia
Intensidade e duração da dor pós-operatória em função do tipo de cirurgia
Hospital Meridional 2009 Analgesia PERSISTENCIA OU AUMENTO DA DOR PERSISTENCIA OU AUMENTO DA DOR Escala Analgésica Opióide forte + AINH +  Drogas adjuvantes Dor > 7 Opióide fraco + AINH +  Drogas adjuvantes Dor 4 - 6 AINH + Drogas adjuvantes Dor 1 - 3
Hospital Meridional 2009 Dose Fármaco CLASSIFICAÇÃO DA DOR: Nenhuma Nenhum Zero (0) =   Ausência de Dor.  0,5 a 1 g 6/6 h VO ou EV 40 mg 24/24 h EV 100 mg 8/8 h EV # Dipirona Bextra Cetoprofeno Um a Três (1 a 3) = Dor de fraca intensidade.  30 a 60 mg 6/6 h VO ou EV (equianalgesia VO:EV 2:1)  50 a 100 mg (1 a 1,5 mg/kg) 6/6 h VO ou EV #  Codeína Tramadol Quatro a Seis (4 a 6) =  Dor de intensidade moderada.  10 a 40 mg 12/12 h VO 3 mg a cada 10 minutos até Dor zero EV  Manter dose encontrada EV 4/4 h ou VO  3 vezes a dose EV 4/4h.         (equianalgesia VO:EV 3:1)‏ 10 mg a cada 3 a 6 H EV Oxicodona Morfina Nalbufina Sete a Nove (7 a 9) =    Dor de forte intensidade. Dez (10) =  Dor de intensidade insuportável Optar por outra técnica * No caso de existência de cateter peridural, a primeira opção será a realização de analgesia com baixas doses de anestésico local pelo cateter: Marcaína 0,125% 10 mL.
Custos de tratamento AINH e drogas adjuvantes 01 ampola 6/6 h  EV 40 mg 24/24 h EV 100 mg 8/8 h EV # Novalgina Bextra Profenid 01 ampola 6/6 h  EV R$ 1,04 * 4 = R$ 4,16 01 frasco 24/24 h EV R$ 45,89 01 frasco 8/8 h EV # R$ 9,97 * 3 = R$ 29,93 R$ 17,05 * 3 = R$ 51,15 R$ 5,48 * 3 = R$ 16,44 R$ 97,52R$ 46,39 # equipo macrogotas e soro fisiológico 250 mL Valores 2º semestre de 2010
Custos de tratamento AINH e drogas adjuvantes 01 ampola peridural ou EV 01 ampola peridural ou EV Ketamin S+ Clonidin 01 ampola  R$ 12,20 01 ampola R$ 5,79
Custos de tratamento Opióides fracos e drogas adjuvantes 30 mg 6/6 h EV 100 mg 6/6 h EV 4 mg 8/8 h EV  Codein Tramal Nausedron 01 ampola 6/6 h EV R$ 7,23 * 4 = R$ 28,95 01 ampola 6/6 h EV # R$ 10,00 * 4 = R$ 40,00 R$ 17,05 * 3 = R$ 51,15 R$ 5,48 * 3 = R$ 16,44 R$ 107,59R$ 56,44 01 ampola 8/8 h EV  R$ 27,06 * 3 = R$ 81,18 # equipo macrogotas e soro fisiológico 250 mL
Custos de tratamento Opióides fortes 2 mg h peridural 0,2 mg raqui 10 mg 4/4 h EV 10 mg 6/6 h EV  Dimorf Dimorf Dimorf Nubain 01 ampolapd R$ 5,00 01 ampolarq R$ 4,48 01 ampola 4/4 h EV  R$ 3,29 * 6 = R$ 19,78 01 ampola 6/6 h EV  R$ 13,39 * 4 = R$ 53,56

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Jonathan Sampaio
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemAna Hollanders
 
Medicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestórioMedicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestórioLeonardo Souza
 
Farmacologia sistema digestivo atualizada
Farmacologia sistema digestivo atualizadaFarmacologia sistema digestivo atualizada
Farmacologia sistema digestivo atualizadaSah Palácio
 
Slide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
Slide Protocolo Medicamentoso em OdontologiaSlide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
Slide Protocolo Medicamentoso em OdontologiaThiago Miranda
 
Abordagem inicial ao paciente grave
Abordagem inicial ao paciente graveAbordagem inicial ao paciente grave
Abordagem inicial ao paciente graveLAEC UNIVAG
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemdanilo oliveira
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologiaJaqueline Almeida
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosEduardo Bernardino
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergênciasjaddy xavier
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologiamarigrace23
 

Mais procurados (20)

Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
 
Analgesia no pós operatório
Analgesia no pós operatórioAnalgesia no pós operatório
Analgesia no pós operatório
 
Osteoporose
Osteoporose Osteoporose
Osteoporose
 
Enxertos ósseos
Enxertos ósseosEnxertos ósseos
Enxertos ósseos
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Amputações
AmputaçõesAmputações
Amputações
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Medicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestórioMedicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestório
 
Farmacologia sistema digestivo atualizada
Farmacologia sistema digestivo atualizadaFarmacologia sistema digestivo atualizada
Farmacologia sistema digestivo atualizada
 
Slide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
Slide Protocolo Medicamentoso em OdontologiaSlide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
Slide Protocolo Medicamentoso em Odontologia
 
Abordagem inicial ao paciente grave
Abordagem inicial ao paciente graveAbordagem inicial ao paciente grave
Abordagem inicial ao paciente grave
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
Dor 2020
Dor 2020Dor 2020
Dor 2020
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
 

Destaque

Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!Ana Carolina
 
Dor - Prevalência, Avaliação, Tratamento
Dor - Prevalência, Avaliação, TratamentoDor - Prevalência, Avaliação, Tratamento
Dor - Prevalência, Avaliação, TratamentoElsaSoares
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoFelipe Cavalcanti
 

Destaque (6)

Dor e qualidade de vida
Dor e qualidade de vidaDor e qualidade de vida
Dor e qualidade de vida
 
Proteina g seminario
Proteina g seminarioProteina g seminario
Proteina g seminario
 
Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!
 
Dor - Prevalência, Avaliação, Tratamento
Dor - Prevalência, Avaliação, TratamentoDor - Prevalência, Avaliação, Tratamento
Dor - Prevalência, Avaliação, Tratamento
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
 
Colostomia
ColostomiaColostomia
Colostomia
 

Semelhante a Protocolo Dor Pós-Op

03 artigo uso_estimulacao_eletrica_nervosa_transcutanea_aplicado_ponto_acupun...
03 artigo uso_estimulacao_eletrica_nervosa_transcutanea_aplicado_ponto_acupun...03 artigo uso_estimulacao_eletrica_nervosa_transcutanea_aplicado_ponto_acupun...
03 artigo uso_estimulacao_eletrica_nervosa_transcutanea_aplicado_ponto_acupun...Milena Rodrigues
 
Transplante renal aspectos praticos
Transplante renal aspectos praticosTransplante renal aspectos praticos
Transplante renal aspectos praticosAnestesiador
 
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTMMecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTMJuliana Stuginski-Barbosa
 
Custos de anestesia
Custos de anestesiaCustos de anestesia
Custos de anestesiaAnestesiador
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Huggalegoo
 
Reabilitação Cardiovascular, como fazer
Reabilitação Cardiovascular, como fazerReabilitação Cardiovascular, como fazer
Reabilitação Cardiovascular, como fazerMarcela Mihessen
 
Impacto da analgesia na fase inicial da queimadura
Impacto da analgesia na fase inicial da queimaduraImpacto da analgesia na fase inicial da queimadura
Impacto da analgesia na fase inicial da queimaduraAnestesiador
 
Analgesia multimodal 2013
Analgesia multimodal 2013Analgesia multimodal 2013
Analgesia multimodal 2013Smith & Nephew
 
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoctisaolucascopacabana
 
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativosgalegoo
 
Profilaxia de Nauseas e Vômitos - Consenso
Profilaxia de Nauseas e Vômitos - ConsensoProfilaxia de Nauseas e Vômitos - Consenso
Profilaxia de Nauseas e Vômitos - ConsensoCelso Nogueira
 
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNicaDesmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNicagalegoo
 
Tratamento personalizado da disfunção erétil e hormonal masculina: presente e...
Tratamento personalizado da disfunção erétil e hormonal masculina: presente e...Tratamento personalizado da disfunção erétil e hormonal masculina: presente e...
Tratamento personalizado da disfunção erétil e hormonal masculina: presente e...Conrado Alvarenga
 
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptxTreinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptxFernandoSakataBeliza
 
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010Urovideo.org
 

Semelhante a Protocolo Dor Pós-Op (20)

03 artigo uso_estimulacao_eletrica_nervosa_transcutanea_aplicado_ponto_acupun...
03 artigo uso_estimulacao_eletrica_nervosa_transcutanea_aplicado_ponto_acupun...03 artigo uso_estimulacao_eletrica_nervosa_transcutanea_aplicado_ponto_acupun...
03 artigo uso_estimulacao_eletrica_nervosa_transcutanea_aplicado_ponto_acupun...
 
Transplante renal aspectos praticos
Transplante renal aspectos praticosTransplante renal aspectos praticos
Transplante renal aspectos praticos
 
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTMMecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
 
Custos de anestesia
Custos de anestesiaCustos de anestesia
Custos de anestesia
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
 
Reabilitação Cardiovascular, como fazer
Reabilitação Cardiovascular, como fazerReabilitação Cardiovascular, como fazer
Reabilitação Cardiovascular, como fazer
 
Impacto da analgesia na fase inicial da queimadura
Impacto da analgesia na fase inicial da queimaduraImpacto da analgesia na fase inicial da queimadura
Impacto da analgesia na fase inicial da queimadura
 
Analgesia multimodal 2013
Analgesia multimodal 2013Analgesia multimodal 2013
Analgesia multimodal 2013
 
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
 
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
 
Profilaxia de Nauseas e Vômitos - Consenso
Profilaxia de Nauseas e Vômitos - ConsensoProfilaxia de Nauseas e Vômitos - Consenso
Profilaxia de Nauseas e Vômitos - Consenso
 
Juliana e Carla
Juliana e CarlaJuliana e Carla
Juliana e Carla
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNicaDesmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
 
Tratamento personalizado da disfunção erétil e hormonal masculina: presente e...
Tratamento personalizado da disfunção erétil e hormonal masculina: presente e...Tratamento personalizado da disfunção erétil e hormonal masculina: presente e...
Tratamento personalizado da disfunção erétil e hormonal masculina: presente e...
 
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptxTreinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
Treinamentos de novos protocolos residente (1).pptx
 
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010
 
Dor ucp
Dor ucpDor ucp
Dor ucp
 

Mais de Anestesiador

Anestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesiador
 
Manejo da via aérea
Manejo da via aéreaManejo da via aérea
Manejo da via aéreaAnestesiador
 
Desafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaDesafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaAnestesiador
 
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Anestesiador
 
Analgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnalgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnestesiador
 
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexNáuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexAnestesiador
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAAnestesiador
 
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Anestesiador
 
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Anestesiador
 
Webanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em AnestesiaWebanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em AnestesiaAnestesiador
 
Anestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesiador
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificilAnestesiador
 
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Anestesiador
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificilAnestesiador
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarAnestesiador
 
Fisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoFisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoAnestesiador
 
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaRaquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaAnestesiador
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidadeAnestesiador
 

Mais de Anestesiador (20)

Anestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduação
 
Manejo da via aérea
Manejo da via aéreaManejo da via aérea
Manejo da via aérea
 
Desafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaDesafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia Cardíaca
 
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
 
Analgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnalgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácica
 
Profilaxia de TEV
Profilaxia de TEVProfilaxia de TEV
Profilaxia de TEV
 
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexNáuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
 
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
 
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
 
Webanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em AnestesiaWebanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em Anestesia
 
Webinar2
Webinar2Webinar2
Webinar2
 
Anestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crack
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonar
 
Fisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoFisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusão
 
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaRaquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 

Último

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 

Último (9)

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 

Protocolo Dor Pós-Op

  • 1. Protocolo de Tratamento de Dor Aguda Pós- Operatória. Pablo B Gusman Mestre e Doutorem Anestesiologia, Título de Especialistaem Medicina Intensiva, AMIB HabilitaçãoparaTratamento da Dor, SBA Médico do Comitê de Qualidade HM 2011
  • 2. Hospital Meridional 2011 Não é apenas uma modalidade sensorial, mas uma experiência. Sensação e experiência emocional desagradáveis, associada com lesão tecidual atual ou em potencial. DOR IASP O que é a dor?
  • 3. Hospital Meridional 2009 O ato anestésico não termina na sala operatória Jardin des Tullieries, Paris, 2008
  • 4.
  • 5. Aumenta risco de complicações pulmonares,
  • 6. Resposta metabólica ao estresse (> tônus simpático, catecolaminas, estímulo hipotalâmico, > hormônios catabolizantes).Hospital Meridional 2011
  • 7.
  • 8. Tornar tolerável os cuidados dolorosos ou desagradáveis
  • 9. Reduzir o consumo de O2
  • 11. Reduzir a incidência de complicações neuro- psíquicas durante a permanência hospParis, 2008
  • 12. Objetivo Estabelecer padrão para a realização da rotina na conduta médica nos casos de dor no pós-operatória. DOR Hospital Meridional 2011
  • 13. Pacientesalvo Aqueles que, em qualquer momento da evolução da sua doença, apresentem queixas de dor, onde o médico generalista não possui conhecimentos de técnicas específicas para o controle adequado da dor, após ter o diagnóstico firmado por este médico assistente. Atendimento em regime de Interconsultas e a clínica de origem do paciente sempre manterá o acompanhamento simultâneo destes pacientes. DOR Hospital Meridional 2011
  • 14. Pacientesalvo Aqueles submetidos a procedimentos cirúrgicos que necessitem de analgesia pós-operatória por mais de 24 horas, internados nas unidades de terapia intensiva e demais unidades hospitalares, segundo protocolo descritivo de intensidade da dor pós-operatória em função da cirurgia. DOR Hospital Meridional 2011
  • 15. Profissionais Técnicos de enfermagem Enfermeiros Médicos clínicos Cirurgiões Anestesistas DOR Hospital Meridional 2011
  • 16. Metodologia Aulas teóricas Workshops handson E-learning via WEBEX Lunch meeting DOR Hospital Meridional 2011
  • 17. Hospital Meridional 2009 Dor como 5º sinal vital PA FC Respiração Temperatura Dor DOR
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 26. estado físico VS pesoMacintyre & Jarvir, 1996
  • 27. Porte maior Demanda maior Analgésicos potentes (24hs)* Técnicas mais elaboradas *Chelly, 2004
  • 28. Intensidade e duração da dor pós-operatória em função do tipo de cirurgia
  • 29. Intensidade e duração da dor pós-operatória em função do tipo de cirurgia
  • 30. Intensidade e duração da dor pós-operatória em função do tipo de cirurgia
  • 31. Hospital Meridional 2009 Analgesia PERSISTENCIA OU AUMENTO DA DOR PERSISTENCIA OU AUMENTO DA DOR Escala Analgésica Opióide forte + AINH + Drogas adjuvantes Dor > 7 Opióide fraco + AINH + Drogas adjuvantes Dor 4 - 6 AINH + Drogas adjuvantes Dor 1 - 3
  • 32. Hospital Meridional 2009 Dose Fármaco CLASSIFICAÇÃO DA DOR: Nenhuma Nenhum Zero (0) = Ausência de Dor. 0,5 a 1 g 6/6 h VO ou EV 40 mg 24/24 h EV 100 mg 8/8 h EV # Dipirona Bextra Cetoprofeno Um a Três (1 a 3) = Dor de fraca intensidade. 30 a 60 mg 6/6 h VO ou EV (equianalgesia VO:EV 2:1) 50 a 100 mg (1 a 1,5 mg/kg) 6/6 h VO ou EV # Codeína Tramadol Quatro a Seis (4 a 6) = Dor de intensidade moderada. 10 a 40 mg 12/12 h VO 3 mg a cada 10 minutos até Dor zero EV Manter dose encontrada EV 4/4 h ou VO 3 vezes a dose EV 4/4h. (equianalgesia VO:EV 3:1)‏ 10 mg a cada 3 a 6 H EV Oxicodona Morfina Nalbufina Sete a Nove (7 a 9) = Dor de forte intensidade. Dez (10) = Dor de intensidade insuportável Optar por outra técnica * No caso de existência de cateter peridural, a primeira opção será a realização de analgesia com baixas doses de anestésico local pelo cateter: Marcaína 0,125% 10 mL.
  • 33. Custos de tratamento AINH e drogas adjuvantes 01 ampola 6/6 h EV 40 mg 24/24 h EV 100 mg 8/8 h EV # Novalgina Bextra Profenid 01 ampola 6/6 h EV R$ 1,04 * 4 = R$ 4,16 01 frasco 24/24 h EV R$ 45,89 01 frasco 8/8 h EV # R$ 9,97 * 3 = R$ 29,93 R$ 17,05 * 3 = R$ 51,15 R$ 5,48 * 3 = R$ 16,44 R$ 97,52R$ 46,39 # equipo macrogotas e soro fisiológico 250 mL Valores 2º semestre de 2010
  • 34. Custos de tratamento AINH e drogas adjuvantes 01 ampola peridural ou EV 01 ampola peridural ou EV Ketamin S+ Clonidin 01 ampola R$ 12,20 01 ampola R$ 5,79
  • 35. Custos de tratamento Opióides fracos e drogas adjuvantes 30 mg 6/6 h EV 100 mg 6/6 h EV 4 mg 8/8 h EV Codein Tramal Nausedron 01 ampola 6/6 h EV R$ 7,23 * 4 = R$ 28,95 01 ampola 6/6 h EV # R$ 10,00 * 4 = R$ 40,00 R$ 17,05 * 3 = R$ 51,15 R$ 5,48 * 3 = R$ 16,44 R$ 107,59R$ 56,44 01 ampola 8/8 h EV R$ 27,06 * 3 = R$ 81,18 # equipo macrogotas e soro fisiológico 250 mL
  • 36. Custos de tratamento Opióides fortes 2 mg h peridural 0,2 mg raqui 10 mg 4/4 h EV 10 mg 6/6 h EV Dimorf Dimorf Dimorf Nubain 01 ampolapd R$ 5,00 01 ampolarq R$ 4,48 01 ampola 4/4 h EV R$ 3,29 * 6 = R$ 19,78 01 ampola 6/6 h EV R$ 13,39 * 4 = R$ 53,56
  • 37. Custos de tratamento Opióides fracos e drogas adjuvantes 2 mg h peridural 0,2 mg raqui 10 mg 4/4 h EV Dimorf Dimorf Dimorf 01 ampolapd R$ 5,00 01 ampolarq R$ 4,48 01 ampola 4/4 h EV R$ 3,29 * 6 = R$ 19,78
  • 38. Analgesia controlada pelo paciente PCA Master GemStar Lignea PMP PCA
  • 39. Hospital Meridional 2009 Conc Plasmática (Mcg/mL)‏ Modalidades de Utilização Bolus Distribuição Janela terapêutica Eliminação Tempo (min)‏
  • 40. Hospital Meridional 2009 Conc Plasmática (Mcg/mL)‏ Modalidades de Utilização Bolus Infusão contínua Tempo (min)‏
  • 41. Hospital Meridional 2009 Conc Plasmática (Mcg/mL)‏ Modalidades de Utilização Bolus Infusão contínua Bolus intermitentes Tempo (min)‏
  • 42.
  • 44. SOS
  • 45. ATIVA
  • 47.
  • 48.
  • 49. Via
  • 52.
  • 58.
  • 60.
  • 61. Buenos Aires, 2005 World Congress PneumotóraxFebre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos.A vida inteira que podia ter sido e que não foi.Tosse, tosse, tosse.Mandou chamar o médico:— Diga trinta e três.— Trinta e três . . . trinta e três . . . trinta e três . . .— Respire.  — O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado.— Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?— Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino. Manuel Bandeira