SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Enfa. Natália Oliveira de Araújo
• QUAL O OBJETIVO DAANALGESIA E A SEDAÇÃO?
• Melhoram o conforto e aliviam o sofrimento 
• Reduzem a resposta ao estresse relacionada a 
inflamação e ao trauma 
• Facilita o cuidado adequado pela equipe multidisciplinar 
MAS.... 
• Realizados de forma inadequada geram impacto na 
morbimortalidade e tempo de internação
- A UTI é o setor onde o grau de desconforto e a dor 
relacionada a procedimentos invasivos podem ser 
MÁXIMOS 
- A dor é fisiológica, psicológica, social e espiritual 
- Sempre lembrar MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS 
para o controle da dor 
- As necessidades individuais de cada paciente devem ser 
aferidas (hipnose, analgesia, ansiólise, amnésia...)
- O coma desnecessário é ruim - Mudança de paradigma: 
paciente dormindo  paciente acordado e calmo 
- A dor deve ter prioridade no tratamento 
- Bloqueador neuromuscular deve ser usado em ultimo 
recurso 
- Sedação NÃO É analgesia
- A avaliação da dor e sua situação clínica (pós-operatório, 
queimadura, trauma), bem como a avaliação da sedação 
devem ser sistemáticas e regulares com o uso de escala 
apropriada e guidelines
• Embora a maioria dos pacientes na UTI receba 
analgésicos parenterais rotineiramente, 50% dos 
pacientes que recebem alta da UTI lembram-se da 
dor como a sua pior experiência enquanto internados 
lá. 
1. “Opiofobia” 
O uso de opióides no hospital não causa dependência (Paul L. 
Marino) 
2. Dosagem correta 
A dose do analgésico deve ser guiada pela resposta do paciente
• Intensidade, duração, localização e qualidade (aguda, 
difusa..) 
• Escalas de dor
• A comunicação é a melhor maneira de avaliar a dor, 
assim como é uma excelente fonte de conforto para o 
paciente. 
• Quando não há possibilidades de comunicação, avaliar 
parâmetros fisiológicos (FC, FR, PA, postura, agitação, 
fácies de dor...) antes e depois da intervenção.
• Analgésicos mais utilizados no ambiente de UTI 
Tramadol 
Morfina 
Fentanil
EFEITOS GERAIS: 
Analgesia 
Sedação leve 
Euforia 
Constrição pupilar 
Depressão respiratória e apneia 
Bradicardia e hipotensão 
Náuseas 
Vômitos 
Retenção Urinária 
Constipação 
Prurido 
Respondem bem 
a volume e 
doses baixas de 
vasopressores 
Pronunciadas 
em pacientes 
hipovolêmicos 
ou com IC e 
quando 
associados a 
BZD 
Atenção na 
Traqueostomia!
Morfina Fentanil 
Hidrossolúvel Lipossolúvel 
Início de ação: 5 min – Pico: 20 a 
30 min 
Início de ação: 1 a 2 min – Pico: 
5 a 15 min 
Tempo de duração: 2 a 3h30m 30 a 60 min 
Metabólitos ativos que se 
acumulam na IR (causam 
convulsão) 
Não possui metabólitos ativos, 
sem ajuste de dose na IR 
Libera histamina  
Vasodilatação, hipotensão, 
prurido, broncoespasmo 
Não libera histamina 
Não sofre acúmulo no tecido 
adiposo 
Acúmulo no tecido adiposo com 
efeito prolongado quando 
administrado por mais de 4 horas 
Mais chances de constipação Constipação 
Bradicardia e depressão 
Bradicardia e depressão
• Opióide sintético, mais fraco que a morfina ou fentanil 
• Efeitos colaterias: náuseas, sonolência e convulsões.
• Antiinflamatórios não-esteróides (AINES) – Cetoprofeno 
Sangramento digestivo 
Sangramento por alteração plaquetária 
IRA 
Uso restrito na UTI 
• Dipirona 
Antitérmico e antiinflamatório 
Associado com opióides 
Quando associados, 
podem diminuir as doses 
de opióides! 
• Paracetamol 
Opção quando o paciente for alérgico a dipirona 
Apenas VO 
Hepatotoxicidade
• Conceitos: 
- Sedar = acalmar 
- Hipnose = dormir 
- Ansiedade = sensação de medo, angústia 
- Agitação = ansiedade + agitação motora 
- Delirium = estado mental alterado (hiperativo, hipoativo 
ou misto)
• Falar com os pacientes e fazer ajustes no ambiente da 
UTI deveriam ser as primeiras etapas para acalmar um 
paciente ansioso. 
• Ao utilizar as drogas, usá-las na menor dose possível, 
individualizada e reavaliando diariamente. 
• Para pacientes em VM, a sedação ideal é aquela que o 
mantem cooperativo, aceitando a ventilação, orientado e 
tranquilo.
• Evidências apontam a avaliação do nível de consciência 
e sedação várias vezes ao dia utilizando protocolos e 
instrumentos validados 
• Diversos benefícios como diminuição do tempo de VM, 
na estadia em UTI, gastos para o hospital, repercussão 
favorável na morbimortalidade, etc... 
As escalas de sedação não se 
destinam a pacientes 
inconscientes ou em uso de 
bloqueadores neuromusculares
• Escala de RAMSAY
• Escala de RASS
• É a benzodiazepina de escolha para sedação pois: 
- Tem maior lipossolubilidade 
- Início mais rápido (30 a 60 segs) 
- Duração de ação mais curta (15 a 30 min) 
- Amnésia
- ATENÇÃO: assim como o fentanil, as infusões de 
midazolam durando mais do que algumas horas pode 
produzir sedação prolongada após sua suspensão. 
Acúmulo 
no SNC 
Hidroximidazolam 
Citocromo P450 
Insuf. hepática
• Dose excessiva pode causar: 
- Hipotensão 
- Depressão respiratória 
- Sedação excessiva 
- Síndrome de abstinência 
Suspensão abrupta da droga  ansiedade, agitação, 
desorientação, hipertensão, taquicardia, alucinações e 
convulsões 
Propofol
• Sedativo, hipnótico, ansiolítico e amnésico de ação 
rápida para indução e manutenção de anestesia de curta 
duração (<72h) 
• Não analgesia 
Diminui o consumo 
de O2 cerebral e a 
PIC 
• É o sedativo de escolha para pacientes neurológicos 
• Início de ação: menos que 1 min 
• Tempo até despertar: 10 a 15 min (mesmo após 
administração prolongada)
• Muito lipossolúvel  encontra-se em suspensão em uma 
emulsão lipídica a 10% para aumentar a solubilidade no 
plasma (linha venosa exclusiva) 
• 0,1mg de gordura/ml ou 1,1kcal/ml  contado como 
parte da ingesta diária de nutrientes 
• Não requer ajuste de dose para IR ou IH
• Efeitos adversos: 
- Dor no local da injeção 
- Depressão respiratória 
- Apnéia 
- Hipotensão 
- Urina verde 
- Hipertrigliceridemia  monitorar lipídios 
- Contaminação bacteriana
• SÍNDROME DE INFUSÃO DO PROPOFOL 
- Bradicardia 
- Acidose lática 
- Insuficiência cardíaca 
- Hiperlipidemia 
- Rabdomiólise 
- Suspender a droga, cuidados de suporte e MP quando 
necessário
• Sedativo, ansiolítico e analgesia leve, não produz 
depressão respiratória. 
• Início de ação: 1 a 3 min 
• Tempo de ação: 10 min 
• Geralmente usada em BIC 
• Necessita de ajuste para IH 
Apneia do sono ou DPOC, 
principalmente se em desmame de 
VM
• Efeitos adversos: 
- Hipotensão (pior em hipovolêmicos) 
- Bradicardia (pior em idosos e bloqueio cardíaco 
avançado) 
- Agitação e “rebote simpático” (similar com a clonidina) 
- Evitar usar a droga com mais de 24h
• Sedativo hipnótico de curta duração 
• Não analgésico 
• Utilizado para intervenções de curta duração (p.ex, 
intubação, procedimentos diagnósticos ou ambulatoriais) 
• Não altera a hemodinâmica do paciente 
• Risco de mioclonia 
• Início de ação: 15 a 45 segs 
• Duração do efeito: até 15 min
• Bloqueio da transmissão na junção neuromuscular
• Objetivos: 
- Acesso a via aérea 
- Adaptação à ventilação mecânica 
- Manipulação de paciente com hipertensão intracraniana 
- Medir variação de pressão de pulso 
Succinilcolina (Suxametônio) 
Pancurônio 
Atracúrio 
Cisatracúrio (Nibium) 
Antagonizados por 
Neostigminia 
Atropina 
Quelicin
• Cuidado com as infusões prolongadas de sedativos e 
analgésicos! 
• Despertar diário 
• Avaliação do paciente agitado: 
1. AMEAÇA IMEDIATA DE VIDA 
2. DOR 
3. ANSIEDADE 
4. DELIRIUM
• Manual de Residência de Medicina Intensiva – 3ª edição. 
Editora Manole, 2012 
• Manual de Bolso de UTI – 3ª edição. Editora Atheneu, 
2011. 
• Paciente Crítico: Diagnóstico e Tratamento – Hospital 
Sírio Libanês. Editora Manole, 2006. 
• Compêndio de UTI – 3ª edição. Editora Artmed, 2008. 
• Emergências Clínicas: Abordagem Prática – 8ª edição. 
Editora Manole.
Analgesia e Sedação na UTI

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAIthallo Alves
 
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxshaiane2
 
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptValdemilsonVieira
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativasresenfe2013
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaNilton Goulart
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraquealRodrigo Abreu
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosEduardo Bernardino
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Aline Bandeira
 
Farmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologiaFarmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologiaresenfe2013
 
Administração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAdministração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAline Neves
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagemHemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagemRui Lopes
 

Mais procurados (20)

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
 
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
 
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
 
Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Anestesia sedacao
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Farmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologiaFarmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologia
 
Anestesia
AnestesiaAnestesia
Anestesia
 
Administração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAdministração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteral
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagemHemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
 

Semelhante a Analgesia e Sedação na UTI

[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4Marcelo Zanotti da Silva
 
Cópia de sedation and delirium in the intensive
Cópia de sedation and delirium in the intensiveCópia de sedation and delirium in the intensive
Cópia de sedation and delirium in the intensiveJanine Magalhaes
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveJanine Magalhaes
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveJanine Magalhaes
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveJanine Magalhaes
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveJanine Magalhaes
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveJanine Magalhaes
 
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoctisaolucascopacabana
 
Enxaqueca relacionado ao cheiro trabalho
Enxaqueca relacionado ao cheiro   trabalhoEnxaqueca relacionado ao cheiro   trabalho
Enxaqueca relacionado ao cheiro trabalhoMarinalva Rodrigues
 
Anestesia veterinária
Anestesia veterináriaAnestesia veterinária
Anestesia veterináriaantoniodida
 
Psicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptxPsicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptxgizaraposo
 
Caso clinico p.a.s
Caso clinico   p.a.sCaso clinico   p.a.s
Caso clinico p.a.sAnna de Melo
 
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDEArtthurPereira2
 
15ª aula emergencia psiquiatrica
15ª aula   emergencia psiquiatrica15ª aula   emergencia psiquiatrica
15ª aula emergencia psiquiatricaProf Silvio Rosa
 

Semelhante a Analgesia e Sedação na UTI (20)

Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Anestesia sedacao
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
 
Cópia de sedation and delirium in the intensive
Cópia de sedation and delirium in the intensiveCópia de sedation and delirium in the intensive
Cópia de sedation and delirium in the intensive
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
 
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
 
Psicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdfPsicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdf
 
Enxaqueca relacionado ao cheiro trabalho
Enxaqueca relacionado ao cheiro   trabalhoEnxaqueca relacionado ao cheiro   trabalho
Enxaqueca relacionado ao cheiro trabalho
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Anestesia veterinária
Anestesia veterináriaAnestesia veterinária
Anestesia veterinária
 
Psicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptxPsicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptx
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
 
Caso clinico p.a.s
Caso clinico   p.a.sCaso clinico   p.a.s
Caso clinico p.a.s
 
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
 
15ª aula emergencia psiquiatrica
15ª aula   emergencia psiquiatrica15ª aula   emergencia psiquiatrica
15ª aula emergencia psiquiatrica
 

Último

AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfClaudiaAraujo428025
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfqualidadediagnostico
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDiegoFernandes857616
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMayaraStefanydaSilva1
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 

Último (8)

AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

Analgesia e Sedação na UTI

  • 2. • QUAL O OBJETIVO DAANALGESIA E A SEDAÇÃO?
  • 3. • Melhoram o conforto e aliviam o sofrimento • Reduzem a resposta ao estresse relacionada a inflamação e ao trauma • Facilita o cuidado adequado pela equipe multidisciplinar MAS.... • Realizados de forma inadequada geram impacto na morbimortalidade e tempo de internação
  • 4. - A UTI é o setor onde o grau de desconforto e a dor relacionada a procedimentos invasivos podem ser MÁXIMOS - A dor é fisiológica, psicológica, social e espiritual - Sempre lembrar MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS para o controle da dor - As necessidades individuais de cada paciente devem ser aferidas (hipnose, analgesia, ansiólise, amnésia...)
  • 5. - O coma desnecessário é ruim - Mudança de paradigma: paciente dormindo  paciente acordado e calmo - A dor deve ter prioridade no tratamento - Bloqueador neuromuscular deve ser usado em ultimo recurso - Sedação NÃO É analgesia
  • 6. - A avaliação da dor e sua situação clínica (pós-operatório, queimadura, trauma), bem como a avaliação da sedação devem ser sistemáticas e regulares com o uso de escala apropriada e guidelines
  • 7.
  • 8. • Embora a maioria dos pacientes na UTI receba analgésicos parenterais rotineiramente, 50% dos pacientes que recebem alta da UTI lembram-se da dor como a sua pior experiência enquanto internados lá. 1. “Opiofobia” O uso de opióides no hospital não causa dependência (Paul L. Marino) 2. Dosagem correta A dose do analgésico deve ser guiada pela resposta do paciente
  • 9. • Intensidade, duração, localização e qualidade (aguda, difusa..) • Escalas de dor
  • 10. • A comunicação é a melhor maneira de avaliar a dor, assim como é uma excelente fonte de conforto para o paciente. • Quando não há possibilidades de comunicação, avaliar parâmetros fisiológicos (FC, FR, PA, postura, agitação, fácies de dor...) antes e depois da intervenção.
  • 11. • Analgésicos mais utilizados no ambiente de UTI Tramadol Morfina Fentanil
  • 12. EFEITOS GERAIS: Analgesia Sedação leve Euforia Constrição pupilar Depressão respiratória e apneia Bradicardia e hipotensão Náuseas Vômitos Retenção Urinária Constipação Prurido Respondem bem a volume e doses baixas de vasopressores Pronunciadas em pacientes hipovolêmicos ou com IC e quando associados a BZD Atenção na Traqueostomia!
  • 13. Morfina Fentanil Hidrossolúvel Lipossolúvel Início de ação: 5 min – Pico: 20 a 30 min Início de ação: 1 a 2 min – Pico: 5 a 15 min Tempo de duração: 2 a 3h30m 30 a 60 min Metabólitos ativos que se acumulam na IR (causam convulsão) Não possui metabólitos ativos, sem ajuste de dose na IR Libera histamina  Vasodilatação, hipotensão, prurido, broncoespasmo Não libera histamina Não sofre acúmulo no tecido adiposo Acúmulo no tecido adiposo com efeito prolongado quando administrado por mais de 4 horas Mais chances de constipação Constipação Bradicardia e depressão Bradicardia e depressão
  • 14. • Opióide sintético, mais fraco que a morfina ou fentanil • Efeitos colaterias: náuseas, sonolência e convulsões.
  • 15. • Antiinflamatórios não-esteróides (AINES) – Cetoprofeno Sangramento digestivo Sangramento por alteração plaquetária IRA Uso restrito na UTI • Dipirona Antitérmico e antiinflamatório Associado com opióides Quando associados, podem diminuir as doses de opióides! • Paracetamol Opção quando o paciente for alérgico a dipirona Apenas VO Hepatotoxicidade
  • 16.
  • 17. • Conceitos: - Sedar = acalmar - Hipnose = dormir - Ansiedade = sensação de medo, angústia - Agitação = ansiedade + agitação motora - Delirium = estado mental alterado (hiperativo, hipoativo ou misto)
  • 18. • Falar com os pacientes e fazer ajustes no ambiente da UTI deveriam ser as primeiras etapas para acalmar um paciente ansioso. • Ao utilizar as drogas, usá-las na menor dose possível, individualizada e reavaliando diariamente. • Para pacientes em VM, a sedação ideal é aquela que o mantem cooperativo, aceitando a ventilação, orientado e tranquilo.
  • 19. • Evidências apontam a avaliação do nível de consciência e sedação várias vezes ao dia utilizando protocolos e instrumentos validados • Diversos benefícios como diminuição do tempo de VM, na estadia em UTI, gastos para o hospital, repercussão favorável na morbimortalidade, etc... As escalas de sedação não se destinam a pacientes inconscientes ou em uso de bloqueadores neuromusculares
  • 20. • Escala de RAMSAY
  • 22. • É a benzodiazepina de escolha para sedação pois: - Tem maior lipossolubilidade - Início mais rápido (30 a 60 segs) - Duração de ação mais curta (15 a 30 min) - Amnésia
  • 23. - ATENÇÃO: assim como o fentanil, as infusões de midazolam durando mais do que algumas horas pode produzir sedação prolongada após sua suspensão. Acúmulo no SNC Hidroximidazolam Citocromo P450 Insuf. hepática
  • 24. • Dose excessiva pode causar: - Hipotensão - Depressão respiratória - Sedação excessiva - Síndrome de abstinência Suspensão abrupta da droga  ansiedade, agitação, desorientação, hipertensão, taquicardia, alucinações e convulsões Propofol
  • 25. • Sedativo, hipnótico, ansiolítico e amnésico de ação rápida para indução e manutenção de anestesia de curta duração (<72h) • Não analgesia Diminui o consumo de O2 cerebral e a PIC • É o sedativo de escolha para pacientes neurológicos • Início de ação: menos que 1 min • Tempo até despertar: 10 a 15 min (mesmo após administração prolongada)
  • 26. • Muito lipossolúvel  encontra-se em suspensão em uma emulsão lipídica a 10% para aumentar a solubilidade no plasma (linha venosa exclusiva) • 0,1mg de gordura/ml ou 1,1kcal/ml  contado como parte da ingesta diária de nutrientes • Não requer ajuste de dose para IR ou IH
  • 27. • Efeitos adversos: - Dor no local da injeção - Depressão respiratória - Apnéia - Hipotensão - Urina verde - Hipertrigliceridemia  monitorar lipídios - Contaminação bacteriana
  • 28. • SÍNDROME DE INFUSÃO DO PROPOFOL - Bradicardia - Acidose lática - Insuficiência cardíaca - Hiperlipidemia - Rabdomiólise - Suspender a droga, cuidados de suporte e MP quando necessário
  • 29. • Sedativo, ansiolítico e analgesia leve, não produz depressão respiratória. • Início de ação: 1 a 3 min • Tempo de ação: 10 min • Geralmente usada em BIC • Necessita de ajuste para IH Apneia do sono ou DPOC, principalmente se em desmame de VM
  • 30. • Efeitos adversos: - Hipotensão (pior em hipovolêmicos) - Bradicardia (pior em idosos e bloqueio cardíaco avançado) - Agitação e “rebote simpático” (similar com a clonidina) - Evitar usar a droga com mais de 24h
  • 31. • Sedativo hipnótico de curta duração • Não analgésico • Utilizado para intervenções de curta duração (p.ex, intubação, procedimentos diagnósticos ou ambulatoriais) • Não altera a hemodinâmica do paciente • Risco de mioclonia • Início de ação: 15 a 45 segs • Duração do efeito: até 15 min
  • 32. • Bloqueio da transmissão na junção neuromuscular
  • 33. • Objetivos: - Acesso a via aérea - Adaptação à ventilação mecânica - Manipulação de paciente com hipertensão intracraniana - Medir variação de pressão de pulso Succinilcolina (Suxametônio) Pancurônio Atracúrio Cisatracúrio (Nibium) Antagonizados por Neostigminia Atropina Quelicin
  • 34. • Cuidado com as infusões prolongadas de sedativos e analgésicos! • Despertar diário • Avaliação do paciente agitado: 1. AMEAÇA IMEDIATA DE VIDA 2. DOR 3. ANSIEDADE 4. DELIRIUM
  • 35. • Manual de Residência de Medicina Intensiva – 3ª edição. Editora Manole, 2012 • Manual de Bolso de UTI – 3ª edição. Editora Atheneu, 2011. • Paciente Crítico: Diagnóstico e Tratamento – Hospital Sírio Libanês. Editora Manole, 2006. • Compêndio de UTI – 3ª edição. Editora Artmed, 2008. • Emergências Clínicas: Abordagem Prática – 8ª edição. Editora Manole.