CINTIA RAQUEL BATISTA
FERNANDA DE M. MARINHO LIMA
FERNANDO MILTON DOS SANTOS
MARNO MIZAEL GALVÃO
SIMONY MAGDA DA SILVA
COB...
Trabalho apresentado ao curso de graduação
em Enfermagem Bacharelado da Faculdade
de Enfermagem de Belo Jardim, FAEB, como...
VACINAÇÃO
• Medida para a prevenção
de doenças;
• Avaliação da sua
eficiência é a garantia do
sucesso dos Programas
de im...
 NO BRASIL
• Vacinas utilizadas:
 BCG – ID (dose única);
 Vacina contra hepatite B (HB) (3 doses);
 Vacina oral contra...
O Ministério da Saúde (MS) preconiza os
percentuais de cobertura vacinal de rotina
como metas: 95% de cobertura para o
esq...
VACINAÇÃO DE ROTINA
• Aplicação do Calendário Nacional de Imunização;
• Aplicar a cada criança a partir do seu nascimento...
COBERTURA VACINAL
• É a proporção de crianças menores de um ano
que receberam o esquema completo de
vacinação em relação ...
Por que, apesar da melhoria na cobertura
vacinal observada no Brasil, uma parcela
das crianças ainda continua sem ser
vaci...
Falhas na Educação em Saúde;
Fatores estruturais relacionados aos
serviços de saúde;
População residindo em área rural;...
Diante do problema pertinente a essa
pesquisa, surgiu a necessidade de realizar
uma pesquisa para estimar a cobertura
vaci...
OBJETIVO GERAL
• Estimar a cobertura vacinal do esquema básico
em crianças menores de 1 ano da cidade de Belo
Jardim, Per...
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
• Levantar o quantitativo de crianças imunizadas
nessa USF;
• Relacionar a associação entre a cober...
Nenhuma ação em saúde é tão efetiva e
eficiente quanto vacinar crianças contra as
principais doenças preveníveis por
imuni...
A saúde da criança foi eleita como
prioridade e se introduziu um conjunto de
ações programáticas com o objetivo de
impacta...
Apesar da melhoria nas coberturas vacinais
observada no Brasil, uma parcela das
crianças continua sem ser vacinada
adequad...
 Estudo exploratório e descritivo com
abordagem quantitativa, desenvolvido em
uma Unidade de Saúde da Família situada no
...
LOCAL
• O município de Belo Jardim localiza-se no Agreste
do Estado de Pernambuco;
• Esse município possui população esti...
 LOCAL
• Posto de Vacinação Severina Parteira - unidade de
um serviço de Atenção Primária à Saúde - localizado
no centro ...
COLETA DE
DADOS
• O método utilizado
para obter os dados
da cobertura foi
baseado na análise do
Registro Informatizado
de...
AMOSTRAGEM
• O público alvo foi de crianças menores de um ano
que foram imunizadas nessa USF;
• A finalidade da amostra é...
 2412 crianças;
 Período: 1º de Junho à 30 de Novembro;
 Média de 402 crianças por mês;
Das 2412 crianças:
• 394 (16,32%) foram vacinadas em Junho;
• 402 (16,66%) em Julho, 410 (16,99%) em Agosto;
• 396 (16,41...
Cobertura vacinal de crianças menores de
1 ano que foram imunizadas na USF:
385
390
395
400
405
410
JUN JUL AGO SET OUT N...
 Cobertura vacinal X Imunobiológicos;
IDADE VACINA DOSES
AO NASCER
BCG-ID ÚNICA
HAPATITE-B 1ª DOSE
2 MESES
PENTAVALENTE 1ª DOSE
VACINA POLIOMIELITE INATIVADA 1ª...
3 MESES VACINA MENINGOCÓCICA 10 1ª DOSE
4 MESES
PENTAVALENTE 2ª DOSE
VACINA POLIOMIELITE INATIVADA 2ª DOSE
VACINA ORAL ROT...
Município X USF
Nem sempre os dados pesquisados são
confiáveis e muita vezes são inexistentes,
dificultando assim o desenvolvimento e
conc...
 Importância da divulgação de um programa
de imunizações;
 A nível de compreensão direta por toda a
população;
 Maior d...
Cobertura vacinal
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cobertura vacinal

404 visualizações

Publicada em

Surgiu a necessidade de realizar uma pesquisa para estimar a cobertura vacinal de crianças menores de 1 ano relacionando também com os dados do município encontrados no DATA SUS e os fatores que causam a não-vacinação.

Pesquisa a campo: COBERTURA VACINAL EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO A PARTIR DO REGISTRO INFORMATIZADO DE IMUNIZAÇÃO DE UMA USF DO MUNICÍPIO DE BELO JARDIM, PE.

Publicada em: Saúde
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cobertura vacinal

  1. 1. CINTIA RAQUEL BATISTA FERNANDA DE M. MARINHO LIMA FERNANDO MILTON DOS SANTOS MARNO MIZAEL GALVÃO SIMONY MAGDA DA SILVA COBERTURA VACINAL EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO A PARTIR DO REGISTRO INFORMATIZADO DE IMUNIZAÇÃO DE UMA USF DO MUNICÍPIO DE BELO JARDIM, PE.
  2. 2. Trabalho apresentado ao curso de graduação em Enfermagem Bacharelado da Faculdade de Enfermagem de Belo Jardim, FAEB, como critério avaliativo para obtenção da nota das disciplinas de Bioestatística e Metodologia da Pesquisa em Enfermagem, ministradas respectivamente por Profª Fabiane6 e por Profº Ms. Ivanildo Mangueira. COBERTURA VACINAL EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO A PARTIR DO REGISTRO INFORMATIZADO DE IMUNIZAÇÃO DE UMA USF DO MUNICÍPIO DE BELO JARDIM, PE.
  3. 3. VACINAÇÃO • Medida para a prevenção de doenças; • Avaliação da sua eficiência é a garantia do sucesso dos Programas de imunização.
  4. 4.  NO BRASIL • Vacinas utilizadas:  BCG – ID (dose única);  Vacina contra hepatite B (HB) (3 doses);  Vacina oral contra pólio (VOP) (3 doses);  Vacina tetravalente (DTP + Hib) (3 doses);  Vacina contra febre amarela (dose única);  Vacina tríplice viral: sarampo, rubéola e caxumba (dose única)  Rotavírus;  Pneumocócica 10-valente;  E a antimeningococo-C.
  5. 5. O Ministério da Saúde (MS) preconiza os percentuais de cobertura vacinal de rotina como metas: 95% de cobertura para o esquema básico de vacinação para menores de um ano de idade (GUIMARÃES, 2009).
  6. 6. VACINAÇÃO DE ROTINA • Aplicação do Calendário Nacional de Imunização; • Aplicar a cada criança a partir do seu nascimento; • Garantir a prevenção do indivíduo e da coletividade; • Consideraremos a cobertura vacinal em menores de 1 ano.
  7. 7. COBERTURA VACINAL • É a proporção de crianças menores de um ano que receberam o esquema completo de vacinação em relação aos menores de um ano existentes na população. (MORAES, 2003)
  8. 8. Por que, apesar da melhoria na cobertura vacinal observada no Brasil, uma parcela das crianças ainda continua sem ser vacinada adequadamente, mesmo em locais com ampla disponibilidade de serviços de saúde?
  9. 9. Falhas na Educação em Saúde; Fatores estruturais relacionados aos serviços de saúde; População residindo em área rural; Dificuldades de transportes; Sub-notificações das coberturas vacinais.
  10. 10. Diante do problema pertinente a essa pesquisa, surgiu a necessidade de realizar uma pesquisa para estimar a cobertura vacinal de crianças menores de 1 ano relacionando também com os dados do município encontrados no DATA SUS e os fatores que causam a não-vacinação.
  11. 11. OBJETIVO GERAL • Estimar a cobertura vacinal do esquema básico em crianças menores de 1 ano da cidade de Belo Jardim, Pernambuco, com base no registro informatizado de imunização do ano de 2012 do Posto de Vacinação Severina Parteira - unidade central de um serviço de Atenção Primária à Saúde.
  12. 12. OBJETIVOS ESPECÍFICOS • Levantar o quantitativo de crianças imunizadas nessa USF; • Relacionar a associação entre a cobertura vacinal e os imunobiológicos utilizados; • Comparar os dados do quantitativo total de crianças do município com os dados colhidos do Registro Informatizado de Imunização da USF;
  13. 13. Nenhuma ação em saúde é tão efetiva e eficiente quanto vacinar crianças contra as principais doenças preveníveis por imunização. Entretanto, ainda existe um hiato entre o potencial dessa prática e suas reais contribuições para a sobrevivência infantil. (MIRANDA, 1995).
  14. 14. A saúde da criança foi eleita como prioridade e se introduziu um conjunto de ações programáticas com o objetivo de impactar favoravelmente a saúde desse grupo etário. (MIRANDA, 1995).
  15. 15. Apesar da melhoria nas coberturas vacinais observada no Brasil, uma parcela das crianças continua sem ser vacinada adequadamente, mesmo em locais com ampla disponibilidade de serviços de saúde. (SILVA, 1999)
  16. 16.  Estudo exploratório e descritivo com abordagem quantitativa, desenvolvido em uma Unidade de Saúde da Família situada no centro do município de Belo Jardim/PE;  Os dados foram tratados pela estatística descritiva em números absolutos e relativos sendo apresentados em gráficos e discutidos conforme literatura pertinente ao tema.
  17. 17. LOCAL • O município de Belo Jardim localiza-se no Agreste do Estado de Pernambuco; • Esse município possui população estimada em 72.412 habitantes de acordo com a estimativa do censo 2010 do IBGE (IBGE, 2011).
  18. 18.  LOCAL • Posto de Vacinação Severina Parteira - unidade de um serviço de Atenção Primária à Saúde - localizado no centro da cidade de Belo Jardim, PE; • A área de abrangência da referida unidade compreende toda a população do município estudado, pois é uma Unidade Central de Saúde da Família; • As equipes de saúde são responsáveis por todo o município, incluindo a população da zona rural.
  19. 19. COLETA DE DADOS • O método utilizado para obter os dados da cobertura foi baseado na análise do Registro Informatizado de Vacinação da USF.
  20. 20. AMOSTRAGEM • O público alvo foi de crianças menores de um ano que foram imunizadas nessa USF; • A finalidade da amostra é obter estimativas em uma parcela representativa da população. Dessa forma, não é necessário avaliar toda a população, evitando desperdício de tempo e de recursos materiais e financeiros.
  21. 21.  2412 crianças;  Período: 1º de Junho à 30 de Novembro;  Média de 402 crianças por mês;
  22. 22. Das 2412 crianças: • 394 (16,32%) foram vacinadas em Junho; • 402 (16,66%) em Julho, 410 (16,99%) em Agosto; • 396 (16,41%) em Setembro; • 404 (16,74%) em Outubro; • 406 (16,88%) em Novembro. Média de 402 crianças por mês.
  23. 23. Cobertura vacinal de crianças menores de 1 ano que foram imunizadas na USF: 385 390 395 400 405 410 JUN JUL AGO SET OUT NOV CRIANÇAS IMUNIZADAS
  24. 24.  Cobertura vacinal X Imunobiológicos;
  25. 25. IDADE VACINA DOSES AO NASCER BCG-ID ÚNICA HAPATITE-B 1ª DOSE 2 MESES PENTAVALENTE 1ª DOSE VACINA POLIOMIELITE INATIVADA 1ª DOSE VACINA ORAL ROTAVIRUS HUMANO 1ª DOSE VACINA PNEUMOCÓCICA C 1ª DOSE
  26. 26. 3 MESES VACINA MENINGOCÓCICA 10 1ª DOSE 4 MESES PENTAVALENTE 2ª DOSE VACINA POLIOMIELITE INATIVADA 2ª DOSE VACINA ORAL ROTAVIRUS HUMANO 2ª DOSE VACINA PNEUMOCÓCICA 10 2ª DOSE 5 MESES MENINGOCÓCICA C 2ª DOSE 6 MESES PENTAVALENTE 3ª DOSE VACINA ORAL POLIOMIELITE 3ª DOSE VACINA PNEUMOCÓCICA 3ª DOSE 9 MESES FEBRE AMARELA DOSE INICIAL 12 MESES TRIPLICE VIRAL 1ª DOSE VACINA PNEUMOCÓCICA 10 REFORÇO
  27. 27. Município X USF
  28. 28. Nem sempre os dados pesquisados são confiáveis e muita vezes são inexistentes, dificultando assim o desenvolvimento e conclusão dos objetivos propostos.
  29. 29.  Importância da divulgação de um programa de imunizações;  A nível de compreensão direta por toda a população;  Maior destaque a práticas de educação em saúde;  Importância da imunização;  Dar orientação a população.

×