Slides nhb

42.832 visualizações

Publicada em

Assistência de enfermagem em necessidades humanas básicas

Slides nhb

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DISCENTE: ANTONIA MESQUITA Equipe: Aline Figueiredo Caline Sá Layna Campos Juan Mendes Jussara Pichara Nicolli Vieira NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS
  2. 2. <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>A enfermagem tem suas raízes nas necessidades fundamentais da pessoa humana. </li></ul><ul><li>Quer a pessoa atendida esteja sadia ou doente, o enfermeiro deve ter em mente a necessidade imprescindível que tem o indivíduo de alimento, abrigo, vestuário, carinho, afeto, aceitação social, auto-estima e tolerância; do sentimento de ser útil e interdependente, no tocante as suas relações sociais. </li></ul><ul><li>A tendência de assistir ao paciente a partir da identificação de problemas e detecção de necessidades em níveis psicobiológicos, psicossociais e psicoespirituais, vem substituindo, na atualidade, aquele enfoque que se dá a doença. </li></ul><ul><li>A literatura demonstra a busca pelos estudiosos, da sistematização dos conhecimentos científicos e das próprias ações de enfermagem </li></ul>
  3. 3. <ul><li>NECESSIDADE DE OXIGENAÇÃO </li></ul><ul><li>O que é? </li></ul><ul><li>É a necessidade de receber oxigênio por meio de um processo químico indispensável para a sobrevivência, mantendo regulado a função cardiopulmonar suprindo as demandas de oxigênio do corpo (Bunner,2005) . </li></ul><ul><li>Qual a importância? </li></ul><ul><li>Segundo Brunner (2005) as células do corpo derivam a energia de que precisam de oxidação de carboidratos, lipídios e proteínas, sendo assim esse processo requer oxigênio para suprir a quantidade suficiente de O2 para atender a demanda corporal. </li></ul><ul><li>Fatores que afetam a NHB: </li></ul>Adequação da circulação Adequação da ventilação Adequação da perfusão transportes de gases <ul><li>Fisiológicos </li></ul><ul><li>Desenvolvimentais </li></ul><ul><li>Comportamentais </li></ul><ul><li>ambientais </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Avaliação de Enfermagem </li></ul><ul><li>O enfermeiro geralmente encontra clientes incapacitados de atender as necessidades de oxigênio. </li></ul><ul><li>histórico de enfermagem da função cardiopulmonar atual e normal do cliente </li></ul><ul><li>comprometimentos prévios na circulação ou funcionamento respiratório </li></ul><ul><li>medidas que o cliente utiliza para melhorar a oxigenação </li></ul><ul><li>exame físico do estado cardiopulmonar do cliente incluindo inspeção, palpação, percursão e ausculta </li></ul><ul><li>focalizar a capacidade do cliente em atender às necessidades de oxigênio </li></ul><ul><li>avaliando dor, dispnéia, fadiga, circulação periférica, fatores de risco cardíaco, presença de tosse, sibilos, exposição a fatores ambientais, freqüência de infecções, uso de medicamentos. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Diagnóstico de Enfermagem </li></ul><ul><li>Eliminação traqueobrônquica ineficaz: relacionado à comprometimento da tosse;diminuição do nível de consciência. </li></ul><ul><li>Troca de gases prejudicada : relacionado com expansão pulmonar diminuída;presença de secreções pulmonares, inalação inadequada de oxigênio. </li></ul><ul><li>Padrão respiratório ineficaz : relacionado com imobilidade; depressão da ventilação devido uso de narcóticos, lesão neuromuscular, obstrução da via aérea. </li></ul><ul><li>Débito cardíaco diminuído: relacionado com ritmo cardíaco irregular, freqüência cardíaca rápida. </li></ul><ul><li>Risco para infecção: relacionado com estase das secreções pulmonares </li></ul><ul><li>Intolerância a atividade: relacionado com estilo de vida, desequilíbrio entre oferta e demando de oxigênio, imobilidade. </li></ul><ul><li>Intervenções de Enfermagem </li></ul><ul><li>Observar a história da condição atual </li></ul><ul><li>Observar envolvimento de outro órgão </li></ul><ul><li>Determinar os efeitos psicológicos da condição atual </li></ul><ul><li>Encorajar verbalizações de sentimentos relativos a condição de doença. </li></ul>
  6. 6. NHB de Integridade cutânea O que é? É a capacidade de manter integra, sem lesões ou rupturas, o maior órgão humano, gerando equilíbrio em todas suas funções. Qual a importância? A pele espelha a condição geral do paciente, sendo muitas afecções manifestadas por alteração dermatológica. Portanto é indispensável para a vida humana, formando uma barreira entre os órgãos internos e o ambiente externo. (Brunner, 2005). Fatores que afetam a NHB: Congestão de capilares Déficit de Oxigênio Aumento da temperatura Eritema Cianose Dilatação dos capilares
  7. 7. <ul><li>Avaliação de Enfermagem </li></ul><ul><li>avaliação individual </li></ul><ul><li>coletas de dados detalhada da historia da doença atual e pregressa, queixa principal, se há outro sintoma, antecedentes pessoais e familiares entre outros. </li></ul><ul><li>A avaliação física da pele requer um exame detalhado com inspeção e palpação em toda a área cutânea. </li></ul><ul><li>O aspecto geral da pele é avaliado ao se observar a coloração, temperatura, umidade ou ressecamento, textura da pele, lesões, vascularização, mobilidade, pelos e unhas. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Diagnóstico de Enfermagem </li></ul><ul><li>Risco de integridade da pele prejudicada: relacionado a extermos de idade, hipertermia, hipotermia, pele úmida, radiações, circulação prejudicada </li></ul><ul><li>Integridade da pele prejudicada: relacionado a extremos de idade, hipertermia, hipotermia, pele úmida, radiações </li></ul><ul><li>Integridade tissular prejudicada: relacionado a circulação alterada, déficit ou excesso de líquidos, extremos de temperatura </li></ul><ul><li>Risco de desequilíbrio na temperatura corporal: relacionado a desidratação, exposição a ambientes frios ou quentes, medicamentos com efeitos de vasodilatação ou vasoconstrição. </li></ul><ul><li>Termoregulação ineficaz: relacionado à doença, envelhecimento, trauma </li></ul><ul><li>Intervenções de Enfermagem </li></ul><ul><li>Observar a história da condição atual </li></ul><ul><li>Observar envolvimento de outro órgão </li></ul><ul><li>Determinar os efeitos psicológicos da condição atual </li></ul><ul><li>Encorajar verbalizações de sentimentos relativos a condição de doença </li></ul>
  9. 9. <ul><li>NHB de Hidratação e Equilíbrio Eletrolítico </li></ul><ul><li>“ A água é necessária às incontáveis reações químicas do organismo; nenhuma função fisiológica de importância pode processar-se sem a sua presença.”* </li></ul><ul><li>É necessária para formar todos os líquidos corporais (sangue, urina, secreções digestivas). </li></ul><ul><li>A água do organismo costuma ser fornecida e reposta a partir de duas fontes: alimentos e líquidos ingeridos e através de reações químicas. </li></ul><ul><li>Após a absorção, a água é distribuída para vários compartimentos do nosso corpo. </li></ul><ul><li>*( METHENY e SNIVELY , 1983, apud ATKINSON & MURRAY, 1989) </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Algumas observações objetivas podem identificar o paciente que apresenta uma hidratação adequada: </li></ul><ul><li>- Manutenção do peso corporal ao longo do tempo; </li></ul><ul><li>- Membranas mucosas úmidas; </li></ul><ul><li>- Pele intacta, com turgor normal; </li></ul><ul><li>- Freqüência de pulso normal para a idade; </li></ul><ul><li>- Pressão arterial normal para a idade; </li></ul><ul><li>- Temperatura normal; </li></ul><ul><li>- Freqüência respiratória normal; </li></ul><ul><li>- Ruídos respiratórios normais; </li></ul><ul><li>- Eliminação habitual de fezes bem formadas e macias; </li></ul><ul><li>- Volume urinário de aproximadamente 1.500 ml por dia; </li></ul><ul><li>- Ingesta hídrica de ± 1.500 ml por dia; </li></ul><ul><li>- Indivíduo consciente e orientado. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Fatores que podem aumentar ou reduzir as necessidades de água: </li></ul><ul><li>1. Idade. </li></ul><ul><li>2. Sexo. </li></ul><ul><li>3. Quantidade de gordura corporal. </li></ul><ul><li>4. Temperatura corpórea. </li></ul><ul><li>9. Atividade física. </li></ul><ul><li>6. Estados do metabolismo acelerado </li></ul><ul><li>7. Insuficiência renal </li></ul><ul><li>8. Temperatura do meio ambiente </li></ul><ul><li>5. Aumento das perdas de líquido pelo corpo </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Diagnósticos de Enfermagem </li></ul><ul><li>Alteração no volume hídrico: Excesso ou déficit (determinada pela condição do paciente); </li></ul><ul><li>Alterações em relação à capacidade de se alimentar: incapacidade de manipular recipientes com líquidos e/ou levá-los à boca, relacionada à artrite grave (ou qualquer outro problema de alimentação); </li></ul><ul><li>Déficit potencial de líquidos, relacionado a perda hídrica anormal (vômitos repetidos); </li></ul><ul><li> Desidratação relacionada à diarréia. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Efeito das alterações da necessidade hídrica sobre outras necessidades básicas: </li></ul><ul><li>Necessidade nutricional: </li></ul><ul><li>- Desidratação: ressecamento da mucosa oral. </li></ul><ul><li>- Consumo de líquidos de elevado conteúdo calórico: ganho excessivo de peso. </li></ul><ul><li>Necessidade de eliminação </li></ul><ul><li>- A ingesta hídrica inadequada resulta em: redução da produção de urina; urina mais concentrada, aumenta o risco de infecções urinárias; conduz à constipação. </li></ul><ul><li>Sensibilidade dolorosa </li></ul><ul><li>- Distúrbios eletrolíticos associados a espasmos musculares : dores ósseas e cefaléia. </li></ul><ul><li>- Desidratação grave: redução do nível de consciência, da sensibilidade a dor. </li></ul><ul><li>Necessidade de estimulação </li></ul><ul><li>- A ingesta excessiva de água: visão embaçada. </li></ul><ul><li>- Zumbido nos ouvidos é uma sensação associada ao distúrbio de equilíbrio ácidobásico. </li></ul><ul><li>- Desidratação: reduz a coordenação motora e o nível de consciência. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Intervenção de Enfermagem </li></ul><ul><li>Antecipação dos problemas – cuidados preventivos de enfermagem: sempre que um paciente é admitido em uma unidade de cuidados de enfermagem ou em um hospital; </li></ul><ul><li>Monitoração dos ganhos e perdas: quando há pacientes de auto-risco ou pacientes que já estejam apresentando dificuldade de adequação às necessidades hídricas; </li></ul><ul><li>Aumento de ingesta de líquidos: auxílio aos pacientes às refeições; a oferta de líquidos entre cada refeição e antes de dormir; e a oferta de líquidos durante os intervalos entre outros tratamentos, higiene oral freqüente; </li></ul><ul><li>Restrição Hídrica: para não sobrecarregar os rins; </li></ul><ul><li>Dietas reguladoras de eletrólitos: aumento ou limitação da ingesta hídrica pelos pacientes, baseando-se nas necessidades hídricas; </li></ul><ul><li>Líquidos parenterais: é usada com freqüência quando as necessidades hídricas não são satisfeitas ou quando existe risco de não serem satisfeitas. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>NHB de Nutrição </li></ul><ul><li>Os nutrientes fornecidos pela ingestão adequada de alimentos são os materiais de construção do qual é feito o corpo. </li></ul><ul><li>Eles são essenciais ao crescimento, regeneração tissular e funcionamento normal das células do organismo. </li></ul><ul><li>Os nutrientes são utilizados para produzirem energia sob a forma de ATP para toda a atividade do organismo. </li></ul><ul><li>Se a dieta do indivíduo está carente em alguns dos nutrientes essenciais, o organismo pode ser incapaz de crescer, manter-se ou regenerar-se. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Efeito das alterações da necessidade de nutrição sobre outras necessidades básicas: </li></ul><ul><li>Necessidade de oxigênio </li></ul><ul><li>- Desnutrição grave: desgaste músculos cardíacos </li></ul><ul><li>-  Fe e proteínas: anemia e capacidade reduzida de transportar O 2 </li></ul><ul><li>Necessidade de eliminação </li></ul><ul><li> líquido e nutrientes: fezes duras, difíceis de eliminar </li></ul><ul><li> insulina: elevação da glicose </li></ul><ul><li>Repouso e Sono </li></ul><ul><li>Ingestão inadequada leva a fome tornando difícil adormecer </li></ul><ul><li>Obesidade: relacionada a apnéia do sono </li></ul><ul><li>Necessidades Sexuais e Sexualidade </li></ul><ul><li>Nutrição inadequada: perda temporária da capacidade reprodutiva </li></ul><ul><li>Obesidade: diminuição do atrativo sexual em muitas culturas </li></ul><ul><li>Necessidade de Amor e Gregária </li></ul><ul><li>Nutrição inadequada ou excessiva pode resultar em rejeição por amigos ou família. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Avaliação da enfermagem e coleta de dados </li></ul><ul><li>Evidência de ingestão inadequada de nutrientes devido a razões físicas, emocionais, financeiras, médicas, religiosas ou culturais. </li></ul><ul><li>Evidências de perda aumentada de nutrientes do organismo através de perda de líquidos corporais da pele, do trato gastrointestinal ou sangue. </li></ul><ul><li>Evidência de necessidades nutricionais aumentadas baseado em uma taxa metabólica aumentada por coisas como febre, cicatrização tissular, gravidez, câncer ou crescimento. </li></ul><ul><li>Evidência de necessidade nutricional diminuída, comparada com a ingestão de alimentos por coisas como atividade reduzida ou uma taxa metabólica reduzida tal como a que acompanha o envelhecimento normal. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Diagnóstico com nutrição excessiva ou inadequada </li></ul><ul><li>Intolerância para atividades; </li></ul><ul><li>Obesidade potencial; Obesidade; </li></ul><ul><li>Déficit nutricional; </li></ul><ul><li>Alteração nos padrões de eliminação intestinal: constipação ou diarréia; </li></ul><ul><li>Déficit na auto-alimentação; </li></ul><ul><li>Distúrbio na auto-estima. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Intervenções de enfermagem </li></ul><ul><li>A ingestão inadequada ou excessiva de nutrientes pode ser identificada pela combinação da informação nutricional do paciente com as observações objetivas durante os primeiros dias no serviço. </li></ul><ul><li>Os pacientes são controlados diariamente na ingestão e eliminação, peso diário, sinais vitais, e cetonas urinárias (corpos cetônicos). </li></ul><ul><li>O risco de nutrição inadequada é alto em pacientes com perdas anormais de fluidos corporais e sólidos, ingestão inadequada, digestão, ou absorção, e taxa metabólica aumentada. </li></ul><ul><li>Mantendo a nutrição adequada </li></ul><ul><li>Aumentando o consumo alimentar de um paciente </li></ul><ul><li>Nutrição enteral – alimentação por sondas </li></ul><ul><li>Aspiração nasogástrica </li></ul>
  20. 20. NHB de Eliminação <ul><li>É o processo que atende a necessidade do organismo de desprezar as substâncias indesejáveis ou presentes em quantidades excessivas. As principais vias de eliminação são os tratos urinário e intestinal. </li></ul><ul><li>É importante que esse processo ocorra, já que se as excretas (substâncias tóxicas) permanecerem no organismo podem vir a interferir negativamente sobre a sua fisiologia e sobrevivência. </li></ul><ul><li>Os fatores que mais afetam essa necessidade são: Ingesta hídrica e de alimentos; Influências neurais ( estresse e ansiedade ↑ produção de urina - ↑ PA); Influências hormonais ( ADH - inibe a diurese e Aldosterona – quanto ↑ , ↓ diurese (vice-versa); SN Simpático inibe a motilidade intestinal - ↓ peristalse e reduz a freqüência das evacuações; SN parassimpático estimula a motilidade intestinal - ↑ peristalse e resulta em defecação freqüente e aquosa (diarréia). </li></ul><ul><li>Os problemas urinários e intestinais comuns são: Problemas relacionados as excretas (anúria, oligúria, poliúria, nictúria, enurese noturna, disúria); Ao transporte e armazenamento de resíduos (constipação, diarréia, flatulência, obstrução); À inflamação e infecção; à excreção (incontinência, retenção, hemorróidas). </li></ul>
  21. 21. NHB de Eliminação <ul><li>Avaliação de Enfermagem </li></ul><ul><li>A enfermeira deve considerar os fatores: dieta, ingesta hídrica, exercício, medicações em uso, patologia envolvida e os sentimentos e conhecimento do paciente sobre seus problemas e tratamento. </li></ul><ul><li>Dados associados a eliminação urinária: </li></ul><ul><li>-Padrões de micção: 1.500ml de urina/dia; freqüência de micção varia individualmente (4 a 6 vezes por dia); 250 a 400ml de urina são eliminados de cada vez. </li></ul><ul><li>-Características da urina: Amarelo-pálido(diluída);âmbar(concentrada); pH em torno de 6.0; densidade de 1,003 e 1,030; Componentes da urina normal: água, toxinas diluídas, escórias nitrogenadas, sais minerais, pigmentos. </li></ul><ul><li>Dados associados a eliminação intestinal: </li></ul><ul><li>-Padrões de defecação: 3 a 4 vezes ao dia / um adulto excreta em torno de 200ml diariamente. </li></ul><ul><li>-Características das fezes: coloração acastanhada, odor característico, são moldadas e de consistência macia, são compostas de resíduos de descamação intestinal, bactérias, pigmentos biliares e pequenas quantidades de sais, mucos e partículas de alimentos não digeridos. </li></ul>
  22. 22. NHB de Eliminação <ul><li>Diagnóstico de Enfermagem relacionados à eliminação urinária inadequada: </li></ul><ul><li>Risco de infecção urinária relacionada à sonda de demora; </li></ul><ul><li>Micção dolorosa, relacionada a uretrite; </li></ul><ul><li>Incontinência ao esforço, relacionada ao enfraquecimento da musculatura perineal; </li></ul><ul><li>Retenção: Incapacidade de urinar, relacionada a traumatismo uretral; </li></ul><ul><li>Ansiedade, relacionada à dificuldade de se iniciar a diurese. </li></ul><ul><li>Diagnóstico de Enfermagem relacionados à eliminação intestinal inadequada </li></ul><ul><li>Defecação dolorosa, relacionada à presença de hemorróidas; </li></ul><ul><li>Flatulência, relacionada a intolerâncias alimentares; </li></ul><ul><li>Constipação relacionada à ingesta inadequada de líquidos e fibras; </li></ul><ul><li>Falta de informação com respeito à prevenção da constipação; </li></ul><ul><li>Risco para desidratação, relacionada à diarréia. </li></ul><ul><li>Incontinência: Risco de irritação da pele, relacionada à incontinência; </li></ul><ul><li>Queda da auto-estima, relacionada à incontinência intestinal. </li></ul>
  23. 23. NHB de Eliminação <ul><li>Intervenção de Enfermagem </li></ul><ul><li>- Promover hábitos normais </li></ul><ul><li>Intervir nos problemas quanto à eliminação </li></ul><ul><li>Prevenir os problemas relacionados ao tratamento </li></ul><ul><li>Promoção de hábitos normais: adaptar as necessidades dietéticas; Encorajar e ajudar o paciente a ficar fora do leito; oferecer líquidos de hora em hora; Manter uma atitude positiva; Fornecer privacidade; fornecer instruções; fornecer informações. </li></ul><ul><li>Auxílio à eliminação normal: O paciente pode necessitar de auxílio para ir ao banheiro ou para usar a comadre, urinol(papagaio) ou assento higiênico. </li></ul><ul><li>Problemas relacionados a eliminação: </li></ul><ul><li>Retenção urinária: </li></ul><ul><li>-Técnicas não-invasivas (reduzir o desconforto e a ansiedade; Proporcionar uma boa ingesta hídrica; Proporcionar privacidade). </li></ul><ul><li>-Técnicas invasivas: Cateterização (manuseio da sonda de alívio e de demora). </li></ul>
  24. 24. NHB de Sono e Repouso <ul><li>O sono é um processo fisiológico cíclico com longos períodos de vigília. O repouso é um estado de bem-estar, isento de sentimentos de ansiedade ou de medo. Essa necessidade é responsável pela regeneração dos processos do organismo. </li></ul><ul><li>É importante, porque o corpo e a mente precisam repousar para ter tempo de restaurar as forças e ficar livre dos estresses físicos e mentais; O ciclo sono-vigília regula a função fisiológica e as respostas comportamentais e garante uma boa saúde. </li></ul><ul><li>Os fatores que interferem nessa necessidade são: Idade, nutrição, ambiente, exercício físico, estresse, medicamentos, estilo de vida e a doença física. </li></ul><ul><li>Distúrbios do sono: Insônias, distúrbios da sonolência excessiva, apnéia, parassonias (distúrbios do despertar). </li></ul>
  25. 25. NHB de Sono e Repouso <ul><li>Avaliação de Enfermagem </li></ul><ul><li>Anamnese do sono </li></ul><ul><li>A enfermeira deve estar atenta a qualquer distúrbio do sono que o paciente apresente, deve não só coletar dados pertinentes aos problemas do sono e às horas normais do sono, bem como colher as informações sobre atividades prévias, que medicamentos ele usa para conciliar o sono, verificar se existem receios ou ansiedades que impedem o sono e o repouso. </li></ul>
  26. 26. NHB de Sono e Repouso <ul><li>Diagnóstico de Enfermagem </li></ul><ul><li>Comprometimento da capacidade de dormir à noite; </li></ul><ul><li>Comprometimento da capacidade de se manter desperto durante o dia; </li></ul><ul><li>Alterações nos processos de pensamento relacionados com a falta de sono; </li></ul>
  27. 27. NHB de Sono e Repouso <ul><li>Intervenções de Enfermagem </li></ul><ul><li>Condições do ambiente: Proporcionar um ambiente que favoreça o sono; Fechar cortinas para diminuir a quantidade de luz; Verificar se o paciente sente calor ou frio; oferecer um lanche leve, se possível; Conhecer e entender os efeitos das medicações; Programar os tratamentos, atividades e verificação dos sinais vitais para uma hora em que o paciente não se sinta incomodado. </li></ul><ul><li>Medos e preocupações: Proporcionar ao paciente uma ocasião para que ele demonstre seus temores e preocupações e possa discutir com a equipe de saúde (ausência dos entes queridos, sentimentos de solidão). O receio da dor ou o medo de morrer é uma preocupação comum. </li></ul><ul><li>Observação: Observar o paciente enquanto dorme, identificando alguma anormalidade como: o paciente movimenta muito as pernas? O sono é inquieto? Desperta muitas vezes a noite? Em caso positivo, por quê? Com essas informações é possível determinar se o paciente teve uma boa noite de sono. </li></ul><ul><li>Ofereça uma massagem nas costas: Proporciona uma sensação de relaxamento e atua como auxílio ao sono. Proporciona ao enfermeiro uma ocasião para explicar procedimentos e responder perguntas que o paciente possa fazer. </li></ul>
  28. 28. <ul><li>NHB DE EVITAR A DOR </li></ul><ul><li>O que é? </li></ul><ul><li>Uma definição da dor identifica-a como um conceito que </li></ul><ul><li>envolve “uma sensação pessoal e particular e sofrimento físico; um estímulo nocivo que indica lesão ou dano tecidual atual ou iminente; um padrão de respostas que atua para proteger o organismo contra o dano” (Sternback, 1968). </li></ul><ul><li>Qual a importância? </li></ul><ul><li>A dor, na maioria dos casos, atua como mecanismo protetor que alerta qualquer um para uma lesão tecidual real ou intermitente. </li></ul>
  29. 29. <ul><li>Avaliação de enfermagem </li></ul><ul><li>Localização da dor: ajuda o médico a diagnosticar a condição mórbida, e ajuda o enfermeiro a planejar uma assistência correta. </li></ul><ul><li>Qualidade da dor: Ao registrar ou relatar a qualidade da dor, o enfermeiro deve usar as palavras do paciente tal como ele as referiu, como, por exemplo, dor em queimação, dor funda, “como uma coisa se torcendo no meu interior”. </li></ul><ul><li>Intensidade da dor: Um sólido método para este registro consiste em solicitar que o paciente gradue, numa escala de 0 a 10, a intensidade da dor (0 significa ausência de dor; 10 seria a pior dor imaginável). </li></ul><ul><li>Início e duração da dor: Como ocorre a dor, quanto tempo dura e se é uma dor contínua ou intermitente que retorna. </li></ul><ul><li>Fatores desencadeantes: Solicitando-se que o paciente diga o que é que no passado ajudou a aliviar a dor, o que faz a dor melhorar ou piorar. </li></ul><ul><li>Comportamento não verbal: O enfermeiro pode valer-se de algumas variedades de comportamento não-verbal, como franzir a testa, fazer uma careta, cerrar os dentes, gemidos ou gritos, segurar ou esfregar uma parte do corpo, inquietação ou ficar deitado rigidamente imóvel. </li></ul>
  30. 30. <ul><li>Diagnóstico de enfermagem </li></ul><ul><li>Alteração do conforto; distúrbio no padrão do sono; déficit de higiene no banho; possibilidade de comprometimento da integridade da pele, devido repouso no leito por avanço da dor. </li></ul><ul><li>Intervenções de enfermagem </li></ul><ul><li>O enfermeiro ajuda o paciente a verificar que atividades são responsáveis pela dor, e ensina a forma de moderá-las de modo a evitar um desconforto maior; </li></ul><ul><li>As medidas de enfermagem destinadas a aliviar a dor compreendem administração de medicamentos e técnicas não-invasivas. </li></ul><ul><li>Os meios farmacológicos mais comuns de controle da dor são os medicamentos analgésicos (alívio da dor). </li></ul><ul><li>Alguns tipos de técnicas não-invasivas são: distração, estimulação cutânea e técnicas de relaxamento. </li></ul>
  31. 31. <ul><li>NHB DE SEXO E SEXUALIDADE </li></ul><ul><li>O que é? </li></ul><ul><li>O termo sexo é empregado para referir-se aos comportamentos do indivíduo que provavelmente resultarão em orgasmo. O termo sexualidade é um termo mais amplo e refere-se à integração dos impulsos biológicos e da fisiologia com o autoconceito e a expressão sexual. </li></ul><ul><li>Qual a importância? </li></ul><ul><li>A satisfação desta necessidade pode preencher todas ou algumas das seguintes funções: </li></ul><ul><li>1. Reprodução; </li></ul><ul><li>2. Fonte de prazer imediato ou contínuo; </li></ul><ul><li>3. Alívio da tensão sexual ou de outras formas de tensão; </li></ul><ul><li>4. Aumento da auto-estima por meio de experiências sexuais positivas com uma outra pessoa; </li></ul><ul><li>Fatores que afetam a NHB </li></ul><ul><li>1. A imagem corporal de um indivíduo e o seu autoconceito; </li></ul><ul><li>2. A prioridade de outras necessidades afetará o comportamento sexual; </li></ul><ul><li>3. O estresse proveniente de qualquer número de fontes. </li></ul>
  32. 32. <ul><li>Avaliação de enfermagem </li></ul><ul><li>Indivíduos sexualmente satisfeitos possuem informações corretas sobre o funcionamento sexual, a sexualidade, a reprodução, suas atitudes sexuais, suas crenças e valores, sendo capaz de relacionar-se de forma eficaz, incluindo relacionamentos a longo prazo e de intimidade. </li></ul><ul><li>Diagnóstico de enfermagem </li></ul><ul><li>1. Síndrome de trauma de estupro </li></ul><ul><li>2. Disfunção sexual </li></ul><ul><li>3. Infertilidade </li></ul><ul><li>4. Temor de disfunção sexual </li></ul><ul><li>5. Temor de rejeição pelo parceiro sexual </li></ul><ul><li>Intervenções de enfermagem </li></ul><ul><li>1. Discutir a importância da comunicação aberta e honesta entre os parceiros sexuais, ao reiniciarem a atividade sexual. </li></ul><ul><li>2. Discutiir as respostas fisiológicas à estimulação sexual e a forma pela qual o nível atual de saúde de um paciente pode afetar as respostas. </li></ul><ul><li>3. Descrever quaisquer sinais físicos que o paciente possa vir a experimentar durante o coito e que indiquem perigo para a saúde física. </li></ul><ul><li>4. Considerar o efeito da medicação prescrita sobre o funcionamento sexual. </li></ul>
  33. 33. <ul><li>NECESSIDADE DE ESTIMULAÇÃO </li></ul><ul><li>A estimulação é uma necessidade humana básica para a saúde e para um funcionamento normal do organismo. </li></ul><ul><li>A necessidade de estimulação engloba os sentidos da visão, audição, paladar, olfato, tato, além do sentido vestibular de posicionamento e equilíbrio, e a necessidade de atividade muscular e de movimentação do corpo. </li></ul><ul><li>Estas formas de estimulação envolvem uma interação entre pessoa e meio. </li></ul>
  34. 34. Os efeitos da imobilização sobre outras necessidades – Síndrome do Desuso <ul><li>A imobilização total do corpo afeta todas as outras necessidades básicas. Existem efeitos positivos e negativos do repouso no leito com a conseqüente diminuição da atividade muscular. Em sua maioria, os efeitos negativos superam os positivos de forma que um grande número das atividades da equipe de enfermagem tem como objetivo a prevenção de complicações decorrentes do desuso muscular. </li></ul><ul><li>Necessidade de Oxigênio </li></ul><ul><li>Necessidade de Estimulação </li></ul><ul><li>Necessidade de Excreção </li></ul><ul><li>Necessidades Nutricionais </li></ul><ul><li>Necessidade Relacionada à Temperatura </li></ul><ul><li>Dor </li></ul><ul><li>Necessidades Sexuais </li></ul><ul><li>Necessidade de segurança </li></ul><ul><li>Necessidade de Amor/Carinho </li></ul><ul><li>Auto-estima </li></ul><ul><li>Realização pessoal </li></ul>
  35. 35. Fatores que afetam a estimulação sensorial e a mobilidade <ul><li>A quantidade e o tipo dos estímulos sensoriais e motores que chegam ao sistema nervoso central podem ser afetados por muitos fatores ambientais e do próprio indivíduo. A interpretação do estímulo sensorial depende de características genéticas, do aprendizado, e do estado de funcionamento dos centros de processamento cerebrais. </li></ul><ul><li>Grau de controle ambiental </li></ul><ul><li>Nível de crescimento e desenvolvimento </li></ul><ul><li>Cultura e aprendizado </li></ul><ul><li>Nível de consciência </li></ul><ul><li>Adaptação aos estímulos </li></ul>
  36. 36. Problemas comuns relacionados às necessidades de estimulação <ul><li>Privação sensorial </li></ul><ul><li>Monotonia sensorial </li></ul><ul><li>Privação da percepção </li></ul><ul><li>Sobrecarga sensorial e da percepção </li></ul><ul><li>Problemas relacionados com a resposta do estímulo recebido </li></ul><ul><li>Trauma </li></ul><ul><li>Paralisia </li></ul><ul><li>Tratamentos </li></ul><ul><li>Escaras </li></ul>
  37. 37. A avaliação das necessidades de estimulação <ul><li>- Retardado no seu desenvolvimento em relação à idade; </li></ul><ul><li>- Diminuição da mobilidade articular; </li></ul><ul><li>- O peso baixo em relação à estatura; </li></ul><ul><li>- A força muscular está abaixo da média para indivíduos da mesma faixa etária; </li></ul><ul><li>- Movimentos musculares sem coordenação; </li></ul><ul><li>- O corpo fora de alinhamento; </li></ul><ul><li>- Diminuição dos movimentos espontâneos; </li></ul><ul><li>- Apatia ou diminuição do sinal de alerta; </li></ul><ul><li>- Diminuição ou ausência do olfato e do paladar; </li></ul><ul><li>- Nível de consciência alterado. </li></ul>
  38. 38. Diagnósticos de enfermagem associados às necessidades não-atendidas <ul><li>Isolamento social </li></ul><ul><li>Problemas relacionados às atividades diárias </li></ul><ul><li>Déficits nas atividades recreativas </li></ul><ul><li>Problemas cognitivos em potencial </li></ul><ul><li>Déficits nas atividades recreativas </li></ul><ul><li>Privação sensorial </li></ul><ul><li>Sobrecarga sensorial </li></ul><ul><li>Potencialidades para lesões relacionadas à restrição no leito </li></ul><ul><li>Alterações no nível de consciência </li></ul><ul><li>Potencialidades para lesões articulares </li></ul><ul><li>Diminuição da mobilidade </li></ul><ul><li>Risco de formação de escaras </li></ul><ul><li>Úlcera de decúbito </li></ul><ul><li>Diminuição da força muscular </li></ul><ul><li>Fraqueza </li></ul><ul><li>Alterações nos processos familiares </li></ul><ul><li>Distúrbios da imagem corporal </li></ul><ul><li>Distúrbios na auto-estima </li></ul><ul><li>Déficit nos cuidados pessoais. </li></ul>
  39. 39. As intervenções de enfermagem que visam facilitar o atendimento das necessidades de estimulação <ul><li>A avaliação inicial dos pacientes proverá a enfermeira das informações básicas necessárias para a eficácia dos cuidados preventivos a ser prestados. Os pacientes de risco para uma estimulação inadequada são identificados durante a avaliação, e as intervenções são escolhidas, implementadas e, posteriormente, avaliadas. </li></ul><ul><li>Qualquer paciente que sofre perda ou restrição da sua capacidade de mover-se pelo ambiente corre o risco de ter problemas quanto as suas necessidades de mobilização. </li></ul><ul><li>Exercícios ativos e passivos de mobilização </li></ul><ul><li>Exercícios para manter ou aumentar a força muscular </li></ul><ul><li>Posicionamento terapêutico </li></ul><ul><li>Interpretação e manipulação do meio ambiente </li></ul><ul><li>Assistência ao atendimento de outras necessidades. </li></ul>
  40. 40. NECESSIDADE DE SEGURANÇA / DE AMOR / E GREGÁRIA <ul><li>Maslow declara que as necessidades de segurança emergem, quando as necessidades fisiológicas tenham sido satisfeitas até certo ponto. As necessidades de segurança incluem a confiança, a estabilidade, a dependência e a proteção; sentir-se livre do medo, da ansiedade, do caos; a necessidade de uma estrutura, lei e limites. </li></ul><ul><li>Se o individuo satisfez suas necessidades de segurança, surgem a necessidades de amor e de sentir pertencente a um grupo (gregária). As necessidades de amor incluem tanto dar quanto receber amor. </li></ul><ul><li>A necessidade de sentir-se pertencente tem sido alvo de pouca pesquisa científica objetiva capaz de corroborar a sua existência. Entretanto, todos têm passado por experiências que demonstram essa necessidade. Na sala de aula, na vizinhança, a família entre outros. </li></ul>
  41. 41. Fatores que influenciam a capacidade de satisfazer as necessidades de segurança <ul><li>Estresse </li></ul><ul><li>Grau de controle do ambiente </li></ul><ul><li>Medidas preventivas </li></ul><ul><li>Religião </li></ul><ul><li>Fatores que influenciam a capacidade de satisfazer a necessidade de amor e gregária </li></ul><ul><li>Relacionamentos anteriores de amor </li></ul><ul><li>Cultura </li></ul><ul><li>Doença e hospitalização </li></ul>
  42. 42. Diagnósticos de enfermagem relacionados à segurança / ao amor / ao sentimento de pertencer a grupo <ul><li>Medo relacionado a um diagnóstico desconhecido </li></ul><ul><li>Medo relacionado à rotina desconhecida do hospital </li></ul><ul><li>Informações inadequadas relacionadas a procedimentos </li></ul><ul><li>Isolamento social </li></ul><ul><li>Solidão associada à separação da família </li></ul>
  43. 43. Intervenções de enfermagem relacionadas à segurança <ul><li>- Procedimentos de internação </li></ul><ul><li>- Manutenção da rotina caseira </li></ul><ul><li>- O ensino dos pacientes </li></ul><ul><li>- Práticas religiosas </li></ul><ul><li>- Planejamento da alta hospitalar </li></ul><ul><li>Intervenções da enfermagem para satisfazer as necessidades de amor e gregária </li></ul><ul><li>- O relacionamento enfermeiro-paciente </li></ul><ul><li>- Interação com os membros da família </li></ul><ul><li>- Grupo de pacientes </li></ul><ul><li>- Manutenção da comunicação </li></ul>
  44. 44. <ul><li>NHB DE ESPIRITUALIDADE </li></ul><ul><li>O que é? </li></ul><ul><li>A espiritualidade é uma inspiração, reverência ou respeito que o indivíduo tenta obter independente da crença em um Deus. </li></ul><ul><li>Qual a importância? </li></ul><ul><li> Fornece apoio que os inspira a transcender o reino do material, a ir além dos limites físicos. </li></ul><ul><li>Fatores que afetam a NHB </li></ul><ul><li>Crise; Sistemas de apoio; Religião e Hospitalização durante dias santos. </li></ul>
  45. 45. <ul><li>Avaliação de enfermagem </li></ul><ul><li>A fonte de força e esperança para a pessoa, o conceito que ela tem sobre Deus ou uma deidade, o significado das praticas e rituais religiosos para a pessoa, e o relacionamento percebido por ela entre as crenças espirituais e o estado de saúde. </li></ul><ul><li>Diagnóstico de enfermagem </li></ul><ul><li>Dor espiritual; Alienação espiritual; Ansiedade espiritual; Culpa espiritual; Rancor espiritual; Perda espiritual; Desespero espiritual. </li></ul><ul><li>Intervenções de enfermagem </li></ul><ul><li>Estabelecendo aceitação; Comunicação; orações; visita do capelão; Ritos e cultos especiais. </li></ul>
  46. 46. <ul><li>NHB DE AUTO-ESTIMA </li></ul><ul><li>O que é? </li></ul><ul><li>É a forma pela qual a pessoa vê a si própria. </li></ul><ul><li>Qual a importância? </li></ul><ul><li>O nível de auto-estima de uma pessoa influencia fenômenos diversos, como a habilidade de uma pessoa em formar relacionamentos interpessoais estreitos, bem como a resistência de uma pessoa à doenças psicológicas e físicas. </li></ul><ul><li>Fatores que afetam a NHB </li></ul><ul><li>Mensagem de estruturação e reciclagem; Estresse. </li></ul>
  47. 47. <ul><li>Avaliação de enfermagem </li></ul><ul><li>Autoconsciência; O relacionamento interpessoal; Adaptação. </li></ul><ul><li>Diagnóstico de enfermagem </li></ul><ul><li>Baixa auto-estima; Isolamento social; Sentimentos de não ter valor; Depressão; Imagem corporal perturbada </li></ul><ul><li>Intervenções de enfermagem </li></ul><ul><li>Proporcionar os hobbies; Comunicação; fornecer apoio emocional . </li></ul>
  48. 48. <ul><li>NHB DE AUTO-REALIZAÇÃO </li></ul><ul><li>O que é? </li></ul><ul><li>É a necessidade de torna-se naquilo em que se é possível (crescimentos físico, intelectual, emocional e espiritual). </li></ul><ul><li>Qual a importância? </li></ul><ul><li>É importante porque sua expressão é uma busca universal e seu impedimento leva a serias dificuldades. </li></ul><ul><li>Fatores que afetam a NHB </li></ul><ul><li>Satisfação das NHBs; crescimento através das crises; Relacionamentos pessoais. </li></ul>
  49. 49. <ul><li>Avaliação de enfermagem </li></ul><ul><li>A avaliação de enfermagem é feita através da observação da satisfação das NHBs; crescimento através das crises; Relacionamentos pessoais. </li></ul><ul><li>Diagnóstico de enfermagem </li></ul><ul><li>Enfado e apatia; Falta de espontaneidade; Desestruturação; Insatisfação quanto ao significado propósito da vida; Raiva e hostilidade. </li></ul><ul><li>Intervenções de enfermagem </li></ul><ul><li>O primeiro objetivo das intervenções de uma enfermeira deve ser facilitar o desenvolvimento Maximo dos potenciais dos indivíduos. </li></ul>
  50. 50. <ul><li>Conclusão </li></ul><ul><li>O enfermeiro, valendo-se de seus conhecimentos técnicos, científicos, experiência e habilidades, ajuda no combate a incapacitação física de seus pacientes e por meio de juízo crítico, discernimento e diagnóstico, os ajuda a solucionar suas dificuldades emocionais. </li></ul><ul><li>Não é possível, mesmo nas condições mais favoráveis, que o enfermeiro possa satisfazer todas as necessidades dos pacientes, mas através do conhecimento das necessidades humanas básicas pode orientar suas ações no sentido de assistência ao paciente para que satisfaça aquelas necessidades que são indispensáveis para seu bem estar e recuperação. </li></ul>
  51. 51. <ul><li>Bibliografia </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>ATKINSON, Leslie D. e MURRAY, Mary Ellen. Fundamentos de Enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989. </li></ul><ul><li>   </li></ul><ul><li>BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de enfermagem Médico-Cirúrgica. – 10 ed., Volume 1 - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de enfermagem Médico-Cirúrgica. – 10 ed., Volume 4 - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. </li></ul><ul><li>   </li></ul><ul><li>CINTRA, EA. Assistência de enfermagem aopaciente gravemente enfermo . – 2 ed. – São Paulo: Atheneu, 2003. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  Diagnóstico de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2007-2008/ North American Nursing Diagnosis Association ; tradução Regina Machado Garcez-Porto Alegre: Artmed, 2008. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>FUERS, VE; WOLFF, L & WEITZEL, MH. Fundamentos de enfermagem: o humanitarismo e as ciências na Enfermagem . Rio de Janeiro: Interamericana, 1977. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  PAIM, RCN. Problemas de Enfermagem e terapia centrada nas necessidades do paciente . Rio de Janeiro: União dos Cursos Cariocas, 1978. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  TIMBY, Bárbara K. Conceitos e Habilidades Fundamentais no Atendimento de Enfermagem. 6ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2001. </li></ul>
  52. 52. <ul><li>OBRIGADA!!! </li></ul>“ Não se preocupem com a necessidade de comer, beber e vestir...Vejam os passarinhos, eles não semeiam, não colhem, nem guardam comida em depósitos, no entanto comem e bebem do melhor...vejam também as flores do campo, elas não trabalham, nem fazem roupas para si, mas nem mesmo um rei usa roupas tão bonitas como essas flores... Será que vocês não valem muito mais do que os passarinhos e as flores do campo?

×