SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 98
Baixar para ler offline
NEUROCIÊNCIA E APRENDIZAGEM
Prof.ms. A. Junior
“Dimitry Junior”
Sistema Nervoso: Visão Geral
• Responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente;
• Coordena, interpreta e direciona a resposta.
=> Realiza 3 funções: Sensitiva, integradora e Motora.
- Função Sensitiva: os nervos sensitivos captam informação do meio
interno e externo e os conduzem ao SNC;
Ex.: A informação visual (luz) é captada pelas células especiais do olho e
conduzida ao cérebro.
- Função Integradora: a informação sensitiva trazida ao sistema nervoso
central é processada ou interpretada;
Ex.: o cérebro identifica o objeto (gato faminto).
- Função Motora: os nervos motores conduzem a informação do SNC em
direção aos músculos e às glândulas (efetores);
Ex.: o cérebro envia um comando através dos nervos motores para
alimentar o gato.
ONDE TUDO COMEÇA?
Desenvolvimento Humano
• Para Bock, Furtado e Teixeira (2008), o
desenvolvimento é um processo contínuo e
ininterrupto em que os aspectos biológicos, físicos,
sociais e culturais se interconectam, se influenciam
reciprocamente, produzindo indivíduos com um
modo de pensar, sentir e estar no mundo
absolutamente singulares e únicos.
Teorias Cognitivas
• As teorias cognitivas-desenvolvimentais
destacam mais o desenvolvimento cognitivo do
que a personalidade.
• Enfatizam a centralidade das ações da criança no
ambiente e seu processo cognitivo das
experiências. Representantes: Jean Piaget e Lev
S. Vygotsky.
Teorias da Aprendizagem
• Ênfase é muito mais na forma como o ambiente molda a criança
do que em como a criança entende suas experiências.
• Os teóricos da aprendizagem não afirmam que a genética ou as
tendências inatas não são importantes.
• Eles consideram o comportamento humano enormemente
plástico, moldado por processos de aprendizagem previsíveis.
• O modelo de condicionamento clássico de Pavlov - a
aprendizagem ocorre quando algum estímulo é
introduzido ao sistema.
• O modelo de condicionamento operante de Skinner -
a frequência de um comportamento aumenta ou diminui
devido às consequências que o comportamento produz.
Reforço e punição.
• A teoria sociocognitiva de Bandura - a aprendizagem
pode ocorrer como resultado de observar alguém
realizando uma ação - denominada aprendizagem
observacional ou modelação.
Teorias da Aprendizagem
Pressupostos Psicológicos Básicos
• Percepção
• Aprendizagem
• Memória
• Pensamento
• Linguagem
• Atenção
8
• O organismo estará em crescimento: crânio,
ossos, cartilagens, sistemas orgânicos tendem a
evoluir.
• Reflexos: alguns surgem ainda na gestação,
outros aparecem nos primeiros meses pós-natais.
• Algumas capacidades sensoriais estão presentes
desde antes do nascimento, ainda que
rudimentarmente, enquanto outras seriam
desenvolvidas logo após esse marco.
O Desenvolvimento Físico de 0 a 2 anos
• Os bebês triplicam o peso do corpo, no primeiro ano
de vida, acrescentando de 30 a 38 cm ao
comprimento, antes dos dois anos.
• Em média, os bebês têm de sete a oito doenças
respiratórias, em cada um dos dois primeiros anos de
vida.
• O rápido aperfeiçoamento das habilidades
locomotoras e manipulativas ocorre nos dois
primeiros anos. O bebê evolui do engatinhar para o
andar e para o correr, e de uma habilidade de
preensão deficitária para uma boa preensão.
blogdokokay.wordpress.com
Desenvolvimento Cognitivo de 0-2 anos
• Fazem parte do desenvolvimento cognitivo dos indivíduos
as questões relativas ao desenvolvimento dos
comportamentos inteligentes: a memória, a linguagem e a
comunicação; ao aprendizado de leis e lógica; aos
números, padrões e formas; aos potenciais e habilidades,
o processamento das habilidades sensoriais (PAPALIA;
OLDS; FELDMAN, 2008).
11
• Os estudos sobre a cognição em bebês têm sido
influenciados pela visão estrutural que Piaget tinha
da inteligência.
• De 0 a 2 anos o bebê se encontra na fase sensório-
motor. Entende o mundo em termos de seus sentidos
e suas ações motoras. Inteligência prática.
www.desenvolvimentodobebe.com.br
Desenvolvimento Cognitivo
• Do nascimento aos dezoito meses, a elaboração da
realidade pelo pensamento da criança constitui a
passagem de um estado em que as coisas giram em
torno de um eu que crê dirigi-las e provocá-las, sem,
contudo, situar-se como um elemento do universo, para
um estado em que o eu se torna um elemento de um
mundo estável e independente de sua própria atividade.
13
Desenvolvimento da Personalidade de 0 - 2
anos
14
Para Papalia, Olds e Feldman (2008) desde o
início os bebês demonstram também
personalidades distintas, as quais refletem
influências inatas e ambientais.
www.blogdozebrao.com.br
• Cória-Sabini (2011) nos mostra que a principal tarefa nesta
etapa é a construção da noção do eu. Dará uma vaga
consciência de si mesma como ser individual.
• Os cuidados que o bebê recebe fazem com que ele desen-
volva também o sentimento de confiança básica.
15
PERSONALIDADE
• A consciência reflexiva, que é o conhecimento
sobre si próprio e a capacidade de ter
consciência de si;
• A interpessoalidade dos relacionamentos
humanos, através dos quais o indivíduo recebe
informações sobre si;
• A capacidade do ser humano de agir.
• Busca do prazer e bem estar
Desenvolvimento Social de 0-2 anos
• Os bebês têm necessidades de cuidado e afeto e a satisfação
destas tende a contribuir para o estabelecimento de vínculos
emocionais com pais ou seus cuidadores.
• A maior parte das interações sociais da criança nos seus dois
primeiros anos de vida é com o adulto.
www.mildicasdemae.com.br
• O ambiente influencia de forma significante a
formação do eu de um individuo (ANDRADE,
2002).
• Moreno foi aluno de Freud, porem não
concordava com suas teorias.
• Chegando a declarar pra Freud que ele via e
atuava com as pessoas nas ruas como seres
humanos que eram e dentro de sua realidade
existencial.
INICIO DA INTERAÇÃO
https://www.youtube.com/watch?v=6JxvGbIwud4
• A família é o primeiro espaço social da criança, no
qual ela constrói referências e valores e a
comunidade é o espaço mais amplo, onde novas
referências e valores se desenvolvem.
• A participação da família e da comunidade traz para a
escola informações, críticas, sugestões, solicitações,
desvelando necessidades e sinalizando rumos.
DESAFIO: Quem nasceu primeiro?
• O Homem?
• A Sociedade?
https://www.youtube.com/watch?v=LHtgKIFoQfE
• O contato corporal o toque irá beneficiar o
desenvolvimento psicomotor e cognitivo da criança.
• Desafio que se extingue com o passar do tempo.
Desenvolvimento Social
• A tarefa da criança nessa primeira etapa da vida é a
descoberta do mundo que a rodeia.
• Os outros bebês entram como um elemento desse
universo e não como alguém que tenha atrativos
especiais.
27
A HISTÓRIA
Base do sistema nervoso: o neurônio
A célula fundamental do Sistema Nervoso é o neurônio, que é capaz
de produzir e conduzir impulsos elétricos, neste caso, chamados de
impulsos nervosos. Organiza-se em três regiões: a dos dendritos,
filamentos relativamente curtos e extremamente ramificados; a do
corpo celular, região de maior volume onde se encontra o núcleo da
célula; e a do axônio, uma região filamentosa única e alongada que
emerge a partir do corpo celular e se ramifica em sua extremidade. O
impulso sempre percorre o neurônio iniciando pelos seus dendritos,
passando pelo corpo celular e indo em direção ao fim do axônio. O
axônio é envolvido pelas células de Schwann, que produzem a bainha
de mielina (lipídio que age como isolante elétrico otimizando a
condução do impulso nervoso). Entre uma célula de Schwann e outra
existe um curto setor desprovido de mielina com aparência de um
estrangulamento. Cada um destes setores é denominado um nódulo
de Ranvier.
Base do sistema nervoso: o neurônio
Sinapse nervosa
Sinapses nervosas são os pontos onde as extremidades
de neurônios vizinhos se encontram e o estímulo passa de um
neurônio para o seguinte por meio de mediadores químicos, os
neurotransmissores.
As sinapses ocorrem no "contato" das terminações
nervosas (axônios) com os dendritos. O contato físico não existe
realmente, pois ambas estruturas estão próximas, mas há um
espaço entre elas (fenda sináptica). Dos axônios, são liberadas
substâncias (neurotransmissores), que atravessam a fenda e
estimulam receptores nos dendritos e assim transmitem o
impulso nervoso de um neurônio para o outro.
Sinapse nervosa
Divisões anatômicas do Sistema
Nervoso Central (SNC)
Sistema
Nervoso Central
Encéfalo
Medula espinhal
Cérebro
Cerebelo
Tronco
encefálico
Mesencéfalo
Ponte
Bulbo
Lobos cerebrais
Áreas do cérebro
Estrutura cerebelar
O cerebelo é a parte do encéfalo
responsável pela manutenção do
equilíbrio e postura corporal, controle
do tônus muscular e dos movimentos
voluntários, bem como pela
aprendizagem motora. O termo cerebelo
deriva do latim e significa "pequeno
cérebro". Embora represente apenas
10% do volume total do cérebro, contêm
aproximadamente metade do número de
neurônios do cérebro.
Tronco encefálico
O tronco cerebral ou encefálico é a porção do sistema
nervoso central situada entre a medula espinhal e o cérebro. É no
tronco encefálico que se encontra fixo o cerebelo.
O tronco encefálico tem três porções que são, de baixo para
cima:
• Bulbo raquidiano: relaciona-se com funções vitais como a
respiração, os batimentos do coração e a pressão arterial, e com
alguns tipos de reflexos como mastigação, movimentos peristálticos,
fala, piscar de olhos, secreção lacrimal e vômito.
• Ponte: Faz parte do sistema nervoso central e retransmite
informações entre o cerebelo e o telencéfalo. Além disso, contém os
centros que ajudam a regular a respiração.
• Mesencéfalo: conecta o cérebro e o tronco encefálico.
Tronco encefálico
Medula espinhal
Ato reflexo
O ato reflexo é a via que um nervo reflexo
segue. Um exemplo é o reflexo patelar. 1.
Uma percussão no joelho estimula
receptores sensitivos, gerando um sinal
nervoso. 2. O sinal percorre ao longo de
uma via nervosa até a medula espinhal.
3. Na medula espinhal, o sinal é
transmitido do nervo sensorial ao nervo
motor. 4. O nervo motor envia o sinal de
volta a um músculo da coxa. 5. O
músculo contrai, fazendo com que a
perna se desloque para frente. Todo
reflexo ocorre sem envolvimento do
cérebro.
Âmbito de Estudos
• A Neurociência Cognitiva procura estabelecer
correlações entre:
A) Propriedades de estímulos apresentados ao Sistema
Nervoso Central;
B) Medidas da atividade cerebral, por meio de diversas
tecnologias; e
C) Propriedades mentais, reportadas por meio de relatos
verbais ou não-verbais.
Tipos de Processos Mentais Estudados
pela NC:
Diversos processos são enfocados na NC:
a) Aprendizagem e Memória;
b) Atenção;
c) Motivação e Emoções;
d) Sensação e Percepção;
e) Identidade Pessoal (o “Eu”);
f) Pensamento e Funções Executivas;
g) Linguagem e Interpretação;
h) Motricidade e Planejamento Motor.
Localização de Funções:
E a memória?
Existem dois sistemas básicos de memória: a implícita e a explícita. A
explícita é capaz de guardar acontecimentos do dia-a-dia, do
passado, das nossas vidas e, ao mesmo tempo, nos permite lembrar
que um elefante é um elefante e não uma capivara. Isto é: a memória
explícita é consciente. Já a memória implícita é inconsciente. Ela é
responsável pela execução de gestos, pelo jeito de andar, sorrir,
tocar piano, andar de bicicleta. Mas como o cérebro arquiva as novas
informações? Através das sinapses nervosas. Alguns neurônios
podem estabelecer até 50.000 sinapses simultâneas. Quando
iniciamos um processo de arquivamento de uma informação, uma
nova sinapse é ativada ou criada. Assim sendo, quanto maior o
número de sinapses, maior será a capacidade de memória. O sistema
nervoso apresenta uma plasticidade impressionante. Quer testá-la?
Então que tal exercitar a memória?
Tipos de Memória
• Quanto à duração: memória sensorial, de curto e longo
prazo;
• Quanto à conscientização ou não do conteúdo: memória
declarativa (permite relato verbal ou não-verbal) e memória
procedimental;
• Quanto ao conteúdo da memória consciente: memória
episódica e semântica.
Fases da Memória de Longo Prazo (MLP):
a) Aquisição (recepção de sinais; duração de
milissegundos);
b) Retenção ultra-rápida (frações de segundo a
segundos);
c) Retenção de curto prazo e indução da MLP
(minutos a horas);
d) Consolidação (durante o sono);
e) Retenção Duradoura (1 dia);
f) Recuperação (reativação do padrão).
MOTRICIDADE
https://www.youtube.com/watch?v=YyOQxZrNbOw
• Crianças frequentadoras de tais instituições ficam em
média de 9 á 10 horas/dia onde apenas desenvolvem
atividades físicas ativas cerca de 30 minutos (BROLO,
2008).
• Alem de ter menor espaço para atividades diárias
Problemática
TAREFA
Fatores Físicos
E Mecânicos
INDIVIDUAL
Hereditariedade,
Biologia,
Natureza e
Fatores Intrínsecos
AMBIENTE
Experiência,
Aprendizado,
Encorajamento e
Fatores
Extrínsecos
DESENVOLVIMENTO MOTOR
• Não se deve exclusivamente á maturação
neurológica, mas também a uma relação sincronizada
que envolve o indivíduo, a tarefa e o ambiente
(BARELA 1997).
DESENVOLVIMENTO MOTOR
Estágio motor
• Dentre as habilidades motoras ás de locomoção são de
grande importância para o desenvolvimento do repertório
motor da vida diária e futuramente outras atividades
motoras especificas a serem realizadas (GALLAHUE,
2002).
Atividades com vasto repertório motor
• Visando a maior variabilidade motora possível.
• Entretanto respeitando as capacidades e
particularidades da criança.
• O uso inteligente do corpo foi extremamente
importante na história.
FREIRE, 2002; ANTUNES, 2000.
PSICOMOTRICIDADE
• É a área da ciência que tem como objeto de estudo o
homem através do seu corpo em movimento e em
relação ao seu mundo interno e externo.
• A psicomotricidade é a relação entre o pensamento e a
ação, envolvendo a emoção.
Ginástica/Atletismo
• Desenvolvimento motor amplamente
diversificado.
• Possibilidade de expressão motora que não vise
a competição e sim o desenvolvimento motor.
BERTOLINI, 2005
ATLETISMO/ GINÁSTICA
ELEMENTO CULTURAL
CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESPORTE CLASSICO
EDUCAÇÃO FÍSICA ESPORTE
CLUBE
ESCOLA
Ensino
Fundamental
Ensino
Médio
Ensino
Superior
1α à 4α série
5α à 8α série
1º ao 3º Ano
1º ou 2º Ano
Universitário
Escolinhas
de Atletismo/GG
Equipes
Recreação
HABILIDADES MOTORAS BÁSICAS
MARCHAR CORRER SALTAR ARREMESSAR LANÇAR
CAPACIDADES MOTORAS BÁSICAS
VELOCIDADE RESISTÊNCIA FORÇA FLEXIBILIDADE AGILIDADE
PROVAS OFICIAIS DO ATLETISMO/GG
REGRAS BÁSICAS FUNDAMENTOS TÉCNICOS
ASPECTOS TÁTICOS ASPECTOS HISTÓRICOS
COMO SE FAZ SALTO EM ALTURA NO
QUÊNIA
Educação física na sociedade
O BRINCAR X INFÂNCIA
O BRINCAR X INFÂNCIA
DANÇA E MÚSICA
• Coordenação motora e a interação e ação de todos os
sentidos juntos ao mesmo tempo e instante
• Desenvolvimento da corporeidade
https://www.youtube.com/watch?v=G2OVQj06Wqo
CÓRTEX
Usando a cuca...
Como o cérebro memoriza
uma nova informação?
Quais são as estruturas
cerebrais utilizadas?
Criança não é adulto em miniatura
Avaliação psicomotora
DESENVOLVIMENTO PARAA VIDA
AVALIAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetAnaí Peña
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoThiago de Almeida
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemDébora Silveira
 
Introdução a neuropsicopedagogia
Introdução a neuropsicopedagogiaIntrodução a neuropsicopedagogia
Introdução a neuropsicopedagogiaRochelle Arruda
 
Neurociência e a educação
Neurociência e a educaçãoNeurociência e a educação
Neurociência e a educaçãoangelafreire
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemMaristela Couto
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetManô Araújo
 
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Joelson Honoratto
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - PiagetElisms88
 
COMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDECOMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDEValdiane Melo
 

Mais procurados (20)

Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
 
Funções executivas e aprendizagem
Funções executivas e aprendizagemFunções executivas e aprendizagem
Funções executivas e aprendizagem
 
Neuropsicologia para Educadores
Neuropsicologia para EducadoresNeuropsicologia para Educadores
Neuropsicologia para Educadores
 
Cérebro e Funções Cognitivas
Cérebro e Funções CognitivasCérebro e Funções Cognitivas
Cérebro e Funções Cognitivas
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Introdução a neuropsicopedagogia
Introdução a neuropsicopedagogiaIntrodução a neuropsicopedagogia
Introdução a neuropsicopedagogia
 
Neurociência e a educação
Neurociência e a educaçãoNeurociência e a educação
Neurociência e a educação
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
 
Psicomotricidade
PsicomotricidadePsicomotricidade
Psicomotricidade
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
 
O que são funções executivas?
O que são funções executivas?O que são funções executivas?
O que são funções executivas?
 
COMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDECOMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDE
 
Avaliação neuropsicológica
Avaliação neuropsicológicaAvaliação neuropsicológica
Avaliação neuropsicológica
 

Semelhante a Neurociência e aprendizagem: uma visão geral do SNC

neurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptxneurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptxSidney Silva
 
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01Glaucia Correa Peres
 
Fundamentos psic aplicados a educação
Fundamentos psic aplicados a educaçãoFundamentos psic aplicados a educação
Fundamentos psic aplicados a educaçãoSimoneHelenDrumond
 
Neurociências 2prova
Neurociências 2provaNeurociências 2prova
Neurociências 2provaandreaflima
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemglauciacorreaperes
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemglauciacorreaperes
 
Artigo suzane neuroeducação
Artigo suzane neuroeducaçãoArtigo suzane neuroeducação
Artigo suzane neuroeducaçãoFoz Censupeg
 
Aspectos Psicológicos do Desenvolvimento Neuropsicomotor
Aspectos Psicológicos do Desenvolvimento NeuropsicomotorAspectos Psicológicos do Desenvolvimento Neuropsicomotor
Aspectos Psicológicos do Desenvolvimento NeuropsicomotorPaulo Pedro P. R. Costa
 
dificuldades de aprendizagem.pptx
dificuldades de aprendizagem.pptxdificuldades de aprendizagem.pptx
dificuldades de aprendizagem.pptxprofleonardovieira
 
Drogas e sistema_nervoso
Drogas e sistema_nervosoDrogas e sistema_nervoso
Drogas e sistema_nervosoDani Rodrigues
 
Neurociências e Comportamento
Neurociências e ComportamentoNeurociências e Comportamento
Neurociências e ComportamentoJumooca
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1psicologiaazambuja
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoUNICEP
 

Semelhante a Neurociência e aprendizagem: uma visão geral do SNC (20)

neurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptxneurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptx
 
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
 
Fundamentos psic aplicados a educação
Fundamentos psic aplicados a educaçãoFundamentos psic aplicados a educação
Fundamentos psic aplicados a educação
 
Neurociências 2prova
Neurociências 2provaNeurociências 2prova
Neurociências 2prova
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
 
Artigo suzane neuroeducação
Artigo suzane neuroeducaçãoArtigo suzane neuroeducação
Artigo suzane neuroeducação
 
Aspectos Psicológicos do Desenvolvimento Neuropsicomotor
Aspectos Psicológicos do Desenvolvimento NeuropsicomotorAspectos Psicológicos do Desenvolvimento Neuropsicomotor
Aspectos Psicológicos do Desenvolvimento Neuropsicomotor
 
AULA - DESENVOLVIMETO HUMANO.pptx
AULA - DESENVOLVIMETO HUMANO.pptxAULA - DESENVOLVIMETO HUMANO.pptx
AULA - DESENVOLVIMETO HUMANO.pptx
 
dificuldades de aprendizagem.pptx
dificuldades de aprendizagem.pptxdificuldades de aprendizagem.pptx
dificuldades de aprendizagem.pptx
 
Drogas e sistema_nervoso
Drogas e sistema_nervosoDrogas e sistema_nervoso
Drogas e sistema_nervoso
 
Aula Medicina
Aula  MedicinaAula  Medicina
Aula Medicina
 
O cerebro
O cerebroO cerebro
O cerebro
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
O cerebro
O cerebroO cerebro
O cerebro
 
Etapa 5
Etapa 5Etapa 5
Etapa 5
 
Fundamentos da Neurociência e Bioética
Fundamentos da Neurociência e BioéticaFundamentos da Neurociência e Bioética
Fundamentos da Neurociência e Bioética
 
Neurociências e Comportamento
Neurociências e ComportamentoNeurociências e Comportamento
Neurociências e Comportamento
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 

Mais de Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU

Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoTecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoFaculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoTecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoFaculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisadoAprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisadoFaculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 

Mais de Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU (20)

Atletismo introdução
Atletismo  introduçãoAtletismo  introdução
Atletismo introdução
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Aula mini atletismo
Aula mini atletismoAula mini atletismo
Aula mini atletismo
 
Atletismo integrado
Atletismo integradoAtletismo integrado
Atletismo integrado
 
Principios gerais da corrida e saltos
Principios gerais da corrida e saltosPrincipios gerais da corrida e saltos
Principios gerais da corrida e saltos
 
Manual de treinamento de atletismo
Manual de treinamento de atletismoManual de treinamento de atletismo
Manual de treinamento de atletismo
 
Atletismo
Atletismo  Atletismo
Atletismo
 
Formas de intervenção psicomotora
Formas de intervenção psicomotoraFormas de intervenção psicomotora
Formas de intervenção psicomotora
 
Tecnologias educacionais
Tecnologias educacionais Tecnologias educacionais
Tecnologias educacionais
 
metodologia científica da pesquisa
 metodologia científica da pesquisa metodologia científica da pesquisa
metodologia científica da pesquisa
 
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoTecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
 
Fundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológicaFundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológica
 
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoTecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
 
Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem  Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem
 
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisadoAprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
 
Apresentação metodologia da pesquisa
Apresentação   metodologia da pesquisaApresentação   metodologia da pesquisa
Apresentação metodologia da pesquisa
 
Tecnologias educacionais
Tecnologias educacionais Tecnologias educacionais
Tecnologias educacionais
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionado Estagio supervisionado
Estagio supervisionado
 
Prática pedagógica, didática geral e inovação tecnológica
Prática pedagógica, didática geral e inovação tecnológicaPrática pedagógica, didática geral e inovação tecnológica
Prática pedagógica, didática geral e inovação tecnológica
 
Metodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpo
Metodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpoMetodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpo
Metodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpo
 

Último

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 

Último (20)

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 

Neurociência e aprendizagem: uma visão geral do SNC

  • 1. NEUROCIÊNCIA E APRENDIZAGEM Prof.ms. A. Junior “Dimitry Junior”
  • 2. Sistema Nervoso: Visão Geral • Responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente; • Coordena, interpreta e direciona a resposta. => Realiza 3 funções: Sensitiva, integradora e Motora. - Função Sensitiva: os nervos sensitivos captam informação do meio interno e externo e os conduzem ao SNC; Ex.: A informação visual (luz) é captada pelas células especiais do olho e conduzida ao cérebro. - Função Integradora: a informação sensitiva trazida ao sistema nervoso central é processada ou interpretada; Ex.: o cérebro identifica o objeto (gato faminto). - Função Motora: os nervos motores conduzem a informação do SNC em direção aos músculos e às glândulas (efetores); Ex.: o cérebro envia um comando através dos nervos motores para alimentar o gato.
  • 4. Desenvolvimento Humano • Para Bock, Furtado e Teixeira (2008), o desenvolvimento é um processo contínuo e ininterrupto em que os aspectos biológicos, físicos, sociais e culturais se interconectam, se influenciam reciprocamente, produzindo indivíduos com um modo de pensar, sentir e estar no mundo absolutamente singulares e únicos.
  • 5. Teorias Cognitivas • As teorias cognitivas-desenvolvimentais destacam mais o desenvolvimento cognitivo do que a personalidade. • Enfatizam a centralidade das ações da criança no ambiente e seu processo cognitivo das experiências. Representantes: Jean Piaget e Lev S. Vygotsky.
  • 6. Teorias da Aprendizagem • Ênfase é muito mais na forma como o ambiente molda a criança do que em como a criança entende suas experiências. • Os teóricos da aprendizagem não afirmam que a genética ou as tendências inatas não são importantes. • Eles consideram o comportamento humano enormemente plástico, moldado por processos de aprendizagem previsíveis.
  • 7. • O modelo de condicionamento clássico de Pavlov - a aprendizagem ocorre quando algum estímulo é introduzido ao sistema. • O modelo de condicionamento operante de Skinner - a frequência de um comportamento aumenta ou diminui devido às consequências que o comportamento produz. Reforço e punição. • A teoria sociocognitiva de Bandura - a aprendizagem pode ocorrer como resultado de observar alguém realizando uma ação - denominada aprendizagem observacional ou modelação. Teorias da Aprendizagem
  • 8. Pressupostos Psicológicos Básicos • Percepção • Aprendizagem • Memória • Pensamento • Linguagem • Atenção 8
  • 9. • O organismo estará em crescimento: crânio, ossos, cartilagens, sistemas orgânicos tendem a evoluir. • Reflexos: alguns surgem ainda na gestação, outros aparecem nos primeiros meses pós-natais. • Algumas capacidades sensoriais estão presentes desde antes do nascimento, ainda que rudimentarmente, enquanto outras seriam desenvolvidas logo após esse marco. O Desenvolvimento Físico de 0 a 2 anos
  • 10. • Os bebês triplicam o peso do corpo, no primeiro ano de vida, acrescentando de 30 a 38 cm ao comprimento, antes dos dois anos. • Em média, os bebês têm de sete a oito doenças respiratórias, em cada um dos dois primeiros anos de vida. • O rápido aperfeiçoamento das habilidades locomotoras e manipulativas ocorre nos dois primeiros anos. O bebê evolui do engatinhar para o andar e para o correr, e de uma habilidade de preensão deficitária para uma boa preensão. blogdokokay.wordpress.com
  • 11. Desenvolvimento Cognitivo de 0-2 anos • Fazem parte do desenvolvimento cognitivo dos indivíduos as questões relativas ao desenvolvimento dos comportamentos inteligentes: a memória, a linguagem e a comunicação; ao aprendizado de leis e lógica; aos números, padrões e formas; aos potenciais e habilidades, o processamento das habilidades sensoriais (PAPALIA; OLDS; FELDMAN, 2008). 11
  • 12. • Os estudos sobre a cognição em bebês têm sido influenciados pela visão estrutural que Piaget tinha da inteligência. • De 0 a 2 anos o bebê se encontra na fase sensório- motor. Entende o mundo em termos de seus sentidos e suas ações motoras. Inteligência prática. www.desenvolvimentodobebe.com.br
  • 13. Desenvolvimento Cognitivo • Do nascimento aos dezoito meses, a elaboração da realidade pelo pensamento da criança constitui a passagem de um estado em que as coisas giram em torno de um eu que crê dirigi-las e provocá-las, sem, contudo, situar-se como um elemento do universo, para um estado em que o eu se torna um elemento de um mundo estável e independente de sua própria atividade. 13
  • 14. Desenvolvimento da Personalidade de 0 - 2 anos 14 Para Papalia, Olds e Feldman (2008) desde o início os bebês demonstram também personalidades distintas, as quais refletem influências inatas e ambientais. www.blogdozebrao.com.br
  • 15. • Cória-Sabini (2011) nos mostra que a principal tarefa nesta etapa é a construção da noção do eu. Dará uma vaga consciência de si mesma como ser individual. • Os cuidados que o bebê recebe fazem com que ele desen- volva também o sentimento de confiança básica. 15
  • 16. PERSONALIDADE • A consciência reflexiva, que é o conhecimento sobre si próprio e a capacidade de ter consciência de si; • A interpessoalidade dos relacionamentos humanos, através dos quais o indivíduo recebe informações sobre si; • A capacidade do ser humano de agir. • Busca do prazer e bem estar
  • 17.
  • 18. Desenvolvimento Social de 0-2 anos • Os bebês têm necessidades de cuidado e afeto e a satisfação destas tende a contribuir para o estabelecimento de vínculos emocionais com pais ou seus cuidadores.
  • 19. • A maior parte das interações sociais da criança nos seus dois primeiros anos de vida é com o adulto. www.mildicasdemae.com.br
  • 20. • O ambiente influencia de forma significante a formação do eu de um individuo (ANDRADE, 2002). • Moreno foi aluno de Freud, porem não concordava com suas teorias. • Chegando a declarar pra Freud que ele via e atuava com as pessoas nas ruas como seres humanos que eram e dentro de sua realidade existencial.
  • 23. • A família é o primeiro espaço social da criança, no qual ela constrói referências e valores e a comunidade é o espaço mais amplo, onde novas referências e valores se desenvolvem. • A participação da família e da comunidade traz para a escola informações, críticas, sugestões, solicitações, desvelando necessidades e sinalizando rumos.
  • 24. DESAFIO: Quem nasceu primeiro? • O Homem? • A Sociedade?
  • 26. • O contato corporal o toque irá beneficiar o desenvolvimento psicomotor e cognitivo da criança. • Desafio que se extingue com o passar do tempo.
  • 27. Desenvolvimento Social • A tarefa da criança nessa primeira etapa da vida é a descoberta do mundo que a rodeia. • Os outros bebês entram como um elemento desse universo e não como alguém que tenha atrativos especiais. 27
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Base do sistema nervoso: o neurônio A célula fundamental do Sistema Nervoso é o neurônio, que é capaz de produzir e conduzir impulsos elétricos, neste caso, chamados de impulsos nervosos. Organiza-se em três regiões: a dos dendritos, filamentos relativamente curtos e extremamente ramificados; a do corpo celular, região de maior volume onde se encontra o núcleo da célula; e a do axônio, uma região filamentosa única e alongada que emerge a partir do corpo celular e se ramifica em sua extremidade. O impulso sempre percorre o neurônio iniciando pelos seus dendritos, passando pelo corpo celular e indo em direção ao fim do axônio. O axônio é envolvido pelas células de Schwann, que produzem a bainha de mielina (lipídio que age como isolante elétrico otimizando a condução do impulso nervoso). Entre uma célula de Schwann e outra existe um curto setor desprovido de mielina com aparência de um estrangulamento. Cada um destes setores é denominado um nódulo de Ranvier.
  • 35. Base do sistema nervoso: o neurônio
  • 36. Sinapse nervosa Sinapses nervosas são os pontos onde as extremidades de neurônios vizinhos se encontram e o estímulo passa de um neurônio para o seguinte por meio de mediadores químicos, os neurotransmissores. As sinapses ocorrem no "contato" das terminações nervosas (axônios) com os dendritos. O contato físico não existe realmente, pois ambas estruturas estão próximas, mas há um espaço entre elas (fenda sináptica). Dos axônios, são liberadas substâncias (neurotransmissores), que atravessam a fenda e estimulam receptores nos dendritos e assim transmitem o impulso nervoso de um neurônio para o outro.
  • 38.
  • 39. Divisões anatômicas do Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula espinhal Cérebro Cerebelo Tronco encefálico Mesencéfalo Ponte Bulbo
  • 42. Estrutura cerebelar O cerebelo é a parte do encéfalo responsável pela manutenção do equilíbrio e postura corporal, controle do tônus muscular e dos movimentos voluntários, bem como pela aprendizagem motora. O termo cerebelo deriva do latim e significa "pequeno cérebro". Embora represente apenas 10% do volume total do cérebro, contêm aproximadamente metade do número de neurônios do cérebro.
  • 43. Tronco encefálico O tronco cerebral ou encefálico é a porção do sistema nervoso central situada entre a medula espinhal e o cérebro. É no tronco encefálico que se encontra fixo o cerebelo. O tronco encefálico tem três porções que são, de baixo para cima: • Bulbo raquidiano: relaciona-se com funções vitais como a respiração, os batimentos do coração e a pressão arterial, e com alguns tipos de reflexos como mastigação, movimentos peristálticos, fala, piscar de olhos, secreção lacrimal e vômito. • Ponte: Faz parte do sistema nervoso central e retransmite informações entre o cerebelo e o telencéfalo. Além disso, contém os centros que ajudam a regular a respiração. • Mesencéfalo: conecta o cérebro e o tronco encefálico.
  • 46. Ato reflexo O ato reflexo é a via que um nervo reflexo segue. Um exemplo é o reflexo patelar. 1. Uma percussão no joelho estimula receptores sensitivos, gerando um sinal nervoso. 2. O sinal percorre ao longo de uma via nervosa até a medula espinhal. 3. Na medula espinhal, o sinal é transmitido do nervo sensorial ao nervo motor. 4. O nervo motor envia o sinal de volta a um músculo da coxa. 5. O músculo contrai, fazendo com que a perna se desloque para frente. Todo reflexo ocorre sem envolvimento do cérebro.
  • 47. Âmbito de Estudos • A Neurociência Cognitiva procura estabelecer correlações entre: A) Propriedades de estímulos apresentados ao Sistema Nervoso Central; B) Medidas da atividade cerebral, por meio de diversas tecnologias; e C) Propriedades mentais, reportadas por meio de relatos verbais ou não-verbais.
  • 48. Tipos de Processos Mentais Estudados pela NC: Diversos processos são enfocados na NC: a) Aprendizagem e Memória; b) Atenção; c) Motivação e Emoções; d) Sensação e Percepção; e) Identidade Pessoal (o “Eu”); f) Pensamento e Funções Executivas; g) Linguagem e Interpretação; h) Motricidade e Planejamento Motor.
  • 50. E a memória? Existem dois sistemas básicos de memória: a implícita e a explícita. A explícita é capaz de guardar acontecimentos do dia-a-dia, do passado, das nossas vidas e, ao mesmo tempo, nos permite lembrar que um elefante é um elefante e não uma capivara. Isto é: a memória explícita é consciente. Já a memória implícita é inconsciente. Ela é responsável pela execução de gestos, pelo jeito de andar, sorrir, tocar piano, andar de bicicleta. Mas como o cérebro arquiva as novas informações? Através das sinapses nervosas. Alguns neurônios podem estabelecer até 50.000 sinapses simultâneas. Quando iniciamos um processo de arquivamento de uma informação, uma nova sinapse é ativada ou criada. Assim sendo, quanto maior o número de sinapses, maior será a capacidade de memória. O sistema nervoso apresenta uma plasticidade impressionante. Quer testá-la? Então que tal exercitar a memória?
  • 51. Tipos de Memória • Quanto à duração: memória sensorial, de curto e longo prazo; • Quanto à conscientização ou não do conteúdo: memória declarativa (permite relato verbal ou não-verbal) e memória procedimental; • Quanto ao conteúdo da memória consciente: memória episódica e semântica.
  • 52. Fases da Memória de Longo Prazo (MLP): a) Aquisição (recepção de sinais; duração de milissegundos); b) Retenção ultra-rápida (frações de segundo a segundos); c) Retenção de curto prazo e indução da MLP (minutos a horas); d) Consolidação (durante o sono); e) Retenção Duradoura (1 dia); f) Recuperação (reativação do padrão).
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 61.
  • 62.
  • 63. • Crianças frequentadoras de tais instituições ficam em média de 9 á 10 horas/dia onde apenas desenvolvem atividades físicas ativas cerca de 30 minutos (BROLO, 2008). • Alem de ter menor espaço para atividades diárias Problemática
  • 64. TAREFA Fatores Físicos E Mecânicos INDIVIDUAL Hereditariedade, Biologia, Natureza e Fatores Intrínsecos AMBIENTE Experiência, Aprendizado, Encorajamento e Fatores Extrínsecos
  • 65. DESENVOLVIMENTO MOTOR • Não se deve exclusivamente á maturação neurológica, mas também a uma relação sincronizada que envolve o indivíduo, a tarefa e o ambiente (BARELA 1997).
  • 68. • Dentre as habilidades motoras ás de locomoção são de grande importância para o desenvolvimento do repertório motor da vida diária e futuramente outras atividades motoras especificas a serem realizadas (GALLAHUE, 2002).
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76. Atividades com vasto repertório motor • Visando a maior variabilidade motora possível. • Entretanto respeitando as capacidades e particularidades da criança. • O uso inteligente do corpo foi extremamente importante na história. FREIRE, 2002; ANTUNES, 2000.
  • 77. PSICOMOTRICIDADE • É a área da ciência que tem como objeto de estudo o homem através do seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo. • A psicomotricidade é a relação entre o pensamento e a ação, envolvendo a emoção.
  • 78. Ginástica/Atletismo • Desenvolvimento motor amplamente diversificado. • Possibilidade de expressão motora que não vise a competição e sim o desenvolvimento motor. BERTOLINI, 2005
  • 79. ATLETISMO/ GINÁSTICA ELEMENTO CULTURAL CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESPORTE CLASSICO EDUCAÇÃO FÍSICA ESPORTE CLUBE ESCOLA Ensino Fundamental Ensino Médio Ensino Superior 1α à 4α série 5α à 8α série 1º ao 3º Ano 1º ou 2º Ano Universitário Escolinhas de Atletismo/GG Equipes Recreação HABILIDADES MOTORAS BÁSICAS MARCHAR CORRER SALTAR ARREMESSAR LANÇAR CAPACIDADES MOTORAS BÁSICAS VELOCIDADE RESISTÊNCIA FORÇA FLEXIBILIDADE AGILIDADE PROVAS OFICIAIS DO ATLETISMO/GG REGRAS BÁSICAS FUNDAMENTOS TÉCNICOS ASPECTOS TÁTICOS ASPECTOS HISTÓRICOS
  • 80.
  • 81.
  • 82. COMO SE FAZ SALTO EM ALTURA NO QUÊNIA
  • 83.
  • 85.
  • 86.
  • 87. O BRINCAR X INFÂNCIA
  • 88. O BRINCAR X INFÂNCIA
  • 89. DANÇA E MÚSICA • Coordenação motora e a interação e ação de todos os sentidos juntos ao mesmo tempo e instante • Desenvolvimento da corporeidade
  • 90.
  • 93. Usando a cuca... Como o cérebro memoriza uma nova informação? Quais são as estruturas cerebrais utilizadas?
  • 94. Criança não é adulto em miniatura
  • 96.