Successfully reported this slideshow.

O conhecimento e a lógica

6.097 visualizações

Publicada em

O conhecimento e a lógica

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O conhecimento e a lógica

  1. 1. O conhecimento e a lógica Profº Arlindo Picoli Campus Itapina
  2. 2.  CONHECER = “SER” “COM”  CONHECER = “TER NA CONSCIÊNCIA” SUJEITO OBJETO RELAÇÃO CONHECIMENTO
  3. 3. Intuição: etimologia • Intuição. Do latim intuitio, do verbo intueor, "olhar atentamente", "observar". Intuição é portanto uma "visão", uma percepção sem conceito.
  4. 4. Intuição empírica • É o conhecimento imediato baseado em uma experiência que independe de qualquer conceito. • Pode ser:
  5. 5. A intuição inventiva • É a intuição do sábio, do artista, do cientista, ao descobrirem soluções súbitas, como uma hipótese fecunda ou uma inspiração inovadora.
  6. 6. Conhecimento intuitivo • O conhecimento intuitivo é imediato, resulta de uma visão súbita, é inexprimível, independe de demonstração. • Compreensão global e instantânea.
  7. 7. A intuição intelectual • Procura captar diretamente a essência do objeto. • Descartes, quando chegou à consciência do cogito -o eu pensante -, considerou tratar-se de uma primeira verdade que não podia ser provada, mas da qual não se poderia duvidar: Cogito, ergo sum, que em latim significa "penso, logo existo".
  8. 8. “Por intuição entendo não a confiança flutuante que dão os sentidos ou o juízo enganador de uma imaginação de más construções, mas o conceito que a inteligência pura e atenta forma com tanta facilidade e distinção que não resta absolutamente nenhuma dúvida sobre aquilo que compreendemos; [...] Deste modo, cada qual pode ver por intelectual que existe, que pensa, que um triangulo é limitado só por três linhas, um corpo esférico por uma única superfície [...]”. (DESCARTES In Regras para a direção do Espírito)
  9. 9. Princípios: • Princípio de identidade – É o princípio que afirma que uma coisa só é igual a ela mesma. • Princípio de não contradição ou de contradição – É o princípio afirma que duas afirmações contraditórias não podem ser verdadeiras ao mesmo tempo. • Princípio do Terceiro Excluído. – Afirma que ou as coisas são ou não são. Não pode existir um meio termo.
  10. 10. Quadrado das oposições
  11. 11. Lógica • A palavra lógica vem do grego “logiké”, está relacionada à palavra “logos”, que significa razão, palavra, discurso, estudo. • Segundo Aristóteles, a lógica tem como objetivo o estudo do pensamento, para que este seja correto. • A lógica estuda e define as regras do raciocínio correto, porém não é de sua competência estabelecer os princípios que as proposições devem seguir.
  12. 12. O Conhecimento discursivo ou lógico • O conhecimento discursivo é mediado pela palavra, pelo encadeamento de ideias, pelo raciocínio. • A indução e a dedução são encadeamentos discursivos que nos levam a determinada conclusão.
  13. 13. Dedução ou silogismo • Do geral para o particular – Todo metal é dilatado pelo calor. (Premissa maior) Ora, a prata é um metal. (Premissa menor) Logo, a prata é dilatada pelo calor. (Conclusão) – Todo brasileiro é sul-americano. (Premissa maior) Ora, todo paulista é brasileiro. (Premissa menor) Logo, todo paulista é sul-americano. (Conclusão)
  14. 14. Silogismo Hipotético • É uma possibilidade de acontecer ou ser. • Ele inicia com a condição Se… então… – Se segunda der sol então vou de moto. – Segunda amanheceu com sol. – Logo, vou de moto.
  15. 15. Indução: • Do particular para o geral – O cobre é condutor de eletricidade, assim como a prata, o ouro, o ferro, o zinco e outros metais, Logo, todo metal é condutor de eletricidade. – A galinha tem bico é uma ave. O faisão tem bico e é uma ave. O avestruz tem bico e é uma ave. Portanto todos os seres com bico são aves.
  16. 16. • raciocínio dedutivo válido: – do geral para o particular; – premissas verdadeiras garantem uma conclusão verdadeira; – não ampliam o conhecimento. • raciocínio indutivo: – do particular para o geral; – premissas verdadeiras não garantem uma conclusão verdadeira; – ampliam o conhecimento.
  17. 17. Tipos de raciocínio indutivo • Apesar dos argumentos indutivos não serem válidos, eles são muito utilizados e, sob certas condições, eles podem fornecer forte evidência de que estão corretos. • Argumentos indutivos podem ser dos seguintes tipos: – Indução enumerativa; – Indução analógica; – Indução hipotética.
  18. 18. Indução enumerativa • é o tipo de raciocínio que se usa quando se chega a uma generalização sobre um grupo de coisas, após observar apenas alguns dos membros desse grupo, e.g.: • 54 % de seus colegas de classe são mulheres, então, 54 % de todos os estudantes da USP são mulheres. • O argumento será forte se a amostra for suficientemente grande e representativa de toda a USP.
  19. 19. A verdade do raciocínio • O raciocínio dedutivo tem sua validade determinada pela forma lógica do argumento, e não pelo conteúdo dos enunciados • O raciocínio indutivo nem sempre é verdadeiro, e mesmo quando o é, pode ser questionado. • Costuma-se dizer que uma inferência é plausível se a afirmação é verdadeira com “boa” probabilidade.
  20. 20. Indução analógica • Quando se argumenta que duas coisas que são similares sob certos aspectos são também similares sob outros aspectos, utiliza-se indução analógica, e.g.: – A Terra tem ar, água e vida. Marte tem ar e água, logo deve ter vida.
  21. 21. Indução analógica • A conclusão tem apenas certa probabilidade de estar correta; quanto maiores as similaridades, maior a probabilidade. • A água de Marte está congelada nos pólos e a atmosfera é muito menos densa do que a da Terra. • Mas no passado Marte foi mais semelhante à Terra hoje, então é mais provável que Marte tenha tido vida no passado. • Outros exemplos: teste de remédios em animais, sistema de precedente legal americano*. *resoluções em que a mesma questão jurídica, sobre a qual há que decidir novamente, já foi resolvida uma vez por um tribunal noutro caso.
  22. 22. Indução hipotética • Também conhecida por abdução ou inferência pela melhor explicação. • Nem todas as explicações para os fenômenos observados são igualmente boas, assim, deve-se preferir a melhor explicação: – O motor pode falhar devido ao uso de combustível adulterado, velas velhas ou problemas com a injeção eletrônica. O carro é novo e ontem abasteci num posto “meia boca”, então é provável que seja devido ao combustível adulterado.
  23. 23. Indução hipotética • É a forma de raciocínio usada por médicos, mecânicos, detetives e pela maioria de nós no dia a dia. • Deve-se preferir a hipótese que for mais simples, trouxer melhor compreensão do fenômeno e que mais previsões corretas for capaz de fazer.
  24. 24. Falácia ou sofisma: • É uma afirmação errônea, erro de raciocínio ou argumento falso que por sua aparente veracidade parece sustentar uma conclusão. – Não compre nada no Paraguai, porque lá só tem produto falsificado. – Todo mundo é desonesto de vez em quando. – Se emprestar um livro a você, vou ter que emprestar a todo mundo. – Se deixar você ir ao banheiro, terei que deixar todos os alunos
  25. 25. Falácias ou sofismas
  26. 26. Falácias ou sofismas
  27. 27. Falácias ou sofismas
  28. 28. Verdade e Veracidade • A veracidade nos coloca diante de uma questão moral. Ex.: Suponhamos que alguém diz que há um lado da lua que nunca é visto da Terra. Se eu perguntar: - Isto é verdade?, a indagação pode ter dois sentidos. • Será verdade ou meu interlocutor está mentindo. O indivíduo veraz é aquele que não mente. • O segundo tem sentido epistemológico: quero saber se a afirmação de meu interlocutor é verdadeira ou falsa: • A proposição corresponde à realidade? • Já foi comprovada? • A fonte da informação é digna de crédito ou não?
  29. 29. Verdade e realidade  A verdade do conhecimento diz respeito a uma proposição que pode ser verdadeira ou falsa.  Quando afirmamos “Este colar é de ouro”, a proposição é falsa caso se trate de uma bijuteria.  Mas se nos referirmos a coisas (um colar, um quadro, um dente) só podemos afirmar que são reais, e não verdadeiras ou falsas.
  30. 30. Verdade e realidade  O falso ou o verdadeiro não estão na coisa mesma, mas no JUÍZO, NO VALOR DE VERDADE OU FALSIDADE DE UMA PROPOSIÇÃO.  O juízo corresponde à realidade. Um juízo verdadeiro é aquele que corresponde aos fatos.
  31. 31. O dogmatismo  O dogmatismo do senso comum Designa as certezas não questionadas do nosso cotidiano “sempre foi assim”...  O dogmatismo filosófico A razão pode alcançar a certeza absoluta.
  32. 32. Ceticismo • Um filósofo cético pode ser radical ou moderado: – é radical quando conclui que o conhecimento é impossível. – nas tendências moderadas, o cético suspende provisoriamente qualquer juízo e, mesmo sem deixar de buscar a verdade, professa um certo relativismo.
  33. 33. Referências • ARANHA, Maria Lúcia, MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: Introdução á Filosofia. 4° Ed. São Paulo: Moderna, 2009. • NETO, Camilo Rodrigues, TADI – Tratamento e Análise de Dados/Informações. Disponível em: <http://www.each.usp.br/camiloneto/tadi/tadi.2012.aula8.L ogica.Deduccao.e.Induccao.pdf>. Acesso em 27 out 2015. • Vídeo indicado: Aula 2 de Filosofia - Tema: Lógica (Telecurso 2000) https://www.youtube.com/watch?v=9eT64p6XJIo

×