SlideShare uma empresa Scribd logo
Ideias, gostos, pensamentos, 
cultura.
• É uma questão muito complicada, pois não temos uma 
união ou nos diferenciamos por um motivo especifico. 
• Mas isso nos permite criarmos uma reflexão bastante 
filosófica sobre essas questões. 
• Podemos olhar a nossa volta e perceber que há uma 
paradoxo muito grande e obvio que faz a mesma 
resposta pertencerem as duas questões. 
• Sendo assim, o que nos une também nos diferencia e 
consequentemente nos separam.
• Temos a velha e famosa Frase: 
“A União faz a Força!” 
• União significa a associação ou combinação de coisas 
diferentes ou não, para formar um todo. 
• Como podemos ver há vários tipos de assuntos que se 
deve a uma união de coisas, algo e/ou pessoas sempre 
com um intuito de alcançar um objetivo. 
• Por exemplo: Há a famosa ONU (Organização das 
Nações Unidas).
• Vimos que a união é para utilidade do alcance de um 
objetivo. 
• Mas o que nos faz se unir uns aos outros ? 
• O Amor, A amizade, entre outros.
• Quando você pergunta a alguém: o que nos une? Muitos 
ou quase todos respondem que é o amor ou amizade. 
• Pois é uma questão de cultura social, pois o amor de 
forma literal tornou-se algo de inúmeras referencias ao 
fim de tudo que é ruim. 
• O amor ser tornou, também, tudo que lembrem algo 
bonito, belo, forte, etc. 
• Fazendo surgir nas mentes de milhões de pessoas 
inspirações para obras literárias, músicas, filmes, entre 
outras formas de artes.
• Contudo, será mesmo que o amor é principal forma de união 
das pessoas? 
• Pois se observamos, a união tem como função facilita o 
alcance de um objetivo em comuns entre os membros. 
• Sendo assim podemos nos perguntar: 
• Será que houve amor entre os Burgueses e os Pobre 
Camponeses na Revolução Francesa? 
• Será que havia uma verdadeira amizade entre Hitler e 
Mussolini na união entre eles para criação do Eixo, na 
Segunda Guerra Mundial? 
• Será que houve amor ou amizade entre os Aliados e a URSS 
para derrotar o Nazismo, sendo que após a Segunda Guerra 
Mundial surgiu a Guerra Fria?
Imagem da Revolução Francesa
Hitler e Mussolini
União da URSS aos Aliados
• Se o amor e a amizade não é o principal fator para unir, 
então o que pode nos uni? 
• Mais uma vez lembrando que a União é feita devido ao 
alcance de um objetivo. 
• Com isso podemos observa que a união não só é 
formada apenas pelo amor ou amizade, mas sim por 
algo muito maior. 
• Para entendemos melhor usaremos os exemplos citados 
no slide anterior.
• Se os burgueses se juntaram com os camponeses para 
acabar com a opressão da monarquia absolutista. E no 
final escravizaram de uma forma cruel os camponeses 
em suas fabricas. Percebemos que a união deles foi 
devido ao interesse de derrubar a monarquia. Ou seja a 
ideia de acabar com regime militar. 
• Se Hitler se uniu a Mussolini para formar o Eixo, foi 
porque teve uma admiração pelo próprio Mussolini no 
começo de sua carreira como ditador e, Hitler, queria ao 
seu modo propagar a ideia do regime fascista, criada por 
Mussolini, pela Europa. Percebe-se que a união deles foi 
devido à ideia de espalhar a força do regime.
• No caso da URSS se unir aos Aliados, na Segunda 
Guerra Mundial, a questão de uma Ideia em comum é 
mais clara. 
• Com o avanço do exército nazista pela Europa e a 
própria traição de Hitler sobre Stalin, fez com que 
houvesse a união entre a URSS e os Aliados (Inglaterra, 
França, EUA). 
• Portanto a junção da União Republica Socialista 
Soviética aos Blocos Capitalista, foi devido a ideia em 
comum de derrotar o nazismo de Hitler.
• Finalizando, deduzir, quase afirmando, que a principal 
fato de União dá-se a uma ideia em comum entre os 
interessados da união.
Símbolo Fascista
Benedito Mussolini
Suástica Nazista
Adolf Hitler
Símbolo da URSS
Josef Stalin
• Encontramos o principal elo de uma união, sem descarta 
as opções de amor, amizade. Mas ideia é o foco. 
• Contudo, como surge uma ideia? 
• Quem forma essa ideia? 
• A ideia é certa ou errada? 
• Todas as ideias são diferentes ou são iguais? 
• Até que ponto podemos fazer algo inesperado em nome 
da ideia? 
• A minha ideia é minha mesmo? 
• Entre essas, há outras perguntas que poderíamos fazer 
sobre esse assunto.
• Para começar entender uma ideia temos que entender 
primeiro aonde surge a ideia. 
• O Ser humano é uma casca, o que pode-se dizer de ser 
humano mesmo é a mente. 
• Ela que projeta o que vemos, sabemos, ouvimos, 
cheiramos, é ilustrações do que há lá fora da nossa 
mente, assim fazemos uma relação ao que achamos que 
é realidade. 
• Ou seja, a realidade é criada por nosso cérebro para 
mostrar o que queiramos ver.
Josef Stalin
• Então, até nossos pensamentos podemos concluir que 
não são nossos. São impostos a nós do mundo externo. 
• Nossos gostos visuais, auditivos também podem-se 
gostos impostos do mundo social. 
• Desse modo vemos que a ideia é construída por 
informações externas que servem como sustento para 
nossa própria síntese de tal assunto. 
• Entende-a assim: Alguém lhe mostra uma tese (ideia), 
você mesmo ou até alguém coloca uma antítese (uma 
contra-ideia), com a junção das duas você forma uma 
síntese (um resumo da ideia, ou a conclusão da ideia).
Josef Stalin
• Vimos que sua ideia é construída por outros mas 
exercida por você. 
• Mas, será que sua ideia é certa ou é errada? É uma 
resposta relativa, pois depende do ponto de vista de 
QUEM ver a ideia. 
• Logicamente a ideia vista dos seus olhos se torna certa, 
contudo se houver uma pessoa contraria a sua ideia ela 
se torna algo errado, para essa pessoa. 
• Exemplo, vemos nos jornais o surgimento de um radical 
islâmicos que se autodenomina Estado Islâmico, na 
concepção deles, ou seja, na ideia deles é certo matar 
aqueles que por eles são considerado infiéis. Contudo 
entra em choque com o pensamento dos demais que 
são contra a morte do semelhante.
Estado Islâmico
• A questão de se sua ideia que é formada por outros esta 
certa ou errada, fica no quesito relativo a quem ver. 
• Assim também fica claro que as ideias são diferentes e 
não iguais. 
• A questão interessante é até que ponto deve ser feito 
algo estrondoso por uma ideia, por exemplo matar em 
nome de sua ideologia? 
• Não podemos esquecer que assassino é aquele que 
comete o ato de tirar a vida de um ser vivo, no caso um 
ser humano. 
• Assim independente se matou-se por ouro ou por uma 
ideia você é assassino e não idealista!
• Agora se pararmos para refletir sobre tudo que vimos e 
lemos a ideia não é algo central ela faz parte de um 
conjunto. 
• Algo maior que da nome ao conjunto de coisas, como 
tradições, ideias, comidas, danças, entre outros. 
• Tudo isso se resumo a uma palavra Cultura.
• Cultura é o conjunto de manifestações artísticas, sociais, 
linguísticas e comportamentais de um povo ou 
civilização. 
• Portanto, fazem parte da cultura de um povo as 
seguintes atividades e manifestações: música, teatro, 
rituais religiosos, língua falada e escrita, mitos, hábitos 
alimentares, danças, arquitetura, invenções, 
pensamentos, formas de organização social, etc. 
• Uma das capacidades que diferenciam o ser 
humano dos animais irracionais é a capacidade de 
produção de cultura.
“Vivemos em 
plena cultura da 
aparência: 
o contrato de 
casamento importa 
mais que o amor, o 
funeral mais que o 
morto, as roupas 
mais do que o 
corpo e a missa 
mais do que 
Deus.”
• Cultura Popular pode ser definida como qualquer 
manifestação cultural (dança, música, festas, literatura, 
folclore, arte, etc) em que o povo produz e participa de 
forma ativa. 
• Ao contrário da cultura de elite, a cultura popular surge 
das tradições e costumes e é transmitida de geração 
para geração, principalmente, de forma oral. 
• Exemplos de manifestações da cultura popular: carnaval, 
danças e festas folclóricas, literatura de cordel, 
provérbios, samba, frevo, capoeira, artesanato, cantigas 
de roda, contos e fábulas, lendas urbanas, superstições, 
etc.
Carnaval
Festa Folclórica
Literatura de Cordel
Samba
Frevo
Capoeira
Superstições
• Cultura erudita é aquela proveniente de estudos, 
produzida através de pesquisas, análises teóricas, 
experimentação. É a principal responsável pela evolução 
intelectual da sociedade, já que está diretamente ligada 
a produção de conhecimento. 
• A ela se deve os avanços tecnológicos, da medicina, da 
antropologia, da informática entre outros. 
• Por ser uma cultura adquirida através de esforços 
educacionais não é democrática como a popular, o que 
torna pequeno o número de eruditos.
• A cultura erudita pode ser observada também nas artes, 
sendo o fator determinante para sua classificação o nível 
de estudo e complexidade por trás da produção cultural. 
• A cultura erudita está ligada à elite, ou seja, está 
subordinada ao capital pelo fator de viabilizar esta 
cultura. 
• É uma cultura em que a sociedade valoriza como 
superior ou dominante.
Beethoven
Michelangelo
Capela Sistina
Orquestra
Ópera
Balé Clássico
• Ironicamente tudo que aquilo nos unem também nos 
diferenciam e as diferenças, na prática, infelizmente nos 
separam. 
• Pois há uma diferença entre as culturas, nas formas de 
agir e na forma de pensar, na forma de praticar, na forma 
de falar. 
• E isso fazem com que nos tornamos diferentes uns dos 
outros. 
• Obviamente se analisarmos de forma filosófica somos 
iguais devido questão de sermos seres humanos. 
• Entretanto temos que estar ciente que até mesmo nos 
como seres humanos de forma biológica e fisiológica 
somos diferentes.
• Choque cultural refere-se à ansiedade e sentimentos (de 
surpresa, desorientação, incerteza, confusão mental, etc) 
sentidos quando as pessoas têm de conviver dentro de 
uma diferente e desconhecida cultura ou ambiente 
social. 
• A partir daí, nascem as dificuldades de assimilar a nova 
cultura, causando dificuldades em saber o que é 
adequado e o que não é. Muitas vezes combinada com 
uma aversão ou mesmo nojo (moral ou estético) com 
certos aspectos da nova cultura.
• Etnocentrismo é um conceito da antropológia, que ocorre 
quando um determinado individuo ou grupo de pessoas, 
que têm os mesmos hábitos e caráter social, discrimina 
outro, julgando-se melhor ou pior, seja por causa de sua 
condição social, pelos diferentes hábitos ou manias, por 
sua forma de se vestir, ou até mesmo pela sua cultura. 
• Essa avaliação é, por definição, preconceituosa, feita a 
partir de um ponto de vista específico.
Bíblia
Alcorão
Mulheres Mulçumanas
Freiras Católicas
Ritual Indígena
Sessão de Tatuagem
Culto Evangélico
Culto Afro
O que nos une   blog

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
Jeane Santos
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
Over Lane
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Jorge Barbosa
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
roberto mosca junior
 
L2 ppt2
L2 ppt2L2 ppt2
L2 ppt2
aintazambuja
 
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
brendagersanti
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
Portal do Vestibulando
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 04 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 04 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 04 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 04 do Tomazi
pascoalnaib
 
Mundo do trabalho - parte 1
Mundo do trabalho - parte 1Mundo do trabalho - parte 1
Mundo do trabalho - parte 1
Rafael Barros
 
Trabalho e Produção
Trabalho e ProduçãoTrabalho e Produção
Trabalho e Produção
Pedro Lazari
 
O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.
Italo Colares
 
llllll
llllllllllll
llllll
jr santos
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
rblfilos
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
Vânia Franco
 
O cristao e as novas formas de trabalho (1 de 8)
O cristao e as novas formas de trabalho (1 de 8)O cristao e as novas formas de trabalho (1 de 8)
O cristao e as novas formas de trabalho (1 de 8)
Pedro Siena
 
Trabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismoTrabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismo
Péricles Penuel
 
Marx e o socialismo científico
Marx e o socialismo científicoMarx e o socialismo científico
Marx e o socialismo científico
Alison Nunes
 
Cap trabalho alienado em marx
Cap   trabalho alienado em marxCap   trabalho alienado em marx
Cap trabalho alienado em marx
thiagolimamattos
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
Lucio Oliveira
 

Mais procurados (19)

Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
L2 ppt2
L2 ppt2L2 ppt2
L2 ppt2
 
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 04 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 04 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 04 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 04 do Tomazi
 
Mundo do trabalho - parte 1
Mundo do trabalho - parte 1Mundo do trabalho - parte 1
Mundo do trabalho - parte 1
 
Trabalho e Produção
Trabalho e ProduçãoTrabalho e Produção
Trabalho e Produção
 
O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.
 
llllll
llllllllllll
llllll
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
 
O cristao e as novas formas de trabalho (1 de 8)
O cristao e as novas formas de trabalho (1 de 8)O cristao e as novas formas de trabalho (1 de 8)
O cristao e as novas formas de trabalho (1 de 8)
 
Trabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismoTrabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismo
 
Marx e o socialismo científico
Marx e o socialismo científicoMarx e o socialismo científico
Marx e o socialismo científico
 
Cap trabalho alienado em marx
Cap   trabalho alienado em marxCap   trabalho alienado em marx
Cap trabalho alienado em marx
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
 

Destaque

Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
Taynná Barcellos
 
Etnocentrismo...
Etnocentrismo...Etnocentrismo...
Etnocentrismo...
ALCIONE
 
Símbolos blog
Símbolos   blogSímbolos   blog
Símbolos blog
dinicmax
 
Aula 3 cultura e etnocentrismo
Aula 3   cultura e etnocentrismoAula 3   cultura e etnocentrismo
Aula 3 cultura e etnocentrismo
Ludmila Moura
 
Capitulo 9 simbolos
Capitulo 9 simbolosCapitulo 9 simbolos
Capitulo 9 simbolos
Sergio Dias
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
Andreia Regina Moura Mendes
 
A Diversidade Cultural
A Diversidade CulturalA Diversidade Cultural
A Diversidade Cultural
juliana_f
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
Marcelo Cordeiro Souza
 

Destaque (8)

Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Etnocentrismo...
Etnocentrismo...Etnocentrismo...
Etnocentrismo...
 
Símbolos blog
Símbolos   blogSímbolos   blog
Símbolos blog
 
Aula 3 cultura e etnocentrismo
Aula 3   cultura e etnocentrismoAula 3   cultura e etnocentrismo
Aula 3 cultura e etnocentrismo
 
Capitulo 9 simbolos
Capitulo 9 simbolosCapitulo 9 simbolos
Capitulo 9 simbolos
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
A Diversidade Cultural
A Diversidade CulturalA Diversidade Cultural
A Diversidade Cultural
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 

Semelhante a O que nos une blog

Sociologia: Revisando os Primeiros Conceitos
Sociologia: Revisando os Primeiros ConceitosSociologia: Revisando os Primeiros Conceitos
Sociologia: Revisando os Primeiros Conceitos
Carlos Benjoino Bidu
 
Educafro teoria soc_ppt
Educafro teoria soc_pptEducafro teoria soc_ppt
Educafro teoria soc_ppt
educafro
 
Por um olhar sociológico
Por um olhar sociológicoPor um olhar sociológico
Por um olhar sociológico
Evandro Batista
 
Damatta voce tem_cultura
Damatta voce tem_culturaDamatta voce tem_cultura
Damatta voce tem_cultura
Larice Lemes Caixeta
 
A Construção da Igualdade
A Construção da IgualdadeA Construção da Igualdade
A Construção da Igualdade
JorgeOliveira378600
 
Slide sociologia
Slide  sociologiaSlide  sociologia
Slide sociologia
mosaca22
 
Slide sociologia
Slide  sociologiaSlide  sociologia
Slide sociologia
mosaca22
 
CULTURA.ppt
CULTURA.pptCULTURA.ppt
CULTURA.ppt
JosWilliam14
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade V
joao paulo
 
Moda, Opinião e Estetização do Mundo
Moda, Opinião e Estetização do MundoModa, Opinião e Estetização do Mundo
Moda, Opinião e Estetização do Mundo
emilianapomarico
 
Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)
Wilton Moretto
 
Apostila de formação série o que é
Apostila de formação série o que éApostila de formação série o que é
Apostila de formação série o que é
Daniel Ferreira
 
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdfO Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
Luziane Santos
 
CCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshareCCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshare
UNIP. Universidade Paulista
 
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
Marcos Barros de Miranda
 
As diferenças da diferença
As diferenças da diferençaAs diferenças da diferença
As diferenças da diferença
Carlos Duarte Castanheira
 
Alienação dos seres humanos um dos grandes obstáculos ao progresso da humanidade
Alienação dos seres humanos um dos grandes obstáculos ao progresso da humanidadeAlienação dos seres humanos um dos grandes obstáculos ao progresso da humanidade
Alienação dos seres humanos um dos grandes obstáculos ao progresso da humanidade
Fernando Alcoforado
 
Krishnamurti - Palestras com Estudantes Americanos.docx.pdf
Krishnamurti - Palestras com Estudantes Americanos.docx.pdfKrishnamurti - Palestras com Estudantes Americanos.docx.pdf
Krishnamurti - Palestras com Estudantes Americanos.docx.pdf
HubertoRohden2
 
Linguagem, pensamento e cultura na filosofia
Linguagem, pensamento e cultura na filosofiaLinguagem, pensamento e cultura na filosofia
Linguagem, pensamento e cultura na filosofia
equacao
 
Pensamento sociológico
Pensamento sociológicoPensamento sociológico
Pensamento sociológico
Fabson Calixto
 

Semelhante a O que nos une blog (20)

Sociologia: Revisando os Primeiros Conceitos
Sociologia: Revisando os Primeiros ConceitosSociologia: Revisando os Primeiros Conceitos
Sociologia: Revisando os Primeiros Conceitos
 
Educafro teoria soc_ppt
Educafro teoria soc_pptEducafro teoria soc_ppt
Educafro teoria soc_ppt
 
Por um olhar sociológico
Por um olhar sociológicoPor um olhar sociológico
Por um olhar sociológico
 
Damatta voce tem_cultura
Damatta voce tem_culturaDamatta voce tem_cultura
Damatta voce tem_cultura
 
A Construção da Igualdade
A Construção da IgualdadeA Construção da Igualdade
A Construção da Igualdade
 
Slide sociologia
Slide  sociologiaSlide  sociologia
Slide sociologia
 
Slide sociologia
Slide  sociologiaSlide  sociologia
Slide sociologia
 
CULTURA.ppt
CULTURA.pptCULTURA.ppt
CULTURA.ppt
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade V
 
Moda, Opinião e Estetização do Mundo
Moda, Opinião e Estetização do MundoModa, Opinião e Estetização do Mundo
Moda, Opinião e Estetização do Mundo
 
Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)
 
Apostila de formação série o que é
Apostila de formação série o que éApostila de formação série o que é
Apostila de formação série o que é
 
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdfO Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural (1).pdf
 
CCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshareCCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshare
 
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
 
As diferenças da diferença
As diferenças da diferençaAs diferenças da diferença
As diferenças da diferença
 
Alienação dos seres humanos um dos grandes obstáculos ao progresso da humanidade
Alienação dos seres humanos um dos grandes obstáculos ao progresso da humanidadeAlienação dos seres humanos um dos grandes obstáculos ao progresso da humanidade
Alienação dos seres humanos um dos grandes obstáculos ao progresso da humanidade
 
Krishnamurti - Palestras com Estudantes Americanos.docx.pdf
Krishnamurti - Palestras com Estudantes Americanos.docx.pdfKrishnamurti - Palestras com Estudantes Americanos.docx.pdf
Krishnamurti - Palestras com Estudantes Americanos.docx.pdf
 
Linguagem, pensamento e cultura na filosofia
Linguagem, pensamento e cultura na filosofiaLinguagem, pensamento e cultura na filosofia
Linguagem, pensamento e cultura na filosofia
 
Pensamento sociológico
Pensamento sociológicoPensamento sociológico
Pensamento sociológico
 

Mais de dinicmax

Estado e governo blog
Estado e governo   blogEstado e governo   blog
Estado e governo blog
dinicmax
 
O povo e suas manifestações
O povo e suas manifestaçõesO povo e suas manifestações
O povo e suas manifestações
dinicmax
 
A cultura do homem
A cultura do homemA cultura do homem
A cultura do homem
dinicmax
 
O jovem na sociedade
O jovem na sociedadeO jovem na sociedade
O jovem na sociedade
dinicmax
 
A sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedadeA sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedade
dinicmax
 
Cidadão e cidadania
Cidadão e cidadaniaCidadão e cidadania
Cidadão e cidadania
dinicmax
 
Diversidades no brasil
Diversidades no brasilDiversidades no brasil
Diversidades no brasil
dinicmax
 
Redemocratização e neoliberalismo
Redemocratização e  neoliberalismoRedemocratização e  neoliberalismo
Redemocratização e neoliberalismo
dinicmax
 
Reforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasilReforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasil
dinicmax
 
Redemocratização
RedemocratizaçãoRedemocratização
Redemocratização
dinicmax
 
Manifestações culturais no brasil durante a ditadura
Manifestações culturais no brasil durante a ditaduraManifestações culturais no brasil durante a ditadura
Manifestações culturais no brasil durante a ditadura
dinicmax
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
dinicmax
 
História
HistóriaHistória
História
dinicmax
 
Ditadura militar e direitos humanos
Ditadura militar e direitos humanosDitadura militar e direitos humanos
Ditadura militar e direitos humanos
dinicmax
 
Década de 60
Década de 60Década de 60
Década de 60
dinicmax
 
História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3º
dinicmax
 
Independencias
IndependenciasIndependencias
Independencias
dinicmax
 
Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50
dinicmax
 
Pós 2ª guerra
Pós 2ª guerraPós 2ª guerra
Pós 2ª guerra
dinicmax
 
A pré história sul maericana
A pré história sul maericanaA pré história sul maericana
A pré história sul maericana
dinicmax
 

Mais de dinicmax (20)

Estado e governo blog
Estado e governo   blogEstado e governo   blog
Estado e governo blog
 
O povo e suas manifestações
O povo e suas manifestaçõesO povo e suas manifestações
O povo e suas manifestações
 
A cultura do homem
A cultura do homemA cultura do homem
A cultura do homem
 
O jovem na sociedade
O jovem na sociedadeO jovem na sociedade
O jovem na sociedade
 
A sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedadeA sociologia e a sociedade
A sociologia e a sociedade
 
Cidadão e cidadania
Cidadão e cidadaniaCidadão e cidadania
Cidadão e cidadania
 
Diversidades no brasil
Diversidades no brasilDiversidades no brasil
Diversidades no brasil
 
Redemocratização e neoliberalismo
Redemocratização e  neoliberalismoRedemocratização e  neoliberalismo
Redemocratização e neoliberalismo
 
Reforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasilReforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasil
 
Redemocratização
RedemocratizaçãoRedemocratização
Redemocratização
 
Manifestações culturais no brasil durante a ditadura
Manifestações culturais no brasil durante a ditaduraManifestações culturais no brasil durante a ditadura
Manifestações culturais no brasil durante a ditadura
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
História
HistóriaHistória
História
 
Ditadura militar e direitos humanos
Ditadura militar e direitos humanosDitadura militar e direitos humanos
Ditadura militar e direitos humanos
 
Década de 60
Década de 60Década de 60
Década de 60
 
História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3º
 
Independencias
IndependenciasIndependencias
Independencias
 
Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50
 
Pós 2ª guerra
Pós 2ª guerraPós 2ª guerra
Pós 2ª guerra
 
A pré história sul maericana
A pré história sul maericanaA pré história sul maericana
A pré história sul maericana
 

O que nos une blog

  • 2. • É uma questão muito complicada, pois não temos uma união ou nos diferenciamos por um motivo especifico. • Mas isso nos permite criarmos uma reflexão bastante filosófica sobre essas questões. • Podemos olhar a nossa volta e perceber que há uma paradoxo muito grande e obvio que faz a mesma resposta pertencerem as duas questões. • Sendo assim, o que nos une também nos diferencia e consequentemente nos separam.
  • 3. • Temos a velha e famosa Frase: “A União faz a Força!” • União significa a associação ou combinação de coisas diferentes ou não, para formar um todo. • Como podemos ver há vários tipos de assuntos que se deve a uma união de coisas, algo e/ou pessoas sempre com um intuito de alcançar um objetivo. • Por exemplo: Há a famosa ONU (Organização das Nações Unidas).
  • 4. • Vimos que a união é para utilidade do alcance de um objetivo. • Mas o que nos faz se unir uns aos outros ? • O Amor, A amizade, entre outros.
  • 5. • Quando você pergunta a alguém: o que nos une? Muitos ou quase todos respondem que é o amor ou amizade. • Pois é uma questão de cultura social, pois o amor de forma literal tornou-se algo de inúmeras referencias ao fim de tudo que é ruim. • O amor ser tornou, também, tudo que lembrem algo bonito, belo, forte, etc. • Fazendo surgir nas mentes de milhões de pessoas inspirações para obras literárias, músicas, filmes, entre outras formas de artes.
  • 6. • Contudo, será mesmo que o amor é principal forma de união das pessoas? • Pois se observamos, a união tem como função facilita o alcance de um objetivo em comuns entre os membros. • Sendo assim podemos nos perguntar: • Será que houve amor entre os Burgueses e os Pobre Camponeses na Revolução Francesa? • Será que havia uma verdadeira amizade entre Hitler e Mussolini na união entre eles para criação do Eixo, na Segunda Guerra Mundial? • Será que houve amor ou amizade entre os Aliados e a URSS para derrotar o Nazismo, sendo que após a Segunda Guerra Mundial surgiu a Guerra Fria?
  • 9. União da URSS aos Aliados
  • 10. • Se o amor e a amizade não é o principal fator para unir, então o que pode nos uni? • Mais uma vez lembrando que a União é feita devido ao alcance de um objetivo. • Com isso podemos observa que a união não só é formada apenas pelo amor ou amizade, mas sim por algo muito maior. • Para entendemos melhor usaremos os exemplos citados no slide anterior.
  • 11. • Se os burgueses se juntaram com os camponeses para acabar com a opressão da monarquia absolutista. E no final escravizaram de uma forma cruel os camponeses em suas fabricas. Percebemos que a união deles foi devido ao interesse de derrubar a monarquia. Ou seja a ideia de acabar com regime militar. • Se Hitler se uniu a Mussolini para formar o Eixo, foi porque teve uma admiração pelo próprio Mussolini no começo de sua carreira como ditador e, Hitler, queria ao seu modo propagar a ideia do regime fascista, criada por Mussolini, pela Europa. Percebe-se que a união deles foi devido à ideia de espalhar a força do regime.
  • 12. • No caso da URSS se unir aos Aliados, na Segunda Guerra Mundial, a questão de uma Ideia em comum é mais clara. • Com o avanço do exército nazista pela Europa e a própria traição de Hitler sobre Stalin, fez com que houvesse a união entre a URSS e os Aliados (Inglaterra, França, EUA). • Portanto a junção da União Republica Socialista Soviética aos Blocos Capitalista, foi devido a ideia em comum de derrotar o nazismo de Hitler.
  • 13. • Finalizando, deduzir, quase afirmando, que a principal fato de União dá-se a uma ideia em comum entre os interessados da união.
  • 20. • Encontramos o principal elo de uma união, sem descarta as opções de amor, amizade. Mas ideia é o foco. • Contudo, como surge uma ideia? • Quem forma essa ideia? • A ideia é certa ou errada? • Todas as ideias são diferentes ou são iguais? • Até que ponto podemos fazer algo inesperado em nome da ideia? • A minha ideia é minha mesmo? • Entre essas, há outras perguntas que poderíamos fazer sobre esse assunto.
  • 21. • Para começar entender uma ideia temos que entender primeiro aonde surge a ideia. • O Ser humano é uma casca, o que pode-se dizer de ser humano mesmo é a mente. • Ela que projeta o que vemos, sabemos, ouvimos, cheiramos, é ilustrações do que há lá fora da nossa mente, assim fazemos uma relação ao que achamos que é realidade. • Ou seja, a realidade é criada por nosso cérebro para mostrar o que queiramos ver.
  • 23. • Então, até nossos pensamentos podemos concluir que não são nossos. São impostos a nós do mundo externo. • Nossos gostos visuais, auditivos também podem-se gostos impostos do mundo social. • Desse modo vemos que a ideia é construída por informações externas que servem como sustento para nossa própria síntese de tal assunto. • Entende-a assim: Alguém lhe mostra uma tese (ideia), você mesmo ou até alguém coloca uma antítese (uma contra-ideia), com a junção das duas você forma uma síntese (um resumo da ideia, ou a conclusão da ideia).
  • 25. • Vimos que sua ideia é construída por outros mas exercida por você. • Mas, será que sua ideia é certa ou é errada? É uma resposta relativa, pois depende do ponto de vista de QUEM ver a ideia. • Logicamente a ideia vista dos seus olhos se torna certa, contudo se houver uma pessoa contraria a sua ideia ela se torna algo errado, para essa pessoa. • Exemplo, vemos nos jornais o surgimento de um radical islâmicos que se autodenomina Estado Islâmico, na concepção deles, ou seja, na ideia deles é certo matar aqueles que por eles são considerado infiéis. Contudo entra em choque com o pensamento dos demais que são contra a morte do semelhante.
  • 27. • A questão de se sua ideia que é formada por outros esta certa ou errada, fica no quesito relativo a quem ver. • Assim também fica claro que as ideias são diferentes e não iguais. • A questão interessante é até que ponto deve ser feito algo estrondoso por uma ideia, por exemplo matar em nome de sua ideologia? • Não podemos esquecer que assassino é aquele que comete o ato de tirar a vida de um ser vivo, no caso um ser humano. • Assim independente se matou-se por ouro ou por uma ideia você é assassino e não idealista!
  • 28. • Agora se pararmos para refletir sobre tudo que vimos e lemos a ideia não é algo central ela faz parte de um conjunto. • Algo maior que da nome ao conjunto de coisas, como tradições, ideias, comidas, danças, entre outros. • Tudo isso se resumo a uma palavra Cultura.
  • 29. • Cultura é o conjunto de manifestações artísticas, sociais, linguísticas e comportamentais de um povo ou civilização. • Portanto, fazem parte da cultura de um povo as seguintes atividades e manifestações: música, teatro, rituais religiosos, língua falada e escrita, mitos, hábitos alimentares, danças, arquitetura, invenções, pensamentos, formas de organização social, etc. • Uma das capacidades que diferenciam o ser humano dos animais irracionais é a capacidade de produção de cultura.
  • 30. “Vivemos em plena cultura da aparência: o contrato de casamento importa mais que o amor, o funeral mais que o morto, as roupas mais do que o corpo e a missa mais do que Deus.”
  • 31. • Cultura Popular pode ser definida como qualquer manifestação cultural (dança, música, festas, literatura, folclore, arte, etc) em que o povo produz e participa de forma ativa. • Ao contrário da cultura de elite, a cultura popular surge das tradições e costumes e é transmitida de geração para geração, principalmente, de forma oral. • Exemplos de manifestações da cultura popular: carnaval, danças e festas folclóricas, literatura de cordel, provérbios, samba, frevo, capoeira, artesanato, cantigas de roda, contos e fábulas, lendas urbanas, superstições, etc.
  • 35. Samba
  • 36. Frevo
  • 39. • Cultura erudita é aquela proveniente de estudos, produzida através de pesquisas, análises teóricas, experimentação. É a principal responsável pela evolução intelectual da sociedade, já que está diretamente ligada a produção de conhecimento. • A ela se deve os avanços tecnológicos, da medicina, da antropologia, da informática entre outros. • Por ser uma cultura adquirida através de esforços educacionais não é democrática como a popular, o que torna pequeno o número de eruditos.
  • 40. • A cultura erudita pode ser observada também nas artes, sendo o fator determinante para sua classificação o nível de estudo e complexidade por trás da produção cultural. • A cultura erudita está ligada à elite, ou seja, está subordinada ao capital pelo fator de viabilizar esta cultura. • É uma cultura em que a sociedade valoriza como superior ou dominante.
  • 47. • Ironicamente tudo que aquilo nos unem também nos diferenciam e as diferenças, na prática, infelizmente nos separam. • Pois há uma diferença entre as culturas, nas formas de agir e na forma de pensar, na forma de praticar, na forma de falar. • E isso fazem com que nos tornamos diferentes uns dos outros. • Obviamente se analisarmos de forma filosófica somos iguais devido questão de sermos seres humanos. • Entretanto temos que estar ciente que até mesmo nos como seres humanos de forma biológica e fisiológica somos diferentes.
  • 48. • Choque cultural refere-se à ansiedade e sentimentos (de surpresa, desorientação, incerteza, confusão mental, etc) sentidos quando as pessoas têm de conviver dentro de uma diferente e desconhecida cultura ou ambiente social. • A partir daí, nascem as dificuldades de assimilar a nova cultura, causando dificuldades em saber o que é adequado e o que não é. Muitas vezes combinada com uma aversão ou mesmo nojo (moral ou estético) com certos aspectos da nova cultura.
  • 49. • Etnocentrismo é um conceito da antropológia, que ocorre quando um determinado individuo ou grupo de pessoas, que têm os mesmos hábitos e caráter social, discrimina outro, julgando-se melhor ou pior, seja por causa de sua condição social, pelos diferentes hábitos ou manias, por sua forma de se vestir, ou até mesmo pela sua cultura. • Essa avaliação é, por definição, preconceituosa, feita a partir de um ponto de vista específico.