Sociologia - O que é trabalho?

6.717 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre ''o que é trabalho'' desenvolvido pelas alunas do IFMS-campus coxim.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.717
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.763
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
260
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociologia - O que é trabalho?

  1. 1. O que é Trabalho?
  2. 2. • O trabalho sempre fez parte da vida dos seres humanos. Foi através dele que as civilizações conseguiram se desenvolver e alcançar o nível atual. O trabalho é qualquer atividade física ou intelectual, realizada pelo ser humano, cujo objetivo é fazer, transformar ou obter algo para realização pessoal e desenvolvimento econômico.
  3. 3. Significado: • Segundo o Aurélio: • s.m. Atividade física ou intelectual que visa a algum objetivo; labor, ocupação. / O produto dessa atividade; obra. / Esforço, empenho. / Fig. Preocupação, cuidado, aflição
  4. 4. O que é trabalho? • O conceito de trabalho é formado por elemento teológico que teve influência no ocidente greco-romano-helenista chegando até os nossos dias. Como mostra o Livro do Gênesis (3, 17); depois de pecar o homem foi amaldiçoado, ficando condenado a extrair seu sustento do suor, do cansaço, do labor de seu trabalho: “comederes maledicta terra in opere tuo in laboribus comedes eam cunctis diebus vitae tuae”. A concepção de trabalho sempre esteve predominantemente ligada a uma visão negativa. Na Bíblia, Adão e Eva vivem felizes até que o pecado provoca sua expulsão do Paraíso e a condenação ao trabalho com o “suor do seu rosto”. A Eva coube também o “trabalho” do parto.
  5. 5. • O termo trabalho é originário do latim tripalium, que designa instrumento de tortura. Por extensão, significa aquilo que fatiga ou provoca dor. Na etimologia da palavra trabalho, ou tripalium), do Latim , um instrumento romano de tortura, espécie de tripé formado por três estacas cravadas no chão, onde eram supliciados os escravos. " tri" (três) e " palus" (pau) - literalmente, "três paus". Daí o verbo tripaliare (ou trepaliare), que significava, inicialmente, torturar alguém no tripalium.
  6. 6. • O trabalho ainda pode ser classificado segundo o grau de capacitação exigido dos profissionais. O trabalho qualificado é aquele que só é feito mediante certo grau de aprendizagem e conhecimento, exemplo: trabalho de um médico. Já o trabalho não qualificado se trata daquele onde não é necessário possuir um grau de instrução, visto que as atividades podem ser desenvolvidas por imitações ou simples instruções, exemplo: trabalho de um servente de pedreiro.
  7. 7. O Trabalho na antiguidade • Dizia Aristóteles, sobre o trabalho: “Todos aqueles que nada tem de melhor para nos oferecer que o uso de seu corpo e dos seus membros são condenados pela natureza à escravidão. É melhor para eles servir que serem abandonados a si próprios. Numa Palavra, é naturalmente escravo quem tem tão pouca alma e tão poucos meios que deve resolver-se a depender de outrem […] O uso dos escravos e dos animais é aproximadamente o mesmo.”(RIBEIRO, L. p.196). Na cultura grega, cabiam aos cidadãos a organização e o comando da polis. As funções dos escravos eram restritas à atividades inferior de transformação da natureza em um bem determinado pelas camadas superiores. Em Roma, permaneceu a divisão entre a arte de governar e o trabalho braçal. Sendo o império fundado na escravidão, o trabalho braçal era visto como degradante e destinados aos povos dominados, tidos como seres inferiores.
  8. 8. Trabalho na era Cristã • Na tradição judaíca-cristã, o trabalho associa-se também a noção de punição, maldição. • Na Bíblia, o trabalho é apresentado como uma necessidade que leva a fadiga e que resulta de uma maldição. • “comeras o pão com o suor do teu rosto (...)“ (Gn. 3,19) • Esse sentido bíblico leva a ideia de responsabilidade, obrigação, dever impregnado ao trabalho.
  9. 9. Na Idade Média • Clero – Os membros da Igreja Católica • Nobreza – Os donos das terras • Camponeses e Servos – Produziam para ambas as classes. Cultivam a terra que arrendavam em troca de proteção militar e espiritual
  10. 10. No Renascimento • Momento de transição entre a Idade Média e Idade Moderna. • O trabalho dava seus primeiros passos para a valorização. • A hegemonia dos preceitos católicos tem ganhas as criticas do protestantismo. • O trabalho começou a adquirir um sentido religioso de vocação e serviço a Deus. • Durante muito tempo o trabalho era reservado aos destituídos. – Era a pior humilhação para o nobre decaído; – As pessoas só aceitavam a condição de assalariado quando sua situação se degradava. • Artesão arruinado • Agricultor expulso do campo • Pobres sem posses.
  11. 11. Na Idade Moderna • Revolução Industrial – Máquinas a vapor; – Máquinas a eletricidades; – Máquinas informatizadas. • Valorização do Trabalho • Trabalho e a Religião – A ética protestante e o Espírito do Capitalismo. – O protestante tem o trabalho com uma dádiva de Deus, sendo isso objeto de valorização do trabalho.
  12. 12. Na Idade Contemporânea • Século XX – A descobertas de formas de energias, que são exploradas pelo homem; – O surgimento da classe proletária; – O uso de máquinas na produção; – O trabalhador tem que se especializar cada vez mais. • O trabalhador – Passou a trabalhar junto com máquinas; – Teve que se adaptar a ser um operador de motor ou empregados em escritórios;
  13. 13. O Trabalho Hoje • O trabalho passa a ser referencia pessoal; • Passa a ter importância social; • E trabalhar vai identificar o cidadão, integrando o sujeito a um grupo social. • Surge uma outra visão do mundo. • O trabalho passa a gerir as relações sociais, a identidades de grupos. • O trabalho confundiu-se com a vida do sujeito, ou a vida tornou-se trabalho.
  14. 14. O Trabalho na economia de mercado • No capitalismo o trabalho se transforma em valor de troca onde o homem vende sua força de trabalho para realizar a reprodução social – consumir e produzir. É um trabalho alienado onde o trabalhador não se reconhece naquilo que produz, não domina todo o processo de produção. O trabalhador não é o dono dos meios de produção e de trabalho, estes pertencem ao capitalista, que baseia-se no lucro e na mais-valia, ou seja, no excedente do trabalho humano, que não é repassado ao trabalhador. Ocorreu a separação entre o trabalhador e a propriedade dos meios de produção. Desse modo podemos afirmar que a essência do sistema capitalista encontra-se na separação entre o capital e o trabalho. No século XVII, Pascal inventa a primeira máquina de calcular; Torricelli constrói o barômetro; aparece o tear mecânico. A máquina exerce tal fascínio sobre a mentalidade do homem moderno que Descartes explica o comportamento dos animais como se fossem máquinas, e vale-se do mecanismo do relógio para explicar o modelo característico do universo (Deus seria o grande relojoeiro!).
  15. 15. • Para Kant, o homem é o único animal voltado ao trabalho. É necessária muita preparação para conseguir desfrutar do que é necessário à sua conservação. Mesmo que todas as condições existissem para que não houvesse necessidade do homem trabalhar, este precisa de ocupações, ainda que lhe sejam penosas. A ociosidade pode ser ainda um maior tormento para os homens. • Michel Foucault tem outra perspectiva: em todos os momentos da história, a humanidade só trabalha perante a ameaça de morte, qualquer população que não encontre novos recursos está voltada à extinção e, inversamente, à medida que os homens se multiplicam, empreendem trabalhos mais numerosos, mais difíceis e menos fecundos. O trabalho deve crescer de intensidade quanto maior for a ameaça de morte e, por todos os meios, terá de se tornar mais rentável, quanto menos acesso as subsistências existirem. • Para Marx, o trabalho é o prolongamento da atividade natural do homem, mais tarde conclui que a força de trabalho é uma mercadoria e que, para viver, o proletário vende ao capital. Segundo Marx, o trabalho denuncia uma exploração econômica e uma situação em que o homem não se revê no seu trabalho mecanizado e repetitivo, ou seja, não obtém a realização profissional que deveria obter, referindo-se a uma essência do homem que seria suposto o trabalho completar.
  16. 16. Grupo: • Ana Priscila Mathne de Almeida Mafra • Leticia Costa dos Santos • Rafaela Aparecida Soares Souza • Professor: Alexandre Lopes
  17. 17. Referências: *http://www.mundoeducacao.com/sociologia/t rabalho.htm (Acessado ás 21:59 em 20/06/2014) *http://www.dicionariodoaurelio.com/Trabalho. html ( Acessado ás 22:23 em 20/06/2014) *http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugu es/index.php?lingua=portugues- portugues&palavra=trabalho ( Acessado ás 22:25 em 20/06/2014)
  18. 18. • http://www.bibliaonline.com.br/acf/gn/3 (Acessado ás 22:37 em 20/06/2014) • http://www.sociologia.seed.pr.gov.br/module s/conteudo/conteudo.php?conteudo=334 • ALBORNOZ, S. O que é o trabalho. 8 reimpr., 6 ed. São Paulo: Brasiliense, 2008. • WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 2 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learing, 2003. • TOMAZI, N. Iniciação a Sociologia. 2ed ver. e ampl. São Paulo: Atual, 2000.

×